Elzeário h. Sampaio alves introduçÃo ao divinismo



Baixar 0.91 Mb.
Página1/13
Encontro05.08.2016
Tamanho0.91 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13
ELZEÁRIO H. SAMPAIO ALVES


INTRODUÇÃO AO DIVINISMO

2a Edição


Revisada e Atualizada



São Paulo
2015
www.divinismo.org

Informações Iniciais
Como já realizamos cerca de vinte e seis cursos Introdução ao Divinismo, ao longo de vários anos em nossa sede comunitária (Instituto Divinista), resolvemos atender à sugestão de alguns divinistas, de editarmos as apostilas correspondentes às palestras proferidas.
Desta maneira, com algumas pequenas correções, acrésci-mos e atualizações, este conjunto foi editado tal e qual os resumos fornecidos aos que frequentaram os cursos nos anos transatos.


Os vídeos, tipo teleconferência, gravados de cada um deles, poderão ser vistos no site: www.divinismo.org


Fiat Lux
O autor

ÍNDICE

Informações Iniciais 03


Apresentação 07
Preâmbulo 11
A Cosmovisão 13
DEUS – Leis de Emanação, Movimento, Imortalidade e Existência 31
Habitação Cósmica 41

Revelação: 1ª parte 52

Revelação: 2ª parte 74
Evolução 90
Reencarnação 106
Apocalipse 114

Os 10 Mandamentos – A Lei de Responsabilidade 138


História das Principais Religiões 162
Judaísmo 165

Islamismo 168


I. C. A. Romana 175
O Protestantismo e outros “ismos” 194

Kardec e o Espiritismo 210


Jesus 240
Sempre foi Divinismo 256

APRESENTAÇÃO
ENSINAMENTO: “Nesta encarnação, Eu vim colocar o capitel do Edifício Doutrinário. Noto que vocês que me ouvem têm muitas dúvidas. Mas Eu não descerei até vocês. Tratem de subir até Mim.” - (palavras proferidas diversas vezes pelo Divino Mestre Osvaldo Polidoro, em luminosas preleções realizadas durante reuniões mediúnicas por Ele presididas.)
I – PEQUENO HISTÓRICO
Ao perceber as dificuldades que muitos vanguardeiros em potencial tinham para atingir Seus ensinamentos, já que Evangelho Eterno é obra de síntese e necessita de uma razoável base de cultura espiritual para penetrar em seus profundos meandros, no início da década de 70, tentamos realizar alguns cursos de Iniciação ao Divinismo, com o objetivo de servir de liame, de “escada”, para os neófitos desejosos de conhecer a Doutrina Pura, por Ele transmitida.

Alguns foram realizados com vários jovens na época, mas de grande potencial para se tornarem excelentes apóstolos da VERDADE. A meta era evitar, como alertou em Sua encarnação de Pitágoras, que “se tornassem, futuramente, sofistas pretensiosos”.

Começamos, inicialmente, com um curso de dois anos e meio, realizado na Rua Pedro Doll, 549 - Alto de Santana, em São Paulo. Foram estudadas as principais obras de autores espíritas e esotéricos, tais como Francisco Cândido Xavier, Annie Besant, Helena P. Blavatisky, Leadbether, Edouard Schuré, Krishna, Krishnamurti e vários outros.

Como é sabido, o autodidatismo é muito perigoso. Por ausência de metodologia adequada, ocorrem, naturalmente, lacunas e obscuridades, surgindo daí as chamadas “meias verdades”. Estas levam invariavelmente à pretensão, petulância e arrogância, vícios tão combatidos pelo Divino Mestre desencarnado.

Após alguns cursos, fora daquele local inaugural, tivemos a oportunidade de realizar vinte e seis outros, na Comunidade de Cultura Divinista, situada na Rua Professor Artur Ramos, no404 – Térreo – Jardim Paulistano – São Paulo – SP. A média era de 30 participantes por turma. Portanto, estimativamente, mais de 700 pessoas no total.
II – METODOLOGIA
Pensando no que os interessados precisariam saber para se iniciarem, foi feito um Programa Básico, para facilitar a compreensão das obras divinistas.

E como “as palavras voam e o que fica escrito permanece” “Verba volant et scripta manent”, segundo alguns filósofos romanos, passamos a fazer pequenos “resumos” do que fora fa-lado nas exposições.

Recentemente, em um “bate-papo” realizado com alguns representantes daquelas turmas, fomos alertados para a necessidade de completá-los e, se possível, unificá-los em uma só encadernação.

Assim, acolhendo essa ideia, completamos os resumos faltantes e surgiu, em consequência, este conjunto.

Cremos que poderá servir como “roteiro” para futuras palestras e exposições em outros lugares e na própria Comunidade.

Por fim, vale lembrar que Jesus e João Batista necessitaram de um curso regular de Iniciação, ao passarem 16 anos nos Cenáculos Essênios – dos 13 aos 29 de idade.

Tiveram que realizá-lo, preparando-se profundamente para as tarefas que os aguardavam na vida pública.

Dessa forma, entendemos que uma “Escola de Iniciados” sempre foi e será necessária.

Jesus é o “Modelo”! Destarte, deve sê-lo “in totum” (vide O Pentecoste, página 116, última edição).

PREÂMBULO
ESCLARECIMENTOS INICIAIS

A nosso ver, são tantas informações desencontradas a respeito do Caminho da Verdade, que faz-se necessário um introdutório de iniciação a Ele. A obra chave EVANGELHO ETERNO, profetizada no cap. 14.1 a 6 do Apocalipse (último livro da Bíblia) é a base do nosso estudo.

Sendo um livro síntese, nem todas as pessoas estão devidamente aparelhadas para lê-lo, estudá-lo e entendê-lo. Como já dizia Cícero: “Para uma única síntese, são necessários muitos anos de análise.”

Assim, ele terá um caráter multidisciplinar, trabalhando com conhecimentos das mais variadas áreas do saber humano, tais como História, Filosofia, Astronomia, Biologia, etc...

Além do estudo da obra biblicamente profetizada já mencionada, recomendamos a leitura das obras complementares de Osvaldo Polidoro, que visam torná-la mais clara. Elas enriquecerão os leitores com uma somatória de grandes ensinamentos, propiciadores de um melhor entendimento da “Absoluta Obra” em tela.
Objetivos Básicos

1- A Cultura Espiritual, extraída da Cultura Geral, deverá proporcionar melhores condições para que cada qual adquira plena consciência do PRINCÍPIO SAGRADO e suas leis

básicas que regem o Universo. Estas são infinitamente simples nos seus fundamentos, mas infinitamente complexas nos seus desdobramentos.

É nessa complexidade que todos nós, encarnados e desencarnados, convivemos. Vivemos envolvidos em um emaranhado, num verdadeiro cipoal de dados que necessitam ser ordenados, sob pena de nos tornarmos confusos.

Sem uma “visão síntese”, não se chegará, através do discernimento, nem a entendê-los e nem a atingir o estado de lucidez.

2- Ser um “clarividente”, isto é, ver todas as coisas com “clareza”, aprendendo a separar bem o joio do trigo . Esse é o objetivo final.



O Autor

A COSMOVISÃO
“O ápice do conhecimento humano é a tomada de consciência da UNIDADE.”– “Quem não adquirir uma consciência cósmica, não evoluirá.” – Osvaldo Polidoro

1- Aqui na Terra, a grande maioria das pessoas, em razão dos apelos da sobrevivência e das naturais vicissitudes da vida, costuma apenas olhar e pensar para baixo, ou, quando muito, na altura da linha do horizonte. Poucos são os que conseguem se interiorizar, olhando para cima e para o alto, objetivando uma visão de conjunto.

Assim partamos, para efeito didático e prático, de um ra-ciocínio indutivo. Da Mundivisão para a Cosmovisão. Da visão do mundo para a do Cosmo. Do múltiplo para o Um. Do infinitamente pequeno para o infinitamente grande. Do micro-cosmo para o macrocosmo. Assim comecemos: múltiplas partículas atômicas formam um átomo. Múltiplos átomos, uma molécula. Múltiplas moléculas, um tecido. Múltiplos tecidos, um órgão. Múltiplos órgãos, um sistema fisiológico (respiratório, circulatório, etc). Múltiplos sistemas, o corpo humano. Múltiplas pessoas, uma família. Múltiplas famílias em uma determinada área, um bairro. Múltiplos bairros, uma zona (leste, oeste, centro, norte, sul). Múltiplas zonas, uma cidade - a de São Paulo, por exemplo. Esta, com algumas centenas de outras, formam o Estado-membro. Da união de 27 Estados-membros e o Distrito Federal, temos o nosso País. Este encontra-se no Hemisfério Sul do Planeta. Da junção dos dois hemisférios, temos a nossa casa cósmica. É o Planeta onde moramos. Pertencemos a sua demografia. A nossa morada cósmica é a nave espacial Terra.

Dentro do mesmo diapasão, pensemos que com os demais planetas Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, mais o Sol, formamos um Sistema Planetário. O conjunto de sistemas forma um sistema de sistemas, e a união de todos os sistemas de sistemas forma uma galáxia. A seguir, dentro do mesmo raciocínio, o conjunto de galáxias forma um sistema delas e após passamos para o de galáxia de galáxias. Aí temos o “Universo Conhecido”.

Verifica-se que tudo caminha da “multiplicidade para a Unidade”. Tudo se dirige para o “UM”.

Há cerca de alguns anos atrás, havia sido calculada a existência de um quintilhão de mundos. Dizem os astrônomos: “representam tão somente um cantinho do Universo; se é que ele tem cantinhos.” Para o visualizarmos, poderíamos compará-lo a uma praia com milhões de grãos de areia. O nosso orbe representa tão somente um grão de areia dela. Se extraíssemos esse cisco cósmico, não faria falta alguma, o universo continuaria da mesma forma...

Como se vê, raciocinando-se “materialmente”, somos insignificantes perante o Universo.

Entretanto, como veremos a seguir, o mesmo não ocorre com o espírito. Somos centelhas divinas; mas, “potencialmente”, somos seres absolutos.

Por outro lado, etimologicamente, o vocábulo “universo” é uma forma contracta de Unidade e Diversidade. Isto é, há uma unidade dentro da diversidade de mundos. Diversos são eles, mas no conjunto formam um todo único.

Neste instante, podemos trazer à lembrança duas frases lapidares do Divino Mestre Jesus: “A casa do PAI tem muitas moradas.” , “Sejam unos a mim que sou uno ao PAI, para formarmos uma só UNIDADE.

Assim, para concluir, a nossa humanidade planetária, a toda evidência, pertence à Humanidade Cósmica. Está embutida nela. Somos parte integrante dela. Formamos no Universo uma só FAMÍLIA CÓSMICA. Eis a Cosmovisão em relação ao Espaço. Quanto ao Tempo, o raciocínio é o mesmo. Múltiplas frações formam décimos de segundo. Múltiplos décimos, um segundo. Múltiplos segundos, um minuto. Múltiplos minutos, hora. Múltiplas horas, dia. Múltiplos dias, semana. Múltiplas semanas, mês. Múltiplos meses, ano. Múltiplos anos, século. Múltiplos séculos, milênio. E daí, segue-se para a Eternidade.

Observação: relativamente às medidas siderais, a unidade padrão é o segundo-luz. Esta se propaga no Espaço a uma velocidade, em números redondos, de 300.000 quilômetros por segundo. Assim, o raciocínio é o mesmo: múltiplas frações de segundos-luz, um segundo-luz. Múltiplos segundos-luz, um minuto-luz. Múltiplos minutos-luz, ano-luz... Até se chegar à Unidade: o Infinito.


O UNIVERSO E A CIÊNCIA HUMANA
Para bem compreendermos em que estágio está nossa Ciência a esse respeito, faz-se necessária uma pequena digressão histórica.
1- Idade Antiga e Idade Média

Como é sabido, foi Pitágoras quem primeiro teorizou sobre esse assunto. Já no século VI a.C., ensinara que o Sol era o centro do sistema planetário. Assim também Platão e o pitagórico Aristarco de Samos (século III a.C.).

Aristóteles (século IV a.C.), discípulo de Platão, deles dissentiu, rejeitou a teoria heliocêntrica para afirmar: “A terra é imóvel e está no Centro do Universo”.
2- A seguir, o astrônomo Cláudio Ptolomeu (século II d.C.), em sua principal obra Almagesto, defende o “geocentrismo” aristotélico. Chegou a catalogar 1.022 estrelas.
3- Com a fundação da Igreja Romana, esta adotara a “teoria geocêntrica”. Com Santo Tomaz de Aquino (século XIII d.C.), o conhecido “Doutor Angélico”, através da “Suma Teológica” e outras obras do mesmo teor, a Igreja passou do Agostinianismo para o Tomismo. Tendo Tomaz de Aquino adotado a posição de Aristóteles (Aristotélico-Tomismo), aquela instituição decretou como dogma o geocentrismo.

Dessa forma, todo aquele que fosse contra esse conceito seria considerado herético, processado e julgado pelos Tribunais da “Santa Inquisição.”

A pena: seria condenado à pena de morte nas fogueiras que pipocavam na Idade Média.
4- Tempos Modernos

No século XVI d.C., surgiu na Polônia um astrônomo que, após passar cerca de nove anos pelas Universidades de Bolonha, Pádua e Ferrara, adquiriu todo o saber da época. Seu nome: Nicolau Copérnico. Escreveu a obra Das Revoluções do Orbe Celeste, na qual apresenta como hipótese o sistema “heliocêntrico”.


5- Na esteira, surge em Nola (Itália Meridional), o maior filósofo da Renascença: Giordano Bruno. Aos 27 anos, sacerdote e Doutor em Teologia. Rebelde, acusado de heresia, abandonou o hábito. Desterrado aos 31 anos, passou a vida lutando pela liberdade de pensar. Peregrinou pelas maiores universidades europeias. Adotara o sistema de Copérnico. Escreveu a obra Do Infinito, do Universo e dos Mundos e Da Causa, do Princípio e da Unidade. Afirmara que DEUS e o Universo são UM só, e que há imanência de DEUS em tudo que existe. Preso por nove anos, foi condenado à fogueira pela “Santa Inquisição”. Local de Execução: Campo di Fiori, em Roma. Hoje existe nesse lugar uma estátua em sua homenagem.

Até aquela época só existiam teorias a respeito.


6- Fase Científica

Foi no século XVII que o físico e astrônomo, Galileu Galilei, provou, baseado no sistema heliocêntrico de Copérnico, o tremendo equívoco de Ptolomeu e, consequentemente, do Aristotélico-Tomismo, adotado pela Igreja Romana. Desde sua mocidade era “heliocêntrico”. Produziu um telescópio capaz de realizar 32 aumentos. Escreveu Dissertação sobre os Astros, publicado em 1610. Descobriu as montanhas da lua, os satélites de Júpiter e os anéis de Saturno. Foi processado e condenado pela Inquisição. Suas obras em 20 volumes foram consideradas heréticas. Para evitar a morte, teve que publicamente “negar” sua descoberta.


7- Tempos Contemporâneos

Para encurtar nossa digressão, pulando dois séculos, foi no século XX, após a Segunda Grande Guerra, que ocorreu o grande salto científico e tecnológico da Humanidade, com o ingresso na Era Eletrônica.

Começaram a surgir os Observatórios Astronômicos, dotados de possantes telescópios eletrônicos localizados em lugares estratégicos, bem altos e fora das luzes e poluição das grandes cidades. Passaram a sondar o Universo em condições excepcionais. Milhares de Galáxias foram descobertas.

Entretanto, há cerca de alguns anos atrás, os cientistas da NASA conseguiram acoplar em satélite artificial o telescópio espacial denominado Hubble. Através dele foi possível decuplicar os pedaços do Universo. Milhares de novas galáxias foram acrescentadas ao nosso conhecimento.

Hoje já se especula que, quando for possível colocar o Hubble no fim do “Universo Conhecido”, quantos milhares de mundos serão acrescidos? Quantos novos pedaços dele poderão ser adicionados ao nosso conhecimento?
8- Estamos sós no Universo?

Há cerca de décadas atrás, os cientistas soviéticos captaram estranhos sinais luminosos. A luz, como é cediço, propaga-se no espaço sideral a 300.000 quilômetros por segundo.

Feitos os cálculos matemáticos, concluíram que:

a) não eram sinais “naturais”, mas “artificiais”;

b) foram emanados por inteligências extra terrestres;

c) os sinais foram emitidos quando a Terra ainda não existia;

d) se quisessem responder a eles, nem utilizando-se toda a energia contida no Planeta, seriam capazes de atingir o local da emissão, tal a descomunal distância a ser percorrida.

Conclusão final: não estamos sós no Universo.

9- A Causa Originária

Os astrofísicos costumam comparar o Universo, tal a perfeição, sincronia e harmonia com que se movimentam os astros e estrelas, a um mecanismo semelhante a um relógio.

Realmente as leis da Mecânica Celeste presidem tudo. São leis inteligentes. Há inteligência em tudo.

Mas quem deu origem a esse inteligentíssimo mecanismo? Duas são as principais teorias a respeito:

a) Científica

b) Filosófica



Científica

Os astrofísicos da NASA batizaram o “início” do Universo com o nome de Big Bang. A grande explosão.

Para eles o Universo se originou, há bilhões de anos atrás, de uma explosão gigantesca.

Dos estilhaços surgiu o Universo tal qual se encontra.



Crítica: custa a crer que homens dotados de Q.Is altíssimos encontrem uma solução tão infantil.

Como é sabido, em lógica-formal não há efeito sem causa. Ora, se o Universo é regulado por leis inteligentíssimas e eles, inclusive, são partes integrantes dele, a causa originária tem que necessariamente possuir uma mente “superior”. Mesmo porque, do nada nasce simplesmente nada...



Filosófica

Salta aos olhos que uma Mente Universal “preexiste”ao Universo. Ele se originou dessa Inteligência Suprema. Se Ela nada tivesse emanado, o Universo simplesmente inexistiria...

Portanto, a Causa Infinita dos Infinitos efeitos deve, necessária e logicamente, ser a Inteligência Absoluta, sem passado e sem futuro, porque, a toda evidência, é o Eterno Presente.

Caracterizando-se por sua Onipotência, Onisciência e Onipresença, são Seus atributos:

Espacial: o Infinito

Temporal: a Eternidade

10- As várias denominações dessa Causa Originária

A rigor, não as tem. É “inominável”. É o que é. Como nos tempos da resposta a Moisés: “EU SOU O QUE SOU”.

Quando um habitante de Júpiter ou de um mundo de uma longínqua galáxia situada a milhares de anos luz do nosso orbe, tiver que se “referir” a ela, como a chamaria? Aqui no nosso Planeta, sua denominação tem variado conforme os locais onde ocorre: no Oriente denominam-na Brahma (Hindus); Jeová (Judeus); Alá (Islamismo); e no mundo ocidental: God, Dios, Dieu ou DEUS.

Para nós, na língua portuguesa, o nome mais consagrado é DEUS. Para nos “referirmos” a Ele de forma mais carinhosa e respeitosa, costumamos chamá-lo de PAI DIVINO.


INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES – I
1- Cosmo ou Cosmos: s.m.do grego Kosmos. O Universo, considerado como um “todo organizado” e harmonioso. (Michaelis – Moderno Dicionário da Língua Portuguesa)
2- Cosmogênese: Cosmogonia ou Cosmogenia: teoria que pretende explicar a origem do Universo.
3- Teoria do Big Bang: criada em 1927 por Georger Lemaitre; alega que o Universo foi originado da explosão de “um gigantesco átomo primitivo”.
4- Teoria da Expansão do Universo: criada em 1929 por Edwin Powell Hubble. Com um telescópio de 2,5 metros, no Observatório de Pasadena (EUA), demonstrou que o Universo Cósmico é composto de bilhões de galáxias que se “afastam” umas das outras.
5- Nas décadas de 50 a 80 do século XX, havia duas potências no Planeta: econômica-militar e científica . Leste e Oeste. Rússia e EUA. Entre ambas, havia não só uma corrida armamentista, mas científica também. Símbolo: urso x águia – equilíbrio do terror, só desaparecido com a “detente”, e a abertura econômica na Rússia (década de 80, com a Perestroika).
6- 1957: Yuri Gagarin, oficial da Força Aérea Russa, tripulou uma nave espacial em volta do Planeta. Disse: “Estou observando a Terra, mas não vejo nenhum Deus.” Desencarnou pouco depois, em um desastre de avião.
7- 1969: desce na Lua, a primeira nave tripulada dos EUA.
8- Surgiram novas teses, recentemente, de renomados astrofísicos, com novas teorias:
a) Teoria dos Múltiplos Eventos: não houve “um só” Big Bang; mas vários.

b) Teoria dos Múltiplos Universos: cosmologistas “cogitam” a existência do chamado “Multiuniverso” - uma série interminável de Big Bangs florescendo um dos outros, criando universos sem limites. Uma variedade de teorias modernas prevê uma pletora de universos. Um desses multiuniversos vem da Mecânica Quântica, as estranhas regras que governam a natureza no nível subatômico.


9- Teoria dos Buracos Negros: são “poços” gravitacionais “sem fundos”, nos quais as estrelas desaparecem, parindo universos bebês com leis de física ligeiramente modificadas. É a teoria chamada “Seleção Natural Cosmológica”. Universos com mais buracos negros produzem mais “crias” e, portanto, as leis da física tomarão uma direção favorável à produção de buracos negros. Apenas as estrelas maiores e mais densas são as que podem entrar em colapso para criá-los (em Smolin na obra A Vida do Cosmos). Em sentido contrário, na obra Nosso Habitat Cósmico, Martin Reeves, da Universidade de Cambridge, afirma que “nenhuma teoria específica sobre os multiuniversos pode ser invulnerável à refutação”.
10- Descoberta de Planetas “fora” do nosso Sistema Planetário:

a) nenhum deles ainda foi “visto”. Os cientistas “creem” em sua existência, em virtude de interferência gravitacional que exercem sobre as estrelas por eles orbitadas;

b) de 1994 para cá, já foram descobertos 1.000 Planetas, fora do nosso Sistema Solar, todos com tamanho superior ao de Júpiter. Júpiter é mais que cem vezes maior que a Terra, e mais de três vezes maior que Saturno;

c) com os telescópios existentes, atualmente é quase impossível descobrir Planetas com o tamanho da Terra. É como descobrir à distância uma praia de pedregulhos;

d) o nosso Sistema Solar tem “órbita circular”. A maior parte dos Planetas descobertos até agora (fora do nosso Sistema Solar) tem “órbitas elípticas”.
11- A Fundação de Ciência dos EUA e a NASA afirmam que estamos apenas no início de dados que vão nos ajudar a dar respostas às perguntas sobre a formação e a evolução dos Sistemas Solares.
12- Rose Center: é o mais moderno Planetário do mundo, situado na esquina da Rua 81 com a Avenida Central (west), dentro do Museu de História Natural da cidade de Nova York. Custo: $210 milhões de dólares, com efeitos especiais de Hollywood e Broadway. Já se tornou o novo cartão postal da cidade. Dentro, assiste-se, num telão, a reconstituição da explosão que gerou o Universo. A seguir, é possível ver berçários de estrelas nebulosas e galáxias.

Advertência: essa posição não é científica, não é real, mas meramente “virtual”. A nosso modo de ver, é altamente perigosa, vez que, com o prestígio que possuem, principalmente entre as camadas mais intelectualmente elevadas da sociedade (formadoras de opiniões), poderão “induzir” milhares de pessoas inadvertidas ao materialismo, negativismo ou niilismo, o que é lastimável.


13- Sobre a Teoria do Big Bang (formada por astrofísicos teóricos), aplica-se o Princípio da Lógica Formal: “Quem pode o mais, pode o menos.” Ao revés, quem “não” pode o menos, “não” pode o mais. Se a ciência da Terra “não” pode ver “diretamente” (a não ser por cálculos matemáticos) qualquer Planeta fora do nosso Sistema Planetário, não poderá também fazer o mesmo em relação à grande explosão que teria dado origem ao Universo. Se não pode sequer ver há alguns anos-luz, quanto mais o início do Universo... Quem não pode caminhar sequer cem metros, como poderá afirmar que caminhou cem quilômetros?!
ENSINAMENTOS DE OSVALDO POLIDORO –

O DIVINO MESTRE
1- Quanto menos Universal o homem for, (tanto) mais tacanho será.
2- A Terra pode ser considerada um País Cósmico de ordem medíocre.
3- “Quem pensa ‘estreitamente’ se enclausura no próprio estreitismo.” (Confissões de um Padre Morto)
4- “O Infinito está representado no Finito. Os ‘corpos’ valem pelos mundos e os ‘espíritos’ representam as partículas de Deus.” (Verdades Imortais)
5- É importante pensar em termos de “Eternidade” para poder andar “devagar” e com “segurança”.
6- A Terra é um mundo assaz inferior. Os perigos que ela contém: há muitos tardos de coração e fartos de malícia; fracos de reais conhecimentos e fortes de presunção.
7- As “grandes almas” são as grandes “observadoras” de todos os fenômenos da vida.
8- “Sem vencer a ‘matéria’, sem ultrapassá-la, nenhum filho virá a ser Uno com o Pai.” (Verdades Imortais)
9- O Livro de Deus:

“Meu livro é o Todo Infinito

É no seio do qual Eu habito,

Porque Sou a Essência e a Vida,

E criar (emanar), sempre, será a medida!”

(O Livro de Orações – pág. 93 – 1° volume)


CONCLUSÕES
a) Deus: é inominável e indefinível. Mas é concebível – apesar de nossa relatividade – através de uma sonda concepcional.

b) Sobre a origem do Universo: Nada x Mente Universal:

Duas posições antagônicas:

- Origina-se do NADA (Big Bang)

- Origina-se de uma MENTE UNIVERSAL (Divinismo)

c) Provas: a “existência” dessa Mente (Princípio) comprova-se facilmente através da mera observação do Universo Manifestado.

E a Sua “inexistência”, como prová-la? Raciocínio lógico de Kardec:

“Não há efeito sem causa.”

“Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente.”

“A potência da causa está na razão direta da grandeza dos efeitos.”


PERGUNTAS DE ALTÍSSIMA INDAGAÇÃO

FILOSÓFICA
Quem, Quando, Como, Por quê?
I- Quem

1. Quem deu causa (origem) ao Universo Cósmico?

2. O Nada (zero) ou uma Mente Universal (Um)?
II- Quando

1. Há 13,7 bilhões de anos (Cientistas do Big Bang)?

2. Ou impossível saber (Divinismo)?
III- Como:

Como ocorreu o seu início?

1. Repentinamente (Big Bang)?

2. Paulatinamente – por Emanação – através da Lei dos 9 Estados (Divinismo)?


IV- Por quê

Por que não fomos emanados Perfeitos, mas Perfectíveis? Sendo que, a Perfectibilidade pressupõe, inicialmente, a involução (saída) e evolução (volta) – esta, sempre sujeita à angústias, sofrimentos, preocupações, dores, e a todo um cortejo de padecimentos em decorrência de quedas terríveis durante o trajeto de retorno. Eis as questões...


LIMITES DA CIÊNCIA TERRÁQUEA
1- Desde o seu início com Galileu Galilei (século XVII) até os dias presentes, com o moderno telescópio eletrônico acoplado à nave espacial Hubble, já atingiu dez quintilhões de mundos.
2- Perspectiva que havia para 2010: descobrir dez vezes mais a quantidade de mundos atual, através da anexação de telescópio eletrônico mais sofisticado a essa nave espacial. Infelizmente inviável por falta de verba orçamentária.
3- Pergunta a ser feita: daqui a 10 ou 15.000 anos, onde terá alcançado a ciência terráquea?

Conclusão: ainda estamos apenas no início de uma formidável Era Eletrônica.


No que tange aos Planetas, onde a ciência já chegou?
1- Até o momento, só observou diretamente além dos que contém o nosso Sistema Planetário, dois pequenos planetas através do rádio-telescópio Spitzer.
2- Já conseguiu através de cálculos matemáticos (não de observação direta) supor a existência de 1.000 Planetas, com massa igual ou acima do Planeta Júpiter.
3- Tais conclusões se baseiam em conseguir detectar Planetas, através das interferências eletromagnéticas que provocam nas estrelas em que orbitam.
Conclusão: “Observação direta”, até agora apenas dois; o restante somente através de cálculos matemáticos realizados por astrofísicos teóricos, não práticos.
Conclusão sobre a Teoria do Big Bang
1- Em lógica formal, como é sabido, vigora o lema: “Quem pode o mais, pode o menos.”
2- Em sentido contrário: “Quem não pode sequer o menos, não pode, obviamente, o mais”.

Conclusão: se, cientificamente, não temos aparelhos para sequer vermos além de dois planetas, fora do nosso Sistema Planetário, como observar a Grande Explosão do Átomo Gigantesco Inicial (concebido por Georger Lemaitre), que teria supostamente “dado início” ao Universo Cósmico no qual estamos inseridos? Como já foi dito anteriormente, quem não pode sequer o menos...


INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES – II
“Quanto mais tacanho o espírito, menos cósmico será.”
“O tempo atual reclama novos conhecimentos - mais penetração no reino da Verdade, mais consciência do mecanismo do Universo.”
“A conquista da Consciência Universal projeta o espírito aos píncaros do poder e da glória!”
“O homem descobre, aos poucos, o que em Deus está eternamente descoberto!”

(Textos extraídos de obras de Osvaldo Polidoro)


1- Palavras de um dos maiores astrônomos do mundo - João Steiner (dirige o IEA - Instituto de Estudos Avançados da USP): “A Terra é apenas uma gota d´água no oceano espacial. Somos habitantes de um planeta insignificante no contexto cósmico. O fato de explicarmos a estrutura do Universo, não prova a inexistência de Deus.”

2- O Cinturão de Kuiper é um anel de corpos gelados, acumulados na borda do Sistema Solar.


3- 70% do Universo Cósmico é constituído de matéria escura e 30% de luminosas estrelas (sóis).
4- Os cientistas afirmam: “Só conhecemos cientificamente 5% do Universo Cósmico.”
5- Conclusão: se 95% é desconhecido, como afirmar, então, que os cálculos das radiações cósmicas do fundo do Universo (através do COBE - radiotelescópio Explorador do Fundo do Universo) confirmam cientificamente a Teoria do Big Bang?
6- Lei do Movimento - o astrofísico-teórico Stephen Hawking está tentando elaborar a Teoria da Unificação (da Lei da Mecânica Celeste com a Lei da Mecânica Quantica).
7- Big Bang - tal teoria prevaleceu entre os cientistas durante as décadas de 70 a 90. Agora os cosmólogos se perguntam: “O que teria dado origem ao Big Bang?”
8- As cinco principais naves espaciais acopladas com radiotelescópios em atividade: Hubble, Cobe, Spitzer, Corrot e Kepler.
9- Samadhi, na antiga língua sânscrita, significa adquirir a consciência cósmica, através do exercício de expansão da própria consciência.
10- Ensinamentos de Osvaldo Polidoro (A Bíblia dos Espíritas - pág. 24):

“Tudo é uma questão de conhecer mais ou menos, para conceituar melhor ou pior, certo ou errado.”

“Quanto mais o espírito evolui, tanto mais se torna Cósmico ou Universal.

“A Humanidade terrícola começa a despertar para as coisas da Universalidade ... e bem depressa compreenderá a Lei da Unidade, que rege a chamada criação.” (A Bíblia dos Espíritas - pág. 24/25 - aspas nossas)


11- Qual a estrela mais brilhante de nossa galáxia? Resposta: “ETA CARINAE” - está a 7.500 anos luz da Terra, à direita do Cruzeiro do Sul.

Nota - um ano-luz equivale, em números redondos, a 10 trilhões de quilômetros terrestres.


12- “Ridículo: quando o homem quer ter o Universo exposto, sem que haja, para tanto, Causa Determinante, Princípio ou Inteligência!” - Osvaldo Polidoro
FONTES DE CONSULTA (Cosmovisão)
Revistas: Science, New Scientist, Nature

Astrophysical Journal

Wikipedia (Enciclopédia Eletrônica e Interativa)



A Bíblia dos Espíritas - pág. 24/25
www.worldwidetelescope.org

www.nature.com

www.journal.uchicago.edu/ApJ3

www.wikipedia.org.br


DEUS
É mais correto chamá-lo PRINCÍPIO.

Em realidade, ELE é indefinível. Definir etimologicamente significa dar os fins, traçar limites. Como é infinito, obviamente, não tem limites.

Mais precisamente, nenhum ser relativo poderá “conceber” o Absoluto, a não ser através meramente de um periscópio concepcional.

A seguir, forneceremos alguns conceitos transmitidos pelos grandes iniciadores, que remontam às origens dos tempos iniciáticos como RAMA1, ZOROASTRO1, ORFEU1, PITÁGORAS1, PLATÃO1, HERMES1, MOISÉS1, JESUS, e os APÓSTOLOS.


CONCEITOS
1- É a Essência Divina que a tudo Emana, Sustenta e Destina, através de Leis Eternas, Perfeitas e Imutáveis. Tem como atributos ser Onisciente, Onipresente e Onipotente.
2- É Infinitamente Simples em Seus fundamentos e infinitamente complexo em seus desdobramentos.
3- Nenhum de nossos pensamentos saberá concebê-Lo; nenhuma linguagem defini-Lo.
4- O que é incorpóreo, invisível, informe, não pode ser apreendido pelos nossos sentidos.
5- O que é Eterno não pode ser medido pela curta regra do tempo.
6- Alguns eleitos percebem raios de sua perfeição, mas esses iniciados não encontram, em linguagem comum, palavras que possam exprimir a visão imaterial, que os fez estremecer.
7- É o Começo que nunca finda.
8- DELE tudo parte; NELE tudo movimenta; e para ELE tudo volta.
9- O de dentro e o de fora, o de cima e o de baixo; tudo é UM, porque só UM é o Princípio.
10- Uma só é a VERDADE e, só com ELA, triunfareis.
11- Origem, Sustentação e Destinação do Espírito e da matéria, dos mundos e humanidades.
12- Sagrado Princípio do Universo.
13- Sagrada Causa Primária.
14- Sagrado Princípio do Todo; Causa Infinita dos infinitos efeitos.
15- É o Ser dos seres.
16- O Senhor do Infinito e da Eternidade.
17- É o Ser que é, foi e será.
18- É UNO, e não Trino.
19- NELE nada cresce nem diminui.
20- DELE tudo deriva e tudo a ELE retorna.
I – EMANAÇÃO

O “SER SUPREMO” imola-se a si mesmo para produzir tudo o que existe.

É o Supremo sacrifício. (Bhagavad-Gita)

Em realidade, o Princípio nada tira fora de Si – nada cria, mas “emana”. Assim sendo, o termo “Criação” não é o mais adequado para caracterizar esse fenômeno, mas sim “Emanação”. DELE tudo se origina; NELE tudo se movimenta, e para ELE tudo volta.

O Infinito que alberga os dois Universos: cósmico: visível, aparente, objetivo; anímico: invisível, inaparente, subjetivo; é Emanação do Princípio.

Os materialistas e agnósticos admitem, tão somente, o Universo Cósmico. Os espiritualistas, ao revés, admitem ambos. Destarte, os encarnados fazem parte integrante dos dois; ao passo que os desencarnados, tão somente do Universo Anímico.

O termo “criatura” humana é utilizado inadequadamente. Para se utilizar de maior precisão vocabular, será mais correta a denominação “emanatura” humana. Se somos emanados e não criados...

Como já foi dito anteriormente, sendo DEUS infinitamente simples em seus fundamentos e infinitamente complexo em seus desdobramentos, a gravidez, a prenhez e as sementes das plantas nada mais são do que “o prolongamento do poder emanador do Princípio”.

Tudo o que há de visível e invisível no Infinito é Emanação do PRINCÍPIO SAGRADO. Se ELE nada tivesse emanado, no Infinito somente existiria ELE. Daí porque, ELE é o ETERNO PRESENTE.

II – MOVIMENTO
No Infinito nada está parado. Tudo está em constante movimento, ainda que aparentemente estático.

O Universo Cósmico pode ser comparado a uma sanfona que se contrai e se distende, sem aumentar ou diminuir. Há momentos de contração e distenção. Assim também é o anímico.

Há necessidade de movimentar-se, visando o desabrochamento interno da Centelha Divina.

Os mundos e intermundos movimentam-se. O macro, através das Leis da Mecânica Celeste; e o micro, das Leis da Mecânica Quântica.

Há mundos que ainda não são e, um dia, serão; há mundos que são e, um dia, não mais serão; e mundos que foram e já não mais são, porque já se reintegraram totalmente ao PRINCÍPIO.

O Infinito se caracteriza pelo moto-contínuo.


III – IMORTALIDADE

Em DEUS nada morre. Há um constante transformismo. Um eterno “vir a ser”.

O que caracteriza o espírito é a sua “indestrutibilidade”. A centelha Divina é indestrutível. Apenas encarna e desencarna; é simplesmente imortal. Assim, ninguém nasce ou morre; apenas encarna ou desencarna.

Daí a responsabilidade de cada filho de Deus após deixar o corpo físico na sepultura. A vida continua além-túmulo. Não acaba ali.

Os materialistas e céticos não admitem a sobrevivência do espírito pós-sepultura. O próprio corpo físico, após a perda da força vital, volta ao laboratório da natureza, a chamada terra-mãe. O cadáver se desidrata e a parte sólida, que nada mais é do que pó organizado, volta a ser, com o tempo, elemento químico. Nada morre. “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma.” (Lavoisier) É uma realidade já comprovada cientificamente e aceita pela “communis opinio doctorum” (“comum opinião dos doutos”). Como já disse Pierre Teillhard de Chardin: “A terra vive; ela palpita”. (O Fenômeno Humano)

“A imortalidade do espírito é facilmente comprovável pela simples constatação, através da psicografia, incorporação e vidência.” Infelizmente, os religiosismos, que têm ultimamente se unido através do chamado “Ecumenismo”, ao combaterem esse dom dado por DEUS, fazem o jogo dos materialistas e céticos.

Assim, a palavra “morte”, um dia, será riscada do dicionário neste planeta.

Em DEUS nada morre, tudo vive. O Infinito é um Organismo vivo em perene movimento, sempre se transformando. O “vir a ser” é constante.
IV – EXISTÊNCIA
Ao sermos emanados do PRINCÍPIO, quer queiramos ou não, passamos a “existir” na direção da individualização espiritual. Há um Determinismo Divino. Éramos “imortais” e continuamos a sê-lo. A partir daí, será um constante “vir a ser” (transformismo). Assim, não há como pôr fim à “existência”.

Todos aqueles que, pressionados pelas dificuldades da encarnação, pensam em “desaparecer” da face da Terra, pondo fim a ela, através de algum gesto tresloucado, tentando o suicídio, o fazem por ignorância dessa Lei Fundamental. Sendo “imortais”, não há como deixar de existir. Desta forma, na verdade, estão pondo fim à “encarnação”, não à existência. A vida espiritual continua...

Nesses casos, como o corpo é a ferramenta do espírito, naturalmente ocorre a responsabilização pelo ato praticado. Existe, na região astral inferior, até o conhecido “Vale dos Suicidas”.

Como há os suicídios voluntários (dolosos), existem também os involuntários (culposos), através de vícios de variadas espécies em que ocorre uma antecipação do desencarne.

Se nos intencionais, o desencarne é momentâneo, nos culposos (negligência, imprudência e imperícia), muitas vezes se dá de forma lenta, paulatina, de maneira imperceptível. Quem vive “perigosamente”, dirigindo em alta velocidade em local incompatível para tal, não estaria sendo imprudente?

Desta maneira, o número de casos em que essa forma de desencarnação ocorre é muito variada. Basta-nos dar asas à imaginação...

Assim, como na célebre frase de um conhecido ex- Presidente do Brasil, ao deixar em carta testamento “Saio da vida, para entrar na História”, melhor seria dizer: “Saio da encarnação...”. A vida espiritual continua do outro lado...

À guisa de ilustração, a conhecida filosofia Existencialista de J. P. Sartre (O Ser e o Nada; Entre Quatro Paredes, etc.), no que foi influenciado por outros filósofos e seguido por muitos outros, como Simone de Beauvoir, Ernest Hemingway e outros mais sendo de característica niilista, revela nenhum conhecimento da verdadeira vida espiritual. Quantos o seguiram?

A célebre frase de Hamlet (William Shakeaspeare): “To be or not to be – that’s the question”. O “ser ou não ser”; poderia essa dúvida ser entendida como “existir ou não existir”?
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
1- Da sabedoria Induísta: “Os filhos da UNIDADE, quando disso se apercebem, tanto mais depressa podem atingir a União final, que é o objetivo da existência.” (O Evangelho Eterno - pág. 58)
2- “Deus é Único; enquanto os cristos são ‘infindos’ em números. Todos virão a ser unos com o Pai. Todos os seus filhos virão a atingir esse grau evolutivo.” (O Novo Testamento dos Espíritas – pág. 329)
3- A UNIDADE é a Lei de Deus; o NÚMERO é a Lei do Universo; a EVOLUÇÃO é a Lei da Vida.

Em Deus, tudo começa no UM, desdobrando-se ao Infinito. O UM é Deus Imanifesto, e o Múltiplo é Deus Manifesto. Entre a UNIDADE e a MULTIPLICIDADE está tudo, porque essas palavras querem dizer: “Emanador” e “Emanação”; o Todo e a Sua Manifestação.

Aí está: o Estático e o Dinâmico. O Pai e os filhos. (A Bíblia dos Espíritas - pág. 103)
4- Ninguém vai às profundidades íntimas, a não ser através das Leis Regentes Fundamentais da chamada “criação”.
5- Ser “simples” é uma coisa. Ser ‘inconsciente” é outra.
6- Tomai cuidado antes de concordar com o próximo, pelo simples fato de ser o próximo.
7- Os filhos de Deus possuem a Verdade em si mesmos.
8- Em matéria de Verdade, há uma “síntese” a ser observada; uma “linha mestra” inelutável a ser respeitada.
9- Deus quer que cada qual conheça as Verdades Básicas e amem tudo quanto é bom, necessário, útil e fraterno. Quer vida “pura e simples”, “amorosa e sublimada”.
10- Alerta: a mentira pode conter elementos de bondade.
11- A sintonia perfeita com o Ser Total: esse acontecimento “não pode ser explicado”. Nenhuma linguagem humana poderia, jamais, consegui-lo, por mais fugidiamente que fosse.
12- Emanação: o termo “criação” é errado, gera conceito falso, porque de Deus, ou do Princípio, tudo é “emanação”. Nada deriva do nada, ou de um Deus que nunca existiu, que tira e tirou tudo de uma cartola de mágicos por meio de mistérios, enigmas, milagres, etc. (Folheto – “Espírito – Perispírito – Chacras” - de Osvaldo Polidoro)
13- “A centelha espiritual ou o espírito, ou aquela partícula de Deus que, tendo sido ‘emanada’ com todos os valores divinos em potencial, terá de se movimentar através dos mundos e intermundos, até vir a ser Deus em Deus, ou Espírito e Verdade. O que isso é, por ora, foge muito ao poder de concepção dos terrícolas.” (Osvaldo Polidoro)
14- Movimento no Cosmo: as leis da Mecânica Celeste que comandam o Macro, e as da Mecânica Quântica que comandam o Micro são desdobramentos da Lei Fundamental de Movimento.
15- Imortalidade: a maior prova:

a) a ressurreição (desencarnação) de Jesus que “ressurgiu” em Espírito à Maria Madalena, Maria e demais apóstolos;

b) o seu aparecimento ao vidente Saulo na Estrada de Damasco. Esse fato ocorreu em sua “aparição” em espírito.
POESIA

A CIÊNCIA DA UNIDADE
(A Bíblia dos Espíritas – pág. 193)
As tradições esotéricas ensinavam a Verdade,

Uma chave tendo elas, uma linha fundamental;

Essa linha era a grande e pura lei de Unidade,

O Manifesto e o Imanifesto, a síntese geral.

Não sendo a Sabedoria Antiga uma idolatria,

Mandava procurar Deus na intimidade em geral;

Sabia que, por evolução, a isso se chegaria,

Descobrindo o homem, em si mesmo o Pai Divinal.

Partindo de si, marcharia rumo ao Infinito,

A conhecer Deus, na presença do Cosmo glorioso;

Ele sentia a Deus, no grande e no pequenito,

Reconhecendo em tudo, Aquele Gerador Majestoso!

Após, vieram as corrupções, surgiram religiões,

Inventaram-se formalismos, puseram Deus distante;

Aviltaram a Verdade, vendendo tantas simulações,

Que em lugar de adulto, o homem deu para infante.

Agora, na estrada que o mundo em si representa,

Guerras, pestes e fomes vigiam a pobre gentalha;

A idolatria pensou, criou, sustentou a tormenta,

E assim fazendo, entregou-lhe a negra mortalha!

HABITAÇÃO CÓSMICA
ENSINAMENTOS
1- “A Casa do Pai tem muitas moradas.” (Jesus)
2- “Cada Humanidade tem a Casa Cósmica que merece.” (Osvaldo Polidoro)
3- “Nesta Humanidade não há doenças, mas doentes de espírito. Acabem com as doenças espirituais e terminar-se-ão as doenças do corpo.” (Osvaldo Polidoro)
4- “A Humanidade Planetária faz parte da Humanidade Cósmica.” (Osvaldo Polidoro)

I PREÂMBULO
A necessidade de uma moradia.

1- Até o amendoim tem a sua residência.

Para se abrigarem do desconforto das intempéries e perigos da convivência em um mundo de expiações, os pássaros têm seus ninhos; os animais, em geral, têm suas tocas; os primatas, suas cavernas.
2- Jesus, em sua passagem pela carne, afirmou: “Os passarinhos têm seus ninhos; as raposas suas tocas e o Filho do Homem não tem onde encostar sua cabeça.”

A propósito, em um mundo espiritualmente inferior como o nosso, em que as riquezas são mal distribuídas, quantos en-carnados encontram-se vivendo sem um teto, morando nas ruas, debaixo de viadutos e outros lugares sub-humanos...



II – HISTÓRICO
1- Há milhões de anos, quando este Planeta ainda não existia, dois espíritos foram designados pelo PRINCÍPIO SAGRADO para comandar as Legiões Angélicas, que realizariam a condensação das energias, a fim de que mais uma Casa Cósmica passasse a existir.
2- Foram Eles, Jesus e João Batista; daí a conhecida frase do Divino Mestre: “Antes que este mundo fosse, Eu já era.” Cristificaram-se em outras moradas do Universo Cósmico.
3- Partindo da Luz Divina, através da física dos 9 Estados, chegou-se aos reinos mineral, vegetal, animal e homo sapiens. Inicialmente, ocorreu uma “involução” para, a seguir, iniciar-se o caminho de volta, através da “evolução”.
4- Atingida a bípede verticalidade, deu-se o surgimento da Raça Primitiva – EVA. Originou-se da Terra Mãe, através do poligenismo (múltiplos casais) e não do monogenismo (único casal), como veremos adiante ao estudarmos “Evolução”.
5- Passados alguns milhões de anos, há cerca de 480.000 anos atrás, em um orbe da Estrela Capela – Alfa da Constelação do Cocheiro – houve a necessidade de uma “profilaxia”.
6- Espíritos moralmente degradados deveriam ser degredados para uma morada inferior, mais nova. No Programa Divino para aquela Casa Cósmica, deveria ocorrer uma varredura, uma faxina espiritual.
7- Assim, espíritos que não mereceram herdar aquele orbe em seus futuros ciclos foram entregues ao Diretor Planetário da Terra.
8- Deu-se a aplicação da Lei das Migrações Interplanetárias.
9- Adventícios vieram compor com a Raça Primitiva (EVA) a nossa lotação planetária.
10- Consequentemente, ADÃO e EVA são, na verdade, a junção de duas comunidades – Adamita e Evita.
11- A lotação planetária, composta de desencarnados e encarnados, é de 72 bilhões de espíritos.
12- Atualmente na carne, há mais de 7 bilhões de espíritos, dos quais China e Índia, somados, representam 2 bilhões e 500 milhões; portanto, mais de um terço.
13- A Terra, de lá para cá, passou por vários dilúvios, mudando sua configuração geográfica por cinco vezes. O último foi o de água, conforme o Livro do Gênese. Não expulsou ninguém. A natureza tornou-se ainda mais bela.
14- Por outro lado, há um PROGRAMA DIVINO para mundos e humanidades.
15- O Planeta já passou por sua infância espiritual e está agora na fase crepuscular da Juventude.
16- Será possível passar para o próximo ciclo – o da Maturidade – sem que, por simetria, ocorra uma faxina? Dadas as condições atuais, a resposta, a toda evidência, só poderá ser não.
17- Deverá, antes, sofrer uma profilaxia. Espíritos moralmente degradados deverão igualmente ser degredados, conforme a previsão apocalíptica – os chamados “fora daqui”.
18- Assim, infelizmente para nós, antes do Novo Céu e Nova Terra, previstos em Isaías 11, ocorrerá a separação entre cabritos e ovelhas, simbolicamente citada no Sermão Profético de Jesus – Mateus 24 e 25 e no Apocalipse, cap. 21.
19- Isso acontecendo, espíritos mais harmônicos herdarão a Terra dos futuros ciclos. A humanidade terráquea passará a viver de um mundo de expiações ao de provas.

Como em Isaías 11, os animais que hoje se entredevoram na “strugle for life”, como afirmou Charles Darwin, irão viver em paz uns com os outros.



Para onde caminhará?

O objetivo final será a Jerusalém Celestial, que não se confunde com a atual Jerusalém terrena, local de ódios e guerras entre facções religiosistas – chamada ainda hodiernamente e de forma indevida de “Terra Santa”.


20- Com o Dilúvio de Fogo (terremotos, erupções vulcânicas e outros acontecimentos), 2/3 da lotação planetária, divididos em duas porções, serão entregues pelo Diretor deste Planeta para os respectivos Diretores de dois outros que estão em fase semelhante à da Terra de 480.000 anos atrás.
21- Da mesma maneira que muitos adamitas recuperados já voltaram para aquele orbe, outros que igualmente poderiam fazê-lo, por terem adquirido laços familiares e afetivos, aqui preferiram ficar.
22- Da mesma forma, deverá ocorrer desta vez. Espíritos daqui irão, em Missão, ajudar o progresso espiritual e material desses dois novos mundos.
23- Muitos dos Adventícios, uma vez recuperados, merecerão voltar; bem como outros, em igual situação, optarão por lá permanecer.
24- Com a injeção adventícia, filósofos, cientistas, artistas, entre outros irão ser lá os vanguardeiros. Serão os ponteiros nas conquistas evolutivas de suas respectivas qualidades e virtudes, colaborando para o progresso, da mesma maneira que anteriormente o foram os adamitas aqui. Serão nesses mundos os Michelângelos, Leonardos da Vinci, Einsteins, etc...
25- O nosso Mestre informou que já esteve em ambos os orbes e verificou que irão habitar corpos um pouco inferiores aos encontrados aqui pelos Adamitas.
26- É provável que assim seja, em razão da reincidência de muitos. Nesses casos, sempre há aumento de responsabilidade.
III A ORGANIZAÇÃO ASTRAL
Assim está disposta:
1- Diretor Planetário
2- Direção Planetária (a qual pertence Mãe Maria)
3- Sete escalões distribuídos de forma piramidal. Na base ficam os espíritos mais novos, recém-ingressados na bípede verticalidade.
4- Quem são os chefes de escalões? Maria Madalena, João Evangelista, Lucas, Isaías, Jeremias, Buda e Pedro.
5- O número 7: como é sabido, o nosso Planeta é setenário. Os historiadores costumam afirmar que, realmente, se trata de um número mágico, místico e misterioso... O número 7 está presente em vários aspectos da natureza. Para exemplificar, vejamos:

são 7 escalões espirituais

7 céus

7 cores fundamentais do arco-íris



7 dias da semana

7 orifícios nos homens

7 chacras

7 plexos


7 notas musicais

No Apocalipse são:

7 anjos

7 trombetas



7 comunidades

7 estrelas (chefes de comunidades)


Jesus ensinou: “Não perdoai 7 vezes, mas 70 vezes sete”.
6- Relativamente aos sete céus – eles são constituídos de sete círculos concêntricos e superpostos, a partir do centro da Terra. Quanto mais para fora, tanto mais evoluídos. Há céus: inferiores, intermediários e superiores.
7- As quatro regiões astrais. São elas:
a) subcrosta;

b) zona sobre a superfície da Terra (faixa de 70 km);

c) após, os umbrais até 1.300 km;

d) a seguir os céus intermediários e superiores.


8- Com a Cristificação (8° Céu, ou Intermundos) passa-se a pertencer à Comunidade Crística ou Divina Providência.

IV INDICADOR
1- Encarnam, por dia, aproximadamente 220.000 espíritos.
2- Desencarnam cerca de 200.000 espíritos.
3- 80% dos que desencarnam o tem feito de forma “destrambelhada”; isto é, de forma bastante ruim. Assim, apenas 20% tem merecido recolhimento.
4- Dos espíritos mais evoluídos, 80% estão em corpos femininos.
5- Como características de mundo espiritualmente inferior, o Planeta tem:

a) áreas inóspitas, hostis, de vida difícil para os encarnados; são os desertos gelados (calotas polares) e desertos excessivamente quentes;

b) 500 vulcões ativos;

c) centenas de vulcões submarinos - ex.: Japão, Oceano Pacífico;

d) fenômenos climatéricos desastrosos: El Niño e La Niña;

e) áreas condenadas (futuros terremotos) – Falha de Santa Andrea – Califórnia – EUA;

f) doenças deste início de milênio – aids e outras que já estavam controladas e estão reaparecendo: tuberculose, lepra, etc.;

g) zonas cármicas – ex.: Sudão e Etiópia;

h) centenas de instituições religiosas, bloqueadoras da Lei Fundamental: Revelação;

i) somadas todas as organizações criminosas que exploram o lenocínio, jogos, tráfico de drogas e outras mazelas, tais como as máfias Siciliana (Cosa Nostra), Napolitana (Camorra), Americana, Russa, Japonesa e outras manipulam um orçamento maior que o do nosso país.

Em suma, neste início de milênio, lamentável e infelizmente para todos os terráqueos, a nossa Casa Cósmica está pronta para a “Grande Varredura”.


Informações Complementares
1- “O livro de Deus”

“Meu livro é o Todo Infinito,

É no seio do qual eu habito,

Porque Sou a Essência e a Vida,

E emanar, sempre, será a Medida.”

(Livro de Orações - 1o volume - pág. 93)


2- “Dias de Tormenta”

“Porém, ouvi, tende paciência e bom cuidado,

Que tragédias, lutas e dores, em profusão,

Até o século que vem, bem pelo seu meado,

Varrerão a Terra, e lutos fartos deixarão.”

(Livro de Orações - 1o volume - pág. 84)
3- Habitação Universal”

“Os mundos são as muitas casas do Pai, segundo a expressão de Jesus. A matéria é para servir o espírito. A realidade é simples: da Terra são vistos, ao longe, outros mundos e, dos outros mundos, a Terra é vista. O Infinito contém aquilo que é a Manifestação de Deus.”


4- A Terra

“É um instituto correcional de degradados e degredados.” (O Céu Maravilhoso)


5- “O Édem Perdido”

Não é o que fala a corrupção do Pentateuco, mas o mundo

melhor de onde vieram os Adamitas. Assim irão ser aqueles dois mundos inferiores, que irão hospedá-los...
6- Ter coroas trevosas para o exterior é muito depreciável.
7- O Céu primeiro ensina.

Depois, dá tempo.

A seguir, cobra contas.

(Osvaldo Polidoro)


8- A Terra

“É um país cósmico, de ordem medíocre.” - Confissões de um Padre Morto


9- A Terra

É um mundo assaz inferior.

Os perigos: há muitos tardos de coração e fartos de malícia, fracos de reais conhecimentos e fortes de presunção - Verdades Imortais - Osvaldo Polidoro
10- A Bíblia trata Deus como ser antropomórfico. Diz que Ele trabalhou seis dias para “criar” a Terra, tendo que descansar no 7o.
11- Observação:

Será que a Mente Universal, que emanou todo o Universo Cósmico, teria que “descansar” para “criar” apenas e tão somente um grão de areia cósmico? Dentro desse raciocínio, para “criar” todo o Cosmo, quanto teria de descansar?


12- O Evangelho Segundo o Espiritismo

O capítulo III - item 3 - ensina sobre a existência de cinco modalidades de mundos materiais: primitivo, de expiações e provas, regeneradores, felizes e celestes. Estes últimos, morada de Espíritos Puros, onde o bem reina sem mistura.

Há líderes espíritas ensinando: “Estamos num momento em que a Terra, lentamente, vai deixando de ser um mundo de expiações e provas, para ser um mundo de regeneração.”

“O século passado foi de ciência e tecnologia. O atual (XXI) será do amor, das artes, da fé religiosa.” (em palestra proferida na Universidade Camilo Castelo Branco - Itaquera - SP - por um deles, em 18.01.2001)


13- Esquecem-se que, antes, deverá ocorrer uma grande profilaxia, semelhante à ocorrida no Orbe da Estrela Capela, conforme previsões no Sermão Profético de Jesus. (Mateus - 24 e 25 e Apocalipse)
14- “A cada matiz de grau cabe o justo local de estada e ocupação.” - Moral, Amor e Revelação - pág. 62




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal