Escola Superior de Tecnologia de Tomar



Baixar 27.74 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho27.74 Kb.


INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR

Escola Superior de Tecnologia de Tomar

Departamento de Gestão do território
Curso de Gestão do Território e do Património Cultural





urbanismo e comunicações


3.º Ano – 1.º Semestre Regime: Semestral

Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária: 1T+2TP

Docente: Assistente 1º Triénio Sérgio Paulo Leal Nunes

urbanismo e comunicações




  1. OBJECTIVOS


Processos e factores explicativos das concentrações urbanas. Crescimento e desenvolvimento urbano. Rede urbana, sistemas urbanos e redes de comunicações. Políticas de transportes. Conhecimentos básicos. Principais paradigmas teóricos. Metodologias de análise e estudo de casos.

  1. Programa


    1. tendências de organização do espaço

    1. Concentrações urbanas

    2. Breve perspectiva da evolução urbana

    3. A organização do espaço europeu

    4. A organização do espaço português

    1. O fenómeno Urbano

    1. Conceitos básicos: Urbanização e desenvolvimento económico

    2. Do rural ao excesso urbano num século

    3. origens económicas da urbanização

    4. Fundamentos microeconómicos do fenómeno urbano

    5. A urbanização nos países em vias de desenvolvimento

    6. Simulação Quantitativa dos efeitos da urbanização

    7. cidade e desenvolvimento: Síntese e crítica

    1. comunicações e transportes: factores de mobilidade

    1. a importância dos transportes e das comunicações

    2. Redes de comunicação imateriais e potenciais impactos

    3. transportes urbanos e cidades sustentáveis

    4. os transportes e a mobilidade nas áreas metropolitanas

    1. rede e sistema urbano: instrumento de coesão e desenvolvimento

    1. os anos 90 e o regresso da cidade e da polarização geográfica

    2. A actual reconfiguração dos sistemas urbanos

    3. sistema urbano, política de cidades e política de desenvolvimento regional

    1. A política europeia de transportes no horizonte 2010

    1. balanço da política comum de transportes

    2. diagnóstico prospectivo da política europeia de transportes

    3. Reequilibrar os modos de transporte

    4. conclusões: a hora das opções

    1. O sistema de transportes e acessibilidades portugues

    1. balanço da política comum de transportes

    2. O sector dos transportes no pndes

    3. plano operacional de acessibilidades e transportes



  1. BIBLIOGRAFIA OBRIGATÓRIA


    1. ADFER (2003) - A mobilidade e o transporte metropolitano e regional. IV Congresso Nacional do Transporte Ferroviário. Vol. I.

    2. Balchin, P. N.; Isaac, D.; Chen, J. (2000) - Urban Economics, A Global Perspective, Palgrave. Great Britain. ISBN: 0-333-77128-1.

    3. COM (2001) - Livro Branco - A política de transportes no horizonte 2010: a hora das opções. Comissão das Comunidades Europeias. Doc. 370 Final.Bruxelas.

    4. Conselho Económico e Social (1997) – A Política das Cidades. CES. ISBN 972-8395-02-7.

    5. Costa, J. S. (2002) – Compêndio de Economia Regional, APDR, Coimbra. ISBN: 972-98803-1-x.

    6. Farto, M. J. et al (2002) - Sistema de transportes e acessibilidades ibéricas no contexto europeu. ORE. Universidade Autónoma Luís de Camões. Lisboa.

    7. Frasquilho, M (2002) - Os transportes e a mobilidade nas áreas metropolitanas, O Economista - Anuário da Economia Portuguesa, pp. 219 - 221.

    8. Oliveira, H. (2000) - O sistema multimodal de transportes da área metropolitana de Lisboa, O Economista - Anuário da Economia Portuguesa, pp. 196 - 202.

    9. Lopes, S. (1995) – Desenvolvimento Regional, 4ª edição, Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa. ISBN: 972-31-0106-8.

    10. Pólese, M. (1998) – Economia Urbana e Regional, APDR. Coimbra. ISBN: 972-97825-0-4.

O docente irá procurar disponibilizar, adicionalmente e nos momentos adequados, textos para pontos específicos da matéria como, por exemplo, Europa 2000 +; EDEC; PNDES; REOT; PDR ; POAT, Livro Branco dos Transportes, Livro Verde, etc.



  1. Metodologia de Avaliação de conhecimentos


A avaliação não deverá ser considerada como o objectivo principal da aprendizagem realizada. Deverá ser tomada, apenas (ainda que inevitável), como uma das suas consequências.

A avaliação tomará a forma de um “portfólio de avaliação”. O aluno tem a possibilidade de construir, através de monografias, relatórios, ensaios, reflexões, etc., sobre os temas em análise nas aulas, até 50% da sua nota final. A ponderação de cada momento de avaliação é decidido pelo aluno, devidamente orientado pelo docente.

O objectivo é o de que o aluno tome uma parte activa e responsável na sua avaliação, dentro de um limite considerado cientifica e pedagogicamente razoável.

A avaliação terá, assim, como suporte as seguintes componentes:



  1. A classificação obtida na frequência (época normal), realizado para esse efeito nos períodos previstos pelos Órgãos da Escola (50-100% da cotação global);

  2. Da apresentação e discussão de trabalhos práticos, desenvolvidos individualmente. [(0%-50%) da cotação global).

Em nenhum momento de avaliação o aluno poderá ter uma classificação inferior a sete valores.

A organicidade e a lógica de funcionamento da disciplina é pensada e desenvolvida para alunos em sistema presencial.

Os alunos que não obtiverem aproveitamento na época normal poderão efectuar um exame final (valorado em 100%) em época designada pelos órgãos competentes da instituição. Os trabalhos realizados durante o período de avaliação contínua não serão considerados para exame final.
HORÁRIO DE ATENDIMENTO1

Docente

Horário

Gabinete

Sérgio Nunes

3ª Feira: 17h30 – 19h30


Bloco B – Gab. 175

Sérgio Nunes

E-mail - spnunes@ipt.pt

TM - 917 152 689





1 Ou qualquer outro dia desde que previamente solicitado.




Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal