Ernesto Paterniani



Baixar 12.71 Kb.
Encontro26.07.2016
Tamanho12.71 Kb.
PROJETO DE LEI Nº 881, DE 2015
Denomina "Ernesto Paterniani" o entorno de Piracicaba - Rodovia SP 308 - Mario Dedini em Piracicaba



A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:
Artigo 1º - Passa a denominar-se “Ernesto Paterniani” o entorno de Piracicaba- Rodovia SP 308 – Mario Dedini em Piracicaba.
Artigo 2º - Esta Lei entra em vigor na data da sua publicação.


JUSTIFICATIVA

Falecido em 18 de junho de 2009, a trajetória de Ernesto Paterniani revela uma vida e uma carreira de empenho e paixão pela pesquisa. As últimas e importantes homenagens recebidas pelo geneticista foram o Prêmio da Fundação Bunge 2005, na área de Agronegócio, categoria Vida e Obra, o mais respeitado estímulo àqueles que estão construindo um Brasil melhor. Em 2008 recebeu o Prêmio Conrado Wessel, concedido à personalidade ou entidade de reconhecimento nacional nos campos da Arte, Ciência, Cultura e Medicina, pela Fundação que leva o mesmo nome.


“Pode existir quem acredite na seleção genética tanto quanto eu. Mais, não!”
A frase sintetiza a obra de Ernesto Paterniani, engenheiro agrônomo formado pela Esalq, e um dos mais respeitados pesquisadores brasileiros na área de seleção e melhoramento genético em milho
Paulistano, filho de italianos oriundos de uma leva de imigrantes que desembarcou no Brasil para trabalhar nas lavouras de café, Paterniani chegou cedo a Piracicaba, quando os pais vieram à cidade para assumir o comando de um armazém de secos e molhados da família.
Inclinado a estudar engenharia civil, optou pela agronomia pela situação familiar da época. “Tinha facilidade em matemática e álgebra. Mas, ao ingressar na Esalq, em 1947, se interessou por genética, apesar do professor Friedrich Gustav Brieger ser alemão e falar um português quase incompreensível”, referindo se ao fundador do Departamento de Genética da Escola.
Posteriormente, já proprietária de um posto de gasolina e uma oficina mecânica na Vila Rezende, a família tinha um carro, coisa rara naquela época. “Ele era um privilegiado”.
“Após o período de trotes, ia para a Escola guiando um Chevrolet 1928”, e no desfile dos ingressantes saiu vestido de Corcunda de Notre Dame.
Da turma de 1950, de apenas 36 alunos (entre os quais uma única mulher, Maria de Lurdes do Canto),ingressou na faculdade e se formou com a mesma classificação, ficando atrás apenas de José Romano Gallo.
Ao final do curso, foi contemplado com uma bolsa pela Fundação Rockefeller para agrônomos recém-formados estagiarem no Programa Agrícola Mexicano, que visava a aumentar a produção de alimentos.
“Com os resultados obtidos com melhoramento de milho e trigo, em menos de dez anos, o México passou de importador a autossuficiente nesses cereais.” Na ocasião, conheceu e tornou-se amigo de Norman Borlaug, o pai da Revolução Verde.
Ao voltar do México, ingressou na Esalq para gerenciar um banco de germoplasma e percorreu grande parte da América Latina, coletando variedades locais das mais diversas raças de milho. “Após 17 anos recolhendo sementes, cerca de três mil amostras de todo o acervo do banco foram transferidas para a recém-criada Embrapa.”
Ao longo da carreira, desenvolveu estudos sobre descrição e classificação de raças de milho, conduziu pesquisas relacionadas à Genética Aplicada ao melhoramento de plantas, sempre buscando aumentar a eficiência e maior simplicidade na execução. Produziu inúmeras populações melhoradas usando a “seleção entre e dentro de famílias de meios-irmãos”, e criou um novo método de seleção de plantas prolíficas (mais de uma espiga por planta), antes do florescimento.
Sinto me gratificado pela minha contribuição para a melhora das populações de milho, por meio dos programas de melhoramento, inclusive do exterior, que deram origem a novas variedades e híbridos de alta produtividade.”
O pesquisador foi reconhecido em vida como um dos maiores estudiosos brasileiros na área de seleção e melhoramento genético do milho, e por esse motivo achamos mais que justa esta homenagem.



Sala das Sessões, em 27/5/2015.
a) Roberto Morais - PPS




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal