Espanhol texto 1 5 el impostor



Baixar 97.69 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho97.69 Kb.


ESPANHOL

Texto 1



5


EL IMPOSTOR


10
Estaba cansada de esperar pero el hombre Ilegó puntual y lo vi sonreírme con timidez el primer nombre. Me dijo que era Él y repitió en voz baja, como si lo dibujara o moldeara, el montón de circunstancias que nos habían separado. Yo deseaba creerle, pero él no era Él. Gemelos, hermanos mellizos me obligué a pensar. Pero Jesús nunca había tenido hermanos, este Jesús mío.

Me besó cariñoso y sin presión y el brazo en la espalda me hizo creer por un momento. Inicié un tanteo:

—¿Cómo te fue en Londres?


15

20
— Bien; por lo menos me parece. Con esas cosas nunca se puede estar seguro — me miró sonriendo.

— Más importante — dije — es saber si te acuerdas de la fiesta de despedida. Del epílogo, quiero decir.

Me miró burlón y dijo:

—¿Es una pregunta? Bien sabes, y lo volverás a saber esta noche, que no podía olvidar. Recuerdo tus palabras sucias y maravillosas. Puedo repetirlas, pero...


25

30
— Por dios, no, — casi grité y la cara se me encendió.

— No soy tan bruto. Era un juego, una amenaza cariñosa.


35
Frente a las dos botellas sonrió, burlándose. Una era de vino rojo, la otra de blanco.

— A esta hora, y como siempre, un vaso de blanco.

Él prefería así, Él hubiera dicho las mismas palabras.

Bebimos y después caminamos, recorriendo la casa. Este él andaba lento, casi sin mirar a los costados y se detuvo en la puerta del dormitorio.


40
Miraba la cama, sonreía, me puso un brazo sobre los hombros, me pellizcó la nuca y, como siempre, me puse caliente y húmeda.

Entre sábanas, viéndolo desnudo, sintiendo lo que sentía supe que él no era Él, no era Jesús. En la cama ningún hombre puede engañar a una mujer. Pero después del jadeo y el cigarrillo, dijo:


45
— Bueno. Vamos a mirar el van gogh. Sigo creyendo que es falso, que hiciste una mala compra para la galería.


50


Lo mismo, iguales palabras, me había dicho Jesús antes de viajar a Londres. Y sólo Él y yo estábamos enterados de la compra clandestina del van gogh.


ONETTI, Juan Carlos. Cuentos Completos. Ed. Alfaguara, Madrid, 1995.

(Juan Carlos Onetti (1909) – escritor uruguayo.)





Vocabulario:

Tanteo: prueba, examen, sondeo, exploración, cálculo.

Jadeo: acción de jadear, respirar fatigozamente por efecto de algún trabajo o ejercicio impetuoso.

01) Personajes que intervienen en la historia:
01. Una joven que espera la llegada del amado; éste llega disfrazado y ella no lo reconoce.

02. Una pareja que riñe y tras un largo periodo de separación se reconcilia.

04. Jesús y María, una pareja feliz que conmemora un acontecimiento familiar.

08. Una pareja cuyo nombre no consta, y un cierto Jesús de quien sólo se sabe el nombre.

16. Una mujer pública y los clientes que la frecuentan.

32. Un ejecutivo que vuelve de un viaje de negocios y la esposa cariñosa que lo espera en casa.





02) ¿Qué clase de vino toman y por qué?
01. Vino rojo, porque así lo exige la etiqueta.

02. Toman vino blanco porque combina mejor con la comida.

04. Terminada la botella del rojo, toman un vaso de vino blanco.

08. La hora y la costumbre hacen que se decidan por el blanco.

16. Toman vino blanco porque así conviene en despedidas y bienvenidas.

32. El momento y la ocasión son más propicios para el blanco, y eso toman.





03) ... casi grité y la cara SE ME encendió (líneas 24/25)

Si se cambia la narración en primera persona, la(s) CORRECTA(S) es/son:


01. Ella gritó y la cara SE TE encendió.

02. Ellos gritaron y la cara SE NOS encendió.

04. Él gritó y la cara SE LE encendió.

08. Ustedes gritaron y la cara LES encendió.

16. Tú gritaste y la cara SE TE encendió.

32. Nosotros gritamos y la cara NOS encendió.





04) En el texto leemos: Con esas cosas nunca se puede estar seguro. (líneas 13/14)

La misma idea, con otras palabras se encuentra en:


01. Raramente podemos estar seguros con esas cosas.

02. Con esas cosas uno nunca puede estar seguro.

04. En cosas como esas nunca hay que confiar.

08. Nadie puede tener certeza con esas cosas.

16. Con esas cosas nunca podemos estar seguros.



05) Indica la(s) alternativa(s) que da(n) continuidad, de forma CORRECTA, a la siguiente frase: (líneas 5/6)
Yo deseaba creerle, y esperaba que él...


  1. ... me creese.

  2. ... creiera-me.

04. ... me creyera.

08. ... me creiesse.

16. ... crese en mi.

32. ... me creyese.





06) Proposición(es) que refleja(n) la idea principal del Texto 1:


  1. E
    5
    lla oscila entre él y Él ¿cuál de ellos será el hombre de carne y hueso que está con ella?...

  2. Se trata de un triángulo amoroso: una mujer y dos hombres alternándose pacíficamente.

04. Entre el lenguaje de los cuerpos y el de la razón, este último parece prevalecer. Pero la incertidumbre persiste.

08. La atracción sexual supera la incertidumbre; la información final revela que el corazón no se equivoca.

16. Situación cómica en que una mujer va a la cama con un extraño, pensando que es su esposo Jesús.



20

40


45

Texto 2

LATINOAMERICANO



Y
10



15
o entiendo por latinoamericano el hecho de que, por detrás de las diferencias perceptibles que hay entre los países de América Latina — el color de la piel, las diferencias idiomáticas creadas por la existencia subterránea de las lenguas indígenas detrás del español —, al pasearme por ellos siempre he tenido un sentimiento de unidad profunda, de unidad por debajo. Hay una América Latina a pesar de todas las tentativas artificiales que se han hecho siempre para separarnos: el viejo principio de dividir para reinar, que Washington aplica implacablemen-te, los nacionalismos locales fomentados casi siempre por gobiernos de tipo militar — la famosa cuestión de si los argentinos son, finalmente, mejores que los chilenos o los chilenos mejores que los ecuatorianos —.

P
25


ese a todo eso, yo siento una unidad que no puedo explicar racionalmente. Y la vivo. Es decir en cualquier país de América Latina yo estoy tan en mi casa como en la Argentina: si vivo en La Habana o en Panamá es exactamente como si viviera en Buenos Aires. Pero la verdadera diferencia empieza cuando desembarco en París o en Estocolmo.

C
30


ortázar insiste :


35


No es una unidad por encima, voluntaria, de intelectuales, sino por debajo. Yo creo que es algo que tiene que ver con lo telúrico, con la desmesura
geográfica, con la historia común: la conquista, la independencia. Y, finalmente, hay esa unidad idiomática en la que no se piensa lo suficiente: hablamos todos español. Claro, está el Brasil ahí.

Pero así como yo en Portugal no entiendo una palabra, en São Paulo o en Río de Janeiro entiendo el portugués perfectamente. Y con España también estamos muy cerca, después de las diferencias radicales del principio, cuando la Independencia. Creo que latinoamericanos y españoles tenemos divergencias mentales con frecuencia, distintas maneras de ver cosas, pero no es nada que nos separe: al contrario, es materia de discusión: un buen antagonismo intelectual. Las diferencias, en los últimos tiempos, han sido artificiales. Pero, por ejemplo, cuando después de la guerra española vino a América Latina ese otro gran éxodo, el contacto fue fabuloso.


Entrevista de Julio Cortázar, CAMBIO 16, 13/4/1981.
07) De acuerdo con el Texto 2, se puede afirmar que:
01. históricamente los Estados Unidos contribuyeron
a la unidad de América Latina.

02. la diferencia racial no es un factor de división en América Latina.

04. existe una unidad entre los latinoamericanos que está por encima de los nacionalismos exacerbados.

08. solamente los intelectuales, por su caráter cosmopolita, sienten una unidad entre los países latinoamericanos.





08). Señala la(s) proposición(es) donde la palabra subrayada esté CORRECTA:
01. Brasil es tan grande, que hay que ir de una ciudad a otra siempre de avión.

02. En Florianópolis no hay metro, así que hay que ir en autobús a la Universidad.

04. Los niños que viven en el campo van a la escuela en bicicleta.

08. En los pueblos, las personas suelen ir al trabajo a pie.

16. En las grandes capitales, lo mejor es moverse de coche.



09) De acuerdo con el Texto 2, la expressión Pese a

en:


Pese a todo eso, yo siento una unidad que no puedo explicar racionalmente”. (líneas 17-18)
se traduce como:
01. Mas.

02. Enquanto.

04. Embora.

08. Mais.

16. Porém.

32. Apesar de.





10) Señala el (los) antónimo(s) CORRECTO(S):
01. Razón / sentimiento.

02. Artificial / oficial.

04. Ancho / angosto.

08. Radical / intransigente.

16. Cosmopolita / cosmonauta.




11) Relaciona la columna de la izquierda con la columna de la derecha y señala la proposición con la secuencia CORRECTA:


  1. T
    ( ) propio de la nación

    ( ) migración

    ( ) contrario

    ( ) estimular

    ( ) relativo a la tierra
    elúrico


  2. Antagónico

  3. Fomentar

  4. Nacionalismo

  5. Éxodo

01. a – c – b – d – e.

02. d – e – b – c – a.

04. d – b – c – a – e.

08. b – c – d – e – a.

16. a – d – b – c – e.





12) De acuerdo con el entrevistado, Julio Cortázar, LO LATINOAMERICANO :
01. es algo real, que se siente y se vive, aunque no es fácil explicarlo.

02. es pura ilusión, puesto que lo que divide es más fuerte de lo que une.

04. se manifiesta en la unidad lingüística, ya que el portugués de Brasil no impide la comprensión.

08. es un sentimiento que no ha podido desarrollarse debido a ingerencias de potencias extranjeras.

16. se aplica tan sólo a las naciones hispanohablan-tes, no a otras, como Brasil, que hablan otras lenguas.

32. es una vivencia que deriva de una historia y un territorio compartidos, no resultado de acuerdos de alto nivel.





LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA
Texto 1
UM MORRO AO FINAL DA PÁSCOA
Como tapetes flutuantes, elas surgiram de repente, em “muita quantidade”, balançando nas águas translúcidas de um mar que refletia as cores do entardecer. Os marujos as reconheceram de imediato, antes que sumissem no horizonte: chamavam-se botelhos as grandes algas que dançavam nas ondulações formadas pelo avanço da frota imponente. Pouco mais tarde, mas ainda antes que a escuridão se estendesse sobre a amplitude do oceano, outra espécie de planta marinha iria lamber o casco das naves, alimentando a expectativa e desafiando os conhecimentos daqueles homens temerários o bastante para navegar por águas desconhecidas. Desta vez eram rabos-de-asno: um emaranhado de ervas felpudas “que nascem pelos penedos do mar”. Para marinheiros experimentados, sua presença era sinal claro da proximidade de terra.

Se ainda restassem dúvidas, elas acabariam no alvorecer do dia seguinte, quando os grasnados de aves marinhas romperam o silêncio dos mares e dos céus. As aves da anunciação, que voavam barulhentas por entre mastros e velas, chamavam-se fura-buxos. Após quase um século de navegação atlântica, o surgimento dessa gaivota era tido como indício de que, muito em breve, algum marinheiro de olhar aguçado haveria de gritar a frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar: “Terra à vista!”



Descobrimento: a verdadeira

história da expedição de Ca-

bral. 1999, p. 7.
BUENO, Eduardo. A Viagem do


13) Baseado no Texto 1, assinale a(s) proposi-ção(ões) VERDADEIRA(S).
01. Em Como tapetes flutuantes, elas surgiram de repente, a palavra em destaque, elas, substitui a expressão algas marinhas.

02. As plantas marinhas que lambiam o casco das embarcações chamavam-se botelhos.

04. Há, no texto, pelo menos duas expressões indi-cando que a cena descrita se passa durante o dia.

08. Para os marinheiros experimentados, quando os rabos-de-asno tocavam o casco das naves, era sinal claro da proximidade de terra.

16. Na frase ... balançando nas águas translúcidas de um mar que refletia as cores do entardecer, a palavra destacada pode ser substituída por transparentes.



14) Em relação ao Texto 1, é CORRETO afirmar que:
01. Fura-buxos, aves de anunciação, são gaivotas marinhas que vivem longe da terra.

02. Com a expressão homens que se fazem ao mar, o autor quis se referir aos marinheiros que se jogam no mar quando avistam indícios de terra.

04. O autor, quando escreve que os grasnados dos fura-buxos romperam o silêncio dos mares e dos céus, quer dizer que essas aves de anunciação voavam barulhentas por entre os mastros e velas das naves.

08. O texto apresenta, entre os sinais da proximida-de de terra, os rabos-de-asno que lambiam os cascos das naves e os fura-buxos que voavam barulhentos por entre mastros e velas.





15) Ainda a propósito do Texto 1, é CORRETO afirmar que:
01. As palavras entardecer e alvorecer têm a mesma formação: derivação parassintética.

02. O termo destacado em ... outra espécie de planta marinha... tem a mesma justificativa quanto à acentuação gráfica dos termos ... o


silêncio dos mares e dos céus.

04. Na oração Os marujos as reconheceram de imediato..., o verbo reconhecer classifica-se como intransitivo.

08. Em ... outra espécie de planta marinha iria lamber o casco das naves... há uma prosopo-péia.

16. As expressões aves marinhas e aves dos mares estão em relação de sinonímia.

32. Em ... romperam o silêncio dos mares ... a pala-vra silêncio funciona como núcleo do objeto direto.




16) Observe o período abaixo e assinale a(s) propo-sição(ões) em que o mesmo foi reescrito CORRETAMENTE.

... Após quase um século de navegação atlân-tica, o surgimento dessa gaivota era tido como indício de que, muito em breve, algum marinheiro de olhar aguçado haveria de gritar a frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar: “Terra à vista!”


01. O surgimento dessa gaivota era tido, após quase um século de navegação, como indício de que muito em breve, algum marinheiro de olhar aguçado haveria de gritar: “Terra à vista!”, a frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar.

02. “Terra à vista!” Algum marinheiro de olhar aguça-do haveria de gritar, muito em breve, a frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar. O surgimento dessa gaivota era tido como indício de tal fato, após quase um século de navegação atlântica.

04. Após quase um século, de navegação atlântica, o surgimento dessa gaivota era, tido como indício de que, muito em breve, algum marinheiro haveria de gritar “Terra à vista”, de olhar aguçado, a frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar.

08. O surgimento dessa gaivota, após quase um século de navegação atlântica, era tido como indício de que, muito em breve, algum marinheiro de olhar, aguçado haveria de gritar, a frase, mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar: “Terra à vista”.

16. A frase mais aguardada pelos homens que se fazem ao mar é: “Terra à vista!” Após quase um século de navegação atlântica, o surgimento, dessa gaivota, era tida como indício de que, muito em breve, algum marinheiro de olhar, aguçado, haveria de gritá-la.

32. Após quase um século de navegação, atlântica, o surgimento dessa gaivota era tido, como indício de que muito, em breve, algum marinheiro de olhar aguçado, haveriam de gritar a frase mais aguardada: “Terra à vista!” pelos homens que se fazem, ao mar.



Texto 2
A CARTA DE PÊRO VAZ DE CAMINHA


Num dos trechos de sua carta a D. Manuel, Pêro Vaz de Caminha descreve como foi o contato entre os portugueses e os tupiniquins, que aconteceu em 24 de abril de 1500: “O Capitão, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, aos pés de uma alcatifa por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro, muito grande, ao pescoço (...) Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a ninguém. Todavia um deles fitou o colar do Capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro na terra. E também olhou para um castiçal de prata, e assim mesmo acenava para a terra, e novamente para o castiçal, como se lá também houvesse prata! (...) Viu um deles umas contas de rosário, brancas; fez sinal que lhas dessem, folgou muito com elas, e lançou-as ao pescoço, e depois tirou-as e meteu-as em volta do braço, e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se davam ouro por aquilo. Isto tomávamos nós nesse sentido, por assim o desejarmos! Mas se ele queria dizer que levaria as contas e mais o colar, isto não queríamos nós entender, por que não lho havíamos de dar! E depois tornou as contas a quem lhas dera. E então estiraram-se de costas na alcatifa, a dormir sem procurarem maneiras de esconder suas vergonhas, as quais não eram fanadas; e as cabeleiras delas estavam raspadas e feitas. O Capitão mandou pôr por baixo de cada um seu coxim; e o da cabeleira esforçava-se por não a estragar. E deitaram um manto por cima deles; e, consentindo, aconchegaram-se e adormeceram”.
COLEÇÃO BRASIL 500 ANOS,

Fasc. I, Abril, SP, 1999.


VOCABULÁRIO:
Alcatifa – tapete, carpete.

Fanadas – murchas.

Coxim – almofada que serve de assento.

17) De acordo com o Texto 2, assinale a(s) proposi-ção(ões) VERDADEIRA(S).
01. Pêro Vaz de Caminha, um dos escrivães da armada portuguesa, escreve para o Rei de Portugal, D. Manuel, relatando como foi o contato entre os portugueses e os tupiniquins.

02. Em E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao Capitão; nem a ninguém, fica implícito que os tupiniquins desconheciam hierarquia ou categoria social lusitanas.

04. O trecho ...e acenava para a terra e novamente para as contas e para o colar do Capitão, como se davam ouro por aquilo. Isto tomávamos nós nesse sentido, por assim o desejarmos, evidencia que havia problemas de comunicação entre portugueses e tupiniquins.

08. Nada, na embarcação portuguesa, pareceu des-pertar o interesse dos tupiniquins.





18) A propósito do Texto 2, é CORRETO afirmar que:
01. A expressão ... folgou muito com elas... pode ser substituída por divertiu-se muito com as contas do rosário.

02. Os tupiniquins, bastante comunicativos, falaram aos marinheiros que havia muita riqueza na terra descoberta.

04. Pelo trecho ... E também olhou para um castiçal de prata, e assim mesmo acenava para a terra ... entende-se que os tupiniquins estavam dentro da embarcação portuguesa.

08. Os tupiniquins ficaram constrangidos com a pre-sença dos portugueses e logo abandonaram o navio.





19) Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S).
01. Na oração ... isto não queríamos nós entender..., o pronome demonstrativo exerce a função sintática de objeto direto e o pronome pessoal reto, a de sujeito simples.

02. Em E eles entraram, o verbo entrar está con-jugado no pretérito imperfeito do Modo Indicativo.

04. Na oração Num dos trechos de sua carta a D. Manuel, Pêro Vaz de Caminha descreve como foi o contato ..., a vírgula foi empregada corretamente, porque o adjunto adverbial está deslocado.

08. Em E depois tornou as contas a quem lhas dera, a palavra destacada pode ser substituída por devolveu.

16. Em Para realizar o que queria, havia um entrave, a palavra entrave pode ser substituída por obstáculo sem perder o sentido; logo, entrave é sinônimo de obstáculo.

32. Nos exemplos a seguir, as expressões equivalem aos adjetivos:



EXPRESSÕES


ADJETIVOS



Notícia não verdadeira

inverídica

Água do mar

marinha

Azul do céu

celeste

Escrita em forma de cunha

cuneiforme





20) Com relação ao fragmento Num dos trechos de sua carta a D. Manuel, Pêro Vaz de Caminha descreve como foi o contato entre os portugueses e tupiniquins, que aconteceu em 24 de abril de 1500, é CORRETO afirmar que:
01. O sujeito da oração principal classifica-se como simples: Pêro Vaz de Caminha.

02. O pronome relativo que exerce a função sintática de sujeito.

04. Em ... o contato entre os portugueses e os tupiniquins, a palavra em destaque é uma conjunção.

08. A expressão em 24 de abril de 1500 tem a função sintática de adjunto adverbial de lugar.

16. Em O contato entre os portugueses e os tupiniquins foi descrito por Pêro Vaz de Caminha, a oração está na voz passiva.



21) Assinale a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S) sobre o romance São Bernardo, de Graciliano Ramos.
01. Entre Paulo Honório, personagem principal, e sua mulher Madalena há, praticamente, uma impossibilidade de comunicação.

02. Nessa obra, o foco narrativo modela sua verda-deira força, porque projeta o nível de consciência da personagem em primeira pessoa, exemplifi-cado no trecho a seguir: Uma tarde subi à torre da igreja e fui ver Marciano procurar corujas. (...) Eu desejava assistir à extinção daquelas aves amaldiçoadas.

04. É uma obra cujo enredo trata da canonização de São Bernardo, padre nordestino, morto pelos jagunços de Lampião.

08. Após a morte de Madalena, Paulo Honório tenta retomar o ritmo de sua vida, na fazenda São Bernardo, mas a lembrança da mulher morta tira-lhe todo o entusiasmo.

16. D. Glória, mulher egoísta como o filho Paulo Honório, vinga-se de Padilha e de João Nogueira, proibindo a veiculação de seus artigos nos jornais locais.



22) Marque a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S).
01. A literatura realista caracteriza-se por descrever a realidade objetiva e minuciosamente, de modo impessoal. Aluísio Azevedo, autor de O Cortiço, é um dos representantes dessa escola em sua vertente naturalista.

02. Nos versos:



(Que vens tu fazer, Alferes,

com tuas loucas doutrinas?

Todos querem liberdade,

mas quem por ela trabalha?)

“Ah! se eu me apanhasse em Minas...”

do livro Romanceiro da Inconfidência, Cecília Meireles expressa, em linguagem poética, o sentimento de desamparo de Tiradentes, mártir da inconfidência mineira.

04. Em Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, o defunto-autor, descompro-missado com o mundo dos vivos, conta sua própria história, numa fria auto-análise de sua vida.

08. Moacir Scliar, em Bandoleiros, permeia toda a narrativa com a figura singular do judeu, amigo de infância que lhe povoa a memória, e mesmo de longe dá sentido à sua vida: Tinha de ver o Noel. Precisava reencontrar o meu passado enquanto ainda tinha algum significado, enquanto fazia algum sentido.

16. Nos versos:

Nas formas voluptuosas o Soneto

Tem fascinante, cálida fragrância

E as leves, langues curvas de elegância

De extravagante e mórbido esqueleto., Cruz e Sousa apresenta O Soneto como “entidade concreta, dotada de aparência física”.



23) Em qual(is) proposição(ões) a relação texto, obra e autor está CORRETA?
01. O trecho Glória possuía no sangue um bom vinho português e também era amaneirada no bamboleio do caminhar por causa do sangue africano escondido pertence à obra Um Crime Delicado, de Sérgio Sant’Anna.

02. O trecho Brasileiro adora imitar os países do centro, macaquear uma lei de primeiro mundo. Não há mais colonizado do que apregoar um produto como “coisa de primeiro mundo”, como já virou moda no publicitês de todo o dia diz respeito à obra Sorrisos meios sacanas, de Sérgio da Costa Ramos.

04. O fragmento Macabéa era na verdade uma figura medieval, enquanto Olímpico de Jesus se julgava peça-chave, dessas que abrem qualquer porta. Macabéa simplesmente não era técnica, ela era só ela, refere-se à obra A Hora da Estrela, de Clarice Lispector.

08. O trecho Atravessaram o cortiço. A labutação continuava. As lavadeiras tinham já ido almoçar e tinham voltado de novo para o trabalho. Agora estavam todas de chapéu de palha ... integra a obra de Moacir Scliar, A Majestade do Xingu.

16. O excerto Senti tocar-me no ombro; era Lobo Neves. Encaramo-nos alguns instantes, mudos, inconsoláveis. Indaguei de Virgília, depois fica-mos a conversar uma meia hora.”, refere-se à obra Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.



24) Marque a(s) proposição(ões) VERDADEIRA(S).
01. A obra Bandoleiros, de João Gilberto Noll, com sua linguagem cinematográfica, apresenta, de maneira simbólica, a vinda dos judeus para o Brasil, sem se deixar levar por explicações políticas ou ideológicas.

02. A ironia, que dá uma intenção oposta, sarcástica e cheia de subentendidos ao que se está dizendo, faz-se presente em várias crônicas de Sorrisos meio sacanas, de Sérgio da Costa Ramos.

04. Nesses versos de Cruz e Sousa, do poema
Consolo Amargo, do livro Últimos Sonetos:

Mortos e mortos, tudo vai passando,

Tudo pelos abismos se sumindo...

Enquanto sobre a Terra ficam rindo

Uns, e já outros, pálidos, chorando...

percebe-se a morbidez que é uma caracterís-


tica que permeia toda a obra citada.

08. O casamento, como é apresentado em Memórias Póstumas de Brás Cubas e em São Bernardo, é um jogo de interesses, em que pode ou não entrar o amor, que passa a segundo plano.

16. Machado de Assis, em Memórias Póstumas de Brás Cubas; Aluísio Azevedo, em O Cortiço e Sérgio Sant’Ana, no romance Um Crime Delicado, apresentam, em comum, uma aborda-gem sobre triângulo amoroso.




REDAÇÃO
I - INSTRUÇÕES


1.

Com base no texto abaixo, elabore uma redação que tenha, no mínimo, vinte (20) e, no máximo, trinta (30) linhas.




2.

Utilize, inicialmente, a folha de rascunho.




3.

Dê um título à sua redação.




4.

Lembre-se de que você deve:




a) ocupar as linhas de uma a outra margem, na folha definitiva, respeitando os espaços dos pa-




rágrafos;




b) empregar linguagem clara e de acordo com a norma culta;

c) escrever em letra legível;



d) usar somente caneta de tinta azul ou preta.




5.

Não será aceita redação em versos.




6.

Evite utilizar, o texto dado, no corpo da redação.




II -

Desenvolva uma redação, considerando o texto em destaque.








Como seria o Brasil, 500 anos após o seu “descobrimento”, se o rumo da História fosse diferente e o colonizador outro povo, que não o português?


FOLHA DE RASCUNHO
TRANSCREVA A REDAÇÃO PARA A FOLHA PRÓPRIA!
ESTE RASCUNHO NÃO SERÁ CORRIGIDO!
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________






Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal