Documento de Projeto


V. Unidades Físico-Ambientais de Manguezal



Baixar 2.19 Mb.
Página17/30
Encontro19.07.2016
Tamanho2.19 Mb.
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   30


V. Unidades Físico-Ambientais de Manguezal


  1. Em 1994, após a publicação de pesquisas desenvolvidas pelo BM com o apoio do Fundo Mundial para a Natureza (WWF), em worskhop 62realizado à época foram identificadas e classificadas 37 eco-regiões com manguezais na região da América Latina e Caribe. Cada eco-região consiste de uma grande extensão de água ou terra que abriga um complexo diferente de comunidades biológicas com espécies e dinâmica específicos. De acordo com essa classificação, sete eco-regiões com manguezais foram identificadas no Brasil.




  1. Antes desse workshop, uma abordagem semelhante 63 havia sido utilizada para caracterizar os manguezais e marismas no Brasil, a qual subsidiou o subprojeto do Ministério do Meio Ambiente sobre a "Biodiversidade das Zonas Costeiras e Marinhas do Brasil". De acordo com essa classificação nacional, os manguezais e marismas do Brasil podem ser divididos em oito unidades físico-ambientais. Cada unidade, apresentando condições ambientais e fisiográficas semelhantes, corresponde a uma seção do litoral brasileiro, caracterizada pelo seu relevo e pelos processos ambientais específicos. Assim, cada unidade: (i) ocupa um determinado lugar no contexto de acordo com o relevo típico de cada sistema energético; (ii) tem sistemas com produtos e características semelhantes (níveis de desenvolvimento e de produtividade); (iii) apresenta semelhanças em suas vulnerabilidades e nas respostas a perturbações; e (iv) é igualmente sensível a determinados tipos atividades de proteção. Essa classificação oferece uma visão regional compartimentalizada com um grande potencial para identificar prioridades e estratégias de conservação e gestão.




  1. Embora a classificação por eco-região64 seja amplamente aceita, o Projeto concentrou-se nas unidades físico-ambientais porque estas se aplicam especificamente ao Brasil, se baseiam, em certa medida, nas ameaças e respostas comuns do ecossistema e por serem duas classificações muito parecidas, apesar de uma caracterizar os manguezais a escala regional, ao passo que a outra o faz a nível nacional. Contudo, apenas sete das oito unidades farão parte do Projeto de ecossistemas manguezais, já que na oitava o principal ecossistema encontrado é de marisma. Tal fato se deve às baixas temperaturas que ocorrem no inverno, que inibem o crescimento de espécies características de manguezais.




  1. As UCs com manguezais do Brasil encontram-se distribuídas entre sete unidades físico-ambientais, segundo a tabela 2. A Tabela 3 apresenta a extensão geográfica de cada unidade. A Tabela 4 traz uma lista das espécies associadas aos manguezais do Brasil.


Tabela 2. Distribuição por unidades físico-ambientais

Unidade físico-ambiental

Número de UCs por unidade

% de UCs de uso sustentável

% de UCs de conservação integral

I

3

0%

100%

II

2

100%

0%

III

19

84%

16%

IV

12

69%

31%

V

54

80%

20%

VI

6

50%

50%

VII

36

44%

39%



Tabela 3. Unidades físico-ambientais

Regiões geográficas


Unidades físico-ambientais de manguezal

(extensão geográfica)

Norte


UNIDADE I:

Foz do Rio Oiapoque – Foz do Rio Araguari (AP)



UNIDADE II:

Foz do Rio Araguari (AP) – Colares (PA)



UNIDADE III:

Colares (PA) – Alcântara (MA)

Alcântara – Ponta do Tubarão (MA)

Ponta do Tubarão – Delta do Parnaíba (MA/PI)



Nordeste


UNIDADE IV:

Parnaíba Delta (MA/PI) – Acaraú (CE)

Acaraú – Fortaleza (EC)

Fortaleza – Jaguaribe (EC)

Jaguaribe (CE) – São Bento do Norte (RN)

São Bento do Norte – Cabo Calcanhar (RN)

Cabo Calcanhar – Rio Guajú (RN/PB)


UNIDADE V:

Rio Guajú (RN/PB) – Ponta de Lucena (PB)

Ponta de Lucena – Rio Goiana (PB/PE)

Rio Goiana (PB/PE) – Cabo de Santo Agostinho (PE)

Cabo de Santo Agostinho (PE) – Rio Coruripe (AL)

Rio Coruripe (AL) – Rio Branco/Cidade do Conde (BA)

Rio Branco/Cidade do Conde – divisa norte de Lauro de Freitas (BA)

Divisa norte de Lauro de Freitas – Jaguaribe (BA)

Jaguaribe – Itacaré/Rio das Contas (BA)

Itacaré/Rio das Contas – Ilhéus (BA)

Ilhéus – Santa Cruz de Cabrália (BA)

Santa Cruz de Cabrália – Prado (BA)

Prado (BA) – divisa BA/ES


Sudeste

UNIDADE VI:

Divisa BA/ES – Delta do Rio Doce (ES)

Delta do Rio Doce – Baía de Vitória (ES)

Baía de Vitória (ES) – Delta do Rio Paraíba do Sul (RJ)

Delta do Rio Paraíba do Sul – Cabo Frio (RJ)


UNIDADE VII:

Cabo Frio – Ponta de Itaipu (RJ)

Ponta de Itaipu – Guaratiba (RJ)

Guaratiba – Mangaratiba (RJ)

Mangaratiba (RJ) – Praia da Boracéia (SP)

Praia da Boracéia – São Vicente (SP)

São Vicente – Juréia (SP)

Juréia (SP) – Pontal do Sul (PR)

Pontal do Sul – Guaratuba (PR)

Guaratuba (PR) – Barra do Sul (SC)





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   13   14   15   16   17   18   19   20   ...   30


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal