Escola municipal dulce viana cardoso



Baixar 74.49 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho74.49 Kb.


ESPORTE NA EDUCAÇÃO: ESTUDO REALIZADO NA

ESCOLA MUNICIPAL DULCE VIANA CARDOSO
Antonio Santos Oliveira / UNEB1

Heleni Conceição Mattos Almeida / UNEB1

Marcus Roberto da Silva / UNEB1

Paulo Roberto Santana / UNEB1

Soraya M. R. Adorno (sorayaadorno@hotmail.com) / UESB2

Este artigo é fruto de discussões em sala de aula e da monografia de conclusão do curso de Licenciatura em Pedagogia da Rede UNEB 2000 da cidade de Érico Cardoso/BA, sob a orientação da Prof. Soraya Mendes R. Adorno. Após a conclusão e apresentação da monografia, o texto passou por um processo de enxugamento e revisão em alguns aspectos teórico-metodológicos em regime de colaboração e autoria coletiva.

O tema desta pesquisa – Esporte e formação de valores - consistiu elemento peculiar quando nos propomos estudar um pouco da história da Escola Municipal Dulce Viana Cardoso. Nosso objeto de estudo é, então, a Escola Municipal Dulce Viana Cardoso, analisada sob a ótica da história do esporte e este como instrumento na formação de valores éticos e morais no espaço educacional, formal ou não-formal. Enfocamos como o esporte era visto e aceito por parte de professores, direção, alunos da escola e comunidade do entorno desse estabelecimento de ensino. Ao mesmo tempo, nos propomos a discutir a importância que o esporte exerce no desenvolvimento físico e mental do ser humano e na construção de valores éticos e morais, por meio de entrevistas e questionários aplicados a professores, pais de alunos e lideranças comunitárias. O questionário se compôs de perguntas voltadas para a concepção de esporte e percepção da sua importância na formação da cidadania.

Desenvolvemos a pesquisa à luz do referencial teórico da história cultural. Para analisar a temática do esporte e suas contribuições à cidadania nas populações mais jovens, tomamos como principais teóricos os que se debruçam sobre a temática do desporto, como: Márcia Regina Grespan, Nuno Cobra Ribeiro, Leonor Rizzi, Regina Célia Haydat, Antonio Roberto Rocha Santos e outros.


A PESQUISA
O objeto de estudo de nossa pesquisa é o esporte e a formação de valores na escola, enfocando como o esporte é visto e aceito por parte de professores, direção, alunos da escola e da comunidade em geral. Ao mesmo tempo, nos propomos levar lideranças, professores e pais de alunos a refletir sobre a importância que o esporte exerce na construção de valores éticos e morais, no desenvolvimento físico e mental do ser humano. Alguns estudos afirmam que o esporte por si só já seria capaz de afastar os jovens do mundo do crime, contribuindo para a formação de uma sociedade mais justa, organizada e participativa.

Para alcançarmos nossos objetivos, começamos por uma explanação sobre a importância da educação física e do esporte dentro de um contexto educacional e na formação da personalidade do ser humano, relacionando essa importância com o cultivo de valores éticos, morais e aspectos de cidadania e socialização, a partir da realização de atividades esportivas. Logo após apresentaremos as entrevistas realizadas com membros da comunidade escolar, como: a diretora, os professores, os alunos e seus pais.


CONCEPÇÕES DE ESPORTE
O esporte não é uma atividade recente, há registros que as primeiras civilizações praticavam o jogo como forma de esporte. Mas, foram os gregos que valorizaram o esporte, uma vez que as atividades esportivas praticadas por eles eram utilizadas como instrumento educacional, religioso e festivo atingindo seu ponto máximo com a realização dos Jogos Olímpicos, em Olímpia, durante os anos 884 a.C. a 394 d.C.

Numa visão mais atual o esporte foi reorganizado no século passado pelo inglês Thomas Arnold, com o interesse de oferecer atividades físicas educacionais à elite inglesa. Os defensores do esporte alegavam que este era uma atividade benéfica do ponto de vista moral, uma vez, que os valores éticos e morais adquiridos através da prática esportiva, influenciavam na formação da personalidade que o indivíduo levaria consigo para o resto de sua vida. No continente europeu apenas a Inglaterra não ofereceu resistência em aceitar o esporte como instrumento educacional.

Atualmente um dos maiores eventos esportivos realizados em nível mundial são os Jogos Olímpicos que foram restaurados, propostos e realizados pelo francês Pierre Coubertin, em 1896. Com a organização dos Jogos Olímpicos Modernos, o esporte cresceu consideravelmente, influenciado pelo modelo dos ideais originários dos primitivos Jogos Olímpicos gregos.

Esses jogos estimulam pessoas comuns a praticarem esportes das mais variadas modalidades a fim de obter prazer e satisfação se espelhando nos grandes campeões olímpicos. Isso vem exercendo grande influência na sociedade. Pois, práticas esportivas como o futebol, a ginástica e a dança vêm ganhando destaque também em áreas do conhecimento escolar, associados à educação física com manifestações diárias nas aulas, fazendo com que muitas vezes o significado dos mesmos chegue a ser confundidos na escola.

O esporte, sem sombra de dúvida, é o maior fenômeno cultural de nossa sociedade nos últimos dois séculos, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, pois, até então o esporte era elitizado e tido apenas como atividade de rendimento físico. A partir daquele momento começou a ganhar importância no sentido de instrumento educacional e de lazer abrindo espaço para que esse fosse praticado por um número cada vez maior de pessoas ganhando caráter de esporte-educação, esporte–lazer apresentando grande importância como instrumento de abrangência social. Contando hoje com a divulgação dos maiores meios de comunicação existentes, o interesse pelo esporte tem aumentado gradativamente sendo notado o crescimento nos diversos tipos de esporte, tanto para os praticantes como para os espectadores.

A influência da mídia no esporte patrocinada pelas grandes empresas capitalistas tem feito com que o mesmo deixe sua origem de ludicidade e passe a ser utilizado como um instrumento de rendimento, fazendo, assim, com que seus participantes se transformem em máquinas para que possam vencer a qualquer custo.

Para que o mesmo possa ser utilizado como instrumento pedagógico na forma de “esporte da escola” e não como “esporte na escola”, precisamos refletir sobre os diversos aspectos e mudarmos nossa atitude como educadores.

O esporte como fenômeno social não deve visar a vitória a qualquer custo e nós, professores, indivíduos que estamos a frente de um trabalho para a formação de seres humanos críticos, participativos e capazes de transformar o mundo, precisamos fazer com que a escola retome valores os quais o coletivo se sobreponha ao individual e sustente o compromisso da solidariedade e do respeito humano, entendendo que o jogo se faz com o envolvimento de duas partes, onde devemos nos comportar como companheiros e não como adversários já que não deve haver perdedores, apenas vencedores.

Existem diversas práticas esportivas sendo oferecidas em nossa sociedade, cabe a nós sabermos analisar e escolhermos aquelas que tem ligação com a nossa escola, para atender os requisitos dos indivíduos que queremos formar, pois entendemos que o saber adquirido na escola torna-se algo particular.

Educadores precisam estar atentos para saber separar o “joio do trigo”, pois temos percebido que a mídia veicula a imagem de grandes empresas, em geral, vendedoras de artigos esportivos, como patrocinadoras do esporte de rendimento com suas propagandas ideológicas, tentando passar para dentro das escolas a cultura do esporte de vencedores, usando a escola para formar apenas campeões e não cidadãos.

Um fato marcante é a apresentação de propagandas ideológicas que estão sendo mostradas pelos meios de comunicação sobre o os jogos Pan-americanos que serão realizados no Rio de Janeiro neste ano nos meses de julho e agosto, nas quais é dito que, onde uma pessoa comum vê apenas uma criança, o professor de Educação Física enxerga um campeão.

O professor precisa ficar atento a essas ideologias, pois, é sobre os ombros deles que repousa a missão educativa que tem como principal objetivo formar cidadãos.


PENSANDO O ESPORTE NA ESCOLA
Nós, professores, precisamos ter consciência de todas as potencialidades do esporte que podem ser apresentadas tanto como recurso pedagógico ou como instrumento que auxilia as pessoas a socializarem-se. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) de Educação Física de 1ª a 4ª série (BRASIL, 1997) enfatiza a importância de se proporcionar às crianças situações que lhe desenvolvam a capacidade de dialogar, ouvir o outro, ajudar, pedir ajuda, ou seja, de interagir com o grupo de forma participativa e harmônica passando a fazer parte dele.

Os PCN’s também reforçam que ao final do Ensino Fundamental os alunos devem ser capazes de:


Participar de atividades corporais, estabelecendo relações equilibradas e construtivas com os outros, reconhecendo e respeitando características físicas e de desempenho de si próprio e dos outros, sem discriminar por características pessoais, físicas, sexuais ou sociais. (BRASIL, 1997, p. 43).
Além disso, precisam estar aptos a “adotar atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, repudiando qualquer espécie de violência”. (BRASIL, 1997, p. 43).

Segundo Ribeiro (2001):


O esporte é o meio mais dinâmico e concreto para desenvolver as pessoas e elevar seus níveis de saúde. Ensina a pessoa a se conhecer melhor, a respeitar o semelhante, a aceitar e explorar ao máximo suas possibilidades. Nele se possuem todos os elementos necessários para o perfeito funcionamento de uma sociedade participante e organizados. [...] O esporte é uma verdadeira aula prática da sociedade em que a pessoa aprende a interagir com o grupo e o meio de forma positiva e altamente construtiva. (RIBEIRO, 2001, p. 149).
Além desse valor educacional, que lhe é atribuído, várias são as razões que levam os educadores a recorrer ao esporte e utilizá-lo como um recurso pedagógico: explorar a ludicidade humana com o intuito de tornar a escola mais atraente; o esporte é, portanto um instrumento que leva o indivíduo a participar espontaneamente de forma prazerosa e satisfatória;
A situação do esporte mobiliza os esquemas mentais, sendo uma atividade física e mental o esporte aciona e ativa as funções psiconeurológica e as operações mentais, estimulando o pensamento. Quando nos referimos às características do esporte, afirmamos que ele já é por si uma forma de ordenação de tempo de espaço e dos movimentos, sendo que esta ordenação se expressa principalmente através das regras. (RIZZI e HAYDAT, 2004 p. 14).
Com tudo isso percebe-se que o esporte integra as várias dimensões da personalidade do sujeito afetiva, motora e cognitiva.

O MUNICÍPIO DE ÉRICO CARDOSO E A EDUCAÇÃO

A cidade de Érico Cardoso está localizada na região sudoeste da Bahia, mais especificamente na Capada Diamantina, com uma área de 756 Km2 e uma população, segundo o censo do IBGE do ano 2000, de aproximadamente 12.858 habitantes, sendo que a grande maioria reside na zona rural. O município antes se chamava Água Quente devido a um poço de água termal com temperatura de 25ºC, que durante muitos anos foi alvo de visitações de turistas que para lá iam na busca dos benefícios termais e dos atrativos naturais.

Em 1991, passou a denominar-se Érico Cardoso em homenagem a um ex-prefeito que foi um dos idealizadores da emancipação política do município no ano de 1962. O início da história de nossa cidade está relacionado às grandes descobertas de ouro feitas pelos Bandeirantes, por volta do século XVIII, quando se iniciou a colonização do Vale do Rio Paramirim. Naquele período instalou-se o Arraial do Morro do Fogo, área aurífera descoberta pelos Bandeirantes na região. (MARTINS, 2002).

No município estão localizados os principais acidentes geográficos do Nordeste: o Pico das Almas (1.850m), na divisa com os municípios de Livramento e Rio de Contas, o Pico do Itobira (1.970m) na divisa com o município de Rio de Contas e o Pico do Barbado (2.033m) na divisa com os municípios de Rio do Pires, Abaíra e Rio de Contas.

Como a maioria dos habitantes reside na zona rural, a principal atividade econômica é a agricultura, com terras férteis, com destaque para a plantação da cana-de-açúcar voltada para o fabrico de rapadura e de cachaça, produtos muito vendidos e de grande procurada na região.

De acordo com dados de 20061 Érico Cardoso possui 47 escolas municipais, com um total de 3.055 alunos e 160 professores sendo, que destas, três oferecem classes de 5ª a 8ª séries. O município possui, também, duas escolas estaduais sendo que uma atende crianças de 1ª a 4ª série, com 71 alunos, e a outra – Escola Estadual Antônio Carlos Magalhães – com ensino fundamental e médio com uma clientela de 593 alunos.

Então, dentro desse quantitativo de estabelecimentos de ensino, escolhemos a Escola Municipal Dulce Viana Cardoso como foco do nosso trabalho por estarmos vivenciando cotidianamente as dificuldades enfrentadas por esta escola na realização de programas esportivos e pelo interesse de evidenciarmos um pouco da sua história. A Escola Municipal Dulce Viana Cardoso está localizada na Avenida Antônio Carlos Magalhães, no centro da cidade, atendendo a 101 (cento e um) alunos distribuídos em classes de 1ª a 4ª série.

UM POUCO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO ESPORTE NO BRASIL
A educação física no Brasil é marcada pela Educação Física Higienista que se preocupava com a formação dos hábitos higiênicos procurando formar cidadãos fortes e sadios. Na mesma linha veio a Educação Física Militarista que tinha como objetivo selecionar os jovens para que os mesmos viessem se necessário, combater na guerra. Em 1961 foi promulgada a primeira LDBEN (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), que obrigava o ensino primário e secundário, à época, a contemplar a educação física dentro dos seus programas curriculares.

A partir de 1971, com a reforma da LDB, Lei 4.024/61 a educação física passou a ser considerada como uma atividade prática e que estava voltada para o desempenho técnico e físico do aluno, amparada pela lei 5.692/71 (Lei da reforma do ensino primário e secundário). Com isso trouxe consigo uma concepção política desenvolvimentista, que se caracterizava pela preparação, recuperação e manutenção da força do trabalho.

Em novembro de 1971 é baixado o decreto 69.450/71, que tinha o objetivo de aperfeiçoar a capacidade física dos alunos, revelando uma visão da educação física que entendia o aluno não como ser humano sujeito e sim como objeto. Assim, a introdução à atividade esportiva dava-se “a partir da quinta série, tornou-se um dos eixos fundamentais de ensino; buscava-se a descoberta de novos talentos que pudessem participar de competições internacionais, representando a pátria”. (BRASIL, 1997. p. 22).

A educação física revela, ainda hoje, a sua tendência mecanicista, pois trabalhavam e muitos ainda trabalham as características físicas básicas, vivenciadas no esporte de competição, buscando a qualquer preço a performance exigida pela sociedade competitiva.


Na década de 80 [do século XX] os efeitos desse modelo começaram a ser sentidos e contestados: o Brasil não se tornou uma nação olímpica e a competição esportiva da elite não aumentou o número de praticantes de atividades físicas. Iniciou-se então uma profunda crise de identidade nos pressupostos e no próprio discurso da Educação Física, que originou uma mudança significativa nas políticas educacionais. (BRASIL, 1997, p. 23).
Em dezembro de 1996 foi aprovada pelo Congresso Nacional Brasileiro e sancionada pelo então presidente da República Fernando Henrique Cardoso a nova Lei de Diretrizes e Base da Educação, Lei 9394/96, apontando a educação como o meio indispensável para o desenvolvimento de uma sociedade, essa lei transmite responsabilidades aos Conselhos Estaduais de Educação, às escolas e aos professores, responsabilidades estas que, então, eram centralizadas apenas no Ministério da Educação.

A nova LDB no seu Artigo 26 Parágrafo 3o põe a Educação Física como uma disciplina que faz parte do projeto pedagógico da escola, como membro da educação básica, sem obrigatoriedade aos cursos do noturno.

As aulas de educação física tinham como objetivo apenas formar campeões ou, preparar fisicamente o indivíduo para defender a pátria em eventuais necessidades. Atualmente, os objetivos da Educação Física vão muito além, ela incorpora ai o conhecimento, o respeito para com o seu próprio corpo, para manter a saúde física e, também, o cuidado com a formação intelectual e ética dos educandos.

Em 1999 foi criado pelo governo federal o Ministério do Esporte, cuja missão é promover e divulgar o esporte como instrumento essencial para a melhoria da saúde, do desenvolvimento social e formação da cidadania.


VALORES DESENVOLVIDOS A PARTIR DA PRÁTICA ESPORTIVA
Ética e Moral
As questões relacionadas à ética e à moral no mundo esportivo não são novas e são discutidas desde as últimas décadas do século XX. A palavra moral tem sua origem do vocábulo latino
mos, moris, que quer dizer o costume, e no plural, mores significa os hábitos de conduta ou de comportamento instituídos por uma sociedade em condições históricas determinadas. Da mesma maneira, a palavra ética vem de duas palavras gregas: éthos, que significa “o caráter de alguém “e êthos, que significa” o conjunto de costumes instituídos por uma sociedade para formar, regular e controlar a co0nduta de seus membros“. (CHAUÍ, 2003, p. 307).
Hoje devido ao aumento dos índices de violência na sociedade e, conseqüentemente, na escola, vem crescendo o interesse em trazer para o espaço escolar atividades e/ou ações desenvolvam valores, como: solidariedade, disciplina, solidariedade, partilha, respeito, cidadania, além de promover a apreensão de regras, a inclusão social, o não uso consciente de substâncias proibidas e entorpecentes. Entendemos que o esporte no espaço escolar pode ser um dos instrumentos do cultivo e preservação de valores dessa natureza.

Sabemos que o esporte pode e, em algumas modalidades, é uma atividade lucrativa que muitas vezes põe o foco em cima das facilidades financeiras e da não necessidade de estudo, principalmente o futebol masculino. Todo esse interesse da população por algumas modalidades esportivas fez com que se perdesse aquilo que é de importância na formação de jovens cidadãos – valores éticos e morais.

Para Dunning (1985), citado por Santos (2005, p. 16) “O esporte, para muitos grupos, tornou-se uma religião na sociedade atual, vindo certamente a substituir a lacuna deixada na vida cotidiana pelo declínio da religião”. Ainda Santos (2005) agora citando Lumer (1995) reflete que:
na comparação do esporte de lazer com o esporte de rendimento, as altas recompensas recebidas por estes últimos e a grande necessidade de reconhecimento pessoal tem estabelecido um claro desequilíbrio nas posturas destes praticantes esportivos, quanto a comportamentos relacionados fair play - Espírito Esportivo, este autor destaca, ainda, que frente a necessidade de riqueza, atletas, técnicos e dirigentes fazem altas exigências e tecnológicas, deturpando, assim, os objetivos básicos da pratica esportiva. (LUMER, 1995 apud SANTOS, 2005, p.16).
Segundo os PCN’s (BRASIL, 1997), ética é o conjunto de valores que orienta o exercício da cidadania numa sociedade democrática. E a escola é um espaço privilegiado para a formação ética das novas gerações e o esporte pode servir como um instrumento para o cultivo de valores formativos do caráter.
Disciplina
Em qualquer segmento da vida humana é importante que haja uma boa conduta por parte dos integrantes do grupo os quais devem exigir seus direitos respeitando simultaneamente os direitos dos outros. Respeito aos direitos e deveres e às normas de conduta é o que entendemos por disciplina.

Na escola, local onde todas as culturas humanas são aprimoradas, é indispensável que todos os fundamentos de disciplina sejam seguidos, uma vez que a qualidade de uma instituição escolar depende intimamente do modo como ela conduz as atividades por ela realizadas. Ademais, a escola não é somente um lugar onde se põe em prática o processo de ensino-aprendizagem do conhecimento científico e culto, mas é também, um ambiente em que se deve promover situações onde se possa desenvolver nos educandos valores voltados ao respeito e à preservação da humanidade.

Quanto a isso, a escola precisa colocar de forma clara o funcionamento das regras para que os alunos possam identificar o significado destas. Entretanto, o professor deve entender que essa compreensão não acontece de um dia para o outro e que deve ser objeto de ensino organizado e sistemático. E, uma das maneiras do aluno compreendê-las é com a prática esportiva, pois, a mesma precisa ser organizada e ter uma participação coletiva.

Segundo os PCN’s “uma das maneiras de favorecer a compreensão da natureza social das normas e regras é aprender formulá-las no convívio escolar, dentro dos limites da instituição, enfatizando-as com a organização coletiva”. (BRASIL 1997, p. 60). Para que isso tenha sentido, os alunos devem compreender os vários aspectos da instituição escola, perceber-se como membro participante dela e tomar decisões sem olhar apenas para os seus próprios interesses.

O professor, também, para exigir respeito precisa respeitar seus alunos, ser coerente no que diz e no que pratica, tratar todos de forma igualitária criando assim um ambiente propício ao cumprimento das regras.

Segundo Tiba (1996):


A disciplina escolar é um conjunto de regras que devem ser obedecidas tanto pelos professores quanto pelos alunos para que o aprendizado escolar tenha êxito. Portanto, é uma qualidade de relacionamento humano entre o corpo docente e os alunos em uma sala de aula e, conseqüentemente, na escola. (TIBA, 1996, p.117).
Quanto a isso, podemos encontrar no esporte subsídios que venham a contribuir para o melhoramento do processo disciplinar da escola. Visto que, essa tão praticada atividade humana é recheada de regras e determinada por comportamentos a serem seguidos por seus praticantes, desenvolvendo neles valores como companheirismo e humildade capazes de levá-los a aprender a conviver com vitórias e derrotas, a vencer através do esforço pessoal, a ter confiança em si mesmo e nos outros e a ser membro ativo e participativo do grupo, além de contribuir significativamente para o crescimento deste grupo.

Sendo assim, é notória a importância de se inserir o esporte no contexto escolar, uma vez que ele pode ser utilizado, dentre outros aspectos, como instrumento facilitador da disciplina escolar e, por conseguinte, na vida.


Cidadania
A palavra cidadania originou-se do latim “civitas”, que quer dizer cidade. E foi usada na Roma Antiga, para apontar os direitos e a situação política que a pessoa exercia. Segundo Dallari (1998):
A cidadania expressa um conjunto de direito que dá a pessoa a possibilidade de participar ativamente da vida e do governo de seu povo. Quem não tem cidadania está marginalizado ou excluído da vida social e da tomada de decisões, ficando numa posição de inferioridade dentro do grupo social. (DALLARI, 1998, p. 14).
Sabe-se, que a cidadania não surge do nada, como um toque de mágica, nem é algo que se constrói com os livros, mas que é construída com a convivência, na vida social. A cidadania não é como um dever de casa, onde faço a minha parte, apresento e pronto, visto que estamos em constantes mudanças, enfrentando a cada dia novos desafios.

Vivemos em uma sociedade capitalista, que deixa marcas profundas em todos os seus segmentos sociais, que acaba afetando a saúde e a educação das camadas populares, o que a torna discriminatória e excludente, inclusive para com os deficientes físicos. Por isso a educação precisa assumir o seu papel de auxiliar na formação do homem/cidadão, pois há a necessidade do cidadão participar ativa, crítica e conscientemente dessa sociedade, com o objetivo de construí-la de forma mais justa e igualitária.

Quanto a isso, podemos afirmar que as atividades esportivas têm ajudado a quebrar velhos paradigmas e remover os estigmas de que nem todas as pessoas podem realizar atividades físicas, a exemplo do menino que por ser muito magro ou gordinho nunca é escolhido para fazer parte de alguma equipe esportiva. Essas atividades vêm, também, contribuindo para diminuir o abismo que existe entre as classes sociais, bem como, para amenizar os demais tipos de discriminações. Uma vez, que as regras, normas e regimes que regulam os eventos esportivos abrangem todos os participantes de maneira igual e uniforme.

O processo de construção da cidadania através do esporte ou mais especificamente através do futebol, corroborando com Viana (2004),


Se constrói pelo reconhecimento e respeito das regras, normas, as diferenças individuais, pelo combate aos preconceitos, às discriminações (econômica, política, sexual, cultural... etc.), pela participação do processo grupal, pela ampliação da consciência em relação aos direitos e deveres e pela confiança no potencial de transformação de cada um. (VIANA, 2004, p. 5).
Sendo assim, podemos frisar mais uma vez a importância da utilização das atividades esportivas na escola como meio de construção da cidadania, já que estas levam os alunos a interagir com os seus companheiros e a cidadania começa na relação do homem consigo mesmo para, a partir daí, expandir-se até o próximo, ampliando-se para o contexto social a que o homem está englobado.
Socialização
Não se pode negar as potencialidades que o esporte possui para influenciar no processo de socialização do ser humano, mesmo porque, ninguém gosta de praticar atividades esportivas sozinho. E, quando tentamos isso, nos deparamos com momentos enfadonhos sem nenhuma motivação, pois, as competições e eventos esportivos sempre envolvem grande número de pessoas. O que deixa bem claro que o esporte é uma atividade social e socializadora.

A socialização significa o processo de transmissão de comportamentos socialmente esperados. Mais especificamente, a socialização para o desempenho de determinado papel social envolve aquisição de capacidades físicas e sociais, valores, conhecimentos, atitudes, normas e disposição que podem ser aprendidos em uma ou mais instituições sociais, como exemplo, a família, a escola, o esporte e, ainda, através dos meios de comunicação.

Sabemos, também, que a inclusão de programas esportivos na escola são baseados na crença de que o esporte é um elemento de socialização, que contribui para o desenvolvimento mental e social, uma vez que a prática físico-desportiva proporciona à criança muitas oportunidades de contato social na medida de seu amadurecimento psíquico.

No entanto, é importante ficarmos atentos para os perigos de estarmos utilizando o esporte como forma de reforçar as ideologias capitalistas que permeiam todo e qualquer tipo de comunidade. Pois assim, estaríamos promovendo uma educação que significa levar o indivíduo a internalizar valores, normas de comportamento, que lhe possibilitaria adaptar-se à sociedade capitalista. Em suma, a uma educação que leva ao acomodamento e não ao questionamento.

Essa socialização através do esporte escolar pode ser considerada uma forma de controle social, pela adaptação do praticante aos valores e normas dominantes como condição alegada para a funcionalidade e desenvolvimento da sociedade. Para que se tenha uma reformulação nas práticas esportivas deste país, é necessário que atuemos com consciência crítica. Principalmente na escola onde a relação esportiva pode se tornar democrática, prazerosa e despertar em crianças e adolescentes o gosto pelos movimentos e o engajamento nessas atividades no contexto do processo educacional, político e principalmente social.

Viana (2004) nos mostra que:


É de fundamental importância que o educador através de sua prática busque que os sujeitos envolvidos no processo desportivo/educativo vivenciem experiências positivas, que elevem a auto-estima e desenvolvam a autoconfiança; ajudando-os a se tornarem cidadãos críticos e reflexivos, com vontade de lutar para transformar a realidade à qual pertence. (VIANA, 2004, P. 2)
Assim, a participação no esporte pode afetar a criança de uma forma negativa ou positiva, dependendo das experiências sociais a que são submetidas e a que princípios da aprendizagem social lhe são solicitados, podendo ser aplicados no contexto esportivo para aperfeiçoar os resultados da participação das crianças.
ANÁLISE DAS ENTREVISTAS: A TRAJETÓRIA DO ESPORTE NA ESCOLA MUNICIPAL DULCE VIANA CARDOSO
A parte prática da nossa pesquisa constou de entrevistas com alunos, professores, pais de alunos e direção da Escola Municipal Dulce Viana Cardoso. As entrevistas foram realizadas de 05 a 08 (cinco a oito) de dezembro de 2006 através de textos manuscritos.
Os alunos

Foram entrevistados cinco alunos da 3ª e 4ª Série da Escola Municipal Dulce Viana Cardoso, com estas entrevistas podemos perceber um relevante interesse dos alunos para com as práticas esportivas, principalmente com o futebol no qual eles têm alguns jogadores como ídolos, por estes terem muita habilidade, vigor físico e uma boa saúde tanto física como mental. Porém, os mesmos alunos confessaram que essas atividades são raramente realizadas em sua escola, por falta de oportunidade, espaço físico adequado e até mesmo por falta de incentivo da maioria dos educadores.

Estes alunos dizem praticar esporte em ambiente extra-escolar e que se sentem muito bem com isso, pois, com a prática do esporte eles ficam muito mais dispostos e adquirem mais condicionamento físico e mental. O interesse desses alunos pelo esporte é tanto, que eles chegam a mencionar que se houvessem duas ou mais opções de escola para estudarem, todos iriam preferir aquela que oferecesse práticas esportivas aos seus alunos.

Por isso, entendemos que deve haver uma preocupação por parte dos educadores em proporcionar oportunidades para que as crianças possam praticar atividades esportivas dentro do contexto escolar, uma vez que, estas contribuirão para a motivação desses alunos em participar de todas as atividades realizadas pela escola. É sabido que o esporte faz com que a criança cresça de forma ativa e desenvolva suas habilidades físicas, cognitivas e sociais trazendo uma vida saudável para ela, além de contribuir no aspecto disciplinar de sua formação pessoal.

Acreditamos, então, que no momento em que a criança inicia uma atividade esportiva, juntamente com os benefícios físicos, ela obtém também benefícios sociais e psicológicos. E que, o esporte deva ser praticado como uma fonte de prazer e satisfação. Deve ser uma brincadeira, um momento de encontrar os amigos e se divertir, sem se importar com o aspecto competitivo presente no esporte de rendimento, deve ser uma atividade sadia e alegre onde não há perdedores, só vencedores.
Os professores

Entrevistamos duas professoras da referida escola e todas disseram acreditar que o esporte, com seu aspecto lúdico, exerce grande influência na personalidade dos alunos, bem como, pode servir para motivá-los a freqüentar a escola, além de ajudar a afastá-los do terrível mundo das drogas. Porém, elas se deparam com a dificuldade em trabalhar com atividades esportivas, devido à falta de material e espaço físico adequado para a prática desportiva. Muitas vezes, o docente também se recente de falta de preparo para a elaboração das aulas de educação física.

Nesse sentido, fica evidente a necessidade que há dos governantes e administradores criarem condições de infra-estrutura escolar, que seja adequada aos interesses esportivos apresentados pelos estudantes para que, com isso, os professores possam ter condições de oportunizar aos alunos a prática esporte no ambiente escolar. Desta forma, demonstrariam ter em mente que o esporte é essencial na formação da personalidade do indivíduo e que deve fazer parte das atividades do cotidiano escolar.
Os pais

Os cinco pais entrevistados apresentaram idéias favoráveis à realização de atividades esportivas na escola, argumentando que o esporte favorece o desenvolvimento físico e mental das crianças. Por ser uma atividade que é praticada em grupo, auxilia no processo de socialização e na conscientização sobre os perigos existentes na sociedade que nos cerca, como: alcoolismo, drogas, prostituição e gravidez precoce.

Sabendo do grande valor que o esporte trás para as crianças, todos os pais entrevistados disseram ser incentivadores da participação de seus filhos em eventos esportivos. Para os pais entrevistados, apesar dos incentivos que eles dão aos filhos, a escola não realiza eventos esportivos que possibilite a participação destes.
A diretora

Segundo a diretora da Escola Municipal Dulce Viana Cardoso o esporte na sua escola não exerce nenhuma influência, pois a escola não tem espaço adequado para que os alunos possam praticá-lo. Mas mesmo assim, ela concorda que as atividades esportivas devam ser inseridas no contexto escolar, uma vez que a mesma acredita nas potencialidades do mesmo na formação de valores éticos e morais e conformação do caráter dos alunos. Ela acredita, ainda, que o esporte pode contribuir no sentido de amenizar a grande taxa de evasão escolar, além de incentivá-los a participarem mais efetivamente das atividades realizadas pela escola. Afirma, também, crer que o esporte é capaz de afastar os alunos do perigoso mundo das drogas.

Com isso, entendemos que a senhora Diretora, apesar de não utilizar com muita freqüência as atividades esportivas em sua escola, demonstra sensibilidade para com a importância do esporte na educação de seus alunos.

Percebe-se, então, que é importância que aconteçam atividades esportivas dentro do ambiente escolar, oferecendo assim aos educandos oportunidades de, através do lúdico, aumentar o seu interesse e participação nas atividades proporcionadas pela escola e pela comunidade, desenvolvendo valores éticos, morais e emocionais indispensáveis à formação da personalidade do ser humano.


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao final de nosso trabalho, diante de tantas informações acerca da situação atual da utilização do esporte como instrumento facilitador do processo ensino-aprendizagem, e após o estudo teórico sobre as potencialidades dessa atividade na formação da personalidade do ser humano, percebemos a necessidade de agir efetivamente no sentido de conscientizar pais, direção, professores e a comunidade em geral da importância do esporte para possibilitar uma vida saudável, física e mentalmente, bem como para incentivar crianças e adolescentes a se inserirem, se manter e a participarem ativamente do mundo escolar.

Neste artigo fizemos um apanhado geral da história da educação de Érico Cardoso a partir da história da Escola Municipal Dulce Viana Cardoso, da história da prática esportiva do município e importância da utilização do esporte no desenvolvimento cognitivo e psicossocial do educando. Trilhamos um caminho de pesquisa que nos levou a conhecer o que o município, a escola em questão e seus sujeitos pensam acerca do esporte no espaço escolar, mostrando o quanto a utilização do esporte pode facilitar o processo de ensino-aprendizagem e ajudar a melhorar a relação entre os mesmos. E, finalmente, chegamos à conclusão de como a utilização do esporte nas atividades escolares pode aumentar a motivação, a afetividade, a participação, a assiduidade, a disciplina, o interesse e, conseqüentemente, melhorar a aprendizagem dos alunos e, mais importante, contribuir de forma positiva na formação de valores éticos e morais nos jovens educandos.

Assim, estamos convencidos de que a utilização do esporte como instrumento pedagógico é de relevante importância para o sucesso do processo de aprendizagem escolar, pois, ele proporciona momentos de prazer e de plena satisfação, sentimentos que devem, indispensavelmente, estarem presentes no ambiente escolar.

REFERÊNCIAS

BRASIL: Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1997a.


BRASIL: Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais e Ética. Brasília: MEC/SEF, 1997b.
CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2003.
DALLARI, Dalmo. Direitos Humanos e Cidadania. São Paulo: Moderna, 1998.
GRESPAN, Márcia Regina. Educação física no ensino fundamental: Primeiro ciclo. Campinas: Papirus, 2002.
MARTINS, Délio João Viana. Água Quente: sua história, sua gente e seus encantos. Guanambi/BA: P.J.V. Martins, 2002.
RIBEIRO, Nuno Cobra. A Semente da Vitória. 12. ed. São Paulo: SENAC, 2001.
RIZZI, Leonor; HAYDAT, Regina Célia. Atividades Lúdicas na Educação da Criança. São Paulo: Ática, 2004.
SANTOS, Antonio Roberto Rocha. Espírito Esportivo: Fair Play e Prática de esporte. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, nº 4 2005. Disponível em
TIBA, Içami. Disciplina, limite na medida certa. São Paulo: Gente, 1996.
ANEXOS

ANEXO - A
Entrevista com a Diretora


  1. Qual a influência do esporte na formação pessoal dos alunos na sua escola?

  2. Você concorda que as atividades esportivas devam ser inseridas no processo de ensino-aprendizagem? Explique:

  3. Na sua opinião o esporte contribui para diminuir a taxa de evasão escolar? Justifique.

  4. A escola realiza ou já realizou algum projeto que este esteja voltado à prática esportiva?

  5. Na sua opinião qual seria a melhor forma de utilizar o esporte como um meio de incentivar os alunos a uma participação efetiva nas atividades escolares?

  6. Na sua opinião o esporte é capaz de inibir aproximação dos jovens ao perigoso mundo das drogas?



ANEXO – B
Entrevista com Docentes:


  1. Qual a importância do esporte na vida escolar dos alunos?

  2. Você concorda que as atividades esportivas devem ser inseridas no processo de ensino aprendizagem? Explique.

  3. Na sua opinião o esporte contribui para diminuir a taxa de evasão escolar? Justifique.

  4. A escola realiza ou já realizou algum projeto que este esteja voltado à prática esportiva?

  5. Na sua opinião qual seria a melhor forma de utilizar o esporte como meio de incentivar os alunos a uma participação efetiva nas atividades escolares?



ANEXO - C
Entrevistas com alunos


  1. Você pratica esporte na sua escola? Por que?

  2. Você pratica algum esporte fora da escola?

  3. Qual a sensação que o esporte lhe proporciona? Qual o seu esporte favorito?

  4. Você tem algum ídolo no esporte como exemplo? justifique?

  5. Se na sua cidade existisse duas escolas: uma que oferecesse práticas esportivas e outra que não oferecessem. Em qual você gostaria de estudar? Por que?



ANEXO - D
Entrevista com os Pais


  1. Você é a favor de que seu filho pratique esporte na escola? Por que?

  2. Na sua opinião a pratica esportiva na escola auxilia na educação do seu filho? Justifique.

  3. Você incentiva seu filho a praticar algum tipo de esporte? Por que?

  4. Na escola em que seu filho estuda, são realizados eventos esportivos? Você participa?

  5. Se por acaso, em um evento esportivo realizado pela escola, acontecesse algum problema com seu filho? Qual seria sua reação? Porque?

1 Licenciado(a) em Pedagogia / UNEB.

2 Professora Assistente UESB; Doutoranda PPGE/UFSCar.

1 Dados municipais fornecidos pela Secretaria de Educação do Município de Érico Cardoso e dados das escolas estaduais colhidos nos próprios estabelecimentos de ensino.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal