Gerais para o instrutor



Baixar 411.32 Kb.
Página4/6
Encontro29.07.2016
Tamanho411.32 Kb.
1   2   3   4   5   6

Peça a cada um que:


  1. tente visualizar o encontro do espermatozóide do seu pai com o óvulo de sua mão. Ali Deus já planejava cada momento da sua vida. (Cite trechos do Salmo 139).

  2. veja-se no útero materno, sendo formado...

  3. veja-se em cada momento da gestação...

  4. tente lembrar os sentimentos que recebeu: amor, ódio, rejeição, tentativa de aborto, perigo de vida por conta de doenças, insegurança quanto ao nascimento...

  5. veja-se nascendo, sendo recebido por mãe. Saiba que nesse momento Jesus também estava te recebendo e te amando (talvez seu pai não estivesse lá, mas Jesus estava). Jesus lhe recebeu e lhe colocou no colo...

  6. veja-se crescendo:

  • com um ano de idade...

  • dois...

- três...




obs.: em cada faixa etária, desde a infância até a vida adulta, o ministrador deverá instruir os encontristas a se lembrarem de momentos difíceis, amargos, traumatizantes, etc.


  1. libere perdão a:

  • pai

  • mãe

  • irmãos

  • familiares




  1. não prenda pessoas no mundo espiritual. Jesus o perdoou, perdoe-os também. Talvez as pessoas que o magoaram não sabiam que estavam magoando-o; talvez eles não conheciam a Jesus naquele tempo.

Nesse momento equipe deve estar preparada para orar e tocar nos encontristas.




  1. Orar ministrando a cada pessoa, uma a uma (são necessários vários ministradores).

  2. Abraçar aqueles que necessitam sentir amados.

A musica deve continuar tocando durante todo esse processo.


O preletor, no momento adequado, retoma a palavra e começa a explicar que todo esse processo da cura interior que receberam, só foi possível por causa do poder da cruz.
Alguns estarão muito quebrantados. Deixe-os a vontade e na posição em que estão.
O ministrador começa a falar do poder da cruz e do seu propósito:

  • pagar as nossas dívidas;

  • trazer-nos reconhecimento de pecado;

  • trazer arrependimento genuíno;

  • anular maldição;

  • dar-nos a remissão dos pecados pelo sangue;

- receber a vida eterna com Deus.

Nunca podemos deixar de mencionar a cruz. A cruz é o antes e depois da história. A CRUZ para o mundo é loucura (I Co 1:18-20). Para nós é o poder de Deus para a salvação (I Co 1:18-20); estamos crucificados com Cristo (Gl 2:19-20); crucificamos a carne com suas paixões (Gl 5:24); todo escrito de dívida que era contra nós foi cravado na cruz: não devemos mais nada! Estamos livres!


  1. A CRUZ FALA DE CONQUISTAS

  2. A CRUZ LHE CONDUZ AO PERDÃO

Receba o perdão e a capacidade de perdoa. Deixe tudo na cruz, tanto o que você fez quanto o que fizeram com você. Perdão é uma decisão, mas o ressentimento é um caminho para você voltar ao pecado. Libere os ofensores. Deixe tudo na cruz. O sacrifício da cruz é o principio e o fim da restauração na sua vida.




  1. O PROCESSO DA CRUZ



INSTRUÇÕES PARA O MINISTRADOR

Este talvez seja o momento mais lindo e importante de todo o Encontro.




  • Os encontristas sentirão um pouco da dor de ir a cruz, como Jesus Cristo sentiu. O ministrador deverá pedia que todos fechem os olhos e imaginem-se sendo transportados para Jerusalém. Eles estarão assistindo tudo, acompanhando cada momento, sentindo as afrontas e as dores. Lá eles morrerão para si e entenderão parte daquilo que Jesus Cristo sentiu. Permita aos encontristas se quebrantarem diante da obra completa de Jesus, deixando-os livres para este momento intimo com Ele.

  • O ministrador deverá mostrar bastante seriedade e profundo pesar em cada momento que estiver narrando os acontecimentos que se relacionam com a cruz. Deve falar pausadamente.

  • Uma musica de adoração deverá estar sendo tocada ao fundo.

  • As cadeiras deverão estar afastadas para que as pessoas tenham espaço para se ajoelhar, deitar no chão, orar, etc.

  • O ministrador aconselhara que ninguém ore em voz alta ou em línguas, apenas em português. Nesse momento, deve-se permitir que se expressem apenas chorando, ou até mesmo gritando, como acontecem em alguns casos.

  • Deverá iniciar a palestra pedindo a cobertura do sangue do cordeiro sobre sua vida e então começar a narrar os seguintes acontecimentos:

Veja Jesus sendo levado por Maria e José ao templo para ser apresentado a Deus.

Veja-o crescendo em graça, sabedoria e estatura, diante dos homens e de Deus

Veja Jesus curando as milhares de pessoas: os cegos enxergando, os paralíticos andando e saltando de alegria, os mortos ressuscitando, as pessoas maravilhadas... ninguém jamais vira coisa igual.

Veja Jesus no monte das bem-aventuranças ministrando para uma multidão sedenta e atenta.

Durante a época da Páscoa, Jesus foi ao getsêmani com seu seus discípulos e lá suou gotas de sangue.

Veja Judas e entregando-o aos soldados. Veja Jesus sendo amarrado e levado à casa de Caifás.

Veja Jesus calado ante os insultos da multidão. Imagine que você esta no meio da multidão.

Veja Jesus sendo vestido com vestes reais e sendo coroado com coroas de espinhos.

Veja Jesus sendo despido e recebendo sobre seus ombros uma pesada cruz de madeira.

Veja Jesus sendo levado para fora da cidade, saindo em direção ao Gólgota, o lugar da caveira. Ele fez tudo isso por você.

Veja Jesus caindo algumas vezes por causa do peso dos seus pecados. Ele esta muito cansado e com sede.

Veja os soldados cravando as mãos de Jesus com os cravos enormes; eles cravam também os seus pés e ele sente muita dor. Jesus sangra... sangra muito.

A dor aumenta porque estão levantando a cruz e fixando-a verticalmente. Jesus foi à cruz por minha causa, por sua causa, pelo mundo inteiro.

Você esta no meio da multidão que assiste a tudo. Eles não estão calados, eles blasfemam, gritam.

Imagine Jesus lhe dizendo: não foram os romanos que me crucificaram, não foram os judeus... Eu estou aqui por causa de você, (repita esta frase pelo menos três vezes); foram os seus pecados que me trouxeram a cruz...

Veja o céu escurecer. Ouça o que Jesus está gritando: “Eli, Eli, lama sabactâni... Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Depois Jesus grita novamente com grande voz: “Pai, nas tuas mãos entrego meu espírito!”.

Agora Jesus morreu. Ele está morto. (Dê um pequenino intervalo para que haja reflexão no auditório).

Veja o soldado furando o lado do Senhor e de lá saindo sangue e água.

Jesus é tirado da cruz e é envolvido em um lençol de linho fino. José de Arimatéia sepulta-o num tumulo novo.

A porta do sepulcro é fechada com uma grande pedra.

A multidão se retira; eles têm pressa, porque o sábado está começando.

Você se retira também.

Três dias se passaram.

A noticia se espalha: Jesus Nazareno ressuscitou! Você ouviu? Jesus ressuscitou por você e por mim.

Agora que Jesus esta vivo, ponha-se debaixo da cruz e sinta o sangue do Senhor caindo sobre você.

Receba a remissão dos seus pecados. Receba o perdão do Senhor Todo Poderoso.

O Tumulo está vazio: não há mais condenação para os que estão em Cristo Jesus.

Você ressuscitou com Cristo. A morte e o pecado não têm mais domínio sobre você.

Celebre com palmas, abrace seu irmão e dê gritos de vitória: Jesus ressuscitou! Após este momento, peça que todos se sentem e tomem um papel para as orientações que serão dadas.

O ministrador deverá pedir que os encontristas escrevam tudo o que o Espírito Santo os lembrar sobre acontecimentos ruins, pecados, traumas, etc. em uma folha de papel que será queimada na fogueira, exemplificando o mesmo acontecimento no livro de Atos dos Apóstolos (At 19:19). Após escrever, todos devem caminhar rumo à fogueira.



  1. INSTRUÇÕES – CAMINHANDO PARA A FOGUEIRA




    • Enquanto o ministrador dirige a oração, a equipe de apoio do encontro deverá acender a fogueira, previamente montada em um lugar seguro, sem que os encontristas percebam.

    • O ministrador deverá também informa que peças de roupa que tenham símbolos da Nova Era, cartas de pessoas com quem tiveram relacionamento ilícito, presentes de origem ilícita, CDs mundanos, crucifixos, revistas pornográficas, cigarros, preservativos (jovens solteiros) e todos os objetos que se relacionam com algum pecado devem ser queimados. As pessoas podem ir ao dormitório pegar os objetos para que sejam destruídos. Todo argumento de Satanás devera ser anulado.

    • Diga-lhes que Deus já os perdoou, e que devem pegar o papel, bem como os objetos, e queima-los na fogueira, testificando que renunciam a tudo isso e ao que significam.

    • Próximo a fogueira, divida-os em grupos de 12. Eles deverão jogar ao fogo os papeis e objetos e juntos gritarem: “ESTÃO NULADOS TODOS OS ARGUMENTOS DO DIABO SOBRE A MINHA VIDA!”.



    • Deve-se cantar uma musica de vitória, e, em comunhão, abraçarem-se uns aos outros.

    • Encaminhe os encontristas para os jantar estabeleça a hora de recolher e de dormir.


Nesta noite muitas bênçãos se manifestarão

na vida dos encontristas. Deus é tremendo!


ORAÇÃO COMO

ESTILO DE VIDA
3º Dia de Encontro (Domingo) – 1ª Palestra

Texto: Mateus 6:9-15

Tempo: 1h

INTRODUÇÃO
Quando oramos, estamos falando com o Senhor. Através da oração, temos a oportunidade de nos relacionar com o Pai, gerar intimidade com Ele. Sem oração somos facilmente convencidos de que qualquer coisa é melhor do que estar com o Pai. Mas, através da oração, descobrimos que Deus é bom e que não possui filhos prediletos. Há filhos mais achegados a Ele e, conseqüentemente, mais abençoados.

“Se o meu povo que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu o ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (II CR 7:14).



Temos uma promessa da parte de Deus de que, quando oramos rendidos ao Senhor, Ele nos ouve, perdoa os nossos pecados e nos sara.


  1. TRÊS PASSOS ESSENCIAIS PARA A ORAÇÃO

    1.1. A oração não é ostentação (Lc 18:11-14)
    -
    Não devemos orar como forma de ostentação e sim para que sejamos ministrados por Deus. Orar para que Deus ouça, não para que as pessoas ouçam. É preciso se humilhar na oração e não se exaltar (Mt 23:14 / Lc 18:11-14).
    - A oração é algo particular entre você e Deus. Requer sinceridade. Não podemos ser superficiais na conversa.

    1.2. A oração possui princípios muito importantes (Fp 4:6)
    - Devocional diário: dedicação íntima, um investimento de 30 minutos, pelo menos, diariamente (Mt 6:6 / Sl 25:14).
    - Privacidade na oração (Mc 1:35). A oração secreta é uma intimidade. No lugar que você separa para esta a sós com Deus, você está cultivando um relacionamento com Ele (Is 26:20).
    - Devemos estar plenamente convictos de que Deus está atento ao que falamos, pois Ele ouve nossas orações (Ef 3:20). Tudo o que pedirmos ao Pai com fé, Ele nos dará (Hb 11:6).


    1.3. Dez passos que Jesus estabeleceu para a oração (Mt 9:6-14)




    • REDENÇÃO – Pai nosso
      Porque Ele nos chamou, podemos chamá-lo de Pai (Jô 1:12). Porque Ele nos deu vida estávamos mortos (Ef 2:1 / Gl 2:20). Antes tínhamos outro pai (Jô 8:44). Deus nos deu promessas grandes e preciosas e uma das formas de reivindicá-las é através da oração (I Pe 1:4).

    • AUTORIDADE –Que estás nos céus
      Deus é o Senhor: soberano, criador, Todo-Poderoso. Ele nos deu autoridade e poder (Mc 16:17 / Lc 10:19). Ele nos deu senhorio na terra (Gn 1:28 / Ef 1:22-23).

    • ADORAÇÃO – Santificado seja o teu nome
      A natureza de Deus é santa, separada completamente da maldade. Ninguém se compara a Ele. O Senhor procura verdadeiros adoradores que o adorem em espírito e em verdade (Jô 4:23-24). Nunca permita que nada e nem ninguém roube o lugar da adoração de Deus no seu coração.

    • GOVERNO – venha a nós o teu reino
      Todo poder nos céus e na terra foi dado a Jesus... isto é uma herança para nós também (Mt 28:18 / Ef 1:22-23). Deus governa todo o universo e deve governar também a minha vida. O governo de Deus implica em impactar o mundo através do evangelho (At 17:6).

    • EVANGELIZAÇÃO – seja feita a tua vontade assim na terra como no céu
      A implantação do reino de Deus diz respeito ao desejo que Deus tem de colocar todas as coisas em ordem com a sua palavra revelada: que todos sejam salvos, que sejam santos, que não haja injustiça ou corrupção, etc. A vontade de Deus é que todo pecador se arrependa, então precisamos evangelizar o mundo (Mc 16:17).

    • PROVISÃO – o pão nosso de cada dia dá-nos hoje
      Deus garante provisão necessária para uma vida sem carências, sem miséria. A vontade de Deus é que coloquemos a nossa confiança tão somente nEle (Hb 11:1).


    • PERDÃO – perdoa as nossas dividas assim como perdoamos...
      Muitos querem o perdão de Deus, mas não querem perdoar aqueles que lhe ofenderam. O perdão, para alguns, é uma tarefa difícil. Porem, algo não pode ser esquecido: Deus perdoa o pecador. Nós não somos maiores do que Deus, e em Miquéias 7:19, Ele diz que lança fora o nosso pecado no mar do esquecimento. Toda oração que é feita sem perdão não flui. Jesus disse a Pedro que perdoasse o seu irmão 70 vezes 7, ou seja, sempre que necessário (Mt 18:21). Quem não perdoa acaba nas mãos dos verdugos: demônios, enfermidades, nervosismo, etc (Mt 18:33-35).

    • PROTEÇÃO – Não nos deixe cair em tentação
      Quem com a tentação caminha pelo fogo. Todos os que brincam com a tentação não resistem e caem. Quanto mais longe você estiver do fogo mais seguro estará; de igual modo, deve proceder com a tentação: fique longe. É necessário fortalecer-se no Senhor e revestir-se de todo a armadura de Deus (Ef 6:10-13). Precisamos resistir nos dias mais e estar firme diante das circunstancias (II Co 4:17).

    • LIBERTAÇÃO – mas livra nos do mal
      Só está livre do mal quem é redimido por Cristo (Jô 8:32). Não há comunhão entre a luz e as trevas (II Co 6:14). Você precisa estar firmado na fé (Mc 16:17), sabendo que você é redimido e tem autoridade no nome de Jesus. Para continuar livre é necessário caminhar sempre na direção do Espírito de Deus (Gl 5:25).

    • SEGURANÇA – pois teu é o reino, o poder e a gloria para sempre
      Pode se chegar com confiança diante do trono da graça (Hb 4:16 / Sl 91). Não existe lugar mais seguro do que estar em Cristo (Jô 10:27-28). O Senhor domina sobre tudo e sobre todos e o seu reino jamais terá fim.



CONCLUSÃO
É muito importante seguir estes passos. Coloca-los em pratica diariamente é uma forma de exercitar a oração, ampliar o vocabulário com Deus e ainda ter um nível maior de intimidade com Ele.

Não importa o local em você estiver, busque um tempo para estar a sós com Deus. A Bíblia fala de homens que reservaram um tempo especial para estar a sós com Deus. Isaque meditava no cair da tarde (Gn 24:63). No salmo 119:63, Davi ora a meia-noite. Paulo nos ensina a orar em todo o tempo (Ef 6:18)

Mateus 26:41 diz: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, esta pronto mais a carne é fraca.”

No inicio, a oração é como um exercício que precisa ser praticado todos os dias até se tornar um habito que faça parte de sua vida, como as refeições que você faz diariamente. Você entra com a ajuda do maior intercessor que existe: O Espírito Santo da promessa. Adote-O como seu professor. Ele lhe ajudara a fluir nessa pratica maravilhosa, até que a oração seja, para você, um estilo de vida.



Fim da palestra

INSTRUÇÃO PARA O MINISTRADOR
Já que a palestra estimula a oração como estilo de vida, promova um maravilho tempo de oração com o grupo.



CONHECENDO A VISÃO CELULAR

NO MODELO DOS 12

3º Dia de Encontro (Domingo) – 2ª Palestra

Texto: Mc 16:15 / Gn 17:2 e 6 Is 60:22

Tempo: 1h e 30 min



INTRODUÇÃO
A Visão Celular é fácil, pratica e possível. Não é mais uma denominação, mas um modelo de evangelização que traz crescimento, multiplicação e muita responsabilidade com a igreja local. O alvo da visão é fazer de cada membro da igreja um discípulo do Senhor Jesus, e um líder no modelo dos 12. essa visão veio para nos levar a fazer exatamente o que Jesus mandou que fizéssemos: discípulos de todas as nações da terra (Mt 28:19).

Tudo o que envolve a visão celular está relacionado a ganhar vidas, pois para isso Jesus veio, morreu, ressuscitou e voltará. A visão não tem um cunho doutrinário, pois ela é devocional; é uma estratégia que atrai um resultado que todos podem experimentar e reconhecer, que de fato, só Deus dá tamanho crescimento. “De modo que,nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento”. (I Co 3:7).

Quando a visão é implantada na igreja gera uma restauração completa. Os lideres sentem alegria em compartilhar a palavra numa dimensão ainda maior, as pessoas são treinadas para ganhar outras vidas, há dinâmicas nas reuniões, tanto nos cultos principais quanto nas células, nas macro-células, nos doze e nas redes, vem uma explosão de alegria e todos os nossos objetivos são alcançados.


  1. ETAPAS DA VISÃO

    A Visão Celular pode ser compreendida por qualquer veterano na igreja ou novo convertido. Ela é processada de uma forma que, além de trazer muito conteúdo bíblico, adestra a pessoa em uma velocidade muito grande formando um líder de sucesso em um tempo hábil. As etapas da Visão Celular são: GANHAR – CONSOLIDAR – DISCIPULAR – ENVIAR.

    GANHAR: acontece através do evangelismo pessoal, das células de multiplicação, culto das redes e cultos de celebração.



    CONSOLIDAR: é o processo de firmar o novo convertido na fé, visitando-o, levando-o a uma célula, ministrando o pré-encontro, encontro, pós-encontro e incentivando a ingressar na Escola de Líderes.
    DISCIPULAR: quando o discípulo ingressa na Escola de Líderes, começa a liderar uma célula, gera zelo por cuidar de discípulos, levantando posteriormente outros líderes. Nesse processo, as gerações começam a ser levantadas.

    ENVIAR: Enviam-se discípulos quando eles estão preparados para lidera células. Nesta etapa da Visão Celular, o líder forma a sua 1ª geração, realiza seus próprios encontros, possui Escola de Líderes sob a sua direção, esta conquistando territórios. Enfim, ele tem experimentado os resultados benéficos que a Visão Celular produz.

    Na Visão Celular, o ideal antes de levar as pessoas a qualquer culto é introduzi-las sabiamente em uma célula. Muitas pessoas têm medo de igreja, estão assustadas e traumatizadas por escândalos. Nesses casos, a reunião em casa é melhor. Somos uma igreja em células, e quando uma pessoa já vai chegando no Reino com uma mentalidade de célula, compreende melhor a Visão.


    Um dos melhores lugares para se ter uma célula é em casa (Jô 1:38-39 / At 5:42 / Rm 16:5 , 10-11).
    Lá os discípulos são impactados por serem trazidos a intimidade do discipulador, onde não há disfarces e todos mostram realmente quem são. Esse fato faz com que o novo convertido gere interesse de participar das reuniões e cumprir o alvo da visão: ganhar vidas. “O fruto do justo é árvore de vida que busca; e o que ganha almas sábio é.” (Pv 11:30).
    A Visão Celular tem com objetivo principal ganhar vidas, por isso é uma Visão que busca tratar caráter, confrontar pelo ensino da palavra, produzir um genuíno arrependimento e comunhão profunda com Deus, além de gerar relacionamentos entre irmãos.
    O Encontro não é a Visão Celular; é uma coisa, mas diante de tudo que Deus tem a oferecer, o Encontro não é nada. Não se atrapalhe no processo. Algumas pessoas fazem o encontro, são impactadas, mas ficam pelo caminho, não compreenderam que não podem parar no Encontro, pois Deus tem muito mais para realizar em suas vidas.

Por que 12?
Doze é o numero que fala da totalidade perfeita; na economia de Deus é a perfeição na ciência, no conhecimento. Israel tinha 12 estandartes quando saiu do Egito (Nm 10:11-28). Jacó teve 12 filhos, dos quais saíram as 12 tribos de Israel (Ex 28:21).

Josué separou 12 pedras, e nelas escreveu os nomes das 12 tribos (Js 4:1-10). Doze homens foram espiar a terra prometida. Davi tinha 12 chefes das tribos de Israel (I Cr 29:6), Salomão tinha 12 chefes, chamados príncipes (I Rs 4:7). Os guerreiros eram organizados em 12 pelotões. Para formar uma comunidade legal em Israel, era necessário 12 homens (dez homens, além do oficiante e da autoridade rabínica).

A nova Jerusalém tem 12 portas. Jesus tinha 12 anos quando ascendeu a Jerusalém para fazer o Bar Mitzvah (Lc 2:42). Após subir ao monte para orar, Jesus escolheu 12 discípulos (Lc 6:13), posteriormente esses discípulos tornaram-se 12 Apóstolos (Mt 10:3 e At 6:2).

Doze é o numero do governo perfeito, é o numero do equilíbrio e da funcionalidade, é o numero que fala da harmonia, do equilíbrio e dos resultados. No Didaquê o numero 12 significa administração e acompanhamento qualitativo. O modelo dos 12 deve estar no peito (Ex 28:15-21). Esse modelo nos devolve o sacerdócio, nos dá uma equipe eficiente (Ex 28:3). Por toda essa significação, cada um dos 12 é uma pedra preciosa de valor.

O objetivo do 12 é possibilitar que toda a igreja seja ministrada na mesma linguagem, e que todos sejam acompanhados individualmente. O objetivo funcional é que todos os 12 tenham células, façam o Reencontro e Encontro de Níveis, bem como os demais encontros que a visão tem a oferecer, pois na Visão Celular, todos são convocados a serem lideres e precisam de treinamento.
A Visão nasceu para conquistar a Terra
“pede-me e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão.” (Sl 2:8).

“...deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência, como as estrelas do céu e como a areia que está na praia do mar.” (Gn 22:17).

Quantos querem receber a unção da multiplicação? Para que a visão funcione é necessário que todos na igreja, passem pelo processo da visão. Após conclusão das fases, teremos outras conquistas ao longo da caminhada.

Fim da Palestra

INTRUÇÕES PARA O MINISTRADOR
Orar e mencionar as etapas da visão. Cada encontrista deverá ser ungido para receber a unção da multiplicação e cumprir os processos da visão celular no modelo dos 12.



BATISMO NO

ESPÍRITO SANTO
3º Dia de Encontro (Domingo) – 3ª Palestra

Texto: Atos 1:8

Tempo: 2h e 30 min


INTRODUÇÃO
mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.” (At 1:8).
O Batismo no Espírito é a experiência de se receber um revestimento de poder, um batismo com fogo (LC 24:49 / Mt 3:11). É onde a pessoa é preenchida e envolvida peça gloria de Deus. O batismo no Espírito Santo significa a plenitude do Espírito, possuindo a plenitude do homem. Quando estamos cheios do Espírito o mundo das trevas nos identifica e nos teme. Ninguém pode ser 100% feliz na vida ministerial se não for cheio do Espírito Santo.

1   2   3   4   5   6


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal