Gerais para o instrutor



Baixar 411.32 Kb.
Página3/6
Encontro29.07.2016
Tamanho411.32 Kb.
1   2   3   4   5   6

INTRODUÇÃO

A cura interior é um dos processos que possibilitam a renovação da mente, ordenada por Deus em Romanos 12:1,2 “Rogo-vos, pois irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”




  1. COMPREENDEDO A CURA INTERIOR

Quando aceitamos a Jesus, passamos pelo processo do novo nascimento. Esse processo se dá no espírito. Não se dá nem no corpo e nem na alma. Em I Tessalonicenses 5:23, a Bíblia diz que Deus nos fez de três elementos: espírito – onde o espírito santo mora, alma – mente, onde experimentamos os sentimentos, as vontades, os pensamentos e a capacidade de decidir, físico – corpo.

A cura interior é a cura da nossa alma, que envolve: sentimentos 9amor, ódio, mágoa, inveja, tristeza, dor, etc), emoções (ansiedade, paz, etc), lembranças desagradáveis (situações que estão guardadas na memória que podem ter causado rejeição, depressão, culpa, medo, etc).

Mediante o processo da cura interior, através da oração, resolvemos males que assolam a mente como complexo de inferioridade, autopiedade, medo, tristeza, etc. A cura interior é a renovação da mente.

Todos os que são nascidos de novo, filhos de Deus, possuem, em suas vidas, sinais claros de envelhecimento da alma demonstrados através de atitudes e comportamentos. Porém, a salvação de Deus é integral. Ele quer que apresentemos íntegros o nosso espírito, alma e corpo (I Ts 5:23).


  • Espírito: salva-nos dos nossos pecados através do novo nascimento – cura espiritual (Jô 3:4-8)

  • Alma: renova a nossa mente para que tenhamos a mente de Cristo – cura interior (I Co 2:16 / II Co 5:17).

  • Corpo: ser livres de dores e doenças – cura física (Is 53:4,5)

Alma fala de humanidade (mente), envolve sentimento, vontade, pensamentos, consciência. Nessas áreas, todos nós somos feridos, através de relacionamentos, e a alma torna-se adoecida. Ainda que alguém pense que não tem feridas e que não necessita de cura, ao se deparar com a ordem “transformai-vos pela renovação da vossa mente” (Rm 12:2), é obrigado a entender, através da palavra, que precisa de renovação, pois a alma e o corpo não nasceram de novo.




  1. COMO SABER SE TENHO FERIDAS


2.1. Dando credito a palavra de Deus


É interessante que o apóstolo Paulo, no texto de Romanos 12:1,2, usa a palavra “irmãos”, ou seja, essas pessoas, para quem ele estava escrevendo, já haviam recebido a Jesus, eram filhas de Deus (Jô 1:2). Porém, mesmo sendo filhos, tendo passado pelo processo do novo nascimento, ainda tem pela frente dois outros processos:


  • sacrifício do corpo

  • renovação da mente


2.2. Percebendo a dor de lembranças
Se ao lembrar de um assunto sente-se dor, é porque a ferida ainda não cicatrizou. Dor na alma se apresenta de diversas formas e, às vezes, nós nem percebemos ou não sabemos. Algumas pessoas sentem muita inveja, ou raiva, do irmão que a mãe preferia, outras sentem nojo ao lembrar que foram estupradas.
2.3. Percebendo “comportamentos limitadores” ·

Há feridas para as quais não percebemos uma dor consciente, mas elas existem. Essas feridas nos fazem ter “comportamentos limitadores”, ou seja, um comportamento nada sadio na área em que fomos feridos.


  • Ex.: 1: embora não sinta raiva ou inveja do irmão que a mãe preferia, entre os irmãos há uma diferença visível. Se estiverem próximos não conseguem conversar, gerar relacionamento.

  • Ex.: 2: embora não sinta nojo ao lembrar do estupro, não consigo manter firme um relacionamento afetivo.


Algumas feridas expressas por comportamentos limitadores


  • Jamais admitir erros: mania de perfeição devido ao orgulho que tem de ser da forma que são, mesmo que estejam errados. Racionalizam as situações explicando seus erros em vez de admiti-los.
    Ex:
    Eu agi dessa forma por causa do fulano. Ele é o culpado.



  • Viver chantageando: ato de conseguir algo através de ameaças; de forma sutil, obriga o outro a fazer o que ele quer. São pessoas que vivem intimidando e amedrontando outras, sempre estão tentando acovardar alguém.
    Ex: se você não me fizer esse favor, eu conto o que sei ao seu respeito.



  • Mente confusa: pessoas que vivem constantemente perturbadas, confusas e não conseguem distinguir as situações, trocam uma coisa por outra e nunca fazem o que deve ser feito.
    Ex: atrapalham-se em tudo o que fazem e maioria das vezes não conseguem executar nada com bom desempenho.



  • Sentir prazer no infortúnio do outro: ficam alegres quando alguém esta sofrendo e se entristecem quando outros têm vitórias.



  • Desqualificar o sucesso do outro: pessoas que estão sempre encontrando uma falha em outrem, não vibram e não parabenizam o sucesso do irmão. Agem assim para minimizar a angústia inconsciente causada pela vitória do outro.
    Ex: diante de um fato, dizem que sempre fazem melhor, etc.



  • Não ter sonhos, aspirações: vivem acomodadas e conformadas com a situação na qual se encontram. Nunca consegue viver a vida em abundancia de Jô 10:10.
    Ex: eu já tenho a salvação, isso me basta..



  • Desconfiar sempre de tudo e de todos: não se sentem seguros diante das pessoas e por isso não conseguem aprofundar relacionamentos. Estão sempre receosos.
    Ex: estão sempre com um pé atrás.



  • Fobias: medo de altura, elevador, espaços fechados ou abertos.
    Ex: sentem falta de ar em ambientes fechados, chegando a passar mal.



  • Ser hipocondríaco: estar sempre preocupado com a saúde



  • Ser ciumento: esse tipo de pessoa tem uma segurança terrível na alma. Sentem medo de serem trocadas. Não acreditam em seu potencial. O ciumento vive atormentado pelo medo da traição e da infidelidade.
    Ex: criam situações que não existem devido ao ciúme



  • Pessoas tristes: são desgostosas e expressam tristeza no olhar e, às vezes, até na postura corporal. Vivem em um estagio constante de pesar e aborrecimento.



  • Ser risonho demais: pessoas que estão ‘sempre bem’. Na maioria das vezes, assumem o estereotipo de engraçadas somente por quererem agradar. Temem demonstrar verdadeiramente quem são ou o que estão sentindo por receio de não serem aceitas da forma que são.
    Ex: são os palhaços da festa, mesmo que não estejam bem.



  • Agir compulsivamente: tendência irresistível que leva a pessoa a praticar até mesmo uma ação que desaprova. Ela sabe que é errado, mas faz. Depois sente remorsos diante de tal ação.



  • Possuir dinheiro e não usufruir dele: ser avarento. Possui tanto apego ao dinheiro que é sovina, miserável, mesquinho e escasso. A Bíblia diz que os avarentos não herdarão o reino dos céus (I Co 6:10).
    Ex: estão sempre chorando dificuldades mesmo durante a bonança.



  • Dificuldade para dizer não: a pessoa diz sempre sim, mesmo que isso lhe cause prejuízos.
    Ex: está sempre comprometida com varias pessoas e situações ao mesmo tempo.



  • Sentir-se sem méritos diante de elogios: refletem que possuem uma auto-estima tão baixa que não percebem o valor que possuem.
    Ex: se alguém diz que ela está bonita. Sua resposta é: “são seus olhos”.



  • Viver sob angústias: grande ansiedade ou aflição debaixo de desespero e tribulação. Quem vive angustiado, vive carente e com falta de algo ou alguém.
    Ex: o tempo todo estão preocupados com algo.



  • Ter vontade enfraquecida: faz sempre o que os outros querem por não dar valor aos seus sentimentos. Vivem desmotivados e ‘pegando carona’ na motivação dos outros.
    Ex: o que me deram está bom. Devo aceitar as coisas da forma que são.



  • Pensar que o mundo arquiteta contra si: são pessoas melindrosas, fáceis de se ferirem com algo.
    Ex: se na célula o estudo do dia tiver alguma palavra que toque a sua ferida, chateia-se.



  • Timidez: existe níveis de timidez, mas o significado é o mesmo: paralisar a pessoas que sofre desse mal. Pessoas tímidas tem dificuldades de se expressar em publico. A timidez tem sempre uma causa e o seu estagio ou gravidade depende do nível do envelhecimento da alma. Muitas são as causas da timidez, mas a principal é a rejeição.



  • Ter pesadelos: se os pesadelos forem constantes, revelam uma alma envelhecida e contaminada por situações desagradáveis nas quais nos envolvemos, filme pornôs, de terror ou violência, etc.
    Ex: ao acordar no meio da noite com sensação de que morreria ou que estava sendo assaltado.



  • Não ter prazer sexual no casamento: normalmente são mulheres que sofreram abusos por parentes, estupros, etc.
    Ex: quando crianças, foram bolinadas.



  • Masturbar-se compulsivamente: além de ser um desejo exacerbado pelo sexo, há também a questão da auto-suficiência de a pessoa querer se a prazer por não confiar no sexo oposto.
    Ex: independente do ato sexual com o parceiro, a pessoa sente a necessidade de se masturbar.



2.4. Por que temos comportamentos limitadores
Porque existiram (e existem!) situações que nos feriram emocionalmente. A família é a nossa base. Se a sua base foi desestruturada, você também pode ser desestruturado.


  1. SITUAÇÕES QUE NOS FERIRAM EMOCIONALMENTE

Talvez aconteceram muitas coisa no período em que você ainda estava no ventre de sua mãe, e durante a sua infância e adolescência, que lhe afetaram diretamente. Talvez, feridas se instalaram em você através dos seus pecados e dos de sua família. Nossa alma e nosso coração são totalmente afetados pelo pecado. Talvez você esteja enfermo na alma porque seus pais pecaram, ou porque você pecou.



- REJEIÇÃO

É sentimento de que não somos amados, aceitos ou bem-vindos, antes, somos rejeitados, e ignorados por aqueles que nos rodeiam. Um sentimento de inferioridade e de autopiedade cerca a pessoa. A pessoa rejeitada sempre interpreta mal as atitudes das outras pessoas. Elas sempre têm a sensação de que as pessoas à sua volta criam situações para despreza-las. A pessoa rejeitada, quando ama alguém, é como um aspirador de pó, suga completamente a pessoa amada. A pessoa rejeitada diz “sim” quando deveria dizer “não” e “não” quando deveria dizer “sim”; ela tem medo do que os outros pensam ou que as pessoas a amaram menos.

A rejeição é uma das maiores portas de acesso a cadeias, correntes, grilhões e demônios. A rejeição vem através de varias situações, tais como:


  1. Família desestruturada

  2. Nome próprio pejorativo.

  3. Morte dos pais

  4. Gravidez indesejada

  5. Divorcio dos pais

  6. Preferência dos pais

  7. Abandono dos pais

  8. Descaso no matrimonio

  9. Adultério

  10. Palavras depreciativas, xingamentos e apelidos

  11. Carência afetiva

  12. Desinteresse dos pais em relação aos filhos

  13. Vícios dos pais

  14. Suicídio de um dos pais

  15. Falta de liderança no lar

  16. Descriminações racial, sexual, cultural.

Palavras são sementes que, uma vez semeadas pela nossa família ou autoridade, começam acrescer e a dar frutos através de nós, quando não conhecemos Cristo e quando não temos uma consciência restaurada para fechar as brechas. Quantas pessoas receberam palavras como:




  • Ah, você nuca vai prestar pra nada

  • Você é pobre, comforme-se, nunca vamos sair dessa

  • Você é um burro, nunca vai conseguir nada

  • Você vai virar uma prostituta se continuar assim

  • Você é um drogado e vai morrer assim

  • Seu casamento será uma porcaria, igual ao meu

  • Os homens nunca prestam, não confie neles

  • Você deve ter três mulheres ou mais

  • Homem que é homem não chora

  • Todo homem pra provar sua masculinidade, precisa ter relações sexuais antes do casamento

  • Você vai virar homossexual se não arrumar namorado (a).



  • AUTO-REJEIÇÃO


Várias situações podem causar auto-rejeição:



    1. Deficiência física

    2. Magreza excessiva

    3. Obesidade

    4. Seios muito grandes

    5. Pênis aparentemente pequeno demais (homens)

    6. Cravos e espinhas em excesso, especialmente na adolescência

    7. Doenças constantes

    8. Culpa por erros cometidos com abortos.

Por todas essas situações provenientes de rejeição, hoje você é uma pessoa insegura, medrosa, birrenta, rancorosa, magoada, melindrada, assustada, odiosa, tímida, inconstante, solitária.




  1. ABUSOS E DESVIOS SEXUAIS

Abusos de vizinhos, pai, mãe, tio, primo, prima, empregada, etc. A maioria dos abusos sexuais no mundo acontece no seio familiar, por parentes próximos.

Esses podem acontecer como fruto de distúrbios psicológicos ou intervenção direta de demônios, ocasionando as seguintes situações que geram distúrbios na alma:


  • frigidez: diminuição do instinto sexual

  • erotismo: aumento desordenado do instinto sexual

  • auto-erotismo ou coito psíquico: não há necessidade do contato com o parceiro. Somente um retrato, escultura ou a presença de alguém desencadeiam grande estimulação sexual.

  • Narcisismo – admiração exagerada pelo próprio corpo; as vezes gera indiferença pelo outro sexo

  • Exibicionismo – obsessão de exibir os genitais.

  • Fetichismo – fixação do interesse sexual em uma parte do corpo ou em objetos (da pessoa amada ou não). Alguns se satisfazem só em tocar e admirar. Outros têm que se masturbar concomitamente.

  • Bestialismo ou zoofilia: atração sexual por animais (Lv 18:23)

  • Masoquismo: prazer sexual como próprio sofrimento físico ou agressão moral (I Co 3:16)

  • Pedofilia: atração sexual por crianças

  • Homossexualismo: atração sexual por pessoas do mesmo sexo (Lv 18:22)

  • Transexualismo: o individuo não aceita o seu sexo e deseja muda-lo. Geralmente nega que tem uma plástica homossexual (Lv 20:13).

  • Travestismo: prazer em trajar-se como o sexo oposto. Não necessariamente te relações homossexuais, mas sente prazer em estar travestido. Mudança de identidade sexual (Rm 1:26-27)




  1. PERSONAGENS BÍBLICOS QUE EXPERIMENTARAM CURA INTERIOR:




  • Moisés: era gago e sentia-se incapaz de ser o libertador do povo de Israel (Ex 4:10).

  • Elias: um poderoso profeta, mas que temeu enfrentar Jezabel. Ele desejou a morte (I Rs 19:1-21)

  • Mirian: sentiu inveja de Moisés e quis sobrepujar a situação fazendo cobranças e afirmando ser tão usada por Deus quanto o irmão. Como conseqüência ficou leprosa (Nm 12:1-16).

  • Os 10 espias: foram enviados a Canaã com Josué e Calebe, mas sentiram-se inferiores ao povo inimigo e por isso não herdaram a terra prometida (Nm 13:25-23).

Os médicos tratam dos doentes, mas é Jesus quem os cura. Na maioria dos casos, a ciência medica trata dos sintomas; Jesus quer curar a causa das enfermidades. Jesus curou a muitos, mas não a todos. Há necessidade de um investimento da fé por parte da pessoa, do ministrador e do auditório. Submetemo-nos ao relatório final do Senhor, mantendo finalmente a confissão da esperança (Hc 10:23).

Jesus é o maior dos médicos – o maior psicólogo que pode haver. Somente ele pode curar-nos integralmente. Ele deseja sarar nossas tristezas e magoas. Onde há confusão de espírito, Ele quer introduzir serenidade. Onde há medo, ele está ansioso para conceder uma mente sã (I Co 2:16). Ele quer restabelecer relacionamentos destruídos; quer reerguer casamentos desmoronados. Quer que sejamos capazes de amar os outros de modo gostaríamos de ser amados; e perdoar da forma como desejamos ser perdoados. Ele quer que sejamos aquele individuo que Ele tinha em mente quando nos criou.


  1. COMO CURAR FERIDAS




  1. Admitindo que precisa de cura

  2. Acreditando que qualquer comportamento limitador pode ser modificado

  3. Entrando em contato com lembranças dolorosas

  4. Externando lembranças dolorosas e comportamentos limitadores.


6.1. Externar o que e como
Externar dores (angustias, nojo, raiva, medo, tristeza, ódio, etc.) diante de outrem (Tg 5:16).
6.2. Para que haja a cura interior são necessários dois passos:


  1. Romper o domínio de Satanás sobre nós e tomar posse do que é nosso por direito.

  2. Receber a cura das lembranças passadas.

É bom pensar nesse primeiro caso como sendo uma “cirurgia espiritual”, em que Jesus cura todos os tumores que estão “crescendo” em nosso interior – medo, ódio, ira, ciúme, autopiedade, etc. Depois, então, pela oração de cura das lembranças guardadas em nossa mente, Jesus penetra em nosso passado e cura todas as mágoas. Ele toma um “apagador espiritual” desmancha todas as recordações dolorosas, removendo a dor e o aguilhão. Ele anestesia a dor e a ferida profunda. Depois unge com o óleo do Espírito Santo e cura os locais onde havia a ferida. Ele nos purifica e nos dá a sua paz (Cl 2:11-15).


Jesus é a única pessoa que pode sarar os males de nossas lembranças e dores, e Ele o fará.
“Jesus Cristo ontem e hoje é o mesmo, e o será para sempre” (Hb 13:8). O tempo e o espaço não significam nada. Ele pode voltar ao nosso passado e tocar aqueles pontos em que fomos feridos. Ele quer que lhe entreguemos o nosso passado. O verso de filipenses 3:13 nos diz para esquecermos o passado, e olharmos para adiante, para o que está a nossa frente.

Algumas pessoas parecem gostar de viver no passado, repassando e revivendo sofrimentos antigos, sofrendo como mártires. A essas pessoas Jesus não cura, pois elas mesmas não querem. Mas, se realmente quisermos ser integramente curados, se quisermos essa paz interior, ele pode concede-la a nós.

A operação da cura interior não é apenas voltar ao passado e desenterrar de lá os detalhes mais sórdidos. Não é procurar ver qual a quantidade de lixo de que nos lembramos; mas é jogar fora todo o lixo que ali encontramos. É deixar que Jesus faça brilhar a sua luz divina em todos os recantos escuros onde Satanás escondeu as Mágoas e lembranças dolorosas. É andar de mãos dadas com Jesus, em todos os segundos da nossa vida, e deixar que lê fique bem ali conosco durante as situações desagradáveis.

Muitas vezes pensamos: “Ah! Deus me livre! Não quero nem pensar nestas coisas ruins. Que fiquem longe da vista, longe da lembrança”. Mas esse raciocínio é semelhante ao ato de ir acumulando objetos dentro de um armário. Depois que fechamos a porta, não vemos o amontoado, mas se continuarmos a colocar coisas ali, chegara um momento em elas rolarão para fora.

Esse mesmo princípio se aplica à nossa mente. Vamos empilhando na mente toda sorte de “lixo” (medos, ressentimentos, culpa), pensando que essas coisas não vão nos incomodar, mas elas ficam lá, no fundo de nosso subconsciente, e sem dúvida alguma afetarão nossas emoções e influenciaram o modo como agimos e reagimos. A raiva reprimida, os ressentimentos ou o medo às vezes se manifestam nos momentos em menos esperamos.


  1. OS RESULTADOS DA CURA INTERIOR

Se fossemos descrever os resultados da cura interior coma apenas uma palavra, essa palavra seria paz. Lembremos algumas personalidades da Bíblia que tiveram problemas graves, mas que depois receberam essa paz interior.

Quando pensamos em Saulo de Tarso e em todos os cristãos que ele matou antes de se tornar crente, podemos imaginar a dor do arrependimento que ele deve ter sentido. Mas Deus o perdoou, encheu seu coração de paz interior, e ele acabou se tornando um gigante espiritual – um grande apóstolo.

Consideramos a mulher apanhada em adultério. Sem divida alguma ela deve ter sentido muita vergonha e autocondenação, mas Jesus lhe disse: “...nem eu tampouco te condeno; vai, e não peques mais”. (Jô 8:11)

E Davi que não apenas cometeu adultério, mas também mandou
que o marido de Bate-Seba fosse morto. O filho recém-nascido, ilegítimo, morreu. Na certa, Davi deve ter se sentido sobrecarregado de lembranças dolorosas. Contudo, o Senhor concedeu-lhe a cura interior, e ele se tornou um homem segundo o coração de Deus. Ele escreveu o seguinte, no salmo 16:9: “alegra-se, pois o meu coração e o meu espírito exultam; até o meu corpo repousará seguro.” Davi havia alcançado genuína alegria de coração, o que vale dizer: alcançar a paz mental.

Pedro sentiu vergonha também, por haver negado a Cristo, mas recebeu o perdão e a paz, e tornou-se uma pessoa tão bem ajustada que Jesus o chamou de “pedra”.

O Senhor deseja dar-nos essa mesma paz interior, por meio da cura interior. A Bíblia nos promete isso em Filipenses 4:7: “e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em cristo Jesus.”

É necessário que haja consciência de que a pessoa precisa perdoar e sentir-se perdoada, para que possa prosperar na vida. Deus a ajudará nisso. É preciso tirar do coração aquele sentimento de que Deus é culpado por lhe deixar passar por experiências amargas.

Declare a libertação do seu coração para amar a Deus, e para aceitar a revelação de que o Senhor sempre quis o melhor, e sempre trabalhara pelo melhor para as nossas vidas. A chave para a cura interior e para as lembranças amargas é o perdão. Deus passara o Seu bálsamo sobre as suas dores.
Diga aos encontristas para declararem uns aos outros:

estou aberto ao que Deus vai fazer em minha vida.”

toda cura interior e libertação da minha alma depende da cruz”.
O remédio para a humanidade está na cruz. É preciso passar pela cruz e ter compromissos com Deus. Precisamos renunciar a nós mesmos para sermos libertos. Estamos numa guerra onde mesmo que tenhamos encerrado o argumento do diabo, ele vai querer fazer reinvidicações. Não podemos permitir que o diabo tenha legalidades sobre nós. Hoje Deus começará a curar as feridas.


ORIENTAÇÕES PARA O MINISTRADOR
Sugestão para este momento de confissão

Coloque uma musica de adoração. Alguns momentos de musica levarão as pessoas a lembranças amargas e arquivadas na memória.




  1. afaste os bancos para que haja espaço no auditório.

  2. avise que, durante a ministração, não há problema se a pessoa quiser chorar, gritar, berrar, se encolher no chão, etc. Ela pode ficar a vontade. Não deve observar ou importar-se com alguém.

  3. diga-lhes para tentar visualizar cada situação que será ministrada a partir desse momento.

  4. durante todo esse processo, os intercessores devem estar orando em tom baixo, sem interromper as pessoas. A musica deve estar tocando suavemente.

Fale lentamente, observando cada fase da vida, pois os encontristas estarão sendo tratados pelo Espírito Santo de Deus.

1   2   3   4   5   6


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal