Água de Caruaru Sandra Neiva Coêlho



Baixar 15.73 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho15.73 Kb.
Água de Caruaru




Sandra Neiva Coêlho, Médica Nefrologista, Professora Titular de Nefrologia, Departamento de Medicina Clínica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.


O acidente ocorrido no Instituto de Doenças Renais (IDR) em Caruaru, PE, durante o mês de fevereiro de 1996 transformou a história e a prática clínica da hemodiálise. A contaminação da água utilizada para hemodiálise com microcistina, uma toxina de cianobactéria, causando a morte de 65 pacientes trouxe várias lições a comunidade médica e a sociedade civil.

O IDR funcionava há 10 anos mantendo cerca de 130 pacientes sob tratamento dialítico. A cidade de Caruaru, com 217.430 habitantes e situada a 135 Km de Recife, apresenta um clima semi-árido, com temperatura variando entre 20 a 38oC ao longo do ano. A água é escassa e com fornecimento irregular na cidade. Estas condições provocaram a utilização de água transportada por caminhão pipa e sem tratamento adequado. Dessa forma, a água que abasteceu ao reservatório da clínica estava contaminada com toxina de ciano-bactéria.

A maioria dos pacientes apresentaram toxemia. Posteriormente cerca de 50% desses evoluíram com coagulopatia, acometimento do sistema nervoso central e insuficiência hepática seguida por óbito.

O quadro clínico não era característico de nenhum contaminante conhecido anteriormente em unidades de hemodiálise. As hipóteses investigadas, embora sem confirmação, foram as seguintes: leptospirose, intoxicação por cloro, metais pesados, contaminação por agrotóxicos, resíduos de ácido cresólico e fenólico, infecção por bactérias ou vírus.

O diagnóstico etiológico definitivo foi identificado pela Profa. Dra. Sandra Azevedo, Coordenadora do Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais - CCS - UFRJ. O seu conhecimento sobre a biologia das cianobactérias ou algas cianofícias permitiu associar o quadro clínico dos pacientes do IDR a contaminação por uma toxina produzida por essas algas. Em seguida foi concluído que a água proveniente dos açudes e enviada a clínica estava contaminada. A microcistina-LR, uma toxina liberada por cianobactéria, foi identificada no filtro de carvão usado no IDR, no dialisador, no plasma e no fígado dos pacientes acometidos.

As cianobactérias liberam toxinas que são potentes e letais. Entre essas toxinas foram identificadas a microcistina-LR, que é hepatotóxica; e a anatoxina-a, anatoxina-a(s), saxitoxina e neosaxitoxina, que são neurotóxicas.

A microcistina-LR é uma molécula pequena, composta por sete aminoácidos, com peso molecular entre 0,9 a 1,0 kDaltons. Os pesquisadores da área têm mostrado que a microcistina-LR atua inibindo enzimas intracelulares denominadas fosfatases, que removem os grupamentos de fosfato das proteínas. Isso promove uma alteração na estrutura do esqueleto celular causando disfunção, ou seja modifica a arquitetura e consequentemente a função das células do fígado. Os estudos chegam a admitir que a ação de doses sub-letais das hepatotoxinas provenientes de cianobactéria estaria associada ao desenvolvimento de câncer hepático. Esta suposição tem sido investigada na China onde existe cianobactéria nos mananciais de água fornecida a uma população que apresenta elevada freqüência de dessa neoplasia.

A primeira descrição sobre a morte de animais provocada por cianobactéria foi realizada em 1878 por George Francis, na cidade de Adelaide, Austrália. Os animais apresentavam quadro clínico de estupor, sonolência, convulsões e morte. Na década de 40 foram relatados casos de envenenamentos por essas toxinas em animais selvagens e domésticos. Todavia, segundo o pesquisador Wayne W. Carmichael, professor de biologia aquática e toxicologia da Wright State University e especialista no assunto, até janeiro de 1994 não havia relato de casos de mortes em humanos provocadas pelas toxinas da cianobactéria.

Este pesquisador ainda refere que os animais morrem após ingerir água coberta por algas azul-esverdeadas existentes em lagos, açudes ou reservatórios. As condições favoráveis para o desenvolvimento da cianobactéria são água com temperatura entre 15 a 30ºC,  presença de vento suave, pH neutro a alcalino (entre 6 a 9), presença de nutrientes contendo nitrogênio e fósforo. A liberação das toxinas ocorre quando a cianobactéria envelhece,  morre ou a água foi tratada com sulfato de cobre. A quantidade de água ingerida para provocar a morte depende da concentração da toxina, da quantidade de cianobactéria, bem como da espécie, tamanho, idade e sexo do animal .

Devido ao melhor conhecimento das toxinas proveniente de cianobactéria e de suas graves conseqüências, atualmente já existem estudos com recomendações para  remover esses elementos da água utilizada para beber. De acordo com P. R. Carlile, em abril de 1994, na publicação no. FR0458, intitulada: Further Studies to Investigate Microcystin-LR and Anatoxin-A Removal From Water, o processo deve constar de:

(1) Filtro de carvão ativado em pó, com base de madeira. Eficaz para remover microcystin-LR, mas menos eficiente para remover anatoxin-A,

(2) Filtro de carvão ativado granulado, mantendo contado durante pelo menos 15 minutos. Eficaz para remover e degradar microcystin-LR. Anatoxin-A é melhor removida por esse filtro do que a microcystin-LR,

(3) Ozonização é eficiente sendo mais adequada quando aplicada a água filtrada. A ozonização não causa a liberação da toxina,

(4) Permanganato de potássio é eficaz se utilizado em água filtrada,

(5) Radiação ultra-violeta deve ser empregada em dose mais elevada do que aquela usada para a desinfecção,

(6) Cloração para atingir um pH igual a 5, remove a  microcystin-LR e não modifica o teor de anatoxin-A 2.

Em relação ao tratamento necessário a água para hemodiálise não há estudos realizados. É necessário estabelecer qual o melhor método para reter e eliminar essas toxinas.

A água para hemodiálise deve ser preparada no sentido de evitar contaminantes de natureza físico-química e microbiológica. Em relação aos componentes físico-químicos são conhecidas as toxicidades provocadas por alumínio, cálcio, magnésio, sódio, cloramina, cobre, nitrato, fluoreto, sulfato, zinco. Recentemente o estrôncio tem sido descrito como causador de doença óssea. Este metal deverá ser incluído na lista da AAMI (Association for the Advancement of Medical Instrumentation), referência nos Estados Unidos para qualidade de água utilizada em hemodiálise.
A respeito da contaminação microbiológica são recomendados os controles dos níveis de bactéria e de endotoxina. Após o acidente de Caruaru, o Center for Disease Control and Prevention (CDC) tem lembrado também a determinação e o controle de toxinas de cianobactérias nas regiões de risco (informação verbal).

Em conclusão a água de Caruaru mostrando-se escassa, contaminada e inadequada provocou discussões e alertou para a necessidade de melhorar a qualidade de água para hemodiálise. O Ministério da Saúde através da portaria no. 2042/GM (DOU 11/10/96), estabeleceu parâmetros claros a partir dos padrões de centros mais desenvolvidos.  No entanto muitas questões permanecem em aberto nesta discussão.


 

Referências:

1. Carmichael, W.W.: The toxins of cyanobacteria. Scientific American, January: 64-672, 1994

2. Carlile, P.R.: Further Studies to Investigate Microcystin-LR and Anatoxin-A Removal From Water, http://www.atlas.c...listons/fr0458.htm, april, 1994,

3. Stone, W., Hakim, R.M.: Therapeutic options in the management of end-stage renal disease. Em: The principles and practice of nephrology. Eds. Jacobson, H.R., Striker, G.E., Klahr, S. Mosby, New York, 1995, pp 650-654

4.  Ronco, C.; Brendolian, A.; Crepaldi, C.: Water and dialysate treatment for hemodialysis. pp41-61

5. Ismail, N.; Becker, B.; Hakim, R.M.: Water treatment for hemodialysis. American Journal of Nephrology, 16:60-72, 1996

6. Tokars, J. I.; Alter, M. J.; Favero, M. S.: National survaillance of Dialysis-Associated Diseases in the United States, 1994. US Department of Health & Human services, Public Health Service, Center for Diseases Control and Prevention, Atlanta, Georgia, USA, pp.1-76

Sandra Neiva Coêlho *


Fone e Fax: 55-81-465.7990
e-mail:neiva@elogica.com.br.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal