Editorial Memor



Baixar 3.5 Mb.
Página3/28
Encontro04.08.2016
Tamanho3.5 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28
O estudo científico das emogoes

Ainda há muitas controversias no estudo das emogoes. Os autores dividem-se em varias

concepgoes de como as emogoes podem ser estudadas e encaradas, o que faz com que

haja urna pluralidade de discursos.

A própria conceituagao sobre o que é emogao mostra divergencias entre os estudiosos.

Segundo Frijda (2000, p. 59):

um primeiro e maior problema está em como definir nosso campo de estudo. O que é emogao? Emogoes nao sao urna categoría natural. Entao por que esse conceito emerge? Deve-se ter algum fenómeno que traga as emogoes e demande urna designagao e explicagao. Este fenómeno incluí sentimentos, mudanga no controle do comportamento e pensamento, de involuntarios e impulsivos comportamentos, a emergencia ou tenacidade de opinióes, mudangas na relagao do individuo com o ambiente e mudangas fisiológicas que nao foram causadas por condigóes físicas.

Já para Ekman (2003, p. 10):

emogao é um processo, um tipo particular de avaliagao automática influenciada pelo nosso passado evolutivo e pessoal, no qual sentimos que algo importante para o nosso bem-estar está ocorrendo e urna serie de mudangas fisiológicas e comportamentos emocionáis comegam a lidar com a situagao.

Ambos os autores ressaltam a necessidade de alteragóes fisiológicas para que haja a

manifestagao das emogoes. Ambos também falam do ambiente como fator importante

para o desencadeamento das emogoes. Frijda (2000, p. 59) fala da forma como se dá

essa relagao. Para ele,

a relagao do individuo com o ambiente é dinámica. Assim, a mudanga do significado de algum aspecto do ambiente altera da mesma forma que urna mudanga física. As emogoes relacionam o individuo com o meio ambiente. Elas envolvem padróes de comportamentos que geram respostas semelhantes. Por exemplo, sorrir implica na expectativa de urna relagao amistosa, chorar para pedir ajuda etc.

No entanto, o autor complementa dizendo que essa concepgao foi criticada porque nem

sempre alguns comportamentos despertavam as mesmas reagoes, o que faz com que se

busque um estudo mais aprofundado sobre o assunto.

Johnson-Laird e Oatley (2000), além da relagao entre as alteragóes biológicas e o

ambiente cultural, atentam para a questao da individualidade. Afirmam que: (...) as emogoes carregam cognigóes, mudangas somáticas, sentimentos subjetivos, expressóes facíais e comportamentos. (...) As emogoes dependem de urna experiencia social e do crescimento da sensibilidade individual. Nem todo mundo é capaz de experienciar cada emogao. Inclusive, há épocas e culturas que determinam certas emogoes. (...) nem todas as emogoes determinam o mesmo tipo de reagoes para os individuos. Assim, há diferengas individuáis, apesar dos valores serem partilhados cultural e socialmente (p. 459).

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al5/grambair01.pdf



Graminha, M. R. & Bairrao, J. F. M. H. (2009). Torrentes de sentidos: o simbolismo das aguas no
contexto umbandista. Memorándum, 17, 122-148. Retirado em / / , da World Wide

Web http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/grambair01.pdf

Ademáis, os autores destacam que, além da importancia da individualidade na manifestagao das emogoes, a cultura também tem um papel que vai além do de desencadeador das emogoes. Para eles "a cultura nao afeta simplesmente a intensidade das emogoes. Ela dá suporte para qualificar diferentes emogoes" (Johnson-Laird & Oatley, 2000, p. 459).

Lutz e White (1986) vao além destes autores no que concerne á relagao entre emogoes e cultura, questionando como as emogoes tém sido tratadas. Os autores dizem que as emogoes geralmente sao consideradas como coisas materiais, constituidas biológicamente como movimentos dos músculos faciais, aumento da pressao sanguínea, processos hormonais e neuroquímicos, enfim, instintos que surgem de uma psique genérica humana. Geralmente a cultura é apenas conceituada nessa visao, nao adquirindo muita importancia. A relagao entre o corpo e as emogoes é usualmente ignorada ou tratada como uma conexao metafórica com ramificagoes culturáis. Ademáis, afirmam que o papel da cultura é maior: é ela que valida ou renegocia os julgamentos emocionáis. Desta forma, a cultura e os processos sociais tém de ser incluidos nessa discussao.

Em um outro momento, Lutz (1988, p. 6) afirma que "falar de emogoes é falar simultáneamente de sociedade - sobre poder e política, sobre aceitagao e casamento, sobre normal e desviante". E ainda, diz que:

se é assumido que uma emogao é simplesmente um evento psicobiológico e que cada emogao é universal e ligada a uma expressao facial (ainda que um processo cuidadoso e intencional leve a conclusoes sem erros), o processo de entendimento emocional se torna apenas a leitura de faces ou olhar apenas a superficie da piscina que é a experiencia emocional. Se, no entanto, a emogao é encarada como meio de acesso a sistemas culturáis de significado e de interagao social complexos, entao o problema de tradugao se agrava (p. 8). Lutz (1988, p. 10) ainda afirma que:

para entender o significado de uma palavra emocional é necessário visar (e talvez se achar disponível para participar de) uma complicada cena com atores, agoes, relagoes interpessoais (..), pontos de vistas moráis, expressoes faciais, aspectos pessoais e globais e a seqüéncia dos eventos. Geertz (2001, p. 181) também tem uma concepgao parecida. Para ele,

o fato de o cerebro e a cultura terem evoluído juntos, numa dependencia recíproca para a sua própria realizagao, tornou insustentável a concepgao do funcionamento mental humano como um processo intracerebral intrínsecamente determinado. (...) Constituindo uns aos outros e reciprocamente construidos, eles devem ser tratados como tais - como complementos e nao níveis; como aspectos, nao entidades; como paisagens, nao dominios .

Outro autor que faz uma crítica semelhante é Rey (1999). Ressalta a dificuldade que há na psicología em tratar as emogoes gragas á necessidade de se obter um conhecimento objetivo, necessidade esta que ficou marcada durante o desenvolvimento dessa ciencia. Rey (1999) completa que "as emogoes... nao sao efeitos de realidades ou sistemas externos a elas". O autor também critica a énfase na especificidade das emogoes, que por muitas vezes sao encaradas como algo fragmentado e nao como realidades em si mesmas. Acrescenta que as emogoes tém sido tratadas de uma maneira que há uma "resistencia em considerar a singularidade do estudado, influenciada pela tendencia á estandardizagao, á medigao, á comparagao e á predigao" (p. 38).

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al5/grambair01.pdf



Graminha, M. R. & Bairrao, J. F. M. H. (2009). Torrentes de sentidos: o simbolismo das aguas no
contexto umbandista. Memorándum, 17, 122-148. Retirado em / / , da World Wide

Web http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/grambair01.pdf

Engelmann (1978) relaciona "emogao", em portugués, com o verbo latino exmovere, que significa por em movimento. Para ele, "emotion, enquanto turbulencia, passa a ser usado nao apenas para indicar urna agitagao da alma, mas também urna agitagao popular, urna revolta". (p.26). O autor ainda afirma que ambos os sentidos aparecem também na palavra correspondente em portugués.

Outra questao que surge quando o assunto é emogao se relaciona com a universalidade das emogoes. Afinal, as emogoes sao universais ou culturalmente aprendidas? Foram selecionadas evolutivamente ou sao fruto de um aprendizado?

Segundo Lutz e White (1986), a maneira como um pesquisador conduz a sua pesquisa neste campo depende de como ele encara as respostas a estas perguntas. Eles dizem que existe urna dicotomía presente neste campo de estudo, que é caracterizada pela investigagao dos processos fisiológicos das emogoes e pela concepgao de sentimentos como algo culturalmente determinado. Essas duas visoes fazem com que naja um contraste no estudo das emogoes entre o positivismo e o interpretativismo (termos dos autores).

Para Lutz e White (1986), o positivismo tem urna idéia universalista de emogao, acreditando que esta seja urna habilidade pan-humana ou um processo invariável em sua esséncia. Desta maneira, o estudo das emogoes é rígido e considerado fácil, visto que se limita á observagao rigorosa do comportamento (justificando que, com isso, observa-se também a cultura).

Já o interpretativismo tem interesse pelo significado cultural das emogoes, através das relagoes entre as pessoas (inclusive pesquisador e entrevistado). Dá énfase á negociagao do significado das emogoes. Os teóricos culturáis, que buscam esse tipo de abordagem, tendem a definir emogao mais como um julgamento socialmente validado do que como um estado interno.

Um dos pesquisadores que concebe as emogoes como sendo universais é Ekman (2003). Para ele, as diferentes manifestagoes emocionáis, além de serem influenciadas por nossa experiencia pessoal, sao também fruto de nosso passado evolutivo. Ekman segué a mesma metodología de que Darwin se utilizou no estudo das emogoes, que seria a observagao de expressoes facíais. Ekman conceitua seis emogoes como sendo básicas: surpresa, medo, tristeza, alegría, nojo e raiva. Todavía, estas nao sao as únicas. Ekman diz que, segundo os seus experimentos, já encontrou 10.000 expressoes diferentes e que, apesar da grande quantidade, nao dá para se ter urna nogao precisa de todas as alteragoes fisiológicas que as emogoes estabelecem. Ekman (2003) afirma que mesmo nao nos dando conta das alteragoes que ocorrem durante urna emogao, elas acontecem através de mecanismos automáticos que ele denomina de autoappraisers. Ele ainda afirma que "as emogoes preparam a gente para lidar com eventos importantes sem termos que pensar sobre o que fazer" (p. 19). Para justificar essa afirmagao, Ekman (2003) explica que sao necessários apenas 10 mili-segundos para iniciar urna emogao e de 10 a 15 segundos para normalizar o nosso corpo. Justifica também que quando urna emogao é muito abrupta, nos nao nos lembramos exatamente do episodio depois, justamente gragas a esses mecanismos automáticos.

Urna constatagao feita pelas suas pesquisas foi a de que, em culturas nao-letradas, há urna confusao entre as expressoes de medo e surpresa, o que nao ocorre com as culturas letradas. Por isso, Ekman (2003) reconhece a importancia da cultura na expressao das emogoes. Por conseqüéncia, Ekman propoe a idéia de "regas de exibigao" (display rules): (...) regras sobre o controle da expressao, sobre quem pode mostrar cada emogao para quem e quando eles podem fazer isso. Essa regra pode ditar o que diminuir, exagerar, esconder completamente ou mascarar na expressao que estamos sentindo (p. 20).

Lutz e White (1986), quando falam sobre Ekman e autores de outros estudos acerca das expressoes facíais, dizem: "Urna questao que vem sendo negligenciada é a de como padroes de expressoes facíais vém sendo incorporados em ampios sistemas de sinais culturáis e lingüísticos" (p. 411).

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al5/grambair01.pdf



Graminha, M. R. & Bairrao, J. F. M. H. (2009). Torrentes de sentidos: o simbolismo das aguas no
contexto umbandista. Memorándum, 17, 122-148. Retirado em / / , da World Wide

Web http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/grambair01.pdf

Outra autora também vai ao encontró de teorías culturáis voltadas para o estudo das

emogoes é Wierzbicka (1986). Questiona o etnocentrismo das pesquisas no campo das

emogoes, dizendo que alguns pesquisadores catalogaram emogoes básicas que, por

vezes, nao tém tradugoes em algumas línguas do mundo.

A autora afirma que:

termos em inglés sobre as emogoes constituem uma taxonomía cultural, e nao uma estrutura objetiva culturalmente nao influenciada. Entao, obviamente, nao podemos pressupor que palavras em inglés como disgust (nojo), fear (medo) e shame (vergonha) sejam idéias para concepgoes humanas universais ou para realidades psicológicas básicas (p. 585).

Wierzbicka (1986) chama a atengao para quatro aspectos que julga fundamental para o

estudo das emogoes e de sua universalidade. Seriam eles:

(1) Se queremos situar emogoes humanas universais, precisamos identificá-las em termos de uma metalinguagem semántica independente, nao apenas em termos de palavras populares inglesas para as emogoes (ou em termos de expressoes científicas em inglés (...). (2) Diferenciagoes lexicais na área das emogoes (assim como em outros campos semánticos) mostram importantes idéias para a conceituagáo dos que falam esta língua. (3) O estudo do entre jogo entre o que é universal e o que é culturalmente específico dos aspectos emocionáis deve ser visto como uma tarefa interdisciplinar que requer a colaboragáo da Psicología, da Antropología e da Lingüística. (4) Um estudo considerável de colegoes lexicais e uma seria análise semántica sao necessários antes de qualquer hipótese plausível sobre o que é universal na área conceitual das emogoes (p. 585).

Wierzbicka (1986) acredita que os termos usados para as emogoes sao importantes para

se ter uma idéia da importancia de cada emogao numa cultura.

Lutz (1988) endossa a importancia de uma orientagáo metodológica no estudo das

emogoes que privilegie um enfoque interpretativo, lingüístico e cultural, mas com uma

importante ressalva:

o processo de entendimento das emogoes de pessoas de duas diferentes culturas pode ser visto principalmente como um problema de tradugáo. O que precisa ser traduzido sao os significados das palavras "emocionáis" ditas no dia a dia, do choro e outros gestos e a reagáo da platéia a uma performance emocional (p. 8).

E acrescenta:

a tarefa interpretativa entáo, nao é primariamente algum tipo de fantasma do tipo "o que vocé está sentindo" por dentro (termo de Geertz [...]), ao invés de traduzir a comunicagáo emocional para um idioma, contexto, linguagem ou um modo sócio-histórico de entender um ao outro (p. 8).

Ekman (2003) critica a abordagem lingüística de Wierzbicka e rebate algumas críticas

feitas a seu trabalho:

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al5/grambair01.pdf



Graminha, M. R. & Bairrao, J. F. M. H. (2009). Torrentes de sentidos: o simbolismo das aguas no
contexto umbandista. Memorándum, 17, 122-148. Retirado em / / , da World Wide

Web http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/grambair01.pdf

esta crítica presume que as emogoes sao palavras, o que, é claro, nao sao. Palavras sao representagoes de emogoes, nao as emogoes em si mesmas. (...) Palavras sao um caminho para lidar com as emogoes e nos usamos palavras quando nos emocionamos, mas nao podemos reduzir as emogoes a palavras (p. 13).

A esta idéia, e sublinhando a profunda divergencia entre perspectivas do estudo das emogoes que vém sendo expostas, se contrapoe Geertz (2001) que a respeito de como se deve proceder ao estudo das emogoes, defende:

urna abordagem essencialmente semiótica das emogoes - urna abordagem que as vé em termos dos instrumentos de significagao e das práticas de construgao através dos quais elas recebem forma, sentido e circulagao. As palavras, imagens, gestos, marcas corporais e terminologías, assim como as historias, ritos, costumes, sermoes, melodías e conversas, nao sao meros veículos de sentimentos alojados noutro lugar, como um punhado de reflexos, síntomas e transpiragoes. Sao o locus e a maquinaria da coisa em si (p. 183).

Para tentar superar a dicotomía entre o biológico e o semiótico no estudo das emogoes, alguns autores buscam saídas para a resolugao desse impasse. Frijda (2000) afirma que "as explicagoes das emogoes estao baseadas em tres termos: a estrutura do individuo, as informagoes armazenadas (memoria) e a interagao dinámica com o ambiente. Esses tres elementos podem ter urna incrível variáncia" (p. 70).

Neste sentido, Delgado (1971, p. 16) define emogao de urna maneira semelhante. Afirma que:

as emogoes sao despertadas por estimulagoes sensoriais ou pela recordagao de experiencias previamente acumuladas, que podem ser reconhecidas pessoalmente, por meio da introspecgao, ou objetivamente, pela observagao de manifestagoes externas, devido á repetigao de padroes típicos de respostas .

Jonhson-Laird e Oatley (2000) propoem urna saída que também leva os aspectos biológicos e culturáis em consideragao. Chegam á seguinte conclusao: a cultura determina o que elicia a emogao, assim como as normas sociais também influenciam na expressao das emogoes. E ainda: elas também criam algumas situagoes que estimulam as emogoes, apesar de existirem emogoes básicas e reagoes fisiológicas que sao comuns a todos.

Delgado (1971, p. 23) descreve como a emogao é importante na comunicagáo social entre os individuos. Afirma que:

a expressao emocional tem um valor social na comunicagáo de sentimentos, que dispensa o uso de palavras. Gestos e posturas tém um significado simbólico, que pode despertar urna emogao similar no observador, criando mais urna forma de estimulagáo em estilo feedback, porque, vendo nossa própria emogao refletida no outro individuo, reforgamos nossa experiencia emocional individual.

Johnson-Laird e Oatley (2000, p. 462) acrescentam dizendo que "emogoes sao como urna linguagem natural: existe urna base ¡nata para a linguagem nos seres humanos, mas a linguagem possui seu próprio vocabulario e sintaxe".

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al5/grambair01.pdf



Graminha, M. R. & Bairrao, J. F. M. H. (2009). Torrentes de sentidos: o simbolismo das aguas no
contexto umbandista. Memorándum, 17, 122-148. Retirado em / / , da World Wide

Web http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/grambair01.pdf

Em se tratando de linguagem, convém, como o faz Bruner (1997, p. 120), apontar a

necessidade de se lembrar que o ser humano é um ser social: "(...) as emogoes

alcangam seu caráter qualitativo ao serem contextualizadas na realidade social que as

produz".

Lutz (1988, p. 210) afirma algo semelhante quando diz que:

cada conceito de emogáo é, como vimos, um índice de um mundo de premissas culturáis e de cenários de interagao social, cada um é um sistema de significagao que incluí acesso verbal, idéias reflexivas e implícitas. Urna emogao discreta tem um grupo de imagens e proposigoes. E ainda:

as cenas que cada conceito emocional evoca sao típicamente cenas sociais envolvendo relagoes entre dois ou mais individuos. As emogoes podem ser vistas como um aprendizado sociocultural em um sentido fundamental que caracteriza e cria urna relagao entre individuos e grupos (p. 211).

Enfim, pode-se notar que a conceituagao acerca do que sao as emogoes e de como se manifestam ainda está em aberto. Engelmann (1978) fez um vasto levantamento bibliográfico acerca do que seriam emogoes, afetos, sentimentos em diversas línguas, entre teóricos diferentes e chega a conclusao de que nao existe propriamente um consenso a respeito dos aspectos fundamentáis das emogoes, afetos ou sentimentos. Segundo ele, "as divergencias nao se referem a atributos secundarios, mas importam em oposigoes radicáis quanto a pontos básicos" (p. 57).

Todos os autores citados dissertam sobre a relagao entre individuo (biológico) e meio (cultural). A complexidade do assunto e as divergencias quanto á conceituagao das emogoes faz com que as metodologías dos pesquisadores divirjam. Frijda (2000) ressalta a importancia de haver urna interlocugao entre os autores de diferentes abordagens, a fim de se construir um conhecimento sólido:

pesquisadores experimentáis usualmente sabem pouco sobre a psicología cultural e social das emogoes, e vice­versa. (...) Estudantes de neuropsicologia das emogoes freqüentemente sabem pouco sobre a psicología contemporánea das emogoes, e usualmente escrevem como se o paradigma do que causa as emogoes fossem os choques elétricos (...) Nao urna há razao real para continuarmos assim (p. 73).

Mas, em última análise, vale ressaltar que nao há unanimidade sobre a natureza e a conceituagao das emogoes, o que de certa forma, é preciso admiti-lo, nos leva a constatar a persistencia de urna certa obscuridade a seu respeito, no ámbito científico. O assunto e o debate estáo longe de se esgotarem e a busca por novos aportes que possam subsidiar a discussáo pode ser útil.

De qualquer modo, para a realizagáo desta pesquisa, urna vez que o ámbito da sua realizagáo é um específico contexto sócio-cultural, por razoes estritamente metodológicas considerou-se necessário tomar partido pela concepgáo semiótica de emogoes, advogada por autores como Geertz e Lutz.

Segundo Geertz (1989), "as forgas culturáis podem ser tratadas como textos, como obras imaginativas construidas a partir de materiais sociais" (p. 317). Para o autor, os fenómenos culturáis sao textos manifestos, que em si expressam o seu significado e que o pesquisador deve se encarregar de ler, levando em consideragáo sua complexidade.

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal