Filadélfia, abre a porta



Baixar 27.39 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho27.39 Kb.
Filadélfia, abre a porta

"A cidade de Istambul testemunhou diversos levantes culturais. Uma considerável quantidade de imperadores gregos, romanos e bizantinos, além de sultões otomanos, deixaram suas marcas naquele lugar. Suas ruas foram percorridas por reis e suas portas se abriram para a entrada triunfal deles. Uma dessas portas, em particular, tem uma importante história para contar. Uma porta mudou o curso da História. Neste capítulo, vamos descobrir como uma porta aberta pode mudar nossa própria história.


Algumas décadas após a crucificação de Cristo, O apóstolo João recebeu um visitante especial na Ilha de Patmos, onde estava exilado. Este visitante era Jesus Cristo ressurreto e glorificado. Você pode ler sobre esse extraordinário encontro no primeiro capítulo do Apocalipse. Cristo queria que João enviasse cartas às sete igrejas ao longo do Mar Egeu, na Ásia Menor. Neste livro, temos analisado essas cartas.
Jesus Cristo, o Chefe da Igreja, o Grande Médico das almas, estava estendendo Seus cuidados a essas congregações. Entre os crentes das sete igrejas, estavam os crentes de um lugar chamado Filadélfia. O Médico dos Médicos tinha um diagnóstico e uma prescrição específicos para o problema que eles estavam enfrentando.
Hoje, pouca coisa resta desta antiga cidade, mas Filadélfia chegou a ser uma metrópole. Localizava-se no sopé do Monte Timolus, a 38 km a sudeste de Sardes, na estrada para Colossos. A cidade foi fundada por Atalo II Filadelfo, de Pérgamo. Ele a batizou de Filadélfia, que quer dizer "amor fraterno", como prova de lealdade a Eumenes II, seu irmão mais velho, que o precedeu como rei de Pérgamo. Este foi um gesto bonito, pois naquela época, parentes da realeza costumavam ser assassinados para evitar batalhas pelo trono.
No ano 17 D.C., um terremoto destruiu Filadélfia. O imperador Tibério a reconstruiu com beleza ainda maior. De fato, por causa de sua beleza, os escritores antigos referiam-se a ela como a "Pequena Atenas".
A mensagem de Jesus Cristo, portanto, chegou a uma enorme cidade romana. Os fiéis cristãos dali não viviam em uma cidadezinha do interior. Estavam cercados por templos, teatros e salões imperiais da Roma pagã. Por isso, estavam tendo um problema, um grande problema de auto-confiança. Sentiam-se intimidados.
Vamos ver a mensagem de Jesus a Filadélfia. Esta é, na verdade, uma das cartas mais encorajadoras dentre as que foram enviadas às sete igrejas da Ásia Menor. Antes, porém, vamos observar o diagnóstico que Jesus, o Médico dos Médicos, nos dá como uma pista do que estava atormentando os crentes em Filadélfia.
"...tens pouca força, entretanto, guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome". (Apocalipse 3:8)
Este é um comentário interessante, não é? "Tens pouca força". Os cristãos de Filadélfia tornaram-se fracos espiritualmente. Preste atenção ao diagnóstico. Os crentes de lá não corriam o risco de se acomodarem ou se corromperem, como a igreja de Tiatira. Não corriam o risco de morte iminente, como a igreja de Sardes. Estas pessoas queriam servir a Deus. Eram cristãos comprometidos. Guardavam a Palavra de Deus e não O tinham negado, mas o Médico dos Médicos percebeu que eles tinham pouca força espiritual e sentiam-se intimidados.
Podemos ver isso mais claramente no próximo verso: "Eis que farei que alguns dos que são da sinagoga de Satanás, desses que a si mesmos se declaram judeus e não são, mas mentem, eis que os farei vir e prostrar-se aos teus pés e conhecer que eu te amei." (verso 9)
Evidentemente havia judeus em Filadélfia, que demonstravam enorme hostilidade em relação à nova fé cristã. Eles achavam que os cristãos eram hereges que negavam a fé dos antepassados. Alguns eram extremamente radicais, descritos na época como a "sinagoga de Satanás". Pelo visto, os cristãos estavam sendo intimidados por eles. Cristo promete que esses fanáticos irão prostrar-se diante dos crentes e serão forçados a reconhecer que a igreja de Filadélfia é amada por Deus.
Este é o quadro que Cristo apresenta diante desses cristãos. Em outras palavras, Ele quer retirá-los de um lugar de fraqueza, de pouca força, para um lugar de confiança, confiança em sua habilidade de ficar firmes, confiança de que a sua fé prevalecerá no final, confiança de que são amados por Deus.
O Mosteiro Ortodoxo de São João, o Teólogo, foi construído em Patmos em 1088, em homenagem ao apóstolo que passou seu período de exílio ali. O próprio mosteiro é uma espécie de ilha dentro dessa ilha. Seus jardins interligados, salões e terraços foram todos construídos dentro de muros altos e espessos. Há um motivo para este estilo altamente fortificado. Navios piratas e embarcações turcas que passavam por aqui, quase sempre ameaçavam atacar. O mosteiro ortodoxo possuía tesouros os quais pretendia manter a salvo. Nele há artigos de valor incalculável, recebidos da realeza. Em sua biblioteca há também diversos antigos manuscritos bíblicos, inclusive um Evangelho de Marcos, do século sexto, escrito em pergaminho púrpuro ou pele de animais novos. Por isso, os monges tinham que lutar contra todos os que tentavam assaltar esse lugar.
É assim que pessoas de fé sentem-se às vezes, até mesmo hoje. Cercadas. Ameaçadas. Uma ilha dentro de uma ilha. É difícil sentir-se confiante quando o mundo cruel ao redor está sempre atacando os seus valores. É difícil sentir-se forte quando se está tão isolado.
O Médico dos Médicos, entretanto, deseja coisas maiores e melhores para nós. Ele quer que sejamos capazes de ultrapassar, com confiança, a nossa ilha defensiva. Ele quer que estejamos seguros em nossa fé e tem uma prescrição para nós. Vamos ver novamente a carta à igreja de Filadélfia. Esta é a mensagem que Ele tem para pessoas que têm "pouca força": "Estas coisas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá: conheço as tuas obras - eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar - que tens pouca força..." (versos 7 e 8)
"Eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta." Esta é a verdade que Jesus quer que Seu povo compreenda. Ele repete. Ele enfatiza. Olhe para a porta aberta.
Sente-se intimidado? - procure uma porta aberta.
Sente-se isolado? - procure uma porta aberta.
Sente-se fraco e desanimado? - procure uma porta aberta.
Mas o que isto significa? Significa: não fique só olhando para o problema. Não fique só olhando para o obstáculo. Não fique só olhando para o inimigo. Deus está criando uma saída em algum lugar. Deus está criando uma solução em algum lugar. Mas você precisa procurá-la. Você não pode apenas ver o que está errado. Você precisa ver o que Deus está fazendo. Às vezes, ficamos tão preocupados com o problema em si que perdemos a solução de Deus quando ela aparece.
Pode parecer que o obstáculo que você está enfrentando seja um imenso muro de pedras à sua frente. Mas, algumas vezes, uma pequena porta aberta pode fazer toda a diferença.
Em 1452, um exército de turcos otomanos navegou até o estreito de Bósforo e sitiou a cidade de Constantinopla. Ela era uma metrópole muito bem protegida. A cidade tinha sido a capital do Império Bizantino e o centro do mundo cristão, por centenas de anos. Havia resistido a vários ataques, mas desta vez, liderados pelo sultão Mehmet, os turcos transpuseram as enormes muralhas. Desta vez eles prevaleceram. A queda de Constantinopla foi um marco na história. A cidade dos concílios da Igreja Cristã, a cidade da Igreja de "Santa Sofia" transformar-se-ia na sede dos sultões, a capital do Império Otomano.
Muitos foram os fatores, que levaram um império a triunfar sobre o outro. Se formos apontar um único acontecimento que mudou o rumo das coisas, foi o momento em que os turcos descobriram uma porta aberta. Cravado nas magníficas muralhas de Constantinopla havia um velho portão chamado Kerkoporta. Ele foi construído na base da muralha, no mesmo nível do piso da vala seca do lado de fora. O Kerkoporta chegou a ser usado como uma saída de emergência. Mas depois que alguém profetizou que um inimigo entraria na cidade através dele, os bizantinos o fecharam. Durante o sítio turco, alguns soldados gregos, que ajudavam a defender Constantinopla, tiveram uma idéia. Decidiram que uma grande ala de tropas poderia rapidamente atravessar esta passagem secreta e atacar de surpresa a ala esquerda dos turcos. Então, os gregos retiraram os tijolos e reabriram o portão, posicionando uma guarda ali. Logo depois, os turcos atacaram outros pontos em torno da cidade. As tropas de Constantinopla tiveram que correr para lá e para cá a fim de repelir os soldados que estavam lançando escadas para subirem as muralhas. Os gregos tiveram que adiar o seu plano de contra-ataque. E se esqueceram de que o portão estava aberto.
Não muito tempo depois, um grupo de soldados turcos estava descendo a vala seca, liderando um ataque. Para surpresa deles, notaram um portão logo abaixo, o Kerkoporta, e viram que estava aberto. Entrando depressa, mataram os guardas. Os turcos passaram a notícia, e logo milhares de soldados entraram na cidade. Constantinopla foi vencida.
Muitos exércitos tentaram transpor as muralhas de Constantinopla ao longo dos séculos. Os bizantinos, lá dentro, tinham menos soldados e armas. Passar de fora para dentro, ultrapassar três muros de defesa, porém, tinha se demonstrado praticamente impossível. Impossível até que alguém descobriu uma pequena porta aberta e todo um império veio abaixo. Toda uma era da História terminou e outra começou.
Esta é a mensagem que Jesus Cristo tem para pessoas que perderam sua confiança, para pessoas cujas forças estão acabando: "Procure a porta aberta". Esta é uma mensagem de encorajamento do Médico dos Médicos, que está fazendo uma promessa para cada um de nós, dizendo que, para todas as situações por que passamos, não importa quão graves, não importa quão desesperadoras, Ele vai abrir uma porta, vai criar uma saída, uma solução.
Apenas procure por ela. Apenas continue procurando por essa porta aberta. É importante perseverar. Ouça o que o Médico dos Médicos diz: "Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro... Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa." (versos 10 e 11)
Jesus promete que sairemos vitoriosos do momento de provação se apenas perseverarmos, se não desistirmos de procurar por essa porta aberta. Jesus está vindo sem demora! Ele está vindo com uma resposta, com uma solução. Não deixe que nada o impeça de ver essa porta aberta. Agarre-se a esta perspectiva. Agarre-se a esta fé no Deus capaz de fazer mais do que podemos pedir ou imaginar, o Deus para quem nada é impossível.
Amigo, eu creio num Deus que abre portas em nossa vida pessoal. Eu creio num Deus que abre portas na História.
Pense na queda de Constantinopla, por exemplo. Essa cidade havia sido o centro do cristianismo durante séculos. Sua catedral, a de "Santa Sofia", era uma das maravilhas do mundo. Quando a cidade caiu e os turcos otomanos a invadiram, deve ter sido o fim do mundo para muitos crentes. Naquele dia, em 1453, muitos devem ter pensado que Deus havia abandonado Seus seguidores cristãos. Pensemos um pouco no que Deus estava fazendo no ano de 1453. O que estava acontecendo no mundo europeu? Nada menos do que a reforma protestante. João Huss, na boêmia e João Wycliffe na Inglaterra já haviam preparado o terreno. Lutero em breve iria começar uma revolução espiritual na Alemanha, que se espalharia por toda a Europa e provocaria um despertar espiritual. Veio a tornar-se um poderoso despertar espiritual, que repercutiu por muitos séculos.
Uma porta foi tragicamente fechada. Outra porta, porém, estava se abrindo na Europa. Uma cidade vinha decaindo espiritualmente há algum tempo e finalmente tombou. Mas em outro lugar, uma reforma estava sendo gerada e mudaria o mundo.
Sim, em toda e qualquer situação, Deus está criando portas abertas.
Permita-me dar outro exemplo. A igreja de Filadélfia, na verdade, representa um período particular na história da igreja, um período de despertar espiritual nos anos de 1700 e 1800. Prensas tipográficas, nessa época, estavam produzindo milhares de bíblias e sociedades missionárias começaram a enviar missionários pelo mundo. Houve um renovado interesse nos livros de Daniel e Apocalipse, um renovado interesse nas profecias da Bíblia. O Espírito tocou o coração das pessoas. Houve uma grande expectativa de que a vinda de Jesus estava próxima.
Tudo isso abriu portas para a proclamação do Evangelho no mundo todo. Em 1844, estudantes da Bíblia em todo o mundo concluíram que Jesus Cristo iria retornar naquele outono. Haviam presenciado uma dramática chuva de meteoritos que lhes parecia ser um sinal do fim do mundo. Na data específica, 22 de outubro, aguardaram com grande expectativa. Muitos abriram mão de todos os seus bens, pois estavam confiantes de que o reino de Cristo iria interromper a história humana.
Entretanto, esperaram o dia inteiro. Esperaram a noite inteira. Em 23 de outubro, caíram em desespero. Tudo havia sido um terrível engano. Muitos desses crentes acharam que Deus os havia abandonado. Afinal de contas, haviam estudado as profecias do Apocalipse com todo cuidado e devoção. Tinham se dedicado tanto! Nada, porém, ocorreu no céu. Cristo não surgiu glorificado e eles se tornaram motivo de piada. Sua confiança foi abalada.
Alguns deles, no entanto, começaram a observar as promessas e profecias da Bíblia, de uma perspectiva diferente. Começaram a buscar uma visão mais ampla e a promessa, no Apocalipse, de uma "porta aberta", lhes chamou a atenção. Estes adventistas, como eram chamados, descobriram lindas verdades sobre o ministério de Cristo no santuário celestial. Entenderam mais claramente como Jesus atua como nosso mediador, nosso Sumo Sacerdote, diante do pai. Isto é o que as profecias, que eles estavam estudando, estavam destacando.
Conseguiram, então, transformar a amarga decepção em uma esperança viva, uma melhor compreensão da obra salvadora de Jesus Cristo. Isto se tornou uma porta aberta para eles.
A igreja de Filadélfia é a igreja da porta aberta. A Bíblia diz que essa igreja tem a chave de Davi. A chave de Davi é a profecia Messiânica dada por Davi a respeito do Messias que viria. Esta chave de Davi também inclui o dia em que o Messias virá pela segunda vez para estabelecer finalmente Seu reino eterno. Deus pôs uma porta aberta diante da igreja em Filadélfia - uma porta que nenhum ser humano poderia fechar. Deus abriu uma porta para a proclamação da mensagem do Segundo Advento e ninguém poderia fechá-la.
Posso afirmar que, neste momento, Cristo está abrindo portas em todo o mundo, abrindo portas para a propagação da mensagem adventista, o evangelho, a boa-nova de que Ele voltará em breve, a boa-nova de que ele é o Senhor de tudo.
Recentemente, tive o privilégio de ver milhares e milhares de pessoas entregarem-se a Cristo, em grandes cidades, em todos os continentes. Fiquei impressionado com a resposta ao chamado do Espírito. É impossível ver isto e deixar de reconhecer que Deus realmente está abrindo portas para o evangelho. Ele cria uma porta aberta espiritual que nada pode deter.
Você se lembra de como Jesus identificou-Se aos crentes em Filadélfia? Ele é Aquele que abre portas. E mais que isso, é Aquele que abre portas que homem nenhum pode fechar! Cristo é mais forte do que qualquer força que possa erguer-se contra nós. Ele derrota o objeto imbatível. Ele derrota a força irresistível. Ninguém pode fechar a porta que Ele abre.
Lázaro ficou fechado em um túmulo durante quatro dias. Uma enorme pedra foi posta na entrada de seu túmulo. Mas Jesus abriu a porta. Lázaro saiu daquele túmulo, vivo. Foi uma porta que ninguém mais poderia abrir e ninguém mais poderia fechar.
Um mendigo, lamentando-se ao lado da estrada, tinha sido cego desde o nascimento. Nunca havia visto a luz do dia, mas Jesus parou e tocou-lhe os olhos. Jesus abriu a porta e um mundo inteiramente novo surgiu para aquele homem. Foi uma porta que ninguém mais podia abrir e ninguém mais podia fechar.
Doze discípulos estavam fechados em uma casa, desesperados com a perda de seu Mestre, temendo por sua vida, sua confiança estava abalada. Mas o Cristo ressurreto lhes apareceu e pediu-lhes que tocassem as feridas que estavam em Suas mãos. Aqueles doze homens saíram confiantes para prestar testemunho do que viram e ouviram, e para provocar uma reviravolta no mundo. Atravessaram uma porta que ninguém mais podia abrir e ninguém mais podia fechar.
Isto é que o Médico dos Médicos faz. Envia-lhe uma mensagem quando você acha que não tem mais forças. Quando a sua confiança se foi. Ele promete abrir uma porta para você, seja qual for a circunstância. E veja que portas Ele abriu! Veja as vidas que Ele tem mudado!
Eu convido você, agora, a depositar a sua fé no Deus da porta aberta. Faça Dele o seu Salvador. Faça Dele o seu Senhor. Não deixe que os problemas da vida acabem com você. Não deixe que os obstáculos dominem o seu pensamento. Esteja certo de que você vai achar a porta aberta de Deus. Esteja certo de que continuará buscando, continuará perseverando, até que você consiga transpor a porta aberta de Deus, a porta que só Cristo pode abrir.
Você gostaria, neste momento, de dizer: "Pai, eu quero ver a porta aberta de Deus em minha vida. Eu quero ver a luz de Deus penetrando minha escuridão. Eu entrego a minha vida a Ti e espero por essa luz, essa porta aberta, neste momento". Você quer dizer isso?


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal