FundaçÃo universidade federal de mato grosso do sul



Baixar 54.62 Kb.
Encontro21.07.2016
Tamanho54.62 Kb.


FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

CÁSSIA REGINA PISARRO BASSO



CONHECIMENTOS DE ESCOLARES EM SAÚDE BUCAL NA ÀREA DE ABRANGÊNCIA DA ESF-ITAQUIRAÍ

ITAQUIRAÍ - MS

2

011




FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

CÁSSIA REGINA PISARRO BASSO



CONHECIMENTOS DE ESCOLARES EM SAÚDE BUCAL NA ÀREA DE ABRANGÊNCIA DA ESF-ITAQUIRAÍ


Projeto de intervenção apresentado à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, como requisito para conclusão do curso de Pós Graduação em nível de especialização em Atenção Básica em Saúde da Família.

Orientador (a): Prof. Ethel Ebiner Eckert

Aluna: Cássia Regina Pisarro Basso

ITAQUIRAÍ - MS

2011

CONHECIMENTOS DE ESCOLARES EM SAÚDE BUCAL NA ÀREA DE ABRANGÊNCIA DA ESF-ITAQUIRAÍ

AUTOR: CÁSSIA REGINA PISARRO BASSO

RESUMO

A educação em saúde bucal assume papel relevante quando se deseja conscientização dos indivíduos.

Objetivo: Avaliar os conhecimentos dos escolares em saúde bucal que participam de um programa educativo preventivo desenvolvido pela equipe de saúde bucal que atua na ESF- Itaquiraí.

Método: A população alvo do estudo foi os escolares da Escola Estadual José Juarez. O instrumento de coleta de dados foi um questionário contendo cinco questões de múltipla escolha.

Resultados: Sobre a transmissibilidade da cárie, 37,5% responderam que a cárie é uma doença; 54,5% escovam os dentes três vezes ao dia;98,5% usam a sua própria escova e pasta dental; 47,5% usam o fio dental para remover os restos alimentares e placa bacteriana entre os dentes; 77,5% a utilidade do flúor para evitar que o dente tenha cárie;

Conclusão : Após a análise dos dados pode se concluir que ainda há necessidade de se enfatizar vários pontos do programa educativo desenvolvido com os escolares do município de Itaquiraí. No entanto o programa de educação em saúde bucal tem cumprido o seu objetivo de transmitir os conhecimentos aos escolares que mostraram um bom nível de informação sobre a saúde bucal.


DESCRITORES

Educação em saúde bucal. Escolares. Programa educativo



Sumário

  1. Introdução 05

1.1 História da odontologia 06,07

  1. Justificativa 08

  2. Objetivo geral 08

  3. Objetivo específico 08

  4. Metodologia 09

  5. Análise dos Dados 09,10,11,12

  6. Conclusão 13

  7. Referências Bibliográficas 14

  8. Anexos 15,16



  1. INTRODUÇÃO

O processo educativo pode promover mudanças na vida dos indivíduos e na realidade de uma sociedade, de modo que é possível fazer com que indivíduos cheguem à vida adulta sem a presença de cárie dentária e de outras doenças bucais.

Os profissionais de saúde e a população devem compreender que a saúde da comunidade depende tanto das ações oferecidas pelo serviço de saúde como também da própria população através de conhecimentos, compreensão, reflexão e adoção das práticas de saúde.

O processo de avaliação se dá através do acompanhamento das ações oferecidas para verificar se os objetivos estão sendo ou não alcançados e se os resultados conseguirão mudar a situação desejada.

A avaliação se torna importantíssima para o fornecimento de dados a serem utilizados para posterior reestruturação do programa de saúde bucal a serem desenvolvidas nas escolas de nosso município.

05

1.1- HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA

A odontologia como as demais ciências da área de saúde, passou por várias etapas durante a sua trajetória. Na idade antiga era praticada em diversas civilizações, fato confirmado em achados arqueológicos.

Os primeiros terapeutas dentais eram médicos, já na idade média os cirurgiões barbeiros europeus se especializavam no tratamento de dentes, mas trabalhavam à custa de tentativas e erros, sendo suas terapêuticas e diagnósticos baseados em rituais mágicos e religiosos.

Partindo da odontologia que era feita no passado, quase que exclusivamente mutiladora e reparadora, juntamente com os novos conhecimentos científicos adquiridos na década de 60, em relação aos fatores causais da doença cárie, ficou claro que a forma como estava sendo concebida a odontologia, não se conseguiria atingir uma boa saúde bucal, e a partir daí começou a surgir no Brasil uma nova forma de se ver a odontologia.

Segundo Maltz & Carvalho:

Os conceitos da odontologia preventiva foram assimilados de forma incorreta, pois dos anos setenta aos oitenta tivemos a odontologia curativa, e o modelo vigente era cirúrgica restaurador.


O uso indiscriminado do selante é uma versão moderna do conceito da necessidade de obliterar sulcos e fissuras para impedir o desenvolvimento de lesão nesta superfície.

Já dos anos oitenta aos noventa tivemos métodos isolados de prevenção em nível individual. Como os dentistas estavam acostumados à passividade dos pacientes passaram a dar prioridade às medidas preventivas voltadas para o atendimento individual, sendo privilegiadas ações como: aplicações tópicas de flúor, aplicação de selantes e profilaxias.

Podemos dizer que dos anos 90 até a presente data, o que se tem visto na odontologia é um lento, mas constante caminhar, no sentido de incorporar o conceito de promoção de saúde em forma de lidar com a saúde bucal. Entendemos como promoção de saúde um processo que atua na melhoria da qualidade de vida e saúde, tornando viável o programa coletivo desenvolvidos na idade escolar.

06

Assim, o processo de educação para saúde tem o papel de conscientizar os indivíduos sobre as causas do aparecimento das doenças, estimulando-os a mudanças que levem às conquistas dos resultados propostos.



Moimaz , afirma que:

A educação em saúde bucal tem papel relevante na prevenção dos problemas bucais, pois leva o indivíduo a ter consciência das doenças que podem acometer a boca e das medidas preventivas para sua prevenção.

Nos últimos anos, devido a pouca informação dos escolares em relação à saúde bucal, tornou-se fundamental o papel da educação, conscientizando os adolescentes para a prevenção dos problemas bucais.

Segundo Ramos:

A transmissão de conhecimentos sobre hábitos de higiene e alimentares é fator importante na prevenção de doenças bucais, como a cárie e doença periodontal. Nesse sentido, é essencial a elaboração de programas que visem á educação em saúde e promoção de saúde.

Para tanto, a avaliação da aprendizagem se torna uma atividade importantíssima para o fornecimento de dados a serem utilizados para posterior reestruturação dos programas de saúde bucal propostos.

Uma forma de se avaliarem os programas desenvolvidos nas escolas é através da verificação do conhecimento adquirido pelos participantes no decorrer do processo educacional.

07


  1. JUSTIFICATIVA

O baixo conhecimento teórico prático dos níveis de informação dos escolares gera serias conseqüências frente à saúde bucal, reflexo este encontrado no número de doenças bucais como a cárie dentária, gengivite, periodontite entre outras.

A educação é a base para solucionar os problemas de saúde geral e bucal, devido a pouca informação da população; tornou-se fundamental o papel da educação, conscientizando o indivíduo para a prevenção dos problemas bucais.

Visando isto, a idade escolar é um período propício para o trabalho de motivação, pois conseguem desenvolver as relações causa/efeito, contribuindo para o reconhecimento da importância da prevenção.


  1. OBJETIVO GERAL

Avaliar os hábitos e conhecimento de escolares que participam de um programa educativo preventivo preconizado pelo Ministério de Saúde e desenvolvido pelo ESF - Itaquiraí.

  1. OBJETIVO ESPECÍFICO

- Estabelecer a eficácia dos programas educativos preconizados pelo Ministério de Saúde.

- Conhecer o cuidado que os adolescentes dispensam em relação a sua saúde bucal.

- Identificar os índices de aprendizagem dos alunos avaliados.

08


  1. METODOLOGIA

A amostra será feito em 200 alunos de ambos os sexos, regularmente matriculados na Escola Estadual José Juarez no município de Itaquiraí, Mato Grosso do Sul, com faixa etária de 10 a 16 anos. O critério necessário para participar do estudo será que o aluno já tenha recebido orientação sobre higiene bucal. O programa de educação em saúde bucal desenvolvido é o preconizado pelo Ministério da Saúde, sendo que todo o material lúdico e educativo utilizado como histórias, fantoches, slides, DVD são confeccionados pelos Agentes Comunitários de Saúde da área de abrangência.

Para avaliar se houve diferença em relação aos conhecimentos adquiridos será aplicado um questionário sobre conhecimentos de higiene bucal, contendo cinco questões de múltipla escolha. Os questionários serão aplicados pela responsável durante o horário regular de alua e recolhidos posteriormente ao preenchimento, com breves explicações sobre as questões a serem respondidas.

Os dados serão digitados, processados e analisados.


6. ANÁLISES DOS DADOS
A pesquisa sobre avaliação de hábitos e conhecimentos de escolares em saúde bucal abrangentes na área da estratégia saúde da família Itaquiraí, envolveu questões de múltipla escolha, cujos resultados estão descritos abaixo:

Os resultados obtidos em relação à pergunta “O que é cárie dentária?”, foram os seguintes: 27,5% responderam que” não é doença”, 37,5% que “é doença, mas não são transmitida”, 23% que “é doença e é transmitida”, 12% “não sei”.

09


Os resultados obtidos em relação à pergunta “sobre a freqüência de escovação”, os resultados obtidos foram os seguintes: 5% responderam escovam uma vez ao dia, 25,5% responderam que escovam duas vezes ao dia, 54,5% responderam que escovam três vezes ao dia, 10% responderam que escovam quatro vezes ao dia e 5% escovam quatro vezes ou mais.

10

Os resultados obtidos em relação à pergunta sobre “o que usar para escovar os dentes”, são os seguintes: 0,5% escovam com a escova de alguém da família, 0,5% escovam com a pasta e escova de alguém da família, 98,5% usam sua própria escova e pasta, 0,55% sua própria escova e sem pasta.



Os resultados obtidos em relação à pergunta sobre “o uso do fio dental”, são os seguintes 2,55%usam o fio dental somente para limpar os dentes do fundo, 2% usam somente para limpar os dentes da frente, 33,5% usam somente para remover restos de alimentos entre os dentes, 47,5% usam para remover restos de alimentos e placa bacteriana entre os dentes, 14,5% não usam o fio dental.

11

Os resultados obtidos em relação a pergunta sobre “ a utilidade do flúor” são os seguintes; 19% acham que o flúor serve para deixar o dente mais branco, 3% acham que servem para impedir o sangramento da gengiva, 77,5% que serve para evitar que o dente tenha cárie, 0,55% acham que não é importante para os dentes.


12

7. CONCLUSÃO

Frente aos resultados obtidos, conclui-se numa primeira avaliação que o trabalho desenvolvido com os escolares tem mostrado resultados significativos em relação ao conhecimento da saúde bucal.

Entretanto, confirma-se a necessidade dos cirurgiões dentistas estarem cada vez mais incentivando a promoção e a prevenção a saúde bucal em todos os níveis de atenção de acordo com os princípios do sistema único de saúde.

13

8.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Pereira AA, Sundefeld MLMM, Arcieri RM, Garbin CAS, MIomaz SAS, Saliba NA, Avaliaçao do programa de educação em saúde bucal da Faculdade de Odontologia de Araçatuba. Ver. Paul Odontol. 2005; 27 (3):28-31.


MALTZ, M.; CARVALHO, J. Tratamento da doença cárie. In: KRIGER, L. (Org.). Promoção de saúde bucal. São Paulo: Artes Médicas, 1997.p.95-111.
Moimaz SAS Saliba NA, Saliba O. Vieira SMM. Saúde bucal e a professora de 1°grau RGO- Ver Gaúcha Odontol. 1992 ;40(4):295-7.
Moraes N, Bijela VT. Educação Odontológica do paciente. Ver. Assoc. Paul Cir. Dent. 1982; 36 (3):300-7
Petry PC, Pretto SM. Educação e motivação em saúde bucal. In Kriger L;ABOPREV . Promoção de saúde bucal, São Paulo. Artes Médicas; 1997.p.363-70.
Ramos AR, RibeiroLP, Tura LFR, Souza IP, Magnanini M, GUITTMANN r. Percepção e práticas de saúde bucal de escolares de primeiro grau no município do Rio de Janeiro. Ação Coletiva. 1992;2 (4):37-9.
Gil CRR Avaliação em saúde. Ver Olho Mágico 1999;5 (19):27.
Dinelli W, Corono SAM, Sasso YPN. Campanhas de prevenção e motivação em odontologia, novos caminhos. Odonto 2000.1998; 2 (1): 8-13.
Silva Rc. Saúde bucal em escolares do Acre RGO – Rev. Gaúcha Odontológica. 1993;41 (2): 110-2.

14

ANEXOS



Questionário para levantamento de dados

01 - Cárie dentária:

( ) não é doença

( ) é doença mas não é transmitida

( ) é doença e é transmitida

( ) não sei


02 - Quantas vezes por dia você escova os dentes?

( ) uma vez

( ) duas vezes

( ) três vezes

( )quatro vezes

( ) mais de quatro vezes


03 - O que você usa para escovar os dentes?

( ) somente a escova de alguém da família

( ) a escova de alguém da família e pasta

( ) sua própria escova e pasta

( ) sua própria escova e sem pasta

( ) não escova


04 - Para que você usa fio dental?

( ) somente para limpar os dentes do fundo

( ) somente para limpar os dentes da frente

( ) somente para remover restos de alimentos entre os dentes

( )para remover restos de alimentos e placa bacteriana entre os dentes

( ) não uso fio dental


15

05 - Utilidades do flúor



( ) deixar o dente mais branco

( ) impedir o sangramento da gengiva

( )evitar que o dente tenha cárie

( ) não é importante para os dentes



16


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal