Expositor: Mauro Bueno São Paulo 14/04/2001 Dirigente do Estudo: Mauro Bueno Oração Inicial



Baixar 75.08 Kb.
Encontro06.08.2016
Tamanho75.08 Kb.
Estudo Espírita
Promovido pelo IRC-Espiritismo

http://www.irc-espiritismo.org.br

Centro Espírita Léon Denis

http://www.celd.org.br

Tema: Os 141 anos de lançamento do Livro dos Espíritos

Expositor: Mauro Bueno
São Paulo

14/04/2001
Dirigente do Estudo:


Mauro Bueno




Oração Inicial:

Muito boa noite a todos!

Que Deus nosso amado Pai nos abençoe para mais uma noite de estudos. Que Ele nos de o dom do entendimento, o dom do discernimento e o dom de saber aplicar esses ensinamentos

em nossos dias. Pois, aprendemos, é verdade. Mas, como praticar no dia a dia o que Jesus nos quis ensinar ha 2000 anos, sem ódio, sem falsas aparências, sem orgulho.

Com fé! Com fé de que poderemos aplicar esses ensinamentos . Pois "Abençoado é o homem que acredita sem ver !"

Vamos então nesse momento , abrandar nossos corações, permitindo que bons pensamentos se acerquem de nós. Que nossos pensamentos visualizem a imagem consoladora de nosso amigo Jesus pregando nas montanhas, trazendo a magia da paz e da confiança em Deus e em nos mesmos. E falando Nele, que tanto amo, iniciemos com a oração deixada para nós há 2000 anos.

Pai nosso

Que estais no céu

Santificado seja o vosso nome

seja feita a vossa vontade

Assim na terra como no céu

O pão nosso de cada dia nos dai hoje e sempre

Perdoai as nossas dividas

Assim como perdoamos a quem nos tem ofendido

E não nos deixei cair em tentação

Livrando-nos do mal agora e sempre.

Que Assim seja (t)


Mensagem Introdutória:


O LIVRO DOS ESPÍRITOS

Meus filhos,

Jesus nos abençoe!

Evocando a memorável data do surgimento, em Paris, de O Livro dos Espíritos, pedra angular da Revelação espiritista, todos nós, desencarnados e encarnados vencidos por inusitada emoção, buscamos as fontes geratrizes da Espiritualidade para louvar o Celeste Doador pelas magnas concessões que nos propicia.

Transcorridos 115 anos de fé espírita, nos encontramos neste cenáculo recordando a Casa modesta de estrada de Jope, onde Simão Pedro e os companheiros diletos do Crucificado esparziam as bênçãos imorredouras da doutrina do amor.

Costuma-se dizer que os tempos são outros, as diretrizes são novas, os métodos devem ser renovados. O Espiritismo, no entanto, meus filhos, permanece como sendo Jesus em todos os dias da nossa vida, qual porto de amparo às nossas aspirações e barco de segurança para as nossas ambições.

Hoje, como no passado, a dor cavalga vitoriosamente e o desespero achincalha as mais nobres construções da inteligência. A razão, desvairada, não consegue domar as ânsias do coração necessitado. E o homem, ainda "lobo do homem", se atira na voragem truanesca da posse e da destruição, deixando as mais belas conquistas transformadas em cemitério onde as cinzas das recordações não conseguem de todo apagar nem abafar o lamento das viúvas e dos órfãos da retaguarda.

É por isso que, em evocando a data de O Livro dos Espíritos, que é marco histórico da Nova Era de Libertação de consciências e de testemunho de imortalidade, aqui confraternizamos, para repetir aos companheiros da retaguarda carnal que se faz mister viver a Doutrina do Cristo em toda intensidade do sentimento, das emoções e do conhecimento.

É verdade que todos trazemos angústias e pesares, que aguardamos o lenço da consolação espírita para nossas lágrimas, para os nossos suores, como o bálsamo reconfortante, o penso refazente para as feridas do sentimento, do coração.

Convém, no entanto, não esquecermos que, ao nosso lado, ruge a tempestade e a batalha se agiganta, esperando a nossa contribuição a benefício dos mais infelizes do que nós.

Os que cremos, já possuímos a "pedra mágica do toque" da imortalidade colocada no coração. Os que sabemos, já somos co-participantes do banquete da luz. Os que conhecemos, já recebemos a revelação como ponte de intercâmbio entre os dois mundos.

Para estes, que somos nós, não há meio termo, nem possibilidades de acomodação com as contingências vantajosas do mundo, na feição de deslealdade. A conduta seguirá a reta rígida da mensagem evangélica que nos impõe a transformação de dentro para fora.

Por esta razão, nesta Casa, como em outras, a luz do Cristo não pode ficar sob o alqueire, mas, no velador, oferecendo bênçãos, brindando apoio aos trôpegos e inseguros que aspiram a mais amplos horizontes e a mais largos ideais de vida.

Estais convidados para a Nova Era e não é lícito que estacioneis, custe o preço que vos seja exigido, sejam quais forem as condições que a misericórdia do Senhor vos imponha... Não há outra diretriz a seguir, senão aquela que já tendes estereotipada na mente como sendo o sinete do Mestre Incomparável, para vos nortear todos os dias e todas as horas. Mergulhai a mente no Evangelho Restaurado e vivei-o em toda sua grandiosidade, em toda sua emoção.

Não desfaleçais na luta, nem desanimeis na hora do combate ou no instante do fracasso. Jesus, na cruz, aparentemente vencido, é o herói de pé.

Aqueles que estão sob o fardo do fracasso no mundo, são os heróis da dignidade, que preferiram perder, na Terra, para ganhar a vida, a possuir os lauréis e perturbar a alma...

Filhos! Não há outra alternativa, nem outra recomendação, exceto a velha regra áurea do amor em todas e quaisquer circunstâncias.

Avançai com Cristo, por Cristo e para Cristo hoje, quando recomeçais o labor em paredes novas, mas em santuário velho, em casa de pedra que o tempo vai consumir, na restauração da casa do Cristo, no entanto, erigida entre a manjedoura e a cruz - a sublime catedral dos atos, no santuário divino da natureza - para a comunhão com os homens.

... E guardando a certeza de que perseverareis, em nome dos companheiros de Além-túmulo, nós vos incitamos a crescer no bem e a marchar na direção da verdade.

São nossas as recomendações do serviço e do trabalho como únicas e eficazes terapêuticas para a saúde e a paz. Pela significação desta data, suplicamos ao Amigo Divino e Vigilante que abençoe este santuário, transformando-o em templo de paz, em hospital-escola, em oficina de socorro e sabedoria para os cansados da rota.

Suplicando a Jesus que nos abençoe e guarde, meus filhos, por todas as horas, em todos os dias, em nome da Espiritualidade presente, nós vos abraçamos com carinho paternal, na condição de servidor humílimo de todos.
Bezerra de Menezes
(Mensagem psicofônica recebida em sessão da noite de 18 de abril de 1972, no Grupo da Fraternidade João Ramalho, em São Bernardo do Campo, São Paulo.)


Do Livro: Compromissos Iluminativos


Psicografia: Divaldo Pereira Franco

Editora: LEAL



Exposição:

Bem, não podemos falar destes 144 anos, sem falar no que é o Espiritismo. Eis: O que é Espiritismo?

· É o conjunto de princípios e leis, revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec, que constituem a Codificação Espírita: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese.

· É o Consolador prometido, que veio, no devido tempo, recordar e complementar o que Jesus ensinou, "restabelecendo todas as coisas no seu verdadeiro sentido", trazendo, assim, à Humanidade as bases reais para sua espiritualização.

O que revela

· Revela conceitos novos e mais aprofundados a respeito de Deus, do Universo, dos Homens, dos Espíritos e das Leis que regem a vida.

· Revela, ainda, o que somos, de onde viemos, para onde vamos, qual o objetivo da existência terrena e qual a razão da dor e do sofrimento.


Qual a sua abrangência?

· Trazendo conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca, o Espiritismo toca em todas as áreas do conhecimento, das atividades e do comportamento humanos.

· Pode e deve ser estudado, analisado e praticado em todos os aspectos fundamentais da vida, tais como: científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.
O que o Espiritismo ensina (pontos fundamentais):

· Deus é a inteligência suprema e causa primária de todas as coisas. É eterno, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom.

· O Universo é criação de Deus. Abrange todos os seres racionais e irracionais, animados e inanimados, materiais e imateriais.

· Além do mundo corporal, habitação dos Espíritos encarnados (Homens), existe o mundo espiritual, habitação dos Espíritos desencarnados.

· No Universo há outros mundos habitados, com seres de diferentes graus de evolução: iguais, mais evoluídos e menos evoluídos que os homens.

· Todas as leis da Natureza são leis divinas, pois que Deus é o seu autor. Abrangem tanto as leis físicas como as leis morais.

· O homem é um Espírito encarnado em um corpo material. O perispírito é o corpo semimaterial que une o Espírito ao corpo material.

· Os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Constituem o mundo dos Espíritos, que preexiste e sobrevive a tudo.

· Os Espíritos são criados simples e ignorantes, evoluem intelectual e moralmente, passando de uma ordem inferior para outra mais elevada, até a perfeição, onde gozam de inalterável felicidade.

· Os Espíritos preservam sua individualidade, antes, durante e depois de cada encarnação.

· Os Espíritos reencarnam tantas vezes quantas forem necessárias ao seu próprio aprimoramento.

· Os Espíritos evoluem sempre. Em suas múltiplas existências corpóreas podem estacionar, mas nunca regridem. A rapidez do seu progresso, intelectual e moral, depende dos esforços que faça para chegar à perfeição.

· Os Espíritos pertencem a diferentes ordens, conforme o grau de perfeição a que tenham alcançado: Espíritos Puros, que atingiram a perfeição máxima; Bons Espíritos, nos quais o desejo do bem é o que predomina; Espíritos imperfeitos, caracterizados pela ignorância, pelo desejo do mal e pelas paixões inferiores.

· As relações dos Espíritos com os homens são constantes, e sempre existiram. Os bons Espíritos nos atraem para o bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação. Os imperfeitos nos impelem para o mal.

· Jesus é o guia e modelo para toda a Humanidade. E a Doutrina que ensinou e exemplificou é a expressão mais pura da Lei de Deus.

· A moral do Cristo, contida no Evangelho, é o roteiro para a evolução segura de todos os homens, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela humanidade.

· O homem tem o livre-arbítrio para agir, mas responde pelas conseqüências de suas ações.

· A vida futura reserva aos homens penas e gozos compatíveis com o procedimento de respeito ou não à Lei de Deus.

· A prece é um ato de adoração a Deus. Está na lei natural, e é o resultado de um sentimento inato do homem, assim como é inata a idéia da existência do Criador.

· A prece torna melhor o homem. Aquele que ora com fervor e confiança se faz mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia bons Espíritos para assistí-lo. É este um socorro que jamais se lhe recusa, quando pedido com sinceridade.

· Toda a prática espírita é gratuita, dentro do princípio do Evangelho: "Dai de graça o que de graça recebestes".

· A prática espírita é realizada sem nenhum culto exterior, dentro do princípio cristão de que Deus deve ser adorado em espírito e verdade.

· O Espiritismo não tem corpo sacerdotal e não adota e nem usa em suas reuniões e em suas práticas: paramentos, bebidas alcoólicas, incenso, fumo, altares, imagens, andores, velas, procissões, talismãs, amuletos, sacramentos, concessões de indulgência, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais, búzios, rituais, ou quaisquer outras formas de culto exterior.

· O Espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhece-lo a submeter os seus ensinos ao crivo da razão antes de aceitá-los.

· A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é um dom que muitas pessoas trazem consigo ao nascer, independentemente da diretriz doutrinária de vida que adote.

· Prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã.

· O Espiritismo respeita todas as religiões, valoriza todos os esforços para a prática do bem, trabalha pela confraternização entre todos os homens independentemente de sua raça, cor, nacionalidade, crença ou nível cultural e social, e reconhece que "o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza".

E uma breve síntese da História do Espiritismo:

Em toda história humana , principalmente entre os povos mais antigos, da Índia, Egito, Grécia, se fazem presentes os fatos mediúnicos.

Existem registros na Bíblia de que os Hebreus faziam evocações aos mortos. Também observamos registros destes fatos nos escritos religiosos dos Vedas, as pitonisas, os oráculos, etc.

Na Idade Média, devido à intolerância religiosa tornou-se difícil a prática destas manifestações. Somente no século XIX, em 1844, acontece o início da corrente espiritualista nos Estados Unidos da América, liderada pôr Andrew Jackson Davis protagonista de diversos fenômenos de desdobramento e experiências fora do corpo físico que levou a publicação de um conjunto de livros conhecidos como Filosofia Harmônica.

Em 1848 houve maior interesse nas manifestações com o caso das irmãs Fox. O fenômeno ficou conhecido por ruídos, pancadas e movimentos cujas causas eram desconhecidas. Da América esse fenômeno multiplicou-se pôr toda Europa, em particular na França onde pôr alguns anos pessoas se colocavam em torno de mesas que emitiam ruídos e produziam movimentos.

As mesas girantes, como foram chamadas na época, se tornaram moda e criaram divertimento nos salões da França.

Em 1854 Hipolite Leon Denizard Rivail, pedagogo e educador, foi convidado a participar de reuniões onde era estudado o fenômeno das mesas girantes e conheceu o Sr. Baudin, passando a frequentar as reuniões em sua casa, onde a técnica utilizada não era mais a das mesas girantes e sim a das cestas escreventes.

A partir daí passou a estudar metodicamente os fenômenos, observando, comparando, analisando e concluindo sobre todas as experiências de que participava formando um conjunto de mais de cinqüenta cadernos de relatos.

Ao concluir que as respostas obtidas através destas manifestações continham profundo sentido lógico, o estudioso publicou em 1857 o Livro dos Espíritos. O livro foi publicado sob o pseudônimo de Allan Kardec visto que o professor Rivail não achava justo publicar algo que não era dele mas que provinha do ensinamento de pessoas que já havia falecido.

No ano seguinte fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e editou a Revista Espírita. Em 1859 publicou "O que é o Espiritismo", em 1861, o "Livro dos Médiuns", em 1864 "O Evangelho Segundo o Espiritismo", em 1865 "O Céu e o Inferno", e em 1868 "A Gênese".

Com o desencarne de Allan Kardec em 1869, assumiu a liderança do movimento espírita Leon Denis, considerado o consolidador do espiritismo desenvolvendo o lado filosófico da doutrina.

Obras da Codificação : O Livro dos Espíritos ( Princípios da Doutrina Espírita no seu aspecto filosófico ); O Livro dos Médiuns ( Teoria dos fenômenos Espíritas e aspectos científico-experimentais práticos da Doutrina ); O Evangelho Segundo o Espiritismo ( Ensinamentos morais do Cristo, sua concordância com o Espiritismo e a revelação da natureza religiosa da Doutrina ) ; A Gênese ( Os milagres e as predições segundo

E na biografia de Kardec, a parte que mais me impressiona: Foi em 1854 que o Sr. Rivail ouviu pela primeira vez falar nas mesas girantes, a princípio do Sr. Fortier, magnetizador, com o qual mantinha relações, em razão dos seus estudos sobre o Magnetismo. O Sr. Fortier lhe disse um dia: "Eis aqui uma coisa que é bem mais extraordinária: não somente se faz girar uma mesa, magnetizando-a, mas também se pode fazê-la falar. Interroga-se, e ela responde."

- Isso, replicou o Sr. Rivail, é uma outra questão; eu acreditarei quando vir e quando me tiverem provado que uma mesa tem cérebro para pensar, nervos para sentir, e que se pode tornar sonâmbula. Até lá, permita-me que não veja nisso senão uma fábula para provocar o sono.

Tal era a princípio o estado de espírito do Sr. Rivail, tal o encontraremos muitas vezes, não negando coisa alguma por parti pris, mas pedindo provas e querendo ver e observar para crer; tais nos devemos mostrar sempre no estudo tão atraente das manifestações do Além.

Bem, é a partir deste ponto que começo realmente a expressar algo mais pessoal: Duvidar sempre, querer ver e observar antes de crer!

Críticas severas que partem hoje contra o movimento espírita a esta falha se devem, muitas vezes!

144 anos depois, o espírita estuda a sua Codificação com seriedade?

Muitos o fazem, porém, não todos como se fora de esperar! 144 anos depois, o espírita estuda Ciência com seriedade?

Muitos o fazem, porém, não todos como se fora de esperar!

Kardec também mantinha um hábito curioso de perguntar, sem expor sua pergunta aos ouvidos dos participantes da sessão...

Recentemente, postei uma resposta sobre este ceticismo necessário ao Espírita:

Eis parte desta resposta:

De fato devemos mesmo desconfiar de todos, de todos os palestrantes em primeiro lugar, pois ser palestrante não confere infalibilidade, portanto ele mesmo, o palestrante citado inclusive. Devemos a seguir, desconfiar de todos os médiuns e por último, se os médiuns forem confiáveis, de todos os espíritos que se comunicam através destes médiuns, bem como da possibilidade de fraude em todas as TCI's.

Não confie em ninguém, em nenhum espírito, em nenhum fenômeno. Neste ponto ele está coberto de razão! Lembremos que esta postura nada tem de vergonhosa, especialmente porque foi a adotada pelo codificador, Allan Kardec, na validação de quaisquer informações que compuseram as Obras Básicas da Codificação.

Na introdução do Evangelho Segundo o Espiritismo, o CUEE, Controle Universal dos Ensinos dos Espíritos, nos demonstra claramente qual deve ser nossa atitude diante de uma afirmação qualquer, pretensamente feita em nome do Espiritismo. Lembre-se que o Espiritismo não é Doutrina dos homens, mas sim dos próprios espíritos.

Negar o fenômeno da vidência a ponto de excluí-los dos trabalhos espíritas é, antes de mais nada, uma clara afronta aos princípios que regem a Doutrina. É negar a utilidade do Livro dos Médiuns! Neste ponto, o palestrante comete um gravíssimo equívoco. Lembremos, por exemplo de nosso querido Divaldo Franco, que nem sequer aprendeu dirigir, por mal distinguir entre os encarnados e os desencarnados em sua visão cotidiana.

. Ele freava o carro para não atropelar espíritos, quando para os outros ocupantes do veículo, nada havia à frente. E isto, o próprio Divaldo conta em suas palestras.

O restante desta mensagem fala de TCI, fugindo ligeiramente ao assunto do estudo de hoje!

Bem, eis a minha impressão: depois de 144 anos de lançamento do Livro dos Espíritos, os espíritas precisam manter-se cépticos, estudar seriamente a Codificação e Ciência!

E principalmente: Iniciar a REFORMA ÍNTIMA!

O Espiritismo traz consigo um doce remédio aos nossos males, porém, traz também uma severa DIETA a ser seguida: a das boas ações, da consciência tranqüila, da reformulação dos erros que diariamente aprendemos sobre nós mesmos!

Amai-vos e Instruí-vos!



Perguntas/Respostas:

[01] Você poderia explicar melhor ,quando você diz que Kardec não formulava as perguntas para os ouvidos dos participantes?


Claro Divulgador, ele escrevia um pequeno pedaço de papel e o deixava no bolso! Aguardava a resposta! E muitas vezes os espíritos respondiam a pergunta seguinte, que vinha a mente de Kardec, antes mesmo dele expressá-la. Este fenômeno tem muitos exemplos ao longo da própria Codificação!

[02] Kardec tinha alguma mediunidade prática?


Não raio_de_luar, ele, por si, não trazia nenhuma mediunidade ostensiva. Mas, nunca devemos esquecer que todos temos algum grau de mediunidade...


[04] Tenho a impressão que Allan Kardec orienta em O Livro dos Médiuns, que as perguntas sejam passadas com antecedência aos médiuns para que os mesmos se assenhorem delas, embora muitas vezes os Espíritos tenham respondido aos seu pensamento. O que me diz?
Divulgador, precisarei pesquisar sobre esta informação que me passa sobre o Livro dos Médiuns. Eu realmente peço perdão a você por não me lembrar disto agora! Eu, e agora vai a opinião pessoal, jamais prepararia os médiuns com as perguntas que iria fazer! Não acredito que isto seja necessário, pois os espíritos podem ver através da matéria e através de nossos pensamentos. E isto, sem dúvida, auxilia bastante quanto a termos maior confiança na veracidade do fenômeno que ocorre!

[05] Creio que, talvez, tenha me enganado com relação a colocação, No entanto, que parabenizá-lo por sua resposta, e por ter sabido separar o pessoa do doutrinário. PARABÉNS!!!!!


Obrigado, divulgador! Mas, como palestrante, tenho de separar mesmo! E peço aos amigos que sempre duvidem de seus palestrantes :c))))
[06] Quem foi o responsável pelo início da divulgação espírita no Brasil? as obras vieram completas de inicio ?
Trinny, o Espiritismo no Brasil começou por várias frentes, mais ou menos simultâneas. Sofreu algumas distorções iniciais, pois houve uma conciliação de conceitos de Roustaing, com os Quatro Evangelhos, que eram partidários de alguns daqueles pensamentos. Entretanto, todas as Obras da Codificação vieram prontas sim. É o caso de Cairbar Schutell em Matão, que aprendeu Espiritismo em duas frentes: A Codificação e a prática espírita! Ele inclusive, se comunicava por correspondência com Kardec, durante o período da Codificação e após este! Se desejar, lhe envio a História do Espiritismo no Brasil por e-mail.

[07] Haveria alguma afirmação do plano espiritual no sentido de ser o nosso Chico Xavier a reencarnação de Allan Kardec ?


Não Solis, não há nenhuma confirmação, antes o oposto, do próprio Chico que afirma não sê-lo a qualquer um que a ele pergunte!

[08] você crê se possa separar sem prejuízo os três aspectos do Espiritismo?


Divulgador, eu não separo os aspectos, apenas agrego outros: Qual a sua abrangência?

· Trazendo conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca, o Espiritismo toca em todas as áreas do conhecimento, das atividades e do comportamento humanos.

· Pode e deve ser estudado, analisado e praticado em todos os aspectos fundamentais da vida, tais como: científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.

científico, filosófico, religioso, ético, moral, educacional, social.

Ei-los!

[09] Também tem se falado a respeito do espírito André Luiz ser, na verdade, Osvaldo Cruz. Isso já foi verificado?


Outra lenda no meio espírita raio_de_luar! Isto nunca foi de fato verificado! E não creio que André Luis gostaria de divulgar se o tivesse sido. Teria sido fácil ele citar seu próprio nome em uma das tantas obras que nos enviou por psicografia! Eu particularmente, guardo minhas dúvidas quanto a esta informação!

[10] Em que ano começou o movimento espírita no Brasil?


butchi-butchi, ao pé da letra, junto com a Codificação Kardequiana, ou logo após esta, pouco tempo depois, ou seja, por volta de 1860. Para ter-se uma idéia, em 1905 Cairbar Schutell fundou a Revista Internacional de Espiritismo. A Federação Espírita Brasileira - FEB, órgão coordenador do Espiritismo no Brasil, entidade sem fim lucrativo, fundada em 2 de janeiro de 1884

É difícil precisar uma data inaugural!




[11] Aproveitando a carona de butchi. Após o lançamento oficial do Espiritismo (144 anos), essa doutrina consoladora (patrimônio da humanidade) veio florescer no Brasil, o qual recebe o título de Coração do Mundo - Pátria do Evangelho. Pergunto: O Brasil está fazendo por merecer esse título? Podemos perder essa condição de mola propulsora na divulgação e prática do evangelho do cristo? Caso positivo, o que cada um de nós podemos/devemos fazer?
Bem Adelquis, o título advém de uma obra psicografada do espírito Humberto de Campos! Se podemos perder o título? Difícil dizer, pois quem deu foi um espírito, que afirma que muitos espíritos estariam interessados em que isto acontecesse e reencarnaram e reencarnarão aqui com tal intuito!

Em Inconfidências de um Inconfidente, pelo espírito Thomas Antonio Gonzaga, há uma afirmação bastante parecida, inclusive sobre o não derramamento de sangue em solo brasileiro, ou ainda, o mínimo derramamento de sangue... Ou seja, um país sem guerras!

Bem, o que podemos fazer? REFORMA INTIMA! Eis o que se espera de todos os espíritos que reencarnam. Eu ainda incluiria o Estudo da Codificação, de forma séria e metódica, bem como de Ciência, o móvel das reformas da Codificação. Onde a Ciência provar que o Espiritismo está errado, sigamos a Ciência, lembra-se?
Bem, como não há mais perguntas, estou abrindo o canal por quinze minutos para comentários dos amigos, que julgarem pertinentes ao tema da noite:

Estejam a vontade em escrever suas impressões.
Disse Jesus: Conhecereis a verdade e lá vos fará livres, sendo a verdade relativa creio que devemos manter, sempre que possível, um grupo de estudo e, como bem colocou nosso palestrante, estudarmos a doutrina buscando a reforma íntima é disso que todos precisamos onde quer que estejamos

obrigado MBueno, por suas palavras e excelente respostas.(t)
Bondade tua amigo Divulgador
Esta foi a primeira vez que entramos num grupo de discussão sobre espiritismo. Adoramos a experiência. Parabéns aos participantes e ao palestrante.

Oração Final:

Senhor amado, obrigada por essa oportunidade maravilhosa, de estar nessa noite reunida com pessoas amigas

interessadas em receber ensinamentos e doar muito amor, interessadas em compartilhar tudo aquilo que recebemos, para depois utilizarmos em nossa vida diária. Que tudo que recebemos hoje possamos exemplificar. Sermos um farol que ilumine o caminho daquele que busca a Doutrina Espírita.



Obrigada!


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal