Editorial Memor



Baixar 3.5 Mb.
Página7/28
Encontro04.08.2016
Tamanho3.5 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   28
Conclusao

A partir dos dados e informagoes levantados pela pesquisa, podemos ensaiar urna avaliagao geral sobre a participagao do curso de psicología da Universidade Federal de Minas Gerais no processo de reforma psiquiátrica mineira. Entretanto, a apresentagao de nossos argumentos nao impede que novas formulagoes venham a ser propostas, visto que o processo de investigagao ainda prevé a devolugao dos resultados, em forma de seminario, a todos os entrevistados pela pesquisa, os aqui mencionados e os demais, que se dispuserem a debater conosco. Em parte, esse debate já teve inicio com a apresentagao e discussao dos resultados parciais da pesquisa no I Coloquio Interinstitucional de Laboratorios de Psicología, realizado pela Pontificia Universidade Católica de Minas, em 2007.

De um modo mais geral, o estudo das instituigoes abordadas pela pesquisa nos permitiu perceber urna rede de relagoes bastante complexa entre as universidades e centros de

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao
em psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

formagao investigados com o Movimento de Reforma Psiquiátrica e com os servigos prestados pela saúde mental pública da cidade de Belo Horizonte. Essas relagoes nao sao isentas de contradigoes, urna vez que cada instituigao conserva suas particularidades e identidades próprias, tanto em termos de projetos institucionais quanto de modos de insergao no processo de reforma. Urna análise aprofundada dessa rede será apresentada oportunamente em artigo específico.

Os pontos de vista de alguns dos atores entrevistados, representativos dos diversos contextos, nos permitiram perceber varias questoes ainda abertas ao debate na assisténcia á saúde mental de Belo Horizonte. Urna délas, que diz respeito á formagao específicamente analisada neste artigo, é um certo despreparo dos profissionais das mais diversas áreas, incluindo a psicologia, para a atuagao no campo. Despreparo que talvez decorra, dentre outras possíveis razoes, de urna formagao apenas puntualmente voltada para a área. Nao identificamos nos currículos de psicologia analisados qualquer indicagao explícita de urna preocupagao com o campo da saúde mental mais condizente com a literatura de referencia da reforma psiquiátrica atual, excetuando-se as referencias a Basaglia e Foucault, nem em termos de diretrizes gerais, nem em termos de disciplinas específicas.

O despreparo do profissional é igualmente constatado por Santiago e outros (1998), em análises sobre a formagao e atuagao profissional de período mais recente. Segundo esses autores, o atendimento psicológico prestado pela maioria dos trabalhadores da área ainda nao se coaduna com os principios promulgados pela Constituigao de 1988 e preconizados pela lei de 1990, que cria o Sistema Único de Saúde. Observando a dinámica de funcionamento dos centros de atengao básica á saúde, os autores constatam urna precariedade na formagao especifica para a abordagem de problemáticas de saúde mental, o que, ainda segundo os autores, pode constituir um impedimento ao estabelecimento de prioridades sintonizadas com o ideario da reforma psiquiátrica. Neste sentido, a énfase dos cursos analisados numa formagao fortemente voltada para a clínica psicoterapéutica de pacientes diagnosticados como neuróticos, deve ser problematizada, e se aplica ao curso de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais, que, passada a fase de hegemonía do behaviorismo no curso, caminhou claramente para um privilegio da clínica psicoterapéutica, de tipo individual, caráter curativo e pouco voltada para práticas comunitarias, que estivessem inseridas na lógica da saúde e da saúde mental públicas, ou na lógica da reforma psiquiátrica. As agoes voltadas para a saúde mental coletiva eram quase que exclusivamente abordadas pelo Setor de Psicologia Social, mas, assim mesmo, dentro do mesmo espirito pontual, em resposta a demandas de pesquisas e consultorias que Ihe chegavam. Percebe-se mais claramente no corpo discente, especialmente entre os militantes do movimento estudantil, da segunda metade dos anos 70 até o final do período estudado, um esforgo mais consistente e concentrado para enfrentar o debate e o engajamento no processo de reforma psiquiátrica, com muitos deles se tornando militantes da luta antimanicomial, trabalhadores de servigos públicos de saúde mental e especialistas com cursos de especializagao na área, ofertados principalmente pela Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, e também pela especializagao em psicanálise do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofía e Ciencias Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, que, ao menos em sua primeira versao, que funcionou entre meados das décadas de 80 e 90, nao se voltava exclusivamente para a prática clínica, tratando da relagao entre psicanálise e cultura, de modo mais geral. A formagao voltada para a prática clínica, fortemente influenciada pelas atividades curriculares avahadas, reafirmamos, merece ser problematizada. Pode ter contribuido para a construgao de urna identidade profissional distante do que se espera na área de saúde mental, principalmente na esfera pública. Pode também significar um dificultador na obtengao de um apoio institucional mais efetivo para os servigos oferecidos pelo setor de aplicagao do curso de Psicologia (esse setor sequer é formalmente reconhecido no organograma da universidade). A efetividade dos atendimentos pode se ver comprometida sem o enfrentamento dos problemas sociais

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , ,_
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

e psicossociais, que muitas vezes se escondem sob os síntomas psicológicos mais visíveis.

As alteragoes curriculares, desde a primeira (e a rigor única) reforma de 1974, se mostraram, segundo alguns entrevistados, insuficientes para atender as necessidades específicas que o campo da saúde mental foi cada vez mais introduzindo. Prova dessa pouca adequagao aos novos desafios (e que conhecemos por experiencia própria), é que até hoje o currículo nao contempla, nem tem perspectiva de contemplar, qualquer disciplina obrigatória de saúde coletiva ou de saúde mental, conteúdo que fica relegado a urna abordagem pontual e eventual de disciplinas optativas, ou inseridas por livre decisao de professores que o julguem importante. Este déficit de conteúdos curriculares relacionados á reforma psiquiátrica tem sido observado por outros autores, em outros contextos. De acordó com Vasconcelos (2004, p. 5), as "temáticas [de] saúde pública, saúde mental, psiquiatría social, psicología comunitaria (Vasconcelos, 1995), epidemiología psiquiátrica (...), antropología voltada para as questoes da saúde mental (...)" estao ausentes nos cursos onde a graduagao prioriza a prática clínica em suas disciplinas.

No entanto, nao podemos correr o risco de presentismo e nao reconhecer a relevancia dos paradigmas da Psicossociologia, das teorías de grupo e da Psicología comunitaria. Note-se, que ao longo dos anos 80, a prática no campo da saúde mental era concebida em termos diversos do que passou a vigorar nos anos 90 com o surgimento dos Centros de Referencia em Saúde Mental, chamados de Centros de Atengao Psicossocial na legislagao federal, que ficaram fora dos limites de investigagao propostos pela pesquisa. A prática no campo da saúde mental, em Belo Horizonte, tendeu para o atendimento clínico, psicanalítico e individual desde entao, segundo a literatura consultada (Goulart, 1992, 2006) até o inicio dos anos 90, quando passa a ser repensada no contexto da estruturagao do modelo de desinstitucionalizagao que se apoiou na construgao dos Centros de Referencia em Saúde Mental.

Nao se pode deixar de reconhecer a importancia inequívoca das atividades do setor de psicología social, no período estudado, e o papel decisivo que desempenharam na construgao de um pensamento crítico no campo "psi" mineiro. E nao apenas no ámbito da Universidade Federal de Minas Gerais, mas de outras instituigoes universitarias e de assisténcia á saúde, através das muitas cooperagoes desenvolvidas. Papel que, certamente, nao foi de pouca relevancia para o desencadeamento do processo de reforma psiquiátrica, sustentado que está numa crítica polémica, mas necessária, á instituigao psiquiátrica como forma de saber-poder.

Percebemos a dificuldade de tragarmos urna seqüéncia linear ou direta de fatos quanto á participagao do curso de Psicología da Universidade Federal de Minas Gerais no processo de reforma psiquiátrica mineira. A realidade se mostra bem mais complexa e contraditória. Fica-nos o desafio de aprofundar nossas investigagoes na diregao de analisar em que nivel essas relagoes com a reforma psiquiátrica, seja de contribuigao seja de críticas, foram reproduzidas ou revistas no presente. A énfase na prática clínica descontextualizada, o déficit curricular de disciplinas que abordem o conteúdo de saúde mental e coletiva de forma crítica, e a presenga na instituigao de atitudes ou mentalidades conservadoras ainda sao dificuldades a serem superadas. A seguinte observagao de Boaventura Souza Santos é, a propósito, bastante pertinente e nos dá o que pensar: "A universidade é talvez a única instituigao ñas sociedades contemporáneas que pode pensar até as raízes as razoes por que nao pode agir em conformidade com o seu pensamento" (Santos, 2003, p. 225).

A presente tentativa de elucidar as complexas redes de relagao entre a universidade e a reforma psiquiátrica tem-nos auxiliado a pensar sobre os modos de intervengao nos espagos investigados. Pensar o próprio processo de análise como urna intervengao, por si só nos permite utilizar dos "fatos" desconhecidos ou ainda pouco analisados como instrumentos de mudanga, para que, na medida em que forem melhor compreendidos, no fluxo intricado da historia, possam ser integrados na agao prática transformadora.

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , , .
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

Referencias

Almeida, M. R. D. G. (2004). Des-razoes de grupos operando em urna instituigao psiquiátrica. Em E. M. Bomfim (Org.), Anais do I encontró mineiro de psicología social de 1985 (pp. 43-49). Sao Joao Del Rei: UFSJ.

Amarante, P. D. (Org.). (1995). Loucospela vida. Rio de Janeiro: Panorama.

Amarante, P. D. (1996). O homem e a serpente: outras historias para a loucura e a psiquiatría. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Baremblitt, G. (1994/ Compendio de análise institucional e outras correntes: teoría e prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Barreto, F. P. (1999). Reforma psiquiátrica e movimento lacaniano. Belo Horizonte: Itatiaia.

Birman, J. & Costa, J. F. (1994). Organizagao de instituigoes para urna psiquiatría comunitaria. Em P. Amarante (Org.), Psiquiatría social e reforma psiquiátrica (pp. 41-72). Rio de Janeiro: Fiocruz.

Bock, A. M. B. (1995). A escolhaprofissional em questao. Sao Paulo: Casa do Psicólogo.

Bock, A. M. B.; Gongalves, M.G.M.; Furtado, O. (Org.). (2001). Psicología sócio-histórica: urna perspectiva crítica em psicología, la ed. Sao Paulo: Cortez Editora.

Castoriadis, C. (1992). O mundo fragmentado: as encruzilhadas do labirinto III (R. M. Boaventura, Trad.) Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Original publicado em 1990).

Desviat, M. (1999). A reforma psiquiátrica (J. Souza & M. Werneck, Trads.). Rio de Janeiro: Fiocruz. (Original publicado em 1994).

Ferrari, I. F. (2004). Os cursos de Psicología de Minas Gerais e a presenga da psicanálise na disciplina psicopatologia. Mal-estar e subjetividade. 4(2), 372-391.

Ferreira, M. M. & Figueiredo, J.P. A. B. (Orgs.). (2005). Usos e abusos de historia oral. Rio de Janeiro: Editora Fundagao Getulio Vargas.

Fleury, S. (1995). Projeto Montes Claros: a utopia revisitada. Rio de Janeiro: ABRASCO.

García, C. (1992). Supervisao em termos de análise institucional. O dardo. 2, 7. (Publicagao da Residencia de Psiquiatría do Hospital Raúl Soares)

Giusta, A. S.; Machado, M. M. & Campos, R. H. F. (1986). Notas sobre "a formagao do psicólogo na Universidade Federal de Minas Gerais". Cadernos de psicología, 3(1), 77-100.

Goulart, M. S. B. (1992). O ambulatorio de saúde mental em questao: desafios do novo e reproducáo de ve/has fórmulas. Dissertagao de mestrado nao-publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Goulart, M. S. B. (2004). De profissionais a militantes: a /uta antimanicomial dos psiquiatras italianos nos anos 60 e 70. Tese de doutorado nao-publicada, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao

em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica , ,„
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

Goulart, M. S. B. (2006). A construgao da mudanga ñas instituigoes sociais: a reforma psiquiátrica. Pesquisas e práticaspsicossociais, 1(1), 1-19.

Goulart, M. S. B. (2007). As raízes italianas da /uta antimanicomial. Sao Paulo: Casa do Psicólogo.

Goulart, M. S. B.; Passos, I. F.; Vasconcelos, E. M.; Silva, A. P. S.; Cunha, C. N.; Silva, E. R.; Abreu, M. A.; Santos, N. A. & Braga, F. M. (2007). As instituigoes universitarias e a construgao da reforma psiquiátrica mineira ñas décadas de 60, 70 e 80. Relatório final de pesquisa. Belo Horizonte: PUC Minas/Universidade Federal de Minas Gerais/Fapemig.

Jepperson, R. L. (1991). Institutions, institutional effects, and institutionalism. Em W. W. Powell & P. J. Di Maggio, The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: The University of Chicago Press.

Lapassade, G. (1983). Grupos, organizagoes e instituigoes (H. A. A. Mesquita, trad.). Rio de Janeiro: F. Alves. (Original publicado em 1975)

Lobosque, A. M., & Abou-Yd, M. (1988). A cidade e a loucura: entrelaces. Em A. T. Reis e outros (Orgs.), Sistema único de saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público. Sao Paulo: Xama.

Lourau, R. (1974). A aná/ise institucional (M. Ferreira, trad.). Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1970)

Machado, M. N. M. (2001). Práticas pedagógicas da psicossociologia nos anos 60 e 70. Em A.M. Jacó-Vilela; A. C. Cerezzo & H. B. C. Rodrigues (Orgs.), Clio-psyché hoje: fazeres e dizeres psi na historia do Brasil (pp.35-40). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Machado, M. N. M. (2004a). Transversos do social e alquimias da prática em Psicossociologia. Em E. M. Bomfim (Org.), Anais do I Encontró Mineiro de Psicología Social de 1985 (pp. 51-58). Sao Joao Del Rei: UFSJ.

Machado, M. N. M. (2004b). O setor. Em E. M. Bomfim; I. C. F. Passos; C. J. Stralen & M. V. Silva (Orgs.), Psicología social: memorias, saúde e trabalho (pp.32-48). Sao Joao del Rei: UFSJ.

Nicácio, F. (Org.). (1990). Desinstitucionalizagao. Sao Paulo: Hucitec.

Paim, J. S. (1986). Agoes integradas de saúde (AIS): por que nao dois passos atrás. Cadernos de saúde pública, 2(2), 167-183.

Passos, I. C. F. (2000). Políticas e práticas em saúde mental: experiencias e "modelos" em discussao. Tese de doutorado nao-publicada, Programa de Pós-Graduagao em Psicología Clínica, Pontificia Universidade Católica de Sao Paulo, Sao Paulo.

Passos, I. C. F. (2003). Cartografía da publicagao brasileira em saúde mental: 1980 -1996. Psicología: teoría e pesquisa, 19 (3), 231-240.

Paulin, L. F. & Tu rato, E. R. (2004). Antecedentes da reforma psiquiátrica no Brasil: as contradigoes dos anos 1970. Historia, ciencias, saúde: Manguinhos, 11(2), 241-258.

Memorándum 17, out/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/ passos e col01.pdf



Passos, I.C.F.; Goulart, M.S.B.; Braga; F.M., Abreu, M.A. & Vasconcelos, E.M. (2009). A formagao
em psicología da Universidade Federal de Minas Gerais e o processo de reforma psiquiátrica
em Minas Gerais, ñas décadas de 60, 70 e 80. Memorándum, 17, 149-168. Retirado em
/ / , da World Wide Web

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/passosecol01.pdf

Rodrigues, H. B. C. (2006). "Sejamos realistas, tentemos o impossível" Desencaminhando a psicología através da análise institucional. Em A. M. Jacó-Vilela; A. A. L. Ferreira & F. T. Portugal (Orgs.), Historia da psicología: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Ñau editora.

Rodrigues, H. B. C; Cunha, A. A. G.; Oliveira, C. M. & Barboza, D. M. S. (2008). Letras e vozes sobre o Instituto Brasileiro de Psicanálise, grupos e instituigoes - Ibrapsi: urna experiencia singular de formagao de agentes "psi" no Rio de Janeiro. Em R. H. F Campos & R. C. Vieira (Orgs.), Instituigoes em psicología no Brasil. Rio de Janeiro: Ñau editora.

Santos, B. S. (2003). Pela mao de Alice: o social e o político na pós-modernidade. Sao Paulo: Cortez.

Santiago, J.; Mendonga Filho, J. B.; Alkmim, W. D.; Dias, R. A. M.; Mendonga, V. M. M. & Rodrigues, J. B. N. R. (1998). A saúde mental no municipio de Be/o Horizonte: prática em saúde mental nos centros de saúde (1995-1998). Relatório de Pesquisa, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofía e Ciencias Humanas, Belo Horizonte.

Universidade Federal de Minas Gerais. (1981). Projeto Guimaraes Rosa: relatório das atividades do último trimestre de 1981 (Junho, julho e agosto). Belo Horizonte.

Vasconcelos, E. M. (1992). Do hospicio á comunidade. Belo Horizonte: Segrac.

Vasconcelos, E. M. (1995). Avaliagao de servigos no contexto da desinstitucionalizagao psiquiátrica: Revisao de metodologías e estrategias de pesquisa. Jornal brasileiro de psiquiatría, 44(4), 189-197.

Vasconcelos, E. M. (2000). Saúde mental e servico social: o desafío da subjetividade e interdisciplinaridade. Sao Paulo: Cortez.

Vasconcelos, E. M. (2003). O poder que brota da dor e da opressao: empowerment, sua historia, teorías e estrategias. Sao Paulo: Paulus.

Vasconcelos, E. (2004). Mundos paralelos, até quando? Os psicólogos e o campo da
saúde mental pública no Brasil ñas duas últimas décadas. Mnemosine, 1. Retirado
em 18/06/2007, da World Wide Web:

http://www.cliopsyche.cjb.net/mnemo/index.php/mnemo/search/authors/view7fir stName=Eduardo%20Mour%C3%A3o&m¡ddleName=&lastName=Vasconcelos&aff¡ liation

1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   28


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal