Estratégias de mediação: algumas possibilidades para provocar aprendizagem significativa



Baixar 86.38 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho86.38 Kb.
Estratégias de mediação: algumas possibilidades para provocar aprendizagem significativa
Léa Depresbiteris

O trabalho do educador, do professor tornado educador, é esse o trabalho de interpretação do mundo, para que um dia este mundo não nos trate mais como objetos e para que sejamos povoadores do mundo como homens.

(Milton Santos)
I- A polissemia do termo mediação

O termo mediação vem sendo utilizado, cada vez com maior frequência, na literatura dos diversos campos do conhecimento: jurídico, terapêutico, educacional.

Este texto busca focar a mediação na educação, com a finalidade de suscitar reflexões sobre o atual papel do professor no desenvolvimento da aprendizagem dos alunos.

Logo de início, desejo esclarecer que o papel de professor como mediador não deve ser vislumbrado na idéia de um facilitador da aprendizagem, como algumas pessoas conceituam a mediação na sala de aula. O professor, que se pretenda mediador, é um elemento ativo, com intencionalidade na busca de autonomia cognitiva e afetiva do educando. Nesta perspectiva, deve ser um profundo conhecedor dos conteúdos de sua área de atuação e uma pessoa que tenha como crença de que todos nós podemos aprender não importa idade, sexo, etnia, gênero e raça.



Para melhor compreender a mediação na escola, creio que seria interessante discorrer sucintamente sobre possíveis significados desse conceito, por meio de algumas situações.

Situação 1

Depois de vinte anos de casados, Teresa e Vicente, resolveram separar-se. Brigas e mais brigas permeiam a divisão de bens do casal. Paulo, contratado como advogado, deverá mediar o conflito.

- Ele é um traidor, gritou Teresa.

- Você, reagiu Vicente, é que não tem noção do que está pedindo (sua voz mostra-se alterada e seus gestos demonstram irritação).

A idéia de mediação de Paulo é que, em uma causa jurídica, não deve haver “perdedores” nem “ganhadores”. O mediador é aquele que se coloca entre duas partes, que não se confunde com elas, mas tem credibilidade para ambas, estabelecendo um traço de união pela negociação, pela conciliação.

Situação 2

Dois colegas conversam sobre um projeto de responsabilidade social da empresa. No início da conversa, mostram-se interessados em compreender os objetivos estabelecidos, de modo a escolher as melhores estratégias de ação. Em um determinado momento, os dois começam a ter conflitos: uns deles acham que, no projeto, deve-se incluir uma grande quantidade de pessoas de baixa renda. Afinal, o projeto é de responsabilidade social; o outro não concorda com o número de participantes sugeridos pelo colega. Sua idéia é de que o dinheiro deve ser melhor utilizado em marketing do projeto.

A discussão atinge um clímax de tensão e os dois colegas começam a desviar-se do tema propriamente dito, com ataques específicos a características pessoais.

- Você é muito inflexível. Acho que sua mulher o abandonou por causa disso.

- Ah! Eu sou inflexível? E você, que é individualista. Nunca quis saber de pessoas pouco favorecidas. Você quer é ter cada vez mais aprovação do chefe, não é mesmo?

Nesta situação, os colegas precisam de uma terceira pessoa, um mediador.

Situação 3

Ana Maria acredita na mediação da aprendizagem tanto com jovens, como com adultos. Ela conta que em certa ocasião ficou surpresa ao perguntar a professores da educação básica, o conceito de quadrado. Alguns professores falaram sem hesitar: uma figura com quatro lados iguais.

Ana desenhou, no quadro, o conceito mencionado traçando quatro segmentos de reta (I I I I). Imediatamente as pessoas perceberam a intenção de Ana, e começaram a conversar e a descrever melhor essa figura geométrica.

Alguns professores sentiram a fragilidade do conceito e acrescentaram as seguintes informações: os lados iguais devem estar interligados, formando uma figura e que ela deveria formar ângulos.

- Mas são ângulos retos, completou uma professora atenta a todas as palavras dos colegas.

- Retos? Eu lembro que na escola estudei isso, mas esqueci, declarou um professor de História.

- Retos são ângulos com 90º, retrucou a professora atenta.

As pessoas pareciam extremamente interessadas na descrição do que era a figura geométrica do quadrado. Algumas expressaram sua admiração, dizendo que mesmo escolarizadas, com anos de experiência na docência, nunca tinham atentado para a necessidade de o educador não dizer o conceito, mas reconstrui-lo com o grupo.

Acharam que Ana incentivou a todos a participar da discussão, de modo muito agradável, com humor. Levou-os `a análise e à síntese de que o conceito de quadrado é o de uma figura geométrica composta de quatro lados iguais, unidos entre si, formando quatro ângulos retos. Ana sabe que em uma educação tradicional o papel do aluno parece ser o de reproduzir as respostas para as quais foram preparados. Os conceitos são elementos isolados, vazios de sentido, facilmente esquecidos. É por isso que ela defende a idéia de que, os conteúdos devem fazer sentido para os alunos. Quantos alunos sabem conjugar verbos, mas não sabem empregá-los adequadamente em uma frase? Ana acredita que a mediação pode transformar essa maneira de agir.

Em todas essas situações, a mediação está presente, contudo seus significados e abordagens são diversos.

Na situação 1, o conceito de mediação está relacionado ao campo jurídico. Um advogado está em meio a um conflito da separação de um casal. Ele acredita que os envolvidos devem expressar seus pontos de vista, explicitar não somente o foco do conflito, no caso a divisão dos bens, mas expressarem suas emoções, interesses, mágoas. O advogado deverá criar um ambiente propício para isso. Ele aprendeu a ser mediador de conflitos em outras situações. Ele sabe que na mediação de conflitos, busca-se livremente soluções, que podem não estar delimitadas pelo conflito em si, mas que podem ter sido geradas no passado ou no próprio processo de discussão, a partir de diferenças das partes envolvidas. Nessa mediação, não se analisa apenas o lado objetivo do conflito, mas, sobretudo, o lado subjetivo. Aliás, esse é um dos princípios mais importantes da mediação na área jurídica: trabalhar a subjetividade do conflito, o lado oculto que todo conflito apresenta, o não verbal, o que se esconde no conteúdo latente do conflito, e que, muitas vezes, é diferente do conteúdo que nele se manifesta. Em síntese, o lado emocional torna-se extremamente importante na mediação.

Na segunda situação, ocorre algo constante nas relações interpessoais nos dias de hoje: a dificuldade de diálogo. Ofensas pessoais, perda de controle, taquicardia, nervosismo, atos violentos são algumas evidências dessa afirmativa, na contramão do que hoje se defende: lidar com as diferenças. Não se pretende dizer que se deva repetir ou concordar plenamente com o outro, mas que é necessário encontrar argumentos para uma discussão na qual o conflito não se instale como empecilho ao agir.

Gergen (1999) apresenta algumas formas de coordenação de ações para um diálogo transformador, destacando a mais adequada para a mediação que é a da co-constituição.

A co-constituição para um diálogo transformador busca manter uma mutualidade de ritmo, pelo qual os participantes de uma conversa podem aproximar-se, dividir um espaço de modo construtivo. Um dos caminhos propostos por Gergen (op.cit) para alcançar essa mutualidade é por meio do “sombreamento” (shading) semiótico, ou seja a substituição de uma palavra ou sintagma por um equivalente próximo. Por exemplo, tensão no lugar de antagonismo, irritação em vez de raiva. Dizer que há uma tensão entre nós, em vez de antagonismo, reduz o grau de hostilidade implícita, substituindo a sensação de ataque pessoal e possibilitando que a conversa flua de modo mais objetivo.

Para esse estudioso, deve-se evitar dois tipos de coordenação: a tanatópica (terminal) e a sedimentada. A primeira leva à morte do significado. Produz argumentos hostis, aniquilação mútua, uma relação em que uma pessoa menospreza as idéias do outro, encontrando defeitos, demonstrando superioridade. Na coordenação sedimentada as pessoas querem saber a opinião das outras, mas podem provocar o congelamento do significado, uma vez que existe pouca possibilidade de transformação. As relações são baseadas em princípios de interdependência profundamente arraigados, por exemplo, pacientes e médicos, professor e aluno e não favorecem, muitas vezes um ambiente propício para a negociação.

Finalmente na terceira situação, Ana mostra-se como mediadora educacional. Reforço, novamente, que um professor mediador não é um facilitador da aprendizagem, mas uma pessoa que age com intencionalidade, busca a reciprocidade de suas ações, luta para que se desvele um significado para o que se está aprendendo e, mais além, possa transcender, aplicar seus conhecimentos para melhorar sua vida escolar, no trabalho e na sociedade.

Mas, enfim, o que significa mediar no contexto educacional? Muitos leitores devem estar questionando.

Nesse momento, creio que seria interessante voltar um pouco no tempo e analisarmos a origem etimológica da palavra mediação.

Segundo o dicionário da língua francesa, foi só no século XV, que o termo mediação aparece como idéia de intermediar conflitos, conciliar pessoas. Se tomarmos a raiz antiga da palavra mediação no latim, verificamos que med significava, entre outros sentidos, divisão (DIEZ &TAPÍA, 1999).

Outro significado da raiz med foi o de curar, levar a ordem onde há perturbação, cuidar. Por exemplo, a Medicina.

A raiz med completada pelo sufixo tor, que significa ação começa a definir o mediador como aquele que age, que intervém para buscar soluções mais adequadas para as partes de um conflito.

No campo jurídico, a mediação caminha no sentido de evitar ganhadores e perdedores. Schinitman (1999) conceitua mediação como um método de solução de conflitos no qual as partes envolvidas recebem a intervenção de um terceiro, o mediador que, por meio da reabertura do diálogo contribui para chegar a possibilidades inventivas para a solução da disputa, a fim de que ambos fiquem satisfeitos com as decisões.

No campo educacional, muitos estudiosos vêm defendendo a idéia de mediação.

Sócrates, por exemplo, famoso filósofo grego, em vez de dar aulas como um mestre tradicional, conversava, fazia perguntas, debatia, principalmente quando iniciava uma conversa com os aprendizes. Sócrates tinha uma técnica: agia como se nada soubesse. Ao longo dos debates, levava os oponentes a reconhecer a fraqueza de seus próprios argumentos e a compreender os problemas encontrados no diálogo. Sócrates fazia uma analogia de sua função de mestre e da profissão de sua mãe que era parteira. Para ele, não se dava a luz à criança, apenas auxiliava-se a parturiente.

Nessa comparação, Sócrates mostrava que seu diálogo era feito em dois momentos: o primeiro correspondia às "dores do parto". Nesta etapa, o filósofo partia da premissa de que nada sabia e levava o interlocutor a apresentar suas opiniões. Em seguida, fazia-o perceber as próprias contradições ou ignorância para que realizasse uma depuração intelectual. Mas, para Sócrates, só a depuração não levava à verdade. Chegar a ela constituía a segunda fase do processo. Aí, ocorria o "parto das idéias" (expresso pela palavra maiêutica), momento de reconstrução do conceito, em que o próprio interlocutor ia "polindo" as noções até chegar ao conceito verdadeiro por aproximações sucessivas.

O papel do educador para Sócrates era o de ajudar o discípulo a caminhar na busca de uma amplitude de idéias, despertando sua cooperação para que ele conseguisse, por si próprio, "iluminar" sua inteligência e sua consciência. O verdadeiro mestre não era um provedor de conhecimentos, mas alguém que despertava os espíritos. Segundo Sócrates, admitir a reciprocidade ao exercer sua função iluminadora, permitia que os alunos contestassem seus argumentos da mesma forma que ele contestava os argumentos dos alunos. Para este filósofo, só a troca de idéias dá liberdade ao pensamento e à sua expressão, que são condições imprescindíveis para o aperfeiçoamento do ser humano.

A idéia de mediação é central na teoria de Vygotsky (2004), em que essa mediação é feita pela linguagem, ferramenta essencial para capacitar uma criança a representar mentalmente objetos, situações, enfim, fenômenos do mundo. Pela linguagem, a criança pode lidar com sistemas simbólicos e chegar a abstrações e generalizações.

Para Vygotsky (op.cit), os sistemas simbólicos, que se interpõem entre o sujeito e o conhecimento, fundam-se no social. Ele estabelece uma analogia entre a linguagem e os instrumentos de trabalho que os seres humanos foram criando ao longo dos tempos. A linguagem tem um papel fundamental na formação das características psicológicas humanas. É pela linguagem que os seres humanos podem designar os objetos do mundo e a qualidade das relações entre eles. É pelos instrumentos de trabalho que o homem lida com o meio. Quando o homem inventou o arco, a flecha e os instrumentos cortantes, gerou formas de sobreviver e de transmitir sua cultura às futuras gerações que as foram aperfeiçoando e criando novos instrumentos. O mesmo ocorreu com a linguagem que foi se aperfeiçoando e se tornando o verdadeiro instrumento de mediação do homem para com o mundo (MARTINS, 2004).

A linguagem permite que as pessoas lidem com os objetos do mundo exterior, mesmo que eles estejam ausentes. Pela linguagem, os seres humanos incorporam conceitos.

Ao falar de conceitos, Vygotsky enfatiza a diferença entre conceitos espontâneos e conceitos científicos. Os conceitos espontâneos referem-se aos conceitos do dia-a-dia da criança. Os conceitos científicos são aqueles adquiridos por meio do ensino realizado numa escola ou fora dela, mas sempre construídos de maneira sistematizada, organizada. Assim, um conceito, por exemplo o de cachorro, é algo impregnado de experiência. O conceito de cachorro, como animal mamífero, deve ser construído. A principal diferença é que os conceitos científicos, quando comparados aos conceitos cotidianos, são sistemáticos, adquiridos por meio de um sistema de instrução formal.

Para Vygotsky, o significado da palavra constitui a unidade de pensamento e linguagem. O significado da palavra é, ao mesmo tempo, um fenômeno verbal e intelectual. O foco central no desenvolvimento dos significados das palavras não será uma mera acumulação de associações entre palavras e objetos, mas uma transformação estrutural do significado.

Paulo Freire, importante educador brasileiro, é outro estudioso da mediação, da interação dialógica entre professor e aluno.

Freire (MARTINS, 2004) tem a pergunta e a linguagem como estratégias fundamentais para uma aprendizagem que possibilita a ampliação do processo de pensar.

" É necessário que o educando, ao perguntar sobre um fato, tenha na resposta uma explicação do fato e não a descrição pura das palavras ligadas ao fato. É preciso que o educando vá descobrindo a relação dinâmica, forte e viva, entre palavra e ação, entre palavra-ação-reflexão. Aproveitando-se, então, de exemplos concretos da própria experiência dos alunos durante uma manhã de trabalho dentro da escola, no caso de uma escola de crianças, estimulá-los a fazer perguntas em torno de sua própria prática e as respostas, então, envolveriam a ação que provocou a pergunta. Agir, falar, conhecer estariam juntos (Freire e Faundez, p.49)."

Reuven Feuerstein, psicólogo romeno, diz que a mediação é um fenômeno que surgiu com o começo da humanidade, no momento em que o homem tomou consciência da morte e, com ela, do desejo de prolongar sua existência, por meio das futuras gerações. Neste sentido, o fundamento da mediação é transmitir a outros um mundo de significados, ou seja, a cultura, entendida, aqui, não como classificação de raças, etnias, mas como um conjunto de características que um povo tem em comum (MARTINS, 2004).

Feuerstein explica a diferença entre a aprendizagem pela exposição direta do organismo aos estímulos e a aprendizagem por meio da mediação.

Na aprendizagem pela exposição direta, a criança aprende sozinha, relacionando-se com pessoas, objetos e acontecimentos de seu meio ambiente. Assim, por exemplo, se uma criança se choca contra uma mesa é provável que da próxima vez faça um esforço consciente para desviar-se dela, mesmo sem ter sido advertida por outra pessoa. Seu comportamento modifica-se por meio da retroalimentação que recebe de seu contato com o mundo. Essa aprendizagem é, em grande parte, incidental, não planejada e dependente das circunstâncias.

Na aprendizagem por mediação, a criança não aprende apenas pela exposição direta ao estímulo, mas por intermédio de alguém que serve de mediador entre ela e o meio ambiente. A situação mediada consiste numa interação interpessoal que possui características estruturais especiais. Em vez de relações causais com diversos componentes fragmentados do meio ambiente, na experiência de aprendizagem mediada existe um mediador, desempenhando o papel educacional de atuar sobre o estímulo. O mediador seleciona, assinala, organiza e planeja o aparecimento do estímulo, tudo de acordo com a situação estabelecida por ele e a meta de interação mediada. Pela mediação, o mediado adquire os pré-requisitos cognitivos necessários para aprender, para beneficiar-se da experiência e conseguir modificar-se. Desta maneira, a aprendizagem mediada caracteriza-se como um processo intencional e planejado.

Na aprendizagem mediada, os processos de desenvolvimento e de aprendizagem compreendem, necessariamente, a presença do "outro" como representante da cultura e mediador de sua apropriação.

Embora considere que ambas as abordagens sejam necessárias para o pleno desenvolvimento do ser humano, Feuerstein acredita que a aprendizagem por exposição direta aos estímulos pode ser enriquecida pela mediação, que parte da interação do indivíduo com o mundo, tornando-o mais receptivo para o que ocorre ao seu redor.

Na perspectiva de Feuerstein, o mediador é aquele que é capaz de enriquecer a interação do mediado com seu ambiente, utilizando ingredientes que não pertencem aos estímulos imediatos, mas que preparam a estrutura cognitiva desse mediado, para ir além dos estímulos recebidos, transcendendo-os.

Em síntese, o mediador:


  • Tem um papel de parceiro na aprendizagem;

  • É uma testemunha privilegiada do embate entre mediado e o ambiente;

  • É um observador do comportamento do mediado, avaliando-o e favorecendo seu progresso, sua melhoria no pensar;

  • Instaura uma relação de ajuda e não de sancionamento, de coerção;

  • Tem uma tarefa essencial de organizar o contexto, imaginando e propondo situações-problema adequadas;

  • Consegue colocar-se no lugar do "outro", perceber sua lógica e intenções.

II- Sugestões de estratégias para a mediação no processo de ensino e aprendizagem

Evidentemente, o professor mediador deve estar consciente de sua responsabilidade como educador e deverá contar com condições (principalmente tempo) para que efetive a mediação.

Contudo, mesmo sem as condições ideais, o professor que deseja ser mediador pode utilizar alguns princípios para tornar a aprendizagem de seus alunos mais significativa.

Vejamos algumas sugestões voltadas para esse propósito.





  • Pautar-se pelos critérios essenciais de mediação de Feuerstein

Os critérios essenciais de mediação para Feuerstein são os seguintes:

Intencionalidade – Por este critério, o mediador planeja uma série de ações conscientes, voluntárias e intencionais com a finalidade de levar o educando a perceber melhor, a prestar atenção, a compreender, tomar decisões, distinguir informações relevantes das não relevantes no desenvolvimento do conteúdo de sua disciplina.

Reciprocidade - A reciprocidade implica troca, permuta. O mediador deve estar aberto para as respostas do mediado, sendo que este último deve fornecer indicações de que está cooperando, que se sente envolvido no processo de aprendizagem. A reciprocidade é um caminho que torna explícita uma relação implícita e faz com que a ação se torne consciente. Um professor recíproco estimula o educando a falar, a contar o que está sentindo, bem como procura entender as razões de seus comportamentos.

Significado - O critério de significado diz respeito ao valor, à energia que o educando atribui à atividade, aos objetos e aos eventos que o cercam. Pelo critério de significado, o mediador demonstra interesse e envolvimento emocional para com o mediado e explicita o porquê da realização da atividade. Mediar o significado indica dotar o conteúdo que está sendo ensinado de dimensões afetivas e éticas, ou seja, de sentimentos e crenças. Esta característica é o componente dinâmico da mediação, que constitui a razão capaz de levar o aluno a cooperar com o mediador e, também, a razão que leva o mediador a cumprir seu papel.

Transcendência - O critério de transcendência visa promover a aquisição de princípios, conceitos ou estratégias que possam ser generalizados para outras situações. Envolve encontrar uma regra geral que possa ser aplicada a situações correlatas. Se um educando percebe que deve organizar melhor suas coisas para não ter trabalho de procurá-las, talvez possa transcender que organizando as informações de um problema poderá resolvê-lo mais facilmente.

  • Captar a representação mental do educando

Os conhecimentos sobre a realidade implicam em diferentes representações fatos, experiências pessoais, atitudes, normas. Por exemplo, o conhecimento de João, que frequenta a 1ª série do ensino fundamental de uma escola rural, sobre árvores, é relacionado às seguintes idéias: muitas árvores juntas formam um bosque (conceito), algumas árvores possuem folhas verdes (fatos), para plantar árvores é preciso fazer buraco na terra (procedimento), as árvores não devem ser maltratadas (normas), as árvores crescem quando chove (explicações), seu avô adora árvores (atitudes). Assim, João que vive num meio rural, provavelmente com mais árvores do que Pedro que vive numa região bem urbana (COLL, 1996).
Coll (op.cit) diz que ao enfrentar um novo conteúdo a ser aprendido, o aluno sempre o faz armado de uma série de conceitos, concepções, representações e conhecimentos adquiridos no decorrer de suas experiências anteriores. Assim, graças ao que o aluno já sabe, ele pode fazer uma primeira leitura do material e atribuir um primeiro significado ao processo de sua aprendizagem. Uma aprendizagem é mais significativa quanto mais relações com o sentido, o educando for capaz de estabelecer. A aprendizagem significativa não é sinônima de aprendizagem finalizada, ela sempre pode ser aperfeiçoada.

A representação mental nos leva à idéia de conhecimentos prévios que são chamados pelos construtivistas de esquemas. Um esquema de conhecimento é definido como a representação que uma pessoa possui em um determinado momento de sua história sobre uma parcela da realidade.

Os alunos possuem uma quantidade variável de esquemas de conhecimento, isto é, eles não têm um conhecimento global e geral da realidade, mas um conhecimento exclusivo de aspectos da realidade com os quais entraram em contato.


  • Instigar os alunos com situações-problema

Os casos são elementos desencadeadores de um processo de pensar, estimulando a dúvida, a formulação e comprovação de hipóteses, o pensamento inferencial e o pensamento divergente. A estratégia de análise de casos justifica-se com base na concepção de que muitas das informações dadas na escola são despidas de relevância; os educandos são bombardeados com muitos conteúdos e os professores lhes exigem a memorização como se fossem regras fixas. Isso cria certa indisposição, sobretudo nos jovens, em encontrar um significado para o que é aprendido.
Jonassen (DEPRESBITERIS&TAVARES, 2009) defende que são mais efetivas as situações de ensino e aprendizagem, que partem de situações-problema significativas, nas quais os educandos são incentivados a colocar, em prática, diversas capacidades de raciocínio. Cumpre ressaltar que, para Jonassen, os casos devem ser autênticos, derivados de situações reais, porque próximos à realidade, eles podem ter maior credibilidade e significado para o educando.


  • Contextualizar os conteúdos, temas

Etimologicamente o termo contexto vem do verbo latino contexere que significa entrelaçar, reunir tecendo.

Contextualizar equivale a encadear idéias, ligando parte de um todo ou, de forma ainda mais significativa, trazer o que se ensina ao contexto do estudante, fazendo-o associar o aprendido às coisas que faz em seu cotidiano e que conhece.

Lembro-me de um curso de Costura Industrial que ajudei a construir. Uma das atividades mais interessantes que a equipe desse curso resolveu fazer foi a de despertar o significado dos produtos da costura por sua historicidade. A idéia era mostrar que critérios de qualidade de um produto não são aleatórios, eles decorrem de sua própria história. Uma camisa, por exemplo, teve diferentes funções através dos tempos. Em uma época bem remota, a camisa era uma peça de roupa mais usada pelas mulheres do que pelos homens. Além de proteger do suor ajudava a esconder o corpo feminino, salvando-o dos olhares indiscretos e comentários maldosos. A camisa era indispensável também para o banho. Como o banho ainda não era um hábito diário, as pessoas que temiam machucar-se pela esfregação do corpo usavam o tecido da camisa como um anteparo para sua pele. Somente com o tempo é que a camisa foi se exteriorizando. Contudo, a camisa não era igual para todos. A dos nobres possuía mangas largas, bordadas com pedras preciosas e altas golas; a camisa dos pobres era confeccionada com tecidos rústicos e, geralmente, não possuía golas. Com o passar dos anos, as mangas foram se tornando menos sofisticadas e as altas golas substituídas por outras de menor porte, enquanto suas funções permaneceram as mesmas. Por exemplo, o poder que as altas golas simbolizava passou para o colarinho, sobretudo o colarinho branco. Talvez, até seja por isso que se criou a expressão ”crime do colarinho branco”, que significa falcatruas cometidas por pessoas com alto poder econômico. Outro exemplo foi o bolso que surgiu nas roupas dos empregados que nele carregavam seus instrumentos de trabalho. Atualmente os bolsos, além de terem a função de guardar coisas, servem para proteger as mãos e enfeitar as roupas. Em síntese, a contextualização, nesse curso, foi a de mostrar que as funções das roupas e de suas partes sofrem interferências sociais e culturais, mas sobretudo econômicas. Por exemplo, uma camisa que vai ser vestida por um trabalhador geralmente possui pala dupla. Por quê? Uma das razões parece ser a de que a origem da pala foi a de um instrumento que os escravos colocavam nas costas para carregar peso. É por isso que hoje a pala de uma camisa usada por um trabalhador é dupla, isto é, tem duas partes do tecido para reforçá-la. Com isso, a camisa dura mais e o trabalhador gasta menos (DEFFUNE & DEPRESBITERIS, 2000).

Transcendendo, podemos pensar o que caracteriza a natureza de cada área do conhecimento: informática, idiomas, matemática e assim por diante. Que significado pode ser estimulado em cada uma delas?



  • Estimular o pensamento com perguntas

Na relação interativa entre aluno e professor, mediador e mediado, um recurso fundamental são as perguntas. É importante conhecer alguns tipos de perguntas que possibilitam ao mediado um melhor desenvolvimento de sua forma de pensar.

Belmonte (2003) nos apresenta alguns exemplos:



Perguntas sobre o processo – são questões encaminhadas para se saber como o trabalho foi realizado:

  • Que estratégias você utilizou?

  • Como você encontrou este resultado?

Perguntas para reforçar a necessidade de precisão e perfeição:

  • O que você encontrou?

  • Em que lugar da página? Em que exercício? Em que livro?

Perguntas que possibilitam mais de uma resposta:

  • Como você resolveu o problema?

  • Alguém fez o problema de outra maneira?

  • Qual é o melhor caminho para se chegar ao resultado?

Perguntas sobre estratégias alternativas:

  • Alguém utilizou outra estratégia diferente?

  • De quantas formas podemos iniciar a resolução de um problema?

Perguntas que levam a uma atividade de reflexão:

  • Você deu uma resposta, mas está certo dela?

  • Como ocorreu a você esta solução ou você associou a quê?

Perguntas de comprovação de hipóteses:

  • Por que você começou por este dado?

  • O que aconteceria se você começasse por outro lugar?

  • Se repetirmos esta seqüência, obteremos o mesmo resultado?

Perguntas que estimulam a reflexão e o controle da impulsividade:

  • Você resolveu o problema. Saiu-se bem, mas que passos você deu para chegar a esse resultado?

  • Se não desejo cometer os mesmos erros, que devo fazer?

Perguntas de conhecimento crítico:

  • Por que você diz isso?

  • Que razões você tem para fazer essa afirmação?

Perguntas de extrapolação:

  • Em que outras situações você poderia ter repetido este processo?

  • Onde poderemos aplicar esta estratégia ou este princípio?



  • Estimular tipos diversos de pensamento

Os conteúdos podem e devem ser usados para estimular formas de pensar diversificadas. Quando se solicita a um aluno que descreva princípios de uma teoria, seu cérebro exerce uma ação bem diferente da exercida quando se solicita que ele compare, classifique, infira, deduza, levante hipóteses. As pessoas são diferentes, os pensares são diferentes.

O pensamento é uma ação mental que nos permite aproveitar os conhecimentos adquiridos na vida social e cultural, combiná-los logicamente e alcançar uma outra nova forma de conhecimento. Todo esse processo começa com a sensação e termina com o raciocínio dialógico, com a interação entre interlocutores, onde uma idéia se associa a outra e, desta união de idéias nasce uma terceira. O raciocínio humano é uma cadeia infinita de representações. Quando solicitamos que alguém nos descreva um fato, uma idéia ou um objeto, temos as representações dessa pessoa e, muitas vezes, constatamos que não temos as mesmas representações que ouvimos.




  • Utilizar o erro como fonte de aprendizagem

O professor deve compreender os erros dos alunos como hipóteses construtivas em relação a um determinado conhecimento. Como diz Torres (2007:15) a criatividade não está no erro, mas nas pessoas que são capazes de gerar novas idéias apoiando-se nele.

Existem professores que querem corrigir imediatamente o erro, sem analisar suas causas. Aliás, corrigir (do latim corrigere, correctum) significa tornar reto um membro torto, um itinerário aberrante. O sentido de reformar, curar, suprimir uma malformação, um erro é um sentido derivado (BARLOW, 2006).

O erro só pode ser considerado como tal se tivermos uma referência, um padrão. Sem um padrão não há erro. Neste sentido, creio que a melhor palavra para designar o que se denomina de erro é o desvio de um padrão desejado.

O erro nos aponta as dificuldades que devem ser “motores” de ações de intervenção docente. O erro deve ser visto como responsabilidade tanto do professor, que deve problematizá-lo e buscar soluções inteligentes, quanto do aluno, na medida de sua receptividade às mudanças propostas pelo professor.



  • Estimular a metacognição e a autorregulação dos alunos

Etimologicamente, a palavra metacognição significa para além da cognição, isto é, a faculdade de conhecer o próprio ato de conhecer. Em outras palavras, metacognição é a capacidade de analisar e avaliar como se conhece. Implica em diálogo interno, envolvendo um processo de auto-interrogação sobre as maneiras de resolver um problema de qualquer natureza.

Estimular a metacognição exige que se estabeleça uma parceria entre educador e educando, no sentido de compreensão das dificuldades e compartilhamento dos desafios para superá-las.

Atualmente, a metacognição surge com destaque na literatura de avaliação da aprendizagem. Sua finalidade é mostrar a importância de conhecer como o aluno pensa, verificar que estratégias se utiliza para aprender.

Pela metacognição, a avaliação torna-se dinâmica e não estática. Na avaliação estática, o professor apresenta várias tarefas para o educando, observa e registra os resultados de seus desempenhos. A interação entre o professor e o aluno é muito reduzida. A intenção é a busca da neutralidade, de modo a obter resultados os mais objetivos possíveis. Na avaliação dinâmica há uma profunda interação entre o professor e o aluno, uma vez que o foco são os processos de pensar, de modo a fornecer informações sobre as estratégias de intervenção a serem usadas.

Baker (apud BURÓN OREJAS, 2000) confirma a importância da autorregulação na metacognição, dizendo que não basta que o aluno se dê conta daquilo que não entende, mas que precisa conhecer quais estratégias deve usar para entender. Para isso, deve aprender a aprender, refletindo sobre seus próprios processos de pensar e deduzir, por si mesmo, que estratégias são mais eficazes para um determinado problema. Só assim será metacognitivamente autônomo.

Algumas perguntas deveriam ser um guia para a metacognição e autorregulação do aluno.



Perguntas para metacognição e autorregulação.

Resolvi o problema impulsivamente, por ensaio e erro?

O problema estava claro para mim?

Explorei sistematicamente todos os dados e informações?

Estabeleci relações entre as informações?

Possuía vocabulário e conceitos prévios para a solução do problema?

Planejei estratégias para a resolução do problema?

Escolhi outras estratégias diferentes daquela que havia planejado? Essas estratégias foram mais adequadas?

Levantei hipóteses e as comprovei?

Cometi imprecisões na coleta dos dados?

Revi os caminhos percorridos?

Comuniquei claramente e com coerência minhas decisões?


Fonte: Elaborado por Depresbiteris, 2009

III- Considerações finais

Alguns conhecimentos me parecem imprescindíveis para o desenvolvimento do saber-conviver. Afinal, desenvolver o aprender a pensar e o aprender a fazer são recursos complexos que necessitam de uma sólida base de conhecimentos para serem concretizados, o mesmo ocorrendo com a aprendizagem do saber – conviver, mesmo considerando dimensões mais subjetivas dos sentimentos e das emoções. Para mim, não se trata de racionalizar as emoções, mas compreendê-las para que uma pessoa possa usá-las de modo mais construtivo para si mesma e para o meio em que vive.

Creio que posso afirmar que a mediação é uma maneira de agir poderosa no sentido de estimular o desenvolvimento cognitivo e afetivo dos educandos. Atitudes de cooperação, solução de conflitos, solidariedade aprendidas na escola podem ser transcendidas.

O professor, como principal mediador na escola, não pode furtar-se a esse papel, deve intervir com situações que possam facilitar não só a razão, o pensamento, mas o sentir.

Na verdade, o professor é aquele que interfere para orientar, porque segundo Boff (1999), em uma perspectiva filosófica, é aquele que cuida.

Cuidar é mais que um ato, é uma atitude. Abrange mais que um momento de atenção, de zelo e de desvelo. Representa uma atitude de preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro.

O professor que cuida se "pré-ocupa" com o que vai ensinar, procura conhecer as representações daqueles a quem vai se dirigir, leva em conta suas culturas, suas formas de vida.

Contudo, quando se fala em cuidar, não só o aluno deveria ser mediado em sua aprendizagem. O professor também merece cuidados. Excluí-lo da possibilidade de desempenhar bem sua tarefa, oferecer-lhe parcas condições de formação e de salário, tudo isso tem grande probabilidade de influenciar sua atuação.

Cortella (2005:22) cita uma frase que o chocou quando leu os sermões do padre Antonio Vieira : “O peixe apodrece pela cabeça” . Diz ele, que também vivemos um “apodrecimento” de alguns valores, de dignidade, da capacidade de convivência, de civilidade. Esses valores devem ser retomados não como uma preocupação com moral, mas com a ética. Em complementação, La Taille (2005:8) diz que moral diz respeito aos deveres e ética a questões relativas, à vida, à felicidade, não só individual, mas com o outro (idéia de grupo, da cooperação) e para o outro (idéia de benevolência, generosidade).

Com base nessa afirmativa, penso que a escola enfrenta um enorme desafio. Integradamente com a dimensão cognitiva, deve zelar por desenvolver competências de convivência, de atitudes éticas, de cidadania



Referências bibliográficas

BARLOW, Michel (2006) Avaliação escolar: mitos e realidades. Porto Alegre:Artmed.

BELMONTE Lorenzo Tebar. El Perfil del Profesor Mediador, Madrid, SANTILLANA/EDUCACIÓN, 2003.

BOFF, Leonardo Saber cuidar - ética do humano- compaixão pela terra. Petrópolis, RJ:Vozes, 1999.

BURON OREJAS, Javier. Enseñar a aprender- Introducción a la metacognición. Espanha, Bilbao: Ediciones Mensajero, 2000.

COLL, César. O construtivismo em sala de aula. São Paulo: Ática, 1996.

CORTELLA, Mário Sérgio & LA TAILLE, Ives. Nos labirintos da moral. Campinas: Papirus, 2005.


    DEFFUNE, Deisi & DEPRESBITERIS, Léa. Competências, habilidades e currículos de formação profissional- crônicas e reflexões. São Paulo: Editora SENAC São Paulo,2000.

DEPRESBITERIS, Lea & TAVARES, Marialva Rossi. Instrumentos de Avaliação: diversificar é preciso. São Paulo: Editora Senac, 2009.

DIEZ, Francisco & TAPIA, Gachi. Herramientas para trabajar en mediación. Buenos Aires, Paidós, 1999

GERGEN, J Kenneth. Rumo a um vocabulário do diálogo transformador IN: SCHNITMAN, Dora Fried & LITTLEJOHN, Stephen (orgs) Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

LA TAILLE, Yves. Nos labirintos da moral. Campinas: Papirus, 2005.

MARTINS, Ana Maria de Souza, DEPRESBITERIS, Lea, TELLES MARCONDES, Osny. A mediação como princípio educacional- Bases Teóricas das abordagens de Reuven Feuerstein. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2004.

SCHNITMAN, Dora Fried. Novos paradigmas na resolução de conflitos IN: SCHNITMAN, Dora Fried & LITTLEJOHN, Stephen (orgs) Novos paradigmas em mediação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.



VYGOTSKY, Lee S. A. (2004). Psicologia Pedagógica. São Paulo: Martins Fontes.

TORRE, Sarturnino de la Aprender com os erros: o erro como estratégia de mudança. Porto Alegre: Artmed, 2007.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal