General information



Baixar 23.33 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho23.33 Kb.
DATABASE OF EdC THESIS ABSTRACTS


GENERAL


INFORMATION

NAME nome:

Willian Regiani Macedo

ADDRESS indirizzo completo:

Av Manoel Ribas, 2286 – Caixa Postal 715

CEP 85.010-180 GUARAPUAVA, PARANÁ, BRASIL.



TELEPHONE telefono:

FAX fax:


E-MAIL e-mail:

Macedo@almix.com.br



UNIVERSITY università:

Universidade Estadual do Centro-Oeste

UNICENTRO



GRADE OF STUDY livello di studio:

Licenciatura em História


FIELD OF STUDY campo di studio:

História


TITLE OF THESIS titolo della tesi:


Economia de Comunhão: Abordagem Histórica de Uma Resistência Solidarista.


YEAR COMMENCED anno inizio:

1999

DATE COMPLETED data discussione:

Novembro 2000



SUPERVISOR relatore:

Prof. Mestre Cláudio Andrade

PAGES n. pagine:

58

LANGUAGE lingua:

Português



ABSTRACT


AIM obbiettivo

A presente pesquisa, tem como objetivo fazer uma abordagem com uma visão histórica de movimentos e teorias econômicas que se apresentam como resistência ― embora aparentemente utópica ― a essa crescente “mundialização”.


METHOD metodo

Utilizando um método comparativo de pesquisa se buscará não apenas uma visão da história política-econômica, mas sociológica, pois, segundo M. BLOCH a História é o “estudo dos homens, das sociedades humanas no tempo”. Para BLOCK, é necessário sempre procurar explicar o mais próximo pelo mais distante, o passado legitima o presente, pois o preparou e construiu. Olhando o itinerário percorrido pela economia na história humana, nota-se a necessidade de que esta encontre sua essência como “lugar sociológico”.



CONCLUSIONS

conclusioni

Neste final do século XX, a sociedade mundial defronta-se com problemas novos, surpreendentes, são problemas econômicos e sócio-políticos, sob os quais ainda não se trabalhou, ou pelo menos se desconhecem as conseqüências, visto que seu ambiente social está se esfacelando. Valores que até então eram considerados alicerces que garantiam estabilidade e identificação de grupos sociais, classes, etnias, agora são questionados. São valores divulgados pela mídia sobre a necessidade do ser humano de ser político, ecologicamente correto, ou seja, parâmetros de comportamento social padronizado, não interessando as diversidades regionais, culturais.

O “homem” passou a ser “recurso humano” e não mais “fim”. Na economia, tornou-se apenas uma ferramenta nas mãos de grupos sedentos de lucro total, não importando os sacrifícios despendidos.

Com esta pesquisa, constatou-se que o problema econômico mundial é conseqüência de uma cultura que se desenvolve desde o mercantilismo do século XV, evoluindo através dos tempos até se configurar o que é o capitalismo atual, “temperado” com um novo liberalismo, que tem como objetivo principal o lucro a qualquer preço, sem com isso, ter uma preocupação com a pessoa humana e seus valores. Se PIERRE BOURDIEU fala da necessidade de uma reação contra essas forças excludentes1, percebe-se que isso somente será possível quando houver uma mudança cultural: da cultura do “consumir” e “ter” para uma “cultura do dar”2.

Ao se referir nesta pesquisa a uma cultura econômica que configura a sociedade capitalista ocidental, e que, de forma hegemônica conquista quase que a totalidade do globo, deixando como rastro classes e sociedades inteiras à margem de uma vida humana digna, e a necessidade de haver uma reação ou mudança, nota-se uma oportunidade de transformação histórica. Sobre isso, comenta SUZANNE DESAN: “Ao revelarem novos temas e métodos de análise, Davis e Thompson deram ênfase a uma mesma idéia central ― o papel decisivo da cultura como força motivadora da transformação histórica”.

Ou seja, a operacionalização de formas alternativas para uma suposta “transformação” histórica, passa, necessariamente, por uma produção cultural, como passa, obviamente, a produção econômica. Sobre isso afirma LYNN HUNT: “As relações econômicas e sociais não são anteriores às culturais, nem as determinam; elas próprias são campos de prática cultural e produção cultural ― o que não pode ser dedutivamente explicado por referência a uma dimensão extracultural da experiência”.

A “Economia de Comunhão”, analisada neste trabalho, é um bom exemplo de reação às políticas hegemônicas, necessitando, no entanto, do desenvolvimento de uma cultura do conhecer, interpretar e disseminar seus conteúdos. Porém, tais conteúdos têm sido analisados por pequenos grupos de intelectuais, que não encontram ressonância na mídia. Seria necessário, como afirma PIERRE BOURDIEU3, utilizar-se de um “discurso poderoso”, “uma idéia-força” que possua uma força social, que de fato proporcione uma nova crença na sociedade. Crença essa que proporcione mudanças para um novo agir na economia.




KEYWORDS

parole chiave

História-econômia, globalização, exclusão social, partilha, solidarismo.



DATA / DOCUMENTS AVAILABLE

dati/documenti disponibili

  1. documentos e dados: monografia, bibliografia

  2. o autor está disponivel para discussões:

Sim, via internet: Macedo@almix.com.br




1 BOURDIEU, Pierre. Contrafogos. táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de

Janeiro:Jorge Zahar Editor, 1998. p. 57-58.



2 SORGI, Tommaso. Economia de Comunhão, projeto, reflexões e propostas par uma cultura

da partilha. A cultura do dar . Vargem Grande Paulista: ed Cidade Nova, 1998. p. 31.

3 BOURDIEU, Pierre. Contrafogos. táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar Editor, 1998. p. 48.





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal