Editorial Memor



Baixar 3.5 Mb.
Página9/28
Encontro04.08.2016
Tamanho3.5 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   28
A epistemología teológica de Tomás de Aquino: a analogía entis

A antropología teológica de Agostinho de Hipona (1998a, 1998b) defendeu a tese da depravagao total do homem pós-queda a partir de sua interpretagao do pecado original, segundo a qual tanto o intelecto quanto a vontade estavam decaídos de sua potencia original. No que tange ao problema moral da vontade, Agostinho de Hipona manteve sua antropología da depravagao total a partir de sua exegese dos textos do Apostólo Paulo,

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf



Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo

intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web *-

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

como por exemplo: "o bem que quero nao fago, o mal que nao quero, esse fago" (Rm, 7, 19). Na exegese Agostiniana, tal afirmagao paulina significa que a razao concebe algo como bom e virtuoso, mas a vontade decaída tende na diregao oposta a este bem concebido, significando que a vontade decide sem ser teleologicamente orientada pelo intelecto (Agostinho, 383-395/1995). Tomás de Aquino nao assumiu a antropología agostiniana da depravagao total, deixando ampio espago para o intelecto nao afetado pelo pecado original (Schaeffer, 1974), bem como para a vontade que se orienta teleologicamente para o bem compreendido como tal pelo intelecto. O otimismo tomista quanto ao intelecto pode ser visto na mudanga que ocorre na epistemologia teológica de Tomás de Aquino, em contraposigao á de Agostinho. Para Agostinho, no que tange á relagao entre fé e razao, a fé tem precedencia, tendo a razao o papel de aprofundar, tornar inteligível o que se eré {intellectus fideí). Nao é a razao que leva á fé, a fé precede indispensavelmente a razao (Boff, 1998). Este mesmo principio epistemológica, sob a influencia de Agostinho, foi adotado por Anselmo de Cantuária (1078/1996) (Gilbert,1994), teólogo do Séc. XI que representa inicio da escolástica. Em seu Proslogion, Anselmo (1078/1996) apresentou sua famosa máxima: se nao crer, nao compreenderei. Anselmo formulou o argumento ontológico (Anselmo, 1996; ver capítulos 2 e 3.) nao com o fim gerar a fé, mas com o intento de satisfazer o desejo (erótica) daquele que eré: "A fé procurando o entendimento" {Proslogion, I, 14; 1078/1996, p.20). Aquele que eré deseja apreender, contemplar Deus (Anselmo, 1078/1996), esta é a fungao do argumento ontológico. Karl Barth (1931/2003) deixou clara tal epistemologia teológica em sua exaustiva interpretagao do Proslogion: "Anselmo quer 'prova' e 'alegría' porque quer intelligere e quer intelligere porque eré. Qualquer mudanga nessa ordem de compulsao é excluida pela concepgao de fé de Anselmo" (p. 24).

A influencia de Aristóteles sobre Tomás de Aquino, especialmente sua metafísica (Aristóteles, séc. IV a.C/2002), impós uma mudanga epistemológica na relagao entre razao e fé na concepgao tomista. Tomás de Aquino concebeu que a razao, partindo inicialmente da realidade sensível, pode inteligir algumas verdades sobre Deus: "...partindo das coisas sensíveis, o nosso intelecto é levado ao conhecimento divino de modo a conhecer que Deus é, e ao conhecimento de outras realidades que possam ser atribuidas ao primeiro principio. Há portanto alguns atributos inteligíveis de Deus acessiveis á razao humana" {Suma contra os gentíos I, III, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1990, p. 22).

Neste sentido, há verdades sobre Deus que a razao pode conhecer sem a fé (autoridade da escritura e da igreja). Para estas verdades Tomás de Aquino (1990) utilizou o conceito revelabile, entendendo aqueles conhecimentos sobre Deus que nao ultrapassam a capacidade da razao (Latourelle, 1994). A existencia de Deus é um exemplo de verdade que a razao pode conhecer sem a fé, mediante a razao {Suma contra os gentíos 1, III, 3; Tomás de Aquino. Céc. XIII/1990, p. 22).

Há também as verdades sobre Deus que a razao nao pode alcangar sem a revelagao. Estas sao conhecidas apenas mediante a fé, dependendo exclusivamente da revelagao {Suma Contra os Gentíos 1, III, 2; Tomás de Aquino, séc. XIII/1990, p. 22). Para estas verdades Tomás de Aquino usou o conceito revelatum (Latourelle, 1994). Um exemplo de verdade acessível somente pela fé, enquanto assentimento á revelagao, é que Deus é trino e uno {Suma Contra os Gentíos 1, III, 2; Tomás de Aquino, séc. XIII/1990, p. 22). Assim sendo, lavra em Tomás de Aquino uma área de independencia da razao em relagao á fé. Isso se afirma em sua estrategia apologética (Dulles, 1994), apresentada na Suma Contra os Gentíos, de discutir com os incrédulos (que nao aceitam as Escrituras) com base na razao natural, sem apelo á fé {Suma contra os Gentíos I, II, 3-4; Tomás de Aquino, séc. XIII/1990, p. 21), produzindo a tentativa de atrair os incrédulos para a fé crista. É assim que Tomás de Aquino fortaleceu a idéia de uma teología natural (Schaeffer, 1974), cujo método é a analogía entís, partindo da realidade criada e ascendendo até a causa (Deus). Metodológicamente a analogía entís se opoem á analogía fidei, defendida pela teología de Barth (1999).

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf



Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo

intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web *-*-

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

Vale ressalvar que Tomás de Aquino admitiu que crer sem a apresentagao de argumentos demonstrativos é necessário para o homem simples, que nao possui disposigoes intelectuais para o conhecimento, ou que é obrigado a dispensar seu tempo com os afazeres do trabalho, ou é preguigoso {Suma Contra os Gentíos I, IV, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1990). Além disso, para Tomás de Aquino, a revelagao é um ato que procede do amor livre de Deus, para a salvagao do homem e, dado que "esta salvagao é Deus mesmo em sua vida intima, isto é, um objeto que supera absolutamente as forgas e as exigencias do homem, era necessário que Deus mesmo se fizesse conhecer ao homem para indicar-lhe o caminho" (Latourelle, 1994, p. 1012). Tomás de Aquino reconheceu que a fé do homem simples é superior a todo esforgo intelectual que ocorre á margem da fé:

Eis porque nenhum filósofo antes da vinda de Cristo, apesar do grande esforgo intelectual que despendía, pode chegar ao conhecimento de Deus e dos meios necessários para alcangar a vida eterna, como, depois do advento de Cristo, qualquer velhinha o pode pela fé. Eis porque Isaías profetizou esse advento nestes termos: Encheu-se a térra da ciencia de Deus (11, 23). (Tomás de Aquino, séc. XIII/ 1981, p. 18).

Feitas as observagoes sobre a importancia da fé para Tomás de Aquino, nao se deve perder de vista que sua teología natural, sob influencia da metafísica de Aristóteles, apoiou-se na analogía entis, supondo que se parte do conhecimento sensivel ascendendo até a contemplagao de Deus, conhecendo alguns de seus atributos. É neste contexto de mudanga epistemológica, no qual o intelecto ganha proeminéncia, que devem ser compreendidas a ética e a psicología de Tomás de Aquino. Estas demarcam urna engenhosa relagao entre intelecto e vontade (Boehner & Gilson, 1988; Gilson, 1998; Mondin, 1980), cujas características se expressam na análise do ato livre, conforme veremos a seguir no estudo sobre a psicología tomista.

A psicología tomista: a vontade teleologicamente orientada pelo intelecto

A ética de Tomás de Aquino deve ser compreendida no contexto de sua filosofía do ser, para a qual somente Deus é ser em sentido pleno, o Absoluto, o Ser originario (Molinaro, 2000). Deus é ato puro, sem potencialidade. Na metafísica tomista Deus é Ser e é fundamento do ser, é ser necessário, sem o qual nao se pode explicar o ser contingente. Toda criatura é ser contingente, apresenta a característica da contingencia: pode ser ou nao. Tudo o que pode ser ou nao, em algum momento necessariamente nao foi. Assim sendo, se só existisse o ser contingente, em algum momento nada existiría, o que é absurdo, dado que algo existe e nao poderia provir do nada. Assim sendo, Deus necessariamente existe, e é eterno e imutável {Suma Contra os Gentíos, I, II, 1-6). Sendo Deus Ser no sentido pleno, Ser originario, tudo o que é, o é em dependencia e participagao com ele. Somente Deus pode doar o ser. Assim, a criagao ex nihilo é doagao do ser (Boehner & Gilson, 1988).

Mas como se organiza o universo criado? Ele é rigorosamente hierarquizado e ordenado para um fim. Deus dá o ser, dá a forma, e cada forma tende para um fim que Ihe é próprio (Fraile, 1986). No universo de Tomás de Aquino tudo está ordenado pela inteligencia divina para um fim (Boehner & Gilson, 1988). Deste modo, ele pode afirmar: "Assim, cada coisa fica otimamente disposta enquanto se ordena convenientemente para o seu fim, visto ser o fim o bem de cada coisa" {Suma Contra os Gentíos I, I, 1, Tomás, séc. XIII/1990, p. 19). O fim é o bem de cada coisa porque é a realizagao plena de sua natureza, segundo o propósito do ordenador. Nesse sentido, espera-se que cada coisa incline-se para um fim que Ihe é próprio, o que Ihe é conveniente, seu bem. O fogo, pela sua forma, tende para o alto e para gerar um semelhante a si {Suma Teológica!, 82, 1; Tomás, séc.XIII/1990, p. 724). Este tipo de inclinagao resulta da forma natural e é chamada de apetite natural {Suma Teológica!, 82, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 725), no qual nao há conhecimento do fim. No caso do homem e dos animáis há urna diferenga em relagao aos seres como o fogo, visto que a inclinagao daqueles depende do

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo



intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web 12

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

conhecimento da forma desejada. Para o animal, Tomás de Aquino aplica o conceito de apetite sensitivo, que envolve o conhecimento da forma concreta, sensível, ¡mediata {Suma Teológica I, 82, 2; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 725). É o caso do gato que vé a carne, ele conhece a realidade concreta, nao se trata do conceito de carne. Já para o homem há o apetite intelectivo, no qual o apreendido é universal {Suma Teológica I, 82, 2; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 725). Ao ver a carne, o homem apreende nao apenas o concreto, mas o conceito universal.

O apetite sensitivo apresenta o aspecto irascível e o concupiscível. O aspecto irascível tem a fungao de evitar o mal, o que é exemplificado no comportamento da ovelha que foge inevitavelmente ao ver o lobo. O aspecto concupiscível tem a fungao de levar o animal ao seu próprio bem {Suma Teológica!, 82, 2 Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 725), o que é exemplificado no comportamento da ovelha que, tendo sede, aproxima-se inevitavelmente ao ver a agua. Em qualquer dos casos o apetite sensitivo move inevitavelmente o animal, significando isso que se trata de urna agao instintiva, nao deliberada, que nao é um ato livre {Suma Teológica I, 82, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 723).

No caso do homem a situagao é diferente do animal visto que no homem há, além do apetite sensitivo, o apetite intelectivo, que é superior. O homem nao se move ¡mediatamente pelo apetite sensitivo, mas espera o imperio da vontade notabilizado no apetite intelectivo, que é apetite superior {Suma Teológica I, 82, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 723). A vontade controla a virtude motiva do homem, assim sendo, o apetite intelectivo pode controlar o apetite sensitivo. Tomás de Aquino explica esta posigao apelando para a experiencia universal de mitigar a ira ou o medo, á medida que se pondera racionalmente acerca de urna situagao particular. O apetite inferior nao pode mover sem o consentimento do apetite superior, significando isso que a razao universal impera sobre o apetite sensitivo, caracterizando a agao própria do homem como voluntaria. No entanto, o dominio da razao sobre o apetite sensitivo nao é absoluto, existindo a possibilidade do apetite se rebelar contra a razao {Suma Teológica I, 81, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 721).

Na exposigao feita até aqui já se tornou clara a importancia do conceito de vontade na psicología tomista. Tomás usou o mesmo conceito que Agostinho: voluntas (ex. Suma teológica, II, I, 9, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1103), mostrando que á reflexao antropológica posterior a Agostinho impós-se a necessidade de tratar do problema da vontade, mesmo que seja, como é o caso de Tomás de Aquino, para interpretar a vontade de urna forma que rompe com o pensamento agostiniano. A ruptura se deu porque Tomás nao adotou a tese agostiniana da depravagao total do homem imposta pelo pecado original, típica de Agostinho. Diferentemente de Agostinho, que via a vontade como ambivalente e impotente para o bem concebido como tal pela razao, Tomás concebeu o vontade como teleologicamente orientada pelo intelecto, aderindo ao bem apreendido por este.

Aprofundando sua ética e psicología, Tomás de Aquino afirma que o apetite racional, a vontade, tende necessariamente para um fim. O argumento para demonstragao desta tese é o mesmo utilizado por Aristóteles (Séc. IV a.C./2001a) na Ética a Nicómacos (Livro I, 1095 a, 4): todos, com vontade una, desejam a beatitude. Se este desejo nao fosse necessário, mas contingente, falharia pelo menos em alguns casos, logo, a vontade quer alguma coisa necessariamente {Suma Teológica I, 82, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 723). O uso do conceito de necessidade nao excluí a liberdade, dado nao haver nesta necessidade urna coagao, mas urna tendencia inerente, urna inclinagao natural em diregao ao bem do ser, que nao tira a liberdade da vontade {Suma Teológica I, 82, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 721). Nesta procura pela beatitude a vontade inclina-se para um objeto que é o fim e o bem, isto é, aquilo que convém e realiza o ser. Dado que se trata do apetite racional, da agao com conhecimento do fim, a procura pela beatitude só pode ocorrer se houver conhecimento do fim intencionado. Neste sentido, o fim é último na execugao e o primeiro na intengao. Este fim buscado na beatitude é um só e domina o afeto humano. Se assim nao fosse, a vontade nao seria movida visto que o fim último é o primeiro na intengao, isto posto, sem ele a vontade

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf



Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo

intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web *-->

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

nao seria movida e nada ocorreria {Suma Teológica II, I, 1, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1026). Tomás de Aquino acrescenta que o fim último, que realiza a beatitude, tem que ser capaz de satisfazer totalmente o desejo do homem. Assim deve ser porque cada ser procura sua perfeigao, sua realizagao plena. Se o fim último nao pudesse dar realizagao plena, algo além dele seria desejado, o que nao daria repouso á vontade {Suma Teológica II, I, 1, 5; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1031). Fica claro que somente urna realidade pode satisfazer as condigoes para ser o fim último para o homem, enquanto capaz de satisfazer o seu desejo. Somente Deus pode ocupar este lugar, visto ser ele o Ser no sentido pleno, ato puro, em que reside toda a perfeigao. Nada pode satisfazer a vontade do homem senao o bem universal: Deus. Nenhum bem criado pode fazé-lo, porque toda criatura tem bondade participada {Suma teológica, II, I, 2, 7; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1044). Nada menor que Deus pode satisfazer o desejo do homem e nada ácima dele pode haver para ser almejado. Em Deus a vontade encontra pleno repouso e a beatitude se realiza. Assim se pode resumir a filosofía do ser de Tomás de Aquino: Deus é o Ser em sentido pleno, só ele pode doar o ser, o ser criado para ele converge. Deus é a origem e o fim de todo ser. A partir do que foi dito ácima, conclui-se que a beatitude consiste na contemplagao de Deus, que só pode ser realizada mediante urna operagao pela qual cada um se une a Deus {Suma Teológica II, I, 2, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1038). Cabe perguntar entao: em que consiste essa operagao? Tomás de Aquino passa a demonstrar que ela nao é urna operagao sensitiva, dado que esta é comum entre o homem e o animal, enquanto a beatitude nao é {Suma Teológica II, I, 3, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1049). O conhecimento sensível só apreende o particular, já a operagao que realiza a beatitude é conhecimento do universal. A beatitude também nao pode ser ato da vontade, mas sim do intelecto. Isto porque a beatitude se realiza na contemplagao de Deus, último ato do homem, realizado pelo intelecto e nao pela vontade. O ponto central na tese de Tomás é que a beatitude é conhecimento (conhecimento de Deus), sendo, portanto, ato do intelecto:

A vida eterna, porém, consiste em que eles conhegam por um só verdadeiro Deus a ti. Ora, a vida eterna é um fim último, como já se disse. Logo, a beatitude do homem consiste no conhecimento de Deus, acto do intelecto. {Suma Teológicall, I, 3, 4; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1051).

Tomás de Aquino explica que a beatitude é ato do intelecto em diregao ao inteligível. Primeiro se quer atingi-lo (ato da vontade), conseguimo-lo quando ele se torna presente por um ato do intelecto. Depois dele adquirido é que a vontade, deleitada, repousa no fim já adquirido {Suma Teológicall, I, 3, 4;Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1051). Sendo a beatitude urna operagao do intelecto, cabe perguntar se do intelecto prático ou do especulativo, categorías tomadas de Aristóteles (séc. IV a.C./2001b). Tomás deixa claro que só pode ser operagao do intelecto especulativo, dado que a beatitude só pode se relacionar ao que há de mais elevado no homem, o intelecto. O objeto da beatitude é o bem universal, que respeita ao intelecto especulativo, nao ao prático. Além disso, a contemplagao de Deus é buscada por si mesma, ao passo que o intelecto prático opera em relagao a meios que só possuem valor em fungao dos fins. Donde se concluí também que o intelecto especulativo é o que há de mais elevado no homem, dado que seu objeto é o mais elevado, Deus {Suma Teológica II, I, 3, 8; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1056).

A partir do que foi dito pode-se chegar a urna importante conclusao acerca da relagao entre intelecto e vontade na psicología tomista: há urna anteposigao do intelecto á vontade (Arendt, 2002). Isto ocorre porque, para que a vontade apetega o bem é necessário primeiro que o intelecto apreenda o bem e o aprésente á vontade: "E portanto, por este modo de mogao, o intelecto move a vontade, apresentando-lhe o seu objeto". {Suma Teológica II, I, 10, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1101). Boehner e Gilson (1988) entendem aqui urna anteposigao do intelecto á vontade que

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo



intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web 1

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

ocorre mesmo quando o homem busca o que nao é realmente o seu bem (ex. riquezas), visto que o faz porque compreende como bem aquilo que nao o é:

Portanto, para a vontade tender para alguma cousa, nao é necessário que exista o bem, na realidade, mas que algo seja apreendido sob a idéia do bem. E por isso diz o Filósofo: o fim é o bem ou o que parece tal {Suma Teológica II, I, 8, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1097)

Neste aspecto, fica claro que a posigao de Tomás de Aquino se filia á psicología intelectualista grega (Oliveira & Pires, 2009) e se afasta da antropología da depravagao total presente na psicología voluntarista de Agostinho (1995, 1998a, 1998b), visto que Tomás, tal qual o intelectualismo grego, considera o mal moral é um erro de conhecimento (Reale, 1995). A diferenga entre o intelectualismo tomista e a posigao agostiniana fica clara na diferenga que há entre a exegese tomista e a agostiniana no que tange á interpretagao da afirmagao do apostólo Paulo: "nao fago o bem que prefiro, mas o mal que nao quero, esse fago" (Rm 7: 19). Agostinho de Hipona (412/1998a, 415/1998b) dá um caráter absoluto para a afirmagao do Apostólo Paulo, interpretando que o homem pode compreender a lei, mas a vontade é ambivalente quanto a ela. Já para Tomás de Aquino, que interpreta o texto apostólico a partir de pressupostos antropológicos do intelectualismo de Aristóteles, a afirmagao do Apostólo Paulo nao é interpretada de forma tao cabal quanto para Agostinho. Para Tomás aquilo que o intelecto apreende como bem orienta teleologicamente a vontade, nao havendo a ambivalencia do eu-moral proposta por Agostinho (Oliveira e outros, 2006). Em última análise, o apetite sensitivo nao pode gerar a agao sem o consentimento do principio que Ihe é superior (o apetite intelectivo, a vontade) e que governa a agao motora no homem. Neste sentido, a teoría de Tomás de Aquino sobre a forma como o apetite sensitivo pode mover a vontade revela seu profundo intelectualismo, pois o apetite sensitivo pode mover a vontade, mas somente por intermedio do intelecto (1).

Cabe ressalvar que em Tomás de Aquino a vontade pode preceder o intelecto, dependendo do que está em análise (Mondin, 1980). Do ponto de vista da causalidade eficiente a vontade precede e é mais importante que o intelecto, dado que ela move todas as potencias da alma, inclusive o intelecto. Sem a precedencia da causalidade eficiente da vontade, nenhum ato seria realizado. Por outro lado, no que concerne á causalidade final, o primado cabe ao intelecto porque ele intelige o fim enquanto objeto que move a vontade {Suma Teológica I, 82, 4; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 728). Tais consideragoes, dentre outras feitas por Tomás de Aquino, levam Mondin (1980) a considerar difícil classificá-lo como intelectualista. No entanto, mesmo Mondin (1980) admite que em Tomás de Aquino é a razao que impoe o aspecto formal, a ordem á agao humana, o que é, sem dúvida, urna posigao intelectualista.

Até aqui comentou-se a ética de Tomás de Aquino no que concerne ao fim último que é a realizagao da beatitude: a contemplagao de Deus. No entanto, para se atingir o fim, é preciso utilizar meios adequados. Neste sentido, a vontade relaciona-se ao fim último e aos meios para atingi-lo. O fim, podendo ser somente Deus, é definido pelo intelecto e nao se delibera acerca dele. Quanto aos meios, sao múltiplos e deve-se deliberar acerca de quais sao mais idóneos e eficientes para atingir o fim. O fim, como já foi visto, é objeto da razao especulativa, já os meios sao objeto do intelecto prático. Um exemplo é o caso do médico, para o qual a saúde do paciente é o fim sobre o qual nao se delibera. Delibera-se sobre os meios (remedios, alimentos) para atingir este fim {Suma Teológica II, I, 8, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1099). Se o fim é instruir-se, a própria instrugao nao entra como objeto da deliberagao, mas sim os meios, como por exemplo os livros que devem ser adquiridos e os professores que devem ser procurados (Mondin, 1980). Fica claro que Tomás de Aquino está recorrendo ao esquema aristotélico de distingao entre virtudes éticas e virtudes dianoéticas (Aristóteles, 2001a). Quanto á eleigao livre dos meios para atingir os fins Tomás de Aquino apresentou urna teoría acerca do processo e seus passos. Em primeiro lugar os meios sao desejados em fungao do fim a ser atingido. Assim sendo, na atividade da escolha dos meios está

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo



intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web 1

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

pressuposta a vontade, é ela que move as potencias da alma, inclusive o intelecto (Boehner & Gilson, 1988). Dado que sao varios os meios, faz-se necessária a eleigao de um deles em um processo de escolha que ocorre em tres etapas: deliberagao, juízo e eleigao (Boehner & Gilson, 1988; Mondin, 1980). A primeira fase, a deliberagao, envolve urna análise discursiva sobre os meios:

ñas coisas duvidosas e incertas, a razao nao profere o juízo sem urna inquirigao precedente e logo, é necessária a inquirigao da razao antes do juízo relativo ao que se deve escolher. E a inquirigao se chama conselho; é por isso que o filósofo diz, que a eleigao é o desejo do que foi anteriormente deliberado. {Suma Teológicall, I, 14, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1131)

A partir das informagoes da deliberagao, estabelece-se um juízo, urna avaliagao que considera os pros e os contras. Mesmo o juízo positivo ainda nao é urna eleigao. Para que ao juízo se siga a eleigao é preciso que a vontade participe, que o juízo faga diferenga para o sujeito naquele momento (Mondin, 1980). Esta participagao da vontade ocorre á medida que a vontade adere ao conselho, implicando isso que a eleigao é a atuagao da vontade segundo o que foi deliberado. Na eleigao a vontade se mostra ordenada pela razao.

A eleigao é um ponto no qual a relagao entre intelecto e vontade volta a se fazer presente. Seria a eleigao um ato do intelecto ou da vontade? Tomás de Aquino afirma que é ato composto, déla participam o intelecto e a vontade. Mas Tomás dá prioridade á vontade, visto que a eleigao "se completa por um certo movimento da alma para o bem escolhido. Logo, é, de manifestó, acto da potencia apetitiva" {Suma Teológica II, I, 13, 1; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1124).

A teoría de Tomás de Aquino retomou a posigao aristotélica, segundo a qual a deliberagao acerca dos meios é operada pela razao discursiva, de forma verbal analítica (Reale, 1994). Para Aristóteles esta deliberagao é o exercício da dianóia, que é o pensamento discursivo que procede passo a passo {dia-noeirí) (Reale, 1995), analisando o fim e o decompondo-o numa serie de elementos (os meios), dos quais o primeiro é tido como urna causa primeira ou primeira agao por cumprir, á qual sucedem por ordem as outras agoes, até que todas estas se resumam e se cumpram no fim particular proposto. O fato de que em Tomás de Aquino, tal qual em Aristóteles, o processo de deliberagao é razao discursiva fica claro no seguinte trecho: "a eleigao resulta da sentenga ou juízo, que é quase a conclusao de um silogismo operativo. Por onde, inclui-se na eleigao aquilo que faz o papel de conclusao no silogismo prático" {Suma Teológica II, I, 13, 3; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1126).

Por último, cabe salientar que Tomás de Aquino considera que nao se delibera acerca de todos os atos. Nao se delibera acerca de atos de mínima importancia como, por exemplo, pegar urna cañeta no chao. Nao se delibera também acerca daquilo cujo modo de fazer já está determinado. Um exemplo é o caso do escritor, ele nao delibera acerca do modo de tragar as letras no papel {Suma Teológica II, I, 14, 4; Tomás de Aquino, séc. XIII/1980, p. 1133).

Até aqui nosso texto revelou a forte influencia da psicología aristotélica intelectualista sobre a psicología tomista (Penna, 1991). Nosso texto revelou também a importancia da teorizagao sobre intelecto e vontade em Tomás de Aquino.

É plausível supor que a psicología ocidental se dedicou muito á relagao entre intelecto e vontade porque esta questao se tornou fundamental na tradigao crista, sobretudo a partir da interpretagao do tema do pecado original e suas implicagoes para a psicología da vontade. Como veremos a seguir, a discussao psicológica da modernidade tomou este tema como central a partir do humanismo renascentista e do Iluminismo em seu debate com o pessimismo antropológico da reforma protestante.

Memorándum 17, outubro/2009

Belo Horizonte: UFMG; Ribeirao Preto: USP

ISSN 1676-1669

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

Oliveira, C.I. (2009). A psicología de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo



intelecto. Memorándum, 17, 08-21. Retirado em / / , da World Wide Web 1°

http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/al7/oliveira01.pdf

1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   ...   28


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal