Gabarito dos exercícios história – 3ºem módulo 14 capítulo 1



Baixar 20.41 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho20.41 Kb.
GABARITO DOS EXERCÍCIOS

HISTÓRIA – 3ºEM

MÓDULO 14
CAPÍTULO 1
EXERCÍCIOS DOS CONCEITOS

1. Os fatores foram: os conflitos mundiais, que fortaleceram os povos africanos e asiáticos, o sentimento de alteridade e acirraram a percepção de que eram explorados pelos colonizadores europeus, tornando possível a formação de uma consciência nacional; a criação da ONU, que previa o direito à autodeterminação dos povos; a formação de elites coloniais, que dispunham de meios para lutar contra as metrópoles européias e difundir os movimentos nacionalistas e o contexto da Guerra Fria, com o enfraquecimento das potências coloniais européias e a emergência dos novos pólos de poder – EUA e URSS.


2. O pan-africanismo defendia a luta contra o colonizador na África subsaariana. Contribuiu para isso a difusão da ideia da negritude, ou seja, a valorização do negro e de sua história, com o fim da discriminação racial. Já o pan-arabismo contribuiu para a luta pela independência nas regiões de cultura árabe e religião muçulmana, no norte da África. Esse movimento propunha também uma aproximação com os países árabes-muçulmanos do oriente Médio.
3. O processo de descolonização contou com a ação de alguns grupos nacionalistas e radicais, que, influenciados pelas ideias socialistas, defendiam não só a independência, mas também uma revolução social. Também houve a atuação de uma elite que, interessada em garantir seus privilégios nessas regiões, realizou acordos econômicos políticos com o país colonizador, sem a defesa de uma transformação social radical. Alguns países europeus defenderam a descolonização progressiva, e até mesmo a integração dos povos colonizados.
RETOMADA DOS CONCEITOS:

1. D


2. D

3. C


4. C

5. B


6. 27 (1 + 2 + 8 + 16)

7. E


8. 13 (1 + 4 + 8)
CAPÍTULO 2:

EXERCÍCIOS DOS CONCEITOS


1. Com a rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial, as tropas japonesas abandonaram a China. Então, a guerra civil chinesa foi reiniciada, pois ambos os partidos (Kuomintang e PCC) haviam se livrado de um inimigo comum.
2. A Longa Marcha foi o episódio no qual cerca de cem mil comunistas liderados por Mao Tsé-Tung, retiraram-se da região de Kiangsi, onde estavam refugiados contra os ataques do Kuomintang, e rumaram para Yenan, na província de Shensi. Durante o trajeto travaram inúmeros combates. Ao fim, cerca de trinta mil sobreviventes haviam atravessado onze províncias e percorrido cerca de 12.500 quilômetros.
3. A Coreia do Norte, comunista, manteve uma aliança com os chineses e russos. Acentuou-se sua dependência da URSS, que abastecia o país de produtos industrializados e armamentos. O governo norte-coreano desenvolveu uma política militarista e armamentista, o que incluía um programa nuclear, tendo os recursos do país se concentrado nessa área; isso fez a produção agrícola diminuir, ocasionando o empobrecimento da população. Por outro lado, promoveram-se importantes conquistas sociais, como a erradicação do analfabetismo e a melhoria do sistema de saúde. Hoje, a Coreia do norte ensaia uma aproximação com os seus vizinhos do sul.
4. O paralelo 38º é uma linha imaginária que, na Segunda Guerra Mundial, defendia os limites de atuação das tropas soviéticas e norte-americanas na Coreia. Atualmente ele estabelece a fronteira entre a República da Coreia do Sul, apoiada pelos EUA, e a República Popular Democrática da Coreia do norte, sob a tutela dos soviéticos.
RETOMADA DOS CONCEITOS

1. E


2. D

3. A Revolução Chinesa foi responsável pelo nascimento de um país socialista na Ásia, episódio significativo para o movimento socialista mundial. A partir de então, a China serviria como um novo modelo de revolução socialista, realizado pelo trabalhador camponês no lugar o trabalhador urbano, ao mesmo tempo que conseguiria manter sua autonomia com relação à URSS. Vale lembrar também que o apoio chinês foi um importante fator de propulsão para os movimentos de descolonização na Indochina.

4. C

5. A


6. C

7. B


8. Chiang Kai-Chek, do Kuomintang, fugiu para a ilha de formosa e deu origem à China nacionalista (capitalista). Enquanto isso a República Popular da China (no continente) liderada por Mao, adotou o socialismo.

9. D


10. A

CAPÍTULO 3

EXERCÍCIOS DOS CONCEITOS:


1. A península da Indochina foi colonizada pelos franceses. Em 1939, o dirigente comunista Ho Chi Mihn criou a liga da independência (Vietmihn) para lutar contra o colonialismo francês. No ano seguinte, porém, os japoneses ocuparam a região, e o Vietmihn organizou guerrilhas contra o novo invasor. Após a derrota japonesa na Segunda Guerra Mundial, França e Vietmihn passaram a lutar pelo controle do país. Começou, então, a Guerra da Indochina, encerrada somente em 1954, com a derrota da França. No mesmo ano, um acordo impôs a retirada das tropas francesas, a divisão do Vietnã e dois países e a criação do Laos e Caboja.
2. A desobediência civil defendida por Gandhi baseava-se na não-violência. Seus métodos de protesto contra a metrópole incluíam jejuns, greves e boicotes aos produtos ingleses.
3. Em 1999, representantes de Portugal (antigo colonizador da região) e da Indonésia, com a mediação da ONU e dos EUA, determinaram a realização de uma consulta popular. No plebiscito, 78,5% dos timorenses votaram pela independência. O resultado gerou conflitos com grupos paramilitares contrários à independência. Porém, a resistência timorense, com apoio internacional, forçou a rendição desses grupos. Em 2002, o ex-líder guerrilheiro Xanana Gusmão foi declarado oficialmente o vencedor das primeiras eleições presidenciais do país.
4. Os EUA usaram desfolhantes para arrasar a cobertura vegetal, impedindo que o adversário se camuflasse, e para destruir as colheitas, de modo a matar de fome a população e os combatentes. A principal conseqüência foi uma catástrofe sanitária e ambiental. Os norte- americanos usaram o agente laranja, produto químico que se degrada lentamente e se integra à cadeia alimentar. Seus efeitos persistem no ambiente e causam mortes, doenças e malformações no nascimento. Além disso, tornam o solo impraticável para a agricultura.
RETOMADA DOS CONCEITOS:

1. A


2. D

3. A


4. D

5. A


6. D

7. A


8. D
CAPÍTULO 4:

EXERCÍCIOS DOS CONCEITOS:


1. As duas grandes potências mundiais, EUA e URSS, disputavam áreas de influência no planeta. Na luta pela independência de Angola, interessava a cada uma delas, que o governo formado se alinhasse ao seu bloco econômico. Por isso, os EUA apoiavam a FNLA e a UNITA, por intermédio da África do Sul, enquanto a União Soviética apoiava o MPLA, por intermédio de Cuba.
2. O presidente Charles de Gaulle prometeu que os habitantes das colônias teriam o direito de decidir se seu país faria parte da Comunidade Francesa. De Gaulle sabia que os ingresso dos países nessa aliança favorecia a continuidade dos negócios franceses na região. Por outro lado, isso permitiu que a emancipação dessas colônias ocorresse de modo negociado, sem os confrontos armados que marcaram, por exemplo, a independência da Argélia. Foi assim que, em 1960, novos países se construíram: Camarões, Madagascar, Costa do marfim, Senegal, Mali, Gabão e outros. A maioria deles permaneceu á Comunidade Francesa.
3. O apartheid era uma política de segregação racial que impedia o acesso dos negros à propriedade da terra e à participação política. Eles também eram obrigados a viver em zonas residenciais separadas das dos brancos. Além disso, os casamentos e as relações sexuais entre brancos e negros tornaram-se ilegais.
4. Os movimentos de independência tiveram de lidar com as divisões territoriais arbitrárias e implantadas pelos colonizadores. Em muitos casos, grupos étnicos rivais passaram a conviver no mesmo país. Na maior parte dos países, as fronteiras fixadas pelos europeus foram preservadas. Isso resultou em diversos conflitos étnicos após as independências.
RETOMADA DOS CONCEITOS.

1. C


2. B

3. D


4. E

5. B


6. D

7. C
EXERCÍCIOS DE INTEGRAÇÃO


1. a) O Vietnã, antiga colônia francesa, tornou-se independente depois de uma revolução que dividiu o país. O norte tornou-se comunista, e o sul um Estado ditatorial apoiado pelos EUA. A intervenção norte-americana na região tinha por objetivo impedir que o país fosse reunificado sob um regime comunista. No contexto da Guerra Fria, essa ação tinha como objetivo evitar o crescimento da influência soviética na região.

b) A violência da guerra, o desrespeito ao direito de autodeterminação dos povos e a morte de soldados norte-americanos colocaram a opinião pública contra o governo dos EUA. Esses fatores levaram o presidente Richard Nixon a abandonar a política intervencionista no Vietnã em meados da década de 1970.

2. A
3. O objetivo dos países participantes era reafirmar seu direito à autodeterminação e ao autogoverno. Essas nações decidiram não se alinhar nem ao bloco capitalista nem ao bloco comunista, durante a Guerra Fria.

4. 31 (1 + 2 + 4 + 8 + 16)



5. C
LEITURA VISUAL
a) Durante a descolonização, a África tornou-se foco de tensões e disputas políticas entre grupos financiados por EUA e URSS. As duas potencias, em vez de zelar pela autodeterminação desses povos e pelo desenvolvimento político, social e econômico da região, buscaram garantir seus próprios interesses.
b) Não. As fronteiras políticas não levaram em consideração as divisões étnicas, porque foram estabelecidas tendo em vista apenas os interesses das metrópoles européias. Isso provocou sérios conflitos étnicos, como em Ruanda.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal