Dons do espírito I co 12. 1-11



Baixar 61.56 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho61.56 Kb.




DONS DO ESPÍRITO

I Co 12.1-11

  1. O que é Dom do Espírito; A quem é dado o Espírito; Para que serve os dons? (VT e NT)

1.1 – O que é Dom do Espírito?

  • Capacidade sobrenatural que o Espírito Santo para uso em favor dos outros.

  • No velho Testamento - isso é individual e temporal (ruah – vento, sopro). Isaías 44:28 Ciro; Gênesis 12:1 Abrão: Saul I Sm 19.17; 1.Sm16,1; Patriarcas, Juízes, Profetas; Uma característica no Velho Testamento é que a Ação do Espírito começa forte vai se apagando até sumir 400 a C.

  • No Novo Testamento – A palavra é carisma – carij – karisma, charis, karis – a origem da palavra carisma está na palavra KARIS, que significa graça (graça – favor imerecido)

  • A partir daí temos carismáticos, que num sentido mais amplo e bem entendido pode ser traduzido como pentecostal.

  • Se o Espírito não estava mais atuando como vimos no Velho Testamento quando começa sua atuação no NT? Mt 3.16 – O céu se abre; o Espírito se manifesta e Deus FALA;

1.2 – A quem é dado os dons?

  • Aqui mais especificamente nos deteremos no Novo Testamento.

  • É concedido aos servos de Deus

  • Jesus é detentor do Dom,(O Espírito opera através dele – É ele quem promete enviar o Espírito – Jo 16.13; Jo 14.16 allov – Outro da mesma substância – eteroj hétero – diferente de outra espécie) isso quer dizer que sem passar pelo Novo Nascimento Jo3.3 é impossível alguém obter o Dom do Espírito Santo.

  • Podemos dizer que a pessoa tem talento, vocação, facilidade para fazer, mas, não tem Dom do Espírito.

1.3 - Para que serve os dons?

  • para uso em favor dos outros 1 Pe. 4.10

  • aperfeiçoamento dos Santos – Ef 4.12

  • Para manifestar a glória de Deus - At.3.1-13

  • Crescimento do Reino de Deus.

  1. – Como conhecer os dons; a lista de dons; erros a respeito dos dons;

2.1 – Como conhecer os dons

2.1.1 – Ter vontade de saber (I Co 12.31)

2.1.2 – Crer, pois as Escrituras atestam sobre eles: (I Co 7.7)

2.1.3 – Estar com a consciência limpa para exercê-los (I Tm 1.5-7)

2.1.4 - Orar – É com oração que se desvendam os mistérios de Deus (Jo 15.7; Sl 86.17)
2.2 – A lista de dons – Rm 12.3-8; I Co 12; Ef 4. 7-12; I Pe 4. 9-11

Textos

Dons

Romanos 12.3-8

Profecia, ministério, ensino, exortação, contribuição, presidir (governo), misericórdia

I Coríntios 12

Palavra de sabedoria, palavra de conhecimento, fé, cura, operação de milagres, profecia, discernimento de espírito, línguas, interpretação de línguas, apóstolos, profetas, mestres, socorro, governo.

Efésios 4.7-12

Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores, mestres

I Pedro 4. 9-11

Hospitalidade, pregar, servir

Há muitos dons espirituais mencionados na Bíblia. Por exemplo: Há dons que são dados igualmente a todos os crentes ( ex. o dom gratuito da vida eterna, Rm 6.23; o dom do Espírito Santo, Jo 14. 16,17; há dons que descrevem uma qualidade de vida ao invés de um serviço – por exemplo: o dom de ficar solteiro I Co 7.7,8; o dom de ser mártir – I Co 13.3.) Os dons que estamos estudando agora não são estes, mas são capacidades que habilitam os crentes (cada crente em sua própria função) a executarem uma tarefa específica na igreja local. Há 23 dons deste tipo mencionados no Novo Testamento.

- Obs: o dom permanece com aquele que o recebeu?



  • “Por isso quero que você lembre de conservar vivo o dom de Deus que recebeu quando coloquei as mãos sobre você.” (2 Tm 1.6)

  • os dons são contemporâneos ou não?

Minha resposta é sim, e esse argumento está dentro da imutabilidade de Deus, muito embora eu cria que esses dons devem ser usados de acordo com as Escrituras, e com a definição que ela (escritura) da para cada um deles.

“Portanto, afirmar a contemporaneidade de todos os dons e manifestações descritos na Bíblia, com base na imutabilidade de Deus, é inconseqüente.” (Pastoral da IPB para seus pastores)


2.3 – erros a respeito dos dons:

Pensamentos errados sobre Dons Espirituais



  1. O erro de pedir dons ou funções segundo nosso próprio gosto. (I Co 12.11,18)




  1. O erro de depreciar pessoalmente o dom que Deus tem dado a você. (inferioridade: I Co 12.15-20)




  1. O erro de depreciar pessoalmente o Dom que Deus tem dado a outro irmão. (superioridade: I Co 12.21-27)




  1. O erro de uma atividade passiva. (I Co 12.31;14.1,12; I Tm 4.14)




  1. O erro de exercer ofícios, na igreja, em desarmonia com o Dom. O dom recebido vai indicar o oficio ou cargo a ser preenchido. (Rm 12.6-8; I Pe 4.10)




  1. O erro de valorizar em demasia um dom. Ex.: é necessário falar em línguas para ser salvo. (I Co 12.28-30)



  1. Romanos 12.3-8

Nesse texto encontramos a citação de alguns dons: Profecia, ministério, ensino, exortação, contribuição, presidir (governo), misericórdia. O qual veremos individualmente a cada um.

  • O Livro de Romanos foi escrito em: 56 d.C. seu autor é Paulo

  • Paulo não conhecia a comunidade de Roma, por ocasião da escrita da carta;

  • A carta tem a intenção de preparar a igreja para sua chegada;

  • O texto o qual faz parte os dons (Rm 12.3-8) e contém o exortação sobre o comportamento cristão ou vida prática do corpo de Cristo;

  • Os dons devem ser usados em beneficio do corpo.

1) Profecia:

  • Parece estar claro aqui que a tarefa dos profetas era sob a iluminação do Espírito Santo ensinar de forma correta os conteúdos revelados ou interpretados na palavra de Deus;

  • Creio que a conclusão que tiramos em relação aos profetas do Antigo Testamento eles não tinham nada escrito já os profetas do Novo Testamento, procurava com zelo interpretar nos escritos a vontade de Deus para os cristãos sobre seus cuidados;

  • A palavra profeta aqui está muito mais relacionado com proclamar do que predizer, vaticinar. Muito embora não se pode negar esse sentido para PROFETA (At 11.27,28; At. 13.1; 13:32; 21.10-11)

  • Sua função era: exortar, edificar consolar,

  • Para Calvino esse Dom é o correto entendimento da Palavra e sua explicação.

  • Nenhuma profecia é dada por vontade humana. (II Pe 1.21)




  1. ministério:




  • O servo de Cristo que, na igreja, prega a palavra e administra o batismo, a ceia, etc. (#1Co 4.1; Ef 6.21; 1Tm 4.6);

  • Imposição de outros, no caso da igreja, esse ministério é imposto por Cristo;

  • Ministério é uma ordenança divina, fundamentada numa comissão divina. Serviço que vem de Cristo e não se dirige a Cristo, que vem a nós e não parte de nós. Sua função é servir aos irmãos servindo o Evangelho;

  • Trabalho, serviço e isso com simplicidade – Mt 20.28




  1. ensino:

  • didaskw – Aquele que ensina (as escrituras, doutrinas) cristãs;

  • Barnabé – At 11.26 – ensinou a igreja por um ano;

  • Segundo Dr. Barclay esse é um Dom hoje em segundo plano nas nossas igrejas;

  • Instruir na doutrina cristã - (Calvino)




  1. exortação:

  • Para exercer esse dom é necessário ter conhecimento profundo das doutrinas cristãs, pois ninguém pode exortar sem doutrina; (Calvino)

  • Animar a pessoa a desfrutar plenamente a vida cristã;

  • Regra máxima da convivência cristã: “nenhum irmão pode desanimar o outro no cumprimento do seu dever”;

  • Aconselhar; animar; encorajar (#Rm 12.8; Tt 2.15). O verbo "exortar", que corresponde a parakaleo (no grego), não tem o sentido de "repreender".;



  1. contribuição:

  • sensibilidade, generosidade, liberdade de contribuir unicamente para glorificar a Deus;

  • Contribuição para autoglorificação não é ajuda é autoajuda;

  • Dar pelo simples prazer de dar, sem outra razão;

  • Barnabé – At.4.36-37




  1. presidir (governo):

  • Esta palavra no grego é igual a guiar, pilotar, dirigir e alguma tradução – administrar. I Co 12:18 Algumas pessoas recebe o Dom de liderança;

  • A que está inserido o nosso sistema de governo nas igrejas não importa se é congregacional e episcopal, conciliares e outros que possam existir, o que especificado e que todas as comunidades precisam de alguém que as governem, ou seja, que aglutine as idéias num conjunto e com isso elabore um plano onde a comunidade encontre o alvo a ser alcançado, no serviço do Reino. E Paulo descreve as qualidades que devem possuir esses governantes (Pastor, Presbíteros e Diáconos), ainda que possa ser outra pessoa (I Tm 3:1 – 13) Pelo menos na ótica de Paulo as comunidades precisam antes de impor as mãos sobre seus futuros líderes conhecer bem sua vida pregressa se realmente ele(a) não tem do que se envergonhar e penso eu que deveríamos proceder assim. Para elegermos pessoas a cargos públicos;

  • Aquele que cumpre sua tarefas aborrecido e na monotonia, sem alegria, com certeza não tem o dom da administração;

  • Aqueles que governam a igreja física e moralmente;




  1. misericórdia:

  • Aquele que perdoa com amor, sem superioridade, redime e não humilha;

  • Presteza a doentes, consolo aos necessitados, triste, chateado;

  • Virtude pela qual o cristão é bondoso para com os necessitados (#Mt 5.7; Tg 2.13).



  1. I Coríntios 12 – 14

Nesse texto encontramos outros dons a serem considerados: Palavra de sabedoria, palavra de conhecimento, fé, cura, operação de milagres, profecia, discernimento de espírito, línguas, interpretação de línguas, apóstolos, profetas, mestres, socorro, governo.

Algumas considerações a respeito do texto de Coríntios:



  1. Capital da província romana de Acaia, reconstruída por Júlio César, era uma cidade portuária;

  2. Era famosa pelo seu templo de Afrodite, deusa do amor, protótipo de imoralidade sexual (Rm 1.26-27);

  3. Essa igreja foi fundada por Paulo na sua Segunda viagem missionária 50 d.C.

  4. Era uma igreja constituída basicamente de gentios. (At 18.8);

  5. Seu púlpito foi ocupado por Apolo – Eloqüente pregador (At 18.24-28, 1Co 3.5-9)

  6. Paulo escreve para contornar problemas na igreja, por volta do ano 55 – 56 d.C;

  7. Os Capts. 12-14 – trata especificamente dos dons e sua problemática.

  8. Os dons aqui para Paulo devem ser medidos quanto a sua “edificação para comunidade”;

Na igreja de Coríntios uma minoria de carismáticos, queriam se sobrepor aqueles que não tinham carismas, sofrendo de um complexo de superioridade;

Os dons só são legitimas quando este dom levam a confessar e reconhecer o senhorio de Cristo. Em Corinto havia abusos na igreja, especialmente a respeito do Dom de línguas. Usavam esse dom para auto-glorificar-se. Pretendiam uma espiritualidade superior para os que falassem em línguas.

Ninguém tem monopólio sobre os dons, e também ninguém é totalmente destituído deles, desde que sejam “crentes genuínos”. Os dons mais altos são os mais eficazes para o incremento do corpo.

I Coríntios é uma carta muito necessária às igrejas de hoje, cheia de problemas.




  1. Palavra de sabedoria:

Este Dom está relacionado a algumas situações, é de grande valia para o “corpo”:

  1. capacidade para defender o evangelho (apologeta);

  2. Ter sempre uma palavra prudente esclarecedora;

  3. Saber o que é prático e correto para o corpo de Cristo

Se manifesta de em algumas circunstâncias especiais;

1) Diante de situações de dificuldades - Lc 21.14-15

2) Em questões de divisão dentro da igreja – I Co 6.5

3) Na atitude cristã – Tg 3.13-18



- sofia: “propor os melhores fins usando os melhores meios” (Aristóteles)

  1. Palavra de conhecimento:

Significa descobrir, acumular informações e esclarecer verdades valiosas para edificação e instrução teológica e espiritual do Corpo de Cristo.

  • É o dom dos Teólogos, e dos pensadores realmente piedosos;

  • Para ter sabedoria não precisa necessariamente ter conhecimento:

  • Para ter conhecimento é necessário sim ter sabedoria;

  • Um exemplo do acúmulo destes dois dons é Paulo.




  1. Fé:

  • O dom de fé aqui mencionado não é a fé salvadora de Ef.2.9;

  • Quem tem esse dom vê o impossível, o invisível o improvável;

  • Tem sempre certeza que o pior passará

  • At 27.21-26 – A experiência de Paulo.




  1. Cura:

  • Prática da cura divina, curar sem necessariamente tocar, colocar as mãos, ou seja através da oração;

  • Isto ocorre para se tornar evidente a manifestação do Reino de Deus;

  • Muitos não foram curados. (Paulo, Timóteo, Epafrodito);

  • Aquele que cura em nome de Jesus, não lhe é imputado por justiça, ou seja não é uma forma de espiritualidade elevada; (Mt 7.22)




  1. Operação de milagres:




  • A palavra aqui dunamij dinames – daí a palavra dinamite.

  • Fato ou acontecimento fora do comum, que Deus realiza para confirmar o seu poder, o seu amor e a sua mensagem.

  • Operar ou realizar tarefas impossíveis;

  • Estas realizações podem ser materiais ou espirituais;

  • At 19.11-12 – Paulo fazia milagres extraordinário, a ponto de seu objetos pessoais curarem;

  • No AT estão registrados 67 milagres:

  • No Novo Testamento são registrados 36 milagres, só em atos são 20 milagres;




  1. Profecia

  • tratado do assunto em Romanos;

  • A diferença aqui, é que esse dom toma o caminho da “revelçao”, predição;

  • Em Corinto todos queriam profetizar ao mesmo tempo (14.29,30) causando confusão no culto;

  • Mulheres – não falam, não profetizam, está ligado ao contexto cultural – Deusa Afrodite.

  • Um procedimento natural em Corinto era a “prostituição cultural”, as mulheres gregas tinham relações sexuais com os seus deuses, para nascerem assim então semi-deuses.

  • Em Corinto havia um templo dedicado ao culto de Afrodite, deusa do amor. Nesse templo havia mil prostitutas CULTUAIS, que atraíam adoradores de todo o mundo antigo. (dicionário bíblico)




  1. Discernimento de espírito:

  • "Discernir espíritos" é "saber a diferença entre os dons que vêm do Espírito e os que não vêm"

  • 1 Coríntios 12:10 ...Ainda outra pessoa recebe a capacidade para saber a diferença entre os dons que vêm do Espírito e os que não vêm dele. (BLH)

  • Discernir Espíritos enganadores ( At 16.17-18)

  • Identificar os verdadeiros profetas (I Co 14.29), Em 1 Ts 5.20 – Diz que devo julgar todas as coisas e reter o que é bom;

  • Saber se a profecia harmoniza com as escrituras;

  • Identificar o erro e a verdade (Gl 2.11-14)




  1. Dom língua:

  • Capacidade de falar outra língua sem nunca tê-la estudado. (MacDonald e Calvino)

  • Paulo não põe em dúvida a autenticidade do dom de línguas. Mas afirma que o mesmo tem seus riscos.

  • O fenômeno língua, são anteriores ao cristianismo.

  • Paulo falava em línguas. (1 Co 14.18);

  • Deve começar no intelecto e terminar nas emoções, os de Coríntios fizeram inverso;

  • Deus distribui os dons de forma soberana, isso deve tirar de nós todo o orgulho, pois não recebemos por merecimento e sim pela graça;

  • A palavra grega (glossa), aparece 52 vezes no Novo Testamento, mas a ênfase teológica está em (Atos 6 vezes); (1 Co 12-14 – 17 vezes);

  • Paulo não afirma em lugar nenhum que o dom de língua é sinal que o Espírito foi recebido;

  • Atos: pregação da Palavra # Coríntios, Cesaréia, Éfeso: adoração. Atos: dom evangelístico # Coríntios: dom exercido entre os crentes; Atos: Idioma humano, reverte a questão de Babel. (atos= homens de diversas línguas compreendem uma língua – Babel = homens de apenas uma língua, não se entendem por causa de diversas línguas; Atos = Deus vem até o homem – Babel = homem vai até Deus)

  • Linguagem estática (de ekstátikoj – êxtase), quando a pessoa dizia, não sabia o que elas significavam, na maioria dos casos;

  • Muitas vezes aquele que fala em línguas perdiam o controle de suas faculdades intelectuais. (1 Co 14.14,15)”Porque, se eu orar em línguas estranhas, o meu espírito, de fato, estará orando, mas a minha inteligência não tomará parte nisso.” (BLH)

  • O homem que se deixa levar pelo falar, antes que pelo fazer, vem a ser nada mais que mero som. (Morris);

  • Era freqüente, alguém em êxtase lançar sons inteligíveis em uma língua estranha

  • Os dons devem ser como a música onde todos os instrumentos se harmonizam (Calvino);

  • Paulo não proíbe o falar em línguas (1 Co 14.39)

Sob o ponto de Vista Teológico1

A Escritura ensina e a Igreja crê que, em Sua soberania, Deus pode conceder o dom de línguas à Igreja quando Lhe aprouver, em qualquer período da História. A Escritura também ensina e a Igreja crê igualmente, que uma manifestação genuína do dom de línguas deverá sempre seguir o padrão revelado pelo próprio Deus nas Escrituras, quanto à sua natureza, seu propósito, e sua utilização. A Igreja não se sente compelida a aceitar como genuínas quaisquer manifestações contemporâneas de “línguas” que não se conformem ao precedente estabelecido pelo Espírito Santo nas Sagradas Escrituras. Cabe aos que acreditam e têm ensinado que Deus tem renovado esse dom na Igreja contemporânea, o ônus de fornecer evidências claras e inequívocas de que estas coisas são assim. Afirmações ousadas nesta área, que não podem ser substanciadas pelas Escrituras, e experiências pessoais cuja genuinidade não pode ser comprovada, têm antes semeado confusão e discórdia do que promovido a paz, a unidade, e a edificação da Igreja.




  1. Interpretação de língua:

  • Compreender uma língua nunca estudada e transmiti-la a outros de forma que possam entender

  • Discernir o que o outro está falando, não observando questão gramatical ou sintática;

  • Traduzir a língua falada (estrangeira) par a línuga nativa, isso sem o árduo trabalho ou estudo, ao contrário, os possuíam através de uma maravilhosa revelação do Espírito. (Calvino)

  • Tornar legível o que estava oculto diante dos pronunciamento extáticos mencionados;

  • A interpretação de línguas é um dom que está atrelados a “língua”, pois sem o mesmo não há necessidade de interpretação.

  • Tal interpretação não depende de qualquer conhecimento natural, o termo indica muito mais do que mero conhecimento.






  1. Efésios 4.7-12

  2. I Pedro 4.9-11

  3. Coríntios 13


Bibliografia:

NOGUEIRA, Alcides. O Espírito Santo no Novo Testamento. Casa Editora Presbiteriana. São Paulo, 1979

BUCKLAND, M.A. Dicionário Bíblico Universal. 9 ed. Editora Vida. São Paulo, 1981

FILHO, Caio Fábio D”Araujo. Espírito Santo, o Deus que vive em nós. 3 ed. CLC Editora. São José dos Campos, 1993

MACDONALD, William. Comentário, al Nuevo Testamento. Editorial CLIE. Santiago, 1995

BROWN, Colin. Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. 3 ed. Vida Nova. São Paulo, 1985

CALVINO. João. Comentário à Sagrada Escritura, 1 Coríntios. 1 ed. Paracletos. São Paulo, 1996

CALVINO. João. Comentário à Sagrada Escritura, Romanos. 1 ed. Paracletos. São Paulo, 1996

MORRIS, Leon. I Coríntios, introdução e comentário. 1 ed. Mundo Cristão. São Paulo, 1981

BARCLAY, William. Coríntios, comentáio al Nuevo Testamento. Editorial CLIE. Barcelona, 1995.

CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento versículo por versículo. 1 ed. Candeia. São Paulo, 1998

HARRINGTON, Wilfrid J. Chave para Bíblia. 4 ed. Paulus São Paulo, 1985

LOHSE, Eduard. Introdução ao Novo Testamento. 4 ed. Editora Sinodal. São Leopoldo, 1985


1 Carta Pastoral da IPB – O Espírito Santo hoje, dom de línguas e profecia.

Catálogo: igrejavirtual -> estudos -> textosbatista -> Outros
textosbatista -> Uma análise do pentecostalismo no mundo capítulo um
textosbatista -> Apontamentos sobre o
textosbatista -> Pr. José Miguel M. Aguilera
estudos -> 1. o significado da palavra cânon >1a. Cânon Datas e períodos
estudos -> G 12 o ministério carismático internacional e o pensamento teológico brasileiro contemporâneo
textosbatista -> Reprodução proibida Índice apresentaçÃO
textosbatista -> “Numa perigosa costa, onde naufrágios são freqüentes, havia certa vez um pequeno posto de salvamento. O prédio não passava de uma cabana, havia um só barco de salva-vidas
textosbatista -> Quatro Princípios Bíblicos para se Entender a Batalha Espiritual Augustus Nicodemus Lopes
Outros -> Compreendendo o que é crescer


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal