Estética do imaginário o drama radiofônico na Segunda Guerra Mundial



Baixar 96.05 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho96.05 Kb.




Estética do imaginário – o drama radiofônico na Segunda Guerra Mundial

João Batista de Abreu1


Resumo: Entre 1943 e 1945, grandes corporações de rádio norte-americanas, envolvidas com o esforço de guerra, produziram e transmitiram, para as Américas, centenas de programas radiofônicos destinados a formar uma mentalidade favorável aos aliados entre a população civil. Os programas dramatizados, gravados por artistas brasileiros radicados nos Estados Unidos, representaram um importante instrumento de propaganda de guerra. Eram difundidos em ondas curtas pela NBC e depois em ondas médias por emissoras brasileiras. Análise do programa dramatizado A Marcha do Tempo

Palavras-chave: narrativa radiofônica, radiodrama, guerra psicológica

De meados dos anos 30 até a década de 60 o mundo assiste a diversas batalhas hertzianas dentro do contexto da guerra psicológica que se estabelece em períodos de crise. Os soviéticos e alemães partiram na frente nas transmissões em ondas curtas, montando estações potentes que venciam o Oceano Atlântico. Em 1938 a BBC inaugura um serviço em alemão e logo começa a emitir também em espanhol e português para a América Latina. Em pouco tempo desde sua invenção, o rádio tornou-se a primeira mídia global.

Em plena Guerra Mundial, era natural que o emergente EUA se interessasse por este combate de ideologias. Em 1940, a criação pelo Governo Roosevelt do Office of Coordination of Commercial and Cultural Relations between the American Republics (Escritório de Coordenação das Relações Comerciais e Culturais das Repúblicas Americanas), mais tarde simplificado para Office of the Coordinator of Inter-american Affairs (OCIAA – Escritório do Coordenador de Negócios Interamericanos) constitui um marco da estratégia de aproximação com os países da América Latina.

A RCA já havia comprado a patente de Marconi e as condições tecnológicas para a exploração política do rádio eram bastante favoráveis, com a expansão de rede de emissoras por todo o continente americano. Em 1942 a rede CBS of the Americas (Cadena de las Américas) possuía 76 emissoras afiliadas e, dois anos depois, em maio de 1944, reunia 102 estações de onda média em 20 países do continente americano. O canal de ondas curtas da CBS transmitia diariamente de 17h às 23h em português, e de 17h30min às 2h da madrugada em espanhol, nas freqüências de 19 metros, 25 metros e 31 metros.2

O diretor de programação de ondas curtas da CBS para a América Latina, Edmund Chester, havia morado em países latino-americanos e orgulhava-se de conhecer as preferências radiofônicas dos ouvintes. Em documento da CBS, datado de 16 de maio de 1944, afirma que autoridades dos Estados Unidos e da América Latina, como presidentes, vice-presidentes, ministros e embaixadores, assim como oficiais de alta patente do Exército e da Marinha, haviam sido consultados sobre a programação numa pesquisa realizada durante 12 meses. Artistas latino-americanos eram entrevistados freqüentemente nos estúdios da CBS em Nova York para os programas em ondas curtas.

Muitos programas produzidos em Nova York pelo OCIAA, ou simplesmente Birô, como se tornou conhecido, chegaram a ser veiculados por 92 emissoras brasileiras, como Rádio Cruzeiro do Sul e Tupi (Rio e São Paulo), Mayrink Veiga (RJ), Educadora (RJ), Record (SP), Cultura (SP), Cosmos (SP), Inconfidência (BH), Farroupilha (PA), e Rádio Clube de Pernambuco. Entre estes programas estavam Calling Brasil, comentários escritos por Júlio Barata e Raymundo Magalhães, de segunda a sexta-feira, de 21h às 21h15min, e Magazine no Ar, uma revista de variedades com grande orquestra, entrevistas com artistas de cinema, notícias e assuntos femininos, transmitida aos sábados e domingos, de 14h às 15h. Todos estes programas estabeleceram a idéia de que o novo, o moderno, vinha da América do Norte e, se o Brasil quisesse tornar-se desenvolvido, deveria seguir os passos norte-americanos, inclusive no padrão de consumo e comportamento.

No Chile, a RCA funda durante a 2ª Guerra a Rádio Corporación, com 50 kw e três canais de ondas curtas. O radialista Sérgio Campos, professor do curso de Jornalismo da Universidade do Chile, afirma que a Corporación atuou como porta-voz dos aliados para combater o apoio ao nazismo.

Hoje em dia ninguém reconhece que existia uma corrente muito forte de apoio ao nazismo na Argentina e no Chile, mas esta era a realidade. Os Estados Unidos conheciam a situação e criaram a rádio como instrumento de propaganda. A empresa começou a funcionar com uma combinação de capital chileno e estrangeiro. Terminada a guerra, produz-se outra polarização entre Leste e Oeste, entre capitalismo e comunismo. A Rádio Corporación passa a defender os valores democráticos da sociedade ocidental e cristã, frente ao fantasma do comunismo. Tudo isso num terreno nebuloso, em que não se distinguia propaganda e informação. Criam-se outras instâncias sob a tutela do sistema estadunidense e surgem novos programas informativos, todos gerenciados pela agência McCann-Erickson. 3

A Marcha do Tempo faz parte da série de programas produzidos em Nova York pela General Sound Corporation, com financiamento de empresas norte-americanas engajadas na guerra psicológica desencadeada através do OCIAA. Deste pacote faziam parte também os programas dramatizados Rádio Teatro e Espírito de Vitória.

Com título inspirado na expressão Time on march, do filme Cidadão Kane, de Orson Welles, A Marcha do Tempo alterna narrações e dramatizações que visam a angariar a simpatia da população civil dos Estados Unidos e dos países aliados. O roteiro era escrito em inglês e depois traduzido para a língua portuguesa.

Não há créditos de produção, nem indicação de horário de apresentação. A estratégia era veicular a série inicialmente em ondas curtas para a América do Sul, em espanhol e português, e depois distribuir discos de acetato para emissoras de cidades do interior do continente sul-americano.

Este episódio, transmitido em 15 de abril de 1943 em ondas curtas para o Brasil pela National Broadcasting Corporation (NBC), dedica-se a denunciar formas de conduta que, segundo o texto, poderiam comprometer, voluntária ou involuntariamente, o esforço de guerra. Com 30 minutos de duração, intitula-se “Profilaxia do Boato”.

O programa faz parte do acervo fonográfico do Arquivo Nacional, localizado no Rio de Janeiro. Como não há script disponível, o episódio teve que ser decupado, incluindo a transcrição dos textos de locutores, narradores e atores, a marcação de identificação das vinhetas de apresentação e cortinas sonoras, e indicação do som ambiente. Este trabalho, se por um lado demandou um grande esforço para recuperar o script, num exercício que poderíamos chamar de arqueologia sonora, por outro ampliou o leque da pesquisa radiofônica, porque permitiu a análise das vinhetas, do som ambiente, das interpretações e estilos de locução.

Tenta-se avaliar o conteúdo, presente principalmente no texto e na composição das personagens, e a expressão, na análise da trilha sonora, vinhetas, da interpretação do locutor e dos atores, além da adequação do formato radiofônico. O objetivo é revelar uma exploração de conteúdo que andava meio adormecida pela ausência de pesquisa sobre a história do rádio e redescobrir um dos formatos radiofônicos utilizados durante a 2ª Guerra Mundial, hoje praticamente esquecido pelo rádio comercial imediatista.

A figura da mulher obstinada e corajosa, o jornalista interessado em ouvir, o homem do povo ingênuo, o espião ardiloso compõem um mosaico de estereótipos que, se por um lado, comprometem a qualidade artística da peça dramatizada, por outro facilitam a identificação das personagens e a compreensão das pequenas tramas.

Convidamos o leitor/ouvinte a mergulhar no tempo, a 60 anos de profundidade. Basta abrir o móvel da vitrola, revestido de madeira maciça no canto da sala e ligar o rádio de válvula Telefunken, Zenith, Invicto ou General Eletric, todas marcas importadas. Agora é só esperar o rádio esquentar, sentar-se na poltrona forrada de tecido gobelin e torcer para que hoje não haja interferência na transmissão.



A MARCHA DO TEMPO

LOCUTOR: E o tempo marcha.

TÉCNICA: MARCHA MILITAR FICA 8 SEG E CAI EM BG

APRESENTADOR: Apresentamos Notícias em Ação, flagrantes dramáticos dos fatos atuais, baseados em informações colhidas em todas as frentes de batalha pelos correspondentes de guerra norte-americanos.

TÉCNICA: SOBE SOM DA MARCHA MILITAR, FICA 8 SEG E CORTA

NARRADOR: Esta guerra de vida ou de morte em que estamos empenhados é a guerra de todas as frentes. A frente terrestre, a frente marítima, a frente aérea e a frente do espírito. Dividir para conquistar é o slogan. E todos os recursos inventivos das potências do Eixo mobilizaram-se para a frente do espírito. A Marcha do Tempo vai contar a história do boato.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 8 SEG E CAI EM BG

NARADOR: Guerra psicológica, tal como a chamam os nazistas. Rumores, boatos e mentiras destinadas a desencorajar, a dividir e a derrotar. O Alto Comando alemão, separado do povo dos Estados Unidos pelo largo Atlântico, abriu fogo com a mesma velha arma: a mentira. (PAUSA) Na cidade de Boston, às últimas horas de uma tarde de primavera, dois homens conversavam num bar:

TÉCNICA: SOM AMBIENTE DE VOZES NUM BAR, EM SEGUNDO PLANO

JOHN: Esta rodada é minha. Quer beber o quê?

SMITH: Uísque está bem.

JOHN: Garçom, o mesmo para mim.

SMITH: Ah, celebrando alguma coisa?

JOHN: Claro. Olha aqui. A primeira carta de meu filho, que está na Austrália. E já é cabo, rapaz!

SMITH (RECEOSO): Parabéns. Huum, Austrália, hein? Huum, não vejo lá tanta razão para celebrar.

JOHN: O que que você quer dizer com isso?

SMITH: Você ainda não sabe? Chega aqui.

(VOZ DE COCHICHO): Você sabe que centenas de soldados que foram para a Austrália já estão de volta?

JOHN (SURPRESO): Não. Por quê?

SMITH: Por quê? Porque estão malucos, meu caro. Doidos varridos. Centenas, milhares deles.

JOHN: Ora, e esta carta?

SMITH: Isto é coisa do Exército. Eles mesmos escreveram. Todos os rapazes enlouqueceram no navio. Aquela viagem horrível. Todos apertados, sem espaço nem para dormir...

JOHN: Não pode ser. Não acredito.

SMITH: Ora, não seja tolo, John. Péssima comida, condições sanitárias as piores, enjaulados ali como bichos. Ficaram loucos. Estou te dizendo. Loucos varridos!

JOHN (PENSATIVO): Huum. E meu filho... Você acha que ele também...

SMITH (CORTANDO A PERGUNTA): E por que não? Pois se lhe afirmo, homem de Deus, que nem nos hospitais há lugar para ele. E digo-lhe mais. Ainda ontem...

TÉCNICA: VOZ VAI SUMINDO E ENTRA MÚSICA INCIDENTAL, FICA 8 SEG

NARRADOR: Um exemplo de boato pernicioso, impatriótico, espalhado logo após o início da guerra. Sim. O Eixo usa o boato como arma de guerra. Arma que chegou a surtir efeito. Mas para todas as formas de ataque há sempre um meio de defesa. /// (OT) Na mesma cidade de Boston, uma senhora pede para ser recebida pelo redator-chefe do Boston Herald, William Gardner.

TÉCNICA: SOM DE PORTA SE ABRINDO, EM SEGUNDO PLANO BARULHO DE MÁQUINAS DE ESCREVER NUMA REDAÇÃO DE JORNAL

FUNCIONÁRIO: Patrão. Há uma senhora aí fora que deseja vê-lo. É uma moça de nome Sweeney, Frances Sweeney.

JORNALISTA: Sweeney? Frances, Frances Sweeney. Não tenho idéia de quem seja. O que que ela quer, hein?

FUNCIONÁRIO: Não disse nada. Apenas que tem que vê-lo e que é muito importante. /// Patrão, ela é um pedaço hein! Tem olhos azuis, cabelos louros...

JORNALISTA (INTERROMPENDO): Tá bem, Ta bem. Manda entrar.

FUNCIONÁRIO: Pois não, patrão. Pois não.

TÉCNICA: VOLTA O BARULHO DE MÁQUINA DE ESCREVER

FUNCIONÁRIO (EM VOZ ALTA): Miss Sweeney. Faz o favor de entrar.

SWEENEY: Obrigada.

TÉCNICA: A PORTA SE FECHA E CESSA O BARULHO DAS MÁQUINAS

SWEENEY: Boa tarde, senhor.

JORNALISTA: Boa tarde.

SWEENEY: Senhor Gardner?

JORNALISTA: Às suas ordens. Faça o obséquio de sentar-se, Miss Sweeney.

SWEENEY: Muito obrigada.

JORNALISTA: Em que lhe posso ser útil, senhorita?

SWEENEY: Senhor Gardner. O que me traz aqui é um assunto de mais alta importância. Durante as últimas seis semanas, eu não tenho feito outra coisa senão lutar contra boatos.

JORNALISTA: Boatos, como assim?

SWEENEY: Pois é. Tenho ouvido tantos boatos ridículos sobre nossos soldados, sobre o esforço de guerra, sobre o trabalho, o Congresso…Bem, eu resolvi certificar-me pessoalmente.

JORNALISTA: Interessante. Muito interessante, minha senhora. Continue por favor.

SWEENEY (INDIGNADA): É um absurdo, incrível. Preciso de ajuda. Eu sou apenas uma mulher, não estou bem informada nessas coisas, mas o que eu vi não passa para mim de absoluta traição.

JORNALISTA: Miss Sweeney. Eu acho que a senhora focalizou um ponto importante. Não há dúvida. E agora conte-me mais alguma coisa a respeito, por favor.

SWEENEY: Estes boatos são demasiado perniciosos para serem simples produtos da imaginação popular. Eu acho que eles são inspirados pelo Eixo.

JORNALISTA (INTERROMPENDO): Ora vamos, senhorita. Afinal de contas, estamos numa terra livre, onde se respeita a liberdade de palavra. A senhora não deve confundir opiniões com tentativas de estabelecer uma, uma – como direi – uma sabotagem psicológica.

SWEENEY (INDIGNADA): Mas não é outra coisa, senhor Gardner. Não é outra coisa. E o senhor como redator de um jornal tem a obrigação de desmentir essas mentiras.

JORNALISTA: Vejamos os fatos, primeiro. Vejamos os fatos. Cite-me um destes boatos, especificamente.

SWEENEY. Melhor que isso. Venha comigo. Eu lhe mostrarei que estes boatos são uma campanha deliberada para solapar a moral do povo. Dividir para conquistar é a técnica de Hitler. É a técnica que ele está usando contra nós.

JORNALISTA: Bem. E qual é a maneira pela qual a senhora se propõe a prová-lo, senhorita Sweeney?

SWEENEY: Do mesmo modo pelo qual tenho desmascarado todos eles. Quando eu ouço um boato, eu procuro sindicar (SIC)./// OT E agora, o senhor quer me acompanhar enquanto esclareço a última história que ouvi?

JORNALISTA: Miss Sweeney. Irei consigo com todo o prazer. E se o que diz é verdade, a senhora pode contar com o meu jornal e com o público que o lê.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 10 SEG E DESAPARECE.

MUDANÇA DE AMBIENTE

SWEENEY: Chamo-me Frances Sweeney. Este é o senhor Gardner. Ouvi dizer que o senhor propalou a história de que os ingleses nunca bombardeariam as fábricas dos Krupp, na Alemanha, porque Churchill possui ações da companhia. É verdade, senhor?

HOMEM (COM SOTAQUE DE INGLÊS): Sim. É, Frank Martin, que trabalha a meu lado no escritório, contou-me dizendo que ouviu a história de um amigo que...

TÉCNICA: SOM DESAPARECENDO. ENTRA MÚSICA INCIDENTAL POR 5 SEG

OUTRO HOMEM: Mas claro! Tem razão. Ouvi essa história de quem, meu Deus? Ah, sim. Minha mulher. Foi a criada que contou ao Edwin. Ela está conosco há muitos anos.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL

VOZ FEMININA: Mas sem dúvida. Claro que sou cidadã americana, mas o meu primo Otto, que trabalha no hotel Windsor me contou. Disse que ouviu no clube. Ele vai sempre ao clube para fazer ginástica.

TÉCNICA: VOZ SUMINDO. ENTRA MÚSICA INCIDENTAL

HOMEM COM SOTAQUE ALEMÃO: Poder ser boato, mas quando eu estive no Alemanha no última vez me afirmaram que non haveria guerra porque CHURCHILL era meio dono da fábrica KRUPP, e além disso, o que diabo havemos nós de estar contra o Alemanha? (COM VOZ DISSIMULADA): Eles não querem saber de guerra. São um povo pacífico. Yá, yá, yá.

NARRADOR: Alerta, decidida e intensamente patriota, Frances Sweeney vinha há meses desmascarando boatos. Percorrera quase toda a cidade. Visitara casebres e tocara campainhas de residências luxuosas, somente para traçar uma história tendenciosa até a origem. Quando ela provou que tinha razão, depois de levar consigo o Senhor Gardner e desmascarar a mentira, este se convenceu. Ansioso por auxiliar, descortinando aquela grave ameaça ao bem-estar da nação, o Senhor Gardner combinou uma conferência com o professor Gordon Allan Porter, catedrático de Psicologia da Universidade de Harvard.

TÉCNICA: VOZES DE AUDITÓRIO. TRÊS BATIDAS DE ADVERTÊNCIA

GARDNER: Senhores, na guerra total em que estamos empenhados contra as forças do totalitarismo, o inimigo provou sua extraordinária e diabólica habilidade, sua absoluta falta de escrúpulos. O inimigo está empregando uma arma já bem conhecida por meio da criação de boatos sobre as nossas Forças Armadas, sobre nossos aliados, sobre nosso esforço industrial, sobre as nossas personalidades políticas, sobre os homens e mulheres de todas as raças e credos que constituem a nossa individualidade como nação. /// Toda vez que o inimigo espalha um falso rumor neste país, ele conseguiu solapar um pouco o edifício do nosso esforço de guerra. Para destruir este plano, para enfrentar este perigo, decidimos fundar aqui, imediatamente, a Profilaxia do Boato. O jornal BOSTON HERALD publicará todas as semanas uma coluna dedicada à profilaxia do boato. Nestes artigos divulgaremos os últimos boatos aparecidos e forneceremos aos nossos leitores um desmentido lógico a essas mentiras. Desmentido que partirá de autoridades de comprovada idoneidade. O Eixo ameaça-nos com a guerra psicológica. Pois bem. Nós o enfrentaremos com a mesma arma, usando o mais poderoso dos argumentos: a verdade. Havemos de derrotá-lo nesta frente, tão certo como os derrotaremos nas demais.

TÉCNICA: MARCHA MILITAR. FICA 10 SEG E DESAPERECE (FADE OUT)

NARRADOR: Desta forma foi criada por um grupo de patriotas de Boston a Profilaxia do Boato. O entusiasmo ardente, a dedicação apaixonada de Frances Sweeney serviram para iniciá-lo. Não se fez necessária uma complicada organização. A Profilaxia do Boato de Boston trabalhou eficientemente através do esforço aplicado de um punhado de voluntários inteligentes, de um jornalista corajoso e de uma patrulha de fiscais de ouvido atento.

NARRADORA (VOZ DE SWEENEY): Chegamos à conclusão de que há cinco diferentes classes de boatos. Primeiro...

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL (DUAS FRASES MUSICAIS), FICA 8 SEG E

DESAPARECE

NARRADOR: A disseminação do ódio. O preconceito, a animosidade ou mesmo a franca hostilidade para com pessoas ou grupos de indivíduos.

SWEENEY: Quando iniciamos os trabalhos da Profilaxia do Boato, pedimos ao público que nos comunicasse todos os rumores que estivessem sendo propalados. Não seriam levadas em consideração as cartas que nos fossem enviadas sem a devida assinatura. E quando uma carta chegava trazendo um destes boatos de ódio, julgávamos sua veracidade pela assinatura. Por exemplo, um dia recebemos três cartas, cada uma com o seu boato, todos eles baseados no ódio de classe. O primeiro era o seguinte:

LOCUTOR 1: Os médicos judeus fornecem drogas aos jovens judeus, de maneira a que eles não estejam em condições físicas perfeitas quando chamados a exame de saúde pelas juntas de alistamento.

SWEENEY: O segundo:

LOCUTOR 2: Um grande número de soldados de cor foi enviado para servir no estrangeiro como tropas suicidas. Muitos deles foram mortos. Ao invés de devolvidos em ataúdes para sepultamento no país, os cadáveres foram atirados aos porões dos navios e assim trazidos de volta.

SWEENEY: O terceiro boato dizia:

LOCUTOR 3: O operariado não permitirá que os soldados voltem ao trabalho quando acabar a guerra sem que pertençam aos sindicatos. E todas as providências serão tomadas para que eles não consigam entrar para os sindicatos.

SWEENEY (INDIGNADA): Mentiras, mentiras, todos eles. Na Profilaxia do Boato, recebemos mais de cem exemplos cada semana.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL

NARRADOR: O segundo tipo de boato é o lançamento da inquietação. Um garçom de restaurante ouviu certa vez...

TÉCNICA: A VOZ VAI SUMINDO E ENTRA SOM AMBIENTE DE BAR

ATOR 1: Quer saber de uma boa?

ATOR 2: O que foi?

ATOR 1: Você se lembra do alarme aéreo simulado da semana passada?

ATOR 2 (IRRITADO): Se me lembro! Aqueles guardas idiotas fizeram-me apagar tudo quanto foi luz.

ATOR 1: Não tem importância.

(COCHICHANDO): Mas você sabe o que está por trás dos bastidores?

ATOR 2: Não. O que é?

ATOR 1 (COCHICHANDO): Agora que o tempo está melhorando com a chegada da primavera, a Alemanha vai começar a brigar. Mas de verdade!

ATOR 2: Sim, mas como?

ATOR 1: Ouça. A Alemanha tem quinhentos bombardeiros de seis motores. Os maiores aviões jamais construídos e prontinhos para acabarem com a gente.

ATOR 2: Ora, deixa de histórias, homem. Pois outro dia vi no jornal que eles não têm aviões para isso. Além disso, mesmo que conseguissem chegar até aqui, não poderiam voltar.

ATOR 1: Ah, isso é o que você pensa. Os aviões estão na Noruega, onde há pistas de aterragem de quatro quilômetros de comprimento. Os ingleses têm fotografias delas e nesta primavera, meu velho, a coisa vai ficar preta.

ATOR 2: Oh, diabos. Se isto é verdade, vou mandar minha família embora daqui.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL. FICA 8 SEG E DESAPARECE (FADE OUT)

SWEENEY: Este é apenas um exemplo deste tipo de boato. O terceiro tipo é:

LOCUTOR (SEGUNDO PLANO): O excesso de otimismo, refletindo a curta duração da guerra e a facilidade com que será obtida a vitória.

SWEENEY: Estes são também boatos perigosos. Recebemos muitos deles, em sua maioria propagados por mulheres.

ATRIZ: Ah, esta guerra a mim é que não preocupa mais.

ATOR: Não? Pois olha. Com meu irmão mais velho no Exército, estou mais que preocupado.

ATRIZ: Pois eu não. Ainda há dias ouvi que ...(PAUSA)

ATOR (INTERROMPENDO ANSIOSO): Ouviu, ouviu o quê?

ATRIZ: Bem, pode ser que seja segredo militar ou coisa parecida, mas contaram-me que...

(NOVA PAUSA)

ATOR (AINDA MAIS ANSIOSO): Vamos, diga. Vamos, por favor.

ATRIZ: Disseram-me que a guerra não dura mais que três meses.

ATOR: Mas onde é que você ouviu isso?

ATRIZ: Você conhece meu marido, Franz?

ATOR: Sim.

ATRIZ: Pois ele trabalha numa fábrica de peças para tanques e me disse que depois de encomendar uma quantidade enorme de peças, o Exército cancelou tudo.

ATOR: Bom, e ele disse isso por quê?

ATRIZ: Não, mas é claro que se cancelaram encomendas de peças para tanques, eles não pretendem fazer mais tanques, compreende? E se fizerem isso é porque não precisam mais deles. E a única razão é que a guerra vai acabar breve. Não dão mais que três meses.

ATOR: Puxa, tenho que ir para casa e contar isso ao pessoal. E eu que andava com medo que meu irmão mais moço fosse chamado!

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 10 SEG

SWEENEY: Essa gente não tem a idéia da maldade. Mas faz perigar o esforço de guerra ao propalar boatos dessa espécie. /// O quarto tipo de boato é o tipo sempre presente. É o boato de todos os tempos.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, CAI EM BG

LOCUTOR (SEGUNDO PLANO): É o boato do sobrenatural. O que encerra profecias fantásticas de terríveis desastres ou de milagres iminentes.

SWEENEY: Um destes foi-nos contado numa carta que descrevia o seguinte incidente:

TÉCNICA: SOBE SOM, FICA 5 SEG E DESAPARECE

JACK (NERVOSO): Se isso não tivesse acontecido comigo, Max, eu não acreditava, sabe?

MAX: Mas você está pálido como um cadáver, Jack. O que aconteceu?

JACK: Peraí, eu lhe conto. Eu vinha com o carro perto de Concorde, quando de repente vi uma velha postada na beira da estrada.

MAX (ANSIOSO): Sim, sim. Continua.

JACK: Quando cheguei mais perto, ela me fez um sinal com a mão. Dava a impressão de estar passando mal. Por isso diminuí a marcha e parei. Ela então pediu que a trouxesse.

MAX: Mas você se arriscar numa coisa dessa...

JACK: Mas a pobre mulher estava passando horrivelmente mal. Bem, mas ajudei-a a entrar no carro e continuei a viagem.

MAX: Eu não faço coisa como essa.

JACK: Ela tinha uns olhos pretos enormes, como dois carvões, e estava coberta de andrajos. Cheguei até a me arrepiar. Tossia horrivelmente. Parei o carro e perguntei se ela queria alguma coisa. Talvez, um copo d’água.

MAX: Então, a velha estava doente mesmo?

JACK: Estava. E estava muito mal. Dirigi o mais devagar que pude porque o balanço do automóvel parece que a incomodava. /// De repente ela olhou pra mim com aqueles olhos fundos e pretos...

MAX (INTERROMPENDO ANSIOSO): E o que, o que foi, homem?

JACK: E ela então falou que tinha uma coisa para me dizer...

MAX: E o que foi que ela disse?

JACK: Disse: “antes desse carro chegar a seu destino, haverá um cadáver nele. E dentro de três meses, Hitler morrerá”.

MAX: Oh, estou até arrepiado. Que coisa mais esquisita!

JACK: Foi o que aconteceu, Max. Deus é testemunha de que é pura verdade. E ela morreu.

MAX: E quando ela entrou no carro ela disse...

JACK: Que haveria um cadáver no meu carro.

MAX: E que Hitler morreria dentro de três meses.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 5 SEG E CORTA

SWEENEY: Esta foi a história que nos enviaram. A mesma de sempre, com pequenas variações. A mesma é contada durante a Guerra de Secessão, em 1864, e mais longe ainda, durante as campanhas napoleônicas. /// Quando recebemos boatos deste tipo, sindicamos cuidadosamente sua origem e depois publicamos a verdade sobre o mesmo. /// A quinta espécie de rumor que temos de combater é a seguinte:

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL

LOCUTOR (SEGUNDO PLANO): Boatos nascidos da curiosidade.

TÉCNICA: SOBE SOM DA MÚSICA E DESAPARECE

SWEENEY: É um tipo interessante de boato e nem sempre inofensivo. /// Um dia, um homem veio a meu escritório.

TÉCNICA: SOBE SOM AMBIENTE DE REDAÇÃO. BARULHO DE MÁQUINAS DE ESCREVER

ESPIÃO: É aqui que se faz a profilaxia do boato?

SWEENEY: É sim, senhor. Frances Sweeney é o meu nome. Em que posso servi-lo?

ESPIÃO: Parece até tolice, mas ouvi uma história, um boato, e gostaria de comunica-lo. Tenho lido nos jornais tudo a respeito da profilaxia do boato.

SWEENEY (ANSIOSA): E qual é a história?

ESPIÃO: Bem, eu moro perto da praia e quase sempre estou viajando...

SWEENEY (IMPACIENTE): Sim, mas qual é o boato, por favor?

ESPIÃO: Naturalmente, preocupo-me com a possibilidade de um ataque por mar ou por aviões. A senhora sabe...

SWEENEY (INTERROMPENDO): Quanto a isso todos nós estamos. Mas o boato?

ESPIÃO: Bom, ouvi dizer que para toda a costa de Nova Inglaterra, temos somente

vinte e quatro canhões antiaéreos.

SWEENEY: Aaaah. Agora compreendo. Apenas vinte e quatro canhões antiaéreos, não é?

ESPIÃO: Pois é. Bom, quero dizer. Foi o que me contaram. Estou preocupado porque tenho uma casa perto da praia e, se acontecer alguma coisa... Quero saber se podemos contar com a necessária proteção, porque, afinal de contas, a gente nunca sabe...

SWEENEY (IRRITADA): O senhor quer fazer o obséquio de esperar um momento? Temos pessoas aqui que podem responder sua pergunta. Um momento, por favor.

ESPIÃO (COM MEDO): Não! Não precisa incomodar-se. Eu, eu só queria comunicar o boato...

SWEENEY (IRÔNICA): Ora, incômodo nenhum. Um minuto e o senhor Bailey se encarregará do senhor.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 8 SEG E DESAPARECE

NARRADOR: Tudo não passava de um velho truque. O homem que queria espalhar o boato era um agente. Guerra psicológica, tal como a chamam os nazistas. Rumores, boatos e mentiras destinadas a desencorajar, a dividir e a derrotar. O Alto Comando alemão, separado do povo dos Estados Unidos pelo largo Atlântico, abriu fogo com a mesma velha arma: a mentira do Eixo. Tentou o mais simples dos artífices. Queria saber quantos canhões antiaéreos guardavam as costas da Nova Inglaterra e onde estavam localizados. Mas a Profilaxia do Boato está bem a par de todos os truques que podem ser usados e tem sempre adequada resposta para os mesmos. /// A encantadora Frances Sweeney soube descortinar com rara habilidade um dos mais importantes fundamentos da Guerra Psicológica. A Profilaxia do Boato, resultante de uma reação de seu espírito patriota, tornou-se uma organização que emprega métodos científicos precisos, matemáticos. Com a análise dos cinco tipos descritos de boatos, foram tomadas precauções ditadas pela lógica e pelo bom senso.

SWEENEY: A única resposta para o boato é a verdade. Se o boato se refere ao Exército, ao Exército comunicamos. Por exemplo:

MÃE (VOZ FRAGILIZADA): Fui informada de que nossos homens foram enviados para a África do Norte, munidos de roupas pesadas e de equipamento de inverno. Eu tenho um filho no Exército. Sei que está no estrangeiro, mas não sei onde. Se ele está na África eu tenho o direito de exigir que me digam se está adequadamente equipado.

SWEENEY: O Exército envia-nos uma resposta oficial, a qual publicamos na coluna destinada à Profilaxia do Boato.

LOCUTOR (VOZ DE NOTICIARISTA NO ESTILO REPÓRTER ESSO): Todos os membros das Forças Armadas de além-mar estão convenientemente munidos de equipamento adequado às condições climatéricas dos locais em que operam. Não há motivo para preocupações quanto ao bem-estar dessas tropas.

TÉCNICA: MARCHA MILITAR, FICA 10 SEG E CORTA.

NARRADOR: Uma das grandes realizações da Profilaxia do Boato foi a organização de um método que leva os rumores ao Escritório Central com a máxima facilidade. Os boatos são geralmente espalhados em espaços coletivos e nesses locais há sempre pessoas atentas. Garçons, porteiros, motoristas e condutores, toda a classe de pessoas que trabalha em lugares freqüentados alistaram-se (sic) sem outro desejo que o de simples auxílio. /// O plano evoluiu e a infatigável Frances Sweeney levou a idéia ainda mais longe.

SWEENEY: Senhor Gardner. Contamos presentemente com o auxílio da maioria das casas de negócio e lavanderias de Boston.

GARDNER: Farei tudo o que puder para ajudar, Miss Sweeney.

SWEENEY: Trata-se do seguinte. Quando sabemos de um boato, imprimimos o boato e a negativa num folheto, como este aqui.

GARDNER: Huuum, interessante.

SWEENEY: Todos os comerciantes com que contamos estão distribuindo estes folhetos. Agora, se conseguirmos a colaboração das grandes companhias de leite, é fácil imaginar o tremendo aumento do número de novos leitores.

GARDNER: Com todo o prazer, Miss Sweeney. Mande os folhetos e faremos com que toda pessoa que compre leite em Boston leia um deles.

TÉCNICA: MARCHA MILITAR, FICA 8 SEG E CORTA

NARRADOR: Das mais perfeitas foi a técnica seguida pela Profilaxia do Boato para classificar uma história como tal. Seus membros analisam cada rumor, relacionando-o com o respectivo tipo. Alguns ouvem com regularidade as irradiações das emissoras do Eixo. Quando percebem que circula um boato baseado em alguma declaração do inimigo, apressam-se a expô-lo à luz clara e eficiente da verdade. Todos ajudam. Todos colaboram neste esforço de manter o público informado dos desenvolvimentos vitais da guerra. /// Bem sabem os cidadãos da América que uma informação falsa espalhada pelo boato é menos perigosa que os resultados emocionais que produz: ódio, desconfiança, excesso de otimismo, confusão e temor. /// Meios para combater rumores, boatos e mentiras, facílimo.

NARRADOR: Em Boston, muitos destroem um boato perigoso e absurdo com a simples pergunta: “onde é que você ouviu esta história, hein?”. A maioria das vezes, não há resposta.

SWEENEY: Outro meio eficaz usado pelo cidadão que deseja acabar com o boato é o de pegar um lápis e perguntar:

ATOR: Rá, rá, rá. Taí uma muito boa para a minha coleção. Oh, por favor, repita mais devagar.

SWEENEY: O boateiro é geralmente silenciado pelo próprio senso de vergonha.

TÉCNICA: MÚSICA INCIDENTAL, FICA 10 SEG E CAI EM BG

NARRADOR: À proporção que a guerra atinge os seus estágios fulminantes, os povos nas democracias refletem a responsabilidade que lhes impõe a liberdade da palavra. Sabem da necessidade que há em saber distinguir o fato da fantasia; boatos, rumores e mentiras, da verdade. Voltam seus olhos para a infatigável Frances Sweeney, que tornou possível, fácil, praticável e eficaz a desmoralização do boato.

TÉCNICA: MARCHA FINALIZANDO, FICA 10 SEG E CORTA

NARRADOR: Na próxima semana, neste mesmo dia e hora, a Marcha do Tempo apresentará um novo relato dramático dos sucessos atuais da História em ação.

TÉCNICA: MARCHA MILITAR, FICA 20 SEG E CAOI EM BG

LOCUTOR: E o tempo marcha.

TÉCNICA: SOBE SOM E CORTA


Reiteração da narrativa

O roteiro entremeia narrações de estilo jornalístico (função referencial) e trechos dramatizados (função poética), que exemplificam os casos expostos pelo locutor. Ficção e realidade se misturam neste cenário. O enunciado informa que as dramatizações baseiam-se em casos verídicos, como se buscassem credibilidade para os relatos. Notícias em Ação, flagrantes dramáticos dos fatos atuais, baseados em informações colhidas em todas as frentes de batalha pelos correspondentes de guerra norte-americanos.

Os esquetes parecem recheados de redundância narrativa. As tramas são simples e as reações dos personagens resvalam para o estereótipo, o que facilita a identificação por parte do ouvinte. Perde-se em qualidade de dramatização, mas ganha-se na eficácia de transmissão da mensagem. Vale lembrar que o objetivo de programas desta natureza não é produzir arte, mas manter a população engajada no esforço de guerra.

Ao som da marcha militar, A marcha do tempo começa com uma exortação. A primeira fala do narrador alerta o ouvinte para o momento político. Esta guerra de vida ou de morte em que estamos empenhados é a guerra de todas as frentes. A frente terrestre, a frente marítima, a frente aérea e a frente do espírito.

A expressão “frente do espírito”, que aparece em vários outros programas, insere-se no conceito de guerra psicológica ao reforçar a idéia de que o conflito bélico não se restringe ao campo de batalha. A guerra exige mobilização da população civil. O uso da marcha militar como tema de abertura e encerramento convida ao engajamento na luta contra o boato. Tem-se aqui o uso da função conativa, marcada pelo enunciado persuasivo.

Os textos são afirmativos, aconselhadores e persuasivos; buscam uma linguagem simples, apesar de alguns atropelos de tradução. Em alguns momentos, tem-se a impressão de que a versão foi feita do inglês para o espanhol e só depois para a língua portuguesa, como por exemplo em Relato dramático dos sucessos atuais. Em espanhol, a palavra suceso corresponde a acontecimento.

A reiteração acompanha toda a narrativa, com pausas para enunciados explicativos, o que caracteriza a função metalingüística. Ao final de cada esquete, o locutor faz uma síntese do texto dramatizado, para garantir que o ouvinte compreendeu a mensagem. Guerra psicológica, tal como a chamam os nazistas. Rumores, boatos e mentiras destinadas a desencorajar, a dividir e a derrotar. O Alto Comando alemão, separado do povo dos Estados Unidos pelo largo Atlântico, abriu fogo com a mesma velha arma: a mentira.

Os nomes dos personagens reforçam a origem do povo norte-americano e a identidade com a Inglaterra, o maior aliado na Segunda Guerra. Nenhum deles tem sobrenome de imigrantes italianos, japoneses, poloneses ou latino-americanos. O único estrangeiro é o alemão, que nega o interesse de Hitler em atacar a Inglaterra. Mas sua fala vem acompanha de uma risada irônica, que revela a intenção do personagem. (COM VOZ DISSIMULADA): Eles não querem saber de guerra. São um povo pacífico. Yá, yá, yá.

Gardner, editor-chefe do jornal Baltimore Herald, remete a Alexander Gardner, repórter fotográfico que se tornou conhecido do público norte-americano por mostrar a violência da Guerra de Secessão. A lembrança empresta mais realismo ao personagem, identificado com una personalidade da memória nacional. 4

A figura de Frances Sweeney, representada pela voz de uma jovem bonita para os padrões ocidentais (loura, olhos azuis), conduz a trama. São seus predicados que levam Gardner a aceitar recebê-la no gabinete, induz a trama. No primeiro quadro Miss Sweeney atua como personagem, para depois funcionar como narradora ao longo do programa. A passagem de personagem a narradora, ou seja, do campo da ficção para o real, a aproxima do ouvinte. Trata-se de alguém que contou sua própria história e que agora está habilitada a dar conselhos, porque provou que tem um compromisso com o esforço de guerra.

No radioteatro, a definição de personalidade levaria alguns capítulos para se evidenciar, mas num programa como este a trama precisa queimar etapas. O uso da função expressiva de linguagem revela os sentimentos e os juízos do destinador. Em certos momentos, a fala de Miss Sweeney resvala para o comentário, o que permite a inserção de mensagens dentro da trama de acordo com os interesses do governo dos Estados Unidos.

Por vezes o relato de Miss Sweeney assume tom indignado, como se quisesse denunciar os artifícios escusos usados pelo inimigo. Mentiras, mentiras, todos eles. Na Profilaxia do Boato, recebemos mais de cem exemplos cada semana. O curioso é que ela não tem profissão. Engaja-se de corpo e alma na luta contra a guerra psicológica. O espírito empreendedor e nacionalista do povo está simbolizado na iniciativa daquela mulher despojada. A referência às cartas soa como indicador de veracidade, assim como a citação ao fato de que colaboradores ouvem regularmente os programas radiofônicos de propaganda da Alemanha. Alguns ouvem com regularidade as irradiações das emissoras do Eixo. Quando percebem que circula um boato baseado em alguma declaração do inimigo, apressam-se a expô-lo à luz clara e eficiente da verdade. Todos ajudam.

Este perfil repete-se inúmeras vezes em outros programas produzidos pela General Sound Corporation. Um dos episódios da série Acredite se quiser enfatiza a participação feminina nas fábricas de componentes e material bélico, ao mesmo tempo em que denuncia o nazismo por relegar à mulher apenas ao papel de procriação. No episódio, a mãe recebe carta do filho aviador no front e descobre que confeccionou o pára-quedas que o salvou da morte.

A presença da mulher como narradora reforça a empatia, porque o público feminino era o principal alvo do esforço de guerra. Daí a preocupação dos programas em mostrar o perfil heróico e ousado da mulher, sua sensibilidade para identificar ameaças, como o espião que pretendia saber o número de canhões antiaéreos na costa da Nova Inglaterra.

Na série Este é o nosso inimigo, um dos episódios denuncia o papel secundário que seria reservado à mulher no regime nazista. A seguir transcrevemos um trecho:

NARRADOR: Hoje em dia, de cada três norte-americanos entre dezoito e sessenta e cinco anos de idade, um deles está combatendo no ar, em terra ou no mar, pelo direito e pela justiça. Ou está nas fábricas de produção bélica, que fornecem armas para aviões e navios a todas as frentes de combate no mundo. /// E empregados nas diferentes tarefas da Defesa Civil (FORTE ACENTO GAÚCHO, DESTACANDO A SÍLABA TÔNICA “il”), há milhões de homens e mulheres, que se sacrificam para conseguir a vitória e para que a paz futura seja melhor e mais duradoura que todas as anteriores. /// Mas esta paz e esta vitória não se pode ganhar a não ser que conheçamos bem com quem estamos lutando. E é para conhecer nossos inimigos, e assim compreender melhor os perigos que enfrentamos, e prepararmos para rechaçá-los que apresentamos este programa de trinta minutos de verdades cruéis e dolorosas. Não para serem ouvidas pelos tímidos ou pelos pusilânimes, porque são as verdades sobre o nosso inimigo.



Os planos da voz

As acusações – atribuídas ao inimigo – de fomentar intrigas, através do preconceito racial e da luta de classes, aparecem em frases lidas por locutores, como textos de contextualização em outro plano da narrativa; algo semelhante às notas de pé de página na literatura e no texto científico. A locução, por outros narradores que não o principal, é feita em primeiro plano (junto ao microfone), mas a entonação da leitura procura indicar um distanciamento. 5



LOCUTOR 1: Os médicos judeus fornecem drogas aos jovens judeus, de maneira a que eles não estejam em condições físicas perfeitas quando chamados a exame de saúde pelas juntas de alistamento.

LOCUTOR 2: Um grande número de soldados de cor foi enviado para servir no estrangeiro como tropas suicidas. Muitos deles foram mortos. Ao invés de devolvidos em ataúdes para sepultamento no país, os cadáveres foram atirados aos porões dos navios e assim trazidos de volta.

LOCUTOR 3: O operariado não permitirá que os soldados voltem ao trabalho quando acabar a guerra sem que pertençam aos sindicatos. E todas as providências serão tomadas para que eles não consigam entrar para os sindicatos.

Os exemplos previnem o ouvinte contra polêmicas internas que possam comprometer a moral da tropa e o apoio de familiares. Questões como o preconceito contra negros e judeus, tradicionais nos Estados Unidos, precisam ser postas de lado durante a guerra. Qualquer atitude nesta direção deve ser visto como fazer o jogo do inimigo.

Esta postura leva à pergunta sobre por que a propaganda de guerra conduz a uma simplificação ideológica. A resposta abrange desde o imediatismo de resultados à necessidade de superar desavenças internas para concentrar-se no inimigo. Nenhuma família aceitaria passivamente perder seu filho no campo de batalha se não estiver convencida de que se trata de uma ação patriótica e destinada a combater o mal. O arquétipo medieval de Galaaz está presente no imaginário da guerra.

As locações identificadas durante a trama – a redação de jornal, o bar e o auditório da universidade – correspondem a locais públicos, que exigem um trabalho de sonoplastia para preparar o cenário sonoro. A harmonia entre o ambiente sonoro e o diálogo dos atores garante a eficácia da narrativa. Na redação, a informação sonora é identificada pelo ruído das máquinas de escrever. No bar e no auditório, pelo vozerio dos freqüentadores. 6

O programa registra diversas mudanças de tempo e de ambiente, sempre marcadas pelas cortinas musicais. No caso das mudanças de ambiente, o som se antecipa ao diálogo, assim como no cinema. A sonoridade funciona como elemento de informação essencial à compreensão da trama, mas é fundamental evitar a superposição de informação. Por exemplo, a sonoplastia produzir som de passos e o ator dizer a seguir: “Ouço passos”.

A redação do Baltimore Herald é identificada pelo barulho das máquinas de escrever, que funcionam como informação sonora para o ouvinte. 7 No esquete do diálogo no bar, o ambiente é apresentado por um conjunto de vozes em segundo plano (longe do microfone). Arnheim explica os efeitos de sentido proporcionados pelos diferentes planos da emissão de voz.

Em todo trabalho radiofônico não só tem importância o que soa, mas também de onde provém o som. E também, caso o som provenha de vários lugares, a distância ou o espaço que existe entre eles. A distância existente entre o ponto de origem do som e o microfone é de suma importância, pois o fato de que algo soe perto ou longe não só permite ao ouvinte distinguir o lugar da cena, como também contribuir para dar maior ou menor força expressiva: o que está mais perto predomina, destaca-se sobre os demais elementos da cena. (ARNHEIM, 1980, p. 38)

Perto do final do programa, o Exército responde às suspeitas de que os soldados estariam mal equipados e com roupas inadequadas para o front. Aqui a voz e o ritmo de locução lembram a de um noticiarista, como se pretendesse obter mais confiança na resposta. A estratégia remete ao Repórter Esso, ícone de credibilidade do rádio na época. Todos os membros das Forças Armadas de além-mar estão convenientemente munidos de equipamento adequado às condições climatéricas dos locais em que operam. Não há motivo para preocupações quanto ao bem-estar dessas tropas.

Como vimos, o rádio pode conduzir o imaginário do ouvinte como poucos veículos de comunicação. Não se trata de enaltecer exageradamente suas qualidades, ou demonizá-lo, mas saber explorar suas potencialidades, como ensinava Rudolf Arnheim em plena década de 30.
Vamos deixar bem entendido: o rádio não é nenhum produto do demônio, mas sim uma das melhores ajuda dos céus, e foi criado para o bem de cada um em particular e para o de toda a sociedade em geral. Atualmente já podemos encontrar um ou outro ouvinte ‘ideal’ que seja capaz de pensar, sentir e tratar as pessoas por si mesmo. Dele se depreende que o rádio cumpre com os requisitos que correspondem ao mais completo meio de ‘recepção’, intervindo no desenvolvimento intelectual das pessoas e conduzindo às mais altas conseqüências. Quando as conseqüências são desfavoráveis (...) também apresenta uma vantagem, posto que expõe um setor particular – por certo não é o mais importante de nossa vida – as mais grotescas e insuportáveis conseqüências da crescente passividade das massas humanas. Ao mesmo tempo, com sua modesta participação prepara um desenvolvimento equilibrado, que faz levantar de novo a atividade e a independência de cada indivíduo. (ARNHEIM, 1980, PAGS 160-161) 8

Este artigo não teve a intenção de trabalhar com a dicotomia bem e mal, própria das dramatizações com alta redundância comunicativa. O objetivo foi mostrar um pequeno exemplo do que é possível fazer no rádio a fim de criar uma mentalidade favorável às tropas aliadas, das quais o Brasil fez parte entre 1943 e 1945, na Itália.

Se houvesse cópia disponível, seria também interessante analisar os programas transmitidos em português pelas emissoras alemães de ondas curtas. Fica o desafio. De qualquer forma, é importante conhecer mais este período da radiodifusão sobre o qual as novas gerações pouco sabem.

O historiador Marc Bloch, membro da resistência francesa na 2ª Guerra Mundial, desenvolve um pensamento peculiar sobre o conhecimento. Preso pela Gestapo em Lyon, à espera de ser fuzilado, em junho de 1944, Bloch escreve para o filho de seis anos respondendo à pergunta sobre por que deve estudar História.

Primeiro Bloch questiona a idéia de que um conhecimento profundo evitaria que se repetissem os erros do passado. Observa que, se assim fosse, não haveria o nazismo. Em segundo lugar, pondera que a História seria uma sucessão de fatos, mas a seguir adverte que os fatos não se repetem necessariamente. Em terceiro, diante da argumentação de que a História serve para corrigir as injustiças sociais, Bloch diz que então neste caso não estaria ele prestes a ser fuzilado. Por fim, o historiador francês conclui que a História serve apenas para “divertir” e explica o sentido do verbo. Para ele, divertir significa brincar colocando-se na pele do outro.

Para mim, a História tem outra finalidade: serve também para divergir. Quem conhece os fatos do passado aprende, não a evitar sua repetição, mas a entender por que eles se repetem.

Além da contemporaneidade e da aversão ao nazismo, Arnheim e Bloch ostentam outro ponto de identidade. Ambos se preocupam com a comunicação, em falar de maneira fácil e acessível para todos. “Saber falar, no mesmo tom, aos doutos e aos estudantes”, ensina Marc Bloch em Apologia da História ou o ofício de historiador. No rádio, esta capacidade é condição indispensável a uma boa recepção.

Bibliografia

ALVES, Walter Ouro. Rádio, la mayor pantalla del mundo, Colección Taller de Rádio, Quito, Ciespal/Radio Nederland Training Centre, 1982

ARNHEIM, Rudolf. Estética radiofónica, Madrid, Gustavo Gilli, 1980.

BALSEBRE, Armand. El lenguaje radiofónico, Madrid, Cátedra, 1996

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o ofício de historiador, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1997

CALABRE, Lia. A era do rádio, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2002, 58 p.

_____________. Na sintonia do tempo: uma leitura do cotidiano através da produção ficcional radiofônica (1940-46), dissertação em História apresentada na Universidade Federal Fluminense, 1996

HAUSSEN, Dóris Fagundes. Rádio e política – tempos de Vargas e Perón, Porto Alegre, EdiPUCRS, 1997, 153 p.

JAKOBSON, Roman. Lingüística e comunicação, São Paulo, Cultrix, 1971

MOURA, Gerson. Tio Sam chega ao Brasil – a penetração cultural americana, coleção Tudo é História, São Paulo, Brasiliense, 1984

TOTA, Antônio Pedro. O imperialismo sedutor – a americanização do Brasil na época



da Segunda Guerra, São Paulo, Companhia das Letras, 2000 ­­­­­­­­­­­­­­

HOW BIG IS THE AMAZON

l f fhe Amazon were laid on the U.S. ••••

CIAA adviser Earl Parker Hanson used this map to help promote Amazon development.

Source: Earl Parker Hanson, The Amazon: A New Frontier (New York: Foreign Policy Association, 1944).


137


bas/n would cover a/mosf fhe who/e área







1 Jornalista, sociólogo, professor-adjunto do Departamento de Comunicação da UFF e doutor em Comunicação e Cultura pela UFRJ.

2 A escolha do horário noturno leva em conta dois fatores: há maior número de pessoas em casa, após o trabalho, e evita-se a interferência dos raios solares nas transmissões a longa distância. Ver anexo sobre o raio de alcance de Cadena de las Américas.

3 Entrevista com o radialista e professor universitário Sérgio Campos, realizada em Santiago a 7 de julho de 2001.

4 Vale lembrar que o público-alvo principal deste programa é a população norte-americana. Os ouvintes latino-americanos são públicos secundários.

5 Hoje nestes casos costuma-se recorrer a filtros ou ecos, efeitos obtidos em mesa de edição, para diferenciar os níveis de locução e indicar que o texto ocupa outro plano na narrativa.

6 Hoje todos estes sons são pré-gravados no suporte minidisc ou já estão armazenados na memória do computador.

7 Ainda hoje o som das máquinas de escrever serve como elemento de identificação sonora de uma redação, embora os jornais trabalhem com computadores silenciosos há mais 15 anos.

8 O texto citado corresponde à versão em espanhol, publicada em 1980, mas o texto original foi escrito em alemão por Arnheim nos anos 30, quando ele vivia no exílio na Inglaterra.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal