Do imutável



Baixar 49.49 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho49.49 Kb.

Paradigmas filosóficos e conhecimento da educação: limites do atual do discurso filosófico no Brasil na abordagem educacional (SEVERINO, A. J. – USP)

METAFÍSICA

POSITIVISMO




Essencialista: princípios e categorias que explicam os seres, os objetos, os homens, a história (enquadram as realidades);

Forma de explicação ancorada em conceitos para além da experiência física (o ser, o verdadeiro, o belo);

Ação humana explicada a partir de uma natureza essencial (a ação pessoal e histórica, só é considerada na contingência da realização da essência, do imutável);


Filosofia dos conceitos científicos (preocupação com os limites da linguagem): subsidiar o discurso científico e matemático;




NEO-POSITIVISMO

NEO-POSITIVISMO




Também conhecido como fisicalismo; empirismo lógico; positivismo lógico (Círculo de Viena);

Círculo de Viena(1920): pretendia promover a unificação do saber científico (superar e eliminar conceitos vagos de sentidos e os pseudo-problemas metafísicos);

Defesa da condição “a posteriori” dos enunciados (estudar a linguagem das ciências);

Fundamentar o conhecimento científico; o conhecimento matemático; o processo científico e sua expressão rigorosa.;

Pressupostos lógico-epistemológicos (da teorização do conhecimento): preocupação em fornecer maior rigor e consistência às linguagens das ciências e das políticas educacionais (fornecimento de elementos estruturais);

Teoria da verificabilidade: estabelece o fundamentos da ação. O critério é técnico funcional, e não ético e político.


Reconhecimento da dimensão sócio-histórica da ciência e seu impacto sobre as dimensões objetivas e subjetivas do homem (análise da psicologia da aprendizagem);

Inclusão de outras questões como a história, a política e a ética;

Espaço para considerações axiológicas no plano político e educacional.

Influencia no âmbito da psicologia da aprendizagem: Piaget, Vygotsky, Wallon;





TOMISMO

NEOTOMISMO




Tomismo: Tomas de Aquino (século XIII): dogmas do cristianismo + pensamento de Aristóteles.



Base em Tomás de Aquino + problemas do mundo moderno + ciência (Jacques MARITAIN 1882 – 1973);

Expressões do tomismo contemporâneo SOFREM influências da fenomenologia; existencialismo; personalismo; culturalismo; marxismo;






REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO




Preocupação mais explícita com a educação;

Conhecimento geral e científico = Formas de aprendizagem marcadas pela Psicogênese e sociogênese (forte racionalismo: o conhecimento teórico mediando a ação humana);

Base do construtivismo: Sujeito é epistêmico;

Educando e psíquico: epistemologia ßà psicologia ßà educação; Limites: a educação vai além dos processos de aprendizagem (está em relação com vetores políticos).






REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO

REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO




Ética – política - filosofia da educação: o estabelecimento de modelo já definido (determinação na essência do ser, do homem e dos valores);

Referências da educação: ontológica (ser já definido); antropológica (homem definido); axiológica (valores fixos).



A temática político-educacional não é explícita no neopositivismo brasileiro: filosofia cientificista; tecnicista e pragmatista (fundamentos da ciência e operação na técnica);




Autores brasileiros




F undamentos lógico-formais do conhecimento científico e da matemática : Newton Carneiro da Costa, Ayda Ignez Arruda, Lafayette de Moraes, Luis Carlos Dias Pereira, Luis Paulo de Alcântara, Elias Humberto Alves, Paulo Roberto Margutti Pinto

e Andréa Loparic.

Linguagem precisa a e rigorosa: Raul Landim Filho, Danilo Marcondes de Souza, Renato Machado, Jorge Emmanuel Ferreira Barbosa, Walter Alexandre Carniclli, Itala Loffredo D'Ottaviano, João Alexandre Guerzoni, Vera Lúcia Vidal, Balthasar Barbosa Filho, Marcos Barbosa de Oliveira, Paulo Farias e Arley Ramos.

Expressão rigorosa: Leónidas Hegcnbcrg, Milton Vargas, Rejane Carrion, Maurício Rocha c Silva, Luiz Alberto Peluso e Michel Ghins, dentre outros.




Autores brasileiros




Hilton Japiassu – pedagogia da incerteza :

à ilusão da pedagogia científica (pressuposto positivista da cultura);

à necessidade de filosofia da educação crítica (retomada da intencionalidade do projeto e do processo pedagógico)





Autores brasileiros




  • Ubiratan de Macedo: filosofia política e dos direitos (liberdade, liberalismo, influência do culturalismo);

  • Dom Beda: didática e filosofia da educação (influência da fenomenologia);

  • José Geraldo Vidigal de Carvalho: política e educação;

  • Tarcísio Meireles Padilha: filosofia política (influência da fenomenologia existencial);

  • Fernando Arruda Campos: retoma categorias essencialistas e a questão da linguística).







SUBJETIVISMO: Educação: investimentos dos sujeitos; Método de conhecimento; mediação (aspectos práticos); Insistência nos fundamentos éticos e antropológicos da educação.

FENOMENOLOGIA e estética da existência

NEO-HUMANISMOS e a fundamentação antropológica

ARQUEOGENALOGIA e a tematização do cotidiano

Interpretação da existência em todas as dimensões em que se manifesta;

Repercussão político-educacional: o processo e alcance das ciências humanas (possibilidade de um projeto antropológico – neohumanista, existencialista- reflexão ética);

Priorização do sujeito pessoal;
RADIÇÃO SUBJETIVISTA: FENOMENOLOGIA:

HEGEL: processo de constituição da consciência (da experiência sensível a formas mais elaboradas);

HUSSERL: aquilo que se apresenta ao homem (consciência);

Conceito base: a intencionalidade (sentido de consciência);

Objetivo: vencer a contradição empirismo (realismo), e o psicologismo idealismo);

Os seguidores de Martin Heidegger priorizavam o sujeito pessoal.



à Humanismo – algumas considerações:

Dependem da dimensão em que tratam do humano (no Renascimento: dignidade humana estabelecida na razão e espírito crítico; em Marx e Engels o processo de libeertação);

Toda doutrina que situa o homem como centralidade (filosofia);

Toda sólida formação cultural clássica (conceito histórico)
à Meta: nova imagem de homem (fundamento no agir humano);

Vertentes: reflexão ético-política; historicidade (dimensão política) ; subjetividade (dimensão educacional);

àPersonalismo: neo-humanismo mais influente na reflexão político-educacional:

Sensibilidade à condição sócio-histórico do homem – aproximação com a corrente marxista – Emannuel Mounier.

Relaciona a interdependência entre ética-política-educação (um mesmo projeto).


O agir em detrimento do epistemológico - ampliação da autonomia do sujeito;

Crítica a toda sistematização determinista (temas políticos e educacionais – denuncia do sistema);

Negação dos sistemas institucionalizados de poder (repressão à liberdade);

Contexto da cumplicidade saber – poder ( articulação do pensamento criativo): Articulação do pensamento criativo e contestador.;

Afastamento do discurso universalizante das ciências humanas (racionalismo – positivismo – historicismo);

Valorização do imaginário, inconsciente; emocional, corporal (intersubjetividade do corpo);

Crítica à institucionalização do pedagógico..


Autores brasileiros

Rubem Alves: metáforas da condição humana. (contraposição professor – educador);

Balanço crítico da cultura humana



Autores brasileiros

Autores brasileiros

Antonio Muniz Resende: educação como aprendizagem geral. Repercussão na prática política;

Objetivo: personalização do sujeito, politização, culturalização, historização, libertação, práxis-ação, a palavra-ação, responsabilização e valoriarização;

Risco da impregnação ideológica (vigilância crítica sobre o discurso pedagógico).


No Brasil nem sempre assumiram os problemas políticos e educacionais;

Odone José Quadro: pedagogia do apelo existencial (a força educativa dos fenômenos que marcaram a existência humana). Educação entendida como encontro de liberdades;

Paulo Reghus Freire: “Educação como prática de liberdade”; pedagogia = processo de conscientização;

Newton Aguiles e Antonio Sidekum (diálogo da solidariedade).

Claudio Henrique Lima Vaz: filosofia da história, da cultura, da política, da educação. Exalta a relevância da práxis o existir histórico.



CULTURALISMO: A ênfase na história e o lugar do político.

As correntes DIALÉTICAS e a priorização do político

A cultura como criação e expressão do espírito: História da humanidade = história da cultura (não há lugar para qualquer determinismo naturalista e social);

A liberdade em lugar da organização;

A pessoa como raiz da historicidade é uma realidade de dupla valência:

 Dimensão ontognosiológica: o homem transcende as estruturas ( possibilidade da experiência ética);

 Dimensão ética: critério de aferição da experiência ética-jurídica;

A necessidade de normatização surge com a movimentação histórica (fenômeno cultural – questão educacional está implícita na dimensão ética);




Centralidade da política - Filosofia política = teoria da práxis;

Os dois movimentos da perspectiva dialética (tese –antitese):

 Historicidade do real e do processo do conhecimento: fluxo permanente de transformação e resultante da ação de forças contraditórias.

 PROVISORIEDADE dos conceitos (HEGEL);

 O real que se esgota no natural (ordem da imanência das coisas. A história = práxis coletiva da humanidade mediante articulação das forças contraditórias (PENSAMENTO MARXISTA).

Substância: práxis humana na economia política: compreensão da realidade social e de sue desdobramento histórico;

Inspiração filosófica sobre a educação (profissão).

Educação é parte do processo social (superestrutura ideológica). Tematização: Gramsci, Althusser,

Escola de Frankfurt – 1930 (dialética negativa): Educação é implicada, não explícita nesta perspectiva:

Retomada da subjetividade, autonomia dos processos culturais (maior valorização da educação);

Teoria crítica do conhecimento (dialética);

Questionamentos dos valores individualistas;

Preocupação com as contradições da racionalidade científica e técnica (escravização do homem);

Crítica da indústria cultural; dos totalitarismos; e das perspectivas positivistas do mundo.;



Autores: Adorno; Walter Benjamin; Max Horkheimer; Marcuse; Habermas

Autores brasileiros

Roque Spencer Maciel de Barros: formação do homem = modelo ideal de pessoa (dever ser) – tripla valência: ethos (vontade); pathos (sentir); logos (pensar)


Autores brasileiros

Leôncio Basbaum, Caio Prado, Leandro Konder, José Arthur Giannotti: questões gerais da cultura brasileira; Inspiração filosófica sobre a educação (profissão);





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal