Disciplina: CÓdigo: auditoria contábil I ccn 5318



Baixar 15.1 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho15.1 Kb.
Universidade Federal de Santa Catarina

Campus Universitário – Trindade – Caixa Posta 476

CEP 88010-970 – Florianópolis – Santa Catarina

Centro Sócio-Econômico

Departamento de Ciências Contábeis

DISCIPLINA: CÓDIGO:



AUDITORIA CONTÁBIL I CCN 5318
CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

04 H/A 72 H/A – 18 SEMANAS
PRÉ-REQUISITO:

CCN 5303
EMENTA
Conceitos/definições de auditoria. Formas de Auditoria. Formação Técnico-Comportamental (normas profissionais do auditor, qualificação técnica, educação continuada e normas técnicas de auditoria). Planejamento da auditoria. Risco de auditoria. Relevância em Auditoria. Amostragem de Auditoria em Testes de Controles e Substantivos. Evidência em auditoria. Tendências e Evoluções Metodológicas da Auditoria (IFAC, CVM E IBRACON).
PROGRAMA


- Princípios Fundamentais de Contabilidade

- Acontecimentos que marcaram a evolução da auditoria.

Origem e evolução do conceito de auditoria. Formas de auditoria. Enfoques

de auditoria;


- Auditoria Contábil (interna e externa);

- Auditoria de Gestão, Operacional, por Meio Eletrônico (PED – Processamento Eletrônico de Dados), Auditoria Pública; Auditoria de Mercado Regulado por Agências (ANEEL, ANAPEL, ANATEL, ANS, outras), Auditoria de Segurança (Assurance), Auditoria de Responsabilidade de Prestação de Contas (Accountability) Auditoria de Tributos;

- Auditoria de Gestão Integrada de Sistemas Certificáveis (ISO9001, ISO14001, OHSAS 18001/BS8800; SA 8000/AA 1000);

- Normas de auditoria

- a pessoa do auditor e sua competência profissional (competências técnicas e comportamentais);





- Normas de auditoria da execução

    • dos trabalhos;

- Relevância em auditoria, riscos e estratégias;

- Amostragem de auditoria em Testes de Controle e Substantivos;

- Evidência em Auditoria;

Tendência e Evolução de Metodologias de Auditoria


BIBLIOGRAFIA
ALBERTON, Luiz. Uma contribuição para a formação de auditores contábeis independentes na perspectiva comportamental. Florianópolis. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas) – Departamento de Engenharia de Produção – UFSC, 2002. Disponível em www.eps.ufsc.br

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: Um Curso Moderno e Completo. São Paulo: Atlas 1996.

ATTIE, William. Auditoria : Conceitos e Aplicações. São Paulo : Atlas, 1998.

BACEN – Banco Central do Brasil – Resolução nº 2.267/96 Reitera a obrigatoriedade de Auditoria Independente para instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, Fundos de Investimentos Regulamentados pelo Bacen e Administradoras de Consórcio.

BOYNTON, William, JOHNSON, Raymond N. e KELL, Walter G. Auditoria. São Paulo : Atlas, 2002.

BRASIL – COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIO – Instrução Normativa nº 308/99.

_____.Instrução nº 247/96 Reitera a obrigatoriedade de Auditoria para as D.C. consolidadas e para todas as controladas, abertas ou fechadas, incluídas na consolidação.

_____. Instrução nº 265/97 institui Auditoria Independente para as sociedades beneficiárias de recursos oriundos de incentivos fiscais.

BRASIL – AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR – ANS. IT 03/2002. Normas relativa à apresentação do Parecer de Auditoria Independente.

CFC – CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Normas de Auditoria Profissional e Técnicas, Qualificação Técnica, Educação Continuada e de Revisão pelos Pares. Código de Ética Profissional.


CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. São Paulo : Atlas, 1999.

CRUZ, Flávio da. Auditoria Governamental. São Paulo : Atlas, 1996.

DIEMER, Regina et al. Apostila do Curso Melhorias de Processos Empresariais. Frankfurt, 1997-1999. Deutsche Gesellschaft für Qualität e V.

FRANCO, Hilário & MARRA, Ernesto. Auditoria Contábil. São Paulo : Atlas, 2000.

GIL, Antonio de Loureiro. Auditoria Operacional e de Gestão. São Paulo : Atlas, 1996.

___. Auditoria de Negócios. São Paulo : Atlas, 2000.

HERSEY, Paul & BLANCHARD, Kenneth H. Psicologia para Administradores. São Paulo : E.P.U. 1986.

IBRACON – INSTITUTO DE AUDITORES INDEPENDENTES- Princípios de Ética Profissional.

IFAC – FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE CONTADORES. Norma Internacional de Auditoria – NIA. Objetivo e Princípios Gerais que Regem uma Auditoria das DC.

INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL. Procedimentos de Auditoria Interna: Organização Básica da Auditoria Interna. 1993.

JUND, Sergio. Auditora. Rio de Janeiro : Impetus, 2001.

Lei 9.656/98 – Art. 22 Estabelece Auditoria obrigatória para as operadoras de Planos Privativos de Assistência à Saúde.

MAGALHÃES, Antonio de Deus F. et al. Auditoria das Organizações. São Paulo: Atlas, 2001.

PAULA, Maria Goreth Miranda Almeida. Auditoria Interna. São Paulo : Atlas, 1999.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez. Auditoria de demonstrações Contábeis: Normas e Procedimentos. São Paulo : Atlas, 1994.

SÁ, Antonio Lopes de. Dicionário de Contabilidade. São Paulo : Atlas, 1995.

SÁ, A. Lopes de. Curso de Auditoria. São Paulo : Atlas, 1998.

SANTANNA, Joaquim José de. Apostila de Auditoria Contábil. UFSC 1999.



SANTOS, Anselmo Romualdo. Manual de auditoria interna. Traduzido do original Internal Audit Handbook. Vol. II, Part 2, Chapter 5 (Treasury Board of Canada). Brasilia: SFC/SEAUD/CONOR/DIDES, 2000. Disponível em www.fazenda/sci.br. Acesso em 15 de junho de 2000.

SUSEP – SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. Circular nº10/92 Art. 1º estabelece Auditoria Independente para as Sociedades Seguradoras, Sociedade de Capitalização e Entidades Abertas de Previdência Privada.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal