Do campo e da floresta



Baixar 163.84 Kb.
Página4/4
Encontro06.08.2016
Tamanho163.84 Kb.
1   2   3   4

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

MCT – Ministério de Ciência e Tecnologia

MDA – Ministério de Desenvolvimento Agrário

MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

MDS – Ministério do Desenvolvimento Social

MJ – Ministério da Justiça

MMA – Ministério do Meio Ambiente

MMC – Movimento de Mulheres Camponesas – Brasil

MS – Ministério da Saúde

MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego

NESP/UnB – Núcleo de Estudos de Saúde Pública da Universidade de Brasília

OGMs – Organismos Geneticamente Modificados

OIT – Organização Internacional do Trabalho

OMS – Organização Mundial da Saúde

OPAS – Organização Pan-Americana da Saúde

PAB – Piso de Atenção Básica

PDR – Plano Diretor de Regionalização

PAIS – Programa de Ações Integradas de Saúde

PIASS – Programa de Interiorização das Ações de Saúde e Saneamento

PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

PPAPlano Plurianual

PRONAF – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar

PRONERA – Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária

RIPSA – Rede Interagencial de Informações para a Saúde

SAS/MS – Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde

SCTIE/MS – Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde

SE/MS – Secretaria Executiva do Ministério da Saúde

SEAP/PR – Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República

SGEP/MS – Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde

SEPMPR – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República

SEPPIR/PR – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República

SGTES/MS – Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde do Ministério da Saúde

SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica

SIA-SUS – Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS

SICLOM – Sistema de Controle Logístico de Medicamentos

SIGAB – Sistema de Gerenciamento de Unidade Ambulatorial Básica

SIH-SUS – Sistema de Informações Hospitalares do SUS

SIM – Sistema de Informações sobre Mortalidade

SINAN – Sistema de Informações sobre Agravos Notificáveis

SINASC – Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos

SI-PNI – Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações

SISVAN – Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional

SUS – Sistema Único de Saúde

SVS – Secretaria de Vigilância em Saúde

UDR – União Democrática Ruralista

UTF – Unidade de Trabalho Familiar

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AÇÃO CATÓLICA OPERÁRIA (ACO). História da classe operária no Brasil. Rio de Janeiro: Reproarte, 4.º caderno, 1985.

ALBERT, B. & GOMEZ, G. G. Saúde Yanomani: um manual etnolingüístico. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1997.

ARTICULAÇÃO NACIONAL DE AGROECOLOGIA. Carta política (II Encontro Nacional de Agroecologia). Acessível em http://www.agroecologia.org.br/CartaPoliticaIIENA.pdf

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Acessível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm

_______. Lei n.º 8.080. 19 set. 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. Acessível em www.cff.org.br/Legislação/Leis/lei_8080_90.html

_______. Lei n.º 8.069. 13 Jul. 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Acessível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm

_______. Lei n.º 8.142. 28 dez. 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Acessível em http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/dh/volume%20i/saudelei8142.htm

_______. Ministério da Saúde. Relatório da 11.ª CNS. Brasília, 2001.

_______. Ministério da Saúde. Relatório da 12.ª CNS. Brasília, 2004.

_______. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. O SUS de A a Z: garantindo saúde nos municípios. Brasília, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 649. 28 mar. 2006.   Define valores de financiamento para o ano de 2006, com vistas à estruturação de Unidades Básicas de Saúde para as equipes Saúde da  Família, como parte da Política Nacional de Atenção Básica. Acessível em http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq561_PortariaAnA649AdeA28.03.2006.doc

_______. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 650. 28 mar. 2006. Define valores de financiamento do PAB fixo e variável mediante a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a estratégia de Saúde da Família e para o Programa de Agentes Comunitários de Saúde, instituídos pela Política Nacional de Atenção Básica. Acessível em http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq_785_PortariaAnA650AA28.03.2006.doc

_______. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 698. 30 mar. 2006. Define que o custeio das ações de saúde é de responsabilidade das três esferas de gestão do SUS, observado o disposto na Constituição Federal e na Lei Orgânica do SUS. Acessível em http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq566_PortariaAnA698AdeA30.03.2006.doc

_______. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 822. 17 abr. 2006. Altera critérios para definição de modalidades das ESF dispostos na Política Nacional de Atenção Básica. Acessível em http://dtr2004.saude.gov.br/dab/saudebucal/legislacao/portaria_822_17_04_06.pdf

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Brasília, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Diretrizes Gerais da Estratégia de Atenção à Saúde para a População do Campo. Brasília, 2004 (versão preliminar digitada).

_______. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília, 2006.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Programa Estratégico de Ações Afirmativas: População Negra e Aids. Brasília, 2006.

_______. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Novo retrato da agricultura familiar: o Brasil redescoberto. Brasília, 2000.

_______. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Conselho Nacional de Desenvolvimento Sustentável. Diretrizes para o desenvolvimento sustentável. Brasília, 2006.

_______. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Lei n.º 11.326. 24 de Jul de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Acessível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11326.htm

HUBERMAN, L. História da riqueza do homem. 17.ª ed. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1981.

IENO, G. M. L. Municipalização da saúde em Caaporã: a construção de uma autonomia? (Dissertação). João Pessoa, 1994, UFPB/CCLH/MCCS

INSTITUTO DE PLANEJAMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPEA). Ofertas de serviços ao previdenciário do Funrural: gastos e estrutura de custeio. Brasília, 1981.

LIMA, J. C. Histórias das lutas sociais por saúde no Brasil. Trabalho necessário. v. 4, n. 4, 2006. p. 1-33.

LIMA, N. T., HOCHMAN, G. Condenado pela raça, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da Primeira República. In: MAIO, M. C., SANTOS, R. V. (Orgs.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, Centro Cultural Banco do Brasil, 1996. 252p.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis: Vozes, 1981.

MARX, Karl. A chamada acumulação primitiva. In: O Capital: crítica da economia política. 12 ed. Livro 1. v. 2. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988. p. 828-882.

MEDEIROS, L. S. História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: FASE, 1989.

MOTA, C. G. Brasil em perspectiva. 14.ª ed. São Paulo: DIFEL, 1984.

NUNES, A. et al. Medindo as desigualdades no Brasil: uma proposta de monitoramento. Acessível em http://www.opas.org.br/publicmo.cfm?codigo=41

OLIVEIRA, T. C. A Evolução Histórica da Previdência Social Rural no Brasil. Revista brasileira de saúde ocupacional. São Paulo: n.º 64, vol. 16. out. nov. dez. 1988.

PROGRAMA DE COMBATE AO RACISMO INSTITUCIONAL-SAÚDE. Quesito cor (folheto de divulgação). Brasília, 2006.

SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. 4 ed. São Paulo: HUCITEC, 1996.

SOARES, José Arlindo. Os limites do novo sindicalismo no Nordeste. Brasília: 1985 (digitado).



1 Neste documento, pressupõe-se que os termos camponeses, agricultores, trabalhadores, assentados, acampados, assalariados etc contemplam a sua flexão de gênero, ou seja, camponesas, agricultoras, trabalhadoras, assentadas, acampadas, assalariadas etc.

2 Participantes do Grupo da Terra: SGEP-MS/SAS/SVS/SCTIE/SGTES/SE; FIOCRUZ, FUNASA, ANVISA, CONASEMS, CONASS, MMC-Brasil, CONTAG, MST, CNSeringueiros, CONAQ. Convidados: SEAP/PR, SEPPIRPR, SEPMPR, MDA, MMA, MAPA, MTE, IBAMA e INCRA.

3 CONDRAF. Diretrizes para o desenvolvimento sustentável. Brasília, 2006.

4 O DATASUS agrega informações relacionadas à assistência e administração nos seguintes sistemas: SIA-SUS; SIH-SUS; SIAB; SI-PNI; SISVAN; SICLOM; SIGAB; HOSPUB. A SVS agrega as informações relacionadas ao perfil epidemiológico (antes de 2003, CENEPI) por meio dos seguintes sistemas: SIM; SINAN; SINASC. O IBGE, por meio de pesquisas sem regularidade de período, como as PNADs e AMS, coleta dados que permitem a construção de indicadores para a análise da desigualdade entre os grupos sociais (OPS/IPEA,2001).

1   2   3   4


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal