Fitoterapia como terapêutica alternativa e promoçÃo da saúDE



Baixar 16.78 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho16.78 Kb.
FITOTERAPIA COMO TERAPÊUTICA ALTERNATIVA E PROMOÇÃO DA SAÚDE
Caroline Gomes Rocha Silva1

Jorge Luiz Lima da Silva2

Marilda Andrade3



O fato de a enfermagem ser uma profissão que busca o cuidar a partir de uma visão do todo, e que seu exercício é também baseado em alternativas não apenas de cura, mas de prevenção de doenças e manutenção da saúde, incentivou-nos a pesquisar sobre a fitoterapia. O uso de ervas medicinais é uma prática comum observada por enfermeiros de PSF atuantes em zonas rurais.

Fitoterapia significa tratamento através das plantas, e podemos aprender através deste estudo que este tipo de tratamento já era conhecido e praticado pelas antigas civilizações. Entendemos que esta prática, quando recomendada, precisa estar alicerçada no conhecimento e na experiência dos profissionais da saúde.

A cura através da plantas e seus produtos como medicina popular tem resistido às inovações que vem ocorrendo com o passar dos tempos, as ervas têm conseguido sustentar sua importância e a confiança das populações atuais. É importante ressaltar que, mesmo diante dos progressos tecnológicos atuais, existem lugares em que a Fitoterapia representa o único recurso de tratamento, onde também se pode encontrar a comercialização errada dessas plantas, em feiras livres ou em fundos de quintais. (MACIEL; PINTO; VEIGA, 2002).

A organização mundial de saúde (OMS) tem incentivado o uso das terapias naturais, para a população brasileira, em especial aqueles mais carentes e que não têm acesso aos remédios farmacêuticos, por ser a Fitoterapia um tratamento de baixo custo (MICHILES et al. 2000).

Compreendemos que no nosso país, o Brasil, a grande diversidade de plantas favorece o uso dos Fitoterápicos, porém a não divulgação e falta de pesquisas na área, desestimula aqueles que acreditam e querem utilizar a Fitoterapia como método preventivo e curativo.

Medeiros e Cabral (2002), durante o estágio em uma comunidade rural, observaram que as pessoas daquela localidade faziam uso constante de plantas medicinais em crianças. Esta população fazia uso de ervas com indicações familiares e conhecimento popular, porém aparentemente essa terapia não provocava nenhum mal, talvez por que eles usavam muito chá, onde a concentração do principio ativo é baixa. Contudo, era curiosa a forma que estas pessoas utilizavam as plantas, pois não havia preocupação com os cuidados mínimos de higiene.

Durante estudos de abordagens holísticas foram observados por David e Deepak (2001), pessoas com doenças em que os tratamentos naturais eram mais eficazes e provocavam menos efeitos colaterais que qualquer outro tipo de medicamento. Em estudo onde foram examinadas mais de duzentas plantas para problemas de infecção, ficou comprovado que mais de 60% das ervas mostravam atividade eficaz. Dos cento e cinqüenta produtos farmacêuticos mais populares vendidos hoje, mais de oitenta possuem componentes ativos retirados de fontes naturais. Na Europa, os produtos à base de ervas são receitados e classificados como remédios. Contudo, por mais que os medicamentos à base de ervas tenham ingredientes importantes num programa holístico de saúde, não podemos esperar que eles assumam toda responsabilidade da cura, pois as plantas ajudam em especial a nutrir e equilibrar nosso organismo, concomitante a isso devem ser tomadas medidas saudáveis de qualidade de vida.

Em nosso país, as práticas naturais de utilização de ervas estão presentes em todo o nosso território, independente das diferenças das regiões. As ervas têm sido muito utilizadas nos dias atuais, também por questões culturais e econômicas, por ser de baixo custo quando comparados aos remédios alopáticos.

Quando as plantas são utilizadas de forma correta, não apresenta riscos de intoxicação, por terem uma ação lenta e, através de seus elementos naturais, acabam por proteger aqueles que a utilizam frequentemente contra acúmulo de princípio ativo, o que não ocorre com os medicamentos alopáticos, portanto o fitoterápico pode ser conhecida como uma terapia de tratamento suave (RUDDER, 2002).

Podemos então considerar a Fitoterapia como um dos três sistemas terapêuticos estando entre a alopatia, que tem preparos tradicionais industrializados, e a homeopatia, que utiliza produtos elaborados de plantas medicinais. A Fitoterapia tem seu princípio ativo definido de acordo com o preparo da planta, a forma de consumo e dosagem, pois o organismo define através de reações químicas, físicas, psíquicas e sociais. A associação do organismo com o princípio ativo das plantas pode resultar em ações terapêuticas e/ou tóxicas (MEDEIROS; CABRAL, 2002).

Como profissionais da saúde devemos educar a comunidade a utilizar a fototerápicos de forma correta, pois estes contêm princípios ativos com capacidade de oferecer resultados terapêuticos satisfatórios quando empregado corretamente. Destacamos que o uso de plantas medicinais como prática alternativa para o enfermeiro pode contribuir para a saúde dos indivíduos, mas deve ser parte de um sistema completo, para que tenhamos realmente uma população saudável.

T
____________________Fitoterapia como terapêutica alternativa e promoção da saúde

orna-se muito relevante conhecer a cultura da região e as ervas mais utilizadas e as finalidades, orientar sobre medidas de higiene e sobre qualquer alteração sensorial e mal-estar associado ao uso de ervas populares. De acordo com Alvim (1997), já existia desde 1975, no código de Deontologia de Enfermagem um artigo, 8°, que determina como dever do Enfermeiro “respeitar os valores culturas e as crenças religiosas do cliente”. Em 1997, o COFEN através da resolução 197, estabeleceu e reconheceu as terapias alternativas entre elas a fitoterapia, como especialidade e ou qualificação do enfermeiro. Sendo a este profissional permitido ser reconhecido como terapeuta alternativo, desde que, tenha conclusão e aprovação em um curso que seja reconhecido pelo MEC. (TROVO; SILVA; LEÃO, 2003).

Entendemos que o enfermeiro exerce papel fundamental na área da fitoterapia, pois é estabelece contato direto e mais profundo com a população, principalmente em saúde pública tendo oportunidade de educá-la e orientá-la quanto ao uso das plantas que podem ser benéficas ou maléficas, e forma adequada de serem utilizadas. Esse trabalho de educação pode ser realizado em hospital, junto à comunidade, ou Programa da Saúde da Família (PSF).

Muitos são os usuários de plantas medicinais em todo o mundo que acreditam nas poder terapêutico das plantas que foram divulgados durante séculos e, desta forma, a cultura medicinal desperta o interesse de muitos pesquisadores em estudos variados, conduzindo um grande caminho para novas descobertas de medicamentos. (MACIEL e COL, 2002).

Sabemos que a formação do enfermeiro por mais que tenha enfoque predominante de uso de medicamentos alopáticos e aparelhos sofisticados, apresenta um olhar voltado para o holismo e emprego de práticas naturais no cuidado. Cabe ao profissional se aprofundar sobre as práticas populares de promoção da saúde com o uso de ervas e se especializar para melhor atender sua clientela.





REFERÊNCIAS
DAVID; S.M.D; DEEPAK, C.M.D. O guia Deepak Chopra de Ervas. Rio de Janeiro: Arupus, 2001.

MACIEL, M.A.M.; PINTO, A.A; VEIGA, V.F. J. Plantas Medicinais: A necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, v.25, n.03, p. 429-438, 2002.

MICHELIS, M.E.O. et al. Fitoterapia na assistência a gestante: Protocolo para atendimento de enfermagem. Rio de Janeiro: Secretaria do Estado de Saúde, 2000.

MEDEIROS, L.C.M.; CABRAL, I.F. As plantas medicinais e a enfermagem: a arte de assistir, de curar, de cuidar e de transformar os saberes. Rio de Janeiro: Edupi, 2002.

RUDDER, M.C. Guia Compacto das plantas medicinais. São Paulo: Rideel, 2002.

TROVO, M.M.; SILVA, M.J.P; LEÃO, E.R. Terapias alternativas/ complementares no ensino público e privado: Análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Revista Latino – Americana de enfermagem, v. 11, n.4; jul/ago. 2003.


REFERÊNCIA DO TEXTO:
SILVA, C.G.R.; SILVA, J.L.L.; ANDRADE, M. Fitoterapia como terapêutica alternativa e promoção da saúde. Disponível em: . Acessado em: ____/____/_____.

1 Enfermeira, Universidade Estácio de Sá Campos Friburgo, Pós-graduanda em Promoção de Saúde pela UFF/Niterói.

2 Enfermeiro. Mestre em Enfermagem (UNIRIO). Professor Colaborador do Curso de Especialização em Enfermagem e Promoção da Saúde/ UFF. jorgeluizlima@vm.uff.br (orientador).

3 Enfermeira. Doutora em enfermagem. Coordenadora do Curso de Pós-graduação em Enfermagem em Promoção da Saúde EEAAC/UFF (orientadora).



Informe-se em promoção da saúde, v.3, n.2.p.15-17, 2007.





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal