EvoluçÃo do pensamento administrativo módulo 8 Abordagem Sistêmica da Administração



Baixar 73.55 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho73.55 Kb.




EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO
MÓDULO 8 - Abordagem Sistêmica da Administração
De acordo com CHIAVENATO (2003), esta abordagem surge em 1951, nos Estados Unidos da América do Norte, enfocou a variável AMBIENTE e teve vários representantes, entre os quais KATZ, KHAN, KAST, ROSENZWEIG, CHURCHMAN.
Até a Abordagem Sistêmica, a Teoria Geral da Administração sofreu a influência de três princípios intelectuais:
1. o reducionismo: baseado na crença de que todas as coisas podem ser decompostas e reduzidas em seus elementos fundamentais simples, que constituem unidades indivisíveis;
2. o pensamento analítico: baseado na decomposição do todo nas suas partes simples que são solucionadas ou explicadas para depois agregar essas respostas num todo.
3. o mecanicismo: baseado numa relação de causa e efeito. Nesse princípio, os efeitos são totalmente determinados pelas causas, numa visão determinística do mundo.
Com a Teoria Geral dos Sistemas, esses princípios passaram a ser substituídos pelos seus opostos:

O expansionismo é a transferência da visão focada nas partes para a visão focada no todo. É baseado na visão sistêmica.
O pensamento sintético está mais interessado em ter uma visão unificada das coisas do que em separá-las.
A teleologia é um principio segundo o qual a causa é uma condição necessária, mas nem sempre suficiente para que surja um efeito.
Esses três princípios foram propostos pela TGS – Teoria Geral dos Sistemas, elaborada pelo biólogo alemão Ludwig von BERTALANFFY e permitiram o surgimento da Cibernética.
A teoria administrativa, absorvendo esses novos conceitos, adotou uma postura sistêmica.
A Abordagem Sistêmica, por CHIAVENATO (2003), apresenta as teorias:
Tecnologia da Informação e Administração
Teoria Matemática da Administração
Teoria de Sistemas
Tecnologia da Informação e Administração
Conforme CHIAVENATO (2003), a Tecnologia da Informação e Administração tem como origem a Cibernética (ciência da comunicação e do controle), criada por Norbert WIENER, em meados da década de 1940, ao mesmo tempo em que Von NEWMAN e MORGENSTERN criavam a Teoria dos Jogos e Von BERTALANFFY definia a Teoria Geral dos Sistemas.
A Cibernética teve como foco principal a sinergia (ver definição, adiante) e surgiu como uma ciência interdisciplinar para relacionar as ciências, preencher os espaços vazios não-pesquisados por nenhuma delas e permitir que cada ciência utilizasse os conhecimentos das outras.
Essa ciência oferece sistemas de organização e de processamento de informações e controles que auxiliam as demais ciências.
O campo de estudo da Cibernética são os sistemas, que são conjuntos de elementos dinamicamente relacionados, para atingir um objetivo.
Os principais conceitos relacionados com os sistemas são:
• entradas (inputs): o que alimenta o sistema para que ele possa operar. Constitui tudo o que o sistema recebe de seu mundo exterior (ambiente) e, genericamente, pode ser: materiais, informação e energia;
• saídas (output): tudo o que o sistema produz, tratando ou transformando as entradas que recebe;
• caixa negra (black box): é um conceito que exprime todo o trabalho (processo) que o sistema executa internamente para produzir suas saídas, a partir das entradas que recebe, mas que não pode ser desvendado, pois os elementos internos são desconhecidos. Ele (o interno ao sistema) se dá a conhecer, apenas mostrando como as manipulações e as entradas levam a tais ou quais resultados;
•-retroação (feedback); também denominado como retroalimentação ou retroinformação constitui-se no retorno de uma parcela da energia de saída de um sistema que volta à entrada, para informar e promover mudanças necessárias;
• homeostasia: equilíbrio dinâmico ou estado firme que o sistema persegue para continuar sobrevivendo, obtido pela auto-regulação ou autocontrole;
• informação: é um processo de redução de incerteza, pois é o conhecimento usado para orientar a ação e reduzir a incerteza que cerca as decisões cotidianas.
Teoria da Informação
Resultado das pesquisas de Claude E. SHANNON e Warren WEAVER no campo da telefonia, em 1949.
Eles desenvolveram um modelo para tratar o sistema de comunicação a ser enviada:
• fonte ou emissor: quem ou o que emite e fornece informação por meio de um sistema;
• transmissor ou codificador: codifica a mensagem que veio na linguagem do emissor para uma linguagem possível de ser transmitida pelo canal;
• canal: meio físico pelo qual a informação, já codificada, é enviada. Faz o intermédio entre o transmissor e o receptor;
• receptor ou decodificador: traduz a mensagem codificada na linguagem do canal para a linguagem que o destino entende;
• destino: quem ou o que vai receber a mensagem enviada pela fonte;
• ruído: toda e qualquer perturbação indesejável que tende a alterar, de modo imprevisível, as mensagens transmitidas.
Esse processo, que ficou conhecido com o nome de processo de comunicação, está apresentado no Processo Administrativo, no tópico comunicação, dentro do processo de direção.
Outros conceitos importantes:
• entropia: é o grau de perda de energia de um sistema, ou seja, a tendência que todos os sistemas têm para a desorganização, desordem, desaparecimento (morte);
• negentropia: suprimento de informação que leve à negação da entropia;
• sinergia: efeito multiplicador das partes de um sistema que leva a um resultado final para o sistema, maior do que seria a soma dos resultados parciais dessas partes, se acontecessem isoladamente;
• informática: disciplina que cuida do tratamento racional e sistemático da informação por meios automáticos.
Conseqüências da Informática na Administração
• automação: é uma síntese da ultramecanização, superracionalização (a melhor combinação de meios possíveis), processamento contínuo e controle automático pela retroação que alimenta a máquina com o seu próprio produto). Permitiu uma explosão de utilizações em todos os campos da administração: indústrias, ferrovias, bancos etc;
•-tecnologia da informação (TI): principal produto da Cibernética, representa a convergência do computador com a televisão e as telecomunicações;
•-sistemas de informação gerencial (SIG): sistemas computacionais capazes de proporcionar informação como alimentação para decisões a serem tomadas pelos gestores nas organizações;
• integração do negócio: busca da integração, conectividade e mobilidade que agilizem os processos das organizações. Sua base é a Internet;

•-e-business: negócios virtuais com base na mídia eletrônica.


Críticas à Tecnologia da Informação
• é o recurso organizacional mais importante para a nova organização;
• a TI ainda não conseguiu gerar os benefícios de produtividade e de desempenho esperados pelas organizações.
Teoria Matemática da Administração
A Teoria Matemática é uma abordagem recente dentro da TGA –Teoria Geral da Administração.
Era conhecida, até há pouco tempo, apenas pela pesquisa operacional, mas evoluiu para se tornar um importante campo da teoria administrativa: a Administração Operacional.
Sua principal área de atuação na Administração é o processo decisorial, principalmente com relação às decisões programáveis e quantitativas.
Os temas mais tratados por essa especialidade são: operações, serviços, qualidade, estratégia e tecnologia.
Abrange:
• o processo decisório

• os modelos matemáticos em administração

• pesquisa operacional (PO)

• teoria dos jogos

• controle estatístico da qualidade

• qualidade total



• balanced scorecard (BSC)
Há um grande potencial para os modelos matemáticos em Administração.
A pesquisa operacional é uma das alternativas de métodos quantitativos de enorme aplicação dentro da Administração, através de variadas técnicas, como teoria dos jogos, teoria das filas, teoria dos grafos, programação linear, probabilidade e Estatística Matemática e programação dinâmica.
A Abordagem Matemática fundamenta-se na necessidade de medir e avaliar quantitativa e objetivamente as ações organizacionais. Os 6-Sigma e o Balanced Escorecard são exemplos de medição em função de objetivos estratégicos.
Críticas à Teoria Matemática da Administração
• limitações da teoria matemática: mais voltada para a parte operacional das organizações, não foca a organização como um todo;
• reducionismo dos métodos da PO (pesquisa operacional): a abordagem é matemática, objetiva, quantificativa e reducionista;
• similaridade com a Administração Científica;
• reducionismo da Teoria Matemática: é mais uma abordagem para problemas de Administração que uma escola de Administração;
• Administração de Operações.
A Administração de Operações atualmente está voltada para operações de manufatura e de serviços, utilizando intensamente a contribuição da tecnologia (informática) e da Matemática.
Teoria de Sistemas
Conforme CHIAVENATO (2003) A TGS – Teoria Geral de Sistemas, desenvolvida por L.Von BERTALANFFY, influenciou o pensamento de todas as ciências e foi incorporada, sem exceção, por todas elas. A Teoria de Sistemas é uma decorrência da TGS.
Por sua visão de relacionamento – obrigatório – entre as partes, essa abordagem contrapõe-se à abordagem de sistema fechado.
Por sistema fechado, entende-se o sistema que não se relaciona com o ambiente e que, portanto, não produz nenhuma troca com ele: não recebe nem dá nada.
Ao contrário, um sistema aberto é aquele que recebe entradas do seu ambiente e devolve como resultado algum produto ou saída. Essa troca caracteriza o sistema aberto. Ambiente: é o sistema maior, onde o sistema está colocado ou do qual o sistema faz parte, como subsistema.
Quando se fala em troca com o ambiente, entenda-se trocas com os demais sistemas que compõem o ambiente (sistema maior).
O conceito de sistema é complexo, pois exige a compreensão de características e parâmetros dos sistemas, a saber:
• propósito: todo sistema tem um ou mais objetivos, para os quais todas as suas partes devem concorrer integradamente;
• globalismo ou totalidade: qualquer alteração numa das partes de um sistema influencia todas as demais e reciprocamente. Essas alterações produzem mudanças nos sistemas, exigindo ajustes contínuos. Isso provoca dois fenômenos no sistema: entropia e homeostasia;
• entropia: fenômeno que leva o sistema à exaustão, à degradação;
• homeostasia, ou homeostase: equilíbrio dinâmico, devido à auto-regulação ou autocontrole;
• entrada (input): tudo o que o sistema importa ou recebe do seu ambiente para poder funcionar: materiais, energia ou informação.
• processo: conjunto de atividades, internas ao sistema, que trata ou transforma as entradas em saídas;
• saída (output): resultado final da operação de um sistema. É o que sai do sistema para o ambiente;
• retroação (ou realimentação ou retroalimentação): conceito segundo o qual parte da energia da saída de um sistema retorna à entrada, normalmente no sentido de alterá-la de alguma maneira;
Algumas definições para sistema:
• é um conjunto de elementos em interação recíproca;
• é um conjunto de partes reunidas que se relacionam entre si formando uma totalidade;
• é um conjunto de elementos interdependentes, cujo resultado final é maior que a soma dos resultados que eles teriam, caso operassem de maneira isolada (sinergia);
• é um conjunto de elementos interdependentes e interagentes no sentido de alcançar um objetivo ou finalidade;
• é um grupo de unidades combinadas que formam um todo organizado, cujas características são diferentes das características das unidades;
• é um todo organizado ou complexo – um conjunto ou combinação de partes, formando um todo complexo ou unitário orientado para uma finalidade.
Uma representação para os parâmetros de um sistema genérico:
Os parâmetros de um sistema

fonte: CHIAVENATO, Idalberto. Princípios de administração: o essencial em teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2006, p.249.


Representação genérica para um sistema aberto:
Modelo genérico de sistema aberto

fonte: CHIAVENATO, Idalberto. Princípios de administração: o essencial em teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2006, p.248


As organizações são abordadas como sistemas abertos, pois fazem parte de um sistema maior, que é a sociedade , que, por sua vez, é também composta por outras partes menores. As organizações podem promover trocas com todos esses subsistemas da sociedade. Têm objetivos, possuem fronteiras ou limites definidos, buscam um estado de equilíbrio dinâmico (homeostase), apresentam morfogênese (capacidade de promoverem alterações, modificações ou mudanças em si próprias, coisa que um animal ou máquina não podem fazer).
Esse conceito foi explorado pelos teóricos KATZ e KAHN. Uma aplicação desses conceitos na teoria da administração é feita pelo modelo sóciotécnico de Tavistock, que entende a organização como um conjunto de dois subsistemas: o técnico e o social:

fonte: CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 4ª. edição. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2007, p.104


Essa abordagem sistêmica revolucionou a visão sobre a organização e possibilitou um enorme desenvolvimento no seu tratamento, com excelentes resultados.
Críticas à Teoria de Sistemas
• confronto entre as teorias de sistema aberto e as de sistema fechado: trouxe uma nova e moderna concepção à teoria da administração;
• características básicas da análise sistêmica: ponto de vista sistêmico; abordagem dinâmica; multidimensional e multinivelada; multimotivacional; probabilística; multidisciplinar; descritiva; multivariável; adaptativa;
• caráter integrador e abstrato da Teoria de Sistemas;

• efeito sinérgico das organizações como sistemas abertos;

homem funcional;

• nova abordagem organizacional;



• ordem e desordem.
Abordagem Contingencial da Administração
De acordo com CHIAVENATO (2003), a Teoria da Contingência surge em 1972, nos Estados Unidos da América do Norte, enfocou as variáveis AMBIENTE e TECNOLOGIA, sem desprezar as demais (TAREFAS, PESSOAS e ESTRUTURA) e teve como principais representantes, CHANDLER, BURNS e STALKER, WOODWARD THOMPSON, LAWRENCE e LORSCH, e PERROW.
É a teoria mais recente dentro da TGA e vai além da Teoria de Sistemas.
A sua mensagem central é que nada é definitivo ou absoluto em administração, pois tudo depende de contingências.
A partir das pesquisas dos seus autores a respeito das organizações e de seus ambientes, concluiu-se que a teoria administrativa disponível era insuficiente para explicar os mecanismos de ajustamento das organizações aos seus ambientes de maneira proativa e dinâmica.
Houve a constatação de que as características das organizações são conseqüências do ambiente em que se encontram alojadas. Isso deslocou o estudo para esses ambientes e para as relações de interdependência entre eles a as organizações.
No início, as organizações até escolhem os ambientes em que querem se instalar, mas, com o tempo, passam a ser condicionadas por eles, tendo que se adaptar a eles para não morrer.
Então, conhecer o ambiente passou a ser indispensável para compreender os mecanismos organizacionais. Essa análise ambiental, entretanto, ainda não é totalmente suficiente para conclusões definitivas, o que implicou investir em pesquisas noutra variável: a tecnologia.
A tecnologia utilizada pela organização condiciona o modo como a organização monta sua estrutura. Assim, para fazer frente ao ambiente e às suas demandas, as organizações procuram tecnologias que acabam condicionando o seu funcionamento.
Dessa maneira, essa abordagem baseou-se nas variáveis ambiente e tecnologia, relacionando-as com as demais: tarefas, pessoas e estrutura.
Assim, a Teoria Contingencial propõe novos modelos organizacionais, mais flexíveis e orgânicos , tais como a estrutura matricial, a estrutura em redes e a estrutura em equipes. As pesquisas de BURNS e STALKER, relacionando as empresas com seu ambiente externo levantam novas características para as organizações.
Essa nova proposta entende a empresa como um sistema orgânico (vivo) e valoriza a abordagem contingencial sobre a motivação e liderança.
Considera que as organizações, noutras abordagens da administração, funcionam como sistemas mecânicos e contrapõe a elas sua visão orgânica.
Segundo CHIAVENATO (2003) esses sistemas mostram notáveis diferenças:
Os sistemas mecânicos apresentam: coordenação centralizada, padrões rígidos de interação em cargos bem definidos, limitada capacidade de processamento da informação, boa adequação para tarefas simples e repetitivas e adequação para eficiência da produção.
Por outro lado, os sistemas orgânicos são caracterizados por: elevada interdependência, intensa interação em cargos autodefinidos e mutáveis, capacidade expandida de processamento da informação, adequação para tarefas únicas e complexas e adequação para criatividade e inovação.
Os trabalhos de LAWRENCE e LORSCH, também relacionando as organizações com o seu ambiente, constatam duas características: a diferenciação e a integração e mostram que a organização trabalha com esses dois movimentos antagônicos para sobreviver dentro de seu ambiente.
Joan WOODWARD, pesquisando indústrias inglesas conseguiu relacionar a influência da tecnologia no desenho da estrutura das organizações.
De acordo com a tecnologia em uso, uma organização teria maior ou menor escala de níveis hierárquicos na sua estrutura.
Os tipos de tecnologia identificados por WOODWARD aparecem na tabela a seguir:

fonte: adaptado de CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7ª. edição. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2003, p.511


Conforme mostra CHIAVENATO (2003), as conseqüências dessas tecnologias na estrutura das organizações podem ser assim descritas:
• A tendência de produção unitária ou oficina apresenta baixa previsibilidade dos resultados, poucos níveis hierárquicos, pouca padronização, onde predomina engenharia (pesquisa e desenvolvimento).
•-A tendência de produção em massa tem média previsibilidade dos resultados, médio número de níveis hierárquicos, média padronização e automação, em que prepondera a produção (operações).
•-A tendência contínua é caracterizada por elevada previsibilidade dos resultados, muito níveis hierárquicos, muita padronização e automação, com destaque para marketing (vendas).
Na TGA, as várias teorias registradas apresentaram enfoques diferentes quando tratavam com suas variáveis internas e com o ambiente. A figura a seguir ilustra essa relação:
Continuum das teorias da Administração em relação ao ambiente.

fonte: CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7ª. edição. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2003, p.512


É, portanto, notória a crescente importância que vem sendo dada ao ambiente.
Este pode ser caracterizado, com relação às organizações, de duas maneiras: como ambiente geral e ambiente de tarefa.
O ambiente de tarefa é aquele diretamente ligado à organização e diz respeito àquilo que a organização faz. Envolve os fornecedores, clientes, concorrentes e entidades reguladoras. Todos esses componentes dizem respeito diretamente ao que a organização faz. Assim, há um ambiente de tarefa para cada tipo de organização.
Já o ambiente geral é o mesmo para todas as organizações, independente de que tipo seja e do que faz. É composto por condições tecnológicas, culturais, ecológicas, demográficas, econômicas, públicas e legais.
O ambiente é classificado como homogêneo (pouca segmentação de mercado, mais simples, etc.) ou heterogêneo.
Também é caracterizado como estável (pouca mudança, previsíveis, presença de certeza, etc. ) ou instável.
Dependendo do tipo de ambiente dessa classificação em que a organização se encontra, vão variar, a sua estrutura, suas regras o tratamento dados aos problemas, entre outras coisas.
Motivação
A motivação também é referência nos estudos contingenciais, por meio dos modelos de Victor VROOM, que propôs o Modelo da Expectância, desenvolvido por de LAWLER III.
Liderança
Há o modelo contingencial de liderança, estudado por FIEDLER. Também é denominado modelo de favorabilidade da liderança.
Esses dois enfoques (para motivação e para liderança) estão considerados nesta apostila, no Processo Administrativo, no tópico liderança, dentro da função direção.
Críticas à Teoria da Contingência
•-relativismo em administração: não aceita princípios universais e definitivos;
• bipolaridade contínua: conceitos dinâmicos, apresentados por continuuns;
• ênfase no ambiente: focaliza a organização de fora para dentro;
• ênfase na tecnologia: a organização é um meio de utilização racional da tecnologia;
• compatibilidade entre abordagens de sistemas fechados e de sistemas abertos: as organizações possuem características de sistemas orgânicos e mecanísticos;
• caráter eclético e integrador: a contingencial aceita todas as visões.
Ao mesmo tempo em que é eclética e interativa, a Teoria Contingencial é relativista e situacional. Isso leva a pensar que essa abordagem é muito mais uma maneira de ver o mundo do que uma teoria administrativa.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal