Documento de Projeto do pnud



Baixar 1.35 Mb.
Página6/17
Encontro24.07.2016
Tamanho1.35 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17

Descrição das atividades, deveres e responsabilidades

  • Ampliação de estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, incluindo características de fluxo de produtos e emissão de gases de efeito estufa nas diferentes fases.




  • Avaliação do setor de produção de carvão vegetal, com a estimativa dos fatores de emissão de gases de efeito estufa em todas as fases de produção, e o uso do carvão vegetal na indústria siderúrgica.




  1. Resultados esperados

Elaboração do Inventário para o Setor de Energia – Setor de Produção de Carvão Vegetal


  1. Qualificações profissionais

  • Capacidade técnica (equipe técnica)

  • Experiência em inventário de gás de efeito estufa para o setor de energia

  • Habilidade em agregar outras instituições e centros de pesquisa

  • Graduação




  1. Responsável por

Coordenar o Inventário para o Setor de Energia – Setor de Produção de Carvão Vegetal


  1. Local de trabalho

A ser definido


  1. Duração

Equivalente à duração do projeto


  1. Categoria salarial

A ser definido


  1. Linha orçamentária

GEF

Termos de Referência No 05 – Pessoa Jurídica
Número e título do projeto: BRA/05/G31/1G/A/01 – Segunda Comunicação Nacional do Brasil à CQNUMC


  1. Título

Inventário para o Setor de Energia – Setor de Geração de Eletricidade


  1. Histórico

O Ministério da Ciência e Tecnologia brasileiro estabeleceu a Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima em agosto de 1994. Sua meta principal era coordenar a implementação da CQNUMC no Brasil e sua principal tarefa inicial era desenvolver a Primeira Comunicação Nacional, de acordo com os compromissos assumidos no âmbito da Convenção.
O Primeiro Projeto de Atividades de Capacitação em Mudança do Clima teve início em junho de 1996 com recursos externos fornecidos pelo GEF – Projeto “Capacitação do Brasil para Cumprir os Compromissos Assumidos no Âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima”, de acordo com o Artigo 4.3 da Convenção, “as Partes países desenvolvidos e demais partes desenvolvidas incluídas no Anexo II devem prover recursos financeiros novos e adicionais para cobrir integralmente os custos por elas concordados incorridos por Partes países em desenvolvimento no cumprimento de suas obrigações previstas no Artigo 12, parágrafo 1”. Além disso, foram disponibilizados recursos finais por meio de um acordo bilateral com os Estados Unidos, no âmbito do Programa do USCS. O projeto finalizou suas atividades em dezembro de 2000 e a Primeira Comunicação Nacional do Brasil foi submetida em 10 de dezembro de 2004, durante a 10a Conferência das Partes à CQNUMC.
A fim de assegurar que o Brasil continue participando e avançando na implementação da CQNUMC, é necessário que um segundo projeto de atividade de capacitação seja aprovado para apoiar o país na preparação de sua Segunda Comunicação Nacional.
Embora a Comunicação Nacional inicial tenha focalizado principalmente a preparação de um inventário detalhado de emissões de gases de efeito estufa e uma descrição geral das providências tomadas ou previstas para implementar a Convenção, o Segundo Projeto de Atividades de Capacitação visa ampliar a escala e o escopo das atividades a serem realizadas, incluindo a avaliação de vulnerabilidade e adaptação.
O objetivo de desenvolvimento do projeto é elaborar a Segunda Comunicação Nacional do Brasil para a Conferência das Partes, realizar estudos sobre vulnerabilidade e medidas de adaptação, desenvolver a modelagem regional do clima e de cenários da mudança do clima e aumentar a capacitação institucional para a implementação da Convenção no Brasil.
O projeto será executado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia por meio da Coordenação-Geral de Mudança Global de em cooperação próxima com os parceiros nacionais, regionais e locais.


  1. Resultados relacionados ao documento de projeto

Resultado 1.1.1 - Elaboração do inventário para o Setor de Energia (envolvendo algumas atividades: avaliação e ampliação de estudos sobre o Balanço Energético, ampliação de estudos sobre a abordagem Bottom-Up para a estimativa de emissões de gases de efeito estufa, ampliação de estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, ampliação de estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC, aprimoramento da metodologia e obtenção e ampliação dos dados para a estimativa de emissões fugitivas).


  1. Descrição das atividades, deveres e responsabilidades

  • Ampliação dos estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, incluindo características de fluxo de produtos e emissão de gases de efeito estufa nas diferentes fases.




  • Avaliação do setor de geração de eletricidade, incluindo o tipo e tamanho das usinas, tipo de combustível, dados sobre o consumo de combustível e a produção de eletricidade, e fatores de emissão de gases de efeito estufa específicos do país.




  1. Resultados esperados

Elaboração do Inventário para o Setor de Energia – Setor de Geração de Eletricidade


  1. Qualificações profissionais

  • Capacidade técnica (equipe técnica)

  • Experiência em inventário de gás de efeito estufa para o setor de energia

  • Habilidade em agregar outras instituições e centros de pesquisa

  • Graduação




  1. Responsável por

Coordenar o Inventário para o Setor de Energia – Setor de Geração de Eletricidade


  1. Local de trabalho

A ser definido


  1. Duração

Equivalente à duração do projeto


  1. Categoria salarial

A ser definido


  1. Linha orçamentária

GEF

Termos de Referência No 06 – Pessoa Jurídica
Número e título do projeto: BRA/05/G31/1G/A/01 – Segunda Comunicação Nacional do Brasil à CQNUMC


  1. Título

Inventário para o Setor de Energia – Setor de Refinarias de Petróleo


  1. Histórico

O Ministério da Ciência e Tecnologia brasileiro estabeleceu a Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima em agosto de 1994. Sua meta principal era coordenar a implementação da CQNUMC no Brasil e sua principal tarefa inicial era desenvolver a Primeira Comunicação Nacional, de acordo com os compromissos assumidos no âmbito da Convenção.
O Primeiro Projeto de Atividades de Capacitação em Mudança do Clima teve início em junho de 1996 com recursos externos fornecidos pelo GEF – Projeto “Capacitação do Brasil para Cumprir os Compromissos Assumidos no Âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima”, de acordo com o Artigo 4.3 da Convenção, “as Partes países desenvolvidos e demais partes desenvolvidas incluídas no Anexo II devem prover recursos financeiros novos e adicionais para cobrir integralmente os custos por elas concordados incorridos por Partes países em desenvolvimento no cumprimento de suas obrigações previstas no Artigo 12, parágrafo 1”. Além disso, foram disponibilizados recursos finais por meio de um acordo bilateral com os Estados Unidos, no âmbito do Programa do USCS. O projeto finalizou suas atividades em dezembro de 2000 e a Primeira Comunicação Nacional do Brasil foi submetida em 10 de dezembro de 2004, durante a 10a Conferência das Partes à CQNUMC.
A fim de assegurar que o Brasil continue participando e avançando na implementação da CQNUMC, é necessário que um segundo projeto de atividade de capacitação seja aprovado para apoiar o país na preparação de sua Segunda Comunicação Nacional.
Embora a Comunicação Nacional inicial tenha focalizado principalmente a preparação de um inventário detalhado de emissões de gases de efeito estufa e uma descrição geral das providências tomadas ou previstas para implementar a Convenção, o Segundo Projeto de Atividades de Capacitação visa ampliar a escala e o escopo das atividades a serem realizadas, incluindo a avaliação de vulnerabilidade e adaptação.
O objetivo de desenvolvimento do projeto é elaborar a Segunda Comunicação Nacional do Brasil para a Conferência das Partes, realizar estudos sobre vulnerabilidade e medidas de adaptação, desenvolver a modelagem regional do clima e de cenários da mudança do clima e aumentar a capacitação institucional para a implementação da Convenção no Brasil.
O projeto será executado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia por meio da Coordenação-Geral de Mudança Global de em cooperação próxima com os parceiros nacionais, regionais e locais, em particular com a Petróleo Brasileiro S. A. (Petrobras).


  1. Resultados relacionados ao documento de projeto

Resultado 1.1.1 - Elaboração do inventário para o Setor de Energia (envolvendo algumas atividades: avaliação e ampliação de estudos sobre o Balanço Energético, ampliação de estudos sobre a abordagem Bottom-Up para a estimativa de emissões de gases de efeito estufa, ampliação de estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, ampliação de estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC, aprimoramento da metodologia e obtenção e ampliação dos dados para a estimativa de emissões fugitivas).


  1. Descrição das atividades, deveres e responsabilidades

  • Ampliação dos estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, incluindo características de fluxo de produtos e emissão de gases de efeito estufa nas diferentes fases.




  • Avaliação do setor de refinarias de petróleo, com a estimativa das emissões de gases de efeito estufa em todas as fases industriais, incluindo as emissões fugitivas.




  1. Resultados esperados

Elaboração do Inventário para o Setor de Energia – Setor de Refinarias de Petróleo


  1. Qualificações profissionais

  • Capacidade técnica (equipe técnica)

  • Experiência em inventário de gás de efeito estufa para o setor de energia

  • Habilidade em agregar outras instituições e centros de pesquisa

  • Graduação




  1. Responsável por

Coordenar o Inventário para o Setor de Energia – Setor de Refinarias de Petróleo


  1. Local de trabalho

A ser definido


  1. Duração

Equivalente à duração do projeto


  1. Categoria salarial

A ser definido


  1. Linha orçamentária

GEF

Termos de Referência No 07 – Pessoa Jurídica
Número e título do projeto: BRA/05/G31/1G/A/01 – Segunda Comunicação Nacional do Brasil à CQNUMC


  1. Título

Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Rodoviário


  1. Histórico

O Ministério da Ciência e Tecnologia brasileiro estabeleceu a Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima em agosto de 1994. Sua meta principal era coordenar a implementação da CQNUMC no Brasil e sua principal tarefa inicial era desenvolver a Primeira Comunicação Nacional, de acordo com os compromissos assumidos no âmbito da Convenção.
O Primeiro Projeto de Atividades de Capacitação em Mudança do Clima teve início em junho de 1996 com recursos externos fornecidos pelo GEF – Projeto “Capacitação do Brasil para Cumprir os Compromissos Assumidos no Âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima”, de acordo com o Artigo 4.3 da Convenção, “as Partes países desenvolvidos e demais partes desenvolvidas incluídas no Anexo II devem prover recursos financeiros novos e adicionais para cobrir integralmente os custos por elas concordados incorridos por Partes países em desenvolvimento no cumprimento de suas obrigações previstas no Artigo 12, parágrafo 1”. Além disso, foram disponibilizados recursos finais por meio de um acordo bilateral com os Estados Unidos, no âmbito do Programa do USCS. O projeto finalizou suas atividades em dezembro de 2000 e a Primeira Comunicação Nacional do Brasil foi submetida em 10 de dezembro de 2004, durante a 10a Conferência das Partes à CQNUMC.
A fim de assegurar que o Brasil continue participando e avançando na implementação da CQNUMC, é necessário que um segundo projeto de atividade de capacitação seja aprovado para apoiar o país na preparação de sua Segunda Comunicação Nacional.
Embora a Comunicação Nacional inicial tenha focalizado principalmente a preparação de um inventário detalhado de emissões de gases de efeito estufa e uma descrição geral das providências tomadas ou previstas para implementar a Convenção, o Segundo Projeto de Atividades de Capacitação visa ampliar a escala e o escopo das atividades a serem realizadas, incluindo a avaliação de vulnerabilidade e adaptação.
O objetivo de desenvolvimento do projeto é elaborar a Segunda Comunicação Nacional do Brasil para a Conferência das Partes, realizar estudos sobre vulnerabilidade e medidas de adaptação, desenvolver a modelagem regional do clima e de cenários da mudança do clima e aumentar a capacitação institucional para a implementação da Convenção no Brasil.
O projeto será executado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia por meio da Coordenação-Geral de Mudança Global de em cooperação próxima com os parceiros nacionais, regionais e locais.


  1. Resultados relacionados ao documento de projeto

Resultado 1.1.1 - Elaboração do inventário para o Setor de Energia (envolvendo algumas atividades: avaliação e ampliação de estudos sobre o Balanço Energético, ampliação de estudos sobre a abordagem Bottom-Up para a estimativa de emissões de gases de efeito estufa, ampliação de estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, ampliação de estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC, aprimoramento da metodologia e obtenção e ampliação dos dados para a estimativa de emissões fugitivas).


  1. Descrição das atividades, deveres e responsabilidades

  • Ampliação dos estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC




  • Reavaliação da metodologia estabelecida para a avaliação das emissões do setor de transporte viário. O estudo da Primeira Comunicação Nacional enfrentou o fator limitante da falta de dados oficiais disponíveis. A dificuldade principal foi a escassez de informações sobre a frota nacional de veículos leves e a distância média anual percorrida por esses veículos. A Segunda Comunicação Nacional buscará aperfeiçoar esses dados e estabelecer e atualizar os fatores de emissão específicos do país, levando em consideração características dos combustíveis, misturas de combustíveis usadas e a evolução dos equipamentos. Uma atenção especial deve ser dada ao uso do etanol.




  1. Resultados esperados

Elaboração do Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Rodoviário


  1. Qualificações profissionais

  • Capacidade técnica (equipe técnica)

  • Experiência em inventário de gás de efeito estufa para o setor de energia

  • Habilidade em agregar outras instituições e centros de pesquisa

  • Graduação




  1. Responsável por

Coordenar o Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Rodoviário


  1. Local de trabalho

A ser definido


  1. Duração

Equivalente à duração do projeto


  1. Categoria salarial

A ser definido


  1. Linha orçamentária

GEF

Termos de Referência No 08 – Pessoa Jurídica
Número e título do projeto: BRA/05/G31/1G/A/01 – Segunda Comunicação Nacional do Brasil à CQNUMC


  1. Título

Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Aéreo


  1. Histórico

O Ministério da Ciência e Tecnologia brasileiro estabeleceu a Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima em agosto de 1994. Sua meta principal era coordenar a implementação da CQNUMC no Brasil e sua principal tarefa inicial era desenvolver a Primeira Comunicação Nacional, de acordo com os compromissos assumidos no âmbito da Convenção.
O Primeiro Projeto de Atividades de Capacitação em Mudança do Clima teve início em junho de 1996 com recursos externos fornecidos pelo GEF – Projeto “Capacitação do Brasil para Cumprir os Compromissos Assumidos no Âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima”, de acordo com o Artigo 4.3 da Convenção, “as Partes países desenvolvidos e demais partes desenvolvidas incluídas no Anexo II devem prover recursos financeiros novos e adicionais para cobrir integralmente os custos por elas concordados incorridos por Partes países em desenvolvimento no cumprimento de suas obrigações previstas no Artigo 12, parágrafo 1”. Além disso, foram disponibilizados recursos finais por meio de um acordo bilateral com os Estados Unidos, no âmbito do Programa do USCS. O projeto finalizou suas atividades em dezembro de 2000 e a Primeira Comunicação Nacional do Brasil foi submetida em 10 de dezembro de 2004, durante a 10a Conferência das Partes à CQNUMC.
A fim de assegurar que o Brasil continue participando e avançando na implementação da CQNUMC, é necessário que um segundo projeto de atividade de capacitação seja aprovado para apoiar o país na preparação de sua Segunda Comunicação Nacional.
Embora a Comunicação Nacional inicial tenha focalizado principalmente a preparação de um inventário detalhado de emissões de gases de efeito estufa e uma descrição geral das providências tomadas ou previstas para implementar a Convenção, o Segundo Projeto de Atividades de Capacitação visa ampliar a escala e o escopo das atividades a serem realizadas, incluindo a avaliação de vulnerabilidade e adaptação.
O objetivo de desenvolvimento do projeto é elaborar a Segunda Comunicação Nacional do Brasil para a Conferência das Partes, realizar estudos sobre vulnerabilidade e medidas de adaptação, desenvolver a modelagem regional do clima e de cenários da mudança do clima e aumentar a capacitação institucional para a implementação da Convenção no Brasil.
O projeto será executado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia por meio da Coordenação-Geral de Mudança Global de em cooperação próxima com os parceiros nacionais, regionais e locais.


  1. Resultados relacionados ao documento de projeto

Resultado 1.1.1 - Elaboração do inventário para o Setor de Energia (envolvendo algumas atividades: avaliação e ampliação de estudos sobre o Balanço Energético, ampliação de estudos sobre a abordagem Bottom-Up para a estimativa de emissões de gases de efeito estufa, ampliação de estudos sobre os setores específicos de transformação de energia no Brasil, ampliação de estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC, aprimoramento da metodologia e obtenção e ampliação dos dados para a estimativa de emissões fugitivas).


  1. Descrição das atividades, deveres e responsabilidades

  • Ampliação de estudos sobre os dados e a estimativa de emissões para o setor de transporte usando a Abordagem Tier 2 do IPCC




  • Implementação da metodologia Tier 2 para transporte aéreo, com base em dados de vôo por tipo de aeronave. Na Primeira Comunicação Nacional, as emissões foram estimadas a partir do consumo de querosene para aviação no Brasil para rotas domésticas. Um estudo piloto foi realizado usando a metodologia detalhada Tier 2 com base em estatísticas sobre pousos e decolagens por tipo de aeronave. Foram usadas informações para o ano de 1995, como uma avaliação metodológica, porque não havia informações disponíveis para os anos anteriores. Essa metodologia será usada na Segunda Comunicação Nacional, apesar de não haver garantia de redução das incertezas, devido às dificuldades na coleta de dados.




  1. Resultados esperados

Elaboração do Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Aéreo


  1. Qualificações profissionais

  • Capacidade técnica (equipe técnica)

  • Experiência em inventário de gás de efeito estufa para o setor de energia

  • Habilidade em agregar outras instituições e centros de pesquisa

  • Graduação




  1. Responsável por

Coordenar o Inventário para o Setor de Energia – Setor de Transporte Aéreo


  1. Local de trabalho

A ser definido


  1. Duração

Equivalente à duração do projeto


  1. Categoria salarial

A ser definido


  1. Linha orçamentária

GEF

Termos de Referência No 09 – Pessoa Jurídica
Número e título do projeto: BRA/05/G31/1G/A/01 – Segunda Comunicação Nacional do Brasil à CQNUMC


  1. Título

Inventário para o Setor de Energia – Estimativa de Emissões Fugitivas a partir da Produção e do Processamento de Petróleo e Gás


  1. Histórico

O Ministério da Ciência e Tecnologia brasileiro estabeleceu a Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima em agosto de 1994. Sua meta principal era coordenar a implementação da CQNUMC no Brasil e sua principal tarefa inicial era desenvolver a Primeira Comunicação Nacional, de acordo com os compromissos assumidos no âmbito da Convenção.
O Primeiro Projeto de Atividades de Capacitação em Mudança do Clima teve início em junho de 1996 com recursos externos fornecidos pelo GEF – Projeto “Capacitação do Brasil para Cumprir os Compromissos Assumidos no Âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima”, de acordo com o Artigo 4.3 da Convenção, “as Partes países desenvolvidos e demais partes desenvolvidas incluídas no Anexo II devem prover recursos financeiros novos e adicionais para cobrir integralmente os custos por elas concordados incorridos por Partes países em desenvolvimento no cumprimento de suas obrigações previstas no Artigo 12, parágrafo 1”. Além disso, foram disponibilizados recursos finais por meio de um acordo bilateral com os Estados Unidos, no âmbito do Programa do USCS. O projeto finalizou suas atividades em dezembro de 2000 e a Primeira Comunicação Nacional do Brasil foi submetida em 10 de dezembro de 2004, durante a 10a Conferência das Partes à CQNUMC.
A fim de assegurar que o Brasil continue participando e avançando na implementação da CQNUMC, é necessário que um segundo projeto de atividade de capacitação seja aprovado para apoiar o país na preparação de sua Segunda Comunicação Nacional.
Embora a Comunicação Nacional inicial tenha focalizado principalmente a preparação de um inventário detalhado de emissões de gases de efeito estufa e uma descrição geral das providências tomadas ou previstas para implementar a Convenção, o Segundo Projeto de Atividades de Capacitação visa ampliar a escala e o escopo das atividades a serem realizadas, incluindo a avaliação de vulnerabilidade e adaptação.
O objetivo de desenvolvimento do projeto é elaborar a Segunda Comunicação Nacional do Brasil para a Conferência das Partes, realizar estudos sobre vulnerabilidade e medidas de adaptação, desenvolver a modelagem regional do clima e de cenários da mudança do clima e aumentar a capacitação institucional para a implementação da Convenção no Brasil.
O projeto será executado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia por meio da Coordenação-Geral de Mudança Global de em cooperação próxima com os parceiros nacionais, regionais e locais, em particular com a Petróleo Brasileiro S. A. (Petrobras).

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal