Editorial Memor



Baixar 3.5 Mb.
Página28/28
Encontro04.08.2016
Tamanho3.5 Mb.
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28
Fig.l - Escritores brasileiros estudados pelo período literario a que se vinculam

Método

A pesquisa caracteriza-se como qualitativa documental sendo que a análise dos dados foi feita com os referenciais da análise documental (Bardin, 1995). A infancia e/ou adolescencia apresentada em autobiografías de 27 escritores brasileiros foi primeiramente recortada pela temática infancia/adolescencia relatada; a seguir, tomou-se o personagem como unidade básica de registro.

O personagem: o ator ou atuante pode ser escolhido como unidade de registro. Neste caso, o codificador indica os "personagens" (ser humano ou equivalente, tal como um animal, etc.) e, no caso de urna análise categorial, as classes em fungao da grelha escolhida. Tal grelha é geralmente estabelecida em fungao das características ou atributos do personagem (tragos de caráter, papel, estatuto social, familiar, idade, etc.) (Bardin, 1995, p.106).

Os "personagens" foram categorizados em dois tipos distintos: o adulto responsável (ou co-responsável) e crianga/adolescente. No entendimento do adulto como "personagem", ator do acontecimento, o recorte foi feito em relagao á sua fungao (fungao no contexto familiar); em relagao ao modo de relacionamento com a crianga/adolescente (privilegiou-se o aspecto afetivo da relagao); em relagao á representagao do si-mesmo para a crianga/adolescente.

Orientou o estudo a importancia da atitude da crianga/adolescente em relagao ao adulto responsável. Nesse sentido, foi extremamente útil a definigao de atitude de Bardin (1995, p. 155): "Urna atitude é urna pré-disposigao, relativamente estável e organizada, para reagir sob forma de opinioes (nivel verbal), ou de atos (nivel comportamental), em presenga de objetos (pessoas, idéias, acontecimentos, coisas, etc) de maneira

Memorándum 17, out/2009i i¿

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

115

determinada".

Buscando entender a crianga/adolescente como "personagem", também ator do acontecimento, o recorte foi feito em relagao ao modo de relacionamento da mesma com o adulto responsável (privilegiando-se o aspecto afetivo) e em relagao á representagao que a crianga/adolescente tem de si mesma, na mesma linha do expresso ácima em relagao ao adulto responsável.

Resultados e discussoes

Os dados obtidos e expressos ñas Figuras 2, 3, 4 e 5 que aparecem a seguir, encaminharam as discussoes alimentadas pelos fundamentos teóricos sintetizados anteriormente. Destaca-se, no entanto, que os pontos de discussao nao esgotam os dados e apenas representam urna das possibilidades de abordá-los.

Os episodios autobiográficos relatados que se caracterizaram pelo sofrimento que os autores relatam ter sentido na infancia e/ou adolescencia como decorréncia de relacionamento com adulto responsável mostram 15 pais, 10 maes, 1 avó e 4 tios(as). As autobiografías estudadas foram capazes de fornecer elementos importantes sobre os modos de relacionamento adulto-crianga (Figura 2) e crianga-adulto (Figura 3) que, ao lado das categorías vinculadas á representagao que a crianga e/ou adolescente expressa do adulto responsável (Figura 4) e de si-mesma (Figura 5), podem facilitar o entendimento da trama de fatores que tecem e entretecem esse tipo de relacionamento familiar.



fig. 2 - Relacionamento predominante agressor (a) principal com a enanca/ adolescente

vítima

A Figura 2 sintetiza resultados que abordam o modo de relacionamento adulto-crianga e mostra que, para um tergo dos escritores, o relacionamento relatado nos episodios estudados foi marcado pela dominagao, falta de diálogo, rispidez, indiferenga e frieza. Apenas 33,0% dos escritores relataram relacionamentos marcados por amor, amizade e diálogo.

Memorándum 17, out/2009i k

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

116



fig. 3 - Relaciona mentó predominante da crianga/adolescente vítima com o (a) agressor

Considerando a Figura 3 que trata do relacionamento da crianga e/ou adolescente com o adulto responsável chama a atengao que quase dois tergos dos escritores relataram relacionamentos de medo, submissao, indiferenga afetiva ou de ambigüidade marcada por admiragao e odio. No entanto, principalmente na relagao adulto-crianga, é bastante alto o número de escritores que apontaram a existencia do relacionamento amoroso. Esses dados podem parecer contrad¡torios quando retomamos a ideia de que os escritores estudados foram protagonistas de episodios marcados por modos de relacionamento que causaram sofrimento e dor. Neste caso, é importante retomar pontos do estudo de Bruner e Weisser (1995) da formagao na familia de um consenso discursivo que fornece os elementos da autodescrigao a partir de um modelo e de um conjunto de normas que, desde cedo, leva o individuo a inventar a própria vida no sentido de atender á necessidade de relacionamento familiar. A familia estrutura as temáticas que orientam a "geografía psíquica" dos membros que a compoem. No estudo, evidencia-se que o sofrimento é associado no auto-relato ao excesso de amor dos pais em relagao aos filhos, entre outros, em Graga Aranha (1931), Gilberto Amado (1958), Luís Jardim (1976). A forga da familia na estruturagao das temáticas que permitem a formagao de um consenso discursivo sobre o si-mesmo pode também explicar um dado relevante presente na Figura 4: a alta positividade na representagao do adulto responsável no episodio que causou sofrimento e dor na infancia/adolescencia. Cabe acrescentar ainda que em grande parte das autobiografias que compuseram a Figura 4, a representagao do adulto responsável pela positividade está associada á capacidade deste no ámbito dos relacionamentos externos á familia. A representagao do adulto tem as marcas do contexto social mais ampio em que o adulto é valorizado socialmente. É o que foi encontrado em Medeiros e Albuquerque (1993), Humberto de Campos (1947), Alvaro Moreira (1955), Everardo Backheuser (1942), Graga Aranha (1931), Paulo Setúbal (1953), Afonso Arinos (Franco, 1961), Alceu Amoroso Lima (1973), Gilberto Amado (1958), Pedro Calmon (1995), José Américo de Almeida (1986), Herberto Sales (1988) e Ledo Ivo (1985); para esses escritores o adulto responsável é descrito como bom, vigilante, obstinado, querido e justo.

Memorándum 17, out/2009i i¿

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

117



fig. 4 - Representado do (a) agressor (a) principal para a crianca/adolescente vítima

A admiragáo pode ser tanta que o sofrimento e a dor sentida na infancia/adolescencia e a lembranga da mesma surgem como fonte de prazer.

Nao me recordó se no momento tive algum sentimento de zanga ou de odio contra ela. Nao me recordó. Eu a quería tanto, tanto, que até suas pancadas eram capazes de me dar prazer. E depois eu as achei justas porque havia vadiado. (Backheuser, 1942, p. 19)

Em relagáo á representagao que a crianga e/ou adolescente tem de si mesma (Figura5) no contexto de relacionamento com o adulto-responsável, o campo semántico que predominou foi o da negatividade infantil (alta, media e baixa) que concentrou em torno de 66,3 % dos escritores. A categoria baixa negatividade reúne a representagao pela travessura que gera a culpa. A categoria media negatividade reúne os escritores que se representaram pela fragilidade, fracasso, submissao, manipulagao. Nessa perspectiva, onde a infelicidade infantil associa-se ao adulto enquanto causador da mesma estao Graga Aranha, (1931), Érico Veríssimo (1976), Alceu Amoroso Lima (1973), Antonio Carlos Villaga (1970) Cyro dos Anjos (1963). A categoria alta negatividade concentra os escritores que se representam pela animalizagao e/ou irracionalidade: Humberto de Campos (1947) se proclama um "poldro selvagem"; Paulo Duarte (1976) "cachorro de guarda"; Luís Jardim (1976) "cávalo", "doido mesmo". Mesmo em escritores que atingem um elevado nivel de consciéncia em relagao ao modo de relacionamento com o adulto e ao sofrimento vivido, a alta negatividade na representagao de si-mesmo está presente: Antonio Carlos Villaga (1970) denomina-se "animal"; José Lins do Regó (1956) "burro", além disso, assimila-se aos prisioneiros e a seu canario; Graciliano Ramos (1995) considera-se "urna besta" e assimila-se a "rato", "aranha", "barata". Também nessa perspectiva, o processo de estruturagáo das temáticas na formagáo de um consenso discursivo sobre o si-mesmo que ocorre no contexto familiar pode também justificar os dados da figura 5.

Memorándum 17, out/2009i 17

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

118



fíg. 5 - Representado da crianza/adolescente sobre sí mesmo (a)

Resgatando a tese de Bruner, no processo de invengao do ser e de invengao da vida textualizada e sujeita a constantes interpretagoes e reinterpretagoes, a familia tem papel essencial pois é responsável pela estruturagao das temáticas que orientam a formagao psíquica de seus membros. Essa consideragao facilita a interpretagao dos dados da representagao do si-mesmo no período da infancia/adolescencia de escritores brasileiros. Humberto de Campos também explica:

Sempre fui proclamado, sem irritagao consciente de minha parte, o menino mais feio da familia. Nasci feio, e tenho sido, na vida, nesse ponto, de urna coeréncia ácima de todo elogio (Campos, 1947, p.49).

Continua mais adiante: "Eu tenho a impressao de que nao fui, jamáis, um menino alegre e querido" (idem).

Graciliano Ramos recupera os significados e os usos do si-mesmo marcados pela negatividade no contexto familiar.

Sem dúvida o meu aspecto era desagradável, inspirava repugnancia. (...) Bezerro encourado. Mas nao me fazia tolerar. Essa injuria revelou muito cedo a minha condigao na familia: comparado ao bicho infeliz, considerei-me um pupilo enfadonho, aceito a custo. Zanguei-me, permanecendo exteriormente calmo, depois serenei. Ninguém tinha culpa do meu desalinho, daqueles modos horríveis de mambembe. Censurándo­me a inferioridade, talvez quisessem corrigir-me (Ramos, 1995, p.130).

Conforme visto anteriormente, Bruner destaca que além da familia, a cultura, num sentido mais ampio, molda a concepgao de pessoalidade do individuo. O estudo mostrou que os significados e os usos do si-mesmo infantil foram ao encontró de concepgoes culturáis mais ampias que cercam a representagao da infancia no sáculo XX. Estudo de Snyders (1984) discute cinco assimilagoes do termo crianga, como adjetivo, mostrando que, históricamente, a crianga esteve associada as categorías de individuos adultos determinados como classes e categorías sociais expropriadas de poder e assim depreciadas socialmente (os escravos na Antiguidade, os negros colonizados, os criados, o povo e as mulheres); mostra ainda que, em decorréncia, os elementos desvalorizantes das categorías as quais a crianga é assimilada refletem-se sobre ela, reforgando a constituigao de urna imagem desvalorizada. Para Snyders, esse processo dificulta a

Memorándum 17, out/2009i i e

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

revelagao plena do amor que se pode dedicar á crianga, facilitando a manifestagao da indiferenga no contexto de relacionamento entre pais e filhos.

No caso específico deste trabalho, interessa a assimilagao da crianga aos fracos, aos oprimidos ñas relagoes sociais, como forma de entendimento da representagao da crianga-adolescente pela negatividade, pela exaltagao dos próprios defeitos. Problemáticas como a debilidade da inteligencia que gera a depreciagao de si mesmo, a fraqueza de se ter a vida orientada pelos caprichos infantis, (travessuras, peraltices) comportam a representagao da crianga inferiorizada por ser ainda primitiva, selvagem. José Lins do Regó relata: "Todos estavam seguros da minha burrice (...)■ Nao havia jeito. Era mesmo a burrice de senhorzinho Goiabao e de Joao Beaba. (...) A minha cabega era mesmo de pedra" (Regó, 1956, p.212). E Gilberto Amado afirma: "Essa incompreensao salvou-me de ser o vagabundo que eu trazia em mim..." (Amado, 1958, p.58). O estudo mostrou ainda urna outra forma de assimilagao pela negatividade: a assimilagao da crianga-adolescente a animáis, á irracionalidade. Cabe lembrar que os animáis aos quais a crianga/adolescente se assimila, na sua maioria, sao exatamente aqueles marcados também pela negatividade perante a visao do adulto. Sao animáis caracterizados pelos adultos pela limitagao de suas capacidades: "besta", "burro", ou pela limitagao do espago: "canario" da gaiola; ou ainda animáis marcados principalmente pela perseguigao doméstica: "rato", "aranha", "barata".

Em síntese, em relagao aos escritores autores de autobiografías sobre a infancia e estudados nesta pesquisa, os resultados permitem fazer as seguintes afirmagoes: (a) nos modos de relacionamento adulto-crianga/adolescente predominou a imposigao, a falta de diálogo, a rispidez e a indiferenga; (b) os relacionamentos crianga/adolescente-adulto foram marcados pelo medo, submissao, confuto afetivo e indiferenga; (c) o adulto responsável é representado pela positividade: bom, obstinado e justo; enquanto que (d) a representagao de si-mesmo na infancia/adolescencia expressa-se pela negatividade: animalizagao, irracionalidade, submissao, fragilidade, fracasso, manipulagao e culpa. Esses resultados evidenciam o caráter evolutivo da construgao de significados sociais da infancia/adolescencia caracterizada ñas práticas cotidianas da primeira metade do século XX, no Brasil, quando ainda permanecem representagoes da crianga como "urna forga rebelde a ser domada" (Perrot, 1993, p. 159) e que eram evidentes no final do século XIX.

O século XX, considerado o século da crianga, consegue construir ao longo de sua historia, representagoes que estao diretamente relacionadas ao entendimento da particularidade infantil, no interesse da crianga como pessoa humana. No entanto, essas características em processo de construgao na primeira metade do século nao conseguiram influir significativamente os modos de relacionamento adulto-crianga e a representagao de si-mesmo para os escritores estudados.

Referencias

Almeida, J. A. (1986). Memorias: antes que me esquega. Joao Pessoa: Fundagao Casa de José Américo.

Amado, G. (1958). Historia da minha infancia. Rio de Janeiro: José Olympio. Anjos, C.V. (1963). Exploragoes no tempo: memorias. Rio de Janeiro: José Olympio. Aranha, J. P. G. (1931). Meu próprio romance. Sao Paulo: Nacional.

Backheuser, E. (1942). Minha térra e minha vida: Niterói há cinqüenta anos. Rio de Janeiro: IBGE.

Bardin, L. (1995). Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edigoes 70. (Original de 1977).

Memorándum 17, out/2009i ig

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJSP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

Barthes, R. (1970). Escritores e escreventes (G. G. Souza, Trad.)- Em R. Barthes, Crítica e verdade (pp. 31-9). Sao Paulo: Perspectiva. (Original de 1966).

Bosi, A. (1997). Historia concisa da literatura brasileira. Sao Paulo: Cultrix.

Bruner, J. S. (1997). Atos de significagao (S. Costa, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Original de 1990).

Bruner, J. S. (1998). Realidade mental, mundos possíveis (M. A. G. Domingues, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Original de 1986).

Bruner, J. & Weisser, S. A. (1995). A invengao do ser: a autobiografía e suas formas (V. L. Siqueira, Trad.). Em D. R. Olson & N. Torrance, Cultura escrita e oralidade (pp. 141-161). Sao Paulo: Ática. (Original de 1991).

Calmon, P. (1995). Memorias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Campos, H. (1947). Memorias: primeira parte (1886-1900). Rio de Janeiro: W. M. Jackson.

Del Picchia, M. (1970). A longa viagem I. Sao Paulo: Martins. Duarte, P. (1976). Memorias: as raízesprofundas. Sao Paulo: Hucitec.

Franco, A. A. M. (1961). A alma do tempo: memorias: formagao e mocidade. Rio de Janeiro: José Olympio.

Gerken, C. H. S. (2002). Cultura oral, escrita e cognicao na psicología de Jeróme Bruner. Trabalho apresentado na XXV Reuniao Anual da ANPEd, Caxambu, Brasil.

Ivo, L. (1985). Confissoes de umpoeta. Sao Paulo: Global.

Jardim, L. (1976). O meu pequeño mundo: algumas lembrangas de mím mesmo. Rio de Janeiro: José Olympio.

Lejeune, P. (1975). Le pacte autobiographique. Paris: Seuil.

Lima, A. A. (Pseudónimo Tristao de Athaíde). (1973). Memorias improvisadas: Diálogo com Medeíros Lima. Petrópolis: Vozes.

Maluf, M. (1995). Ruidos da memoria. Sao Paulo: Siciliano.

Medeiros e Albuquerque, J.J.C. (1933). Minha vida: memorias. Rio de Janeiro: Calvino Filho.

Mello, E. C. (1997). O fim das casas-grandes. Em F. A. Nováis & L. F. Alencastro (Orgs.), Historia da vida privada no Brasil. V. 2. Imperio: a corte e a modemidade nacional (pp. 385-438). Sao Paulo: Companhia das Letras.

Moreira, A. M. S. (1955). As amargas, nao: lembrangas. Rio de Janeiro: Lux. Nava, P. (1987). Galo das trevas (Memorias, 5). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Perrot, M. (1993). Fungoes da familia (F. Hildegard, Trad.). Em M. Perrot (Org), Historia da vida privada: da revolugao francesa á primeira guerra (Vol.4, pp. 104-120). Sao Paulo: Companhia das Letras. (Original de 1987).

Memorándum 17, out/2009i9Q

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJ5P

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm



Oliveira, M.H.P. (2009). A representagao de si-mesmo em narrativas autobiográficas de escritores

brasileiros. Memorándum, 17, 107-121

Retirado em / / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.pdf

Ramos, G. (1995). Infancia. Rio de Janeiro: Record.

Regó, J. L. (1956). Meus verdes anos: memorias. Rio de Janeiro: José Olympio.

Sales, H. (1988). Andangas por urnas lembrangas: subsidiario II. Sao Paulo: Nacional.

Sartre, J. P. (1990). As palavras (J. Guinsburg, Trad.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Original de 1964).

Setúbal, P. O. (1953). Confíteor: obra postuma. Sao Paulo: Saraiva.

Snyders, G. (1984). Nao é fácil amar os nossos filhos (E. C. Lima, Trad.). Lisboa: Dom Quixote. (Original de 1980).

Veríssimo, E. (1976). Solo de clarineta. Porto Alegre: Globo Villaga, A. C. (1970). O nariz do morto. Rio de Janeiro: JMC.

Notas

(1) Urna outra possibilidade de abordagem das formas de relacionamento adulto-crianga/adolescente poderia ser feita com o aporte aos conceitos hodiernos de violencia doméstica e suas tipologías específicas como violencia física, violencia psicológica. No entanto, neste estudo, optou-se por evidenciar os dados que deram origem as Figuras 2, 3, 4 e 5, que serviram de base para toda a discussao sobre os significados e usos do si-mesmo e que nao se apoiam em conceitos contemporáneos específicos da área de estudo da violencia doméstica, mas em categorías surgidas da análise de conteúdo das próprias autobiografías estudadas.

Nota sobre a autora

María Helena Palma de Oliveira tem doutorado em Psicología pela USP, mestrado em Psicología da Educagao pela PUC-SP e bacharelado e licenciatura em Língua Portuguesa pela FFLCH (Faculdade de Filosofía Letras e Ciencias Humanas) da USP. É docente do Mestrado Profissional em Reabilitagáo Vestibular e Inclusáo Social e do curso de Psicología, ambos da UNIBAN (Universidade Bandeirante de Sao Paulo), campus María Cándida (Rúa María Cándida, 1813, Bloco G, 6o andar, Vila Guilherme, Sao Paulo, 02071-013. Sao Paulo). Contacto: moliveira@uniban.br.

Data de recebimento: 31/07/2008 Data de aceite: 30/05/2009

Memorándum 17, out/200919]

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto:TJ5P

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliv01.htm
1   ...   20   21   22   23   24   25   26   27   28


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal