Eyeless in gaza



Baixar 1.56 Mb.
Página1/34
Encontro04.08.2016
Tamanho1.56 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34

ALDOUS HUXLEY

SEM OLHOS EM GAZA

3.º EDIÇÃO
1944
TRADUÇÃO DE V. DE MIRANDA REIS
EDIÇÃO DA LIVRARIA DO GLOBO

PORTO ALEGRE


Título da Edição em língua inglesa:

“EYELESS IN GAZA" (1936)

Eysless in Gaza at the Mill with Slaves"

MILTON, Samson Agonistes

ÍNDICE

CAPÍTULO I - 6 de novembro de 1902


Um pelo crespo e alaranjado entre os cornos; Um focinho rosado abaixando-se inquiridoramente sobre uma minúscula xícara em um pires; uns olhos que exprimiam um espanto mais do que humano. Era o "O BOI", conforme se proclamava num letreiro de seis polegadas: "BOI NA XÍCARA DE CHÁ". Uma suposta razão ou, simplesmente, uma razão, para comprar extrato de carne.

Boi em xícara. As palavras e a figura grosseiramente cômica borravam os condados do interior durante todo aquele período de verão e de outono como uma moléstia de pele. Uma entre tantas infecções imundas e vergonhosas. O trem que levava Anthony Beavis para Surrey percorria seguramente uma milha desses eczemas de vulgaridade. Pílulas, sabonetes, pastilhas contra a tosse e — mais inflamado e mais gafento do que todos os outros — o extrato de carne, o boi em xícara.

— Trinta e um... trinta e dois, — dizia consigo o menino, sentindo não ter começado sua contagem logo que o trem partiu. Desde Waterloo até ao ramal de Clapham devia haver centenas de bois. Milhões.

Em frente, reclinado em seu canto, estava o pai de Anthony, fazendo da mão esquerda um quebra-luz para os olhos e movendo os lábios sob um bigode castanho e pendente.

— Espera-me lá, — ia dizendo John Beavis à pessoa que, por trás de suas pálpebras cerradas, ora vivia ainda, ora era qualquer coisa de inerte e frio boiando sobre as suas mais recentes lembranças.
"Espera lá por mim; que, sem falta, hei de um dia Ir junto a ti dormir sob a lápide fria."
A imortalidade era, sem dúvida, uma ilusão. Depois de Darwin, depois das irmãs Fox, depois do próprio pai de John Beavis, o cirurgião, como poderia haver imortalidade? Sob a lápide fria não havia nada. Mas, ainda assim, oh, ainda assim, espera por mim, espera por mim, espera, espera! "Trinta e três."

Voltando-se da contemplação da paisagem fugidia, Anthony deu com o espetáculo dessa mão sobre os olhos, desses lábios que se agitam. Que tivesse tido a idéia de contar os bois que ia vendo, pareceu-lhe, de súbito, uma vergonha, uma traição. Entretanto, ali estava o tio James, na ponta do banco, com o seu Times e os seus tics nervosos e contínuos, lendo e fazendo caretas à medida que lia. Deveria ao menos ter a decência de não ler agora, — agora, quando iam de viagem para... Anthony não ousou dizer o nome; o nome viria lançar uma luz sobre tudo aquilo e ele não tinha nenhuma vontade de ver claro. Ler o Times podia ser vergonhoso; mas aquilo, aquela outra coisa, era terrível, terrível a ponto de não se poder pensar nela e, contudo, de tal maneira terrível, que não se podia deixar de pensar.

Anthony volveu os olhos para fora da janela, já então marejados de lágrimas. A luminosidade auriverde do verão de St. Martin flutuava numa iridescência eclipsante. De repente, as rodas do trem começaram a articular um cantochão: "Dêdê-dêdêdêdê-a-dead-a-dead-a-dead-a-dead..." Morta! morta, para sempre!. As lágrimas saltaram-lhe dos olhos, rolaram-lhe pelo rosto, quentes por um instante e, depois, geladas. Puxou o lenço e enxugou-as, dissipando a névoa com que elas lhe toldaram a vista. Luminoso debaixo do sol, o mundo que então se lhe descortinou pareceu-lhe uma jóia imensa e complicada. Os olmeiros, secos, apresentavam uns tons de ouro pálido. Erguendo-se enormes e imóveis acima dos campos, pareciam estar meditando, na luz cristalina da manhã. Dir-se-ia que estavam recordando. Ali, à beira da morte, nas vésperas da própria ruína, pareciam lançar um olhar retrospectivo, num último êxtase de lembranças ressurretas, concentrar neste instante resplandecente de outono toda a glória de que se cobriam primavera e verão. "Dêdêdè-a-dead-a-dead"... ganiam as rodas rápidas e frenéticas quando o trem atravessou a ponte, "a-dead-a-dead!"

Anthony procurou não ouvir. Em vão. Tentou, depois, fazer com que as rodas dissessem outra coisa. Porque não haviam de dizer o que diziam outrora: Se puxarem a corrente o trem pára de repente?

E procurava, com grande esforço, concentrar-se e obrigá-las a mudar de refrão:

"Se puxarem a corrente o trem pára de repente, se puxarem a corrente dê-dê-dê-dê-dê-dê-dê—a-dead-a-dead-a-dead..." Qual! não adiantava!

Mr. Beavis descobriu por um momento os olhos e espiou pela janela. Tão cheias de vida, essas árvores outoniças! Aparência cruel, contrastando insultuosamente com qualquer coisa de inapelável, de desesperador nessa imobilidade, nessa fragilidade de vidro que convidava ao desastre, que anunciava, profética, a escuridão próxima com os galhos negros a moverem-se torturados entre as estrelas e o granizo a cortar com suas setas o vento ululante.

O tio James virou a página do Times. Leu que os Ritualistas e os Kensititas estavam de novo às turras. E gozou. Que se mordessem, como cães. Leu ainda: "O sr. Chamberlain na University College School." Que ia lá fazer o diabo do velho? Enfim, descobriu uma espécie de epitáfio à rapaziada que morrera na guerra: "Mais de cem jovens partiram para a frente de batalha, doze dos quais deram suas vidas pela pátria na África do Sul (Aplausos). — Pobres idiotas iludidos. — considerou o tio James, que sempre tivera grande simpatia pelos Boers.

Entre as vacas reais dispersas em seus pastos lá estavam, pintados, os chifres enormes, o triângulo de pêlo crespo cor de laranja, as ventas perscrutantes e a xícara de chá. Anthony fechou os olhos para não ver.

— Não, não quero, — disse com a mesma decisão de ânimo com que antes procura não ouvir o barulho das rodas. Recusara-se a cientificar-se do horror que as rodas lhe revelavam. Não queria agora, tão pouco, saber do boi. Mas que adiantava recusar-se? As rodas continuavam a clamar. E como podia ele recusar o fato de ser este boi o trigésimo quarto, à direita, do ramal de Clapham? Um número é sempre um número, mesmo quando se viaja para... Mas era uma vergonha estar contando assim. Era como o tio James lendo o Times. Era uma fuga indecente, uma escamoteação covarde, uma traição. E entretanto, aquilo em que eles tinham o dever de estar pensando era, na verdade, por demais terrível. Estava, de algum modo, fora das coisas naturais.

"Qualquer que tenha sido, ou ainda seja, nossa opinião sobre as causas, a necessidade, a justiça da guerra que felizmente chega agora ao seu. termo, eu penso que nos deve inspirar a todos um profundo sentimento de satisfação o fato de terem todas as forças vivas da nação acorrido como um só homem, quando a pátria chamou às armas os seus filhos"... Com o rosto ainda contraído pela irritação que lhe causara a leitura, o tio James depôs o Times e consultou o relógio.

— Dois minutos e meio de atraso, — observou zangado.

— Se o atraso fosse ao menos de cem anos, — pensou consigo o irmão. "Ou se houvesse, em vez de atraso, um adiantamento de dez anos... não, de doze, treze anos. Se estivéssemos no primeiro ano do nosso casamento..."

James Beavis olhou para fora e continuou: — E ainda estamos a uma milha de Lollingdon.

Como se apalpassem uma ferida ou um dente doído, seus dedos passeavam de novo sobre o cronômetro no bolso do colete. Era o tempo pelo tempo. A obsessão do tempo. Do tempo sempre imperioso, sempre categórico, mesmo que fosse apenas o tempo de olhar para o relógio e ver que horas eram, ou seja, a marcação do tempo...

As rodas passaram a falar cada vez mais devagar e, por fim, emudeceram. Os freios rangeram.

— Lollingdon, Lollingdon, — gritava o carregador.

Mas o tio James já estava na plataforma, a berrar: — Depressa! — E caminhava, a passo largo, ao lado do trem ainda em movimento. Mais uma vez sua mão apalpou aquela úlcera mística a roer-lhe perenemente a consciência. — Depressa!

Uma irritação súbita apossou-se do irmão. "Depressa, para que?" Como se corressem o risco de perder alguma coisa, algum prazer, algum divertimento precário e efêmero.

Anthony desembarcou atrás do pai. Dirigiram-se para a porta, caminhando ao longo de uma parede cheia de anúncios ilustrados, cujas palavras e figuras se sucediam rápidas: ...CADA CAIXA EQUIVALE A UM GUINÉU — ...E UMA GRAÇA CONCEDIDA AOS HOMENS AS PENAS MARCA PICKWICK OWL E... — ...MATA TRAÇAS PERCEVEJOS BARATAS — PÃO É PÃO QUEIJO É QUEIJO E O ESTRATO DE CAFÉ DE BRANSON... — O BOI NA... E apareceram aqui, repentinamente, os chifres, os olhos expressivos, a xícara — a trigésima quinta xícara. "Não quero ver! não quero!" Mas, quisesse ou não, aqui estava a trigésima quinta; a trigésima quinta, a partir do entroncamento de Clapham e à margem direita.

O carro cheirava a palha e a couro. Cheiro de palha, de couro e, também, do ano oitenta e oito... Oitenta e oito? Sim, oitenta e oito, pelo Natal, quando iam, de carro, ao baile dos Champernownes — ele, ela e a mãe dela, por uma noite fria, com um agasalho de pele de carneiro a cobrir-lhes os joelhos. Como que acidentalmente (pois ainda não ousava fazê-lo deliberadamente) sua mão roçou na dela; roçou como por acaso e, ainda casualmente, deixou-se ficar apoiada. A velha discorria sobre a dificuldade de arranjar criadas — e quando se arranjavam, não sabiam fazer nada, eram umas preguiçosas. Ela não recolheu a mão! Seria que consentia? Arriscou: seus dedos fecharam-se sobre os dela. E além de tudo, eram umas malcriadas, continuava a velha; eram... Sentiu uma pressão que era uma resposta e, erguendo os olhos, adivinhou, no escuro, que ela sorria para ele.

— Realmente, — ia falando a velha, — eu não sei onde é que vamos parar, hoje em dia. Viu, à guisa de comentário mudo, os dentes de Maisie brilharem maliciosamente; ao mesmo passo que aquele ligeiro aperto de mão tinha, deliciosamente, o sentido secreto e ilícito de uma conspiração.

Lentamente, uma para aqui, outra ali, o cavalo velho puxava-se; lentamente, vencendo atalhos, penetrou no centro da grande jóia outonal de cristal e ouro e parou, por fim, no coração mesmo dela. Ao sol, a torre da igreja era cinza e âmbar. James Beavis notou com aborrecimento que o relógio da torre estava atrasado. Passaram pela porta do cemitério. Quatro vultos medonhamente escuros subiam a rua defronte deles: Duas mulheres enormes (que a Anthony pareciam gigantas) emergiam do passeio como dois montões de roupa negra. Com elas, aumentados ainda mais pelas cartolas, iam dois homens igualmente colossais.

— Os Champernownes, — disse James Beavis; e as sílabas desse nome familiar foram, para o irmão, como um pontaço, mais um pontaço de espada em carne viva. — Os Champernownes e — deixe ver — como se chamava aquele rapaz que se casou com a filha deles? Ansteir? Annerley? Volveu um olhar interrogativo para John. Mas John olhava fixamente para a frente e não respondia.

— Amersham? Atherton? — James Beavis franzia o sobrolho, irritando-se. Meticuloso, dava uma importância enorme a nomes e datas e algarismos; orgulhava-se da sua capacidade reproduzi-los com exatidão. O menor lapso de memória bastava para enfurecê-lo. — Atherton? Anderson? — E o que mais o desesperava era que o rapaz produzia tão boa impressão, comportava-se tão bem, sem aquele jeitão idiota de rigidez militar do sogro, o general, mas, ao contrário, era gracioso e desenvolto de gestos... — Não sei como é que vou chamá-lo, — disse consigo; e começou a sentir na bochecha direita uma contração, como se um bicho vivo estivesse preso debaixo da pele e fizesse violentos esforços para sair.

Aproximaram-se. Anthony tinha a impressão de ter engolido o coração, de o ter engolido inteiro, sem mastigar. Sentia-se bem mal, como na expectativa de uma surra.

Os gigantes negros fizeram alto, deram meia volta e volveram ao encontro deles. Barretadas. Apertos de mão.

— Olha o Anthonyzinho querido! — disse Lady Champernowne, quando chegou, por fim, a sua vez. Não se conteve e, curvando-se toda, deu-lhe um beijo.

Era gorda. Seus lábios deixaram na face do menino uma umidade enjoada. Anthony abominou-a.

— Acho que eu também devo beijá-lo, — pensou Mary Amberley consultando sua mãe com um olhar. Natural, de esperar, mesmo, que uma mulher casada o fizesse. Seis meses atrás, quando ela era ainda Mary Champernowne e recém-saída do colégio, seria uma idéia absurda. Mas agora... A gente não sabia bem. Contudo, acabou por decidir que não beijaria o pequeno, que seria realmente ridículo. Apertou-lhe a mão sem dizer nada e apenas com um sorriso de vaga segurança.em sua felicidade secreta. Havia quase seis meses que estava grávida e durante aquelas duas outras últimas semanas vivera numa espécie de êxtase beatífico, de torpor inexprimivelmente delicioso. Feliz em um mundo que se tornara irreconhecivelmente belo e rico e benévolo. O campo se lhe afigurara um paraíso essa manhã, quando passavam embalados pelos boléus suaves de um laudo, e esse pequeno espaço de verdura entre as árvores douradas era o próprio éden. Verdade era que Mrs. Beavis, coitada, tinha morrido. Tão bela ainda e tão moça. Como tudo isso era triste! Como quer que fosse, porém, essa tristeza não afetava sua felicidade íntima, continuava sem nenhuma significação, era como a tristeza de alguém que habitasse outro planeta.

Anthony ergueu por um momento os olhos para esse rosto sorridente, fulgurando no engaste negro das vestes, deixando transluzir a paz e a felicidade íntimas. Depois, cheio de timidez, baixou os olhos.

Nesse meio tempo Roger Amberley observava, fascinado, o sogro e se admirava de como era possível viver alguém sempre assim, dentro de uma linha impecável; de como se podia ao mesmo tempo conseguir ser um verdadeiro general e dar a impressão perfeita, visual e auditiva, de um general de opereta. Até numa cerimônia fúnebre, até mesmo por ocasião de dizer ao marido enlutado algumas palavras muito preparadas, ele não passava de um puro Grossmith! E era de ver como contraía irreprimivelmente os lábios sob o belo bigode castanho.

— Parece estar muito abatido, — pensava o general, ao falar com John Beavis; e sentia pena do coitado, embora continuasse não gostando dele. Era, sem dúvida, um precioso, um maçador, um presumido, inteligente, sim, mas ao mesmo tempo um tolo. E o pior era que não se podia considerá-lo um homem. Sempre no meio das saias. Saias de mães, saias de tias, saias de esposas. O que lhe faltava eram alguns anos de exército, que lhe teriam feito, sem dúvida muito bem. Contudo, parecia estar muito abatido. Horrivelmente abatido. Maisie fora uma doce e meiga criatura. Boa demais para ele, naturalmente...

Estiveram um instante parados. Depois, foram todos dirigindo-se lentamente para a igreja. Anthony ia no meio, como um anão rodeado de gigantes. A sombra negra que eles projetavam cobria-o todo, escurecia o céu, eclipsava a torre de âmbar e as árvores. Ele caminhava como no fundo de um poço movediço, cujas paredes negras farfalhavam em volta dele. Começou a chorar.

Não quisera ter consciência do fato, tudo fizera para ter dele apenas uma noção superficial, assim, por exemplo, como se sabe que trinta e cinco vem depois de trinta e quatro. E agora vinha esse poço negro e lhe infundia o horror da morte concentrado na sua escuridão. Não tinha para onde fugir. E rompeu em soluços. Mary Amberley, perdida na contemplação extasiada de folhas de ouro debuxadas na palidez do céu, baixou por um instante os olhos sobre essa criaturinha que chorava neste outro planeta e voltou depois de novo aos páramos edênicos.

— Pobre criança! — disse consigo o pai. Depois, como que dobrando o lanço: — Pobre órfão! — ajuntou com decisão, satisfeito (pois queria sofrer) da dor que lhe causava o proferir tais palavras. Olhou para o filho, viu-lhe o rosto torturado, os lábios cheios e sensíveis marcados pela angústia, as faces desfiguradas pelas lágrimas que escorriam e, acima, a fronte larga, alta, aparentemente indene em sua graciosa pureza. Viu; e sentiu que mais uma dor lhe confrangia p coração.

— Meu filho querido! — disse e, dizendo-o, pensava na união mais íntima em que os poria o sofrimento comum. Verdade que, com uma criança, não era fácil a naturalidade, fácil o contacto. Mas a tristeza e as recordações comuns haveriam naturalmente... E apertou dentro da sua, a mão pequenina do filho.

Estavam à porta da igreja. O poço desmanchou-se.

— É como se estivéssemos no Tibet, — pensou consigo o tio James quando teve que tirar o chapéu. — Por que não tirar também as botinas?

No interior da igreja havia uma escuridão denunciadora de coisas antigas, cheirando a séculos de piedade rústica. Anthony sorveu por duas vezes esse bafio adulçorado e sentiu que o diafragma se lhe contraía num espasmo de náusea. Já o temor e o abatimento lhe haviam dado a sensação de estar engolindo o próprio coração; e agora esse cheiro, esse cheiro nauseabundo a anunciar que o local se achava empestado de germes... — Empestado de germes! — Ouvia de novo a voz dela — essa voz que sempre se alterava quando ela falava em germes, voz que se tornava diferente, como se estivesse falando outra pessoa. Nas ocasiões comuns, quando não estava zangada, a voz lhe soava tão mole e, de certo modo, lânguida — a languidez de um riso, a languidez de um cansaço. Mas o pavor dos germes tornava-lhe a voz quase selvagem. — Que nunca deixasse de cuspir quando sentisse mau cheiro, — ela lhe tinha dito. — Que podia haver germes de tifo no ar. — Recordando essas palavras, esses conselhos maternos, sentiu a boca encher-se de saliva. Mas como podia cuspir ali, na igreja? Não havia remédio, senão engolir o cuspo. E engoliu-o com um arrepio de medo e de náusea. E se adoecesse nesse fétido local? A apreensão fê-lo sentir-se ainda pior. E como devia a gente comportar-se durante o ofício fúnebre? Até então nunca tinha assistido a essas cerimônias.

James Beavis consultou o relógio. Daí a três minutos começariam as mágicas. Por que não tinha John preferido uma cerimônia sem pompa? Como se a pobre da Maisie desse importância a essas coisas. Uma tolinha, sim, mas nunca uma beata; sua tolice não era a tolice da religião, mas a simples tolice leiga da frivolidade feminina. Essa tolice de ler romances no sofá, alternando-se com a tolice dos chás, dos piqueniques e dos bailes. O incrível era que John tivesse suportado toda essa bobagem, que tivesse mesmo, ao que parecia, gostado de tudo isso! Mulheres cacarejando como galinhas em torno de uma mesa de chá. James Beavis fechou-se todo numa carranca de desprezo e irritação. As mulheres aborreciam-no — enjoavam-no. Todas aquelas saliências sinuosas, ondulantes e moles dos seus corpos. Coisa horrível. E a estupidez, a vacuidade mental. Mas, em todo caso, a pobre Maisie nunca fora uma carola, nunca andara atrás de padres. Esses terríveis parentes dela, esses, sim. Havia deãos na família — deãos e deãs. John, naturalmente, não tinha querido ofendê-los. Fraqueza. Em questões de princípios, era preciso ofender. Devia-se ofender.

Ouviu-se o órgão. Pela porta aberta entrou um pequeno cortejo de sobrepelizes. Alguns homens traziam qualquer coisa de parecido com um montão de flores. Ouviu-se um canto. Seguiu-se um silêncio. E depois, com uma voz extraordinária, o padre começou: — Ergue-se Cristo do seio dos mortos; — foi prosseguindo, sempre a falar de Deus e da morte e dos animais de Êfeso e da matéria. Anthony, porém, mal ouvia, pois não podia pensar senão naqueles germes que ainda ali estavam a despeito do cheiro das flores, e na saliva que continuava enchendo-lhe a boca e que ele tinha que engolir apesar do tifo e da gripe e naquele horrível mal-estar no estômago. Quanto tempo duraria tudo aquilo?

— Parece um bode berrando, — disse James Beavis consigo, ao escutar a voz que vinha da estante do coro.

Depois tornou a olhar para o jovem genro dos Champernownes. Anderton, Abdy...? Que belo perfil, clássico!

Sentado, cabisbaixo e cobrindo cem a mão os olhos, seu irmão pensava nas cinzas que estavam dentro da caixinha, ali, debaixo, das flores — as cinzas que tinham sido o corpo dela. Estava afinal terminado o ofício fúnebre. — Graças a Deus! — pensou consigo Anthony, cuspindo sorrateiramente no lenço, que dobrou e guardou no bolso com germes e tudo. — Graças a Deus! — Tinha conseguido não enjoar. Foi acompanhando o pai até à porta e quando, com mais alguns passos, se viu fora daquela penumbra crepuscular, foi com uma espécie de êxtase que respirou o ar puro. Ainda havia sol. Olhou em volta e para o céu pálido em cima. Lá no alto, na torre da igreja, uma gritaria de gralhas lembrava o barulho de uma pedra esgueirando-se sobre uma água congelada e produzindo, ao sulcar o gelo, um tintinar prolongado.

— Não atire pedras no gelo, Anthony, — gritara-lhe um dia sua mãe. — Elas ficam agarradas nele e depois os patinadores...

Recordava-se de a ter visto tanta vez patinando no gelo, de como certa vez ela se aproximara dele, fazendo curvas e ziguezagues e deslizando depois em linha reta, como uma gaivota; toda de branco; bela. E agora... De novo se lhe encheram os olhos de água. Mas por que, por que insistira com ele, aquela vez, para que também patinasse?

— Não quero, não. — ele lhe respondera. E, perguntando-lhe ela por que, não soubera explicar. Tinha medo, de certo, de que se rissem dele. Não queria expor-se ao ridículo. Mas como lhe havia de dizer isso. Acabara chorando — na presença de todos. Não poderia ter sido pior. Tivera-lhe quase ódio, naquela manhã. E agora ela estava morta e ali em cima as gralhas estavam atirando pedras sobre o gelo do último inverno.

Estavam, agora, à beira do túmulo. Mais uma vez Mr. Beavis apertou a mão do filho. Procurava preparar-lhe o espírito para esses últimos e dolorosíssimos momentos.

— Coragem, meu filho, — sussurrou. Exortação que tanto servia ao filho, como a ele próprio.

Debruçando-se, Anthony espiou para dentro da cova. Pareceu-lhe de uma profundidade extraordinária. Teve um estremeção, fechou os olhos; e a viu imediatamente ali, deslizando em direção a ele, branca, como uma gaivota, e branca ainda em sua "toilette" de cetim quando lhe veio dar boa-noite antes de sair para um jantar, com aquele perfume que lhe sentiu quando junto à cama se inclinou sobre ele e aquela frescura de seus braços nus.

— Você parece gato, — costumava ela dizer quando ele esfregava o rosto nos seus braços. — Porque não ronrona também como o gato?

— Em todo caso, — estava pensando com satisfação o tio James, — o John ficou firme, quanto à cremação. — Os cristãos haviam sido derrotados. Ressurreição do corpo, com efeito! No ano de 1902 da nossa Era!

Quando chegasse a sua vez, pensava agora John Beavis, era ali que seria enterrado. Ali, naquela cova mesma. Suas cinzas junto das dela.

De novo se fazia ouvir aquela voz estranha do padre: — Sabeis, Senhor, o segredo dos nossos corações... — Anthony abriu os olhos. Dois homens arreavam para o fundo da cova a pequena urna de terracota, quase do tamanho de uma lata de biscoito. A urna tocou o fundo e as cordas foram içadas.

— À terra, a terra, — soava, como um balido, a voz caprina. — ao pó, o pó.

— As suas cinzas, minhas cinzas, — completava John Beavis. — Misturados.

E repentinamente lembrou-se daquela vez em Roma, um ano depois de casados; daquelas noites de junho, com os pirilampos sob as árvores, nos Jardins Doria, como estrelas que houvessem enlouquecido.

— Que há de transformar o nosso corpo vil, para identificá-lo com o corpo glorioso dele...

— Vil, vil? — saiu-lhe, como um protesto, do fundo d'alma.

Caiu a primeira pá de terra, a segunda; e as outras se foram sucedendo. A urna estava quase coberta. Era tão pequenina, de uma pequenez espantosa e imprevista... A imagem daquele boi enorme, daquela diminuta xícara de chá assomou à imaginação de Anthony. Assomou obscena, recusando-se, opondo-se ao exorcismo. As gralhas gritavam de novo na torre. Qual uma gaivota, ela se precipitara, serena, em direitura dele. Serena e bela. Mas o boi ainda estava ali, ainda em sua xícara de chá, ainda ignóbil e detestável; e ainda mais ignóbil, ainda mais odioso, ele próprio se sentia.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   34


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal