Escolhas eternas



Baixar 20.85 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho20.85 Kb.
LIÇÃO DE CÉLULA
ESCOLHAS ETERNAS


INTRODUÇÃO
Introduza a lição contando a seguinte história:


John e Edwin Booth eram irmãos e atores. Edwin, aliás, era considerado um dos melhores atores dos Estados Unidos no século XIX. Em 1863, os dois irmãos se uniram para representar uma peça sobre o imperador romano Júlio César. John ficou com o papel de Brutus, traidor e assassino do imperador, um sinistro prenúncio do que aconteceria dois anos mais tarde. Em uma fria noite de abril de 1865, enquanto o presidente americano Abraham Lincoln e outros assistiam a um espetáculo no Teatro Ford, motivado por divergências políticas, John entrou silenciosamente pela parte de trás do camarote onde Lincoln estava e atirou contra a cabeça do presidente, assassinando-o.


A vergonha pelo crime de seu irmão fez com que Edwin se afastasse dos palcos, decisão que talvez nunca tivesse sido revertida não fosse por um fato inusitado ocorrido em uma estação de trem em Nova Jersey tempos depois. Edwin aguardava pelo trem quando um jovem bem vestido, pressionado pela multidão, desequilibrou-se e caiu entre a plataforma e o trem em movimento. Sem hesitar, Edwin colocou seu pé no trilho, agarrou o homem e o puxou, salvando-o da morte. Após a emoção do momento, o jovem reconheceu o famoso Edwin Booth. O ex-ator, entretanto, não sabia quem era o jovem. Tal conhecimento só veio a acontecer algumas semanas mais tarde, através de uma carta do então general Adams Budeau. Nessa carta, o general agradecia a Edwin por ter salvo a vida de Robert Todd Lincoln, filho do ex-presidente americano assassinado por seu irmão.


Pergunte aos presentes:




  1. O que vocês acharam da história que acabamos de ouvir?




  1. Quais lições ela nos ensina?




DESENVOLVIMENTO
Edwin e John Booth: os mesmos pais, uma mesma profissão, mas destinos tão diferentes. Por quê? Qual a causa das diferenças? As escolhas. Um optou pela morte; o outro, pela vida. As escolhas que fazemos, não as nossas origens, determinam nossos destinos.
A Bíblia Sagrada contém uma história semelhante à dos irmãos Booth. Ela está registrada em Lucas 23.32-33, 39-43.


Peça para dois dos presentes lerem o texto bíblico: um os versículos 32 a 33 e outro os de 39 a 43. Se quiser e puder, passe o trecho do filme “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, correspondente ao texto lido.




Pergunte aos presentes:




  1. Quais as semelhanças entre as duas histórias?




  1. O que elas nos ensinam?

Semelhantemente à primeira, a história bíblica nos apresenta dois homens com origens iguais. Ambos eram criminosos e estavam sendo punidos com a morte por crucificação. Além disso, de acordo com Mateus 27.44, os dois insultavam a Jesus enquanto estavam com ele crucificados. Entretanto, tiveram destinos diferentes. Um deles permaneceu insultando Jesus, dizendo-lhe: “Você não é o Cristo? Salve-se a si mesmo e a nós!” (v.39). O outro, contudo, caiu em si e se arrependeu, chegando até mesmo a repreender o primeiro, dizendo-lhe: “Você não teme a Deus, nem estando sob a mesma sentença? Nós estamos sendo punidos com justiça, porque estamos recebendo o que os nossos atos merecem. Mas este homem não cometeu nenhum mal” (v.40). E ainda disse a Jesus: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino” (v.42). Ao que Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso” (v.43).


Os irmãos Booth e esses dois criminosos crucificados representam dois escolhas que cada um de nós que aqui estamos podemos fazer. Todos nós temos origens comuns: fomos criados por Deus, mas nos rebelamos contra ele. Entretanto, podemos ter origens diferentes, o que dependerá de nossas escolhas. Podemos escolher entre a morte ou a vida; permanecermos contrários a Jesus ou nos arrependermos; nos mantermos rebeldes a Deus ou nos reconciliarmos com ele. Qual a sua escolha?







IGREJA BATISTA GETSÊMANI – DIVISÓPOLIS MG 1

Contudo, alguém poderia dizer: “Mas eu já fiz muitas escolhas erradas em minha vida. Meu destino já está traçado. Não há como mudá-lo”. Isso não é verdade! O criminoso que se arrependeu escolheu estar com Jesus pouco antes de sua morte, quando já estava sofrendo a punição devida aos seus crimes. Naquele momento, ele ainda teve uma oportunidade de escolha que poderia mudar o seu destino. Uma boa escolha para a eternidade compensa milhares de escolhas erradas na terra.


Pergunte aos presentes:




  1. Quais são algumas das escolhas erradas que você tem feito em sua vida? Compartilhe com o grupo caso se sinta à vontade para isso.

  2. Pense nesta frase: “Uma boa escolha para a eternidade compensa milhares de escolhas erradas na terra”. O que você acha dela?



CONCLUSÃO

Nesta noite, eu gostaria de lhe dar uma grande oportunidade de escolha que poderá mudar radicalmente o seu destino. O próprio Deus disse: “Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês, de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus filhos vivam” (Deuteronômio 30.19). Como dos irmãos Booth, diante de você está a morte e a vida. Como dos dois criminosos crucificados, diante de você está o desprezo a Jesus ou a sua aceitação. Qual a sua escolha? Permanecer rebelde a Deus ou se reconciliar com ele?




Peça aos presentes para que fechem seus olhos e abaixem a cabeça. Peça àqueles que desejarem que repitam a seguinte oração:


Jesus, nesta noite, eu ouvi a sua voz. Eu reconheço que tenho feito muitas escolhas erradas e que meu destino tem sido a morte eterna. Por isso, eu decido me arrepender dos meus pecados e aceitá-lo em minha vida. Me perdoe e me reconcilie com Deus. Amém!
Após isso, peça àqueles que fizeram essa oração que se manifestem e ore por eles. Além disso, ministre também àqueles que, apesar de convertidos a Cristo, têm feito escolhas erradas que levam à morte. Convide-os a se arrependerem.






IGREJA BATISTA GETSÊMANI – DIVISÓPOLIS MG 2




Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal