Gilberto Freyre e Anísio Teixeira



Baixar 6.42 Kb.
Encontro22.07.2016
Tamanho6.42 Kb.

Gilberto Freyre e Anísio Teixeira


Edivaldo Boaventura


Neste ano que se inicia, temos dois centenários de nascimento a comemorar: Gilberto Freyre, em 15 de março, e Anísio Teixeira, em 12 de julho. O de Gilberto está bem próximo, o de Anísio mais umpouco distante. Ambos unidos pela amizade e pelo trabalho no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação ( Inep).
No que tange à Bahia, Gilberto tem um livro póstumo intitulado Bahia e baianos, textos reunidos por Edson Nery da Fonseca. É uma coleção de ensaios sobre a nossa terra, onde consta o seu poema “Bahia de todos os santos e de quase todos os pecados”. A sua obra e vasta e importante para o conhecimento do Brasil, basta citar Casa grande e senzala, Sobrados e mocambos, Ordem e Progresso. Dentre os muitos estudiosos e conhecedores da importância de seu trabalho, destacam-se Vivaldo da Costa Lima, Waldir Freitas Oliveira, Maria de Azevedo Brandão, Fernando da Rocha Peres. Gilberto veio inúmeras vezes à Bahia e chegou a aqui morar alguns meses. Lembro-me perfeitamente da sua vinda em novembro de 1970 quando veio para a inauguração da Biblioteca Pública da Bahia. Estive com ele em Recife sempre levado à sua casa, em Apipucos, por Vamireh Chacon, seu biógrafo. Doutor honorífico pela Universidade Federal da Bahia e com muitas outras ligações locais. Não sei, imagino, se a nossa Academia de Letras e o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia vão realizar alguma exposição, conferência ou curso acerca da importância da contribuição gilbertiana.
Com referência ao nosso Anísio, começamos a planejar algo mais profundo, escalonando a sua vida tão bem estudada por Luiz Viana Filho. Em Caitité, sua terra natal, foi restaurada a casa onde nasceu. Em Salvador, há o Instituto Anísio Teixeira (IAT), criado por mim, em 1983, na Secretaria de Educação, como organismo de estudos, pesquisas e publicações, vem se notabilizando cada vez mais como centro de treinamento do pessoal da educação. O seu nome patroniza a Fundação Anísio Teixeira, liderada por Hildérico Pinheiro de Oliveira, um dos colaboradores mais notáveis de Anísio, conhecedor abalizado de seu pensamento e ação. A Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, cuja biblioteca porta o nome de Anísio Teixeira, e a Academia Baiana de Educação, atualmente, presidida por esse engenheiro-educador, Hildérico Pinheiro de Oliveira, estão programando comemorações . Como diretor da Instrução Pública, no governo Góes Calmon, e como secretário de Educação e Saúde, de Otávio Mangabeira, Anísio é presença destacada na vida educacional do nosso estado. Não só pelo nascimento, mas de muitas outras maneiras sempre esteve atuante na Bahia, basta lembrar a concepção e edificação da Escola Parque. Do ponto de vista nacional, a sua luta pela escola pública e pela educação de modo geral é altamente significativa. Mas deixemos o Brasil com os outros brasileiros na homenagem ao grande Anísio e vamos cuidar dele na linha sucessória do pensamento baiano como herdeiro intelectual de Rui Barbosa nas grandes causas do ensino.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal