Divaldo Pereira Franco (Joanna de Angelis) Celeiro de Bênçãos



Baixar 291.99 Kb.
Página1/7
Encontro06.08.2016
Tamanho291.99 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7
Divaldo Pereira Franco (Joanna de Angelis) Celeiro de Bênçãos

Prêmio
Quando os astronautas da primeira nave tripulada que pousou na lua, em julho de 1969, retornaram à Terra, lá deixaram, entre os muitos objetos, uma placa gravada com o Salmo nº 8, de David cujo primeiro versículo enuncia: "Ó Senhor, Senhor Nosso, quão admirável é o Teu nome em toda a Terra, pois puseste a Tua glória sobre os céus!", em inequívoco atestado de respeito à grandeza e majestade de Deus.


Não obstante cultivando a Paternidade Divina, o homem atira-se, enceguecido, na busca desenfreada dos prazeres, subjugado por inqualificável egoísmo, que o infelicita inexoravelmente, apresentando comportamento antípoda à sua expressão de fé teorizada.
Os sucessivos e intermináveis desastres que vem sofrendo, ainda não lograram despertá-lo em definitivo para as salutares realizações interiores, forjadas nos princípios éticos do Cristianismo sob qualquer aspecto considerado insuperável. As disputas armadas, o extermínio sistemático, o despotismo cruel, a torpe escravidão, as ambições desenfreadas, a problemática da fome, o esvaziamento dos ideais superiores, a corrupção de toda natureza sofreram, no Sermão da Montanha, a mais terrível derrota quando Jesus exaltou os legítimos programas e aspirações que devem constituir para o espírito humano meio e meta, a fim de atingir a felicidade que almeja.
O desprezo e a desconsideração constantes a esse código há custa do prolongamento das dores entre as criaturas, o desespero que grassa, ininterrupto, ceifando as jovens promessas do futuro, em florações que não alcançam a glória ditosa da frutificação... surgem os arremedos de culto a Satã, a modernização de espírito cristão em conciliábulos vexatórios com os instigadores do rebaixamento moral do homem, em aberrantes espetáculos de pesquisa, dita religiosa, nos Templos, nos Tetros, nas Televisões, nos Cinemas, nas ruas, atentando, sob o beneplácito da acomodação quase generalizada, contra os veros postulados da Fé, do Amor, da Paz que ressumbram da Boa Nova, conspurcada na vivência atual, mas sublime na sua legitimidade intrínseca, ainda não atingida pela grande mole humana... Cicio transitório o destes dias de demolição pertinaz, é a madrugada do período

feliz que se avizinha promissor.


Aos espíritas sinceros cabe o relevante labor de construir sobre os escombros morais da atualidade, o homem integral, conforme as características do Evangelho, homem protótipo da Humanidade ditosa do porvir. Consubstanciando o verbo divino nas atitudes, o cristão novo se deve aplicar ao indeclinável ministério da ação elevada, atualizando os postulados evangélicos na vivência diária, de tal modo, que os cultivadores da insensatez e da perturbação, após os incessantes tormentos que os vergastam, permitam-se a terapêutica salutar de Jesus-Cristo, o Médico Divino de todos nós. Inspirando-nos nos consoladores enunciados do Evangelho, verdadeiro e inesgotável celeiro de bênçãos, donde se podem retirar as mais proveitosas e ricas dádivas de luz, escrevemos as páginas que constituem o presente livro, pensando nos companheiros encarnados que defrontam situações difíceis e complexas, a fim de sugerir-lhes diversas mensagens dentre as que se enfeixam nesta Obra, foram, oportunamente, publicadas em vários órgãos da imprensa leiga e espírita, aqui reaparecendo, refundidas por nós própria, para melhor harmonia de conjunto.
Apontamentos e diretrizes que talvez lhes não ocorram, nos" momentos graves" da existência planetária. São reflexões demoradas, realizadas do lado de cá, ante as conjunturas da evolução, em que todos nos encontramos envolvidos, ansiosos como nos sentimos de alcançar a paz e a alegria no reino dos Céus, reservadas aos que triunfarem sobre as próprias imperfeições. Esperando haver conseguido fazer o melhor ao nosso alcance, rogamos ao Senhor que nos abençoe os propósitos superiores e nos ajude na difícil escalada do monte da redenção, em cujos cimos Ele nos espera, após toda dor, toda fadiga, toda aflição.
Joanna de Ângelis
Salvador, 15 de agosto de 1973.
11
1

Orando no Natal
Senhor!

Enquanto vibram as emoções festivas e muitos homens se banqueteiam, evocando aquele Natal que Te trouxe à Terra, recolhemo-nos em silêncio para orar. Há tanta dor no mundo Senhor! Os canhões calam os seus troares, momentaneamente, as bombas destruidoras cessam de cair por alguns instantes, nos países em guerra, enquanto nós oramos pêlos que mercantilizam vidas, fomentando conflitos e beligerâncias outras; pêlos que escorcham as populações esfaimadas sob leis impiedosas e escravizantes; pêlos que se comprazem, como se fossem abutres em forma humana, com a renda nefanda das casas do comércio carnal;

pêlos que exploram os vícios e acumulam usuras com o fruto da alucinação de obsidiados ignorantes da própria enfermidade; pêlos que malsinam moçoilas e rapagotes inexperientes, deslumbrados com o fastígio mentiroso da ilusão; pêlos que difundem a literatura perversa e favorecem a divulgação da criminalidade; pêlos que fazem enlouquecer, através dos processos escusos, decorrentes da cultura que perverte mentes e corações; pêlos que se locupletam com as moedas adquiridas mediante o infanticídio hediondo; pêlos que dormem para a dignidade e sorriem nos pesadelos do torpor moral, que os invadem!
Senhor!

Diante das crianças tristonhas e dos velhinhos estropiados, dos enfermos ao abandono e dos atormentados à margem da sociedade, lembramo-nos de rogar por todos eles, mas não nos esquecemos de Te suplicar pêlos causadores da miséria e do infortúnio.

"Não sabem o que fazem!" - perdoa-os Senhor! Neste Natal, evocando o momento em que as Altas Esferas seguiram contigo à Terra, até o singelo recinto de animais, para o Teu mergulho na névoa dos homens, espace, novamente, misericórdia e esperança para todos, a fim de que o Ano Novo seja, para sofredores e responsáveis pelo sofrimento, a antemanhã da Era do Espírito Imortal de que Te fizeste paradigma após o martírio da Cruz.
2

Estudo evangélico no lar
Na expressiva república do lar, onde se produzem as experiências de sublimação, estabelece o estatuto do Evangelho de Jesus como diretriz de segurança e legislação de sabedoria, a fim de equilibrares e conduzires com retidão os que aí habitam em clima familial.
Semanalmente, em regime de pontualidade e regularidade, abre as páginas fulgurantes onde estão insculpidos os "ditos do Senhor" e estuda com o teu grupo doméstico as sempre atuais lições que convidam a maduras ponderações, de imediata utilidade. Haurirás inusitado vigor que te fortalecerá do íntimo para o exterior, concitando-te à alegria. Compartirás, no exame das questões sempre novas na pauta dos estudos, dos problemas que inquietam os filhos e demais membros do clã, encontrando, pela inspiração que fluirá abundante, soluções oportunas e simples para as complexas dificuldades. debatendo com franqueza e honestidade as limitações e os impedimentos, que não raro geram atrito, estimulando animosidade no conserto de reparação na intimidade doméstica.
Penetrarás elucidações dantes não alcançadas, robustecendo o espírito para as conjunturas difíceis em que transitarás inevitavelmente. Ensejar-te-ás diálogos agradáveis sob a diamantina claridade da fé e a balsâmica medicação da paz, estabelecendo vigorosos liames de entrosamento anímico e fraternal entre os participantes do ágape espiritual.
Dramas que surgem na família; incompreensões que se agravam; urdiduras traiçoeiras; pessoas e rampa de perigo iminente; enfermidades em fixação; cerco obsessivo constritor; suspeitas em desdobramento pernicioso; angústias em crises, a caminho do autocídio; inquietações de vária ordem em painéis de agressividade ou loucura recebem no culto evangélico do lar o indispensável antídoto com as conseqüentes reservas de esclarecimento e coragem para dirimir equívocos, finalizar perturbações, predispor à paz e ajudar nos embates todos quantos aspirem à renovação, entusiasmo e liberdade.
Onde se acende uma lâmpada, coloca-se um impedimento à sombra e à desfaçatez. No lugar em que a ordem elabora esquema de produtividade, escasseia a incúria e se debilita a estroinice. O convite do Evangelho, portanto, - lâmpada sublime e lei dignificante – tem caráter primeiro. Da mesma forma que a enxada operosa requisita braços diligentes e a terra

abençoada espera serviço de proteção e cultivo, a lavoura do bem entre os homens exige trabalho contínuo e operários especializados. Começa, desse modo, na família, a tua obra de extensão à fraternidade geral. Inconseqüente arregimentar esforços de salvação externa e falires na intimidade doméstica, adiando compromissos.


Faze o indispensável, da tua parte, todavia, se os teus se negarem compartir o ministério a que te propões, a sós, reservadamente na limitação da tua peça de dormir, instala a primeira lâmpada de estudo evangélico e porfia... Se, todavia, os teus filhos estiverem, ainda, sob a tua tutela, não creias na validade do conceito de deixá-los ir, sem religião sem Deus... Como lhes dás agasalho e pão, medicamento e instrução, vestuário e moedas, oferta-lhes, igualmente, o alimento espiritual, semeando no solo dos seus espíritos as estrelas da fé, que hoje ou mais tarde se transformarão na única fortuna de que disporão, ante o inevitável trânsito para o país do além-túmulo... Não te descures.
A noite da oração em família, do estudo cristão no lar, é a festiva oportunidade de conviver algumas horas com os Espíritos da Luz que virão ajudar-te nas provações purificadoras, em nome dAquele que é o Benfeitor Vigilante e Amigo de todos nós.
3

Oportunidade e desazo
Queixas-te, amargurado, ante os problemas que se sucedem, considerando não teres sido aquinhoado com ensejos de ventura e triunfo de que outros se beneficiam. As tuas hão sido lutas sem quartel, provocadoras de desatinos que te estiolam os propósitos de enobrecimento.
Os dias se sucedem; cansai-vos debilitando as tuas fibras morais de tal modo que, mesmo emulado a uma salutar reação não te dispõe concretá-la. Paisagens cinzas, agitadias pelas tormentas desanimadoras constituem os horizontes do teu caminho. Desaires e pessimismo são os estados dalma que te assinalam a marcha. Outrora sonhavas; agora defrontas pesadelos. Antes crias; ora te açoitam as dúvidas. A princípio sorrias; depois sulcaste a face com a dureza de expressão.
Ontem o entusiasmo te esflorava as aspirações; hoje a visão da esperança recobre-se de amargura. Atabalhoado com os resultados a que chegas, estás sem rumo e interrogas: "Que

fazer?" Só há uma opção: seguir adiante, colocando o sol da alegria na penumbra das dores.


Nem tudo, porém, aconteceu, conforme te parece. Erras no conceito com que interpretas a vida, como te equivocaste nas atitudes assumidas. Ideal e ação, palavra e vida são situações mui diversas. Imperioso discernir com lucidez para acertar com segurança. Quando as concessões da juventude te exornavam o corpo, assumiste compromissos perniciosos e gastaste as energias no jogo ilusório do prazer imediato. Nos períodos de paz esqueceste da elaboração de um programa de trabalho primoroso, entregando-te ao repouso, desconcertante. Às aquisições significativas em forma de amizades, afeições, estudo, meditação, operosidade cristã, intercâmbio fraterno, preferiste outros valores... Natural que defrontes o vazio refertando o íntimo e as dificuldades tornando-se impedimentos por fora.

Expulis a nuvem da queixa e oferta-te a bênção lenificadora de um ponderado reexame das conjunturas em que malograste, recomeçando com nova disposição.


Sempre é hoje, o momento precioso de santificar as horas. Não o proteles, arrimado à cruz inútil da autocomiseração. A oportunidade perdida, mesmo quando se repete, já não são as mesmas as circunstâncias e condições...
Era uma voz e um exemplo. Palavras felizes e atitudes superiores. Idealismo abrasante e dedicação integral, Amor insuperável e dever imperioso. Com essas insígnias Jesus mudou as rotas do pensamento humano; não obstante sofreu as mais pérfidas humilhações que culminaram numa cruz de desprezo que Ele santificou e num tumulto vazo, como portal de incomparável liberdade para todos nós.
4

Em relação a ti
Após a emoção do encontro com a Doutrina Espírita, agora, quando os deveres constituem norma de comportamento diário, na tua vida, observas, algo desencantado, a necessidade da contínua renovação de forças a fim de não desfaleceres.
Supunhas, inicialmente, que logo seriam resolvidos todos os problemas. Todavia, ei-los que retornam afligentes, complexos. Dispões, porém, de recursos valiosos que não podes desconsiderar e graças aos quais não desfalecerás.
Reflete: Quem tem fé, não se abate ante noite escura. Quem confia, não se desespera na

convulsão. Quem ama, não se debate na desconfiança. Quem crê, não se tortura na incerteza. Quem espera, não se atira nos braços da aflição. Quem serve, não se agasta com a ingratidão. Quem é gentil, não aguarda entendimento.


Quem é puro, não se revolta com as calúnias. Quem perdoa, não pára na caminhada a fim de recolher excusas. Quem se renova no Cristo, não retorna à prisão do erro.
Se tens fé, persevera. Haja o que houver, prossegue impertérrito, mente dirigida ao Senhor e mãos no trabalho edificante. Não olhes para trás, nem te confies à depressão. Este é o teu momento divino de avançar. Não o malbarates inutilmente. A claridade da Crença que ora te aponta seguro roteiro. far-se-á tua lâmpada de alegria onde estejas, com quem te encontres, como te sintas. E quando a noite do túmulo se abater sobre o teu corpo cansado, ela será o Sol nascente do Dia Novo que deves, desde agora, aguardar com júbilo e por cuja razão deves insistir e perseverar.
5

Nascer de novo
A debilidade moral enlaçada ao pessimismo faz-te considerar que "tudo está acabado".

Refletes, chegando à conclusão falsa de que "nada podes agora realizar". Na amargura que aflora em tua alma turbilhonada, concluis que a " reencarnação está perdida". Anelarias por outra oportunidade, supondo haveres fracassado, desastradamente. O malogro parece-te irreversível e não dispões de outro recurso senão o desaire, ou, então, o desassisamento.


Refaze anotações, reconsidera a posição mental, examina melhor a problemática do insucesso e perceberás que a experiência, normalmente é decorrência natural dos equívocos a que nos permitimos, transformando-se em lições de que nos não podemos esquecer.

Olha em derredor: a tempestade destroçou tudo e o fantasma da desolação domina. Logo mais, porém, muda o clima, altera-se a paisagem, a vida ressurge, Mais além a terra está adusta pela inclemência do sol e o antigo campo, o abençoado pomar o rico jardim se transformaram em deserto crestado, solo infeliz. Modifica-se, no entanto, a condição climática, chuva generosa faz que tudo reverdeça e primavera ditosa restitui a beleza e a vida em toda parte.


A lagarta adormece na terra imunda para ressurgir na alegre borboleta que plaina. A semente sucumbe no solo a fim de dar lugar ao arvoredo que triunfa acima do chão. O ramo de enxerto modifica a estrutura primitiva da planta ou a multiplica em plantas novas.
Assim não obstante teus sofrimentos, insucessos, podes renascer para a alegria, tens o dever de nascer de novo, porquanto, luzindo a oportunidade, não te podes entregar a decepções injustificáveis nem a conclusões infelizes. Cada dia é bênção nova, cada minuto faculdade espontânea de crescimento. Ninguém há que esteja vencido senão quando

abandona a luta. indispensável travar a batalha final que sempre ocorre no campo imenso do

próprio eu onde se refugiam inimigos soezes, que se disfarçam com as alcunhas de desânimo, egoísmo, orgulho, presunção, remorso, soberbia, quando não assumem expressões mais sórdidas e cruéis.
Disse Jesus: "É necessário nascer de novo". Não adies, hoje, o teu renascimento moral, pensando já na próxima conjuntura carnal.
A reencarnação vindoura será, sem dúvida, a continuação da reencarnação em que te encontras. Começa, agora, esse amanhã que anelas e envida todos os esforços para triunfar. Se Maria de Magdala pensasse com desânimo e tivesse sido vencida pelo medo não

seria o exemplo da cristã decidida, que nos constitui modelo correto.


O Evangelho, assim, é precioso legado de homens e mulheres, que se tornaram heróis da fé e da renúncia após experimentarem todas as vicissitudes. Dize,= então: "Recomeço a viver; estou nascendo de novo".
6

Animismo e mediunidade
Indispensável muito cuidado, exame contínuo dos problemas íntimos e acendrado zelo pelas letras espíritas, a fim de discernir com acerto e atuar com segurança. Nem tudo que ocorre na esfera mental significa fenômeno mediúnico. Se não deves recear em excesso o animismo, não convém descurar cuidados. Sucessos e impressões na órbita da vida não representam, compulsoriamente, interferência de ordem espiritual. Problemas intrincados da personalidade surgem como expressões mediúnicas a cada instante e se exteriorizam, produzindo lamentáveis desequilíbrios.
Distonias psíquicas exalam miasmas morbíficos que produzem imagens perturbadoras no campo mental e se externam em descontrole. Estuda e estuda-te. Evita a frivolidade e arma-te de siso, no mister relevante da mediunidade.
Cada ser vincula-se a um programa redentor, graças às causas a que se imana pelo impositivo da reencarnação. Interferências espirituais sucedem, sim, mas, não amiúde como pretendem a leviandade e a insensatez que se comprazem em transferir responsabilidades. Ante os valores mediúnicos legítimos, convém não desconsiderares os expressivos recursos da mente encarnada. Percepções, emoções, sensações fixam-se inconscientemente e armazenam-se nos depósitos da memória aguardando oportunidade.
O cultivo de idéias desordenadas, as aspirações mal contidas desequilibram, promovendo falsas informações. Os desbordos da imaginação geram impressões, produzem idéias que fazem supor procederem de intercâmbio mediúnico...
Além desses, a inspiração de Entidades levianas coopera com eficiência para os exageros, as distonias. Imperioso acautelar-te.
Prudência, em fenômenos mediúnicos, é medida salutar. Revisa opiniões, conotações, exames e resguarda-te na discrição. Mediunidade é patrimônio inestimável, faculdade delicada pela qual ocorrem fenômenos sutis, expressivos e vigorosos e só procedem do Alto quando em clima de alta responsabilidade. Nesse sentido, não descuides das ocorrências provindas de interferências anímicas, dos desejos fortemente acalentados, das impressões indefiníveis e desconexas que ressumam, engendrando comunicações inexatas.
Acalma a mente e harmoniza o "mundo interior". Jesus, o Excelente Médium de Deus, lecionou com incomparável sabedoria a metodologia a seguir: oração e trabalho, meditação e serviço em incessante labor de entendimento fraterno junto aos infelizes. Nenhuma informação deprimente, espezinhadora, ultrajante dEle se exteriorizou, mas sempre manteve sem cessar inalterável caridade para todos, com exemplos otimistas, traduzindo a Sua condição de Construtor e Guia da Terra.
7

A parte de Deus
Em qualquer circunstância aflitiva, quando as coisas se apresentem negativas ou infelizes, não deixes de fazer o que te cabe fazer, considerando que a parte de Deus, Ele a fará. Com freqüência, quando o homem se vê a braços com os desafios da vida, que surgem na figuração de problemas de complexa envergadura, logo lhe acodem à idéia os pensamentos pessimistas, em convite inditoso à desistência da luta, ou à rebeldia, ou à queda irreversível no abismo...
Nesse estado, recusa-se utilizar os preciosos dons da oração, que faculta paz; da meditação, que leva à confiança plena; da submissão aos desígnios divinos, que proporciona humildade; da inalterável certeza de que Deus interfere da forma que é melhor, com o que propicia intercâmbio inspirativo para atitudes corretas.

Conduzido na voragem dos desajustes de vária ordem, o agitado não tem clima



mental para raciocinar com acerto, do que decorrem mais graves distúrbios que os causadores da inquietação.
Desta forma, concitado ao labor edificante, faze a tua parte; defrontando enfermidades a minar o organismo, realiza a tua parte; incompreendido nos mais expressivos ideais de enobrecimento, prossegue com a tua parte; acoimado pela inferioridade, ajusta a tua parte; colhido pelo lodaçal das calúnias e vis humilhações, avança com a tua parte; empurrado à tentação, coloca em pauta a tua parte; surpreendido por qualquer acidente inesperado e trágico, executa a tua parte, porquanto a de Deus chegará com segurança no momento oportuno, a teu benefício.
São de Deus: a interferência providencial de um amigo ignorado; o auxílio gentil de desconhecido benfeitor; a opinião favorável de alguma pessoa influente; a presença operosa de devotado anônimo; o socorro imprevisto, mas oportuno; a coragem, que assoma ao espírito, ante o infortúnio; a presença caridosa de estranhos passantes; e tudo quanto de pior sempre poderia ter acontecido, mas que não aconteceu. Se, todavia, advier-te, em momentos que tais, a paralisia ou a desencarnação – que no teu conceito são legítimos infortúnios - mesmo em tal ocorrência a parte de Deus, a mais atuante, colaborou de modo á que estranhos e mais aflitivos sofrimentos não te alanceassem, porquanto ignoras do Estatuto Divino os códigos sublimes que funcionam com precisão, face as necessidades das leis cármicas, mas que o Pai, por amor, proporciona ao espírito calceta submeter-se, concedendo-lhe meios felizes não obstante doridos, a fim de equilibrar-se e avançar, na escalada da evolução.
Confia, portanto, em regime de total segurança na parte de Deus, e, ativo, faze a tua parte, humilde e submisso até o fim dos teus dias no corpo somático. A luz da crença pura que te clarifica por dentro é ainda a presença de Nosso Pai sustentando-te na noite da redenção, pois que infelicidade e desgraça reais são as que impedem a ação da parte de Deus nos momentos graves, e podem ser identificadas como rebeldia sistemática e falta de fé, em cuja treva o espírito desnorteia e enlouquece por longo tempo.
8

Ante o estudo
Necessário em qualquer mister. Impostergável para o aprimoramento humano. Valioso para maior integração do indivíduo nos objetivos a que se vincula. Indispensável para a iluminação interior. Em todo ministério de enobrecimento, o estudo tem regime de urgência como diretriz de segurança e veículo de libertação íntima.
Ninguém pode vincular-se em definitivo ao ministério redentor sem conhecer as razões preponderantes da existência espiritual. Evidente que antes de qualquer realização, programas e projetos devam constituir bases experimentais. O estudo, desse modo, fornece as coordenadas para maior penetração na tarefa buscada: seja a de ajudar, seja a de ajudar-se.
No que diz respeito à Doutrina Espírita, cabe-nos a todos o dever de mergulhar o pensamento nas fontes lustrais do conhecimento, a fim de melhor entendermos os quesitos preciosos da existência, simultaneamente as leis preponderantes da Causalidade, de modo a podermos dirimir equívocos e dúvidas, colocando balizas demarcatórias no campo das conquistas pessoais, intransferíveis: um quarto de hora, diariamente, dedicado ao estudo;

pequena página para reflexão, diuturnamente; um conceito espírita como glossário para cada dia; uma nótula retirada do contexto luminoso da Codificação para estruturar segurança em cada 24 horas; uma noite por semana para o estudo espírita, no dia reservado ao Culto Evangélico do Lar, como currículo educativo; uma pausa para a prece e singelo texto para vigilância espiritual, sempre que possível...


Sim, todos podem realizar curso inadiável para promoção espiritual na escola terrestre. O estudo do Espiritismo, portanto, hoje como sempre é de imensurável significação. Definiu-lhe a validade o Espírito de Verdade, no lapidar conceito exarado em "O Evangelho Segundo o Espiritismo": "Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo." Estudar sempre e incessantemente a fim de amar com enobrecimento e liberdade.


Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal