Discurso da presidente empossada Raquel Pitchon



Baixar 44.15 Kb.
Encontro23.07.2016
Tamanho44.15 Kb.
Discurso da presidente empossada Raquel Pitchon

A Pediatria para a Medicina é uma especialidade recente, que foi desenvolvida nos últimos 200 anos. A ciência mostra por evidências que os conceitos iniciais que justificaram o desenvolvimento da Pediatria são incontestáveis. A criança e o adolescente não podem ser abordados e tratados como adultos pequenos, como o saudoso Dr. Wilson Rocha já dizia: adultos pequenos podem ser até duendes, mas nunca crianças. Eles apresentam nosologia, epidemiologia, respostas imunológicas diferentes e peculiaridades em relação às questões propedêuticas e terapêuticas.

A Pediatria no Brasil teve grande impulso a partir de 27 de julho de 1910, quando foi criada a Sociedade Brasileira de Pediatria, uma associação científica voltada para o estudo dos problemas e doenças infantis.(19) A Sociedade Mineira de Pediatria foi criada em 1947. A história dessas Sociedades se confunde com a memória dos grandes profissionais que, ao longo de mais de seis décadas, ajudaram a construir e consolidar a instituição. Nossos Presidentes - Da Brasileira, Dr. Eduardo Vaz, e Da Mineira - completam profícua gestão em que tive a honra de participar como vice-presidente do Dr. Paulo e, na Brasileira, como membro Titular do Departamento de Alergia. Ambos desenvolvem incansável trabalho em prol da pediatria mineira.

Um número crescente de pediatras se dedica ano após ano a essa instituição, em um trabalho voluntário de interesse social, comunitário e científico. Doaram e doam parte do seu tempo e conhecimento em favor do coletivo, realizando um trabalho gerado pela energia de seu impulso solidário, atendendo tanto às necessidades do próximo ou aos imperativos de uma causa, como às suas próprias motivações pessoais, sejam estas de caráter profissional, cultural, filosófico, político ou emocional.

A dita crise na Pediatria veio valorizar o trabalho do Pediatra. O médico, quando escolhe a nossa especialidade, com certeza não o faz visando à melhor remuneração. Em publicação de dezembro de 2012, este mês, a Associação Médica e o Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais ouviu 1300 futuros médicos. A Pediatria foi a terceira especialidade mais procurada, com 9% das intenções. Fica atrás da Clínica Médica e da Cirurgia Geral. No entanto, muitas vezes essa escolha representa apenas uma etapa para cumprimento de pré-requisito para realização de outra especialidade.

O pediatra é, em sua grande maioria, um idealista. No seu cotidiano tem como missão aliviar, confortar e curar. Os pediatras, essenciais tanto ao sistema de saúde quanto à população, são médicos que atendem não só a criança e ao adolescente, mas também à família, ouvindo, discutindo, aconselhando e acompanhando seus pacientes no contexto familiar.(30) Não se pode pensar em um paciente pediátrico sem pensar na família.(31) Assim se comportam o pensamento e a ação do pediatra, prevenindo doenças, acidentes e violência, preparando o jovem para o exercício pleno da cidadania.(32-34)

No entanto, os honorários indignos à nossa categoria fez com que ocorresse a diminuição da procura por essa especialidade, como a definitiva, por médicos recém-formados. O fechamento dos consultórios pediátricos tem levado as crianças ao atendimento nos serviços de emergência que, como se sabe, não são o local apropriado para acompanhar essa população.



Mas muitas vezes na queda o rio toma força. Como vocês observaram, em Minas e no Brasil os pediatras se mobilizaram e continuam a sua luta. A sociedade Mineira e a Brasileira de Pediatria estão entre as maiores sociedades médicas do nosso País. Lideranças melhor se organizaram em Belo Horizonte, no Estado e no Brasil. Avançamos em alguns pontos, mas muito ainda falta. Ao se pronunciarem durante a crise, alguns gestores relatam que não há pediatras no mercado. Atualmente, existem cerca de 30 mil pediatras no Brasil.(1) O pediatra existe, mas hoje quer ser valorizado e remunerado dignamente.

Ao nosso lado, contamos com a confiança do nosso paciente, de sua família e da sociedade. O Pediatra é essencial, tanto ao sistema de saúde quanto à população, cuidar da criança e do adolescente abordando seus aspectos físicos, emocionais e sociais é garantir a Saúde do Adulto de amanhã. É direito da criança (e também do adolescente e de sua família) ser atendida não só pelo Pediatra Geral, mas também pelo especialista pediátrico nas diversas áreas de atuação.

Assume hoje a Nova Diretoria Eleita para o triênio 2013-2015, ciente da sua enorme responsabilidade. Formamos um grande time, que contará no seu núcleo com cerca de 90 pediatras, conhecidos e reconhecidos pela excelência da sua atuação na Pediatria geral e nas diversas áreas de atuação. Mesclamos profissionais com tempos variados de atuação profissional e dos mais diversos serviços e instituições de ensino pediátrico. Nosso objetivo é fortalecer ainda mais a nossa Sociedade como órgão representativo da nossa categoria. Entre as muitas missões que teremos consideramos três as principais:

  1. Desenvolver ações visando à promoção da saúde física, mental e o bem-estar da Criança e do adolescente.



  1. Incentivar a participação e liderança do pediatra em todos os grupos de assistência e atenção multidisciplinar que atenda crianças e adolescentes. Valorizar o papel do pediatra perante a sociedade em geral e promover a capacitação e atualização do pediatra por meio de cursos, congressos, publicações e demais eventos científicos.



  1. Promover ações que visam à defesa profissional e à melhoria das condições de trabalho e remuneração.

A aliança com as instituições de ensino, segmentos da Saúde do Município, do Estado e de instituições públicas e privadas serão reforçadas. Considerando que é imprescindível que essa sociedade mantenha sua autonomia.

Peço permissão aos meus colegas da nova Diretoria para fazer homenagens aos nossos familiares, que aqui estarão representados pelos meus.

Aos nossos queridos pais representados aqui pelos meus, Joseph e Marietta, pelo apoio e amor incondicionais de ontem, hoje e sempre. Nosso reconhecimento pelas lutas e dificuldades enfrentadas para nossa formação.

Aos nossos cônjuges: querido Pedro, agradecemos pela solidariedade e pela galhardia que raros têm de não apenas compreender, mas também compartilhar dos sonhos que não são os seus.

Aos nossos queridos filhos: Daniel, Adriana e Marina, vocês são o motivo maior de nossas lutas, nossa inspiração e esperança. Fiquem certos que mesmo nos momentos de distância carregamos vocês sempre no olhar e em nossas mentes e corações.

Aos nossos irmãos, familiares e amigos de sangue e do coração, que vieram aqui hoje, de perto e de longe, por participarem e colaborarem com o nosso dia a dia. Aos meus colegas e amigos do Departamento de Alergia e Imunologia da Brasileira, que se deslocaram de diversos Estados para compartilhar esse momento conosco, os nossos agradecimentos.

A todos aqueles que conhecemos pessoalmente e àqueles que anonimamente contribuíram com essa Sociedade nosso reconhecimento.

E por fim gostaria de encerrar contando para vocês um caso. E os nossos colegas, amigos e familiares de outros estados bem sabem, que vir a Minas Gerais sem tomar um café, comer um pão de queijo e ouvir um caso de mineiro é como não ter estado por aqui. Aliás, dizem que foram os nossos casos que inspiraram os famosos cases. Na primeira reunião da nossa chapa, estavam presentes eu, Dra. Maria do Carmo nossa Vice, Dr. Oswaldo Trindade nosso secretário geral, e Dra. Marisa Lages nossa tesoureira. Precisávamos de um nome para a chapa, dentro dos sugeridos, Dr. Oswaldo sugeriu ALIANÇA o que prontamente aprovamos. Ao chegar em casa contei ao Pedro sobre a reunião e o nome da chapa. Imediatamente e sem pestanejar falou: Muito original!!! e realmente ele estava certo. Ao colocar no Google: chapa aliança, mais de 2.190.000 resultados são encontrados. No entanto, após refletir percebi que ALIANÇA para mim na verdade significava muito mais que o nome da chapa. Significava um dos principais valores da vida que é ter a benção de estar aliada às pessoas que você ama, para poder enfrentar esse desafio diário que é VIVER.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Cremesp. Remuneração e trabalho médico [monograph on the Internet]. São Paulo: Cremesp; 2001 [cited 2008 Nov 15]. Available from: http://www.cremesp.com.br/?siteAcao=Publicacoes&acao=detalhes_capitulos&cod_capitulo=8/ .

2. Brasil - Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.         [ Links ]

3. Cherchiglia ML. Terceirização do trabalho nos serviços de saúde: alguns aspectos conceituais, legais e pragmáticos. In: Santana JP, Castro JL, editores. Capacitação em desenvolvimento de recursos humanos de saúde: CADRHU. Natal: UFRN; 1999. p. 361-85.         [ Links ]

4. Schraiber LB. O trabalho médico: questões acerca da autonomia profissional. Cad Saude Publica 1995;11:57-64.         [ Links ]

5. Schraiber LB. Profissão médica: representação, trabalho e mudança. Educ Med Salud 1991;25:58-71.         [ Links ]

6. Schraiber LB. O médico e o seu trabalho: limites da liberdade. São Paulo: Hucitec; 1993.         [ Links ]

7. Sobrinho CLN, Nascimento MA, Carvalho FM. Transformações no trabalho médico. Rev Bras Educ Med 2005;29:129-35.         [ Links ]

8. Lee PR, Grumbach K, Jamenson WJ. Physician payment in the 1990s: factors that will shape the future. Annu Rev Public Health 1990;1:297-318.         [ Links ]

9. Geiger WJ, Krol RA. Physician atitudes and behavior in response to changes in Medicare reimbursement policies. J Fam Pract 1991;33:244-8.         [ Links ]

10. Cherchiglia ML. Remuneração do trabalho médico: um estudo sobre seus sistemas e formas em hospitais gerais de Belo Horizonte. Cad Saude Publica 1994;10:67-79.         [ Links ]

11. Constantino CF. O pediatra, o ato médico, a remuneração. In: Lopez FA, Campos Jr D, editores. Tratado de Pediatria. Barueri: Manole; 2007. p. 35-7.         [ Links ]

12. Pessoa JHL. O exercício da pediatria nos dias atuais. Rev Paul Pediatr 2004;22:188-9.         [ Links ]

13. Freire LMS, Campos Jr D, Vaz ES, Rocha ML, Jesus MM. Mercado de trabalho. In: Lopez FA, Campos Jr D, editores. Tratado de Pediatria. Barueri: Manole; 2007, p. 43-53.         [ Links ]

14. Schraiber LB. No encontro da técnica com a ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em medicina. Interface - Comunic Saude Educ 1997;1:123-38.         [ Links ]

15. Gallian DMC. A (re)humanização da medicina. Psiquiatria na Prática Médica [serial on the Internet]. 2001/2002;34(4) [cited 2008 Nov 2008]. Available from:http://www.unifesp.br/dpsiq/polbr/ppm/especial02a.htm/.

16. De Marco MA. A face humana da medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.         [ Links ]

17. Muccioli C, Campos MSQ, Dantas PEC, Goldchmit M, Bechara SJ, Costa VP et al. A humanização da medicina. Arq Bras Oftalmol 2007;70:897.         [ Links ]

18. Leone C. O pediatra, a puericultura e a criança "normal" (essa desaparecida). Pediatria (Sao Paulo) 1994;16:141.         [ Links ]

19. Aguiar A, Martins RM. História da pediatria brasileira: coletânea de textos e depoimentos. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Pediatria; 1996.         [ Links ]

20. Marcondes E. Pediatria: doutrina e ação. São Paulo: Sarvier; 1973.         [ Links ]

21. Crespin J. Puericultura: ciência, arte e amor. São Paulo: Fundação Byk; 1996.         [ Links ]

22. Houaiss A, Villar MS. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva; 2001.         [ Links ]

23. Hagan Jr JF, Shaw JS, Duncan P. Bright futures: guidelines for health supervision of infants, children, and adolescents [monograph on the Internet]. Arlington: National Center for Education in Maternal and Child Health; 2008 [cited 2008 Nov 15]. Available from: https://www.nfaap.org/netFORUM/eweb/.

24. American Academy of Family Physicians. Introduction to AAFP Summary of Recommendations for Periodic Health Examinations. Am Fam Physician [serial on the Internet]. 2002 [cited 2002 Apr 15]. Available from:http://www.aafp.org/afp/20020401/practice.html/.

25. Canadian Task Force on Preventive Health Care [homepage on the Internet]. Evidence-based clinical prevention. 2005 [cited 2005 Aug 17]. Available from: http://www.ctfphc.org/index2.htm/.

26. Green M, Palfrey JS. Bright Futures: Guidelines for health supervision of infants, children, and adolescents [monograph on the Internet]. 2nd ed. Arlington: National Center for Education in Maternal and Child Health; 2002. [cited 2003 Feb 23]. Available from: www.brightfutures.org/bf2/index.html/.

27. U.S. Preventive Services Task Force. Guide to clinical preventive services [monograph on the Internet]. 3rded. 2000-2003. Rockville: US Department of Health and Human Services [cited 2003 Jan 28]. Available from:www.ahrq.gov/clinic/cps3dix.htm/.

28. [No authors listed]. Recommendations for preventive pediatric health care. Committee on Practice and Ambulatory Medicine. Pediatrics 2000;105:645-6.

29. Ricco RG, Ricco RC, Santoro JR, Almeida CAN, Del Ciampo LA. Puericultura e atenção a saúde da criança e do adolescente. In: Del Ciampo LA, De Almeida CAN, editores. Puericultura princípios e práticas: atenção integral à saúde da criança e do adolescente. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2008. p. 1-6.         [ Links ]

30. Santiago LB, Bettiol H, Barbieri MA, Guttierrez MRP, Del Ciampo LA. Incentivo ao aleitamento materno: a importância do pediatra com treinamento específico. J Pediatr (Rio J) 2003;79:504-12.         [ Links ]

31. Schor EL, American Academy of Pediatrics Task Force on the Family. Family pediatrics: report of the Task Force on the Family. Pediatrics 2003;111: 1541-71.         [ Links ]

32. Viegas D. Pediatra educador. Sinopse de Pediatr (Sao Paulo) 1999;2:46-8.         [ Links ]

33. Leão E. Os desafios atuais da nutrição. Rev Med Minas Gerais 2002;12:64.         [ Links ]

34. Wilson-Brewer R, Spivak H. Violence prevention in schools and other community settings: the pediatrician as initiator, educator, collaborator, and advocate. Pediatrics 1994;94:623-30.         [ Links ]

35. Osborn LM. Effective well-child care. Current Probl Pediatr 1994;24:306-26.         [ Links ] 

36. Zuckerman B, Parker S. Preventive pediatrics: new models of providing needed health services. Pediatrics 1995;95:758-62.         [ Links ]

37. Committee on Psychosocial Aspects of Child and Family Health. The new morbidity revisited: a renewed commitment to the psychosocial aspects of pediatric care. Pediatrics 2001;108:1227-30.         [ Links ]

38. Hoekelman RA. Well-child visits revisited. Am J Dis Child 1983;137:17-20.         [ Links ]

39. Rocha SMM. O processo de trabalho em saúde e a enfermagem pediátrica: socialidade e historicidade do conhecimento [tese de livre docência]. Ribeirão Preto (SP): USP; 1990.         [ Links ]

40. Silva AAM, Gomes UA, Tonial SR, Silva RA. Cobertura de puericultura e fatores associados em São Luis (Maranhão), Brasil. Rev Panam Salud Publica 1999;6:266-72.         [ Links ]

41. Brasil - Ministério da Saúde. Programa Saúde da Família [homepage na Internet]. 2002 [cited 2004 Feb 14]. Available from: http://portal.saúde.gov.br/saud.PDF/.

42. Leite GB, Bercini LO. Caracterização das crianças atendidas na puericultura do Programa Saúde da Família do município de Campo Mourão, Paraná, em 2003. Cienc Cuid Saude 2005;4:224-30.         [ Links ]

43. Marcondes E. Diretrizes para o ensino da pediatria. J Pediatr (Rio J) 1993;69:349-52.         [ Links ]

44. Institute for Clinical Systems Improvement [homepage on the Internet]. Health care guidelines: preventive services for children and adolescents [cited 2008 Oct 10]. Available from:http://www.icsi.org/guidelines_and_more/gl_os_prot/preventive_health_maintenance/preventive_services_for_children__guideline_/.

45. Rourke LL, Leduc DG, Rourke JTB. Rourke Baby Record 2000: collaboration in action. Can Fam Physician 2001;47:333-4.         [ Links ]

46. Hall D. Promoting the health of children. Practitioner 2001;245:614-18.         [ Links ]

47. Blair M. The need for and the role of a coordinator in child health surveillance/promotion. Arch Dis Child 2001;84:1-5.         [ Links ]

48. Constantino CF. Classe médica movimenta-se para esclarecer a população sobre sua relação com planos de saúde. J Cremesp 2004;Set 1:3.         [ Links ]



49. Machado MH. Perfil dos médicos no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 1995.         [ Links ]

50. Spadari MJ. Procurando o lado humano da medicina: existe outro. Rev AMRIGS 2004;48:39-42.         [ Links ]


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal