Ficha de Informações para Avaliação da espécie Nome Científico



Baixar 25.92 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho25.92 Kb.
Ficha de Informações para Avaliação da espécie

1. Nome Científico (incluindo informações sobre autoria):

2. A espécie é endêmica da Bahia?

( ) Sim ( ) Não ( ) Não se sabe


3. A espécie já foi avaliada anteriormente em nível nacional?

( ) Sim. Qual a categoria em que se encontra e quais os critérios utilizados?

( ) Não.
4. A espécie já foi avaliada anteriormente em nível global?

( ) Sim. Qual a categoria em que se encontra e quais os critérios utilizados?

( ) Não.
5. Sinonímia (caso tenha havido mudança taxonômica nos últimos 5 anos ou se houver sinonímia amplamente utilizada ou discutida/questionada)

6. Nomes Comuns (em português, incluindo variações regionais, e em quaisquer idiomas que forem conhecidos)

7a.Ordem:

b. Família:
8. Taxonomia (notas taxonômicas relevantes)

– Existem limitações taxonômicas relevantes à validação da espécie ?

– Existem revisões taxonômicas que requerem uma reavaliação futura?

9. Biologia (caracterização geral, incluindo caracteres diagnósticos e citogenéticos. Incluir também, se disponível, informações sobre a variabilidade genética da espécie )

10. Distribuição

– Quais os limites de distribuição atual da espécie?

Descreva utilizando estados, municípios, Território de Identidade da Bahia, sistemas fluviais, lagos, etc.

Para táxons marinhos use o nome de estuários, águas territoriais, zonas de pesca, intervalos de profundidade, características oceanográficas, ilhas, etc.

– Os limites da distribuição original são conhecidos? Caso não sejam, existe alguma estimativa? Descreva utilizando estados, municípios, sistemas fluviais, lagos, etc.

– A espécie é conhecido apenas da localidade tipo ou apenas algumas localidades?

– Qual o grau de conhecimento sobre a distribuição da espécie ? É um táxon críptico difícil de coletar? Existem áreas onde a espécie supostamente ocorra ou que necessitem de mais amostragens e pesquisa?

– Há indicações de que a área atual da espécie está reduzida em relação a sua área historicamente conhecida?

- Bahia : detalhamento
11. Elegibilidade para avaliação regional (Bahia):

A espécie é elegível para a avaliação regional?

A população na Bahia representa uma parcela muito pequena da população global (ex: menos de 1%)?

É uma espécie introduzida ou errante?


12. Pontos de ocorrência na Bahia
13. População/Bahia

– Quais dados estão disponíveis sobre a abundância da espécie ao longo da sua distribuição global? (exemplo: rara, comum, incomum, etc.)

– Qual o tamanho populacional conhecido/estimado?

– Quais as informações conhecidas sobre as densidades populacionais? (local, regional ou global).

– A população encontra-se fragmentada? Qual o grau de fragmentação entre subpopulações?

– Para táxons que são recurso pesqueiro: se possível, estimar porcentagem de declínio da população a partir de dados disponíveis em estatísticas de pesca, tais como desembarque e/ou CPUE, ou outros indicadores, tais como diminuição observada no tamanho corporal ou na porcentagem de captura, comércio ou informações de mercado, estatísticas de captura acidental, etc.



14. Estado populacional na Bahia (A população está aumentando, diminuindo, estável ou esta informação é desconhecida?)

( ) Aumentando ( ) Diminuindo ( ) Estável ( ) Desconhecida

– Existem estimativas quantitativas relacionadas ao crescimento ou declínio populacional (ex. redução superior a X% ao longo de X gerações)?

15. Conectividade com estados vizinhos

– Existe aporte de indivíduos de fora da Bahia?

– Qual a contribuição relativa de populações dos estados vizinhos para a manutenção das populações locais?

– Espera-se que essa contribuição aumente/diminua no futuro?

– Existem evidências de aumento/diminuição nos níveis de ameaça fora da Bahia?

– A população do Bahia pode declinar devido a modificações ocorridas em populações de outros estados ou regiões?



16. Habitat e Ecologia (Incluindo longevidade e período reprodutivo)

– Descrever os tipos de habitat onde a espécie ocorre. Para táxons marinhos incluir profundidade relativa (pelágico, bentônico, etc) tipo de substrato (areia, lama, rocha, etc) e qualquer associação específica (recife-dependente, mangue, etc)

– A espécie é restrito a habitats primários?

– A espécie apresenta tolerância a modificações/perturbações no ambiente?

– A espécie muda de habitat ao longo da vida? Existe variação sazonal?

– Existem fatores ecológicos ou biológicos que possam afetar a resiliência da espécie às ameaças (tais como baixa taxa reprodutiva ou características reprodutivas exclusivas)?

– Qual a longevidade, maturidade sexual e senilidade reprodutiva?

– Qual a idade média de reprodução? Se desconhecido, é possível inferir a partir de táxons congenéricos ou relacionados?

– Qual a dieta? (carnívoro, onívoro, frugívoro, insetívoro, etc.)

– Qual o tamanho da área de uso da espécie ? Existem grandes variações no tamanho da área de uso em diferentes biomas (ou outra escala geográfica)?



17. História de Vida (especificar caso sejam dados estimados; indicar se desconhecido; indicar referência do dado)

Idade de maturidade sexual:

Longevidade (anos):

Idade reprodutiva média (em anos) ou tempo geracional:

Modo de reprodução (monogâmico/poligâmico?):

Desova em grupo, par ou agregações?

Sazonalidade/periodicidade reprodutiva (quantos meses por ano):

Parâmetros de mudança de sexo (razão sexual, tamanho, tipo de hermafroditismo):

Tempo de gestação:

Taxa de fecundidade/ Tamanho da prole:

Taxa de crescimento anual da população:

Taxa de mortalidade natural:



18. Ameaças na Bahia

(principais ameaças a espécie, e se conhecida, a gravidade e extensão)

– Quais são as maiores ameaças a espécie, tais como perda de habitat, introdução de espécies, mudanças climáticas, caça, enfermidades, epidemias, etc. Incluir informações sobre a escala (local, regional ou global). Diferenciar as ameaças externas aa espécie (extrínsecas) tais como ações de origem antrópica, perda e fragmentação de hábitat das ameaças (ou limitantes) intrínsecos a biologia da espécie , como depressão por endocruzamento, tamanho populacional naturalmente pequeno, espécie com hábitos solitários, etc.

– Há expectativas de ameaças futuras a espécie ?

– Existem ameaças documentadas apenas em partes da distribuição? Essas ameaças podem ocorrer em outras porções da distribuição?

– É possível quantificar o efeito das ameaças à população?

– Para táxons que são recurso pesqueiro descrever a história da pesca incluindo se a espécie é considerado pesca comercial ou artesanal, se é alvo ou by-catch. Descrever se há colapso da pesca em certas áreas. Se possível descrever ao longo do tempo, o valor de mercado da espécie ; o tipo de apetrecho de pesca ou tecnologia usada; o número de barcos ou permissões; desembarques ou capturas.

19. Ações de Conservação (Incluindo presença em Unidades de Conservação e na legislação nacional e estadual)

– A espécie ocorre em alguma Unidade de Conservação? (listar)

– Existe alguma medida nacional, regional ou internacional para proteção da espécie ?

– Está incluído em listas como CITES, CMS, ou outras convenções?

– A espécie é comercializado? Existem cotas ou limites de captura?

– Alguma medida de conservação é recomendada para a espécie ou habitat?



20. Pesquisa

– A espécie é alvo de estudos ou pesquisa?

– Quais pesquisas estão em andamento envolvendo a espécie? Que aspectos estão sendo avaliados?

– Quais pesquisas são necessárias para a conservação da espécie e do habitat?


21. Utilização

– A espécie é utilizado de outra forma que não tenha sido descrita acima?


22. Referências Bibliográficas (citadas ao longo do texto)




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal