Entre a leitora e a historiadora : um olhar à revista seleçÕes do reader’s digest1



Baixar 39.71 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho39.71 Kb.


ENTRE A LEITORA E A HISTORIADORA : UM OLHAR À REVISTA SELEÇÕES DO READER’S DIGEST1

Lenita Farias Raad2



Deveria existir um tempo na vida adulta dedicado a revisitar as leituras mais importantes da juventude. Se os livros permaneceram os mesmos (mas também eles mudam, à luz de uma perspectiva histórica diferente), nós com certeza mudamos, e o encontro é um acontecimento totalmente novo.

Italo Calvino3

Leitora assídua desde muito cedo, cresci lendo Seleções. Era uma leitura agradável e envolvente. Certamente contribuiu para desenvolver meu gosto pela leitura. A revista exercia um fascínio, uma magia que alimentava meu imaginário. Era um mundo idealizado, povoado de pessoas comuns, mas que no seu cotidiano, por um fato inesperado do destino, poderiam ser alçadas a categoria de “heróis”. Isto em conseqüência de sua fé inabalável, virtudes e méritos próprios: os valores do self made man, tão caros ao pensamento capitalista e tão bem representado pela revista. Comentava um leitor, nos idos dos anos 60: “Um dos aspectos mais positivos de Seleções do Reader’s Digest é nos ensinar que os sêres humanos podem transcender suas limitações e que a fé e a perseverança ajudam um homem comum a alcançar os mais altos objetivos”. 4

Numa visão que poderíamos chamar de maniqueísta, o bem era retratado no modelo do cidadão democrático e cristão, cumpridor de seus deveres para com a pátria e a família. O mal, é claro, estava personificado na figura do comunista ateu. Assim, cresci temendo o comunismo e admirando o american way of life.

Passaram-se os anos e esta leitura foi deixada de lado. Voltei a tomar contato com a revista no transcorrer do meu curso de graduação em História. Ao apresentar-se a oportunidade de trabalhar com a pesquisa acadêmica, coube-me investigar este periódico. Porém, agora, era dirigido um novo olhar, sem a ingenuidade dos anos passados, mas com o mesmo prazer da leitura. Acrescentava-se, agora, o olhar crítico e questionador da historiadora. Lembro aqui os escritos de Chartier: “A cada leitura, o que é lido muda de sentido, torna-se outro” 5. Pude perceber no desenrolar da investigação que o temor do comunismo permeava o discurso da revista, enquanto o capitalismo era permanentemente enaltecido. Segundo Lígia Maria Coelho Prado: “Seleções não é uma mera revista de entretenimento, pois foi idealizada como instrumento propagador de uma ideologia que partia do suposto de que a hegemonia mundial dos Estados Unidos seria o corolário natural do destino manifesto.”6

O interesse pela revista, o leque de possibilidades que oferecia para futuras pesquisas, levou-me a trabalhar com a revista, tanto no meu Trabalho de Conclusão de Curso, como na Dissertação de Mestrado que ora desenvolvo.

Na busca pela coleção completa, fui encontrá-la, no que Pierre Nora chamaria de “lugares de memória” que também serão lugares de História, como denomina o autor.7 E estes lugares podem ser os mais diversos e inusitados. Neste caso, a garagem da simpática Dona Fridda, leitora fiel desde o lançamento do primeiro número da revista no Brasil. Para minha surpresa e contentamento, entre páginas de antigos jornais, poeira e revistas desconhecidas, encontrei desde o primeiro número de Seleções, até exemplares do final da década de noventa.

Antes de iniciar-me na história da revista, quero observar o surgimento da imprensa popular e da cultura de massa, que ocorre no final do século XIX e início do século XX. E, foi na Grã Bretanha e nos Estados Unidos, que esta imprensa teve seu maior impacto. Lançando um novo tipo de jornalismo, seu público alvo era o leitor “em busca de informação condensada e facilmente assimilável”. Alguma coisa mais simples, resumida e mais acessível do que as matérias tradicionais. Uma maneira digestiva de dar informação ao público.

A revista Seleções do Reader’s Digest, é a versão para língua portuguesa da revista norte-americana The Reader’s Digest. Esta, fundada nos Estados Unidos em 1922, na cidade de Nova York, por um casal de norte-americanos – Roy William DeWitt Wallace e Lila Acheson Wallace, ambos filhos de pastores protestantes (presbiterianos).

DeWitt Wallace, sócio fundador da revista, nasceu no estado de Minnesota, EUA, em 12 de novembro de 1889. Alistou-se como voluntário na Primeira Guerra Mundial, quando os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha. Gravemente ferido em combate, passou longos meses em convalescença e lendo tudo que lhe caia às mãos. Foi quando concebeu e desenvolveu a idéia de uma publicação para as pessoas que não tinham possibilidade, ou tempo, de ler todas as publicações importantes e queriam manter-se bem informadas. 8

Já restabelecido, Wallace passou as freqüentar bibliotecas locais (não tinha recursos para aquisição de livros), realizando experiências de aligeirar os artigos escolhidos “sem lhes sacrificar nem a tese nem o sabor”. Na sua opinião, ao cortar palavras desnecessárias, conseguiria melhorar a qualidade do texto. Este seria o processo de condensação: “tirar o peso morto dos excessos verbais”.9

Em 1921, DeWitt Wallace casou-se com Lila Acheson, sua amiga desde os tempos de colégio e o casal lançou-se na aventura de editar a revista. Juntaram suas economias e antes de embarcar para a lua-de-mel, Wallace redigiu uma carta circular onde expunha os propósitos da nova publicação. Oferecia assinaturas de fundador para os pretensos assinantes, propondo o seguinte: as assinaturas seriam aceitas sem pagamento prévio, condicionadas à aprovação do leitor. Se ao receber o primeiro número o assinante não ficasse satisfeito, devolveria o material sem nenhum custo ou compromisso, mas se a revista fosse aprovada, teria que pagar a assinatura. Ao regressarem de sua viagem foram surpreendidos pela receptividade dos leitores. Em janeiro de 1922, tendo como local de trabalho o próprio apartamento, os primeiros 5.000 exemplares da revista foram embalados e destinados aos assinantes-fundadores. 10



The Reader’s Digest cresceu vertiginosamente, expandindo-se dentro e fora do país. Em 1938 a revista era lançada na Inglaterra e Império Britânico; em 1940 na Espanha e América Latina e em 1942 aportava no Brasil e em Portugal, sendo também distribuída nas colônias de língua portuguesa. A expansão já iniciada cresceu no pós-guerra, transformando o Digest numa poderosa e influente empresa do ramo das comunicações.11

A chegada da revista Seleções do Reader’s Digest ao Brasil, aconteceu em plena ditadura do Estado Novo e num cenário mundial conturbado pelo desenrolar da Segunda Guerra Mundial. Seu lançamento no mercado editorial brasileiro, no ano de 1942, coincidiu com a entrada do Estado brasileiro no conflito. Os redatores brasileiros anunciavam:

Seleções apresentará todos os meses artigos de amena e útil leitura, de interesse duradouro, um livro de êxito, condensado de maneira a ser lido com prazer, além de um caudal de leituras complementares, graves umas vezes, alegres outras, tudo pacientemente respigado em jornais, livros e revistas.12

Sabendo de antemão que só a preço baixo conquistaria o mercado brasileiro, Seleções chegou subsidiada pela Digest norte-americana. Antes de seu lançamento foram realizadas pesquisas de mercado, envolvendo público leitor, poder aquisitivo da população e levando em conta o preço dos jornais e revistas mais concorridos. Foi estabelecido o preço inicial de 2$000 por revista, que corresponde atualmente a U$ 1 e a assinatura anual no valor de 20$000. O lançamento da revista no Brasil redundou em enorme sucesso de vendas, suplantando os números apresentados por Selecciones, distribuída para toda América Hispânica. Na edição de junho de 1942, os redatores comentavam sobre a história da revista e propagavam:

A forma compacta, a economia de tempo para o leitor assegurada pela condensação, o conteúdo informativo, o interesse duradouro da matéria e a idéia de um artigo por dia – havia exatamente 31 artigos em cada um dos primeiros Digests – conquistaram novos leitores para a revista em cada número.13

Para o casal Wallace, o povo apreciaria artigos de interesse popular e atração geral, selecionados de livros e outras publicações e condensados, de modo que pudessem ser lidos com rapidez e facilidade. Era a idéia de uma revista “digesto”, isto é, uma leitura de fácil assimilação. Muitos dos artigos originais, acreditavam, poderiam ser cortados em mais de 75 por cento de seu conteúdo e ainda continuar “retendo” a substância e o estilo do autor”.14

O Digest selecionava o que a imprensa nacional e mundial havia lançado de mais interessante, condensava e reunia numa única edição. Assim, segundo Junqueira: “Selecionava e condensava as matérias mais importantes, em meio à massa de informações do mundo moderno”. Porém, Wallace, selecionava apenas assuntos que no seu entender eram de interesse permanente e universal. Por isso, acredita a autora, a revista tenha sido pensada para ser publicada em forma de livro “enquanto guardam-se livros, descartam-se revistas e jornais”.15

O comentário acima nos faz lembrar as análises de Maria Cecília Souza, sobre a popularização do hábito da leitura no final do século XIX, com o surgimento de novos leitores, levados pela necessidade de atingir um determinado status social. Para a autora, “a idéia era recuperar para o livro o espaço pedagógico exclusivo, afastando a concorrência com jornais e revistas, literatura vulgar que não passa de conversa mole sobre mediocridades”.16 Talvez, o Digest, ao apresentar-se com formato de livro, quisesse passar uma idéia de literatura séria e duradoura, ao contrário de periódicos fúteis e descartáveis.

O escritor Ariel Dorfman, nascido nos Estados Unidos, radicado no Chile desde muito cedo e crítico ferrenho da revista, acusa-a de fazer parte da “imensa indústria cultural fabricada nos Estados Unidos”, e comenta sobre a revista:



Nada está fora deste mini-mundo: geografia, biografias, história, medicina, política, anedotas, arquitetura, arte, problemas do mundo atual, relações familiares, os últimos avanços tecnológicos, botânica, conselhos, dietética, testes, charadas, vocabulário, religião, etc.., que se repetem monotonamente (trocando de conteúdo para atrair) de mês em mês, de ano em ano, de década em... Serão séculos?17

Assim, o leitor teria a impressão de estar sempre informado e atualizado. A revista ainda publicava um livro condensado a cada edição, podendo também ser formada uma biblioteca condensada, extraída “dos livros mais interessantes do nosso tempo”, ou ainda, conforme outro leitor, “numa seleção que o leitor mais eficiente não teria possibilidade de fazer por si mesmo”.18

Ao selecionar e editar o que julgavam de interesse “permanente e universal”, os redatores pretendiam passar uma imagem de neutralidade da revista. Porém, fica evidente na leitura de seus exemplares, sua intenção de “formar” um público leitor, dirigir um entendimento da leitura. Ao completar o processo de corte condensação, a leitura estava “pronta” para ser absorvida. Mas, como observa De Certeau, o leitor constrói uma outra leitura, independente da intenção do autor, e de acordo com a maneira que se apropria do texto. 19

Conforme edição de Seleções de outubro de 68, na seção “Entrelinhas”, os redatores explicavam como se processava o trabalho de seleção e condensação dos artigos. Originalmente era efetuado por DeWitt Wallace, mais tarde, com o sucesso da revista, foram contratadas pessoas para realizar este trabalho, que ficou conhecido como o “grupo de leitura e corte”. Cabia-lhes a tarefa de “cortar o que é adventício e de menor valor e podar o restante, visando esteticamente ao aspecto e a forma”. A escolha era orientada pelos seguintes critérios: É digno de ser seguido? É aplicável aos interesses da maioria? É de interesse permanente?20 De acordo com Mary Ann Junqueira, o resultado final era uma revista direcionada ao público médio, onde o leitor não tinha dificuldades com a leitura.21

Argumentando que “a brevidade é a alma da arte de escrever”, ainda nesta mesma seção, comentavam uma das lendas da redação, que era o caso de um livro muito recomendado que sofreu uma metamorfose completa. Depois de passar por vários estágios de condensação, acabou como mera nota de rodapé.”22

A revista Seleções atingiu enorme sucesso no Brasil, particularmente nas décadas de 50 e 60, declinando paulatinamente nas décadas seguintes. Estas mudanças começaram a ser sentidas no início dos anos 70, quando seus escritórios mudaram do Brasil para Portugal. Também foram fatores importantes à entrada de novos executivos, devido à avançada idade dos fundadores. Contribuiu, também, o surgimento de outras publicações no mercado.23

Criticada por muitos, adorada por outros tantos, a verdade é que a revista Seleções do Reader´s Digest tornou-se um sucesso irrefutável. Devido sua assumida posição ideológica a favor do capitalismo, teve sua entrada barrada nos países comunistas. Em 1997, conforme edição comemorativa aos seus 75 anos de existência, seus exemplares estavam sendo publicados em 48 países e em 19 idiomas, alcançando a marca mensal de 100 milhões de leitores ao redor do mundo.24 Como era sua característica, tomava conhecimentos dos fatos através de outras publicações, lia, condensava e publicava, emitindo juízo de valor. Ao fazê-lo, impregnava seus artigos da ideologia que defendia.

Esta revista, cuja filosofia era “denunciar permanentemente os males do comunismo e as vantagens do sistema de economia livre”, foi de valiosa importância na divulgação dos interesses norte-americanos. Sua identificação com o “american way of life”, contribuiu para divulgar e propagar esta ideologia. Naqueles tempos de Guerra Fria, foi utilizada como mais uma “arma” norte-americana na disputa pela hegemonia mundial.



Acompanhando às tendências de mercado e em tempos de crise no mercado editorial norte-americano, a revista sofreu, nesta virada de milênio, o que se pode chamar de “plástica de impacto”. As capas e alguns conteúdos editorias foram redesenhados, tendo por finalidade: “manter a base do consumidor leal – pessoas que cresceram com a revista – e ao mesmo tempo recrutar uma nova geração de leitores”. 25

Ao pensar o enorme sucesso que Seleções alcançou no Brasil, conquistando milhares de leitores, questionamos o mito de que o brasileiro não lê e lembramos: “mas talvez não leia aquilo que a tradição letrada considera importante”. 26

1 Trabalho apresentado no II Congresso de História da Leitura e do Livro no Brasil, realizado no período de 22 a 25 de julho de 2003, na Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

2 Mestranda do Curso de Pós Graduação em História da UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, sob orientação da Prof.ª Drª Joana Maria Pedro.

3 CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos? São Paulo : Companhia das Letras, 1981. p. 11

4 Seção de Leitores. Seleções. RJ. nº 258. Julho de 1963.

5 CHARTIER, Roger (Jean Marie Goulemot). Práticas de Leitura. São Paulo : Estação Liberdade, 199 . p. 116

6 PRADO, Maria Ligia Coelho. Nota de Apresentação. In : JUNQUEIRA, Mary Anne. Ao Sul do Rio Grande – imaginando a América Latina em Seleções : oeste, wilderness e fronteira (1942-1970). Bragança Paulista : EDUSF, 2000.

7 NORA, Pierre. Entre a Memória e a História : a problemática dos lugares. Revista do programa de estudos pós-graduados em história. PUC/SP : Dezembro, 1993.

8 WOOD, James Playsted. Of Lasting Interest : the story of the Rider’s Digest. Garden City, New York : Doubleday & Company, 1967. Cap. I

9 História do Reader’s Digest e de Seleções. Seleções, RJ, p.17, nº 1. Junho de 1942

10 WOOD. Op. cit. cap. II

11 Idem. p. 156

12 História do Reader’s Digest e de Seleções. Op. Cit. nº 1.

13 Seleções do Reader’s Digest. Quarenta Primaveras. Tomo XLI, nº 241, fevereiro de 1962.

14 WOOD. Op. Cit. p. 14

15 JUNQUEIRA, Mary Anne. Ao Sul do Rio Grande imaginando a América Latina em Seleções : oeste, wilderness e fronteira. (1942-1970). Bragança Paulista : EDUSF, 2000. p. 32.

16 SOUZA, Maria Cecília Cortez Christiano de. A Escola e a Memória. Bragança Paulista : IFANCDAPH. Editora da Universidade São Francisco/EDUSF, 199?. p. 125 e 126.

17 DORFMAN, Ariel. Patos, elefantes y héroes : la infancia como subdesarrollo. Buenos Aires : Siglo Veintiuno de Argentina Editores, 2002. p. 144.

18 Seção dos leitores. Seleções

19 CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano. Petrópolis, RJ : Vozes, 1994. Cap. XII. p. 272.

20 Nas entrelinhas. Seleções, RJ, p. 33, nº 321. Outubro de 1968.

21 JUNQUEIRA. Op. Cit. p. 32

22 Op. Cit. Seleções nº 321

23 JUNQUEIRA. p. 30 e 31.

24Reader’s Digest 75 th Anniversary. How a little magazine went around the world. September, 1997.

25 Internet. Observatório da Imprensa – matérias – 12/9/2001.

26 BRITTO, Luiz Percival Leme, ABREU, Márcia. Editorial 12º COLC. Congresso de Leitura. Campinas, São Paulo, 1999.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal