Gabriel Francisco Cândido Xavier & Elias Barbosa Gabriel Casemiro Espejo (Espírito) Índice



Baixar 257.22 Kb.
Página1/5
Encontro06.08.2016
Tamanho257.22 Kb.
  1   2   3   4   5






Gabriel
Francisco Cândido Xavier &

Elias Barbosa


Gabriel Casemiro Espejo (Espírito)

Índice
Gabriel ................................................................................................................ 03

Introdução .......................................................................................................... 04

01 - Chorar, Sim, mas de alegria ....................................................................... 10

02 - Paciência e Coragem .................................................................................. 13

03 - Recado Filial ............................................................................................... 20

04 - “Jamais nos separaremos” ........................................................................... 21

05 - Preciosa vivência no curso do Amor ao Próximo ....................................... 24

06 - Contabilidade da Divina Providência ......................................................... 27

07 - Unidos na fé e no pensamento, no ideal e no trabalho ............................... 33

08 - Nossas lutas e tribulações redentoras ......................................................... 35

09 - “O tempo ficou inalterável em meu coração” ............................................. 38

10 - Os corações que amam jamais se desesperam ............................................ 41

11 - Rosa de luz nos espinhos da sombra ........................................................... 47

12 - Ante o reencontro da vida maior ................................................................. 49
Gabriel

Emmanuel
São muitos os leitores que nos solicitam seja organizado um volume com os testemunhos evidentes da sobrevivência de algum jovem desencarnado, no qual seja ele o depoente único das próprias impressões, além da morte.
* - *
Que se explique, de tal modo, que não deixe dúvidas quanto à presença dele nos textos enviados do Mais além.

Que seja identificado pelos familiares.

Que haja partido da Terra, enriquecido pelos conhecimentos da vida, no Plano Físico, e no Plano Espiritual.

Que forneça as notícias possíveis do que sentiu, viu e ouviu, nos seus primeiros dias na Vida maior.

Que haja deixado companheiros que lhe atestem a passagem na cidade em que residiu e na qual encontrou a desencarnação.

Que possa algo dizer das vantagens dos conhecimentos de ordem superior que transportou consigo, da experiência terrestre para a Espiritualidade.


* - *
Neste livro, encontramos a resposta aos pedidos a que nos reportamos.
* - *
O jovem Gabriel Casemiro Espejo, desencarnado na cidade de Campinas, Estado de São Paulo, em 27 de junho de 1974, com os seus expressivos comunicados mediúnicos, apresentados e analisados pelo nosso companheiro Elias Barbosa, que lhe estuda a personalidade, neste volume, é um amigo que atende aos requisitos indicados.
* - *
Aqui tens, desse modo, leitor amigo, o mensageiro que te trazemos ao apreço e à consideração. E que as palavras dele, expressando verdade e amor, consigam fixar-se em nosso coração e em nossa memória por autênticos reflexos dos ensinamentos de Jesus Cristo, Nosso Divino Mestre e Senhor, são os nossos votos.
Emmanuel

Uberaba, 27 de junho de 1982.



Introdução
Quando o médium Chico Xavier nos autorizou a organizar um volume com as mensagens de Gabrielzinho, um Espírito amadurecido na Filosofia em geral e na espírita em particular, de imediato não percebemos que tantas ilações viríamos a tirar das aludidas páginas.

Mais se nos acentuou a ansiedade ante o novo plano da tarefa a ser empreendida, quando o confrade Dr. Carlos Adalberto de Carvalho Dias, a 6 de agosto de 1978, passou-nos às mãos a primeira pasta contendo o excelente documentário sobre Gabrielzinho, organizada pelo seu genitor, Sr. Gabriel Espejo Martinez, obra-prima de meticulosidade e senso prático.

Dois dias depois, por telefone, Sr. Gabriel informou-nos que dentro de alguns meses nos enviaria uma segunda pasta com novo material sobre o filho desencarnado.

Com efeito, a 1º de fevereiro de 1979, recebemos essa segunda e farta documentação, e, para nossa alegria pessoal e de nossa família, tivemos a grata surpresa da visita do Sr. Gabriel e de sua Esposa, Sra. Irene, em nossa residência, sete dias depois, numa quinta feira.

Em seguida, recebemos correspondência acompanhando o opúsculo Chico Xavier no Bicentenário de Campinas (1), e, finalmente, a atenciosa carta de 17-03-79, que veio com a sexta mensagem de Gabrielzinho, recebida pelo médium Xavier, sete dias antes.

A partir daí, não mais nos comunicamos verbalmente com o Sr. Gabriel, a não ser, recentemente, antes de concluir o presente trabalho, ocasião em que aproveitamos para agradecer-lhe pela discrição e paciência com que nos esperou na organização desse volume.


***
Gabriel Casemiro Espejo, filho único do Sr. Gabriel Espejo Martinez e de D. Irene Casemiro Espejo Martinez, nasceu no dia 20 de novembro de 1948, e desencarnou às 17,00 horas de 27 de junho de 1974, em Campinas, vitimado por meningite meningocócica.

Façamos nossas as palavras do Sr. Gabriel, nesta Introdução, servindo-nos dos apontamentos a que ele deu o título de “Notícias e recados que confortam”.

Depois de afirmar que esses recados são recebidos à maneira de bálsamo que tranqüiliza, ante a perplexidade e a dor reinantes nos corações em angústia, consolando e auxiliando na busca de novos rumos, face às inevitáveis transformações que se lhes são impostas, assim prossegue o Sr. Pai de gabrielzinho:
“Através da psicografia de Chico Xavier, diversos recados e notícias nos foram transmitidos, graças aos bons amigos da Espiritualidade Maior, que sempre atenderam nossos pedidos em ocasiões difícies e de extrema necessidade”.
Em 20-09-1974 ― Primeiro contato com Chico Xavier, em Uberaba, Minas Gerais:

Filhos, Jesus nos abençoe.



O filho querido permanece sob os cuidados de amigos queridos da Vida maior.

Auxiliemo-lo com as nossas melhores vibrações de conformidade e de amor.

Jesus nos abençoe.”
* - *

Em 01-11-1974:

Filhos, Jesus nos abençoe.

O filho querido está em paz e quanto possível tem procurado tranquilizá-los e auxiliá-los.

Ele tem prestado a melhor cooperação de que se pode incumbir, junto ao núcleo de nossos irmãos em campinas

Quanto a comunicar-se mais pormenorizadamente, através da psicografia, esperemos possa ele dispor em seu campo emotivo dos recursos de que ainda necessita.

Confiemos no amparo de Jesus, Hoje e Sempre.

Bezerra.”
* - *
Em 02-11-1974:

Notícia contida na mensagem enviada pelo jovem Augusto Cezar Netto, à sua mãe D. Yolanda Cezar:

O Cristiano e o Gabriel estão realmente aqui, lembrando pássaros ansiosos de pouso.

Pouso no coração dos pais, que é sempre para nós um ninho de socorro infalível.

Entretanto, não puderam reorganizar forças e enfileirar pensamentos para sustentar o lápis neste bailado das letras a que me vou habituando.

Ainda assim, recomendam a este pobre estafeta da Vida Espiritual para transmitir-lhes as lembranças e os agradecimentos.

Ambos sorriem e choram ao mesmo tempo.

É aquela emoção de calouros da nova estrada, contentes por se verem na memória dos pais queridos e encucados no regime da carência afetiva a que nos submetemos.

Enfim, a situação é esta mesma...”
* - *
Em maio de 1975:

Filhos, Jesus nos abençoe.



Nosso caro gabrielzinho prossegue nas tarefas de elevação e lhes reafirma o carinho e a presença, o reconhecimento e o amor, com a ternura de todos os dias.

Confiemos em Jesus e prossigamos em paz, nas nossas abençoadas construções da Alma, sob o amparo de Jesus, Hoje e Sempre.

Bezerra”.
* - *
Em 15-08-1975:

Nosso caro Gabriel ― o nosso prezado Gabrielzinho ― está presente e roga aos pais queridos tranqüilidade e confiança em Deus.



Jesus nos ampare e nos abençoe.”
* - *
Em 18-08-1975:

Notícia contida na mensagem enviada pelo jovem Augusto Cezar Netto à sua genitora D. Yolanda Cezar, no Lar Espírita de Lázaro:

Aqui estão nossos amigos Gabrielzinho e Carlos Tato.

Fazem deles estas palavras que digo.

Para o Gabrielzinho, isso não é tão novidade.

Ele é um jovem filósofo.

O que o nosso Jair Presente mostra euforia (palavra difícil para significar bom humor), o nosso Gabrielzinho revela de pensamento profundo.

Somos todos irmãos e estamos formando uma pequena comunidade de amigos de Jesus.

Uns são mais extrovertidos, outros mais entregues a reexames e revisões por dentro deles mesmos.

De qualquer modo, todos estudamos e trabalhamos...”
* - *
Em 06-09-1975:

“Queridos pais, Deus nos abençoe.

A psicografia pode ser assim compreendida.

Há instrumentos que escrevem para nós, os amigos desencarnados, e aqueles que escrevem conosco.

É muita minudência a estudar.

Mas o amor é a luz que vale.



Gabrielzinho.”
* - *
Em 21-11-1975:

Nosso caro e jovem amigo está presente e agradece o carinho dos pais, nas lembranças abençoadas de sempre.



Jesus nos ampare e nos abençoe.”
* - *
Em 19-12-1975:

Nosso querido amigo está presente, e cooperando como sempre, quanto lhe é possível, em favor dos queridos pais.



Jesus nos abençoe.”
* - *
Em 20-12-1975:

Nosso amigo Gabriel abraça aos pais queridos e se declara muito feliz por vê-los mais tranqüilos.



É o mesmo filho dedicado que os acompanha com amor.

Bezerra.”
* - *
Em 20-02-1976:

Filho,Jesus nos abençoe.



Gabrielzinho é hoje um obreiro da Vida Maior, trabalhando na seara do bem.

Está presente, procurando servir sempre mais, com a Bênção de Jesus.”
* - *
Em 01-10-1976:

Amigos, Jesus nos abençoe.



O filho querido prossegue sempre devotado ao bem dos pais queridos e está presente agradecendo-lhes a dedicação e o amor.

Confiemos no amparo de Jesus,Hoje e Sempre.”
* - *
Em 17-12-1976:

Nosso irmão está presente em nossa reunião, servindo em favor de muitos amigos e irmãos necessitados, e pede aos pais queridos confiança em Deus, agradecendo-lhes a dedicação com que se empenham na Seara do Bem



Jesus nos abençoe.”
* - *
Em 08-04-1977:

Nosso amigo está presente e abraça aos pais queridos, carinhosamente, informando que prossegue nas tarefas de paz e amor com a bênção de Jesus, como sempre.



Confiemos no amparo de Jesus, Hoje e Sempre.”
* - *
Em 09-12-1977:

Nosso caro Gabrielzinho está presente e muito agradece o carinho das lembranças constantes dos pais queridos.



Pede à Mãezinha coragem e confiança em Deus e no futuro.

Ele é sempre o mesmo filho, devotado e nobre, altamente dedicado à Espiritualidade com Jesus.

E guarda consigo o voto de permanecer em serviço junto aos necessitados da Terra para estar mais próximo dos caros irmãos Gabriel e Irene, auxiliando-os, agora como sempre, na Espiritualização de Ordem Superior, para o que, incessantemente, lhes sustenta as forças no campo da fé viva e da beneficência.

Confiemos em Jesus , Agora e Sempre.

Bezerra.”
* - *
Em 04-08-1978:

Nosso amigo está presente e agradece a dedicação carinhosa dos pais queridos às suas lembranças e pede à sua Mãezinha Irene coragem e fé em Deus, porquanto estará ele a postos, auxiliando-a, como sempre, na caminhada terrestre, junto ao querido pai.



Confiemos no amparo de Jesus, Hoje e Sempre.”
* - *
Mensagem carinhosa:
“Após decorridos mais de dois anos e meio, de termos recebido a última mensagem ― 27-03-1976 ―, viajamos mais uma vez para Uberaba, reduto espírita nacional, em busca de conforto espiritual junto ao Chico Xavier, no Grupo Espírita da Prece.

Conosco a esperança de que, através do Espírito iluminado do Apóstolo Dr. Bezerra de Menezes, seríamos agraciados com notícia ou recado do nosso Gabrielzinho.

Baseávamos nossa esperança pelo fato da que, dentro de mais três dias ― 20-11-1978 ― iria comemorar seu aniversário natalício, completando 30 anos de vida terrena, se não houvesse partido.

E porque, sendo uma data marcante, depositávamos nossa confiança de mais uma vez podermos ser atendidos pelos bons amigos da Vida Maior.

Mesmo um simples recado, sempre é acolhido com profunda emoção e ao mesmo tempo alegria, conformando e suavizando a angústia e a saudade que cada vez mais, em grau crescente, vão se acentuando de maneira indescritível.

São instruções, conselhos, orientações, pedidos e ensinamentos à renovação, enfeixados em uma só cartilha, a nortear nossos procedimentos face à aceitação dos desígnios do Alto que nos são determinados.”


* - *
Era intenção nossa, ao final do volume, colocar em apêndice uma antologia dos artigos doutrinários escritos por Gabrielzinho, quando ainda na Terra.

Entretanto, com receio de que com o aumento do número de páginas e o conseqüente aumento de custo do livro, muitos leitores não pudessem adquiri-lo, resolvemos apenas colocar, ao final de cada capítulo par, trechos dos aludidos artigos, a fim de que possamos constatar que o filósofo de eras antigas e o jovem filósofo de ontem, continua o perene filósofo de hoje e de sempre, com Jesus e Kardec.

Pela mesma razão, deixamos de acrescentar um índice onomástico que, a nosso ver, se fazia necessário, devido ao grande número de personalidades famosas e tipos populares citados pela entidade comunicante, em suas notas de “uma Campinas Espiritual que encerra a continuação da Campinas do Plano Físico que tanto amamos”.

Que o leitor nos perdoe pela extensão de nossas apagadas considerações, e que fique aqui registrado o nosso profundo agradecimento ao Sr. Gabriel Espejo Martinez pelo excelente material de pesquisa que nos ofereceu, sem o qual não teríamos condições de cumprir o nosso desiderato, a par dos nossos votos de paz e alegria a todos aqueles que tiverem a oportunidade de percorrer estas páginas, sob o amparo misericordioso de Deus, nosso Pai, e de Jesus, nosso Divino Mestre, em reverência ao ínclito Codificador do Espiritismo.

Elias Barbosa

Uberaba, 27 de junho de 1982.


* - *
Carta do Sr. Gabriel Espejo Martinez ao organizador do livro:
Campinas, 17 de março de 1979.

Prezado Dr. Elias.

Que a paz esteja presente.

Quando da nossa visita ao amigo e distinta família, no dia 8 de fevereiro pp (quinta feira), nem sequer imaginávamos que no dia 10 (sábado), seríamos surpreendidos com mais uma mensagem-doutrina do nosso querido Gabrielzinho.

Em seu contexto, novamente cita a tia “Adelaide e “mãezinha Ana” (vovó Ana), que já estão identificadas no segundo volume, às folhas 8, em seu poder.

Envio-lhe xérox da mesma para arquivo, ao mesmo tempo que lhe peço desculpas pela demora no envio.

Irene envia a D. Candinha e aos queridos filhos que nos encantaram, um afetuoso abraço.

Com meu fraterno abraço, despeço-me agradecido.

Gabriel”.
--------------------------------

(1) M.B. Tamassía, com a gentil colaboração do historiador Jolumá Brito, 1774 -1974 ― Chico Xavier no Bicentenário de Campinas (Aspectos Insólitos), Gentileza de “Os Seareiros”, distribuição gratuita, Av. José Souza Campos, 116. Fones 8-3900 e 2-9817.



Chorar sim, mas de alegria
Meu querido pai, minha querida Mãe, renovo minhas preces a Deus, rogando que a bênção da paz esteja conosco.

Estou aqui tentando manifestar-me.

Não é fácil.

Pelo menos, por agora, não tenho recursos para exprimir-me com o desenvolvimento que desejava.

Muitas vezes, li mensagens de amigos desencarnados que se declaravam auxiliados na grafia das notícias enviadas para os entes queridos e hoje estou na mesma situação.

Não sei se posso exteriorizar o que sinto.

As palavras são feitas para imagens já positivamente conhecidas e aceitas pelo senso geral.

E agora o mundo em que me vejo, a dentro de mim, está renovado na base de emoções e sensações que os conceitos terrestres não conseguem definir.

Perdoem-me se escrevo de maneira insatisfatória.

Não há outra saída.

E preciso rogar-lhes serenidade no íntimo da alma, tanto quanto já conseguimos aparentar calma por fora.

Compreendo, pais queridos, somos como somos, caminhando para o que nos cabe ser.

Venho pedir-lhes me auxiliem com os pensamentos de real aceitação.

As lágrimas que ocultam de um para o outro, as indagações que formulam a sós, com o receio de se ferirem na fé que nos alimenta chegam a mim, de modo claro e indescritível.

Existe um fio mental entre os que se amam profundamente, ligando os assuntos da vida, tanto quanto a se estenderem para o Além, sobre as barreiras da morte.

Sei quanto interpelam os poderes que nos governam sobre a nossa inesperada separação e ouço-lhes as perguntas e as observações, quando se isolam um do outro para buscar-me a lembrança, seja numa foto ou numa página escrita, nesse ou naquele contato, nessa ou naquela recordação.

Agradeço o apoio que me oferecem, porque sem meus pais queridos ignoro o que teria sido de mim, entretanto, rogo-lhes paciência e coragem.

Não admitiam pudesse alguém evitar aquele assalto violento das forças enfermiças que me separaram do corpo.

Aquela indisposição que parecia ligeira tomou vulto de repente.

Quando papai se esforçou para que me expressasse ou dialogasse com mais ânimo, notei que esmorecia.

Minhas sensações por dentro de mim estavam intactas.

Ouvia tudo o que se falava em derredor do meu leito.

Reconheci que me transportavam para socorro no rumo do amparo hospitalar, no entanto, a pouco e pouco, entrei num sono profundo de que não podia me desvencilhar.

Quanto tempo estive assim, não sei ainda.

Minha memória abrange apenas a metade das horas claras do dia, naquela quinta-feira feira de luta...

O resto ainda não sei, a não ser que acordei numa sala de tratamento com a cabeça enfaixada.

Chamei por meu pai, por minha mãe, pedi o apoio de alguém que me esclarecesse sobre as ocorrências de que não tinha consciência, mas um enfermeiro me advertiu que fora cirurgiado por um médico, o doutor Mário Gatti.

Lembrei-me de que esse benfeitor já não era da Terra e asserenei-me quanto pude.

Um pouco mais tarde, tomei contato com o amigo da medicina que me amparava, além do outro benfeitor que se identificou como sendo outro médico, o doutor Guilherme da Silva.

Aconselharam-me.

Esclareceram-me que a meningite fora patente em meu caso, com todo o seu impacto fulminativo, entretanto, além disso, trazia em meu cérebro estruturas complexas que haviam exigido trabalho operatório.

Melhorei, gradativamente, no entanto, à medida que me normalizava passei a escutar mamãe a chorar e chamar-me...

Com os dias, ouvi mais e escutei meu querido pai articulando idéias e frases tristes.

Peço-lhes.

Quanto possível, lembrem-me trabalhando e estudando a vida.

Não há morte.

A existência na Terra é uma internação em estabelecimento de ensino.

Somos aí professores e alunos uns dos outros.

O horário da escola é igual para todos no mesmo universo de minutos para cada um, e o corpo, obedecendo às mesmas leis de formação nos vários climas do mundo, é uma espécie de uniforme identificando a condição temporária de todas as criaturas.

Papai, alegre-se e recorde-me aprendendo a seu lado.

Mamãe, regozije-se e memorize a nossa união e a nossa felicidade no lar.

Quanto puderem, ajudem-me com pensamentos de fé e segurança, otimismo e elevação.

Chorar, sim, mas de alegria, para agradecer a Deus o que temos recebido.

Estou apenas em outro educandário, onde vou retomando o meu curso de conhecimento superior, no qual progrido dificilmente, porque as emoções me prendem às aflições em casa.

Amigos daqui, como sejam Marcondes, Servílio, Souza e tantos outros me abrem portas abençoadas às novas lições em que vou tomando maiores contatos com a vida e comigo mesmo.

Digam à Therezinha, ao João Batista, ao Doutor Wilson, ao Nicolau, ao Alcides, ao Tamassía e aos nossos companheiros de estudo que eles todos estão no caminho certo.

É preciso estudar mais para servir melhor.

Aqui, a luta construtiva é sempre mais bela.

E com essa luta desejo preparar-me a fim de ser útil.

Dos familiares queridos, duas irmãs me visitam e me auxiliam sempre que podem, nossa irmã Josefa e nossa irmã Isabel.

Espero melhorar faculdades e recuperar sentidos obliterados pelas recordações mais intensas do corpo, a fim de elevar o meu singelo campo de ação.

Peço-lhes.

Não creiam fossem meus queridos pais talvez exigentes comigo nos processos de educação.

Sou feliz, buscando a felicidade que me doaram pelos exemplos, pelo carinho, pelo apoio e pela dedicação.

A saudade é um espinho a ferir-me, mas com a bênção de nossa união e paz em família, melhorarei cada vez mais, a fim de sermos cada vez mais felizes.

Papai querido e querida Mamãe, a força termina no lápis, assim com se apaga um engenho não mais sustentado pelo mesmo padrão de energia.

Não estou cansado, mas o tempo e os recursos do intercâmbio estão para mim esgotados.

Continuem orando por mim.

A prece por nós, que estamos deste outro lado é uma luz que nos clareia e um calor abençoado que nos reaquece.

Por ela sabemos com mais certeza que o nosso amor nunca morre.

Beijo-lhes as mãos queridas e despeço-me no papel de modo a continuar em nosso diálogo, de coração a coração.

Pais queridos, recebam o abraço iluminado de carinho e saudade, de devotamento e gratidão, com todo amor do filho reconhecido, sempre e cada vez mais reconhecido,

Gabrielzinho
Bilhete de Gabrielzinho, aos 12 anos de idade, dirigido ao pai:
“Campinas, 12 de agosto de 1960.

Querido papai.

O dia de hoje é uma data muito significativa para mim. Isto porque é o “Dia do Papai”. Para expressar-lhe os meus sinceros sentimentos escrevo-lhe esta cartinha a fim de dizer-lhe que eu o quero muito e desejo felicidade. Como filho grato agradeço tudo que tem feito por mim e ainda fará. Se ainda não correspondi a tudo que tem, eu aqui estou para dizer-lhe que procurarei melhorar e fazer-me merecedor da estima que me tem correspondendo assim à sua dedicação.

Obrigado papai por tudo, pelos bons momentos que até hoje eu tive e pela verdadeira felicidade que somente encontrei junto aos meus queridos pais.

Com um grande abraço aqui fica seu filho, que no dia de hoje lhe dedica e lhe dedicará o mais profundo e respeitoso amor.

Beijando-lhe respeitosamente a mão

Gabrielzinho, seu filho.

Paciência e Coragem




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal