EducaçÃo e vih/sida: um manual com programas de prevençÃo contra o vih/sida



Baixar 353.95 Kb.
Página1/4
Encontro24.07.2016
Tamanho353.95 Kb.
  1   2   3   4

EDUCAÇÃO E VIH/SIDA: UM MANUAL COM PROGRAMAS DE PREVENÇÃO CONTRA O VIH/SIDA



Capítulo 3:

Os Programas

Moçambique


Programa: Sumário

Action Aid (Auxílio em Acção): Programa Stepping Stones (Programa Pedras para Caminhar)

Action Aid utiliza a metodologia «Stepping Stones» para atingir comunidades em risco do VIH / SIDA. Isto ajuda a dar às comunidades competências e informação de modo a que possam dar resposta às suas próprias necessidades. Baseia-se nos seguintes princípios:



  • As melhores soluções são aquelas apresentadas pelo próprio povo.

  • Todos os homens e mulheres precisam do seu próprio espaço e tempo privados com os seus pares para explorar as suas próprias necessidades e preocupações sobre relacionamentos e saúde sexual.

  • A mudança de comportamento tem muito mais probabilidades de ser eficaz e sustentada se toda a comunidade estiver envolvida.

Portanto, a intenção global do programa é permitir aos indivíduos, aos seus pares e à comunidade no seu todo mudar o seu programa de modo individual e colectivo.

Na província de Maputo, os membros da comunidade que decidiram participar no programa encontram-se uma vez por semana para workshops Stepping Stones. Estão divididos em quatro grupos: mulheres jovens, mulheres mais velhas, homens jovens, homens mais velhos. Facilitadores devidamente treinados utilizam o Manual Stepping Stones como guia para discutir tópicos de interesse para a comunidade, tais como questões de género e culturais, relacionamentos e o VIH / SIDA. Através de teatro, canções, dança e outras actividades participativas, as questões são trazidas à atenção da comunidade e podem depois ser discutidas. Identificam-se os problemas e os membros do grupo apresentam soluções práticas, que são partilhadas com os outros grupos. No fim dos workshops, estabelece-se um compromisso com a comunidade, definindo mudanças que eles prometem implementar.

Este ano, se se tomar em consideração o efeito cascata do programa, calcula-se que 500,000 pessoas beneficiaram do programa. O custo estimado do programa é de US$0.30 por pessoa por ano. Concluiu-se que, das 16 cotas UNAIDS para programas eficientes, o programa conseguiu atingir com êxito 10 e parcialmente 4.




Action Aid:

Programa Stepping Stones

PARTE A: DESCRIÇÃO DO PROGRAMA

Fundamentos e Historial do Programa

Action Aid começou a trabalhar em Moçambique em 1988, durante a guerra civil. Foi-lhes pedido pelo governo de Moçambique que levassem a efeito trabalho de emergência na província da Zambézia, pois havia poucas ONGs em actividade naquela zona. Em 1994, o impacto de VIH / SIDA tinha-se tornado mais notável, e portanto Action Aid começou a introduzir programas de prevenção na Zambézia.

Em 1997, Action Aid alargou o seu trabalho aos distritos de Manhiça e Marracuene na província de Maputo. Mais uma vez, fizeram-no por haver muito poucas ONGs e agências de dadores a trabalhar naquela zona, e por haver pouco trabalho a ser realizado na prevenção contra VIH / SIDA naquela província.

Inicialmente, Action Aid treinou activistas e trabalhou com grupos culturais para disseminar mensagens de prevenção sobre as doenças sexualmente transmitidas (DSTs) nas comunidades através de actividades de dança, canções e teatro.

E
Para proporcionar o tempo e competências necessários para a comunidade lidar com os seus problemas, é necessário trabalhar por meio de uma progressão de temas. A comunidade precisa de começar por identificar e falar sobre os seus problemas. A seguir, têm que os analisar. E por fim, têm que apresentar soluções viáveis.

Gestor do Programa

m 1999, Action Aid introduziu a metodologia «Stepping Stones« no seu programa existente na Zambézia para ampliar o perfil

e a eficácia das actividades contra o VIH / SIDA.

O método «Stepping Stones» foi descoberto por

Alice Welbourne de Action Aid no Uganda.

Teve origem no reconhecimento dos

inconvenientes apresentados pelas abordagens

«ABC» (abstenção, fidelidade, preservativos) e

«informação = mudança de comportamento»

que tinham sido utilizadas até então.

O Stepping Stones tivera êxito noutros países

Africanos e portanto foi seleccionado e

adaptado para o tornar mais adequado a Moçambique.

A principal intenção do programa era explicar às comunidades o risco da infecção com o VIH e aumentar a sua capacidade de resposta a este risco. Foram identificados facilitadores da comunidade e treinados durante duas semanas nos métodos Stepping Stones. Durante os seus três primeiros meses de trabalho, Action Aid supervisionou-os e avaliou as suas capacidades.
Após as cheias de 2000, Action Aid começou a utilizar o método Stepping Stones nos distritos de Manhiça e Marracuene na província de Maputo. Achou-se que os métodos Stepping Stones ajudariam a reunir pessoas que tinham sido deslocadas das suas áreas pelas cheias.

Conduziu-se uma advocacia intensa, em especial junto de membros do governo e líderes das comunidades pois a sua total participação no programa era necessária. O programa foi avaliado em 2001 por um consultor externo e as limitações identificadas foram utilizadas para tornar a actual fase do programa mais relevante em relação às suas comunidades alvo.



De 1998 a 2001, o programa foi financiado principalmente pelo governo Britânico (Department for International Development [Departamento para o Desenvolvimento Internacional] [DFID]), a Fundação Elton John AIDS e a UNICEF. O programa tenciona continuar a decorrer pelo menos até 2006, altura em que termina a actual dotação. Será conduzida uma avaliação externa para se avaliar o impacto do programa Stepping Stones e se encontrarem áreas para melhoria.


1994 

  • Dotação de Action Aid.

  • Action Aid começa a lidar com o VIH / SIDA ma província da Zambézia treinando grupos culturais para fazer chegar mensagens sobre DSTs utilizando actividades envolvendo canções, dança e teatro.







1997 

  • Contratação de um coordenador para o VIH / SIDA a nível nacional,

  • Tradução do manual de Stepping Stones para Português,

  • Selecção e treino dos facilitadores comunitários,

  • Introdução da metodologia Stepping Stones na província da Zambézia,

  • Alargamento das actividades gerais para Marracuene e Manhiça na província de Maputo.







1999 

  • DFID patrocina actividades na província da Zambézia.

  • A Fundação Elton John AIDS patrocina todas as actividades nas províncias da Zambézia e Maputo.

  • Selecção e treino de facilitadores para a província de Maputo.

  • Encontros com os líderes comunitários para trabalhar na sensibilização e mobilização da comunidade.







2000 

  • Cheias nas áreas Sul e Centro do país. As actividades de emergência suplantam todas as outras actividades.

  • Introdução da metodologia Stepping Stones na província de Maputo.

  • Dotação da UNICEF para a província da Zambézia.







2001 

  • Avaliação conduzida por um consultor externo.

  • Dotação de DFID, Spanish Aid, Spanish Volunteers e UNICEF.







2003 

  • Alargamento ao distrito de Namaroi na província da Zambézia.

  • Discussões com a UNICEF sobre a possibilidade de alargamento à província de Manica para trabalhar em três distritos.

  • Avançando para a utilização de mais membros voluntários da comunidade como facilitadores.

Figura 1. Cronologia dos Principais Eventos do Programa
Vista Global do Programa
Intenção

A intenção do programa é ajudar indivíduos e a comunidade no seu todo a combater os problemas com que defrontam, incluindo os de VIH / SIDA. Ensina-os a tomarem decisões informadas, bem como a comportarem-se de um modo responsável e mudarem comportamentos, tanto individualmente como no seu conjunto como comunidade.


Objectivos

De acordo com o coordenador do programa, os objectivos do programa são



  • contribuir para a redução da vulnerabilidade individual e em grupo à infecção pelo VIH,

  • reduzir o impacto da SIDA através de uma maior compreensão da comunidade sobre os riscos de infecção e do aumento da sua capacidade para responderem com eficácia,

  • contribuir para a criação de um ambiente positivo para apoiar as pessoas que vivem com o VIH / SIDA e as suas famílias e

  • encorajar as pessoas que vivem com o VIH / SIDA a envolverem-se no desenvolvimento e na implementação de programas de prevenção e de cuidados para o VIH / SIDA.


Grupos Alvo
Grupo Alvo Primário

O Programa Stepping Stones é dirigido principalmente a pessoas na comunidade que assistem aos workshops dos programas especializados. De um modo ideal, isto significaria todas as mulheres e homens da comunidade, mas na prática, só cerca de 40 mulheres e 40 homens frequentam os workshops.




Iremos falar sobre a prevenção de VIH / SIDA, mas não iremos dizer à comunidade para utilizar preservativos. Em vez disso, apresentamos e discutimos as vantagens e desvantagens da utilização do preservativo e depois deixamos que seja a comunidade a decidir o que é adequado para ela.

Gestor do programa




Grupo Alvo Secundário

O grupo alvo secundário inclui as pessoas na

comunidade que não participam nos workshops

mas que ouvem falar das questões através

dos seus vizinhos e amigos que frequentam os

workshops. O programa Stepping Stones tenta

chegar a toda a comunidade.
Sítio

Os workshops Stepping Stones têm lugar nos

locais de reunião da comunidade. Estes são

frequentemente no centro da comunidade, debaixo das árvores.


Duração do Programa

Na província de Maputo, os workshops realizam-se uma vez por semana durante um período de quatro meses. (Na província da Zambézia , os workshops realizam-se todos os dias durante um mês em cada uma das comunidades.) Cerca de 40 homens e 40 mulheres frequentam os workshops e cada workshop dura cerca de duas horas. Três a seis meses após o fim dos workshops, Action Aid realiza sessões de retroalimentação de informações (discussões com membros da comunidade que frequentaram os workshops) para ver como é que a comunidade está a reagir. Se houver problemas, conversam com a comunidade para tentar encontrar soluções.



Metas do Programa

A Figura 2 mostra o modo como o coordenador do programa ordenou as metas do programa. Os implementadores do programa concordaram com os objectivos e afirmaram que o principal enfoque do programa deveria ser a mudança do comportamento através de discussões de grupo.



Abordagens do Programa

Como o programa possui uma abordagem holística no que respeita à prevenção e alívio do VIH / SIDA, é impossível ordenar as abordagens por ordem de importância. O conceito subjacente de Stepping Stones é permitir às comunidades que explorem os seus problemas e negoceiem soluções; estas competências são consideradas essenciais para uma mudança comportamental sustentada. Encorajam-se as pessoas a aprender das suas experiências e a examinar as suas necessidades e prioridades. Um aspecto importante do programa Stepping Stones é que trabalha em grupos de pares do mesmo sexo e da mesma idade, retirados da comunidade em vez de se concentrar em grupos de risco individuais ou segregados. Encoraja-se a comunidade a responsabilizar-se por si própria e o programa tenta equipá-la com as necessárias competências e informação para permitir fazê-lo.



Actividades

Utilizam-se actividades diferentes de acordo com o tema do workshop e das directrizes retiradas de um manual de actividades pormenorizado (Consulte «Materiais para o Programa» na Parte B).

Os facilitadores muitas vezes utilizam actividades que envolvem a participação de todo o grupo pois estas parecem ser mais agradáveis e concederem mais poder aos membros da comunidade. Por exemplo, a representação tem a vantagem de atrair pessoas que normalmente não estão envolvidas nos workshops e se mostram eficazes a animar uma discussão. Uma representação em que uma pessoa faça sexo e que depois tenha dores, pode fazer disparar uma discussão sobre DST e os seus sintomas. Muitas vezes isto conduz a discussões sobre maneiras de evitar DSTs.

Mudança de Comportamento


Promoção de um comportamento sexual saudável
Promoção de relacionamentos saudáveis
Discussão de questões sobre género
Discussão de questões culturais
Prevenção de DSTs
Prevenção do VIH / Sida
Abstinência
Figura 2. Metas do Programa Ordenadas por Importância Crescente pelo

Gestor do programa

_________________________________________________

Competências de Vida
Como se conhecer a si próprio e aos outros
Como respeitar os direitos individuais
Competências de Comunicação
Competências de Negociação
Como aprender a ser responsável
Como adquirir a auto-estima
Mobilização da comunidade
Figura 3. Abordagens ao Programa Por Ordenar
Discussões em grupo
Representação
Cantar e dançar
Jogos
Cassetes de vídeo
Figura 4. Actividades do Programa Por Ordenar
Componentes

O programa é constituído por um componente principal, os workshops com a comunidade, que se discutem a seguir:

Num local e a uma hora acordados entre os membros da comunidade e os facilitadores, cada uma das comunidades realiza um workshop uma vez por semana. Quando os facilitadores chegam, iniciam todas as sessões com um breve cumprimento. Se houver visitantes, os participantes dão-lhes as boas vindas com uma canção e uma dança. A comunidade depois divide-se em quatro grupos:


  • mulheres jovens,

  • mulheres mais velhas,

  • homens jovens,

  • homens mais velhos.

Um ou dois dos facilitadores são destacados para cada um dos quatro grupos. É importante notar que os facilitadores têm uma idade semelhante e são do mesmo sexo que o grupo com que estão a trabalhar. Dão início à sessão fazendo uma revisão do trabalho que foi realizado na semana anterior. Depois dá-se ao grupo a oportunidade de reflectir e fazer perguntas. Depois de se certificar que não há mais perguntas nem mal-entendidos, é introduzido o tópico da semana em curso, retirado do manual Stepping Stones. São utilizadas diversas abordagens (descritas acima) para uma reflexão sobre o tópico da semana, que a seguir é discutido em grupo. Todos os grupos discutem os mesmos tópicos. Os tópicos compreendem



  • Género

  • Questões culturais

  • Relacionamentos

  • Sexualidade / Educação sobre o VIH / SIDA

  • Abstinência

  • Educação sobre Contraceptivos

  • Comportamento moral e valores sociais

  • Como respeitar os direitos individuais

  • Auto-eficácia e auto-estima

  • Desenvolvimento de competências comportamentais e de vida

  • Serviços de saúde reprodutiva e sexual / acesso à informação

  • Acesso a preservativos

Os grupos trabalham em separado durante a maior parte do tempo para garantir que todos têm um espaço seguro, de apoio, para falar sobre questões íntimas. No entanto, os quatro grupos reúnem-se num só grupo de 4 em 4 ou de 6 em 6 semanas para partilhar conhecimentos. Os facilitadores também se reúnem uns com os outros uma vez por semana para discutir quaisquer problemas ou dificuldades nos seus respectivos grupos e para planear as actividades da semana seguinte.


O
Gostamos das discussões

em grupo pois as perguntas

obtêm respostas imediatas.

Implementadores e

participantes no Programa

s workshops semanais terminam ao fim de quatro meses. No último workshop, cada um dos grupos apresenta um pedido especial e um plano de acção para toda a comunidade. A comunidade discute os pedidos e decide se eles são ou não aceites. Para aqueles que são aceites, elege-se uma comissão para implementar o plano de acção e acompanhar o seu progresso.

Os facilitadores depois regressam às comunidades a intervalos de três a seis meses para conduzir sessões de retroalimentação de informações, avaliar se os pedidos estão a ser implementados e analisar de um modo informal, se uma mudança comportamental se realizou. Sempre que os pedidos não sejam honrados, Action Aid realiza uma reunião com alguns representantes da comunidade para descobrir qual é o principal problema e discutir maneiras de resolver esse problema



Estudo de casos : Um Workshop na Manhiça
Depois de se cumprimentarem uns aos outros, os membros do workshop dividiram-se em quatro grupos. No grupo das mulheres mais velhas, o facilitador iniciou a sessão discutindo o workshop da semana anterior e as suas consequências no comportamento de cada um. Voltaram-se então para o tópico da semana e deram início com uma representação.

Na representação, duas mulheres jovens decidem faltar à escola e em vez disso divertirem-se noutro local da cidade. Vão a um bar, onde bebem álcool e onde uma delas tenta roubar outra pessoa. Chamam a polícia. Perseguem as jovens e uma delas cai e magoa-se.

Quando as jovens chegam a casa, a mãe pergunta-lhes por que é que uma delas está ferida. Elas mentem e dizem que caíram na escola. A mãe diz que alguém lhe disse que elas tinham sido vistas a ser perseguidas pela polícia e então a jovem confessa e conta à mãe que tinham estado a beber.

Depois da representação, os participantes discutem as razões para o comportamento das jovens. As mulheres mais velhas dizem que acham que é difícil conversar com, ou controlar os filhos. Acham que os professores deviam falar com eles sobre faltar à escola. Orientados pelo facilitador, falaram também sobre o modo como comunicar com adolescentes e se envolverem na vida dos filhos, dentro e fora da escola. A sessão terminou com perguntas aos participantes, sobre maneiras de melhorar a comunicação com a família para serem discutidas na semana seguinte.

_________________________________________________


PARTE B: IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA

Avaliação das Necessidades

E


As representações são eficazes por que envolvem uma enorme variedade da assistência.

Gestor do programa

m 1997, Action Aid conduziu uma Apreciação Rural

Participativa para observar questões que afectam

a comunidade, tais como o conhecimento de VIH / SIDA,

nível educacional e actividades e tarefas do dia a dia.

Concluíram que se sabia muito pouco sobre o

VIH / SIDA e como o evitar e que a percepção

da comunidade sobre género e relacionamentos poderia

aumentar as possibilidades de infecção de VIH. No entanto, por causa de transferências de pessoal e mudança de escritório, não houve mais qualquer outra informação disponível.


Materiais para o Programa

O programa Stepping Stones baseia-se no manual e vídeo preparados por Alice Welbourne de Action Aid Uganda. Levou três meses a traduzir este manual para Português e um mês para o imprimir e distribuir. O manual está actualmente a sofrer novas adaptações: Nomes de pessoas, locais e estórias estão a ser mudadas para reflectir o contexto Moçambicano. A comunidade e os membros do workshop estão activamente envolvidos neste processo, explicando quais são as partes do livro que são menos adequadas para Moçambique e sugerindo alternativas.

O manual Stepping Stones é um pacote de treino sobre competências de comunicação e relacionamentos de VIH / SIDA. Embora o manual não apresente soluções, ajuda as comunidades a desenvolver as suas próprias soluções para os seus próprios problemas e preocupações.

H


Pede-se a toda a comunidade que participe nos workshops. São divididos em quatro grupos de modo que se sintam mais livres para falar uns com os outros. Isto ajuda cada um dos grupos de pares a ligar-se entre si e cria uma atmosfera segura, amigável, em que se podem explorar questões sensíveis. A situação ideal é que os facilitadores venham da mesma comunidade que os participantes.

Gestor do programa

á cópias do manual e do vídeo disponíveis. Por favor consulte «Materiais Disponíveis» no final deste capítulo.
Materiais para o Grupo Alvo

O facilitador utiliza o manual Stepping Stones durante os workshops. Este manual incide sobre questões sociais tais como género, cultura e relacionamentos e relaciona-os com a saúde reprodutiva e sexual. O manual pode ser dividido em três secções.


Secção Um

A primeira secção incide sobre exercícios para desenvolver a cooperação e comunicação de grupo que ajuda os participantes a reconhecer as suas próprias perspectivas e necessidades. O participante explora factos e sentimentos sobre relacionamentos, prevenção de infecção pelo VIH e sexo mais seguro. Cada um dos grupos de homens e mulheres tem a oportunidade de avaliar as suas prioridades sobre saúde sexual e vida familiar, no contexto de uma maior compreensão da sua potencial vulnerabilidade ao VIH.


Secção Dois

A segunda secção procura ajudar os participantes a analisar o comportamento e atitudes individuais e identificar as influências que os moldam. Examinam-se as expectativas da sociedade sobre os homens e mulheres (papéis de cada género), que são muitas vezes ligados intimamente a tradições culturais. Outras influências, tais como as pressões económicas para ganhar a vida (a necessidade de dinheiro), o uso e abuso de álcool ou drogas e a personalidade das pessoas, também são analisados com alguma profundidade.

O
As mulheres idosas perguntaram se podiam continuar a viver na aldeia depois dos maridos terem morrido, em vez de serem mandadas para as aldeias de onde são naturais. As jovens pediram aos homens para deixarem de as perseguir e de exigir sexo, para que elas pudessem terminar a escolaridade.

Grupos de mulheres jovens e mais velhas
facto de se envolverem homens nesta reflexão é a chave para transformar as relações entre géneros e práticas nocivas. Os participantes - tanto homens como mulheres - avaliam por si próprios as vantagens e desvantagens dos relacionamentos e práticas correntes, bem como os factores que as influenciam. Por exemplo, as tradições culturais que envolvem herdar mulheres, poligamia, ritos de iniciação e de purificação são utilizados para reflexão. Os membros da comunidades são encorajados a questionar por si próprios as vantagens destas práticas, os riscos envolvidos e as alternativas que podem ser imaginadas.
Secção Três

A secção final ajuda os participantes a pensar e a colocar em prática formas pelas quais se podem modificar os comportamentos de modo que se tornem mais assertivos e a responsabilizarem-se por acções pessoais e que envolvam toda a comunidade. O modo como sustentar um comportamento mais assertivo também foi discutido.

O processo culmina com um pedido especial de cada um dos grupos de pares a toda a comunidade, apresentado sob a forma de uma representação, para ilustrar a mudança que cada um dos grupos vê como a sua prioridade máxima. Como estes pedidos são feitos de modo colectivo, num fórum comunitário, são mais eficazes do que se fossem feitos por um indivíduo.
Materiais para Treino do Pessoal

O manual Stepping Stones também é utilizado para dar instrução aos formadores e aos facilitadores pois é o instrumento primário para conduzir os workshops.


S
Gostaria de ver fotografias das doenças de que falamos, tais como o VIH/ SIDA e outras DSTs, para saber qual é o seu aspecto.

Participante no Programa
elecção e Treino do Pessoal

Todo os pessoal recebe treino. Os métodos de

selecção do pessoal podem modificar-se com o tempo;

no entanto, o programa de treino que o pessoal recebe

mantém-se constante. O treino é realizado utilizando

a abordagem em cascata.


Treino dos Formadores

Duas pessoas do Instituto de Comunicação Social, sediado em Maputo, receberam treino na metodologia Stepping Stones no Zimbabwe. Este treino foi conduzido por SANASO (Southern Africa AIDS Network), uma rede de VIH / SIDA para a África Austral, sediada em Harare, Zimbabwe.


Formadores de Facilitadores

  • São dois consultores, um homem e uma mulher.

  • Receberam treino na metodologia Stepping Stones através do instrutor dos formadores. Durante o treino, os participantes são muitas vezes separados por sexo.

  • O treino dura duas semanas.

  • O
    [o mundo OK

    ou: trabalho?]

    treino inclui a familiarização com o manual Stepping Stonesa e estratégias para utilizar numa determinada gama de situações apresentadas. Recebem também treino em comunicação interpessoal e em como ser sensíveis ao ambiente da comunidade.



Facilitadores

  • Habitualmente, existem oito facilitadores (quatro mulheres, quatro homens) por cada quatro comunidades. Têm que pertencer a uma destas comunidades.

  • O
    O nosso trabalho seria mais fácil se tivéssemos livros ilustrados, para que, sempre que falamos sobre sexualidade, pudéssemos indicar os órgãos de reprodução femininos e masculinos para mostrar as alterações que se estão a realizar.

    Implementadores do Programa
    s facilitadores são escolhidos pelos líderes das

aldeias.

  • Os facilitadores são seleccionados para participar

no programa com base na sua capacidade para ler

e escrever Português e a língua local, conhecimentos

de saúde reprodutiva, uma atitude aberta,

capacidade para ouvir e para comunicarem

abertamente no meio ambiente da comunidade,

capacidade para falarem abertamente sobre

questões de relacionamentos e de sexualidade,

capacidade para trabalharem em equipa e vontade de modificar o seu próprio comportamento para actuarem como modelos.



  • Os facilitadores recebem treino durante duas semanas pelos formadores de facilitadores.

  • O treino compreende familiarização com o manual Stepping Stones, Recebem também treino em modos de ajudar as pessoas a comunicar, para que possam discutir os seus problemas e identificar soluções.

  • Os facilitadores recebem treino de actualização uma vez por ano.


Como Instalar o Programa

Antes de se instalar o programa, realizou-se uma reunião com os agentes de saúde distritais e provinciais para se obter a concordância do governo e procurar saber se havia qualquer distrito ou comunidade que o governo achasse que devia receber maior atenção da organização. Realizaram-se também reuniões com os líderes da comunidade para explicar o programa e obter o seu apoio.


Como instalar um Workshop

  • As Apreciações Rurais Participativas são utilizadas para decidir quis as comunidades que estão mais carenciadas. Habitualmente, Action Aid começa com uma comunidade e depois alarga o número de comunidades atingidas, à medida que os facilitadores se familiarizam com o trabalho.

  • Os facilitadores são seleccionados e treinados e estabelecem-se os primeiros workshops.

  • Os workshops são publicitados a toda a comunidade através de assembleias comunitárias, conversas com pessoas em reuniões e de boca em boca.

  • Os membros da comunidade que decidem participar são divididos em grupos, de acordo com a sua idade e género.

  • Os facilitadores reúnem uns com os outros uma vez por semana para discutir o curriculum e as actividades dos workshops.

  • Reúnem uma vez por mês com o auxiliar do Programa Action Aid.


Recursos do Programa

P


Um dos maiores pontos fracos do programa é o treino. É difícil implementar e sustentar por duas razões principais. Primeiro, pouca população rural fala Português e os facilitadores só raramente falam ou escrevem as línguas locais. Segundo, os níveis de literacia são muito baixos nas zonas rurais e portanto é difícil utilizar o manual com eficácia.

Ex-coordenador VIH / SIDA

ara além do manual Stepping Stones, os materiais utilizados nos workshops incluem canetas, papel e marcadores. Estes são enviados pela sede para os escritórios de Action Aid nas províncias. Os facilitadores levam os materiais para os locais onde se realizam os workshops. Na prática, muitas vezes os materiais de referência são guardados na sede, o que os torna difíceis de obter. O projecto não possui um centro de recursos onde os facilitadores possam obter materiais para o seu trabalho. Portanto, os facilitadores utilizam o manual Stepping Stones como seu recurso principal.

Advocacia

Os Ministérios provinciais da Educação e da Saúde são mantidos informados sobre o programa de Action Aid na comunidade por meio de discussões e da apresentação de planos de acção e propostas. A nível distrital, o administrador é informado sobre o programa através de reuniões mensais ou trimestrais no seu escritório e por vezes o administrador distrital é convidado a assistir a reuniões.

Na Província da Zambézia, os Ministros da Educação e da Saúde participaram em workshops de formação de formadores. Isto foi feito para os encorajar a supervisionar os facilitadores de Stepping Stones ao nível comunitário. No entanto, e em virtude da carga horária do pessoal do ministério e da falta de fundos para apoiar esta supervisão, tal não aconteceu.

O programa Stepping Stones baseia-se na advocacia pois tem como objectivo a mudança na comunidade através da discussão. O apoio dos líderes comunitários é considerado crucial. Action Aid discute o programa com eles para que eles possam garantir o seu apoio. Os líderes da comunidade convocam a primeira reunião e apresentam a organização à comunidade. São também encorajados a assistir aos workshops para instigar os outros a ir.


Financiamento do Programa

Têm sido recebidas dotações de Action Aid (1997, 1999), DFID (1999, 2001), da Fundação Elton John (2000), Spanish Aid (2001), Spanish Volunteers (2001) e UNICEF (2001). A Tabela 1 resume o modo como as dotações foram utilizadas.

Houve cerca de 500.000 beneficiários adultos durante o ano passado. Admitindo que haverá o mesmo número de beneficiários todos os anos, o custo médio por ano por pessoa será de cerca US$0.30 (597,000/[500,000*4]).


Tabela 1. Custos do Programa
Gasto em Custo em US$*

Manual (Produção e adaptação)

33.000

Treino de formadores

22.000

Treino de Actualização

7.000

Treino de Facilitadores

90.000

Workshops comunitários

60.000

Supervisão a nível provincial e nacional

15.000

Trabalho em rede e reuniões provinciais

8.000

Salário e custos de suporte




Coordenadores Stepping Stones

160.000

Dois veículos (Maputo e Zambézia)

60.000

Duas motos (Maputo e Zambézia)

16.000

Suporte logístico e administrativo

30.000

Equipamento informático e de escritório

6.000

Monitorização e avaliação

20.000

Total

597.000

* Custos durante um período de quatro anos






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal