Fontes manuscritas



Baixar 116.01 Kb.
Página1/2
Encontro25.07.2016
Tamanho116.01 Kb.
  1   2
FONTES
Manuscritas
CAMARA MUNICIPAL. 1846-1880. Manuscritos Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

CASA DE DETENÇÃO, 1860, 1882. Manuscritos Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

SALUBRIDADE PUBLICA, 26 ab. 1886; 27 março 1886; 7 set. 1886; 17 set. 1886; 18 set. 1886.

AUTORIDADES ECLESIÁSTICAS, Manuscritos Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano, 1860 – 1877.

FUNDO SECRETARIA DE SEGURANÇA PUBLICA, 1ª Delegacia da Capital, 1864, 1868, 1874, 1886. Manuscritos. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

OBRAS PUBLICAS, n.º s 3, 13, 40, 44 e 48. Manuscritos Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

OBRAS PUBLICAS. Cais, 1869. Manuscritos. Arquivo Público Jordão Emerenciano.

OBRAS PUBLICAS. Petições. N.º 27. Manuscritos. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

OBRAS PUBLICAS. Saneamento, 1871, 1879 e 1880. Manuscritos. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

SALUBRIDADE PUBLICA, n.º 2, 3, 4 e 9. Manuscritos. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano.

TERRENOS DE MARINHA, Petições. Manuscritos. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano. F.42-43, F. 51-53, F. 98-99, F.129-133, F.167, F. 134-166, F. 218-242, F. 248-251.

Impressas:

ACTA da sessão de inauguração da Exposição provincial de Pernambuco em 1872. Recife: Typ. Jornal do Recife. 1872.

COLLECÇÃO das leis do Imperio do Brasil, desde a Independencia 1826 a 1829. Ouro Preto: Typ. Silva, 1830. v. 2.

COLLECÇÃO das leis do Imperio do Brasil de 1824. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1886. pt. 1.

FALLA com que o Exm. Sr. Commendador Henrique Pereira de Lucena abrio a sessão da Assembléa Provincial do 1º de março de 1873. Pernambuco, Typ. M. Figuerôa de F. & Filhos, 1873.

FALLA com que o Exm. Presidente da Provincia conselheiro João José de Oliveira Junqueira abrio a Assembleia Legislativa Provincial de Pernambuco, 1.º de março de 1872. Typ. M. Figueiroa de Faria & Filhos, 1872.

ANNAES da Assemblea Legislativa Provincial de Pernambuco. Anno de 1875. Pernambuco, Typ. Manoel Figueroa de Faria & Filhos, 1875.

COLLECÇÃO de leys, decretos e resoluções da provincia de Pernambuco, tomo 20.

ANNAES da Assemblea Legislativa Provincial de Pernambuco. Anno de 1875. Pernambuco. Typ. Manoel Figueroa de Faria & Filhos, 1875.

RELATORIO que à Assembleia Legislativa Provincial de Pernambuco apresentou no dia da abertura da sessão ordinaria de 1857 o Exmo. Sr. Conselheiro Sergio Teixeira de Macedo, presidente da mesma provincia. Recife: Typ. M. F. de Faria, 1857.

TERMO de contrato que faz o Governo da Provincia com Carlos Luiz Cambrone, 25 setembro 1858. RC-01; CM 40, Doc. 45, 7 abr. 1858.

BIBLIOGRAFIA
Livros

ABRANTES, Jorge; CAETÉ, Francisco Barreto. Bibliografia de Pereira da Costa. Anais pernambucanos. 2. ed. Recife: FUNDARPE, 1985. v. 10, p. DXVII-DLIX.

ALBUQUERQUE, Marcos e LUCENA, Veleda. Arraial Novo do Bom Jesus: consolidando o processo, iniciando um futuro. Recife: Editora Graftorre, 1997.

ALGANTRI, Leila M. O feitor ausente: estudo sobre a escravidão urbana no Rio de Janeiro, 1808-1822. Petrópolis: Vozes, 1988.

ALVES, Gilberto Luiz. O pensamento burguês no Seminário de Olinda: 1800-1836. Ibitinga, SP: Humanidades, 1993.

ALVES, Joaquim. História das secas (séc. XVIII a XIX). 2. Ed. Mossoró: Fundação Guimarães Duque: Escola Superior de Agricultura de Mossoró, 1982 (Coleção Mossoroense, v. 225).

AMARAL, Francisco Pacífico do. Escavações: fatos da história de Pernambuco. Recife: Arquivo Público Estadual, 1974. (1884).

ANDRADE, Manuel Correia de Andrade; FERNANDES, Eliane Moury.(Org.) Atualidade & abolição. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana, 1991.

ANDRADE, Gilberto Osório de. Montebelo, os males e os mascates: contribuição para a história de Pernambuco na segunda metade do século XVII. Recife: UFPE, 1969.

______ Ares e ventos do Recife. Recife: Universidade do Recife, 1952.

______Cólera-morbus: um momento crítico na história da medicina em Pernambuco. 2. ed. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana, 1986. (1. ed. 1952).

ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Guerra e paz: Casa-grande e senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

ARGAN, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ARENDT, Hannah. Da revolução. 2. ed. São Paulo: Ática: Ed. da UnB, 1990.

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990. v. 2.

ARQUIVO PÚBLICO ESTADUAL DE PERNAMBUCO. Um tempo do Recife. Recife: UFPE/Ed. Universitária, 1978.

______Inventário da coleção Pereira da Costa. Recife, 1981.

ARRAIS, Raimundo. Recife, culturas e confrontos. Natal: EDUFRN, 1998.

ASSIS, J. M. Machado de. O diplomático. In: Várias estórias. São Paulo: Ed. Mérito, 1962.

ATLAS histórico-cartográfico do Recife. MENEZES, José Luiz da Mota ( org.) Recife:FUNDAJ/ Massangana, 1988.

AULER, Guilherme. A companhia de operários (1839-1843). Recife: Arquivo Público Estadual: Imprensa Oficial, 1959.

AVE-LALLEMANT, Robert. Viagens pelas províncias da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe (1859). Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1980.

AZEVEDO, Neroaldo Pontes de. Modernismo e regionalismo: os anos 20 em Pernambuco. 2. ed. João Pessoa: UFPB/Ed. Universitária; Recife: UFPE/Ed. Universitária, 1996.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites- século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 20ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BARATA, Alexandre Mansur. Luzes e sombras: a ação da maçonaria brasileira (1870-1910). Campinas: Ed. da Unicamp, 1999.

BARBOSA, Zeferino. Lendas pernambucanas. Revista do IAHGPE, v. 29, n. 135/ 142, p. 37, 1929/1930.

BARLAÉUS, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1980. Ed. fac-similar da edição de 1940. Publicada originalmente em 1647.

BARROS, Souza. A década 20 em Pernambuco. 2. ed. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1985.

BARRETO, Tobias. Crítica de religião. Ed. comemorativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Record; Brasília: INL, 1990.

BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. Cartas do solitário. 4. ed. São Paulo: Ed. Nacional; Brasília: INL, 1975.

BAUMER, Franklin L. O pensamento europeu moderno: séculos XIX e XX. Lisboa: Edições 70, 1990.

BELLAMY, Richard. Liberalismo e sociedade moderna. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1994.

BELUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes. Vol. 3: “A construção da paisagem”. 2ª ed. São Paulo: Metalivros; Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1999. 3 v.

BENÉVOLO, Leonardo. História da arquitetura moderna. 3a. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

BEOZZO, José Oscar (Coord.). História geral da igreja na América Latina. Petrópolis: Vozes, 1992, t. 2, v. 2.

BERGER, Peter L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulus, 1985.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BERNARDES, Denis. Para reler o Recife e suas origens. In: REZENDE, Antonio Paulo (Org.) Recife: que história é essa? Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1987.

BERNARDES, Denis. Recife: o caranguejo e o viaduto. Recife: Ed. Universitária UFPE, 1996.

BETTENCOURT, Gastão de. Os três santos de junho no folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Agir, 1947.

BEVILAQUA, Clóvis. História da Faculdade de Direito do Recife. 2 ed. Brasília: INL, Conselho Federal de Cultura, 1977. 1 ed. 1927.

BIBLIOTHÉQUE universelle des voyages effectués par mer ou par terre dans les diverses parties du monde, depuis les primières découvertes jusqu`a nos jours. Revus ou traduis par M. Albert-Montémont. Paris, Armand-Aubréc Edicteur, 1834, tomo 27.

BOURDIEU,Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil:DIFEL,1989.

BOSCHI, Caio César. Os leigos e o poder. São Paulo: Ática, 1988.

BOSI, Alfredo. A dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A cultura na rua. Campinas: Papirus, 1989.

LE BRÈSIL em 1889 avec une carte de l’empire en chromolitographie des tableaux statistiques, des graphiques et des cartes. Ouvrage publié para les soins du Syndicat du Comité Franco Brésilien pour l”Exposition Universelle de Paris avec la collaboration de nombreux Écrivains de Brèsil. Sous la direction de M. F-J. de Santa-Anna Nery. Paris, Librarie Charles Delagrave, 1889. Esse volume era complementado de outro, intitulado Le Brèsil, par E. Levasseur, membre de l’Institut Professeur au Collège de France et au Conservatoire des Arts et Metiers avec la collaboration de MM de Rio-Branco, Eduardo Prado, d’Ourém, Henri Gorceix, Paul Maury, E. Trouvessart et Yagorowski ( Extrait de Grande Encyclopédie) 2ª ed. Illustré de gravures cartes et graphiques, publié par le Syndicat Franco-Brèsilien pour l”Exposition Universelle de Paris. Paris, H. Lamirault et Cia. ed., 1889.

CALÓGERAS, J. Pandiá. A política exterior do Império. Brasília: Senado Federal, 1998.

CÂMARA, Manuel Arruda da. Obras reunidas. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1982.

CANECA, Joaquim do Amor Divino, Frei. Obras politicas e litterarias. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 1972. (Fac-simile da edição de 1875).

CARNEIRO VILELA, Joaquim Maria. A emparedada da rua Nova. 3. ed. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1984 ( 1. ed. 1886).

______ Innah. Recife: Typ. Diario do Gram Pará, 1879.

______ Monólogos: Secção humoristica d’A Província. 2ª ed. Recife: Casa Editora Empreza d’A Provincia, 1891.

______ Noemmia. 5.º milheiro. Recife: Empreza d’A Provincia, 1894.

______ Phantasias. Contos ao correr da penna, 1864-1873. Recife, Typ. America Illustrada, 1873.

CARVALHO, Alfredo de. Frases e palavras: problemas histórico-etmológicos. 2 ed. facsimilar. Recife: FUNDARPE, 1986. (1 ed. 1906).

______Estudos pernambucanos. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1978, (fac-simile da edição de 1907).

______Horas de leitura. Recife: Liv. Econômica, 1907.

______Biblioteca Exótico-brasileira, N a Z. Ministério da Educação e Cultura. Separata de ANAIS da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, 1964.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro de sombras: a política imperial. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ: Relume Damará, 1996.

CARVALHO, Marcus J. M. de. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo no Recife, 1822-1850. Recife: Ed. Universitária UFPE, 1998.

CARVALHO, Maria Alice Rezende de. Quatro vezes cidade. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1994.

CASAL, Manuel Aires de. Corografia brasílica ou relação histórico-geográfica do reino do Brasil. Belo Horizonte, Ed. Itatiaia; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1976.

CASCUDO, Luiz da Câmara. A religião do povo. João Pessoa: Imprensa Universitária da Paraíba, 1974.

______Superstições e costumes: pesquisas e notas de etnografia brasileira. Rio de Janeiro: Antunes, 1958.

CASTRO, Bernardino Freire de Figueiredo Abreu e. Nossa Senhora dos Guararapes: romance histórico, descriptivo, moral e critico. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1980 (Edição original de 1847). Reprodução fac-similar da edição de 1847.

CASTRO, Iná Elias et al. Explorações geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

CASTRO, Josué de. Fatores de localização da cidade do Recife: um ensaio de Geografia Urbana. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1948.

______A cidade do Recife: ensaio de geografia urbana. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1954.

______Homens e caranguejos. São Paulo: Brasiliense, 1967.

CAVALCANTI, Paulo. Eça de Queirós, agitador do Brasil. 3. ed. Recife: Ed. Guararapes, 1983.

CAVALCANTI, Vanildo Bezerra. Recife do Corpo Santo. Recife: Prefeitura Municipal do Recife, 1977.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

______A cultura no plural. Campinas: Papirus, 1995.

CHACON, Vamireh. O Capibaribe e o Recife: história social e sentimental de um rio. Recife: Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, 1959.

______Gilberto Freyre: uma biografia intelectual. Recife: Ed. Massangana; São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1993.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.



______Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHARBONEL, Charles-Olivier. Historiografia. Lisboa: Teorema, 1981.

CHARLOT, Mônica; MARX, Roland (Org.), Londres, 1851-1901: a era vitoriana ou o triunfo das desigualdades. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Lisboa, DIFEL; Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1990.

CHEVALIER, Louis. Classes laborieuses et classes dangereuses. Paris: Hachete, 1984.

CLAVAL, Paul. A geografia cultural. 2ª ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2001.

CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. Oeiras: Celta Editora, 1993.

CONSTITUIÇÕES primeiras do Arcebipado da Bahia, feitas e ordenadas pelo Illustrissimo e reverendissimo senhor D. Sebastião da Vide, 5º Arcebispo do dito Arcebispado e do Conselho de Sua Magestade. Impressos em lisboa no anno de 1719, e em Coimbra em 1720 com todas as licenças necessarias, e ora reimpressas nessa capital. São Paulo, na Typ. 2 de Dezembro de Antonio Louzada Antunes, 1853.

CORBIN, Alain. Le miasme e la jonquille: l’odorat et l’imaginaire social XVIIIe -XIXe siècles. Paris: Flammarion, 1997.

______O território do vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CORTE REAL, J.B.P. Os dramas do Recife. Recife: Typ. Universal, 1881.

COSTA, F. A. Pereira da. Anais pernambucanos. Recife: FUNDARPE,1984, v. 4-10.

______Arredores do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981.

______Diccionario biographico de pernambucanos celebres. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981. (Fac-simile da edição de 1882).

______Sociedade dos artistas mechanicos e liberaes. Folheto. C.30, 031, APE.

______Vocabulário pernambucano. 2. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, Governo do Estado de Pernambuco, 1976.

______Folk-lore pernambucano. 1. ed. autônoma. Recife: Arquivo Público Estadual, 1974.

COSTA, Cleonir X. de Albuquerque; ACIOLI, Vera Lúcia C. José Mamede Alves Ferreira: sua vida, sua obra. Recife: Arquivo Público Estadual, 1985.

COSTA, João Cruz. Contribuição à História das Idéias no Brasil. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1956.

COSTA, José Césio Regueira. O porto do Recife: roteiro de uma viagem através de sua história. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1992.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. 3. ed. Rio de Janeiro; Graal, 1989.

COSTA LIMA, Luiz. Aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

COUTINHO, Edilberto. Presença poética do Recife: crítica e antologia poética. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio; Recife: FUNDARPE, 1983.

COUTO, Domingos do Loreto. Desagravos do Brasil e glórias de Pernambuco. Ed. Fac-similada. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981.

D’ANDREA, Moema Selma. A tradição re(des)coberta: Gilberto Freyre e a literatura regionalista. Campinas, UNICAMP, 1992.

DAVIS, Nathalie Zemon. Culturas do povo: sociedade e cultura no início da França moderna: oito ensaios. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

DEAN, Warren. A ferro e fogo: a história da devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DELEUZE, Gilles e GUATARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 1997. V. 5.

DELFANTE, Charles. A grande história da cidade: da Mesopotâmia aos Estados Unidos. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. O fardo do homem branco: Southey, historiador do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974.

DIAS, Gonçalves. Poesia e prosa completas: volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

DICCIONARIO de medicina popular e das sciencias accessorias para uso das familias contendo a descripção das causas, symptomas e tratamento das molestias; as receitas para cada molestia; as plantas medicinaes e as alimenticias; as aguas mineraes do Brazil, de Portugal e de outros paizes. E muitos conhecimentos uteis. Sexta edição. Por Pedro Luiz Napoleão Chernoviz. Volume segundo, G-Z. Pariz, A Roger & F. Chernoviz, 1890.

DONGHI, Tulio Halperin. História da América Latina. São Paulo: Círculo do Livro, 1972.

EISENBERG, Peter L. Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco, 1840-1910. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Campinas: UNICAMP, 1977.

______Homens esquecidos: escravos e trabalhadores livres no Brasil - século XVIII e XIX. Campinas: Ed. da Unicamp, 1989.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

EXPOSIÇÃO comemorativa do tricentenário da Restauração Pernambucana. Iconografia do Recife. Século XIX ( Coleção Gilberto Ferrez e outros). Pernambuco: Comissão organizadora e Executiva, 1954.

FARIA, João Roberto. Idéias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 2001.

FERRAZ, Socorro. Liberais & Liberais: guerras civis em Pernambuco no século XIX. Recife: Ed. Universitária UFPE, 1996.

FERREZ, Gilberto. O álbum de Luís Schlappriz: memória de Pernambuco. Álbum para os amigos das artes. 1863. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981;

______Velhas fotografias pernambucanas, 1851-1890. Rio de Janeiro: Campo Visual, 1988.

FLORY, Thomas. Judge and juri in imperial Brazil, 1808-1871. Austin and London: Uiversity of Texas Press, 1981.

FLAUBET, Gustave. Bouvard e Pécuchet. São Paulo: Melhoramentos.

FLORES A MARIA ou o Mez de Maio consagrado à Santissima Virgem Mãe de Deus. Coordenado pelo Pe. Martinho Antonio Pereira da Silva. 4 ed. Braga: Typographia Lusitana, 1872.

FLORESTA, Nísia. Cintilações de uma alma brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC; Florianópolis: Ed. Mulheres, 1997.

FLOS sanctorum ou Historia das vidas de Christo e sua Santissima mãe e dos santos e suas festas pelo padre Diogo do Rosario. Nova edição augmentada com os santos modernos e outros omittidos nas edições anteriores. Lisboa: Typ. Universal de Thomaz Quintino Antunes, 1869, 12 v.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FRAGA FILHO, Walter. Mendigos, moleques e vadios na Bahia do século XIX. São Paulo: HUCITEC; Salvador: EDUFBA, 1996.

FRAGOSO, Danillo. Boulitreau, senhor de engenho francês em Pernambuco. Recife: Museu do Açúcar, 1970.

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: estátuas e bustos, igrejas e prédios, lápides, placas e inscrições históricas do Recife. Recife: Governo do Estado de Pernambuco/SEC, 1977.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocata. São Paulo: Ática, 1974.

FREITAS, João Alfredo de. Algumas palavras sobre o fetichismo religioso e político entre nós. Recife: Ed. J. J. Alves de Albuquerque, 1883.

FREITAS, Marcos Cezar (Org.) Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998.

FREITAS, Octavio de. O clima e a mortalidade da cidade do Recife. Recife: Imprensa Industrial, 1905.



______Medicina e costumes do Recife Antigo. Recife: Imprensa Industrial, 1943.

______Um século de medicina e hygiene no Nordeste. FREYRE, Gilberto. (Org.). Livro do Nordeste. 2ª ed. fac-similar. Recife: Arquivo Público Estadual, 1979.

FREYRE, Francisco de Brito. Nova Lusitania: história da guerra brasílica. 2. ed. fac-similar. Recife: Secretaria da Educação e Cultura, 1977. (1. ed. 1675).

FREYRE, Gilberto. Artigos de jornal. Recife: Mozart, 1935.

______Assombrações do Recife velho. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio; Brasília: INL, 1974.

______Guia prático, histórico e sentimental da cidade do Recife. 3. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1961. (1. ed. 1934).

______Ingleses no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1977.

______(Org.) Livro do Nordeste. Recife: Arquivo Público Estadual, 1979.

______Manifesto regionalista. 6. ed. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1976.

______Mucambos do Nordeste: algumas notas sobre o typo de casa popular mais primitivo do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1937.

______Oliveira Lima, Dom Quixote gordo. 2. ed. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 1970.

______Perfil de Euclides e outros perfis. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1944.

______Sobrados e mucambos. : decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 8. ed. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1990.

______Tempo morto e outros tempos: trechos de um diário de adolescência e primeira mocidade, 1915-1930. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1975.

______Um engenheiro francês no Brasil. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1960, 2 t.

______O velho Félix e suas “memórias de um Cavalcanti”. Ed. fac-similar à edição de 1959. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana, 1989.

GALVÃO, Sebastião V. Diccionario corographico, historico e estatistico de Pernambuco. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional: Imprensa Industrial, 1910.

GAMA, Ayres. Noções de Bellas-Artes. Recife: Typ. Central, 1883.

GAMA, José Bernardo Fernandes. Memórias históricas da província de Pernambuco. Recife: Arquivo Público Estadual, 1977. 2v. (1. ed. 1844).

GAMA, Miguel do Sacramento Lopes. O carapuceiro. Edição Fac-similar. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1983. V. 3.

GARDINER, Patrick. Teorias da História. 3ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1984.

GOMES, Ângela Maria de Castro (Coord). Regionalismo e centralização política. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade: literatura e experiência urbana. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

GOMINHO, Zélia de Oliveira. Veneza americana x mucambópolis: o Estado Novo na cidade do Recife (décadas de 30 e 40). 1997. Dissertação Mestrado em História UFPE, Recife, 1997.

Gonçalves Lima. A cortezã. Pernambuco: Typ. Industrial, 1881.

GOUBERT, Jean-Pierre. La conquête de l’eau. Paris: Pluriel, 1986.

GOUVEIA, Fernando da Cruz. O imperador itinerante. Recife: Governo do Estado de Pernambuco/Secretaria de Educação e Cultura, 1978.

______Oliveira Lima: uma biografia. Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 1976. 3 v.

______Perfil do Tempo. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1990.

GRAHAM, Richard. Grã-Bretanha e o início da modernização no Brasil. 1850-1914. São Paulo: Brasiliense, 1973.

______Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1997.

GUERRA, Flávio. Velhas igrejas e subúrbios históricos. 2. ed. Recife: Fundação Guararapes, 1970.

______Idos do velho açúcar. Recife: Coleção Concórdia, 1966.

______De Friburgo ao Campo das Princesas: nota histórica dos palácios de governo em Pernambuco. Recife: Imprensa Oficial, 1966.

HABERMAS, Jüngen. Mudança estrutural na esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

HAROCHE, Claudine. Da palavra ao gesto. São Paulo: Papirus, 1998.

HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. 3. ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982. t. 3.

HOBSBAWN, Eric J. A era do capital: 1848-1875. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

______Nações e nacionalismo desde 1870. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

______A era dos impérios, 1875-1914. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. (1. ed. 1936).

______Visão do paraíso. 3. ed. São Paulo: Ed. Nacional: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1977.

______; PANTALEÃO, Olga. Franceses, holandeses e ingleses no Brasil quinhentista. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). História geral da civilização brasileira. 5. ed. Rio de Janeiro: DIFEL, 1976. t. 1, v. 1, p. 147-175.

HONORATO, Manoel da Costa. Dicionário topográfico, estatístico e histórico da província de Pernambuco. 2. ed. Recife: Secretaria da Educação e Cultura, 1976. (1. ed. de 1863).

ICONOGRAFIA do Recife: século XIX. Recife: Comissão Organizadora e Executiva, 1954, Exposição comemorativa do Tricentenário da Restauração Pernambucana (Coleção Gilberto Ferrez e outros).

IMITAÇÃO de Cristo. Lisboa: Editorial Verbo, (s/d).

INVENTÁRIO da coleção Pereira da Costa. Recife: Arquivo Público Estadual, 1981.

JUCÁ, Joselice de V. Estudo sobre as companhias urbanas de Pernambuco no século XIX (a companhia do Beberibe, 1853-1875). Ensaios Pernambucanos. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

JUREMA, Aderbal. O sobrado na paisagem recifense. 2. ed. Recife: UFPE, 1971 (1. ed. 1952).

KOSTER, Henry. Viagens ao Nordeste do Brasil. 2. ed. Recife: Secretaria da Educação e Cultura, 1978.

KIDDER, Daniel. Reminiscências de viagens e permanências nas províncias do Norte do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1980.

LAGARDE, A; MICHARD, L. Textes et littérature. XIX e siècle. Paris: Bordas, 1969.

LAMENNAIS, Félicité Robert de. Palavras de um homem de fé. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

LARA, Tiago Adão. Tradicionalismo católico em Pernambuco. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana, 1988.

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: UNICAMP, 1994.

LEITE, Glacyra Lazzari. Pernambuco 1824: a Confederação do Equador. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana, 1989.

LEITE, Miriam L. M. Condição feminina no século XIX. 2. ed. Rio de Janeiro: Hucitec-Edusp, 1993.

LEMOS, Mariano. História geral da literatura pernambucana: antologia dos poetas da Academia (séculos XVI-XX). Recife: Academia Pernambucana de Letras, 1955.

LEVINE, Robert. A velha usina: Pernambuco na federação brasileira, 1889-1937. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

LIMA, J. I. de Abreu e. Sinopse ou dedução cronológica dos fatos mais notáveis da história do Brasil. 2. ed. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1983.

LIMA, Luiz Costa. Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Alves, 1981.

______A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

LIMA, Manuel de Oliveira. Memorias: estas minhas reminiscências... Rio de Janeiro: J. Olympio, 1937.

______Pernambuco, seu desenvolvimento histórico. 2 ed. Recife: SEC, 1975.

LISBOA, Karen M. A nova atlântida de Spix e Martius. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 1997.

LORETO, Galdino. Devaneios litterarios (Diversos escriptos). Recife: Typ. Industrial, 1886.

LUBAMBO, Catia W. Bairro do Recife: entre o Corpo Santo e o Marco Zero. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1991.

LUNA, Padre Lino do Monte Carmello. Memória histórica e biográfica do clero pernambucano. 2. ed. Recife: Governo do Estado de Pernambuco, Secretaria de Educação e Cultura, 1976.

MAGNOLI, Demétrio. O corpo da pátria: imaginação geográfica e política externa no Brasil. São Paulo: Ed. da UNESP: Moderna, 1997.

______; e CARVALHO, Marcus J. M. de. Recife, 1840-1880: políticas públicas e controle social. In: BATISTA, Marta Rossetti Batista; CAMPOS. Márcia Elisa de. (Org.) Cidades Brasileiras II: políticas urbanas e dimensão cultural. São Paulo: IEB: USP, 1999. P. 72-88.

MARSON, Isabel. O engenheiro Vauthier e a modernização de Pernambuco no século XIX: as contradições do Progresso. In: BRESCIANI, Stella (org.). Imagens da cidade: séculos XIX e XX. São Paulo: ANPUH, Marco Zero: FAPESP, 1994.

______O império do progresso: a Revolução Praieira em Pernambuco ( 1842-1855). São Paulo: Brasiliense, 1987.

MARTINHO DE NANTES, padre. Relação de uma missão no Rio São Francisco. 2 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1979.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: Brasília: INL, 1987.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MAURO, Frédéric. Portugal, o Brasil e o Atlântico (1570-1670). Lisboa: Editorial Estampa, 1989. V. 2.

MAX, Murilo. Nosso chão: do sagrado ao profano. São Paulo: EDUSP, 1989.

MELLO, Evaldo Cabral de. Anais pernambucanos. 2. ed. Recife: FUNDARPE, 1983. V. 4, prefácio, p. XXIV.

______Aspectos da descaracterização do Recife. Recife: Grêmio Literário Ruy Barbosa, 1951.

______Canoas do Recife: um estudo de microhistória urbana. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, Recife, v. 50, p. 67-103, 1978.

______O fim das casas-grandes. In: ALENCASTRO, Luis Felipe (Org.). História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

______A fronda dos mazombos: nobres contra mascates Pernambuco, 1666-1715. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

______O Norte agrário e o Império, 1871-1889. 2. ed. Rio de Janeiro: TOPBOOKS, 1999.

______Rubro veio: o imaginário da restauração pernambucana. 2. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

MELO, José Antonio Gonsalves de. O Diário de Pernambuco e a História social do Nordeste (1840-1889). Recife: Diário de Pernambuco, 1975. V. 1.

______Diário de Pernambuco: arte e natureza no 2º Reinado. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana, 1985.

______Apresentação. In: ______ Anais pernambucanos, 2. ed. Recife: FUNDARPE, 1983. v. 3, p. XVI.

______Capunga: crônica de um bairro recifense. In: COSTA, F A Pereira da. Arredores do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981.

______Luís Schlappriz no Recife (1858-1865). Recife: Imprensa Oficial, 1962.



______Tempo dos flamengos. 3. ed. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana: INL, 1987.

______Aditamentos e correções. In: COSTA, F. A. Pereira da. Anais pernambucanos, Recife: FUNDARPE, 1983. V. 6, p. DIX-DXI.

______Diário de Pernambuco: economia e sociedade no 2º Reinado. Recife: Ed. Universitária/UFPE, 1996.

_______Ingleses em Pernambuco: história do cemitério britânico do Recife e da participação de ingleses e outros estrangeiros na vida e na cultura de Pernambuco, no período de 1813 a 1909. Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 1972.

_______A Universidade do Recife e a pesquisa histórica. Recife: Universidade do Recife, 1959.

_______Tempo de Jornal. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Ed. Massangana, 1998.

MELLO, Jeronymo Martiniano Figueira de. Ensaio sobre a estatística civil e política da província de Pernambuco. 2. ed. Recife: Ed. Universitária/UFPE, 1979. (1. ed. 1852).

______Metropolização e subdesenvolvimento: o caso do Recife. Recife: UFPE, 1977.

______ As migrações para o Recife I. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1961.

MELO, Mário. Dentro da História. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1931.

MELO, Virgínia Pernambucano de. Água vai!: história do saneamento em Pernambuco 1537-1837. Recife: COMPESA, 1991.

MENDONÇA, Sônia Regina. O ruralismo brasileiro (1888-1931). São Paulo: Hucitec, 1997.

______Dois monumentos do Recife: São Pedro dos Clérigos e Nossa Senhora da Conceição dos Militares. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1984.

______et al. Águas do Prata: a Companhia do Beberibe. História do saneamento de Pernambuco, 1838 a 1912. Recife: COMPESA, 1991.

______ & RODRIGUES, Maria do Rosário Rosa. Fortificações portuguesas no Nordeste do Brasil, séculos XVII e XVIII. Recife: Pool Editorial, 1986.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MILET, Henrique Augusto. Os Quebra-kilos e a crise da lavoura. 2. ed. São Paulo: Global; Brasília: INL, 1987. (1. ed. 1876).

MORAES, Octavio e Eurydice de. Roteiro do Barão Rodrigues Mendes. Recife: Imprensa Universitária/UFPE, 1967.

MORAIS FILHO, Melo. Festas e tradições populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1979.

MOTA, Carlos Guilherme. Ideologia da cultura brasileira (1933-1974). São Paulo: Ática, 1994.

MOTA, Mauro. BE-A-BÁ de Pernambuco ou apontamentos para uma biografia do Estado. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana, 1991.

MUELLER, Bonifácio. Convento de Santo Antonio do Recife. 1606-1956. 2. ed. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1984.

NABUCO, Joaquim. Campanha abolicionista no Recife. Eleições 1884. 2ª ed. Recife: FUNDAJ/Ed. Massangana, 1988.

______Um estadista do Império. 5 ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997. V. 2.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle Époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

NESTOR, Odilon. Faculdade de Direito do Recife: traços de sua história. 2. ed. Recife: Imprensa Industrial, 1930.

NEVES, Fernanda Ivo. Fontes para o estudo da história do Nordeste. Recife: FUNDARPE, 1986.

ODÁLIA, Nilo. As formas do mesmo: ensaios sobre o pensamento historiográfico de Varnhagen e Oliveira Viana. São Paulo: Unesp, 1997.

OLIVEIRA, Valdemar de. Castro Alves. Recife: UFPE/ Ed. universitária, 1979.

______Mundo submerso. 3. ed. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1985.

ORTIZ, Renato. Românticos e folcloristas. São Paulo: Olho d’Agua, 1991.

OUTTES, Joel. O Recife: gênese do urbanismo, 1927-1943. Recife: Ed. Massangana, Fundação Joaquim Nabuco, 1997.

PARAHYM, Orlando. Traços do Recife, ontem e hoje. Recife/Secretaria de Educação e Cultura, 1978.

PEQUENO Cathecismo Historico, contendo em compendio a Historia Sagrada e a Doutrina Christã, composto em francez pelo Abade Freury e traduzido em portuguez, de ordem do governo Imperial por Joaquim José da Silveira... Rio de Janeiro, Reimpresso na Typ. Nacional, 1856.

PEREIRA, Nilo. Conflitos entre a Igreja e o Estado no Brasil. Recife/Ed. Massangana, 1982.

______Dom Vital e a questão religiosa no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Recife: Arquivo Público Estadual, 1986.

______Ensaios de história regional. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, Editora Universitária, 1972.

PERRUCI, Gadiel. A república das usinas: um ensaio da história social e econômica do Nordeste, 1889-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, p. 279-290. 1995.

PIMENTA, Joaquim. Retalhos do passado. 2a ed. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1949.

PINTO, Estevão. A Associação Comercial de Pernambuco. Edição fac-similar do livro comemorativo do seu primeiro centenário (1839-1939). Recife: ACP, 1987.

______História de uma estrada de ferro do Nordeste. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1949.



______Muxarabis e balcões e outros ensaios. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1958.

______Pernambuco no século XIX. Recife: Imprensa Industrial, 1922.

PIO, Fernando. O convento de Santo Antônio do Recife e as fundações franciscanas em Pernambuco. Recife: Officinas Graphicas do Diário da Manhã S.A. 1939.

______História da matriz da Boa Vista e do seu monumental frontispício. Recife: Imprensa Universitária, 1967.

______Igreja de São Pedro dos Clérigos. Recife: Diretoria de Estatística, Propaganda e Turismo, 1942.

______Imagens, arte sacra e outras histórias. Recife: Museu Franciscano de Arte Sacra, 1977.

______Meu Recife de outrora: crônicas do Recife Antigo. 2. ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1969.

PRADO JUNIOR, Caio. Evolução política do Brasil e outros ensaios. 12. ed. São Paulo: Brasiliense, 1980.

______História econômica do Brasil. 22. ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1977.

PRIORY, Mary Del. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.

QUINTAS, Amaro. Notícias e anúncios de jornal. Recife: Prefeitura Municipal, Departamento de Documentação e Cultura, 1953.

RAMA, Ángel. A cidade das letras. São Paulo: Brasiliense, 1985.

REGO, José Lins. O moleque Ricardo. 20ª ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1995.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

______O cotidiano da morte no Brasil oitocentista. In. ALENCASTRO, Luiz Felipe (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 95-141.

______Sobre a identidade e diversidade étnicas nas irmandades negras no tempo da escravidão. Tempo, Rio de Janeiro, v. 2, n 3, 1997.

RÉMOND, René. O século XIX. São Paulo: Cultrix, 1997.

______(Des)encantos modernos: histórias do Recife na década de vinte. Recife: FUNDARPE, 1997.

______(Org) Recife: que história é essa? Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1987.

REVEL, Jacques. A invenção da sociedade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil: DIFEL, 1989.

RIBEIRO, Márcia Moisés. A ciência nos trópicos: a arte médica no Brasil do século XVIII. São Paulo: HUCITEC, 1997.

ROCHA, Leduar de Assis. Notas sobre um higienista pernambucano do século XIX. Recife: Arquivo Público Estadual, 1955.

colocar?

RIBEIRO, Chagas. Mocambo... romance. Recife: Mozart, 1936.

RIBON, Michel. A arte e a natureza. Campinas: Papirus, 1991.

RIOS, Gilvando S. L. Linhas apagadas. João Pessoa: Ed. Universitária/ UFPB, 1995.

ROCHA, Leduar de Assis. Notas sobre um higienista pernambucano do século XIX. Recife: Arquivo Público Estadual, 1955.

______ Subsídios para a história do Pronto Socorro do Recife. Recife: Editora do Jornal de História de Medicina, 1957.

______ Velhos médicos, velha medicina. Recife, 1953.

______ Médicos, cirurgiões e boticas. Recife, 1941.

RODRIGUES, José Honório. A pesquisa histórica no Brasil: sua evolução e seus problemas. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1952.

RONCAYOLO, Marcel. Cidade. Enciclopédia Einaudi. V. 8. Região. Dir. Ruggiero Romano. Porto: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1986.

SANTIAGO, Diogo Lopes. História da guerra de Pernambuco. Recife: FUNDARPE, 1984.

SANTOS, Milton. Espaço e método. 4a. ed. São Paulo: NOBEL, 1997.

SARMIENTO, Domingo F. Facundo: civilização e barbárie. Petrópolis: Vozes, 1997.

SCHORSKE, Carl. Pensando com a história: indagações na passagem para o modernismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

_______________. Viena Fin-de-Siècle: política e cultura. São Paulo: Companhia das Letras; Campinas: UNICAMP, 1989.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2.000.

SETTE, Mário. Anquinhas e bernardas. São Paulo: Martins, 1940.

______Arruar: história pitoresca do Recife Antigo. 3ª ed. Recife: Departamento de Cultura, 1978.

______ Barcas de vapor: cenas do passado brasileiro. São Paulo: Edições Cultura, 1945.

______ Maxambombas e maracatus. 4ª Ed. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1981.

______ Memórias íntimas: caminhos de um coração. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1980.

______ Onde os avós passaram. Curitiba: Editora Guaíra, 1946.

______ Senhora de engenho. 6ª ed. São Paulo: Melhoramentos, [s/d]. 1ª ed.: 1921.

______Seu Candinho da farmácia.2ª ed. Recife: Fundação de cultura Cidade do Recife, 1984.

______Toque de recolher...: três capítulos de um romance e crônicas. Recife: Imprensa Industrial, 1957.

SEED, Patrícia. Cerimônias de posse na conquista européia do novo mundo (1492-1640). São Paulo: Editora da UNESP, 1999.

SILVA, Antônio de Moraes. Grande dicionário da língua portuguesa. 10 ed. São Paulo: Confluência, 1980.

SILVA, Geraldo Gomes da. Arquitetura de ferro no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Nobel, 1987.

______ O mercado de São José. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1984.

SILVA, Leonardo Dantas.(org.) A Imprensa e a Abolição. Recife: FUNDAJ, Ed. Massangana, 1988.

SILVA, Luiz Geraldo Santos. Canoeiros do Recife: história, cultura e imaginário (1777-1850). In: MALERBA, Jurandir (org.) A velha história: teoria, método e historiografia. Campinas: Papirus, 1996, p.102-119.

SIMMEL, G. Sociologia I: estudios sobre las formas de socialización. Madrid: Alianza, 1986.

SMITH, Robert C. A matriz de Santo Antônio. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1985.

SMITH, Robert. C. Igrejas, casas e móveis: aspectos de arte colonial brasileira. Brasília: MEC, IPHAN; Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 1979.

SINGER, Paul. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. 2ª ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1977.

SOARES, José Carlos de Macedo. Santo Antônio de Lisboa, militar no Brasil. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1942.

SOJA, Edward W. Geografias pós-modernas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

SONTAG, Susan. Ensaios sobre fotografia. Lisboa: Dom Quixote, 1986.

SUAREZ, Maria Teresa Sales de Melo. O Recife se mudou. Estudos de população. VII-Recife. São Paulo: CEBRAP, 1981, p. 82-124.

SOUSA, Alberto. O Classicismo arquitetônico no Recife Imperial. João Pessoa: Editora Universitária, UFPB; Salvador: Fundação João Fagundes da Cunha, 2000.

SOUTO MAIOR, Armando. Quebra-Quilos: lutas sociais no outono do Império. 2 ed. São Paulo: Editora Nacional, 1978.

SOUZA, Laura de Melo e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

SUSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

SZMRECSÁNYI, Tamás e LAPA, José Roberto do. (org.) História econômica da Independência e do Império. São Paulo: Hucitec, Fapesp, ABPHE, 1996.

TAKEYA, Denise Monteiro. Europa, França e Ceará. Natal: UFRN, Editora Universitária; São Paulo: HUCITEC, 1995.

THESOURO da mocidade portugueza ou a moral em ação: escolha de factos memoraveis e anedoctas interessantes, propiras para inspirar o amor á virtude, e para formar o coração e o espiritos... Off. á mocidade portugueza e brasileira, por J-J Roquette. 5ª edição. Pariz: Casa de V.ª J-P Aillaud e C.ª , 1857.

TÁVORA, Franklin. Um casamento no arrabalde: história do tempo e estilo de casa. 5 ed. Rio de Janeiro: Calibán, 1999.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária. V. 2. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______Tradición, revuelta y consciencia de clase. Barcelona: Grijarbo, 1979.

TOLLENARE, L. F. Notas dominicais. Recife: Secretaria Estadual de Cultura, 1978.

TORRES, João Camilo de Oliveira. A democracia coroada. (Teoria Política do Império do Brasil). Rio de Janeiro: J. Olympio, 1957.

______História da Questão Religiosa no Brasil. São Paulo: Grijalbo, 1968.

TURAZZI, Maria Inez. Poses e trejeitos: a fotografia e as exposições universais na era do espetáculo ( 1839-1889). Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

URICOECHEA, Fernando. O minotauro imperial: a burocratização no estado patrimonial brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: DIFEL, 1978.

VALENTE, Valdemar. Antologia pernambucana do folclore. Recife: Fundaj/Ed. Massangana, 1988.

­­______Maria Graham: uma inglesa em Pernambuco nos começos do século XIX. Recife: Imprensa Oficial, 1957.

VASCONCELOS, Sylvana Maria Brandão de. Ventre livre, mãe escrava: a reforma social de 1871 em Pernambuco. Recife: Ed. Universitária, UFPE, 1996.

VASCONCELOS SOBRINHO, J. Vegetação dos mangues na foz do Capibaribe. Boletim da Secretaria de Agricultura, indústria e comércio. Recife, set. 1937.

VEIGA, Gláucio. História das idéias da Faculdade de Direito do Recife. Recife: Ed. Universitária UFPE, 1984, vol. 4.

VERISSIMO DE MELO. Xarias e canguleiros: ensaios de folclore e antropologia social aplicada. Natal: Imprensa Universitária, 1968.

VIANA, Manuel Pereira de Araújo. A coleção de quadros da vida sacra da igreja da Santa Cruz da cidade do Recife. Revista do IAHGP, v. 38, 1943, p. 259-261.

VIANNA, A. J. Barbosa. Recife, capital do estado de Pernambuco. 2ª ed. Recife: Secretaria de Estado de Educação e Cultura/ Departamento de Cultura, 1970 (1ª ed. 1900).

VIEIRA, David Gueiros. O protestantismo, a maçonaria e a questão religiosa no Brasil. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1980.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: uma história de higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

VILHENA, Luiz dos Santos. Recopilação de noticias soteropolitanas e brasilicas. Livro II. Bahia: Imprensa Oficial do Estado, 1921 ( ano de publicação, 1802).

WANDERLEY, Eustórgio. Tipos populares do Recife Antigo.1ª série. Recife: Colégio Moderno, 1953.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade: na história e na literatura. São Paulo: Companhias das Letras, 1989.

WISSENBACH, Maria Cristina Cortez. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros em São Paulo ( 1850-1880). São Paulo: HUCITEC, História Social, USP, 1998.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal