Eliane Luiz da Costa



Baixar 48.54 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho48.54 Kb.
Faculdade Padrão de Ciências Humanas
Curso de Pós-Graduação Lato Sensu
Gestão Financeira e Controladoria



Disciplina: Contabilidade de Custos

Professor: André Costa
Alunos:

- Aliette Alencastro Veiga Dall’Agnol

- Andréa Antunes Carvalhaes

  • Eliane Luiz da Costa

  • Hityenk Gonçalves Dias

  • Iolanda Siqueira Nunes Viana

  • Luanna Évelin

  • Maria Lopes Dias

  • Melclizedek Santana dos Santos

  • Raimundo Fernandes Guimarães Neto

  • Sirlene Najar de Ávila Teles

Weruska Nazarette Cabral.

Goiânia

2009

Introdução
Neste trabalho vimos como é importante toda empresa ter conhecimento da Marge de contribuição, para melhor desenvolvimento e para chegar naquilo que ela tem em vista que é o lucro e o Ponto de equilíbrio faz ter conhecimento de quanto tem que se vender ou produzir para adquirir o ponto de equilíbrio e superar seus objetivo que nada mais é o que toda empresa deseja que é o lucro.

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO:

QUANTO SOBRA

PARA SUA EMPRESA?
Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito no dia-a-dia de sua empresa.
Margem de Contribuiçăo

O termo Margem de Contribuição tem um significado igual ao termo Ganho Bruto sobre as Vendas. Isso indica para o empresário o quanto sobra das vendas para que a empresa possa pagar suas despesas fixas e gerar lucro.


Margem de contribuição

É a diferença entre a Receita Total (Vendas) da empresa menos os seus Custos e Despesas Variáveis.

Podemos entender ainda, que a margem de contribuição é a parcela da receita total que ultrapassa os custos e despesas variáveis e que contribuirá para cobrir as despesas fixas e, ainda, formar o lucro.

MC = RT - (C + DV)

Onde,

MC= margem contribuição



RT = receita total

C = custos

DV = despesas variáveis
Vamos explicar um pouco mais esta questão:

Se for preciso comprar o que é vendido e ainda pagar algumas despesas que só ocorrem quando se vende, como é o caso de Impostos sobre a venda e das Comissões dos vendedores, quanto sobra para a empresa pagarem despesas fixas e ter lucro? É essa sobra que consideramos como sendo a Margem de Contribuição.

Em qualquer que seja o segmento, Indústria, Comércio ou Serviços, é perfeitamente possível e fácil se apurar o valor e o percentual respectivo da Margem de Contribuição.
Portanto, conhecer a Margem de Contribuição que as vendas proporciona, mesmo antes de serem realizadas, é fundamental para o planejamento de qualquer empresa, principalmente se considerarmos que a Margem de Contribuição pode ser fixada no momento do cálculo do Preço de Venda dos produtos ou serviços.
Margem por que é a diferença entre o Valor da Venda (preço de venda) e os valores dos Custos e das Despesas específicas desta Venda, ou seja, valores também conhecidos por Custos Variáveis e Despesas Variáveis da venda.
Contribuição porque representa em quanto o valor das vendas contribui para o pagamento das Despesas Fixas e também para gerar Lucro.
Para encontrar a Margem de Contribuição, é preciso realizar a seguinte conta:

Margem de Contribuição é igual ao valor das Vendas menos o valor dos Custos Variáveis e das Despesas Variáveis. Ou se preferir numa fórmula, isso tudo fica assim:



Margem de Contribuição = Valor das Vendas – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

Para ficar mais claro, vamos agora explicar o que são cada um dos elementos que foram citados nos cálculos da Margem de Contribuição:

Valor Total das Vendas ou Vendas Brutas Totais: é o Faturamento Total, consideradas as vendas à vista e as vendas a prazo e refere-se ao volume financeiro dos negócios realizados pela empresa, ou seja, é a quantidade vendida de produtos multiplicada pelos seus respectivos Preços de Venda.

Custos Variáveis: nas pequenas empresas, podemos afirmar que os custos variáveis referem-se aos valores pagos especificamente para adquirir o que a empresa se propõe a vender aos seus clientes. Desta forma, para cada segmento de empresa temos: Comércio, Indústria e serviços.

Despesas Variáveis: são aos valores pagos especificamente pelas vendas realizadas e são praticamente as mesmas para os segmentos de Indústria, Comércio e Serviços. Normalmente referem-se a:

- Impostos sobre as Vendas: valor ou percentual dos impostos respectivos das notas fiscais emitidas, portanto, só acontecem quando forem realizadas vendas. Considerar os impostos federais, estaduais e municipais conforme a natureza da empresa.

- Comissão de Vendas: valores pagos aos funcionários ou representantes pelas vendas realizadas. Normalmente é estabelecido um percentual a ser pago pelas vendas que cada um realiza. Portanto, se não ocorrerem vendas, não ocorrem às comissões. Por isso, comissão é considerada como despesa variável e não fixa.

Tendo as orientações necessárias para entender o que é Margem de Contribuição e como usá-la, certamente sua administração e decisões proporcionarão à empresa melhores condições de competitividade. E com isso, poderão ser obtidos resultados mais eficazes nas negociações daqui para frente.



BONS NEGÓCIOS!

PONTO DE EQUILÍBRIO

Figura 01 - Ponto de Equilíbrio


Ponto de equilíbrio, do inglês break-even-point, é a denominação dada ao estudo, nas empresas, principalmente na área da contabilidade, onde o total das receitas é igual ao total das despesas. Neste ponto o resultado, ou lucro final, é igual a zero. Há uma quantidade razoável de estudos que demonstram como efetuar o cálculo. Para tanto, é necessário, num primeiro momento, conhecer os fundamentos básicos de classificação dos custos e despesas.

Classificação


Essas são classificadas em várias terminologias. Assim, por exemplo, ao departamentalizarmos as despesas poderemos chamá-las de despesas comerciais, despesas de produção, despesas administrativas. Como o próprio nome indica, despesas comerciais são aquelas que foram necessárias para manter o departamento comercial, incluindo nestas todas as espécies de despesas, como, pessoal, encargos sociais, despesas com propaganda e publicidade, comissões sobre vendas, etc. A classificação das despesas em função do volume de atividades de uma empresa ou entidade, são ordenadas por despesas fixas e variáveis. Despesas fixas são aquelas que existem,independentemente da entidade ou empresa estar funcionando ou não. Assim, por exemplo, mesmo que o volume de produção de uma indústria seja igual a zero, ainda assim haverá despesas ou custos com aluguel do prédio. Por outro lado determinadas despesas somente ocorrerão se houver nível de atividade, como por exemplo, uma comissão sobre vendas. Ela só existe se houver a venda, isto é, a atividade de venda. Sendo assim, é de suma importância, dentro de uma entidade ou empresa, a separação das despesas FIXAS e VARIÁVEIS.

Fórmula

Q= CF______

(P – Cvme)


Em que:

  • Q: total de produtos produzidos(vendidos);

  • CF: custo fixo da produção;

  • P: preço do produto vendido;

  • Cvme custo variável médio .

tipo ponto equilibrio

ponto de equilíbrio contábil são levados em conta os custos fixos contábeis relacionados com o funcionamento da empresa.

Ponto de equilíbrio é o valor ou a quantidade que a empresa precisa vender para cobrir o custo das mercadorias vendidas, as despesas variáveis e as despesas fixas.

No ponto de equilíbrio, a empresa não terá lucro nem prejuízo.O ponto de equilíbrio é calculado das seguintes formas:

1. Ponto de Equilíbrio em Valores:

Valor total das despesas fixas, dividido pela % da margem de contribuição

Exemplo:


- Valor total das despesas fixas = R$ 5.000,00;

- % margem de contribuição = 30%;

- Ponto de Equilíbrio: R$ 5.000,00 / 30% = "R$" 16.666,67.

2. Ponto de Equilíbrio em Quantidades:

Valor total das despesas fixas, dividido pelo valor da margem de contribuição.

Exemplo:


- Valor das despesas fixas = R$ 5.000,00;

- Valor da margem de contribuição = R$ 6,00;

- Ponto de Equilíbrio em Qtde: R$ 5.000,00 / R$ 6,00 = 833 unidades.

Ou seja, quando forem produzidas 833 unidades de produção a empresa estará em equilibrio financeiro. Este equilibrio tambem pode ser calculado em dias. Nesse caso, quantos dias de produção são necessários para que os gastos se igualem as receitas ponto de equilíbrio econômico adiciona-se os custos fixos todos os custos de oportunidade, como por exemplo os referentes ao uso do capital próprio, ao possível aluguel das edificações (caso a empresa seja proprietária) perda de salários, etc.

Diferentemente do Ponto de Equilíbrio Contábil, o PEE visa a obtenção de lucro que pode ser estipulado pelo empresário. Sua fórmula é: PEE = CF+L/PVuni – Cvuni OBS: PVuni-CVuni = Margem de Contribuição Unitária ponto equilíbrio financeiro de uma organização, quando seus custos e despesas comparam-se com sua receita. Isto é, o ponto de equilíbrio, que poder ser verificado financeiramente e/ou em quantidade de vendas ou prestação de serviços, é o ponto inicial de seu superávit. É exatamente ao alcançar o ponto de equilíbrio que a organização começa a gerar resultados positivos em sua operação fim. O ponto de equilíbrio pode ser verificado a partir da projeção/ orçamento das premissas financeiras, isto é, receita bruta, preço médio de venda, custo variável unitário e custos fixos.

O ponto de equilíbrio e uma das informações mais importantes de toda a empresa, e seu valor deve ser cuidadosamente calculado no máximo a cada três meses.



CUSTOS, DESPESAS VARIÁVEIS E FIXAS, MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO, PONTO DE EQUILÍBRIO E ESTRUTURA DE RESULTADOS

Ponto de equilíbrio

É o valor das vendas que permite a cobertura dos gastos totais (custos, despesas fixas e despesas variáveis). Neste ponto, os gastos são iguais a receita total da empresa, ou seja, a empresa não apresenta lucro nem prejuízo.

Normalmente fazemos as seguintes perguntas:

Quanto terei que faturar para conseguir pagar os meus custos, despesas fixas e variáveis?

Quais as quantidades que terei que produzir/vender para poder ter lucro?

O ponto de equilíbrio é que vai definir e esclarecer estas dúvidas.

Temos duas formas de determinar o ponto de equilíbrio:

Através do Volume de vendas;

Através do Volume de unidades produzidas.

Ponto de Equilíbrio por Volume de Vendas:

PE = (DF/MC)X VT

Onde,
VT = Vendas totais

PE = ponto de equilíbrio

DF = Despesas fixas

MC = Margem de contribuição

Ponto de Equilíbrio Unidades Produzidas:

PE = (DF x VT)/[PV unit - (Cunit+DV unit)]

Onde,
VT = Vendas totais

PE = Ponto de equilíbrio

DF = Despesas fixas

PV unit = Preço de venda unitário do produto

C unit = Custo unitário do produto

DV unit = Despesa variável unitária

Analise do ponto de equilíbrio, custos e alavancagem



P= preço de venda por unidade

Q= quantidade de vendas por unidades

F= custo operacional fixo por período

V= custo operacional variável por unidade


Item

Representação algébrica

Alavancagem Receita de vendas

Operacional Menos: custos oper. Fixos

Menos: custos oper.variáveis

Lucro antes juros Imp. Renda



(p X Q)

- F

- (v X Q)

LAJIR

EQUAÇAO

LAJIR = Q X (p – v) – F.




Considerações finais

Através do estudo sobre Margem de Contribuição podemos considerar que com ela conhecemos quais são os produtos que nos são mais rentáveis, e em quais produtos devemos concentrar nossas estratégias mercadológicas eliminando assim os que nos dão baixo retorno.

A Margem de Contribuição nos permite descobrir qual é nosso Ponto de Equilíbrio, pois ela é resultante da dedução dos custos variáveis das receitas operacionais obtidas.

Sem estes dois pontos importantes, fatalmente o gestor terá sérias dificuldades em conhecer perfeitamente seu negócio. Ao gestor cabe a responsabilidade de implantá-los e controlá-los de forma sistemática e constante.



Referências Bibliográficas
Florentino, Américo Matheus. PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA – Contabilidade de Custo. Fundação Getúlio Vargas, RJ, 1979.
Martins, Eliseu. CONTABILIDADE DE CUSTOS. Atlas, SP, 2003.
, Antônio Lopes de. DICIONÁRIO DE CONTABILIDADE. Atlas, SP, 2008.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal