Esclarecimento



Baixar 6.1 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho6.1 Kb.
Tendo sido publicada pelo Diário de Notícias uma carta de leitor, assinada por M. Pereira, na qual são tecidas algumas considerações que, além de deturparem a verdade, induzem em erro a comunidade e afectam o bom nome dos profissionais de educação que exercem as suas funções nas creches e jardins-de-infância da Região Autónoma, solicito a publicação do seguinte
ESCLARECIMENTO



  1. O regime da comparticipação paga pelas famílias nas creches e jardins-de-infância públicas da Madeira e do Porto Santo, procura privilegiar as famílias de menores rendimentos, introduzindo por esta via medidas de reequilíbrio de rendimentos familiares;

  2. Para determinação da comparticipação é tido em conta o escalão de Abono de Família (sendo este determinado em função do IRS), estando as famílias agrupadas em 6 escalões desde o escalão I com comparticipações de 16 € e 19 € (conforme Creche ou Jardim-de-infância) até 229 € e 200 € mensais.

  3. Das 865 crianças acolhidas nestes estabelecimentos públicos, apenas 30 estão abrangidas no escalão de maiores rendimentos, ou seja, 3,4%, grupo a que, ao que parece, pertence o leitor em causa.

  4. Os serviços de educação e de apoio às famílias prestados pelas creches e jardins-de-infância compreendem o acolhimento a partir das 8h30 até às 18h30 o que perfaz 10 horas (para quem delas necessita) e não 5/6 horas como é afirmado, proporcionando uma refeição e dois lanches, para além de educação, valores, princípios, oportunidades, equipamentos didácticos e uma inestimável componente pedagógica que complementa o papel das famílias, as quais, face ao modo de vida dos dias de hoje, vêem reduzido o tempo que podem dedicar aos seus filhos. E tudo por uma comparticipação que vai dos 80 cêntimos aos 11 euros diários, consoante os rendimentos das famílias e cobrindo menos de metade do custo associado aos serviços recebidos.

  5. De passagem, o leitor aproveita para atingir profissionalmente as auxiliares de educação afirmando que nos primeiros dias as crianças só lá ficaram 2 ou 3 horas porque essas profissionais “tinham mais que fazer”. É lamentável que um encarregado de educação tenha dos estabelecimentos de educação e dos seus profissionais esta visão, ignorando o contributo que estes prestam à educação dos seus filhos e desconhecendo que seria pedagogicamente errado e até violento que nos primeiros dias as crianças não tivessem um período de adaptação, o qual passa por uma permanência em tempo mais reduzido no estabelecimento de educação.

  6. Reafirmamos o empenhamento da SREC, dos estabelecimentos de educação e de todos os seus profissionais, no sentido de proporcionar um bom serviço educativo e de apoio às famílias, o qual só será plenamente conseguido que pudermos contar com a colaboração de todas as famílias, inclusive da família Pereira.

Francisco Fernandes



Secretário Regional de Educação e Cultura


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal