Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso Dia Nacional da Comunidade Árabe no Brasil



Baixar 12.58 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho12.58 Kb.
Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso
Dia Nacional da Comunidade Árabe no Brasil*
Quero apresentar os meus sinceros agradecimentos à Prefeitura do Maricá por ter designado esse dia para homenagear a comunidade árabe do Brasil. Maricá será a primeira cidade do país a comemorar o Dia Nacional da Comunidade Árabe no Brasil. Essa homenagem denota a nobreza do Brasil, como governo e povo.
Prezadas Senhoras, prezados Senhores:

A história da comunidade árabe no Brasil é antiga e retorna à história do descobrimento, pois as fontes narram a participação de muitos marinheiros árabes e muçulmanos que orientaram os navios portugueses na direção do Brasil. Nomes como de Chuhabiddin Ibn Májid e Mussa Ibn Sáti’ são muito citados de terem acompanhado Cabral na sua Viagem de Descobrimento, sem citarmos a influência da civilização árabe sobre Portugal onde permaneceram durante cinco séculos e sobre a Espanha onde permaneceram sete séculos. Isso se traduziu em influência em todos os aspectos culturais dentro do Brasil. Osmar Vladimir Chuhfi, o ex-Secretário Geral das relações exteriores brasileiras na introdução do livro: “Mundo Novo na Linha do Equador”, de autoria do sociólogo Gilberto Freire: “A análise do livro apresentará provas da importância da colaboração dos árabes na formação do cidadão brasileiro. A sua presença na Península Ibérica desde o Século nove, confirma que os árabes, os marroquinos, os berberes e os muçulmanos participaram também do descobrimento dessa nova terra a bordo das naus portuguesas. Imediatamente se tornaram uma parte inseparável desse novo nacionalismo.”

O árabe não é uma raça, mas uma cultura e ciência. Esse é o motivo do advento do Islam, ou seja, a divulgação do conhecimento, da cultura, da liberdade, da fraternidade e da igualdade. O Mensageiro de Deus, (Que Deus lhe conceda graça e paz) disse: “O árabe não constitui pai nem mai de nenhum de vocês. O árabe é a língua. Quem falar o árabe é árabe.”

Essa terra reagiu e se harmonizou com os muçulmanos que os portugueses trouxeram como escravos para a agricultura. Aqueles escravos, na realidade, eram senhores nas suas terras. Eram povos que sabiam ler e escrever, ao contrário de seus amos. Os livros da história brasileira nos narram que os amos que queriam enviar cartas para outro amo, encarregava o escravo para escrevê-la e para lê-la. Aqueles muçulmanos sabiam falar e escrever a língua árabe. Há muitos documentos no museu histórico da Bahia que comprovam isso.

Posteriormente, as emigrações modernas da Síria, do Líbano, do Egito, da Palestina e de muitos outros países árabes, que enviaram muitos dos seus filhos à procura de um futuro melhor nesse país abençoado, formando uma parte inseparável dele, colaborando na construção de seu presente e futuro.

As instituições árabes e islâmicas do Brasil primam em afirmar a cada um que para cá vem para que seja um cidadão útil, trabalhador, empreendedor e desenvolvedor de si mesmo e dos que estão ao seu redor. Pregamos que sejam verazes nas suas relações, detentores da moral islâmica.


O Islam como religião, reconhece todas as outras religiões e prega com toda franqueza a Unicidade de Deus, e o afastamento dos politeístas. O Islam reconhece todas as outras religiões celestiais, acredita em todos os profetas e mensageiros, e em todos os livros revelados.

A religião do Islam, entre outras virtudes, prega o respeito à mulher, recomendando a sua elevação, considerando-a irmã do homem e tem a mesma responsabilidade que ele possui. O Islam recomendou a respeitarmos o vizinho com tal ênfase que o Profeta Mohammad (S) pensou que fosse incluindo entre os herdeiros. O Islam que respeito todas as criaturas, recomendando bondade aos animais, tornando o dar de beber a um cão um motivo para o ingresso no Paraíso, e o vedar uma gata de comer um motivo para o castigo no Inferno. O Islam que respeita o meio-ambiente, veda o corte das árvores, o desmatamento, o causar danos às pessoas nas vias públicas, o remover as coisas que causam dano dos caminhos um motivo para o aumento da fé do indivíduo.

O Islam tornou a procura do conhecimento uma obrigação para todo muçulmano e muçulmana. Isso gerou cientistas muçulmanos que se destacaram em muitos campos da ciência, como medicina, zoologia, astronomia, agricultura, química meteorologia, matemática, farmacologia, arquitetura, comércio, estratégia de guerra e literatura.

O mundo do Islam tornou-se um formidável centro cultural e científico. A mais velha universidade ainda em uso é a Universidade de Fés, no Marrocos. Na Idade Média foi o centro das pesquisas científicas. Os árabes introduziram o papel na Europa e inventaram o arco ogival, sem o qual os europeus não poderiam ter construído suas catedrais góticas. Eles enviaram o damasco, arroz e açúcar para a Europa. "O Cânon da Medicina", de Ibn Sina (Avicena) e "Sobre Varíola e Sarampo", de Al Razi, foram os livros padrões da profissão médica por 800 anos aproximadamente. Ibn al Baytar escreveu um livro sobre medicina, "Simplices", que continuou sendo impresso na Europa, aproximadamente, mil anos depois. No século nove Ibn Firnas, o verdadeiro pai da aviação, construiu um aparelho e nele voou. Por volta do ano 1000 d. C., Al Biruni mediu o perímetro da terra dentro da precisão de centímetros da mais exata medição moderna, e estabeleceu a rotação da terra ao redor de seu eixo. Os numerais arábicos (1, 2, 3, ...) substituiram os algarismos romanos (I, II, III, ...) de dificílimo manuseio para o cálculo.

Convocamos daqui a todos a adquirirem maior conhecimento sobre a civilização árabe islâmica. É um convite para se conhecer o Islam mais amiúde e descobrir os seus tesoures.

Os árabes e os muçulmanos estão sofrendo ataques injustos que todos nós devemos em conjunto combater e eliminar.

Devemos mostrar o papel de desataque que os árabes e os muçulmanos desempenham no mundo.

Agradecemos novamente a municipalidade do Maricá por essa oportunidade e temos a esperança que haja mais encontros desses para o diálogo e o esclarecimento entre os nossos intelectuais. Isso só pode gerar maiores esperanças por um futuro melhor para o nosso amado Brasil.


Maricá Em 25/03/2009

Sheikh.Khaled Taky Eldin



Ministro Religioso

www.takydin.net
* A homenagem aos povos criadores da álgebra e que trouxeram ainda outras inestimáveis contribuições à ciência e às artes, foi instituída pela Lei 11.764, de 5 de agosto de 2008. A data de 25 de março reverencia ao mesmo tempo o dia da promulgação da 1ª constituição brasileira, em 1824, e a rua do mesmo nome, em São Paulo, conhecida pela força do comércio e onde a colônia árabe tem expressiva participação.

Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal