Dosvox uma nova realidade educacional para Deficientes Visuais José Antonio Borges



Baixar 34.34 Kb.
Encontro23.07.2016
Tamanho34.34 Kb.
DOSVOX - Uma nova realidade educacional para Deficientes Visuais
José Antonio Borges

Projeto DOSVOX

Núcleo de Computação Eletrônica

Universidade Federal do Rio de Janeiro



R E S U M O
O isolamento cultural milenar das pessoas cegas pode ser muito diminuído com o uso de computador. Este artigo analisa o impacto do sistema DOSVOX, um ambiente operacional para pessoas cegas, sobre os problemas educacionais de deficientes visuais. O sistema DOSVOX é hoje usado por mais de 2000 pessoas cegas em todo Brasil, que através dele podem editar textos em tinta e em Braille, ler jornais e livros, acessar a Internet, e realizar um número imenso de funções profissionais e de lazer através de um microcomputador, atingindo um nível de independência inimaginável há muito pouco tempo atrás.

1. O que é o Projeto DOSVOX
O Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro vem nos últimos anos se dedicando à criação de um sistema de computação destinado a atender aos deficientes visuais. O sistema operacional DOSVOX permite que pessoas cegas utilizem um microcomputador comum (PC) para desempenhar uma série de tarefas, adquirindo assim um nível alto de independência no estudo e no trabalho.
O DOSVOX é um se comunica com o usuário através do uso de sintetizador de voz. O sistema conversa com o deficiente visual em Português, sem sotaque, e dá a ele muitas facilidades que um usuário vidente tem, como um sistema de gerência de arquivos adequado ao uso por D.V., editor e leitor de textos, impressor a tinta e em Braille, ampliador de telas para visão subnormal, diversos jogos, além de programas para acesso a Internet. O DOSVOX dá também suporte a operação de programas que não foram criados para cegos, através de adaptações que permitem leitura sintética de telas ou substituição de interações bidimensionais ou cliques de mouse [HomePage, 96].
A maior diferença entre o DOSVOX e os muitos programas que existem no mercado internacional, voltados para auxílio ao D.V. reside no fato de que o DOSVOX não é apenas uma “casca de interface” colocada sobre os programas convencionais, mas um ambiente operacional totalmente projetado com características de comunicação coerentes com as limitações do cego [Pimentel, 97a]. Todo acesso é feito pelo teclado, e o sistema de seleção por menus conduz o deficiente a uma operação com muito menos erros. É interessante ver um cego operando o computador com muito mais rapidez com DOSVOX que um vidente usando o Windows [Pimentel, 97b].
2. O que muda na vida de um deficiente visual com a tecnologia de computação
A modificação das relações entre deficiente visual e a cultura pode ser definida com uma única frase: “um cego agora pode escrever e ser lido e ler o que os outros escreveram”. Explicando melhor:
a) a leitura e escrita das pessoas cegas, tradicionalmente, se faz através do método Braille [IBC, 97]. Entretanto, raríssimas pessoas que enxergam conseguem ler ou escrever Braille (muito menos com fluência). Isso isolava as pessoas cegas num gueto cultural: um cego só escrevia para outro cego ler.
b) ao precisar ler um texto com escrita convencional, era necessário alguém que traduzisse para Braille ou lesse o texto, provavelmente gravando em fita cassete.
c) embora uma pessoa cega pudesse escrever à máquina, o resultado quase sempre era ruim, pois era muito difícil corrigir ou escrever um texto, parar e depois voltar a escrever.
A tecnologia de computação tornou possível o rompimento dessas barreiras e muitas mais.


  • Com o uso de “scanners”, o cego pode ler escrita convencional (datilografada) diretamente.

  • Através da Internet, qualquer documento de qualquer parte do mundo pode ser transmitido com um mínimo de esforço e custo muito baixo, e traduzido para “qualquer” língua. Desta forma, um texto do New York Times pode ser lido por um cego em português no mesmo momento em que o jornal sai nos Estados Unidos, em inglês, usando a tecnologia de tradução da web (ainda incipiente mas com rápido aperfeiçoamento).

  • Instrumentos eletrônicos podem ser conectados ao computador, e um cego consegue fazer arranjos orquestrais e imprimir partituras. Existem hoje inúmeros cegos investindo pesado nesta área [Wonder, 98].

  • Um cego pode desenhar, usando o computador.

  • Um texto grande em Braille demorava horas para ser criado manualmente. Hoje demora minutos com o uso de impressoras Braille.

Em síntese, o acesso à cultura atinge níveis espantosamente melhores do que há poucos anos atrás.


3. O cego e a Internet
Talvez o subprojeto do DOSVOX que teve mais impacto foi o de acesso a Internet. Como é de amplo conhecimento, a Internet se torna cada vez mais um veículo de comunicações que transcende o aspecto de pura informação, e se expande para diversão e comércio. Comprar pizza e ler piadas é possível pela Internet, bem como obter o horóscopo diário. A tendência, na verdade, segundo muitos gurus de tecnologia, é que em pouquíssimo tempo, computador, aparelho de som e TV vão ser uma coisa única.
Dados do projeto Intervox [Borges, 97] dão o número de usuários cegos no Brasil, em Outubro de 1998 como mais de 500. As maiores aplicações da Internet, que são hoje o correio eletrônico e o acesso à World Wide Web (homepages), encontram nos cegos usuários com alto interresse. Esses usuários fazem acesso especialmente ao correio eletrônico, jornal diário, diversos livros, cotação de algumas lojas de eletrodomésticos, artigos variados retirados da revista Veja, Isto É e outras, levantamentos bibliográficos e busca de produtos relativos a deficiência visual
Para a pessoa cega, a comunicação pela Internet é especialmente importante por duas razões: a eliminação da necessidade da locomoção, que é normalmente um entrave para o cego, e o fato de que do outro lado da Internet, ninguém precisa realmente saber se o parceiro é ou não cego. Assim, pelo menos numa comunicação inicial, a pessoa cega é vista como uma pessoa não deficiente pelo parceiro.
4. O impacto do computador no ensino de deficientes visuais
a) no nível de ensino superior ou pós-graduação

O número de estudantes de nível superior que são deficientes visuais graves é extremamente reduzido. Por exemplo, na UFRJ existem apenas 5 alunos cegos. Isso se deve a dois fatores: uma pessoa cega dificilmente consegue passar no vestibular, e uma vez passando, não encontra na universidade a infraestrutura necessária para seu desenvolvimento. A dificuldade é ainda maior à medida que que o grau de especialização aumenta. Falta a eles literatura especializada, equipamentos e monitoria especial. Essa situação veio a ser melhorada com a disponibilidade do computador, em especial do sistema DOSVOX.


Para o aluno deficiente visual na universidade, o computador é absolutamente necessário: o aluno pode fazer trabalhos e provas com o auxílio do computador; participar de trabalhos em grupo se torna possível; a consulta a material bibliográfico é feito com scanner (para material impresso) e também via Internet. Atualmente a questão do vestibular também se torna menos complexa: algumas universidades já estão permitindo a execução das provas, especialmente as de múltipla escolha e as discursivas de matérias em que a solução pode ser expressa em texto corrido (português, história, etc).
Nota: É interessante notar, entretanto que mais de metade dos alunos prefere executar a prova em Braille: existe uma desconfiança de que o tempo necessário para executar a prova no computador não será suficiente ou que a leitura dos textos da prova, feitas pelo computador, não terão a clareza adequada. Durante o curso, entretanto, a escolha por provas em Braille quase nunca é feita, especialmente por pressão do professor, que não sabe Braille e não quer um trabalho extra...
A nível de mestrado o problema é idêntico, apenas com pesos diferentes: aqui o acesso a Internet ganha um peso extra, em detrimento ao material impresso. O computador também ganha importância na produção do material impresso de qualidade, que será usado (ou servirá de base) para a execução da tese.
O impacto começa a ser sentido de forma sutil: hoje menos estudantes cegos abandonam a Universidade (na UFRJ nos últimos 3 anos, ou seja, a partir da disponibilização ampla do sistema DOSVOX, não houve abandono de curso por deficientes visuais). Embora não existe uma estatística oficial, conversas com os professores de diversos departamentos nos sinalizam que o desempenho escolar dos deficientes visuais melhorou e a relação com os professores ficou mais simples: a aplicação e a correção de trabalhos e provas pode agora ser feita de forma quase idêntica para alunos videntes e deficientes visuais.
b) no nível de ensino médio

A grande dificuldade do aluno de nível médio cego é o acesso aos livros didáticos. Grande parte dos professores se utilizam exclusivamente do meio oral para transmissão de conhecimentos para os alunos e sua avaliação. A realização de trabalhos escolares, feita em Braille, e corrigida por um professor que não sabe Braille, é evitada. O resultado disso é um aluno mal formado, com graves erros de escrita e, por praticamente não ler, um distanciamento cultural intenso.


Aqui, a possibilidade de transcrição rápida de textos se torna um item fundamental. Essa transcrição é feita para Braille pelo próprio aluno ou algum familiar, ou para fita cassete, usando os serviços gratuitos da maioria das instituições de cegos. Entretanto, a velocidade com que isso é feito, quase nunca atende aos requisitos do estudante. O estudante se torna também dependente dos ledores voluntários, em termos de estudo e até de convívio pessoal.
O uso do computador na casa do aluno pode minorar alguns dos problemas, em especial a feitura dos trabalhos escolares. Como a maior parte dos professores de nível médio já usa um computador para preparar as aulas e os exercícios, o disquete se torna o meio bidirecional de comunicação entre professor e aluno. Os trabalhos em grupo se tornam possíveis, e o estudante cego, em alguns casos se torna mesmo o datilógrafo do grupo, utilizando o sistema DOSVOX. Eventualmente o texto datilografado no DOSVOX pode ser facilmente embelezado usando algum outro sistema de editoração eletrônica, sem prejuízo do conteúdo.
Embora o uso de scanner e de Internet sejam importantes, nossa observação é de que isso ainda é pouco explorado a nível médio, e a maior parte dos estudantes não utiliza, a não ser em casos especiais. A fita cassete continua sendo a forma mais efetiva de acesso a informação, em especial pela qualidade do som gerado ao vivo, não sintético. Nossa sensação é que isso deve mudar rapidamente, em virtude do barateamento dos equipamentos de scanning e de acesso a Internet, e com o aumento da qualidade do som gerado pelo computador.
Nota: Uma ação importante seria espalhar microcomputadores nas bibliotecas das pequenas cidades do interior, que, entre outras coisas, poderiam servir para as pessoas cegas terem acesso aos disquetes gerados nas bibliotecas das capitais.
c) no nível de ensino fundamental

No ensino fundamental, a relação professor-aluno toma um caráter de maior proximidade [Torres, 98]. O professor deve levar ao aluno o conhecimento, e muitos dos livros didáticos são apenas cadernos de exercícios sofisticados, construídos quase sempre para atuar fortemente na motivação do estudante [Vigotski, 88]. Aqui, portanto, o papel do computador para os alunos deficientes visuais deve muito além os objetivos de transcrição do nível médio. Deve atuar muito mais no nível interativo e lúdico do que no nível de informação.


Entretanto, a maior parte dos programas que existem com este tipo de objetivo não são adequados para uso por deficientes visuais. Assim, boa parte do potencial do computador se perde: os professores, teoricamente poderiam produzir programas simples para os deficientes visuais, com uso de ferramentas simples (muitas delas gratuitas e disponíveis junto com o sistema DOSVOX), mas não existe formação para tal nos cursos de pedagogia correntes. Desta forma, somos levados a afirmar que infelizmente o número de crianças que pode ter acesso pleno a todo potencial desta tecnologia é pequeno.
Sentimos, porém, que existe um potencial imenso facilmente explorável: colocar o estudante para ler e escrever com o computador. Incentivá-lo na escrita e leitura convencionais por computador (já que as brincadeiras ainda não estão disponíveis como para crianças videntes), será um item que preparará melhor o estudante para superar com tranquilidade as dificuldades que o esperarão nos níveis mais altos de estudo.
d) no processo de alfabetização
Diversas dificuldades do processo de alfabetização de crianças com graves problemas visuais decorrem de problemas mecânicos do método de escrita manual com o método Braille [IBC, 97]. Aqui se utiliza um estilete (punção), escrevendo-se de trás para diante no verso do papel. O manejo do punção exige força e destreza e uma criança pequena tem dificuldades de adquirir o domínio da escrita.
Aqui, portanto, o computador pode ser usado para escrita com menos necessidade de habilidade. O teclado pode ser coberto (parcialmente, em geral) com adesivos com alguns códigos Braille, de forma, quando a criança aperte uma tecla, ela sinta qual o código Braille e o computador verbalize a tecla apertada, eventualmente associada a algum jogo didático. Desta forma, a criança pode aprender a escrever e a ler, simultaneamente [Borges, 1998].
Nota: os dois jogos mais usados aqui são o Letravox e o Letrix. O primeiro associa cada letra teclada a uma historieta que tem relação com a letra em questão. O segundo ajuda na formação de palavras, sonorizando o que a criança teclar, e caso a palavra faça sentido, dando alguma resposta agradável (em geral uma piadinha). No Letrix, o professor pode gravar novas piadinhas de acordo com o interesse da turma.
Alguns experimentos estão sendo feitos na Sociedade de Assistência aos Cegos de Fortaleza e no Instituto Benjamin Constant. Os resultados preliminares demonstram diversas facetas interessantes: aumento no interesse da escrita; ligeira diminuição do tempo de alfabetização; aumento da compreensão do resultado da junção de letras; desejo absoluto dos estudantes de voltarem para brincar em outra hora.
O método usado é sempre o de provocação dos alunos a descobrirem como o programa funciona, e não nas relações didáticas subjacentes. A provocação do tipo “será que voce consegue...” ou “eu acho que o computador vai explodir se voce...” provocam sempre um clima de descoberta, que leva ao aprendizado com motivação [Vigotski, 88]. Experimentos em que os alunos foram deixados simplesmente no computador, sem uma orientação muito próxima, produziram resultados medíocres, e desmotivação das crianças.
Os professores acabam aproveitando as descobertas dos alunos para dar uma motivação maior ao ensino de Braille, que é muito beneficiado. A criança aprende a ler Braille, mesmo antes que seja capaz de escrever.
Nota: achamos que seria importante, ao usar o Letrix, de ter disponível uma impressora Braille para produzir em papel as palavras criadas. Infelizmente isso nunca foi tentado nessas escolas, devido a problemas de alocação de recursos.
e) no ensino profissionalizante
Um dos objetivos mais importantes do ensino é preparar a pessoa para o trabalho. No caso de deficientes visuais, existem diversas funções em que o computador pode ser um meio efetivo de obter emprego. Em áreas como tele-marketing, prospecção de informações, ensino à distância, e tantas outras, em que o uso da mente, do computador e do telefone são a base, e o registro e manipulação de informações o objetivo, a pessoa cega consegue obter níveis muito adequados de desenvolvimento, que o permite, inclusive, concorrer com pessoas sem deficiências.
O problema aqui se situa em dois níveis: o treinamento conveniente (envolvendo outros itens além do computador, como por exemplo, um excelente conhecimento da Língua Portuguesa) e a aceitação das empresas. Pouco a pouco esses itens tem sido trabalhados, e hoje já existem mais de 120 pessoas no âmbito Rio-São Paulo com trabalho envolvendo o uso direto do computador e telefone. Esse número tem-se expandido com rapidez, graças ao uso do DOSVOX, que por seu baixo custo, permite a uma empresa ou órgão público pensar no treinamento de um deficiente visual como um investimento e não como uma caridade [ODIA, 98].
5. Conclusões
O impacto do sistema DOSVOX sobre a comunidade cega e deficiente visual é tremendo, e pode ser facilmente avaliado pela imensa repercussão nos meios de comunicação e nas escolas especializadas. As principais vantagens do DOSVOX são sua simplicidade, custo e adequação à realidade educacional dos deficientes visuais do Brasil.
O projeto DOSVOX é uma cunha que abre novos espaços a uma parte importante da população brasileira. Com o uso efetivo do sistema, adaptado às reais necessidades dos cegos do Brasil, mais um passo foi dado no sentido de tornar os deficientes visuais em elementos mais produtivos e melhor integrados à sociedade.
Entretanto, ele é apenas uma ferramenta [Pimentel, 97]. Para que ela possa ser efetivamente importante, é necessário a concretização de muitas ações políticas e educacionais que permitam que ele seja aplicado ao maior número de deficientes visuais do nosso país. Muitas delas já se iniciaram, em especial a nível universitário. Mas a maior parte delas envolve uma conscientização maior por parte dos deficientes visuais e mais ainda, de seus professores.

Bibliografia


[Borges, 98] Borges, J.A, Paixão, B. e Borges, S. - Projeto DEDINHO - Alfabetização de crianças cegas com ajuda do computador - Anais do Congresso Estadual de Educação - Rio de Janeiro - 1998

[Borges, 97] Borges, J.A. - DOSVOX - um novo horizonte para deficientes visuais - Revista Técnica do Instituto Benjamin Constant - no. 3 - 1997

[Borges, 97] Borges, J.A. - Projeto Intervox - Documentação Interna da Rede Nacional de Pesquisa do Ministério da Ciência e Tecnologia

[HomePage, 96] Home page do projeto DOSVOX - http://www.nce.ufrj.br/aau/dosvox

[IBC, 97] Cartilha Braille - Instituto Benjamin Constant - 1997

[ODIA, 98] Deficientes têm acesso à lei - Jornal O DIA, Rio de Janeiro, de 8 de setembro de 1998

[Pimentel, 97a] Pimentel, M. - Computador, uma voz que ajuda, “Prêmio Jovem Cientista” da Fundação Roberto Marinho, 1997

[Pimentel, 97b] Pimentel, M.. - DOSVOX - O que você deseja - Revista Técnica do Instituto Benjamin Constant - no. 7 - 1997

[Torres, 98] Torres, I e Corn, A. - Quando houver crianças deficientes da visão em sua sala de aula: sugestões para professores - Revista Técnica do Instituto Benjamin Constant - no. 9 - 1998

[Vigotski, 88] Leontiev, Luria, Vigotski - Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem - São Paulo, Scipione, 1988

[Wonder, 98] Stevie Wonder -

Home page não oficial -http://www.xmission.com/~dan_nan/wonder/stevie.html


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal