Grupo temático: Práticas Escolares e não Escolares e Organizações Alternativas



Baixar 15.03 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho15.03 Kb.




REFLEXÕES SOBRE PRINCÍPIOS ÉTICOS EM PAULO FREIRE E SUAS CONTRIBUIÇÕES ÀS PRÁTICAS EDUCATIVAS NA CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA
Grupo temático: Práticas Escolares e não Escolares e Organizações Alternativas.

Tânia Barbosa Martins,

Vagno Emygdio Machado Dias

Universidade Federal de São Carlos


O objetivo desse artigo é demonstrar que a ética é um conceito que sempre esteve presente na obra de Paulo Freire e perpassa por toda sua concepção de educação e de sociedade democrática. A partir da leitura de algumas obras centrais desse teórico, vislumbramos a dimensão ética na perspectiva de uma ética para a vida, para a libertação, para a humanização crescente do homem e para protagonizar a transformação da história. A ética é uma postura à qual os homens em processo de humanização e, portanto, de libertação, tem de assumir, perante outros indivíduos e a sociedade, sua responsabilidade com a ontologia dos homens que é Ser Mais.Tal dimensão ética é revestida por uma postura política. Ela é consolidada quando o conhecimento pautado na comunicação é capaz de promover a passagem de uma consciência ingênua para uma reflexão crítica. O estudo visa salientar que a ética em Paulo Freire é a busca de uma nova educação pautada no exercício democrático onde predomina o diálogo como elemento fundamental, que em última instância apresenta um forte ideal de mudança social. Para Paulo Freire, o advento da nova sociedade da informação agudiza os processos de exclusão social, principalmente, daqueles setores com menos recursos formativos e que nesse contexto a educação possui um papel importante na busca de conhecimentos e soluções de problemas. Desse modo, temos refletido à luz de Paulo Freire, que a ética contrapõe-se àquela que está posta hoje, a ética do mercado, da negação do outro e conseqüentemente da exclusão social. A partir dessas considerações, surgiu uma inquietação de desvelar como a prática educativa poderia contribuir para a construção de uma nova educação e uma nova ordem social calcada em valores éticos. Então, buscando uma resposta mais elaborada, o nosso estudo nos possibilitou demonstrar uma postura ética de suma importância às práticas educativas: o exercício democrático, que inclui autenticidade dos sujeitos, participação, compromisso de todos no ato educativo, respeito à cultura e autonomia do aprendiz, e, exercício da solidariedade e cooperação. Nesse exercício democrático, o diálogo é o elemento central que permite as mediações e entendimentos entre as pessoas, e, além disso, apresenta um forte ideal de compromisso com a emancipação do homem.

Nessa perspectiva, segundo Paulo Freire, uma proposta democrática, quando realmente presente, culmina em procedimentos específicos no interior da sala de aula. As práticas educativas devem se caracterizar pela autenticidade do posicionamento político do professor, o que torna perceptível de que lado o professor está, do oprimido ou do opressor. Só nessa medida poderemos transpor de uma prática ingênua para uma consciência crítica na busca incessante do Ser Mais dos homens. Nesse sentido, a ética é antes de tudo uma postura coerente, honesta consigo mesmo e com o outro no sentido da libertação do homem, ressaltando que a libertação não é somente a libertação individual, mas coletiva e, inclusive, envolve a do opressor. Assim, ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho, todos se autolibertam em comunhão e solidariedade. Isto é ser coerente, é ser leal e não desleal com relação a si mesmo e com os outros. Desse modo, é imprescindível que na prática educativa, o professor assuma uma postura política, entendendo que o ser político em Paulo Freire é não ser neutro, diferentemente do sectário, que possui interesses individualistas e não busca a concretização do Ser Mais.

Nessa proposta democrática, vislumbramos também a dimensão ética através dos papéis definidos do professor e do aluno. O professor deve ser responsável eticamente por proporcionar aos alunos o acesso aos conhecimentos elaborados culturalmente e cientificamente e por assumir a sua identidade e autoridade na função docente. Entretanto, os alunos também possuem suas responsabilidades nesse processo, devem de modo comprometido exercer sua participação na re-construção dos saberes. Assim, a democracia para Paulo Freire, situa-se numa relação horizontal, de respeito e compromisso entre professores e alunos. A participação efetiva de todos em todo o processo é condição central, que vai desde a seleção de conteúdos, passando pela metodologia até a avaliação.

Essa democracia salientada por Paulo Freire, tendo como ingrediente básico o diálogo intersubjetivo, pressupõe que todos os participantes tenham as mesmas oportunidades de falarem, de serem respeitadas suas culturas, bem como suas diferenças de gênero e idade. A importância do diálogo nesse processo se justifica porque articulado à reflexão os sujeitos vão se percebendo como sujeitos de linguagem e ação, recuperando a confiança em si mesmos e em suas capacidades de compartilharem planos de ação. Somente assim, a relação pode voltar-se para o desvendamento do mundo real e comprometimento com a transformação.

A abertura para o diálogo intersubjetivo possibilita mudanças radicais nas práticas educativas. Como relata Paulo Freire, ele é incompatível com a educação tradicional, onde predomina a educação bancária, como forma principal de comunicação. Nesse tipo de educação bancária o monólogo é a principal forma de comunicação, a sua tônica é apenas narrar e dissertar aos oprimidos e não com eles. O professor detém o saber elaborado historicamente e sua função é transmitir conhecimento que, aliás, não tem nada a ver com a cultura dos oprimidos e lhes são indiferentes e estranhos. Esse tipo de educação apresenta sérios problemas, pois não reconhece o saber popular. O único que é trabalhado na escola é o saber da classe dominante, o que acaba reproduzindo a sociedade e negando o reconhecimento da capacidade das pessoas de serem reflexivos, de poderem construir seus conhecimentos e de serem protagonistas da história. Para Paulo Freire, a educação bancária é o reflexo da sociedade opressora que tende a promover a cultura do silêncio para dessa forma assegurar sua situação de privilégio. Os professores controlam todo o processo de comunicação, a fim de transmitir os conhecimentos válidos. O educador é o dono do saber, e o aluno um ser passivo. Em geral, essa educação tende a coisificar as pessoas, reproduzindo as relações de poder próprio do sistema dominante.

Desse modo, a prática educativa tem um papel central, se estivermos interessados na luta para a superação dessa situação e construção de uma nova ordem. A abertura do diálogo é um princípio ético importante, pois, não aliena os indivíduos e estando na busca da verdade, do Ser Mais dos homens só pode ser alcançada articulada a reflexão. O Ser Mais enquanto sendo a busca da libertação e humanização só pode ocorrer com a reflexão e o diálogo dos homens sobre o mundo e sua transformação. Mas como o homem não faz a história sozinho, precisa manter a abertura do diálogo para melhor refletir sobre a transformação do mundo. Assim, a construção de uma sociedade democrática se passa, irremediavelmente, pela construção de uma nova mentalidade ou cultura dialógica, onde os indivíduos assumam com ética, a construção dessa sociedade.



Uma prática educativa ética é uma postura responsável do professor em assumir sua função docente com responsabilidade, mantendo um clima democrático, com o diálogo, com o respeite ao aluno como ativo no processo de aprendizagem, reconhecendo-os como sujeitos sociais, de história, de transformação e de solidariedade, bem como o respeito de sua heterogeneidade, de seus valores, costumes e sua cultura. A ética não inclui preconceitos e discriminação. Uma prática educativa calcada em valores éticos deve ser comprometida com o desenvolvimento de sujeitos solidários, que buscam conjuntamente conhecimentos e soluções de problemas.

Enfim, deve ter como objetivo maior um projeto de emancipação e transformação dessa realidade, que se caracterize pelos valores éticos, principalmente, no compromisso com o desenvolvimento do Ser Mais dos homens, como salientado, na luta dos oprimidos para recuperar a sua humanidade, libertando a si e aos opressores, na luta para a superação da situação posta hoje, da ordem do mercado, da individualidade, da competitividade desenfreada, da negação do outro. Nesse sentido, os princípios éticos na pratica educativa implica uma prática comprometida com valores democráticos, que tenham um forte ideal de mudança social, de uma nova ordem. É difícil pensar em uma sociedade democrática, quando refletimos sobre a situação do mundo hoje, poderíamos dizer, que estamos vivendo uma crise da democracia. Hoje a população já não confia mais em seus governos, esses por sua vez, já não houve as opiniões do povo. Em alguns países, muitos governantes imbuídos apenas de interesses próprios passam por cima das opiniões populares e de muitas organizações. Tal barbaria é tão aguda, porque muitas instituições e muitas práticas educativas não se comprometem com a criação do homem novo. Para Paulo Freire, esse homem novo é aquele em permanente busca da humanidade, aquele sujeito solidário e cooperativo, aquele homem que como diz Paulo Freire, não sendo bla-bla-bla, nem ativismo, age de forma crítica e reflete sobre sua ação na busca constante do conhecimento e soluções de problemas.


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal