Em nome da pátria: italianos e ítalo-brasileiros na região central do rs1



Baixar 43.26 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho43.26 Kb.


EM NOME DA PÁTRIA: ITALIANOS E ÍTALO-BRASILEIROS NA

REGIÃO CENTRAL DO RS1
Cátia Dalmolin2
A expansão das ideologias totalitárias, nas décadas de 1920 e 1930, teve repercussão no Brasil, através da política populista e nacionalista adotada por Vargas. Com o Estado Novo, 1937, e com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, 1939, houve uma grande preocupação com o possível perigo que as colônias estrangeiras pudessem revelar para a consolidação do Estado Nacional Moderno Brasileiro, na medida em que seguiam tradições culturais diferenciadas das nacionais.

Este estudo busca analisar as manifestações da política nacional e internacional na região central do Rio Grande do Sul, especialmente em Santa Maria e na Quarta Colônia de Imigração Italiana do Rio Grande do Sul. Esta última fundada por colonos italianos, aqui chegados a partir de 1875.

Para a realização deste trabalho recorreu-se a entrevistas com pessoas que vivenciaram o período, jornais, principalmente o A Razão3,de Santa Maria, além de revistas da época e outros documentos de pessoas e entidades associativas da região.

Em nome da Pátria é o título de uma reportagem vinculada no referido jornal no ano de 1942 para justificar o “quebra-quebra” acontecido no mês de agosto daquele ano. Sobre este episódio procurou-se tecer algumas considerações neste artigo, sendo ainda, o mesmo, objetivo de análise para minha dissertação de mestrado.


CARAVANAS DE BRASILIDADE

Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial e a conseqüente expansão dos regimes totalitários os “estrangeiros” sofrerão fortes represálias e perseguições na região central do Rio Grande do Sul.

Segundo as Instruções Gerais baixadas pelo chefe da polícia do Estado do Rio Grande do Sul, tenente-coronel Aurélio da Silva Py, aos estrangeiros não era permitido: “a)Viajar de uma localidade para outra sem licença da polícia (salvo-conduto); b) Reunirem-se, ainda que em casas particulares e a título de comemoração de caráter privado (...) c) Discutirem ou trocar idéias em lugar público, sobre a situação internacional; d) Mudarem de residência sem prévia comunicação à Polícia; e) Viajarem, por via aérea, sem licença especial da Polícia; f) Obterem licença para andar armado e registrar armas, ficando, nésta data, cassados todos os registros e autorizações concedidas anteriormente para o porte de armas; g) Obterem licença para negociar armas, munições ou material de explosivos ou que possam ser utilizados na fabricação de explosivos, ficando, igualmente cassadas, nesta data, todas as licenças anteriormente concedidas para esse fim...” 4.

Acreditava-se que os “estrangeiros” poderiam ser uma ameaça a política estado-novista que procurava consolidar o nacionalismo no Brasil. O auge desta perseguição na região estudada será o ano de 1942.

Assim como no Brasil, Santa Maria não constituiu uma exceção e referido ano foi marcado por fortes manifestações de cunho político, foram diversas “caravanas de brasilidade”, comícios, passeatas, discursos inflamados das autoridades santa-marienses e ataques do jornal local aos chamados “Quinta-colunistas”5, bem como, total apoio as atitudes adotadas pelo governo estadual e federal. Formaram-se na cidade vários movimentos como: a “Ala Democrática da Mocidade”, que dava apoio ao governo brasileiro e combatia o fascismo, sendo sua principal finalidade “a defesa das instituições brasileiras e a reafirmação de solidaderiedade ativa aos princípios pã-americanistas”6, e o “Movimento dos italianos livres”, objetivando “a reunião dos italianos livres, no sentido de combater o fascismo universal e oferecer irrestrito apoio a causa aliada”7.

A tensão internacional e nacional aumentava cada vez mais e esta situação transparecia através de reportagens tendenciosas, principalmente, na coluna do jornalista Paulo Mendes, pseudônimo utilizado por Clarimundo Flôres, proprietário do A Razão.

Ao mencionar as famílias italianas e ítalo-brasileiras, o citado jornalista escreve :

“Em relação á alimentação e á higiene é simplismente inacreditavel o que ainda ocorre entre a população dos distritos coloniais. Familias inteiras têm por alimentação folhas amargas de ‘radicce’ preparadas com pedaços de toucinho. Sem distrações adequadas á simplicidade do seu espirito e ainda tendo á frente ameaças que eles não podem compreender, os colonos fecham-se no mais escuro quarto da casa e se entregam á cachaça. (...) Daí os estrabicos, os surdos, os cégos, os mudos, os imbecís, os cretinos, os incapazes de que a colonia está cheia. Nas imediações da vila de Silveira Martins , eu conheço familias inteiras em que todas as pessoas são anormais. Em Vale Veneto, (...) encontrei um verdadeiro ambiente de cemitério, com quasi cadaveres se arrastando pelas ruas. Tudo isso, como é natural, influe para que o fanatismo encontre facilidade de devastação entre os colonos.”8

Há uma preocupação de explicar que o colono italiano, era fraco, portanto, fanático e sensível a penetração das ideologias como fascismo e nazismo.

Durante todo o ano de 1942, as reportagens tratavam de revide, vingança, inimigos, fanatismo. A notícia oficial do bombardeamento de navios brasileiros no litoral da Bahia foi “como um rastilho de pólvora” onde, “a indignação e a revolta atingiu praticamente todo o território nacional”.9

“Assim, apezar de todas as medidas de vigilância e de precaução adotadas pelas autoridades policiais, foram depredadas numerosas casas comerciais e fábricas de propriedades de súbditos do eixo, bem como de simpatisantes. Muitos objetos retirados das residências de elementos descendentes dos países totalitários e brasileiros quintacolunistas foram levados, pelos populares, para o chafariz da Praça Saldanha Marinho e ali mergulhados. Cerca de 23,30 o movimento no centro da cidade entrou em declínio. Contudo, colunas populares percorriam as zonas mais afastadas, onde também se verificavam depredações contra casas de elementos totalitários”10

O artigo acima descrito trata sobre o acontecido na noite de 18 de agosto de 1942 onde Santa Maria viveu momentos de grande tensão: estabelecimentos de descendentes alemães e italianos foram totalmente depredados pela população. Depois do acontecido o jornal A Razão noticiava os pedidos Ao povo de Santa Maria de empresas e/ou pessoas físicas que haviam sido atingidas pelo quebra- quebra11. Nestes anúncios ficava claro que tais pessoas e estabelecimentos eram brasileiros e que nada tinham a ver com o Eixo. Pela imprensa local este “ato de selvageria” foi tratado como “extraordinária e excepcional exaltação patriótica” apenas como uma resposta “a traiçoeira afronta totalitária” o que acabou “também se manifestando em diversos atos de revide”12

Em 22 de agosto de 1942, João Cerezer, assina nota no Jornal, escrevendo que:

“Ao povo de Santa Maria. Em virtude de ter sido o armazém de minha propriedade, localizado à rua Benjamin Constant, naturalmente por engano, atingido quando das manifestações patrióticas com que o povo, justamente indignado e vibrando de civismo, exteriorizou o seu protesto à inominável e vandálica agressão desferida pelo eixo totalitário a nossa cara Pátria,venho esclarecer, de público, que ou brasileiro nato e estou quites com o serviço militar. Conservando bem vivo o sentimento de patriotismo, também a minha alma de brasileiro se irmana com a de todos os meus patrícios na repulsa à afronta dirigida contra o Brasil e serei dos primeiros a atender o chamamento para lutar em defesa do nosso grande Brasil...”13

Nelson Borin, lembra do “quebra-quebra” e saque que sofreu a empresa de seu pai, naquele ano. Na época com nove anos, relembra alguns fatos mais marcantes daquele episódio, dizendo que:
“No mês de agosto houve o quebra-quebra. Então eles [populares] vieram, desceram a avenida Rio Branco, foram lá pela rua 7 de setembro, entraram na Marechal Deodoro e vieram para o Itararé e aí quebraram tudo que nós tinhamos, a loja não ficou nada... só ficou as paredes [muita emoção]. [Meus pais] tiveram que começar do zero. Eu me lembro eu era pequenininho [9 anos], me lembro como a gente foi, não digo mal tratado na pessoa, mas assim, o pessoal dizia coisas que eu me apavorava. O nosso pai dizia não retrucam, não digam nada, aguentem. Eu só sei que naquela noite tava chovendo e o pessoal cortava com uma faca os sacos de feijão e arroz e saiam esparramando pela rua e o exército tava alí olhando mas deixando o pessoal quebrar. Era triste mesmo. O comércio foi assim de volta, recuperando, recuperando e conseguimos salvar a situação.

Não podia [se meter] porque era muita gente, viu? Uma multidão. Se meter, ir lá, o que dizer para aquele pessoal? Ninguém acredita na hora do tumulto. [se refere ao dizer que não eram quinta-colunistas].Me lembro que meus pais falavam que tinha chegado roupas da Renner. Vendiam capas, casacão, roupas pesadas para o inverno e eu me lembro que não ficou nada. Eles vendiam os foguetes, eu me lembro que as prateleras era altas, eles acendiam os foguetes e derrubavam tudo, as coisas que tinham dentro lá dentro da loja. Meus pais matavam porcos e faziam linguiças para vender, porque não tinham quem vendesse. No dia do quebra-quebra, tinha gente que botava no pescoço as linguiças e saiam. Naquela noite o povo saqueou, roubou o que não pode estragava, destruia.” 14

Logo depois do acontecido pode-se notar que o mesmo jornal publicou várias propagandas de empresas de ítalo-brasileiros, além dos apedidos acima citados, encontram-se publicidades de outras estabelecimentos como: “Imperial Hotel de A Benetti, Rio Hotel (Antigo Hotel Roma) (sic), Restaurante Apolo de Angelo Pezzi, Farmácia Fontenelle, Padaria Miorin, Casa Binotto e Hotel Tupi (Antigo Hotel Itália) (sic)”15

Insistentemente, o jornal vincula que os ferroviários, promotores do comício e da passeata, que acabou em quebra-quebra em Santa Maria, nada tem a ver com o acontecido. Dr. Eli Nascimento Machado, delegado de polícia, escreveu ao chefe da mesma, Coronel Py comunicando o acontecido e que este “não passou de uma vil manobra da quinta-coluna” 16

Dentro do processo de construção de uma identidade brasileira, pelo Estado Novo, de Getúlio Vargas, algumas localidades, instituições, empresas, entre outros, que possuíam nomes estrangeiros tiveram que “abrasileirá-los”.O fato foi amplamente divulgado na região central. A Legislação determinava que “os novos nomes não sejam estrangeiros(...) e que se prefiram nomes de propriedade local, sobretudo os indigenas”17.

Na região estudada houve três casos de trocas de nomes de localidades. Ivorá é a nova designação dada ao núcleo de Nova Udine; Novo Treviso passou a chamar-se, ainda que por pouco tempo, de Vasconcellos Filho e um pedido intercedia pela troca do nome da localidade de Vale Vêneto para General Justo, o que não chegou a acontecer.

Empresas e associações que fizessem referências a Itália também tiveram nomes modificados: Rio Hotel passou a ser o novo nome do Hotel Roma; bem como Hotel Tupi foi a substituição para o nome Hotel Itália e ainda o Hotel Muller passou a se chamar Avenida Hotel. Dentre as Associações Italianas da região neste período a Associazione de Mutuo Soccorso Umberto Io Fra Gli Operai Italiani, de Silveira Martins substitui seu nome para Clube Silveira Martins.18

Através de fontes diversas; jornais, fonte oral, entre outras procura-se reconstruir o quadro da noite de 18 de agosto de 1942, principalmente no que tange as empresas depredadas pela população. Até o momento levantou-se os nomes que seguem: Borin & Irmãos, armazém de secos e molhados, bairro Itararé; João Cerezer, armazém, rua Benjamim Constant; Irmãos Pisani; armazém de Luiz Chiappa, rua Silva Jardim; Hotel Müller, avenida Rio Branco; Giuliani, bar e lancheria, bairro Itararé; Weissheimer & Irmãos, fábrica de produtos alimentícios; Augusto Ernesto Weber; Fábrica Cyrilla, fábrica de bebidas; Hildegard Schwarke, restaurante; casa Hermann, consultório dentário, perfumaria, material protético, dentário, ouro e produtos de beleza, rua Dr. Bozano; bar Shmidt, avenida Rio Branco; Luiz Kurt Niederauer, armazém, rua 7 de setembro; Giuseppe Nicola, bar 15 de novembro, rua Dr. Bozano; Neumayer, fábrica de cola de madeira, rua Marechal Deodoro; Todesco, fábrica de bebidas, Bairro Nossa Senhora do Rosário; Hotel Roma, avenida Rio Branco e Hotel Itália, avenida Rio Branco.

Salienta-se que a pesquisa encontra-se em sua fase inicial e que certamente muitos outros nomes surgirão, agora restam alguns questionamentos que ao longo do trabalho procura-se responder: Qual o impacto dos torpedeamentos de navios brasileiros na região? Qual o sentimento da região com relação a este episódio? Até que ponto a imprensa colaborou/incitou o quebra-quebra através de suas reportagens tendenciosas? E os movimentos, comunistas, fascista, nazista, integralista, como era sua representação e força na região? Havia, ainda,uma concorrência comercial na cidade? Porque algumas empresas de descendentes italianos e alemães foram depredadas e outras não? Eram escolhidas aleatóriamente, para o saque, ou existe por trás deste episódio uma questão política, econônima e social? Havia racismo também por parte dos italianos e alemães com relação aos luso-brasileiros? Qual era o posicionamento da polícia diante de tais acontecimentos?

O que pode-se afirmar, a partir do que foi estudado é que o resultado imediato desta conjuntura repressiva foi o declínio na forma da comunidade ítalo-brasileira expressar sua cultura, seja através da oralidade, da música e até mesmo das festas. Havia um medo generalizado de manifestar-se e ser preso, além, é claro, da “humilhação” que esta representaria. Estes imigrantes e/ou descendentes italianos passaram a ser controlados pelas autoridades brasileiras a fim de que fosse assegurada a “ordem”, qualquer palavra em outra língua que não o português era motivo de prisão, não importando quem fosse a pessoa que havia cometido tal “agressão à pátria”.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


ANTONELLO, Idê. Quarta Colônia Italiana: como atrativo turístico e cultural. Monografia do Curso de História. Santa Maria: FIC, 1995.

CINQUANTENÁRIO della colonizzazione italiana del Rio Grande del Sud. 1975-1925. La cooperazione degli italiani al progresso civile ed economico del Rio Grande del Sud. Porto Alegre: Livraria Globo, 1925.

CORSETTI, Berenice. O crime de ser italiano: a perseguição do Estado Novo: In: DE BONI, Luis (org). A presença italiana no Brasil. Porto Alegre: EST; Torino: Fondazione Giovanni Angelli, v.1, p.363- 382, 1987.

DALMOLIN, Cátia. Mordaça Verde-e-amarela: O Estado Novo e os ítalo-brasileiros na região central do Rio Grande do Sul. História Debates e Tendências Brasil-Itália Travessias. v.5, n.1, julho/2004, p.84-97.

_______. Senza Ritorno a emigração italiana no Brasil. Santa Maria: Pallotti, 2004.

_______. A política nacionalista do Estado Novo em Santa Maria e na Quarta Colônia de Imigração Italiana do Rio Grande do Sul. Santa Maria. Ttrabalhado Final de Graduação. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2001.

________. A política nacionalista do Estado Novo e a comunidade Italo-Brasileira através do Jornal A Razão. Trabalho Final de Especialização em História da América Latina: O Cone Sul. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2003

DILLENBURG, Sérgio Roberto. Tempos de incerteza. Porto Alegre: EST, 1995.

FACHEL, José Plinio Guimarães. As violências contra alemães e seus descendentes, durante a Segunda Guerra Mundial em Pelotas e São Lourenço do Sul. Pelotas: Ed. da UFPEL, 2002.

GIRON, Loraine Slomp. As sombras do Littorio O Fascismo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Parlenda, 1994.

KREUTZ, Lúcio. A educação de imigrantes no Brasil. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira et al. 500 anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LUCA, Tania Regina de. As sociedades de socorros mútuos italianas em São Paulo. In: BONI, Luis D. A presença italiana no Brasil. Porto Alegre: EST; Torino: Fondazione Giovanni Angelli, v.2, p.383- 400, 1990.

MARIN, Joel Orlando. O Integralismo na Ex- Colônia Italiana de Silveira Martins. In: MARIN, Jérri (org). Quarta Colônia Novos Olhares. Porto Alegre: EST. p.110- 117, 1999.

PETRONE, Pasquale. Italianos e descendentes do Brasil: escola e língua. In: BONI, Luis de. (org) A presença Italiana no Brasil. Porto Alegre: EST; Torino: Fondazione Giovanni Angelli, v.2, p.603- 626, 1990.

SEITENFUS, Ricardo Antônio Silva. O Brasil de Getúlio Vargas e a formação dos blocos 1930- 1942. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985.

SGANZERLA, Cláudia Mara. A Lei do Silêncio Repressão e nacionalização no Estado Novo em Guaporé (1937-1945). Passo Fundo: UPF; Porto Alegre: EST, 2001.

TRINDADE, Hélgio. Aspectos políticos do sistema partidário republicano rio-grandense. In: RS: economia e política. Porto Alegre: Mercado Aberto, p.119-144, 1979

VIZENTINI, Paulo. A Segunda Guerra Mundial 1931-1945. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1989.

SPONCHIADO, Breno Antonio. Imigração e 4ª Colônia Nova Palma & Pe. Luizinho. Santa Maria:UFRSM, 1996.


JORNAIS:


  • 1942, A Razão. Santa Maria, 30 jan, p.4

  • 1942, A Razão. Santa Maria, ,14 fev, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 13 mar, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 30 abr, p.2

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 7 mai, p.2

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 14 mai, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 20 mai, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 20 ago, p.5 e 7

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 22 de ago, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 23 ago, p.3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 24 ago, p.2 e 3

  • 1942, A Razão. Santa Maria, 19 dez, p.2

DOCUMENTOS:

- STATUTO “Dell’Associazone di Mutuo Soccorso Umberto Iº fra gli operai italiani di” Silveira Martins. 1916. Porto Alegre: Sella D’Italia, 22p.

- CLUBE AGRÍCOLA E RECREATIVO SILVEIRA MARTINS. Registro n 32.441, Livro n 3-AJ de Registros da Averbação de Alteração de Nome, Santa Maria. 23 de junho de 1959, 1 fl.

- CLUBE AGRÍCOLA E RECREATIVO SILVEIRA MARTINS, Ata n 9 de Registro do Clube Agrícola e Recreativo Silveira Martins, 9 de junho de 1959, 3 fls.

- ESTATUTOS DO CLUBE AGRÍCOLA E RECREATIVO SILVEIRA MARTINS. Silveira Martins, 24 p. 1959.

- STATUTO “Della Societá Italiana Pátria e Soccorso Duca Degli Abruzzi” de São Marcos. 1896, 10p.



- “ASSOCIAZONE di Mutuo Soccorso Umberto Iº fra gli operai italiani di” Silveira Martins. Ata do “Consiglio Straordinario”, 18 de maio de 1916, 1 fl.

- “ASSOCIAZONE di Mutuo Soccorso Umberto Iº fra gli operai italiani di” Silveira Martins. Ata da “Assemblea Generale Straorinaria”, 17 de abril de 1917, 1 fl.

- “ASSOCIAZONE di Mutuo Soccorso Umberto Iº fra gli operai italiani di” Silveira Martins. Atas, de1891 a 1904 e 1915 a 1922.

FONTES ORAIS:

DEPOENTE A- Santa Maria- entrevista realizada em janeiro de 2000.

José Luiz Silveira – Santa Maria – entrevista realizada em outubro de 1999.

Pe. Luizinho Sponchiado - Centro de Pesquisas Genealógicas- Nova Palma- entrevista realizada em junho de1999.

Vitório Manoel Pozzobon - Arroio Grande-(Santa Maria)- entrevista realizada em setembro de 1999.

Nelson Borin- Santa Maria- entrevista realizada em junho de 2004.





1 Pesquisa que está sendo desenvolvida no Mestrado em História da Universidade de Passo Fundo-RS.

2 Graduada e pós-graduada em História pelo Centro Universitário Franciscano, Santa Maria-RS; mestranda em História pela Universidade de Passo Fundo-RS. Autora. catiadalmolin@terra.com.br

3  O Jornal A Razão, foi criado em 9 de outubro de 1934 por Clarimundo Flores, em Santa Maria, existindo até hoje como um meio de informação para a região central do Rio Grande do Sul.

4 1942. A Razão. Santa Maria. 30 jan, p.4 . A mesma pode ser encontrada no Jornal do Comércio, de Cachoeira do Sul, na edição de 4 de fevereiro de 1942.

5 Termo largamente utilizado pela imprensa a fim de designar os súditos do Eixo: Alemanha, Itália e Japão. É importante mencionarmos que neste período, na região estudada, os termos “estrangeiro”, “Quinta-colunista”, “Quinta-coluna”, “não-brasileiro”, entre outros, eram termos utizados para fazer referência aos italianos e também a seus descendentes, não havendo distinção entre estes. Ambos eram tratados como italianos, mesmo os que haviam nascido no Brasil e que possuíam somente sobrenome estrangeiro.

6 1942. A Razão. Santa Maria, p.3.

7 1942. A Razão. Santa Maria, p.7

8 OS PROBLEMAS da Colonia. Jornal A Razão, Santa Maria, 19 de dezembro de 1942, p.2.

9 DILLENBURG, Sérgio Roberto. Tempos de incerteza. Porto Alegre: EST, 1995, p.12

10 1942. A Razão. Santa Maria, 20 de ago, p.5

11 AO POVO de Santa Maria. Jornal A Razão, Santa Maria, 23 de agosto de 1942, p.3.

12 NO AUGE da vibração cívica o povo manifesta seu protesto. Jornal A Razão, Santa Maria, 20 de agosto de 1942, p.7.

13 1942. A Razão. Santa Maria, 22 de agosto, p.3.

14 Entrevista com Nelson Borin, Santa Maria, 9 de junho de 2004.

15 Dalmolin, Cátia. Mordaça Verde-e-amarela: O Estado Novo e os ítalo-brasileiros na região central do Rio Grande do Sul. História Debates e Tendências Brasil-Itália Travessias. v.5, n.1, julho/2004, p.84-97.

16 1942. A Razão. Santa Maria, 22 ago,p.3

17 SERÃO ABOLIDOS Os Nomes Estrangeiros De Todas As Localidades Brasileiras. Jornal A Razão, Santa Maria, 28 de outubro de 1943, última página.

18 Dalmolin, Cátia. Mordaça Verde-e-amarela: O Estado Novo e os ítalo-brasileiros na região central do Rio Grande do Sul. História Debates e Tendências Brasil-Itália Travessias. v.5, n.1, julho/2004, p.84-97.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal