EducaçÃo nutricional para pré-escolares da associaçÃo creche madre alix



Baixar 48.03 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho48.03 Kb.

Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI

ISSN 1809-1636





EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DA ASSOCIAÇÃO CRECHE MADRE ALIX
Nutrition education for preschoolers of Nursery Association Madre Alix
Cristina SALVI1

Giovana Cristina CENI2

RESUMO

Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para a formação de hábitos alimentares saudáveis desde a infância, mas pouco se conhece a respeito de ações que promovam alimentação saudável nas escolas e outras instituições de ensino. Este conhecimento é essencial para aperfeiçoar e/ou criar estratégias pedagógicas e políticas de promoção e prevenção da saúde. Dentro do exposto, o presente estudo teve como objetivo a realização de educação nutricional com pré-escolares através de métodos lúdico-pedagógicos. Participaram do trabalho aproximadamente 25 crianças com idades entre 3 a 5 anos, da Associação Creche Madre Alix, no município de Erechim/RS. A cada encontro as crianças eram incentivadas a participar de atividades de cunho lúdico que envolviam histórias infantis, atividades artísticas, teatros, jogos e músicas relacionadas à alimentação e nutrição. As atividades foram realizadas quinzenalmente, com duração de um semestre. Estas proporcionaram as crianças maior interação com os alimentos, assimilação de novos conceitos, resultando assim, num aprendizado contínuo e sequencial sobre nutrição e alimentação. A educação nutricional é um processo de aprendizagem em que os envolvidos podem aprender e se comprometer com uma alimentação adequada, que proporciona melhor condição de saúde e está diretamente ligada à redução da incidência de doenças na idade adulta.


Palavras-chave: Educação nutricional; Pré-escolares; Nutrição.

ABSTRACT

Much has been spoken about the importance of nutrition education in institutions of education to form healthy eating habits from childhood, but little is known about the actions that promote healthy eating in schools and other institutions. This knowledge is essential to improve and / or develop strategies and educational policies for health promotion and prevention. In the foregoing, the present study was aimed at the implementation of nutrition education with preschool children through entertainment-education methods. Participated in the work of approximately 25 children aged 3 to 5 years, the Association Nursery Madre Alix in the municipality of Erechim - RS. At each meeting the children were encouraged to participate in activities involving playful nature of children's stories, art activities, theater, music and games related to food and nutrition. The activities were carried out fortnightly, lasting for one semester. They provided the children greater interaction with food, assimilation of new concepts, thus resulting in a sequential and continuous learning about nutrition and diet. The nutrition education is a learning process where they may learn and engage with adequate food, providing better health and condition is directly linked to reduced incidence of diseases in adulthood.


Key words: Nutritional education; Preschoolers; Nutrition.



Introdução
Tão antiga quanto a história humana é a história da alimentação. Determinante vital do ser humano, depois da respiração, a alimentação é a necessidade básica propulsora dos primeiros reflexos inteligentes para sobrevivência, manutenção e evolução da espécie (CASCUDO, 1983).

As preferências alimentares de cada um são forjadas desde a infância pelas sensações que são apresentadas e vivenciadas pela criança, através do tato, sabor e odor (CANESQUI e GARCIA, 2005), de suas consequências orgânicas e do contexto ambiental, familiar e social nos quais ocorrem essas experiências (RAMOS e STEIN, 2000).

As transformações sociais e econômicas ocorridas no Brasil nos últimos anos provocaram mudanças importantes no perfil de ocorrência de doenças de nossa população. Observa-se o consequente surgimento da obesidade e de doenças crônicas não-transmissíveis entre crianças, antes exclusivas da população adulta (WHO, 2003).

Neste mesmo sentido, a desnutrição na infância ainda constitui um grave problema enfrentado por sociedades em desenvolvimento, seja por sua elevada frequência, seja pelo amplo espectro de dados (MONTEIRO, 2000). Não há dúvidas que a associação da desnutrição em pré-escolares, nos países em que é prevalente, provoca atraso do desenvolvimento psicomotor, do ajustamento da linguagem e de aspectos psicossociais (CRAVIOTO, 1994).

O grande marco histórico da educação nutricional no Brasil ocorreu no ano de 2004, durante a II Conferência Nacional de Segurança Alimentar que determinou, dentre as prioridades de ação, “a promoção de modos de vida e alimentação saudável e ações de vigilância, alimentação e educação nutricional nas escolas, creches e cultura alimentar” (CONSEA, 2006), inserindo definitivamente as ações de educação nutricional nas escolas do Brasil, como método insubstituível de prevenção e promoção da saúde.

O conceito de educação nutricional é amplo e aparece elaborado na concepção de diferentes autores.

A educação nutricional é um “conjunto de estratégias sistematizadas para impulsionar a cultura e a valorização da alimentação, concebidas no reconhecimento da necessidade de respeitar, mas também de modificar, crenças, valores, atitudes, representações, práticas e relações sociais que se estabelecem em torno da alimentação, visando o acesso econômico e social de todo cidadão a uma alimentação quantitativa e qualitativamente adequada, que atenda aos objetivos de saúde, prazer e convívio social (BOOG, 1997, p.7).

O nutricionista, enquanto profissional competente para realizar projetos e ações de educação nutricional (CFN, 2005), deve considerar a percepção, o conhecimento, as necessidades e as habilidades que estruturam o comportamento alimentar das pessoas, visando à compreensão dos processos de construção de seus significados e representações, em uma relação de parceria com as mesmas para obter sucesso na promoção de práticas de alimentação saudáveis.

Dessa forma, toda e qualquer atividade em educação nutricional que seja aplicada a crianças, principalmente as da fase pré-escolar, deve ser desenvolvida conforme as características individuais do grupo e suas capacidades multifatoriais, isto é, cognitiva, psico-motora, afetiva, dentre outras.

Dentro do descrito, observa-se que a escola é o ambiente mais favorável para desenvolver estratégias de educação nutricional, pois além de atender aos escolares, pode envolver a família e a comunidade. Além disso, intervenções na escola apresentam uma das melhores relações custo-efetividade e são meios sustentáveis para promover práticas saudáveis (UNICEF, 2000). Isto implicará na formação de novos conhecimentos que possam ser efetuados de maneira conjunta, grupal e socializadora.

Neste contexto, o presente trabalho teve como objetivo aplicar métodos lúdico-pedagógicos em educação nutricional para pré-escolares da Associação Creche Madre Alix no município de Erechim/RS, proporcionando aos mesmos a aquisição de hábitos alimentares saudáveis que repercutam por toda a vida.

Metodologia
As atividades em educação nutricional foram realizadas na Associação Creche Madre Alix, na cidade de Erechim/RS. Este trabalho foi desenvolvido no segundo semestre de 2008. Participaram das atividades aproximadamente 25 pré-escolares entre 3 a 5 anos de idade, de ambos os sexos.

Na primeira etapa, para o desenvolvimento do trabalho, foi realizado visita à Creche com o objetivo de observar e avaliar o contexto social das crianças, bem como seus conhecimentos referentes à nutrição. Pode-se também, observar o espaço físico e organizar os horários disponíveis para a realização das atividades.

A partir disto pode-se iniciar a seleção das atividades e suas respectivas metodologias. Este trabalho foi efetuado por meio de livros, revistas e pesquisa em meio eletrônico. Após, foram elaborados os materiais necessários para o desenvolvimento das atividades. Para tanto, foram utilizados materiais de papelaria e armarinho, bem como, material reciclado; e estes produzidos manualmente.

A cada encontro delimitou-se um tema com enfoque em nutrição e alimentação, observando também, a reação das crianças aos novos estímulos, suas maiores dificuldades e suas preferências.

Iniciaram-se as atividades com a exposição da história infantil “O sanduíche da Maricota” escrito por Avelino Guedes (1991). Esta teve como metodologia a utilização do álbum seriado, isto é, ilustrações aumentadas dos personagens da história. Conforme o narrador contava a história apresentava às crianças as imagens montando-as sequencialmente no quadro-negro.

Após diálogo e interação com as crianças sobre a história infantil que abordava as preferências alimentares individuais, iniciou-se a elaboração de uma atividade artística que envolvia pintura, recorte e colagem. Os trabalhos individuais foram expostos em sala de aula para que todos os colegas pudessem observar.

No segundo encontro, foram apresentados desenhos de algumas frutas (as mais consumidas em nossa região). A cada apresentação, os pré-escolares eram estimulados a interagir, respondendo a perguntas como: Qual é a cor da fruta? Como podemos consumi-la? Quem gosta de comer esta fruta? Quando podemos come-la? Quantas letras tem o nome dessa fruta? Também se solicitava que dissessem o nome da fruta com a voz bem alta, bem baixinho, como um urso bravo, como uma formiguinha; entre outras.

Após este momento, foi passado a cada criança a “Caixa Surpresa”, nela continha uma fruta. Cada criança colocou a mão dentro da caixa surpresa e somente com o tato deveria descobrir qual era o alimento. Após todos participarem da atividade, em conjunto relataram o que sentiram e qual era a fruta. Feita a descoberta, a fruta foi retirada da caixa e pôde ser observada por todos, observando suas características gerais. Para encerrar as crianças receberam uma amostra da fruta para degustar.

Seguindo a proposta, no terceiro encontro foi abordado o tema: Vegetais. Os pré-escolares foram convidados a participar de um teatro de fantoches que apresentava a adaptação da história infantil “O grande Rabanete” de autoria de Tatiana Belinki (1993), que então passou a se titular “A grande beterraba”.

Para complementar a temática, cada criança recebeu um desenho de um vegetal. As mesmas deveriam colorir, recortar e colar em um cartaz na forma de uma cesta, titulado como “O universo dos vegetais”. Após, fez-se em breve comentário sobre cada um dos vegetais.

No quarto encontro foi narrada a história infantil “A Cesta da Dona Maricota”, de autoria de Tatiana Belinki (2007). Com as crianças disposta em um pequeno círculo ao chão, a narradora expôs a história interagindo ativamente com as mesmas. Para finalizar este encontro, as crianças foram convidadas a produzir um suco de laranja com cenoura, onde as mesmas auxiliaram no preparo e puderam degustar juntamente com o lanche oferecido pela instituição.

Por fim, no último encontro, as crianças foram divididas em três grupos e divertiram-se com os jogos da memória, das frutas e dos vegetais. Após foi entregue a cada pré-escolar uma caixinha com morangos e amoras como lembrança de Natal.



Resultados e Discussão
Na educação infantil o ato de brincar é utilizado como ponto de partida para uma forma prazerosa de aprender. Portanto, é este ato de liberdade que proporciona a construção de conhecimento, que é adquirido através da ludicidade ativa e pela troca de idéias.

As atividades lúdico-pedagógicas em educação nutricional, realizadas com os pré-escolares, primeiramente, atenderam a um princípio, o da ludicidade. As reformulações ocorridas por ocasião da promulgação da Nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996) resultam em modificações substanciais na educação brasileira. O uso de atividades lúdicas como estratégias para a construção do conhecimento arregimenta uma nova postura existencial, cujo paradigma é um novo sistema de aprender brincando, inspirado numa concepção de educação para além da instrução (MONTEIRO et al., 2008).

Desta forma, a utilização de processos lúdicos para a construção da aprendizagem em alimentação e nutrição, faz-se mais efetivo e com melhores resultados que demais atividades. Sabendo que com essa forma de aprendizagem as crianças estão cada vez mais atenciosas e curiosas na busca de novas vivências e experiências.

Por meio das atividades desenvolvidas pode-se observar que as crianças na fase pré-escolar estão aptas para receber informações sobre alimentação e nutrição. É nesta fase da vida que as crianças apresentam maior facilidade em assimilar conceitos, aprendem a conhecer a si própria, as normas sociais de comportamento inclusive o alimentar.

Além disso, os pré-escolares apresentam maior interesse por nutrição e alimentação, gostam de ajudar na escolha dos alimentos mostrando sua independência, apreciam participar do preparo e distribuição das refeições, aceitam facilmente novos alimentos e preparações diferenciadas.

Em todos os encontros pode-se observar claramente que as crianças apresentavam grande interesse em expressar suas vontades, gostos, hábitos, preferências e experiências alimentares. Interagiram expondo suas vivências, fazendo interrogações, buscando aperfeiçoar seus conhecimentos em nutrição. De forma geral, as novidades que eram apresentadas aos mesmos, eram também aceitas com entusiasmo, curiosidade, ânsia de ver, tocar, sentir e ouvir.

Seguindo esta perspectiva de promoção da saúde infantil, a lembrança oferecida às crianças no final das atividades, incentivou-as ao consumo de frutas mesmo nas festividades de Natal e final de ano. É habitual que nestas ocasiões, as pessoas se presenteiem com doces, isso é ainda maior quando se tratando do Natal. Por isso o objetivo foi demonstrar às mesmas que a adoção de hábitos alimentares saudáveis devem ser seguidos em qualquer época do ano.

Conforme os encontros eram realizados, observou-se que os alunos sentiam dificuldades em diferenciar grupos alimentares, principalmente em relação às frutas e verduras. Portanto, a partir disto, deu-se maior enfoque a esse conteúdo, aplicando atividades que fixassem nomes e características individuais destes alimentos.

Pode-se notar que o envolvimento na realização das atividades é diretamente influenciado pelo extrato social em que as crianças estão inseridas. Assim, observou-se que as mesmas apresentam dificuldade em recortar, ordenar, pronunciar e memorizar novos nomes. Um estudo realizado por Ramalho e Saunders, no ano de 2000, concluiu que o profissional de saúde ao sugerir qualquer intervenção na área alimentar deve ponderar os aspectos não apenas econômicos, mas também os culturais envolvidos, principalmente quando a proposta de intervenção envolve aspectos educativos.

Neste sentido, é de suma importância ressaltar que as atividades em educação nutricional não objetivam somente o ensino em nutrição, mas sim todo processo de formação física, motora e intelectual para essa fase da vida. Toda e qualquer atividade lúdica em educação nutricional envolve processos de construção de conhecimento em outras áreas, como leitura, artes, escrita, entre outras.

De acordo com relatos de professores da instituição, pode-se observar um significativo crescimento obtido pelas crianças com a realização destas atividades. Relatam que os pré-escolares sentiam-se ansiosos com a realização das atividades, comentavam com suas respectivas professoras o que haviam aprendido, exibiam os trabalhos artísticos produzidos e esperavam curiosos os próximos encontros.

Um trabalho de educação nutricional desenvolvidos com pré-escolares, relatado em Benetti et al. (2008), destaca o aumento progressivo de interesse pelos assuntos de alimentação e nutrição entre os participantes. As atividades de educação nutricional tornam-se estratégias de fundamental importância para o desenvolvimento da aprendizagem sobre nutrição, pois prendem a atenção do ouvinte e o faz interagir com os acontecimentos das atividades. Por meio da educação nutricional torna-se possível despertar a curiosidade e o interesse de pré-escolares pelos alimentos e da importância de cada um para a saúde humana.

No trabalho desenvolvido, notou-se que as crianças, além de interessadas pelo assunto, adquiriram novos conceitos e conhecimento sobre nutrição e alimentação e, conseqüentemente, levaram-nos para suas famílias.

Conclusão
A educação nutricional é um processo de aprendizagem em que os envolvidos podem aprender e se comprometer com uma alimentação adequada, e que proporciona melhores condições de saúde, estando diretamente ligado à redução da incidência de doenças na idade adulta.

Desta forma, conclui-se que a realização de atividades de cunho lúdico para crianças na fase pré-escolar resulta na formação de novos conhecimentos sobre nutrição e alimentação, influencia positivamente na construção e manutenção de hábitos alimentares saudáveis e pode reverter em benefícios diretos para melhoria da saúde das mesmas. Razões pelas quais destaca-se a relevância destas atividades extensionistas, proporcionando formas significativas de convívio e de aprendizagem às crianças.



Referências Bibliográficas
BELINKY, T. A cesta de Dona Maricota. São Paulo: Editora Paulinas, 2007.

BELINKY, T. O grande rabanete. São Paulo: Editora Moderna, 1990.

BENETTI, F.; BARBERINI, A.; WILK, R.L.; SPINELLI, R.B.; CENI, G.C. Educação Nutricional para Pré-Escolares em uma escola de Ensino Fundamental da Região Norte do Rio Grande do Sul, Revista Perspectiva, v.32, n.117, p.105-114, 2008

BOOG, M.C.F. Educação nutricional: passado, presente e futuro. Rev. Nutr., Campinas, v.10, n.1, p. 5-19, 1997.

CANESQUI, A.M.; GARCIA, R.W.D. Uma introdução á reflexão sobre a abordagem sociocultural da alimentação. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 9-19, 2005.

CASCUDO, L.C. Sociologia da alimentação. História da alimentação no Brasil. São Paulo: Ed. Da Universidade de São Paulo, 1983.

CFN – Conselho Federal de Nutricionistas. Resolução CFN N° 358/2005. Dispõem sobre as atribuições do Nutricionista no ámbito do Programa de Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. Brasília, DF, 2005.

CRAVIOTO, J. Desnutrição e desenvolvimento mental. In: Nestlé nutrition services. A alimentação na infância e suas conseqüências em longo prazo, 1994.

CONSEA – Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Diretrizes para a promoção da alimentação adequada e saudável, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/consea/static/documentos/tema/alimentaçãoadequada/documentos.html. Acesso em: 02 dez. de 2006.

GUEDES, A. O sanduíche da Maricota. São Paulo: Editora Moderna, 1991.

MONTEIRO, E.A.A. et al. Resgate da concepção criativa e humanizada no processo pedagógico da educação nutricional. Revista Brasileira de Nutrição Clínica. n.2, v.23, p,51-5, 2008.

MONTEIRO, C.A.; CONDE, W.L. Tendência secular da desnutrição e da obesidade na infância na cidade de São Paulo. Revista de Saúde Pública. São Paulo, SP, v.34, n.6, p.52-61. 2000.

RAMALHO, R.A.; SAUNDERS, C. O papel da educação nutricional no combate às carências nutricionais. Revista de Nutrição. Campinas, SP, v.13, n.1, jan. 2000.

RAMOS, M,; STEIN, L.M. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. J. Pediatr., Rio de Janeiro, v.3, p. 229-37, 2000.

UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância. Relatório final do Fórum Mundial de Educação. Senegal, 2000. Disponível em: http://www.unicef.org/lifeskills/files/FreshDocument.pdf. Acesso em: 15 out. 2006.

WHO – World Health Organization. Global strategy on diet, physical activity and health. Geneva, 2003.




Recebido em agosto de 2009 e aprovado em outubro de 2009.

1 Acadêmica do Curso de Nutrição do Campus de Erechim da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI; cris.salvi@yahoo.com.br.

2 Orientadora e professora do Curso de Nutrição do Campus de Erechim da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI; joceni@uricer.edu.br.

Vivências. Vol.5, N.8: p.71-76, Outubro/2009



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal