Editorial Memor



Baixar 3.5 Mb.
Página6/28
Encontro04.08.2016
Tamanho3.5 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28
Método

O estudo teve como objetivo fazer um resgate de memoria, através de análises documentáis e de narrativas vivenciais, sem pretensao de exaustividade. O desenho metodológico da pesquisa, bem como os procedimentos observados no registro das narrativas, colhidas através de entrevistas semi-dirigidas, gravadas e minuciosamente transcritas, foram inspirados em autores do campo da historia oral, entendida como metodología adequada para o estudo da historia do tempo presente, mas sem seguir rigorosamente tal metodología. Especialmente, foi de grande utilidade a coletánea de textos organizada por Ferreira e Amado (2005). Enquadrada no campo da psicología social, a entrevista é um instrumento potente para identificagao de sentidos atribuidos pelos atores a processos históricos do qual tomaram parte. As entrevistas nos permitiram complementar e aprofundar o estudo da documentagao levantada. A pesquisa contou, portanto, com duas fontes principáis de dados: 1) um arquivo oral constituido por entrevistas realizadas pela equipe de pesquisa com pesquisadores, professores e ex-alunos, atuantes no curso no período investigado, escolhidos por criterios de representatividade e de participagao nos eventos enfocados; 2) acervos documentáis institucionais e particulares que reunissem documentos sobre currículos dos cursos em análise, e outros relativos a eventos, projetos de pesquisa e projetos de extensao, relacionados direta ou indiretamente com a temática da saúde mental. Como se trata de período muito recente, do qual os próprios pesquisadores do projeto foram

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , -,,
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

protagonistas, com graus variados de participagao e centralidade nos eventos estudados, optamos por assumir os riscos de urna interpretagao intersubjetiva construida pelos pesquisadores a partir de sua interagao com os entrevistados, sem, no entanto, cair num subjetivismo acrítico ou radical. Tivemos o cuidado de, especialmente nos seminarios de pesquisa da equipe, estar sempre confrontando nossa perspectiva de análise crítica com os depoimentos colhidos e com os documentos escritos encontrados. Na análise dos documentos e das transcrigoes das entrevistas, utilizamos a metodología da análise de conteúdo, de cunho mais qualitativo e interpretativo, focada na categorizagao e na análise temática do conteúdo dos documentos, escritos e oráis, sem, entretanto aprofundar urna análise do discurso, o que poderá ser feito futuramente dado o cuidado com a preservagao dos arquivos oráis e seu armazenamento nos bancos de dados dos laboratorios responsáveis pela pesquisa.

Inicialmente foi elaborada urna lista de palavras-chave a partir de consultas a programas de disciplinas do curso de psicología da Pontificia Universidade Católica de Minas, por onde a pesquisa foi iniciada. Essa lista norteou o processo de análise de conteúdo dos documentos curriculares dos demais cursos. Procuramos identificar a freqüéncia de aparecí mentó de termos e temas como antipsiquiatría, psiquiatría, psicopatologia, normalidade e anormalidade, doenga mental, saúde mental, hospital psiquiátrico, loucura, etc., mas, principalmente, analisar a maneira como tais conteúdos eram abordados pelos programas de disciplinas da grade curricular, a partir da identificagao dos autores adotados, do privilegio de temas e problemas, e do modo de formulá-los. Foi feito um estudo teórico bibliográfico sobre os processos brasileiro e mineiro de reforma psiquiátrica, a partir do qual pudemos construir linhas do tempo onde acontecimentos marcantes, em níveis nacional e regional, atores e projetos significativos foram confrontados, especificando-se as iniciativas promovidas pelo poder público e aquelas da sociedade civil, onde as agoes universitarias foram destacadas. As entrevistas, semi-estruturadas, seguiram um roteiro padrao, contendo perguntas que tentavam abordar a relagao entre a trajetória pessoal dos entrevistados em relagao ao trabalho ou á formagao vivenciados na Universidade, as percepgoes pessoais sobre a reforma psiquiátrica mineira, e o envolvimento ou nao com tal processo de reforma. Para cada entrevistado, o roteiro geral era adaptado para conter perguntas relacionadas á trajetória pessoal de cada um, o que nos permitiu um confronto entre diferentes percepgoes e um conhecimento aprofundado sobre fatos e detalhes de acontecimentos, que muitas vezes escapam a registros documentáis. As entrevistas foram gravadas e minuciosamente transcritas, e os entrevistados escolhidos pela representatividade de sua atuagao como docente ou discente no curso, e também pelo processo de bola de nevé, onde os entrevistados indicavam outras pessoas interessantes para a pesquisa. A interrupgao das entrevistas obedeceu ao criterio de saturagao das informagoes. No processo de análise das entrevistas, procuramos identificar como os respectivos atores configuraram as redes de colaboragao entre as instituigoes investigadas. Também construímos urna linha do tempo para cada entrevista, onde os produtos dessas relagoes, devidamente datados, foram evidenciados. Dentre esses produtos, procuramos destacar: as atividades disciplinares ou de ensino, de extensao e de pesquisa; os estágios curriculares; as referencias bibliográficas adotadas; os nomes de pessoas e os acontecimentos que poderiam estar relacionados ao processo mineiro de reforma psiquiátrica.

Na análise documental, utilizamos fichas padronizadas para registro e síntese de cada documento selecionado para compor o banco de dados da pesquisa. Nessas fichas eram destacados os nomes dos atores envolvidos, as instituigoes ligadas as atividades documentadas, urna descrigao sumaria dessas atividades, as referencias bibliográficas utilizadas e os principáis acontecimentos citados no documento.

Os textos de referencia e os resultados da pesquisa foram discutidos em seminarios semanais da equipe de pesquisa no Laboratorio de Direitos Humanos, da Pontificia Universidade Católica de Minas. A pesquisa foi apresentada em varios eventos científicos, locáis, nacionais e internacionais, momentos em que pudemos refinar nossas análises.

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , - .
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

Resultados e discussao

A pesquisa documental na Universidade Federal de Minas Gerais apresentou dificuldades. Documentos específicos do Colegiado do Curso de Psicología, tais como ementas de disciplinas e currículos do período investigado, nao se encontravam disponíveis. Fomos informados de que os mesmos poderiam ser encontrados no Arquivo Morto da Faculdade de Filosofía e Ciencias Humanas, á qual pertence o Departamento de Psicología. Mas, pelo fato da sala deste arquivo estar em impraticáveis condigoes físicas de utilizagáo e os documentos ali armazenados em total desordem, nao obtivemos éxito em acessá-los. O conteúdo curricular do período foi abordado através dos próprios relatos oráis das entrevistas e pela disponibilizagáo de documentos de arquivos pessoais, como o da professora Marília Mata Machado que nos cedeu cronogramas de disciplinas ofertadas pelo Setor de Psicología Social, referentes as décadas de 1960 e 70. Também, através desse arquivo, obtivemos documentos referentes á prática de Psicología comunitaria, á formagao de Psicología ofertada no curso da Universidade Federal de Minas Gerais (projetos curriculares) e, específicamente, o Projeto Guimaraes Rosa, desenvolvido no Hospital Raúl Soares (4).

Os entrevistados foram: Celio García, Cornelis Johannes van Stralen, Marília Nováis da Mata Machado, todos professores do Setor de Psicología Social, Jacques Ackerman, Marcos Vieira Silva, Wellington Tibúrcio e o próprio consultor da pesquisa, Eduardo Mourao Vasconcelos, ex-alunos e militantes estudantis do curso no período investigado. As décadas de 60 a 80 foram abordadas pelos relatos de Marília e Cornelis, visto que os dois, ao terminarem sua graduagao ñas décadas de 60 e 70, respectivamente, permaneceram na universidade como professores efetivos. Celio relatou ratos pontuais das décadas de 60 e 70; Marcos e Eduardo, principalmente, acontecimentos da década de 70, e Jacques e Wellington abordaram os anos 80.

Em relagao á década de 1960, no ámbito do curso de Psicología da Universidade Federal de Minas Gerais, todos os entrevistados foram unánimes em mencionar, como fatos marcantes, a criagao do Setor de Psicología Social, no Departamento de Psicología, e do Centro de Estudos de Psicología, entidade estudantil dos alunos do curso de psicología. Em 1967, o Setor cria o Centro de Psicología Social Aplicada, dedicado á pesquisa e aplicagao da psicología social, de caráter interdisciplinar, reunindo professores de varias áreas (ciencias sociais, comunicagáo, etc.). Em 1968, o centro é oficializado e renomeado para Centro de Pesquisa em Psicología e Sociología, mas, ato continuo á sua formalizagáo, deixa de existir na prática, sem que fique claro o motivo da abrupta mudanga, que tampouco alterou o ritmo intenso das atividades desenvolvidas pelo Setor nesta e na década seguinte. Marília Mata Machado arrisca urna comparagáo: "o Setor... como alquimista que aquece cozinha, esfria e reaquece a sua materia meses e anos a fio, continuou seu trabalho de transformagáo e criagao, ora se decompondo, ora se reconstituindo" (Machado,1985/2004a, p. 53).

No ámbito da gestáo pública dos servigos de saúde mental, ocorre a criagao da Fundagáo de Educagáo e Assisténcia Psiquiátrica (FEAP), em 1968, que, na primeira gestáo, já defendía a idéia de énfase no atendimento ambulatorial.

O Setor de Psicología Social, liderado por Celio García, reunía um grupo grande, diversificado e interdisciplinar de professores e alunos da Faculdade de Filosofía (atual Faculdade de Filosofía e Ciencias Humanas). Mais de urna centena de pessoas atuavam nele cotidianamente, segundo Machado (1985/2004a). Possuía professores dos departamentos de Psicología, de Ciencias Sociais, de Comunicagáo Social, de Economía. Dentre eles, podemos citar: Marília Nováis da Mata Machado, Maria Elizabeth de Meló Bomfim, Cornelis Johannes van Stralen, Maria Emilia Amarante Torres Lima, Sónia Maria Fleury Teixeira, Leila Mariné da Cunha, Maria Regina Duráes de Godoy, Regina Helena de Freitas Campos, José Francisco da Silva, José Newton García de Araújo, Paulo Rogedo, José Renato Campos do Amaral, Romualdo Dámaso, Regina Lucia Goulart Botelho, Julio Miranda Mouráo, Renato Gusmáo, Maria Castanheira Bouchardet, Nilza Rocha Féres, Margit Reinecke, Rosa Maria Ferreira Nehmy Lévy, Vánia Franco, Lázaro Elias Rosa, Édyla

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , --
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

Crepaldi, Anna Edith Bellico da Costa, Sónia Marques Cerqueira, Iolanda Falci, Maria Auxiliadora Bahia, Marcos Goursant, Maria Lucia Afonso, Karin Ellen Von Smigay, Sandra Maria da Mata Azeredo, e Bruno Fróes.

Na primeira década de funcionamento do curso (isto é, de 1963 a 1973), as disciplinas de psicología social abordavam a temática da saúde mental através dos seguintes conteúdos: intervengao psicossociológica, saúde pública e educagao sanitaria, a doenga e as relagóes médico-pacientes, a doenga como um papel social, contribuigao da psicología social aos programas de Saúde Pública, e análise institucional. As disciplinas de psicología social eram também ofertadas por professores do Setor a outros cursos de graduagao (Pedagogía, Odontología, e outros) e em mestrados recém-criados na Universidade Federal de Minas Gerais, dentre eles, o Programa de Pós-Graduagao em Educagao (Mestrado e Doutorado), da Faculdade de Educagao, criado em 1971, e o Mestrado em Administragao, da Faculdade de Ciencias Económicas, criado em 1973. Nesse período, podemos perceber certa predominancia de disciplinas que enfatizavam a psicoterapia grupal, como formagao clínica, e a dinámica de grupo, de base lewiniana, além de práticas de intervengao psicossocial, de influencia francesa, como os grupos de sensibilizagáo, a sociopsicanálise e a análise institucional. As visitas dos professores franceses André Levy e Max Pagés, ocorridas em 1968 no ámbito de um convenio informal do Setor com o Consulado Francés (convenio mantido por influencia pessoal de Celio García, que chegava de urna pós-graduagáo na Franga), trouxeram contribuigóes teóricas importantes sobre intervengao psicossociológica. Por este convenio, vieram importantes autores e professores franceses ao Brasil, bem como, a cada ano, um membro do Setor ia se doutorar na Franga. As intervengóes realizadas por Celio García em 1964 no Hospital Galba Velloso, utilizando a inversáo de papéis e a análise do poder como forma de se trabalhar as relagoes e os atritos presentes na equipe do hospital, demonstram a influencia dessa perspectiva teórica ñas atividades executadas, tanto nesta quanto em outras instituigoes que contratavam consultorias do Setor. Um texto de Celio García, intitulado "Supervisáo em termos de análise institucional" (García, 1992), traz informagóes sobre essa experiencia, mas nao cita nomes nem trata dos possíveis desdobramentos dessas agóes para o Galba Velloso, ou para o curso de psicología. No entanto, é um registro de sintonía entre a psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o nascimento da Fundagáo Estadual de Assistencia Psiquiátrica da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais - órgáo coordenador dos Hospitais Psiquiátricos Públicos do estado - cujo primeiro gestor foi o psiquiatra Jorge Paprocki, seu Diretor executivo no período de 1969 a 1971, que havia sido diretor do Hospital Galba Velloso, no período de 1962 a 1969, e encomendado a consultoria a Celio García. Paprocki foi também Presidente da Associagao Mineira de Psiquiatría de 1965 a 1967. Segundo Marília Mata Machado (5), o trabalho do Setor no Galba foi feito "usando o Rodrigué [refere-se ao livro de Emilio Rodrigué, Biografía de una comunidad terapéutica, editado pela EUDEBA/Buenos Aires, em 1965], que era comunidade terapéutica; entao, era inspiragao já ligada ao grupo argentino (...) antes dos argentinos sequer imaginarem a Análise Institucional; mas tinha o Rodrigué usando a metodología muito ligada ao Pichón-Riviére. Entao ele [o Celio] fez a experiencia dele, da comunidade terapéutica". Francisco Paes Barreto (1999, p.31) também conta, com humor, essa historia. A rigor, Celio García jamáis deixaria de manter um diálogo com os servigos de saúde mental estruturados desde entao em Belo Horizonte, influenciando o estilo de trabalho clínico que tendeu a se desenvolver nos servigos.

Apesar da intensa atividade do Setor, nao podemos desconsiderar a dominancia maciga da psicología experimental no curso, durante esse primeiro período. Precisamente por representar um contraponto, como ator contra-hegemónico importante no Departamento de Psicología, é que o Setor deixou marca tao significativa na historia do curso. Abordagem hegemónica até meados dos anos 1970, a psicología experimental comega a perder espago a partir de 1974, quando é implantado um novo currículo saído da mais polémica e disputada reforma curricular da historia do curso (Giusta, Machado & Campos, 1986). Ao saberem que um novo currículo estava sendo organizado pelos professores da

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , - ,
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

área experimental, que aprofundaria a orientagáo do curso naquela diregáo, sem o conhecimento do restante dos demais professores e alunos, os estudantes se organizaram em assembléia permanente, prática quase diaria e massiva e que constituía urna verdadeira excegao no contexto de ditadura da época. Propuseram entao um grupo de estudo e trabalho sobre currículo, do qual participaram professores do Setor de Psicologia Social, que se reportava as assembléias, e construíram coletivamente outra proposta de currículo, mais aberta, flexível e crítica, que acabou sendo considerada mais avangada e foi aprovada. As novas disciplinas oferecidas contemplavam novos conteudos de psicologia social, além das tres disciplinas obrigatórias básicas; também novas disciplinas específicas sobre psicanálise sao introduzidas formalmente. Sao exemplos: "Psicologia Comunitaria e Ecología Humana", tida como a primeira disciplina com este título no país (Machado, 2001), "Intervengao Psicossociológica", e muitas disciplinas com conteúdo psicanalítico que iriam influenciar o campo da saúde mental em Belo Horizonte dada a sua relevancia na constituigao da cultura profissional mineira. Ao longo de toda a década de 1970, registramos importantes acontecimentos no ámbito da psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Em primeiro lugar, as visitas de Georges Lapassade e de Michel Foucault, em 1972 e 1973, respectivamente, que deixaram marcas profundas no grupo que os acompanhou nos cursos, seminarios e palestras realizados. Também deve ser destacado o encontró organizado por Marília Mata Machado e Romualdo Dámaso, em 1979, na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, para discussáo dos currículos mínimos; segundo Marília (5), foi um movimento de resistencia nacional contra esses currículos nos cursos de Psicologia. O movimento estudantil, nessa década, representado pela sua entidade no nivel do curso, o Centro de Estudos de Psicologia, se engajou em varias agoes que tiveram reflexos diretos sobre a formagáo como um todo. Específicamente em relagáo á saúde mental, merecem mengáo: a realizagáo pelo Centro de Estudos de Psicologia, em 1975, dos Ciclos de Debate onde se discutiam autores ainda margináis no curso, como Michel Foucault e Paulo Freiré; a criagáo, em 1978, por estudantes de Medicina, Psicologia, Ciencias Sociais e Musicoterapia do Grupo de Recreagáo Terapéutica no Instituto Raúl Soares, do qual o entrevistado Jacques Ackermam, que trabalhou na construgáo da reforma mineira, participou; as "calouradas" ñas quais os alunos recém-admitidos no curso eram levados ao Instituto Raúl Soares para um contato de tipo iniciático com a realidade manicomial (prática esta que se repetiu varias vezes, segundo Marcos Vieira Silva); a implantagao, em 1980, do Projeto de extensao Guimaraes Rosa, também no Instituto Raúl Soares, numa iniciativa de "Chuvito", apelido de Afonso Fleury, entao estudante do curso.

No ámbito da gestáo pública dos servigos de saúde mental e de iniciativas mais ampias da sociedade civil, ocorreram, na década de 70: o I Congresso Mineiro de Psiquiatría, em 1970; a Primeira Semana de Estudos de Saúde Comunitaria, em 1974; o Io Seminario Nacional do PISA (Programa Integrado dos Servigos de Saúde do Norte de Minas), realizado em Belo Horizonte em 1976 e que propiciou a criagáo do Projeto Montes Claros, experiencia pioneira da reforma sanitaria no país, da qual participaram professores da Universidade Federal de Minas Gerais e, específicamente, do curso de psicologia; o inicio do Plano Integrado da Saúde Mental de Minas Gerais, em 1977, coordenado pelo psiquiatra Lorenzato; o III Congresso Mineiro de Psiquiatría, em 1979, que desencadeou o processo de reforma psiquiátrica de maneira explícita e definitiva, com a participagáo histórica de Franco Basaglia, Robert Castel, e outros convidados importantes, no qual se deu o langamento do impactante documentário sobre o manicomio público de Barbacena, intitulado Em nome da Razao, de autoría do cineasta Helvecio Ratton, entao estudante de psicologia da Pontificia Universidade Católica de Minas.

A psiquiatría comunitaria, que ganhava terreno na Europa e nos Estados Unidos, desencadeou, segundo Celio García (6), um importante debate sobre o novo conceito de saúde mental. A psicologia social por essa época comega a se voltar para a saúde coletiva, sintonizando suas práticas com o movimento sanitarista. Isto fez com que muitas das atividades do Setor de Psicologia Social se voltassem para agoes de

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , -_
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

prevengao, participagao e controle social de políticas públicas nessa área. Além do Projeto Montes Claros, já citado, financiado pela Secretaria Estadual de Saúde e claramente orientando suas agoes segundo a lógica do movimento sanitarista, podemos citar, ainda, o Projeto Capim Branco, de 1973, no qual os professores Cornelis Johannes van Stralen e Julio Mourao atuavam em áreas de risco epidémico de esquistossomose, numa agao de educagao comunitaria para a saúde. Esta perspectiva de trabalho informaría a implantagao dos primeiros servigos ambulatoriais de saúde mental de Minas Gerais, quando da criagao das equipes de saúde mental em Centros de Saúde. O modelo de reforma psiquiátrica inspirado na psiquiatria preventiva norte-americana seria alvo de crítica no final dos anos 80 (Vasconcelos, 1992), perdendo espago para o projeto de desinstitucionalizagao, inspirado na experiencia italiana, e que foi capitaneado no Brasil pelo Movimento da Luta Antimanicomial, criado em 1987. Este novo modelo de reforma psiquiátrica comegou a ser implantado em Belo Horizonte em 1993, a partir de um governo municipal liderado pelo Partido dos Trabalhadores (Goulart, 2004, 2007; Vasconcelos, 2000; Lobosque & Aboud-Yd, 1988)

Juntamente com muitas consultorias a empresas, escolas, penitenciaria, comunidades, levantamentos e pesquisas sobre atitudes e opiniao, o Setor de Psicología Social desenvolveu no inicio dos anos 70 atividades de ensino e intervengao que reputamos importantes para o pensamento crítico no campo da saúde mental: o curso de Análise Institucional ministrado pelo Professor Georges Lapassade, em 1972; o curso de Sociología da doenga mental, conduzido por Esther Maria de Magalhaes Arantes para médicos, psicólogos e enfermeiros no Hospital André Luiz; a Análise Psico-Sociológica do I Congresso Mineiro de Psiquiatria, de 1970, realizada por Ana Edith Bellico da Costa e Esther Maria de Magalhaes Arantes, sob encomenda dos organizadores do evento; o Grupo de discussao sobre doengas mentáis, orientado por Celio García em 1971. A discussao desencadeada pela reforma curricular de 1974 mobilizou os professores do Departamento de Psicología num embate acalorado entre psicología social e psicología experimental, envolvendo a participagao ativa de integrantes do movimento estudantil, como os entrevistados Marcos Vieira Silva e Eduardo Mourao Vasconcelos. O currículo em vigor desde 1963 apresentava um excesso de disciplinas técnicas ou com conteudo muito conservador e importado da psicología experimental norte-americana, de que sao exemplos as disciplinas: Psicología Geral e Experimental I, II, III e IV; Estatística I, II, III e IV; Desenvolvimento I, II, III e IV. Estas disciplinas eram vistas como representativas da hegemonía do behaviorismo no curso. Em fungao da disputa acirrada entre as duas áreas, o currículo adotado apresentou poucas, mas significativas modificagoes, das quais podemos destacar a introdugao das disciplinas: Psicología Comunitaria e Ecología Humana, já mencionada, na qual o conteudo expressava grande proximidade com a luta pelos direitos humanos e pela saúde pública; Psicolingüística; Intervengao Psicossociológica; Psicanálise e linguagem; Economía Política; Ética. Também nota-se a exclusao das disciplinas: Psicología Geral e Experimental IV, Estatística IV, Desenvolvimento IV. O grande avango dessa reforma foi o número de disciplinas optativas introduzido, o que dava urna enorme flexibilidade ao currículo e muitas opgoes de escolha aos alunos. É preciso lembrar que essa "fartura" de optativas era possibilitada pelo quadro de professores efetivos do Departamento quase duas vezes maior que o quadro atual, para dar conta de apenas dois cursos anuais de graduagao, com duas turmas cada um (7). Segundo Eduardo e Marcos, a reforma implantada em 1974, ao possibilitar aos alunos urna ampliagao do leque de escolha de disciplinas optativas (a carga horaria era, aproximadamente, tres vezes maior do que a de disciplinas obrigatórias), permitia-lhes estruturar urna formagao curricular segundo suas próprias preferencias e interesses, e também segundo as novas demandas sociais. Na década de 1980, as reformas ocorridas nos hospitais psiquiátricos públicos mineiros -como no Galba Velloso, em 1983, e no Instituto Raúl Soares, em 1982, serviram para respaldar as praticas implementadas pelas equipes de saúde mental de Belo Horizonte. O Plano para a assisténcia psiquiátrica do Conselho Consultivo da Administragao de Saúde Previdenciária, ligado ao Ministerio da Previdencia e Assisténcia Social, criado em 1982,

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , -„
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

norteou a construgao de atividades de integragao entre a assisténcia pública de saúde e a saúde previdenciária na área de saúde mental, o que fez com que os atendimentos nos servigos ambulatoriais e hospitalares fossem reestruturados, além de possibilitar a criagao do Programa de Agoes de Saúde Mental para a Regiao Metropolitana de Belo Horizonte, em 1985 (Santiago e outros, 1998; Goulart, 1992, 2006). As agoes da Universidade, através de estágios desenvolvidos em instituigoes de saúde, e de agoes estudantis, tentaram acompanhar essas mudangas. Em 1983, houve a implantagao do Projeto de Integragao Docente Assistencial, na regiao metropolitana de Belo Horizonte e no norte de Minas, através de um convenio feito entre a Secretaria de Estado da Saúde, o Centro Metropolitano de Saúde e o Departamento de Psicología da Universidade Federal de Minas Gerais. O projeto permitiu aos alunos do curso de psicología dos últimos períodos, supervisionados pelo professor Cornelis Johannes van Stralen, que também trabalhava no Centro Metropolitano de Saúde, realizarem estágios nos centros de saúde de Belo Horizonte e no norte de Minas. Nos centros de saúde de Belo Horizonte, o estágio era organizado visando apoiar a implementagao de equipes de saúde mental, onde se incentivava a integragao entre as atividades dos alunos de Psicología com os do curso de Servigo Social da Pontificia Universidade Católica de Minas. O professor Cornelis, que assumiria a disciplina de Psicología Comunitaria na Universidade Federal de Minas Gerais, teria papel central na constituigao do modelo que se apoiava no Plano do Conselho Consultivo da Administragao de Saúde Previdenciária. O estágio de psicología no norte de Minas, de iniciativa desse mesmo professor, era realizado no municipio de Montes Claros, no ámbito do Internato Rural (programa de extensao criado pelo curso de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais em 1984). O objetivo de mao dupla era incorporar, ñas agoes de assisténcia, a saúde mental e possibilitar á Psicología urna atuagao no nivel primario de atengao em saúde. Em 1984/5, ocorreu a primeira contratagao pelo poder público municipal de Belo Horizonte de profissionais de Psicología para atuagao em equipes de saúde mental. Também o entrevistado Marcos Vieira Silva destacou a importancia do Centro Metropolitano de Saúde para a criagao de estágios e de postos de trabalho para psicólogos em Belo Horizonte.

A implementagao do Internato Rural em Psicología foi proporcionada pelo já mencionado "Programa de Re-orientagao da Assisténcia Psiquiátrica" do Conselho Consultivo da Administragao de Saúde Previdenciária, pelo Programa de Agoes Integradas em Saúde do Ministerio da Saúde, criado em 1983 para 15 unidades da Federagao (Paim, 1986), e pelo Projeto Montes Claros (Fleury, 1995). Entretanto, segundo Cornelis Johannes van Stralen (8), um dos protagonistas deste último projeto, a discussao crítica, propriamente dita, sobre os hospitais psiquiátricos nao acontecía no Internato nem no projeto, por duas razoes principáis. Em primeiro lugar, pelo fato de nao existirem tais instituigoes no norte de Minas, e, em segundo, porque nao se falava em saúde mental no projeto. O espirito sanitarista, de se pensar a saúde coletiva em sua integralidade, punha em questao a proposigao de agoes específicas de saúde mental. Estas deveriam ser pensadas no bojo de todas as demais agoes. Daí que, mesmo tendo psicólogos e estudantes de psicología envolvidos no Projeto Montes Claros e de este ser contemporáneo do primeiro Plano Integrado de Saúde Mental, da Divisao Nacional de Saúde Mental do Ministerio da Saúde, langado em 1977 (Paulin & Turato, 2004), a saúde mental nao foi explícitamente incorporada (9).

Os alunos estagiavam na ala de psiquiatría do hospital geral de Montes Claros - tendo inclusive morado ai por um período de tempo -, e em outros espagos onde houvesse demanda comunitaria. Ackerman foi um dos alunos que esteve na segunda turma que morou em Montes Claros, em 1984. Segundo este entrevistado, a participagao da psicología no Projeto acabou por ter relagao direta com a implantagao de equipes de saúde mental no norte de Minas, das quais ele participou profissionalmente depois de terminada sua graduagao. Ñas práticas de reorientagao da assisténcia psiquiátrica, tanto a lógica da reforma sanitaria quanto a da reforma psiquiátrica eram efetivamente

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , -„
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

adotadas. A influencia de conteúdos da Psicología Social e da Psicanálise se fazia sentir nesses estágios.

A entrada da Psicología na área de saúde mental foi auxiliada pelas novas diretrizes adotadas pelos servigos básicos de saúde pública e pelas equipes de saúde mental neles inseridas, que deveriam priorizar o atendimento de egressos de hospitais psiquiátricos, neuróticos graves, psicóticos, alcoólatras e epilépticos, que constituíam a prioridade do programa, nem sempre observada, dada a formagao de uma nova clientela majoritária com quadros neuróticos mais leves (Vasconcelos, 1992; Goulart, 1992, 2006). De qualquer forma, a psicología também se beneficiou pela reorganizagao da atengao á saúde mental de forma hierarquizada e regionalizada, através do trabalho interdisciplinar. Isto nos permite compreender os reflexos dessas mudangas políticas ñas atividades curriculares de extensao e de pesquisa, durante o período. Por sua vez, a universidade também influenciou a estruturagao destes servigos que posteriormente seriam revistos e redirecionados no contexto da reforma psiquiátrica mineira. Podemos destacar, dentre as atividades de extensao na capital, aquelas oferecidas pelo Projeto Metropolitano (projeto da Pró-Reitoria de Extensao, envolvendo ¡numeras áreas académicas da universidade). Desenvolvidas durante as décadas de 1970 e 1980, essas atividades visavam a uma atuagao interdisciplinar em bairros periféricos da regiao metropolitana de Belo Horizonte. Nesse projeto, os alunos de Psicología atuavam tanto em Centros de Saúde quanto em escolas e creches comunitarias. O trabalho consistía em realizar atendimentos individuáis e em grupo, juntamente com outros profissionais (enfermeiros e assistentes sociais, principalmente). As práticas exercidas, nesse contexto, foram: visitas domiciliares, atividades de controle de doengas transmissíveis, programa de saúde escolar, educagao para a saúde, psicología clínica, aplicagao e corregao de testes, grupos operativos de maes e de gestantes. A análise de documentos referentes a essas atividades nos permitiu observar a atuagao de diversos professores do curso: Cornelis Johannes van Stralen, Marília Mata Machado, Julio Miranda Mourao, José Maria de Moraes Caldeira, Maria Clara de Castro Rezende, Mary Norton de Mecat Quíntela Godoy, Elizabeth de Meló Bonfim.

O Setor de Psicología Social, na década de 80, também ofertava estágios curriculares em Intervengao Psicossocial, no Hospital Galba Velloso e em comunidades periféricas, tais como a Vila Acaba Mundo. Segundo o relato de Tibúrcio, em 1984, o estágio no Hospital Galba Velloso propunha intervengoes em reuniao geral coordenada pelo psiquiatra Cezar Rodrigues Campos, importante ator no processo da reforma psiquiátrica mineira (10), que integrara as já citadas experiencias desenvolvidas no Hospital Galba Velloso nos anos 60. Era proposta do próprio Cezar, oferecer um campo de atuagao aos estudantes universitarios para além do mero aprendizado das aulas de Psicopatologia, cujas práticas nao iam além do modelo clássico e bicentenário de apresentagao de enfermos, envolvendo entrevistas massivas e indiscretas com pacientes internados. Esse novo espago permitia ao aluno vivenciar uma experiencia completamente diferente do que era oferecido comumente nos estágios em psiquiatría mais tradicionais.

As organizagoes estudantis dessa época organizavam grupos de discussao de autores como Foucault, Levi Strauss, Jurandir Freiré Costa, Robert Castel e outros. Sao exemplos de iniciativas dos estudantes, o Grupo de Trabalhos Estruturalistas e as muitas atividades do Centro de Estudos de Psicología, incluindo a edigao e distribuigao gratuita de um periódico regular. É Tibúrcio quem lembra a criagao do jornal e de uma radio de mesmo nome, "Pingolinho Trombeteiro", de sua própria autoría, onde as questoes relacionadas ao curso eram discutidas criticamente. Havia uma preocupagao por parte dos alunos em ocupar espagos no Colegiado de Curso visando a uma efetiva participagao em decisoes de interesse dos estudantes.

Na década de 80, observa-se uma crescente influencia da Psicanálise e da Psicología Social no curso, que irá se refletir claramente na criagao do mestrado, em 1989, inicialmente denominado Mestrado em Psicología Social, cujo quadro docente era composto majoritariamente por professores dessas duas áreas (11). O estudo de Ferrari (2004), analisando o ensino de psicopatologia na Universidade Federal de Minas Gerais,

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao
em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

observa e discute o fato de as ementas das disciplinas serem fortemente marcadas pela presenga da psicanálise.

Segundo Tibúrcio, a formagao psicanalítica trouxe questionamentos importantes acerca da prática clínica em saúde mental, principalmente através das discussoes e debates promovidos pelo Instituto Brasileiro de Psicanálise, Grupos e Instituigoes - IBRAPSI (Rodrigues, 2006; Rodrigues, Cunha, Oliveira, & Barboza, 2008). Para o entrevistado, essas discussoes encorajavam os estudantes a enfrentar a psicose, pois, a atuagao nesse tipo de atendimento necessitava de muita reflexao e preparo por parte do estagiário, visto que, apesar de ideológicamente muitos deles serem contra os hospicios, a maioria nao sabia como lidar com "o louco fora do hospicio e sob sua responsabilidade" (12). Trata-se de uma opiniao de particular pertinencia ao contexto belorizontino, marcado por enorme influencia da psicanálise no delineamento das novas políticas de saúde mental. Ainda segundo o mesmo entrevistado, a atitude crítica foi fundamentalmente possibilitada pelas disciplinas de Psicología Social, que trabalhavam textos de autores como Franco Basaglia e Gregorio Baremblitt, apresentando questionamentos acerca das instituigoes psiquiátricas e da ordem médica.

O destacado Projeto Guimaraes Rosa, desenvolvido no Instituto Raúl Soares pelos alunos do curso, no inicio da década de 80, foi um importante trabalho alternativo e voluntario, de iniciativa dos próprios alunos. Suas atividades visavam a uma maior integragao dos pacientes ao ambiente hospitalar e as suas comunidades de origem. Visavam também a um aprofundamento teórico sobre a relagao entre cultura e loucura. Segundo relatónos consultados (Universidade Federal de Minas Gerais, 1981), as atividades propostas, tais como a "Rocinha", o "Porteirinha" e o grupo do MOBRAL (programa oficial de alfabetizagao do governo federal), tinham o intuito de construir práticas preventivas na área de saúde mental.

Entretanto, no Centro de Atendimento de Psicología, hoje Servigo de Psicología Aplicada, pertencente ao Departamento e destinado á prática dos alunos em atendimento á comunidade interna e externa á universidade, realizavam-se atividades exclusivamente com énfase na clínica individual, de forma descontextualizada, em consonancia com a dominancia no curso de tal campo de aplicagao da psicología. Ainda é Tibúrcio quem comenta a falta de preparo dos futuros profissionais para atuagao em instituigoes onde a lógica da atengao deveria ser modificada, como no caso da assisténcia ao portador de sofrimento mental; alguns alunos, entretanto, como ele próprio, perseguiam uma formagao segundo uma perspectiva contra-hegemónica. Na assisténcia pública havia a necessidade de que os profissionais ultrapassassem o modelo do psicólogo clínico de consultorios privados, privilegiado pelo Centro de Atendimento de Psicología. A documentagao, referente as atividades do Centro de Atendimento de Psicología, demonstra, de fato, a predominancia inequívoca de atendimentos clínicos individuáis. Apesar de terem ocorrido intervengoes de alunos dentro do Projeto Metropolitano, essas foram em bem menor número que outros servigos oferecidos pela clínica do Centro de Atendimento de Psicología. Consideramos que ex-estudantes como Tibúrcio, quando integrados aos servigos públicos de saúde mental, deram uma valorosa contribuigao para a construgao da reforma mineira e testemunham um modelo de atuagao que nao foi investido e desenvolvido adequadamente pela universidade.

Em relagao as práticas exercidas nos servigos básicos da assisténcia pública á saúde, estudo sobre período mais recente, realizado por Santiago e outros (1998), nos permitiu perceber as conseqüéncias dessa falta de preparagao profissional, apontada por Tibúrcio. Segundo o estudo de Santiago e outros, os atendimentos psicológicos realizados nos centros de saúde pareciam contribuir para a constituigao de um novo tipo de demanda em saúde mental, com um aumento significativo do número de atendimentos a escolares, neuróticos nao graves e pacientes com queixas psicossomáticas. Os psicólogos nao realizavam atendimentos aos egressos dos hospitais psiquiátricos nos centros de saúde, como preconizado pelo Programa de Agoes de Saúde Mental para a Regiao Metropolitana de Belo Horizonte. Como os hospitais psiquiátricos, por sua vez, também nao enviam seus pacientes com alta hospitalar para as equipes de saúde mental da rede

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , ,,
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

pública de saúde, os psicólogos desses servigos passaram a selecionar sua clientela, privilegiando problemas mais afeitos aos moldes psicoterapéuticos tradicionais que melhor dominavam. Podemos supor que esta selegao de clientela esteja relacionada, entre outras razoes, á ausencia de práticas de formagao em psicología que pudessem qualificar o psicólogo para urna atuagao mais abrangente e menos especialística na área. Com relagao as mudangas curriculares ocorridas no curso durante a década de 1980, pudemos consultar alguns documentos pertencentes aos arquivos da Pró-Reitoria de Graduagao. As modificagoes se referiam a pequeñas adaptagoes curriculares em termos de carga horaria de determinadas disciplinas e adequagao de professores. Consultas feitas aos catálogos de Graduagao entre os anos de 1976 a 1995 confirmaram a suposigao de que nao ocorreram mudangas significativas após a reforma curricular de 1974.

Acerca das atividades de pesquisa realizadas ñas década de 60, 70 e 80, consultas aos arquivos da Pró-Reitoria de Pesquisa e á Biblioteca Central da Universidade, nos permitiriam fazer um levantamento bastante exaustivo dos títulos, mais diretamente relacionados á temática da saúde mental (13). Em comparagao com as duas décadas anteriores, de 1960 e 1970, a de 1980 foi bem mais rica em publicagoes pelos professores do curso, tanto em forma de artigos quanto de livros, embora muitos dos textos identificados tenham permanecido no formato mimeo. Por outro lado, os documentos relativos a projetos desenvolvidos encontram-se bem mais preservados e catalogados nessa última década pesquisada que ñas outras. Embora as duas primeiras décadas tenham sido prolíficas em atividades de extensao e de pesquisa, chamou nossa atengao o fato de haver muito pouca publicagao, pelos professores do curso, dos produtos dessas atividades. Os entrevistados, especialmente Marília Mata Machado, confirmaram esta impressao dizendo que o Setor e também o Departamento viviam imersos numa "cultura mais oral que escrita", e os textos produzidos para circulagao interna muitas vezes nao eram publicados. Notoriamente, por parte do Setor, havia, isto sim, urna preocupagao mais acentuada com as implicagoes políticas e ideológicas de sua atuagao concreta que com o registro científico dessa produgao, muito em fungao dos anos de chumbo da ditadura civil-militar que governava o país. Nao podemos esquecer que foram anos marcados por censura, perseguigoes políticas, cassagoes, prisoes e torturas, restringindo e policiando a vida universitaria. Nao se tinha, nos primeiros tempos, a preocupagao que se tem hoje com a produtividade científica strítu senso, que comega a ser sentida a partir dos anos 80, com o retorno de grande número de professores ao departamento, que tinham saído para doutoramento no exterior durante a década anterior. No caso específico da psicología social, a produgao foi também incrementada pela criagao, em 1980, da Associagao Brasileira de Psicología Social, que teve como presidente nacional, por dois mandatos, a professora do curso Elizabeth de Meló Bomfim. A atuagao e expansao crescentes da associagao, juntamente com a publicagao do periódico nacional Psicología e Sociedade, fizeram avangar muito a produgao científica da área.

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal