Fabiano lorenzon valer



Baixar 443.75 Kb.
Página8/8
Encontro30.07.2016
Tamanho443.75 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8
Referências da Internet

CHIDIAC, Maria Teresa Vargas; OLTRAMARI, Leandro Castro. Ser e estar drag queen: um estudo sobre a configuração da identidade queer. Estud. psicol., Natal, v. 9, n. 3, 2004. Disponível em: . Acesso em 31/03/2007.

COSTA, Sérgio. Amores fáceis: romantismo e consumo na modernidade tardia. Novos estud. - CEBRAP., São Paulo, n. 73, 2005. Disponível em: . Acesso em 31/03/2007.

FERRARI, Anderson. Revisando o passado e construindo o presente: o movimento gay como espaço educativo. Rev. Bras. Educ, Rio de Janeiro, n. 25, 2004. Disponível em: . Acesso em 31/03/2007.


GOMES, Sérgio. Ensaios Homoeróticos I: o homoerotismo na antigüidade clássica. Revista Catharsis. Disponível em

<http://www.revistapsicologia.com.br/materias/abordagens/ensaio_Homoerotico.htm>

Acesso dia 20/10/2007.

LACERDA, Marcos et al. Um estudo sobre as formas de preconceitos contra homossexuais na perspectiva das representações sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n.1, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722002000100018>. Acesso em 20/10/2007.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Os circuitos dos jovens urbanos. Tempo social, São Paulo, v. 17, n. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em 31/03/2007.

MOTT, Luiz. Crítica sobre o livro frescos trópicos. Disponível em <http://www.ggb.org.br/frescos_tropicos.html. 2003>. Acesso em 15/04/2007.

NASH, Paul J. Karl Heinrih Ulrichs: A personal story. Disponível em: <http://www.angelfire.com/fl3/celebration2000/index.html>

Acesso em 22/10/2007.

PIRES, Thereza. Ulrich / Numa Numantius: a presença invisível na 9ª Parada Gay de São Paulo. Portal Mix Brasil. Cultura GLS: Biografias. 23/04/2005. Disponível em:

Acesso em 20/10/2007.

VELHO, Gilberto. Estilo de vida urbano e modernidade. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16,. p. 227-234. 1995. Disponível em . Acesso em 07/04/2007.

VÍCTORIA, Gomes Ceres. Entrevista com Richard Parker. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, v.8, n.17, , Jun. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-71832002000100013&script=sci_arttext>. Acesso em 15/04/2007.

ANEXO A - ANEXO AQuestionário virtual realizado a partir do site de relacionamento “Orkut”, na “comunidade” “História e Homossexualidade”66





ANEXO B – Questionário virtual realizado a partir do site de relacionamento “Orkut”, na “comunidade” da maior casa noturna GLBT da cidade de São Paulo, a “The Week”67.


ANEXO C: Convite do “Fim de Século”, em alusão ao aniversário de 10 anos desta extinta casa noturna GLBT – 199768





ANEXO DConvite do “Fim de Século” relacionado com o contexto de época, isto é, a entrada de produtos importados e o “boom” das lojas de R$ 1,99, no segundo governo de Fernando Henrique Cardoso – Sem dada69.


ANEXO EConvite do “Fim de Século”, que criava uma representação futurista, de novo milênio – Outubro de 199970.





ANEXO F – Postal da casa noturna GLBT “Flower’s”, iniciativa do grupo Nuances. Esta é a única, de um conjunto de seis postais em que há o carimbo da Censura Federal liberando tal espetáculo de transformista. Foto referente a dezembro de 197171.





ANEXO GPostal da casa noturna GLBT “Flower’s”, iniciativa do grupo Nuances. Foto do “Show Cabaret”, datado de 1973, já sem o carimbo de órgãos governamentais72.



ANEXO HFolheto de divulgação da Parada Livre de Porto Alegre, promovida pelo grupo Nuances, de 199973.



ANEXO I - Folheto de divulgação do seguro de vida “Freedom”, direcionado a casais homossexuais74.




ANEXO JFolhetos de divulgação das paradas gays de Porto Alegre, do ano de 2006. De cima para baixo, a “Parada Livre” do grupo Nuances, e a “Parada do Orgulho GLBT”, do Fórum LGBT de Porto Alegre (cujo grupo principal é o Somos)75.









OS ESPAÇOS DE SOCIABILIDADE GLBT E A

CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE HOMOSSEXUAL

FABIANO LORENZON VALER



Trabalho de Conclusão do Curso de História, Licenciatura.

Orientadora: Profª Maria Cristina Caminha de Castilhos França




Novembro / 2007



1Conforme Luiz Mott (2000), no Brasil colônia os homossexuais eram chamados de “somítigos” ou “fanchonos” e os órgãos responsáveis pela opressão dos homossexuais era a “Justiça Real”, o “Bispo” e o “Tribunal da Santa Inquisição”, que tinham a incumbência, entre outras, “da condenação à morte na fogueira dos infelizes sodomitas” (2000, p. 16). Além disso, o Brasil era receptáculo para sodomitas portugueses, enviados para cá, pela Inquisição portuguesa, como forma de punição pelos seus atos “pecaminosos”. Mott diz que o ano de 1547 foi o primeiro em que o nosso país presenciou a chegada de uma centena de sodomitas, vindos de além mar, isto é, de Portugal. (2000, p. 16).


2 Portal Mix Brasil, Cultura GLS:Biografias. <www.mixbrasil.com.br>, acesso dia 29/10/2007.


3 Mais informações sobre a relação entre a Igreja Católica Ortodoxa Russa e os homossexuais podem ser obtidas no portal GLBT Mix Brasil, bem como no site do grupo de defesa GLBT, Nuances de Porto Alegre.

, .

4 Mais informações referentes a vida homossexual na Alemanha Nazista e atual podem ser obtidas no portal do grupo de comunicação alemão Deutsche Welle

5 Algo como “Assuma-se”, segundo Fry e Rae, mas em um sentido mais amplo de demonstrar publicamente a condição de sujeito homossexual.

6 Mais informações sobre o Bar Stonewall Inn e o 28 de junho, ver o Jornal do Nuances, nº. 40, de junho de 2007.

7 Para maiores informações sobre a “Coluna do Meio” e o jornalista Celso Curi ver a matéria “Coluna do Meio: primeira coluna gay do país completou 30 anos em fevereiro”, no portal GLBT da internet Mix Brasil

8 Na cidade do Rio de Janeiro.

9 O termo “gay”, oriundo do movimento homossexual norte-americano, será inúmeras vezes utilizado ao longo desta monografia. Ele deve ser lido como algo identitário e que não exclui a comunidade LBT, isto é, lésbicas, bissexuais e transgêneros. Trata-se sim de uma palavra de efeito, por isso a sua utilização ao longo do texto.

10 Lampião da Esquina, nº. 14, de julho de 1979, reproduzida pelo Jornal do Nuances, de novembro de 2005

11 Sigla em inglês, que será adotada por nós ao longo desta monografia. Em português Sida (Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida) (Dicionário Michaelis, Versão em CD).

12 O Grupo Somos de Porto Alegre surge no começo dos anos 2000 e tem em seu nome uma homenagem ao célebre grupo paulistano, não tendo qualquer relação com o mesmo.

13 Mais informações no material institucional do Nuances e no site desta ONG GLBT. www.nuances.com.br

14Jornal do Nuances, 2004: contracapa.

15 Festa exclusiva para a música eletrônica, muito comum nos grandes centros urbanos do país. Não é exclusiva para o público homossexual, atraindo uma grande quantidade de jovens heterossexuais.

16 Trata-se de um pseudônimo para preservar o nome dos protagonistas sociais por nós entrevistados.

17 Para maiores informações sobre a Coligay, ver o Jornal do Nuances, ano 10, nº. 41, de outubro de 2007.

18 Tema da Parada Livre da capital paulista de 2007, que foi divulgado por praticamente todos os veículos da imprensa nacional.

19 Informações obtidas ao longo de anos de convivência com a homossexualidade, bem como com conversas não registradas com integrantes dos grupos Nuances e Somos da capital gaúcha. Por fim, a entrevistada Michelle Vargas (nome fictício), que também é enfermeira, contribuiu enormemente para o melhor entendimento da marginalização de determinados segmentos da comunidade GLBT.

20 Em relação a comunidade dos inuts, comunidade estudada por esta autora no Canadá.

21 Expressão comum no meio homossexual, que simboliza o sujeito escondido dentro de si, não capaz de assumir sua real posição de homossexual. Inclusive o slogan da Parada Livre (GLBT) de Porto Alegre deste ano é o seguinte: “11 de novembro – Todo mundo vai sair do armário”. (Fonte: Material divulgatório do grupo Nuances).

22 Barbie é uma gíria homossexual que tem o significado de um homem com o corpo bem “malhado”, definido, e que adota uma postura não-afeminada, buscando o ideal da masculinidade.

23 A matéria “A política do corpo. Investigando a cultura barbie: músculos também servem como resposta social”, escrita pelos jornalistas Ferdinando Martins e Marcelo Cia, pode ser encontrada no portal do Mix Brasil .


24 Afetados no sentido de afeminado, conforme gíria do meio homossexual.

25 Maiores informações sobre o “pink money” e sua influência na comunidade homossexual podem ser obtidas no portal GLBT Mix Brasil.

26 Termo utilizado no meio GLBT brasileiro. Significa estar montadas no personagem, isto é, vestidas de mulher.

27 O conceito de “Top Drag” ao invés de “Drag Queen” foi obtido na entrevista com a “Top Drag”, do Blue Space, Luana de York.

28 Durkheim foi o primeiro pesquisador a refletir sobre as representações - coletivas e individuais. Posteriormente, Serge Moscovici, que estudou prioritariamente a modernidade, adotou a expressão representação social, deslocando o objeto para a psicologia social, ao propor que as representações estão presentes tanto na “mente”, quanto no “mundo”, devendo ser investigadas em ambos os contextos.

29 “O orkut é uma comunidade on-line criada para tornar a sua vida social e a de seus amigos mais ativa e estimulante. A rede social do orkut pode ajudá-lo a manter contato com seus amigos atuais por meio de fotos e mensagens, e a conhecer mais pessoas. (...) Nossa missão é ajudá-lo a criar uma rede de amigos mais íntimos e chegados. Esperamos que em breve você esteja curtindo mais a sua vida social”. Nota explicativa deste site, em que consta a finalidade do mesmo. Disponível em , acesso em 20/11/2007.

30 Do inglês, bate-papo, conversa (Dicionário Michaelis, Versão em CD).

31 Termo que caracteriza indivíduos, geralmente jovens, que se dizem heterossexuais, mas que por vezes se relacionam com pessoas do mesmo sexo, além de gostarem de se maquiar (tons escuros) e serem muito depressivos.

32 Maiores informações no site oficial deste espaço de sociabilidade GLBT paulistano.

33 Os nomes utilizados neste sub capítulo, referem-se a extinta casa noturna Flower’s e não são pseudônimos, logo, trata-se dos nome originais destes agentes históricos.

34 Rubina: uma travesti de outra época. Páginas 6 e 7. Jornal do Nuances. Ano 5, nº. 30, outubro de 2004, Porto Alegre-RS.

35 Informações baseadas no discurso comum, captadas na observação feita no Cabaret Soft, no dia 13/07/2007.

36 Este termo surge no início dos anos 1990 e foi cunhado pelas próprias travestis e transexuais. (Cabral, Mauro. Vox, ano 6, nº. 30. Dezembro de 2005). Vox é um grupo de defesa dos direitos dos homossexuais da capital argentina.

37 “Mundo gay” é um termo utilizado pelos freqüentadores dos espaços de sociabilidade GLBT para se referirem a vida social homossexual. Há ainda, “cena gay” (Mott, 2000) ou “universo gay”.

38 Consideramos o “ideal de perfeição gay”, as imagens que a indústria dos produtos voltados à homossexualidade impõe para os homossexuais com um todo, consistindo em uma verdadeira “violência simbólica” (BOURDIEU, 1994) para com os integrantes deste grupo social.

39 Do inglês “Disc Jokey”, em uma tradução literal “Disco Divertido” (Dicionário Michaelis, versão em CD)

40 Fala de Rubina, no texto “Rubina: uma travesti de outra época”. Disponível no Jornal do Nuances, Páginas 6 e 7. Ano 5, nº. 30, outubro de 2004, Porto Alegre-RS.

41 Portal Mix Brasil, Nossa Língua: Glossário Gay. . Acesso em 11/11/2007.

42 Percebe-se daí as transformações que podem ocorrer com determinado espaço físico. O espaço do Enigma, antiga casa noturna GLBT, também localizado no centro de Porto Alegre, hoje abriga uma empresa de concertos de eletrodomésticos.

43 Quarto escuro (Dicionário Michaelis, versão em CD).

44 Informação obtida, em rápida conversa, no dia 14/08/2007.

45 Entrevista concedida no dia 05/08/2007.

46 Estas informações foram retiradas do portal de relacionamento “Orkut”, no dia 12 de novembro de 2007.

47 Os nomes destas peças teatrais são verídicos, bem como o de seus atores-transformistas. Informações retiradas de papéis de propaganda destas peças, disponíveis em nosso acervo pessoal.

48 A entrevistada Lurdes Vargas, 58 anos, também menciona que o Enigma recebia visitas ilustres, como de atores globais. (11/09/2007).

49 Helio Silva destaca o discurso travesti de que muitos de seus clientes são senhores casados e pais de família, que as procuram muitas vezes para terem, inclusive, relações sexualmente passivas. (Silva, 1993).

50 Estes convites eram colecionados por Juliano de Carvalho que gentilmente doou este material para nosso acervo pessoal.

51 Pesquisador baiano, cujo trecho de sua entrevista foi citado no capítulo anterior.

52 Estes convites encontram-se em anexo.

53 Este convite encontra-se em anexo.

54 Estas informações foram retiradas do site de relacionamentos Orkut. , acesso dia 04/11/2007.

55 Segundo Sérgio Carrara e Júlio Simões, que se baseiam no dicionário Oxford, “queer” tem o significado de “esquisito, estranho”, porém, socialmente este termo equivaleria a um “misto de desonra, perversão e pecado”. (CARRARA; SIMÕES, 2007, p. 77).

56 Miskolci utiliza-se do conceito de “Pânicos Morais” e “Controle Social”, cunhado por Stanley Cohen, nos anos 1960. Percebendo, a partir deste quadro conceitual, como a sociedade reagiu ao perigo eminente, no caso o surgimento da “epidemia” da Aids. (2007, p. 111).

57 Estas enquêtes, cuja análise refere-se ao dia 04/11/2007, estão seguem em anexo. Entretanto, elas ainda não foram encerradas, o que certamente alterará a porcentagem dos votos.

58 OLIVEIRA, André de. “Nos domingos vocês podem”. Contracapa. Jornal do Nuances, Porto Alegre,. v. 6, n. 33, maio .2005.

59 GOLIN, Célio. Conflito no Nova Olaria: A limpeza dos indesejáveis. Página 10. Aconteceu. Jornal do Nuances, Porto Alegre, v. 6, n. 36, jul. 2006.

60 Informações obtidas a partir de visitas ao local, em domingos variados, além das já citadas reportagens do Jornal do Nuances.

61 Discussões pertinentes sobre o corpo e as representações acerca das homossexualidades podem ser obtidas através dos itens “Identidade” e “Cultura GLS” do portal Mix Brasil.

62 Entrevistas de Michelle Vargas, 32 anos e Lurdes Vargas, 58 anos, feitas no dia 11/09/2007.

63 Diário de Campo, 17/06/2007.

64 Do inglês “anfitriã”, no caso a Luana de York é a anfitriã do Blue Space. (Dicionário Michaelis, versão em CD). Ela é a hostess oficial da casa, inclusive, segundo Paulo de Castro, ela possui carteira assinada, isto é, ela é uma empregada do Blue Space. (22/06/2007).

65Sobre esta disputa velada entre Nuances versus Somos, basta ver a linha editorial do Jornal do Nuances e do Grupo Somos, bem como ao fato de Porto Alegre ter tido duas paradas do orgulho gay em 2005, 2006 e em 2007. A do Nuances e seus aliados ocorreu no domingo, 11/11/2007; já a do Somos e outros grupos afinados a ele, que compõe o Fórum LGBT de Porto Alegre realizou-se no domingo posterior, 18/11/2007.Cabe destacar, que neste ano de 2007 as verbas do Governo Federal foram direcionadas ao Fórum LGBT e o Nuances teve que organizar sua tradicional parada com o patrocínio dos espaços GLBT de Porto Alegre, mas sem o apoio do Estado Brasileiro. <www.nuances.com.br>, .

66 Disponível em , acesso em 04/11/2007. Como esta enquête continua na internet, certamente os resultados não serão iguais aos do dia de análise destes dados

67 Disponível em , acesso em 04/11/2007.

68 Convite doado pelo entrevistado Juliano Carvalho, que os colecionava. Atualmente encontra-se no arquivo pessoal do pesquisador.

69 Convite doado pelo entrevistado Juliano Carvalho, que os colecionava. Atualmente encontra-se no arquivo pessoal do pesquisador.

70 Convite doado pelo entrevistado Juliano Carvalho, que os colecionava. Atualmente encontra-se no arquivo pessoal do pesquisador.

71 Postais distribuídos pelo Grupo Nuances em 2004. Acervo pessoal do pesquisador.

No verso se lê: “Perseguida pela Ditadura, a Boate Flower’s era militante da alegria e do prazer. A fotografia inédita mostra carimbo da Censura Federal que autorizava a apresentação do show de Dirnei Messias e Edinho, em 1971”.



72 Postais distribuídos pelo Grupo Nuances em 2004. Acervo pessoal do pesquisador.

73 Acervo pessoal do pesquisador.

74 Acervo pessoal do pesquisador.

75 Acervo pessoal do pesquisador.


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal