El 654 b- didática Aplicada ao Ensino da Matemática



Baixar 21.12 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho21.12 Kb.
EL 654 B- Didática Aplicada ao Ensino da Matemática

Prof. Rosana Giaretta Sguerra Miskulin

Prof. Fabiana Fiorezi de Marco

Prof. Fernando Massucheto Jorge.


Grupo : Helen,Juliana,Vera , Valter . 07/08/2001
Trabalho: Texto : Didática Magna , autor : Comenius

Capítulo XVIII : Princípios em que se fundamenta a solidez no ensinar e no aprender.


Idéias principais e diagrama.


  1. Motivação : Lamentação : poucos saem da escola com instrução sólida, a maioria sai apenas com um verniz superficial.

  2. Duas causas: as escolas , ou os alunos .

  3. Remédio ? Analogia com a escola da natureza.

  4. Como:

    1. Se só forem estudados assuntos de inquestionável utilidade.

    2. E todos juntos, sem separação entre eles.

    3. Se a tudo forem atribuídos sólidos princípios.

    4. Se esses princípios forem muito aprofundados.

    5. Se tudo se apoiar nesses fundamentos.

    6. Se tudo o que precisar ser distinguido, for distinguido de modo bem claro

    7. Se tudo o que é posterior se fundamentar no que for anterior.

    8. Se tudo o que tiver relação for relacionado para sempre.

    9. Se a tudo for dada uma ordem que tenha relação com o intelecto, a memória e a língua.

    10. Se tudo for consolidado com exercícios constantes.

Princípios


Primeiro: A natureza não inicia nada que seja inútil.
Analogia com passarinho, não mistura características de outra espécie que não sejam necessárias.

Analogia com lavoura ,que não semeia exatamente os inimigos da lavoura , mas apenas boas sementes e plantas de boa qualidade.

Analogia com uma construção , apenas com bons materiais , sólidos e compactos.

Nas escolas , portanto : Estudar apenas o que tenha inquestionável utilidade nesta vida .

Coisas supérfluas ? Não perder tempo com elas. A escola tem a missão de ocupar os jovens só com coisas sérias.
Segundo: A natureza não deixa de lado nada do que sabe ser útil ao corpo em formação.

Enquanto forma o passarinho, nada é esquecido , que seja pertinente à essência do pássaro.

Ao formar o homem , então formem-no de maneira completa , para a vida e à eternidade.

Portanto , não só as letras,que refinam o intelecto, a língua e a mão do homem, para que ele possa contemplar, falar e obrar de modo racional em todas as coisas úteis , mas também a moral e a piedade.Nada pode ser esquecido se não for coerente em todas as suas partes.




Terceiro: A natureza nada faz que seja desprovido de fundamento ou raiz.

Analogia com as plantas. As raízes em primeiro lugar.

O arquiteto , o edifício sobre fundações bem sólidas.

O pintor, um fundo antes de pintar.

Aqueles que esquecem esse fundamento: Primeiro, tornam os estudantes atentos e obedientes; Segundo, falta dar antes uma idéia geral do ensino que pretende iniciar , o que será feito e o que se está fazendo.

Então : I- despertar um profundo amor nos estudantes.Pelo encanto, pela utilidade e importância.

II- Antes tratar o assunto em particular , para perceber desde o princípio os limites e os confins do assunto e também sua estrutura interna. Os fundamentos, o esqueleto.
Quarto: A natureza põe as raízes em lugar profundo.

No animal, os órgãos vitais ficam na parte mais interna do corpo.

Na árvore, quanto mais profundas tiver as raízes, mais firme será.
Quinto: A natureza produz tudo a partir da raiz , nada a partir de outro lugar.

Na árvore , suas partes provêm da raiz. Nos pássaros , as penas nascem das partes internas de seu corpo.

O arquiteto constrói tudo firme sobre as fundações e se sustentem sobre suas bases.

Ao abrir um poço se busca os veios de uma nascente , não a água de fora , nem a água da chuva.

Instruir não significa atulhar suas mentes com um amontoado de idéias dos outros , mas sim desenvolver o entendimento das coisas, a brotação de idéias , como na natureza.

Ser instruído não significa saber de cor as diferentes opiniões de muitos acerca de muitas coisas.

Homens ,deixemos de delongas e corramos em direção à meta!Se ela está bem fixa e clara para nós , por que não ir ao seu encontro por vias diretas?

O carpinteiro , só construindo mostra qual é o material que deve ser escolhido e usado e de que modo cada pedaço de madeira deve ser trabalhado no momento oportuno.

Prejuízos : I – A instrução de muitos , se reduz a pura nomenclatura , sabem recitar de cor os termos e as regras de cada arte , mas não sabem fazer uso apropriado delas.

II- Para ninguém a instrução é uma ciência universal e sustentável , não produz frutos duradouros.

É preciso ensinar aos homens que , na medida do possível , o saber não deve ser procurada nos livros, mas é preciso conhecer e observar as coisas em si, e não só as observações e o testemunho de outras pessoas sobre elas .


  1. Tudo deve ser deduzido dos princípios imutáveis das coisas.

  2. Tudo deve ser ensinado por demonstrações sensíveis e racionais.Não por autoridade.

  3. Nada deve ser ensinado apenas pelo método analítico, mas pelo sintético.

Sexto: Quanto maior o número de usos para os quais a natureza prepara alguma coisa, mais claramente ela os distingue.

Analogia com membros de um animal : mais articulações = maior é o número de movimentos diferentes que esse animal pode fazer.

Uma árvore que se expande com mais raízes e ramos é mais firme e bonita .

Para educar a juventude , é preciso fazer tudo sem confusão alguma , onde estão e o que estão fazendo, livros escolares sob os ensinamentos da luz natural.

Sétimo: A natureza está em progresso contínuo, e nunca pára nem inicia coisas novas abandonando as antigas, mas continua, desenvolve e conclui apenas as já iniciadas.

Cada parte do feto apenas é aperfeiçoada , uma árvore plantada não se desfaz dos primeiros galhos que lançou , mas alimenta-os para que possam emitir novos ramos.

Na escola: I – os estudos sucessivos sempre se baseiem nos precedentes, e estes sejam consolidados por aqueles.

II- Todas as coisas , bem recebidas pelo intelecto, devem ser fixadas na memória.

Nunca se deve deixar a memória repousar.Nada há que lhe dê tanto prazer e a faça crescer tanto quanto o esforço assíduo. Quanto mais sucos uma planta absorve, mais vigorosamente cresce; e quanto mais cresce , mais sucos absorve.


Oitavo:A natureza liga tudo com vínculos perpétuos.

A natureza , quando forma um pássaro , une membro a membro , osso a osso .Numa planta, o tronco nasce da raiz , os galhos do tronco , ..., haverá sempre uma única e mesma planta. Todas as outras coisas , grandes e pequenas , todas as partes bem interligadas e coesas para constituírem uma planta , uma casa , um pássaro .



  1. Os estudos de toda a vida devem estar dispostos de tal modo que formem uma única enciclopédia, em que tudo nasça de uma raiz comum e fique em seu devido lugar.

  2. Tudo o que se ensina deve ser consolidado por razões que não permitam dúvidas nem esquecimentos.

As razões são chaves , que deixam tudo bem firme e não permitem que nada vascile ou caia.
Nono: A natureza conserva uma justa proporção entre a raiz e os galhos, no que respeita à quantidade e à qualidade.

Na natureza , tudo com a justa proporção , na árvore , tanto para baixo (raiz) como para cima ( galhos e frutos ) , nem mais nem menos, com o desenvolvimento da base , o mesmo se dá com a outra parte.



Na instrução : tudo o que for ensinado para ser entendido deverá ser ensinado também para ser expresso e feito , vale dizer , utilizado na prática e vice-versa.

  1. De tudo o que se aprenda, é preciso buscar logo a utilidade, para não aprender nada de útil.

  2. Que tudo o que for aprendido seja transmitido de um a outro para que nada seja conhecido em vão .

“ Teu saber nada é se outra pessoa não souber que tu sabes.”
Décimo:A natureza se revigora e fortalece com o movimento contínuo.

Na natureza ,ocorre o movimento , revirar de ovos ao chocar, o exercício das aves antes de voar , da solicitação da planta ao vento , granizo, chuva , relâmpago, que responde com raízes mais profundas e madeira mais forte.

A têmpera do aço , o ciclo de frio e calor , o mesmo com o arquiteto cuja obra deve ser enxugada e robustecida pelo sol e pelo vento.

Instrução , portanto , repetições e exercícios, ingestão de alimentos , sua transformação e sua digestão . Assimila uma parte do alimento .



  1. Procure e ingira o alimento do espírito.

  2. Uma vez encontrado e digerido esse alimento , rumine-o e transforme-º

  3. Uma vez transformado esse alimento, digira-o e transmita-o aos outros.

De três modos o aluno supera o mestre : perguntando muitas coisas, retendo-as e ensinando-as.


Perguntar: consultar o mestre, o condiscípulo ou os livros .

Reter : memória , as coisas conhecidas e entendidas , escreve-las.

Ensinar: repetir as coisas entendidas para os codiscípulos ou para qualquer pessoa que se encontre.
“Quem ensina os outros se instrui.”

“O estudioso que quiser fazer grandes progressos deverá procurar alunos, nem que seja para pagá-los a peso de ouro , ensinando-lhes todos os dias o que aprender.”




  1. O mestre obterá a atenção constante dos alunos.Visto que , logo depois , alguém deverá levantar-se e repetir a lição por inteiro, todos, temerosos por si e pelos outros, querendo ou não , ficarão atentos para nada perderem. Uma atenção tão viva, reforçada pela prática de alguns anos, tornará o jovem atento em todos os deveres da vida.

  2. O mestre terá mais clareza de que todas as regras foram bem entendidas por todos. Caso contrário, fará as devidas correções, com grande vantagem para si e para os outros .

  3. Uma vez que todos repetirão as mesmas coisas , ao final mesmo os mais lerdos entenderão e poderão progredir pari passu com os outros , e os mais inteligentes , seguros de terem entendido muito bem a lição , ficarão satisfeitos .

  4. E todos –graças à reiterada repetição – se familiarizarão mais com a lição do que com um exercício pessoal, mesmo que longo e bem-feito; tanto que , depois de uma releitura noturna e matutina, apenas por brincadeira e divertimento estarão certos de terem bem fixado tudo na mente.

  5. E como, desse modo , o discípulo quase substitui o mestre, na sua mente nasce um entusiasmado e ardente desejo de aprender , e ele adquire confiança para , em público, discorrer com desenvoltura sobre assuntos honrosos, o que é útil na vida.


Também fora da escola, reunidos , passeando , poderão discutir ou falar de assuntos já conhecidos, escolhendo alguém que faça as vezes do mestre, moderador da discussão .


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal