EducaçÃO À distância: uma contribuição na formação pessoal e profissional dos usuários



Baixar 59.02 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho59.02 Kb.
EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: uma contribuição na formação pessoal e profissional dos usuários

SANTOS JUNIOR, José da Silva *

LIMA, Terezinha Bazé de**

RESUMO: O artigo “Educação à distância: uma contribuição na formação pessoal e profissional dos usuários” tem, como ponto de partida, um estudo que faz parte do cotidiano e destaca o processo e a oportunidade de vivenciar experiências na área da Educação à distância. O objetivo do estudo é analisar a contribuição da educação à distância para a formação pessoal e profissional. A pesquisa de campo foi realizada em uma instituição de Ensino Superior com polo no município de Sonora-MS, com 23 acadêmicos veteranos que responderam a um questionário com questões abertas e fechadas sobre o objeto de estudo. A temática foi desenvolvida com base nos teóricos: Vinholi (2010), Vallin (2003), Belloni (2009), dentre outros autores que trouxeram contribuições importantes para a elaboração do artigo. Do total dos entrevistados, 35% freqüentam o curso de Pedagogia, 17% de Ciências Contábeis, 13% de Serviço Social, 13% de Administração, 9% de Letras, 9% de Tecnologia em Agronegócios e 4% o curso de Tecnologia em Produção Publicitária. Todos afirmaram ter um bom aprendizado estudando a distância. 91% estão satisfeitos com a EaD e os principais motivos que levaram os entrevistados a escolher um curso a distância foram a flexibilidade de horários e a falta de um curso presencial no município. As principais contribuições da Educação à Distância listadas pelos acadêmicos estão relacionadas à aquisição de conhecimento e a melhoria da capacidade de leitura e pesquisa. Conclui-se que a EaD traz inúmeras contribuições, incluindo competências e habilidades essenciais para a vida de quem escolhe essa modalidade de ensino.

ABSTRACT: The article "Distance Education: a contribution to the formation of personal and professional users" has, as a starting point, a study that is part of everyday life and highlights the process and the opportunity to have experiences in the field of Distance Education. The objective is to analyze the contribution of distance education for personal and professional. The field research was conducted at an institution of higher education with polo in the city of Sonora-MS, with 23 senior academics who responded to a questionnaire with open and closed questions about the object of study. The theme was developed based on theoretical: Vinholi (2010), Vallin (2003), Belloni (2009), among other authors who have brought important contributions to the drafting of the article. Of the total respondents, 35% attend the Faculty of Education, 17% of Accounting, 13% of Social Service, 13%, of Administration, 9% of Letters, 9% in agribusiness technology and 4% in Manufacturing Technology course Advertising. Each claimed to have a good distance learning study. 91% are satisfied with the DL and the main reasons why respondents choose a distance learning course are the flexibility of schedules and the lack of a classroom course in the city. The main contributions of distance education by scholars listed are related to the acquisition of knowledge and the improvement in reading and research. It is concluded that distance education brings many contributions, including skills and abilities essential to the life of those who choose this type of education.


Palavras-chave: Educação à Distância; Aprendizado; Formação Profissional.

Key-Word: Distance Education; Learning; Training.

INTRODUÇÃO

A educação à distância surge no contexto atual como uma forma alternativa de se fazer educação, haja vista as mudanças nos estilos de vida que as pessoas vêm sofrendo e a exigência da sociedade em se ter um curso superior. Na realidade a educação à distância provém de tempos remotos, mas a grande expansão se deu a partir da revolução tecnológica ocorrida nas últimas décadas, principalmente com o advento do computador ligado em rede. A figura de alunos sentados, observando atentamente as aulas de um professor está sendo substituída por modelos de alunos virtuais, que buscam o conhecimento de forma autônoma, mas fazem isso se relacionando com o professor e colegas de curso através de ferramentas tecnológicas.

É sabido que a educação hoje é foco de políticas públicas para sua melhoria, porém os resultados aparecem timidamente associados a esse comprometimento. A educação à distância surge como uma maneira diferente de se ensinar, visando à formação profissional e buscando a inserção desses profissionais no mercado de trabalho.

Para o desenvolvimento do artigo foi realizada uma pesquisa de campo, onde se aplicou um questionário a 23 acadêmicos veteranos que estudam na modalidade à distância em uma Instituição de Ensino Superior, com polo no município de Sonora-MS. O questionário foi aplicado no período de 12 a 20 de novembro de 2010 e objetivou criar uma resposta para a seguinte problemática: Qual a importância dos cursos na modalidade à Distância para a formação pessoal e profissional?

O primeiro item deste trabalho descreve pontos relevantes do percurso histórico da educação à distância, traz algumas considerações sobre a importância da tecnologia como um instrumento educativo e define objetos de aprendizagem, bem como traz alguns exemplos de como estes foram utilizados por alguns educadores. O segundo item traz os resultados alcançados com a pesquisa.

O objetivo do estudo é analisar e compreender a contribuição da educação à distância para a formação pessoal e profissional, através da discussão de temas relevantes sobre os aspectos dessa modalidade de ensino.




1. DESENVOLVIMENTO

1.1. Educação à Distância: um passeio pela história

A educação assume uma função de destaque na sociedade moderna, já que está voltada para a formação concreta de profissionais e, ao mesmo tempo, cidadãos. A educação na modalidade à distância, é conhecida desde o século XIX, mas se disseminou pela sociedade, principalmente, nas décadas de 1990 e 2000, onde houve uma maior busca por profissionais capacitados para atuarem nas diferentes áreas.

Inicialmente, na Grécia, existia um meio de se transmitir mensagens por correspondência, onde se dava por cartas que continham informações científicas necessárias para o desenvolvimento da sociedade na época. Porém, somente na segunda metade do século XIX houve a criação de um instituto voltado para o Ensino à Distância, que esteve voltado ao ensino de línguas, em Berlin no ano de 1856 (ARAÚJO E MALTEZ, 2000). Após esse primeiro passo, a idéia se espalhou pelo mundo em pouco tempo, confirmando as palavras de HARPER: “Chegará o dia em que o volume de instrução recebida por correspondência será maior do que o transmitido nas aulas de nossas academias e escolas em que o número de estudantes por correspondência ultrapassará o dos presenciais...”. (HARPER, 1986, apud ARAÚJO E MALTEZ, 2000, p. 02)

Na primeira metade do século XX o Ensino à Distância começou a se aprimorar mais e mais, decorrente da evolução social, econômica e tecnológica por qual a sociedade humana passou, tais como o aperfeiçoamento dos serviços de correio, a agilização dos meios de transportes e o desenvolvimento da tecnologia, principalmente na área de comunicação. A partir das décadas de 1960 e 1970 a Educação a Distância passa a incluir o áudio e o videocassete, as transmissões de rádio e televisão, o videotexto, o computador e mais recentemente a tecnologia de multimeios (VINHOLI, 2010). Para ALMEIDA:

O advento das tecnologias de informação e comunicação – TIC trouxe novas perspectivas para a educação a distância, devido às facilidades de design e produção sofisticados, rápida emissão e distribuição de conteúdos, interação com informações, recursos e pessoas. Assim, universidades, escolas, centros de ensino e organizações empresariais oferecem cursos a distância através de recursos telemáticos, os quais podem assumir distintas abordagens. (ALMEIDA, 2003, p. 01)

Com isso, a Educação à Distância vem alcançando um número cada vez maior de adeptos a essa forma alternativa de se obter conhecimento. SANTOS acredita que: “O advento da Internet permitiu que o processo de ensino/aprendizagem não ficasse limitado apenas à sala de aula no contexto da relação aluno/professor tradicional, mas ultrapassasse esses limites físicos dando oportunidade a que o discente construa o conhecimento no seu ambiente doméstico, de trabalho ou onde mais desejar.” (SANTOS, 2006, p. 01).


A educação à distância aparece como uma modalidade de educação totalmente adequada para atender as novas demandas educacionais, provindas das mudanças sofridas nas sociedades contemporâneas (BELLONI, 2009). Na realidade, a educação superior, de um modo geral, é o princípio do desenvolvimento social.

Pode-se dizer que hoje a Educação à Distância ganha mais espaço e prestígio numa sociedade em que a concorrência está presente nas diversas áreas, principalmente na busca de espaço no mercado de trabalho, onde o conhecimento é imprescindível. A inserção de um número crescente de usuários em cursos de graduação gera a criação de mercados cada vez mais exigentes, e estes por sua vez levam o cidadão a se especializar para competir com outras pessoas e, com este ciclo se repetindo têm-se a formação de profissionais capacitados para atuarem no mercado de trabalho.

A EaD veio para contribuir com a melhoria do ensino no país, onde a entrada dos usuários em um curso superior diminui a exclusão social e favorece o desenvolvimento pessoal e profissional. Pode-se dizer que as contribuições dadas pelo ensino à distância também se encontram na expansão do uso da tecnologia, o que leva a uma diminuição de analfabetos digitais, pois quem faz um curso via internet apresenta uma ligeira progressão no que se refere ao funcionamento das mídias digitais.



1.2. A tecnologia como instrumento educativo

É fato que a educação acompanha o ritmo da evolução tecnológica. O uso da tecnologia possibilita a inovação no ato de ensinar. Neste contexto, surge o ensino online, que acaba se tornando uma forma alternativa de se chegar ao aprendizado, porém, seguindo as transformações proporcionadas pela tecnologia. As ferramentas que viabilizam a interação entre os participantes de um curso online, como o chat, fórum de discussão, correio eletrônico e portfólio podem ser usadas de acordo com o objetivo do professor e depende do perfil do público-alvo. A importância dessas ferramentas para o ensino à distância é inegável (BRITO, 2010). Neste sentido, o processo de ensino e aprendizagem pode ocorrer de forma colaborativa, onde as ferramentas tecnológicas garantem a participação e cooperação dos usuários, com destaque para a interação entre professor e aluno, que deve fazer a diferença neste processo.

O ensino baseado no aprendizado online acontece de forma mais dinamizada, sendo que o objetivo final do processo educativo, assim como no ensino presencial, também pode ser alcançado. Na realidade, o aprendizado é individual, mas com as interações ocorridas, seja nos momentos presenciais com estudos em grupos e avaliações ou nos momentos à distância com as interações ocorridas através dos ambientes virtuais de aprendizagem, ele se torna um processo mais favorável a um aprendizado coletivo.


É indispensável a utilização da tecnologia no ensino, mas o foco desse processo deve ser centrado no aluno. BELLONI diz que: “Um processo educativo centrado no aluno significa não apenas a introdução de novas tecnologias na sala de aula, mas principalmente uma reorganização de todo o processo de ensino de modo a promover o desenvolvimento das capacidades de auto-aprendizagem.” (BELLONI, 2009, p. 102).


Assim, a possibilidade de um desenvolvimento acadêmico adequado é proporcionada, sendo que isso não significa deixar em segundo plano a atuação do professor. Ou seja, pode-se dizer que três fatores devem ser levados em consideração durante o processo de ensino e aprendizagem: o aluno, o professor e os recursos materiais e/ou tecnológicos utilizados.

Contudo, o que se observa atualmente, é que uma educação para a transformação é um dos objetivos pleiteados por inúmeras instituições. Porém, algumas vezes, isso se torna algo contemplado apenas na teoria. Na prática o que deveria ocorrer é uma integração entre todos os fatores relacionados para o bom desenvolvimento do ensino. A tecnologia, por vezes, é utilizada de forma inadequada, apresentando-se apenas como um “novo equipamento para o ensino”, deixando sua potencialidade de integração no processo educativo de lado. PRADO e ALMEIDA afirmam que:

Os recursos tecnológicos do ambiente têm a interatividade como uma característica potencializadora da interação, que se concretiza na ação entre as pessoas. Daí a importância da mediação pedagógica do formador numa perspectiva de criar condições que favoreçam a produção colaborativa de conhecimento. (PRADO e ALMEIDA, 2003, p. 80)

Não adianta pensar que a educação ocorre de forma isolada e que a tecnologia veio para resolver todos os problemas educacionais. O processo de ensino e aprendizagem vai muito além disso e depende da atuação dinâmica do professor. Educar é inovar, comunicar, interagir, conversar, e, até mesmo, criticar.



1.3. Objetos de aprendizagem e Educação à Distância

O uso da tecnologia no ensino surge como uma ferramenta estratégica de apoio a aprendizagem e pode ser feito em diferentes contextos. TAROUCO, et. all. Acredita que “A utilização desses recursos modificou a dinâmica do ensino a distância, as estratégias e o comprometimento de alunos e professores nessa nova modalidade, possibilitando o acesso síncrono e assíncrono de seus participantes” (TAROUCO, et. all., 2004, p. 01). Esta autora aprensentou, em seu estudo, o m-learning como uma estratégia para a educação continuada de adultos e alguns resultados obtidos na produção de objetos de aprendizagem para esta modalidade.

Pela definição de BECK: Objeto de aprendizagem é “qualquer recurso digital que possa ser reutilizado para o suporte ao ensino” (BECK, 2001, apud SAKAGUTI, 2010, p. 53). E, este conceito está relacionado com a utilização de recursos didáticos no ensino, funcionando como um fator mediador da aprendizagem, que pode ser utilizado diversas vezes, objetivando uma melhor absorção do conhecimento proposto.

Na visão de FILHO et. all., “Objetos de aprendizagem podem ser descritos como qualquer recurso utilizado para apoio ao processo de aprendizagem” (FILHO et. all., 2004, p. 03). Ele planejou e produziu um conjunto de atividades relacionadas à estruturação do conhecimento envolvido no domínio Fundações, subárea da Geotecnia, área da Engenharia Civil, mais precisamente do conteúdo referente à Patologia de Fundações. Dessa forma, a utilização desses objetos adquire importante função na educação, já que fornece subsídios para inovar os métodos, sem perder a eficiência.

Para ABREU, et. all., “é possível buscar formas efetivas de integração de equipes, buscando um trabalho de fato interdisciplinar que culmine num produto efetivamente motivador e que atenda a proposta pedagógica no qual se insere” (ABREU, et. all., 2006, p. 337). Este autor utilizou objetos de aprendizagem no ensino da Química, permitindo trabalhar os temas “óxidos e Poluição atmosférica” com maior dinamismo, concluindo que “o objeto desenvolvido apresenta boas qualidades nos aspectos educacionais e tecnológicos sendo importantes instrumentos para o ensino de química”.

Os Objetos de aprendizagem, dessa forma, se configuram no contexto atual, como uma importante ferramenta que pode ser disponibilizada para favorecer uma aprendizagem mais dinamizada e facilitada.

Assim, a incorporação de novos meios de interação no ensino, se usados coerentemente, se torna um fator essencial para o processo educacional.

2. RESULTADOS E DISCUSSÃO

O questionário, referente à pesquisa base desse estudo foi aplicado a 23 acadêmicos veteranos dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Letras, Pedagogia, Serviço Social, Tecnologia em Agronegócios e Tecnologia em Produção Publicitária, todos ofertados por uma instituição de ensino superior no município de Sonora-MS.

A distribuição dos cursos freqüentados pelos alunos entrevistados está indicada no gráfico seguinte:

A maior parte dos alunos entrevistados cursa Pedagogia, correspondendo a 35% do valor total. Mas os números correspondentes aos outros cursos também são expressivos.

O gráfico a seguir representa a faixa etária das pessoas entrevistadas:

Observa-se que há uma grande variação na faixa etária dos alunos entrevistados, sendo um número mais abundante na faixa de 28 a 32 anos. Na visão de FERREIRA E MENDONÇA:

Hoje em dia as pessoas procuram cada vez mais sua autonomia e a auto–aprendizagem é uma das características que mais se destacam no perfil dessas pessoas. O profissional atual precisa ser versátil e estar sempre ligado a novas tendências aprimorando seu aprendizado em prol do seu trabalho e até mesmo da sua realização pessoal. (FERREIRA E MENDONÇA, 2007, p. 05).

Sendo assim, não existe uma idade certa para se estudar um curso em EaD, o pré-requisito é o aluno ser capaz de “aprender a aprender”.

Quando questionados se têm um bom aprendizado estudando a distância, todos os alunos responderam que sim, avaliando em outra questão que tiveram um bom progresso no decorrer do curso, obtendo maiores conhecimentos na área profissional escolhida.

Com relação ao motivo pelo qual foi escolhido um curso à distância, por ter sido uma questão aberta, tiveram vários padrões de respostas, sendo que alguns alunos colocaram mais de uma resposta. Os motivos listados pelos entrevistados são mostrados no gráfico a seguir:



A dificuldade de se deslocar de um local, geralmente no interior, para os grandes pólos urbanos, com o intuito de freqüentar um curso presencial, ainda é um dos principais motivos que levam as pessoas a optar por um curso a distância. De acordo com a pesquisa realizada, a falta de ensino presencial na cidade e a flexibilidade de horários, que também é um fator importante na hora de escolher um curso a distância, somam 66% do total das respostas dadas pelos entrevistados.

Quando se tratou do grau de satisfação, 91% estão satisfeitos com o ensino à distância e 9% disseram pouco satisfeitos com essa modalidade de ensino. Nenhum dos entrevistados se mostrou insatisfeito. Nas palavras de SOUZA e REINERT, “A satisfação também assume papel relevante na avaliação discente de cursos superiores, por resultar de um julgamento formulado a partir da realidade percebida” (SOUZA e REINERT, 2010, p. 160). O gráfico a seguir demonstra os resultados referentes ao grau de satisfação dos acadêmicos entrevistados em relação ao ensino à distância:



Um dos questionamentos feitos foi: Em sua opinião, que contribuição a educação à distância trouxe para sua vida? Para essa questão as respostas foram bem variadas e a distribuição destas encontra-se no gráfico que se segue:



A principal contribuição, segundo a pesquisa, se resume na aquisição de conhecimento, com um percentual de resposta equivalente a 43%. O segundo fator mais expressivo foi a oportunidade de fazer um curso superior. Na visão de VALLIN, “o mundo entra na era da informação e do conhecimento. Isso tem provocado novas mudanças na sociedade e na escola. Por isso, novos conhecimentos precisam ser desenvolvidos.” (VALLIN, 2003, p. 112).

Quando os entrevistados foram questionados sobre as competências adquiridas com a modalidade EaD via internet, as principais respostas dadas estiveram relacionadas com a interiorização de conhecimentos gerais e/ou específicos ao curso (26%), a formalização do hábito de leitura e pesquisa (35%) e a maior familiaridade com o computador (30%). 9% dos entrevistados não responderam a essa questão. O gráfico abaixo resume essa parte da pesquisa.

Dessa forma, pode-se dizer que o principal resultado alcançado com a pesquisa é a confirmação de que o ensino na modalidade a distância traz diversas contribuições, bem como competências para a vida de quem escolhe a EaD. Dentre essas contribuições pode-se observar que as pessoas que estudam um curso superior adquirem uma gama de saberes que interfere positivamente na vida em sociedade. A formalização do hábito de leitura e pesquisa correspondeu ao maior percentual de respostas. PAN afirma que “A leitura no ambiente hipertextual, se bem conduzida, motivará o leitor e propiciará a construção do conhecimento e a valorização da leitura”. (PAN, 2005, p. 09)

VALLIN acredita que:

Apesar da quantidade de iletrados, os poucos que terminam uma faculdade (formação inicial) também não podem se considerar garantidos. Não há mais a possibilidade de a pessoa se estabilizar num conhecimento. Dentro do novo paradigma que vive a sociedade atual, em nenhuma profissão pode-se deixar de estudar e de pensar, discutir, dialogar, experimentar. É preciso continuar aprendendo sempre. (VALLIN, 2003, p. 113)

Com a visão de que não é importante apenas estudar conteúdos específicos a um curso, mas também adquirir novos conhecimentos de mundo com o intuito de permanecer no mercado de trabalho, é possível falar em uma educação que estimule a autonomia durante o processo de aprendizagem. Essa autonomia se torna uma grande vantagem no ensino à distância, em que a auto-aprendizagem é um dos focos dessa modalidade de educação. Se o usuário ao longo do curso em EaD se tornar um auto-aprendente ele tem plenas condições de continuar seu aprendizado e se manter antenado às exigências da sociedade atual.

Com o padrão de respostas dadas pelos entrevistados nas questões fechadas, pôde-se perceber que eles consideram que o ensino à distância é um fator importante para a formação pessoal e profissional. Pode-se dizer que a qualificação profissional favorece a inserção no mercado de trabalho e, se aliada à interiorização de conhecimentos relacionados ao desenvolvimento pessoal, leva a um convívio social, embora competitivo, mais humanizador.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O presente estudo teve como objetivos analisar e compreender a contribuição da educação à distância para a formação pessoal e profissional. A relevância social do tema abordado abrange a importância de se fazer um curso superior e a necessidade da formação de pessoas para a vida em sociedade, bem como para o mercado de trabalho. A pesquisa trouxe contribuições relevantes para uma nova visão da importância da educação à distância na sociedade atual e contribuiu, também, para a minha formação enquanto pesquisador e adepto ao modelo de ensino à distância.


Durante a realização da pesquisa foi possível perceber que as inovações para o ensino trazidas pela Educação à Distância são notoriamente responsáveis pela quebra de muitos paradigmas da área educacional, que ainda é bem conservadora no Brasil. As principais delas estão relacionadas ao uso da tecnologia para a transmissão de conhecimento. Para muitos, educar através de um vídeo ou tela, sem um contato físico entre professor e aluno, não é válido. Porém, através da pesquisa, ficou comprovado que é possível disseminar uma educação de qualidade a partir do uso da tecnologia, desde que haja um comprometimento de todas as partes envolvidas no processo, seja o aluno, o professor e a instituição.

As dificuldades encontradas no decorrer da pesquisa estiveram relacionadas à falta de material para a socialização dos resultados e elaboração do artigo como um todo, sendo necessária uma busca minuciosa a fim de encontrar estudos que pudessem ser utilizados como base para este artigo. Contudo, estas dificuldades terminaram por propiciar a aquisição de uma grande gama de saberes, haja vista a necessidade da leitura de inúmeros estudos publicados e, o acesso a esses trabalhos aumentou o desejo de continuar a estudar sobre temas relacionados à educação à distância.

Como a temática faz parte de um cotidiano profissional, quando se deu início a pesquisa de campo surgiram novas ideias, com novos olhares para a elaboração do artigo, trazendo contribuições para o desenvolvimento do trabalho e aguçando o interesse em publicá-lo, bem como apresentá-lo a comunidade científica em congressos na área da educação. Como uma forma de dar continuidade a pesquisa é importante que novos estudos sejam realizados e que os resultados sejam disseminados, a fim de que o trabalho contribua para a expansão do ensino à distância.

A questão central se refere à contribuição dada pela Educação à Distância na formação pessoal e profissional. E como resposta a essa problemática, a partir dos depoimentos dados no questionário aplicado, pode-se concluir que o Ensino à Distância traz inúmeras contribuições, incluindo competências e habilidades essenciais para a vida de quem escolhe essa modalidade de ensino.

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini. Educação à Distância no Brasil: diretrizes políticas, fundamentos e práticas. In: _____ Fazenda, I. C. A. e Severino, A. J. Fórum Paulista de Formação de Educadores. Série Cidade Educativa, Campinas, SP, v. 3, p. 01-06, Papirus, 2003.

ABREU, Marlon F.; CORDEIRO, Rogério Avellar; RAPKIEWICZ, Clevi E.; CANELA, Maria C. Utilizando Objetos de aprendizagem no processo de Ensino e Aprendizagem de Química no Ensino Médio: o Caso dos Óxidos e da Poluição Atmosférica. Campos dos Goytacazes, RJ. UENF: 2006. Disponível em < http://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/909/895>. Acesso em: 10 dez. 2010.

ARAÚJO, Suely Trevisan; MALTEZ, Maria Gil Lopes. Educação a Distância: Retrospectiva Histórica. NEXOS: Estudos em comunicação/Universidade Anhembi Morumbi, ano 4, n° 7. São Paulo, Editora Anhembi Morumbi, 2000.

BECK, R. J. Learning Objects: What? Center for Internation Education. University of Winsconsin: Milwaukee, 2001. apud SAKAGUTI, Solange Tieko. Ambientes Virtuais de aprendizagem. Solange Tieko Sakaguti. Dourados: UNIGRAN, 2010, p. 53.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância/Maria Luiza Belloni – 5ª ed. – Campinas, SP: Autores associados, 2009 (Coleção educação contemporânea).

BRITO, Cristiane Vinholi. Tutoria Online. Cristiane Vinholi Brito. Dourados: UNIGRAN, 2010.

FERREIRA, Zuleika Nunes; MENDONÇA, Gilda Aquino de Araújo. O perfil do aluno de educação à distância no ambiente TELEDUC. In: _____ 13° Congresso Internacional de Educação à Distância, 2007, Curitiba, Paraná. Disponível em: < http://aveb.univap.br/opencms/opencms/sites/ve2007neo/pt-BR/imagens/27-06-07/Cognitivas/trabalho_101_gilda_anais.pdf> Acesso em: 10 dez. 2010.

FILHO, Raymundo Carlos Machado Ferreira; CONSOLI, Nilo César; PITHAN, Flávia Ataíde; FESTUGATO, Lucas. Produção de material educacional: objetos educacionais e padrão Dublin Core. In: _____ 11° Congresso Internacional de Educação à Distância, 2004, Salvador, Bahia. Disponível em: . Acesso em 10 dez. 2010.

HARPER, Willian, 1986, apud ARAÚJO, Suely Trevisan; MALTEZ, Maria Gil Lopes. Educação a Distância: Retrospectiva Histórica. NEXOS: Estudos em comunicação/Universidade Anhembi Morumbi, ano 4, n° 7. São Paulo, Editora Anhembi Morumbi, 2000.

PAN, Maria Cláudia de Oliveira. Leitura em suporte digital: Desafio para a EAD. In: _____ 12° Congresso Internacional de Educação à Distância, 2005, Florianópolis, Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2010.

PRADO, Maria Elisabette B. de Brito; ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Redesenhando Estratégias na Própria Ação: Formação do Professor a Distância em Ambiente Digital. In: _____ Educação a distância via internet / Celso Vallin... [et al]; Org.: José Armando Valente, Maria Elisabette B. Brito Prado, Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida. – São Paulo: Avercamp, 2003.

SANTOS, João Francisco Severo. Avaliação no Ensino à Distância. Revista Iberoamericana, Madri, Espanha, Número 38/4, p. 01, 2006 Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2010.

SOUZA, Saulo Aparecido de; REINERT, José Nilson. Avaliação de um curso de Ensino Superior através da satisfação/insatisfação discente. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 15, n. 1, p. 159-176, mar. 2010.

TAROUCO, Liane M. R.; FABRE, Marie C. J. M.; GRANDO, Anita R. S.; KONRATH, Mary L. P. Objetos de Aprendizagem para M-Learning. Florianópolis: SUCESU - Congresso Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação, 2004.

VALLIN, Celso. O desenvolvimento humano e a internet. In: _____ Educação a distância via internet / Celso Vallin... [et al]; Org.: José Armando Valente, Maria Elisabette B. Brito Prado, Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida. – São Paulo: Avercamp, 2003.

VINHOLI, Maria da Graça Gonçalves. Educação a distância. Maria da Graça Gonçalves Vinholi. Dourados: UNIGRAN, 2010.



* Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela UNIGRAN, professor da rede estadual e privada no ensino fundamental e médio do Município de Sonora-MS e tutor da UNIGRANet, polo de Sonora-MS.

** Doutora em Educação pela UNICAMP, professora da UNIGRAN presencial e à distância e orientadora do artigo.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal