Discurso proferido pelo Deputado Marcelo Ortiz-pv/SP, na sessão de



Baixar 16.79 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho16.79 Kb.

Discurso proferido pelo Deputado Marcelo Ortiz-PV/SP, na sessão de ______/_____/______ .




Senhor Presidente


Senhoras e Senhores Deputados,
Sr Presidente, Sras e Srs Deputados – É com grande satisfação que venho a esta tribuna na data de hoje, registrar nos anais desta magna Casa de Leis, a passagem de mais um aniversário do município de São José dos Campos, capital do Vale do Paraíba paulista, magnífica cidade que tenho a honra de representar neste Congresso Nacional.
O território joseense foi inicialmente ocupado por uma fazenda de pecuária criada oficialmente a partir da concessão de sesmarias, por volta de 1590, a pedido de padres jesuítas. Essa fazenda localizava-se às margens do Rio Comprido, hoje divisa natural entre São José e Jacareí. A classificação como fazenda de gado foi um artifício usado pelos jesuítas para ocultar dos bandeirantes uma missão catequetética aos índios guaianases, realizada por Padre Anchieta.

A Lei de 10 de setembro de 1611 que regulamentava a instalação de aldeamentos de índios dispersos, administrados por religiosos, transformou oficialmente a fazenda em missão de catequese. Esse fato causou desagrado aos colonos que muito necessitavam da mão de obra indígena e que tiveram suas ações dificultadas. O resultado desse conflito entre religiosos e colonos culminou com a expulsão dos jesuítas em 1640 e a conseqüente extinção da missão pela própria dispersão dos aldeados.


Sabe-se ainda que a organização urbana no plano teórico e prático da aldeia, é obra atribuída ao padre jesuíta Manoel de Leão, cuja principal ocupação era a de ser administrador, estando em São Paulo desde o ano de 1663, encontrava-se à frente das fazendas mais remotas. Entre estas, figurava-se o aldeamento em solo joseense. Em 1692 essa aldeia aparece com o nome de "Residência do Paraíba do Sul" e em 1696 como "Residência de São José".


Com o início do ciclo da mineração, o aldeamento passa por sérias dificuldades devido a saída de braços para o trabalho nas minas. Nota-se, ainda, por parte dos padres um certo abandono em relação ao destino da aldeia. Após a expulsão dos jesuítas do Brasil em 1759, todos os bens dessa ordem religiosa, tais como fazendas, colégio e aldeias passaram para a custódia da Coroa. Em 27 de julho de 1767 foi formalizada o levantamento da Aldeia em Vila de São José do Paraíba.


Sr Presidente, Sras e Srs Deputados - O algodão teve uma rápida evolução na região quando São José dos Campos conseguiu destaque na sua produção atingindo seu apogeu em 1864. Nesse mesmo ano, a 22 de abril, a Vila é elevada à categoria de cidade. E, em 1871 recebeu a atual denominação de São José dos Campos, seguida pela criação da Comarca em 1872. Quase simultaneamente, há o desenvolvimento da cultura cafeeira no Vale do Paraíba que começa a ter alguma expressão a partir de 1870, já contando, inclusive com a participação de São José.

No entanto, foi no ano de 1886, quando já contava com o apoio da Estrada de Ferro inaugurada em 1877, que a produção cafeeira joseense teve seu auge, mesmo num momento em que já acontecia a decadência dessa cultura na região, conseguindo ainda algum destaque até por volta de 1930. A procura do município de São José dos Campos para o tratamento de tuberculose pulmonar, teria se tornado perceptível no início deste século, devido às condições climáticas supostamente favoráveis.


Entretanto, somente em 1935, quando o município foi transformado em Estância Hidromineral, que São José passou a receber recursos oficiais que puderam ser aplicados na área sanatorial. Com o advento dos antibióticos nos anos 40, a tuberculose começa a receber tratamento ambulatorial, caracterizando assim o fim da função sanatorial até então exercida por São José, num momento que já é crescente a vinda de estabelecimentos industriais para a cidade.


O processo de industrialização do município, toma impulso a partir da instalação do Centro Técnico de Aeronáutica-CTA, em 1950 e também com a inauguração da Rodovia Presidente Dutra, possibilitando assim uma ligação mais rápida entre Rio de Janeiro e São Paulo e cortando a parte urbana de São José dos Campos.



A conjunção desses fatores permitiu que o município caminhasse para o potencial científico-tecnológico em que se encontra hoje.
Sr Presidente, Sras e Srs Deputados – Quando um município em minha região comemora mais um ano de emancipação política faço questão de vir a esta tribuna ressaltar a história da formação a atualidade como forma de construir um elo forte e aderente entre os valorosos cidadãos que construíram os pilares do município e os que hoje são os responsáveis pelo desenvolvimento e progresso do sonho de outrora.
São José dos Campos é uma cidade maravilhosa, uma das principais cidades brasileiras, em desenvolvimento científico e tecnológico. Berço de grandes e valorosos cidadãos, como o poeta imortal Cassiano Ricardo, cuja obra nacionalista e patriótica irradia o coração de todos os brasileiros.
Privilegiada por uma localização estratégica, situada entre os dois maiores centros de produção e consumo nacionais - Rio de Janeiro e São Paulo - a cidade de São José dos Campos com mais de 500 mil habitantes consegue ser cosmopolita sem perder as características de uma cidade do interior.
O setor industrial, é sem dúvida a característica marcante do município, é responsável por 70,52% de sua atividade econômica. Emprega aproximadamente 50.000 pessoas, em 720 indústrias. Entre as principais indústrias instaladas no município estão a Embraer, General Motors, Ericsson, Johnson & Johnson, Kodak, Monsanto, Panasonic, Hitachi, Johnson Controls, Avibrás, Tecsat, Solectron, Kanebo, Philips, Eaton, Bundy e Refinaria de Petróleo Henrique Lage/Petrobrás. Estas grandes empresas são responsáveis pelo município ser um dos primeiros colocados do interior do Estado de São Paulo na arrecadação do ICMS.
Sr Presidente, Sras e Srs Deputados – Aproveito a oportunidade para reafirmar meu compromisso no apoiamento a supressão do Artº 158 que segundo o Governo Federal redistribuirá a arrecadação do ICMS, o que ocasionará uma perda sem precedentes aos municípios produtores, sob a falsa argumentação da equiparidade na distribuição do ICMS como forma de beneficiar os pequenos e médios municípios.
Prefeito Emanuel Fernandes, valoroso administrador público, homem honesto e integro que há 7 anos vem administrando com competência e extrema sensibilidade para o social, tenha a certeza que estarei defendendo os interesses de São José dos Campos neste Planalto Central, pois os interesses de São José representam os anseios de todo Vale do Paraíba paulista, cuja capitania é sem dúvida bem conduzida por Vossa Excelência.
Aproveito o momento para parabenizar a todos os Nobres Edis, que vem assegurando a governabilidade, fruto de extrema importância para o desenvolvimento de qualquer município. O faço nas figuras de meu irmão Dr. José Jorley Amaral, que durante quatro anos conduziu com maestria o Legislativo joseense e do engenheiro Walter Katsunori Hayashi, que há menos de um ano a frente da Presidência da Câmara já demonstra a milenar sabedoria oriental no convívio e integração dos Nobres Edis com a sociedade joseense.
Não poderia deixar de parabenizar neste momento, o valoroso Presidente do Partido Verde de São José dos Campos, professor Fabrício Correia. Jovem, extremamente ousado em suas idéias e projetos, emprestou seu brilho e competência na gerência da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, no primeiro mandato de Emanuel Fernandes.
Durante sua gestão São José dos Campos foi mais do que a capital da Tecnologia do Vale do Paraíba, foi também a capital da cultura, entre os projetos de grande repercussão no Brasil, cito entre outros o Festival Internacional de Teatro de São José dos Campos e as milhares de oficinas culturais implantadas por ele na chefia do Departamento de Ação Cultural Descentralizada. Deixou a Fundação com um grande projeto a ser construído, o Memorial Cassiano Ricardo, projetado pelo maior arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer.
É a hora, Sr Presidente, que jovens como Fabrício Correia, aceitem o clamor da sociedade e coloquem seus nomes a disposição da sociedade para o exercício de sua representação nos poderes legislativos e executivos de todo o País.
Parabéns São José dos Campos por seus 236 anos de contribuição para o desenvolvimento do Brasil
Era o que eu tinha a dizer
Muito Obrigado.
Dep. MARCELO ORTIZ


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal