Guilherme Pinto falava antes da cerimónia de inauguração deste novo equipamento, hoje realizada sob a presidência do ministro da Cultura e com a presença do arquitecto Álvaro Siza



Baixar 20.46 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho20.46 Kb.
Porto, 25 Jun (Lusa) - O presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, disse hoje à agência Lusa que a inauguração do Centro de Documentação Álvaro Siza "é um primeiro passo para a futura Casa da Arquitectura", que espera ver concluída dentro de três anos.

Guilherme Pinto falava antes da cerimónia de inauguração deste novo equipamento, hoje realizada sob a presidência do ministro da Cultura e com a presença do arquitecto Álvaro Siza.

Este equipamento situa-se na Rua Roberto Ivens, 582, em Matosinhos, na que foi, em tempos, a casa da família de Álvaro Siza e que a partir de agora aloja o Centro de Documentação do arquitecto, para onde será transferido todo o seu espólio.

A partir de agora, qualquer visitante da Casa Museu Egas Moniz, localizada na freguesia de Avanca, em Estarreja, pode aceder a um espólio do único Prémio Nobel da Medicina português com cerca de 50 mil documentos, que incluem cartas, manuscritos, fotos e bibliografia, acervo disponível no Centro de Documentação do edifício, inaugurado na passada semana.

Durante a cerimónia de inauguração, onde marcaram presença várias figuras do panorama político e cultural estarrejense e da região, José Eduardo Matos salientou a importância de Egas Moniz, dizendo que o professor conseguiu marcar a diferença no seu tempo, assumindo também a vontade de levar o município pelo mesmo caminho de distinção, posicionando Egas Moniz como personalidade "central" no desenvolvimento.

O autarca lamentou, no entanto, que a figura de Egas Moniz ainda obtenha uma "menor valorização" a nível nacional. O vereador responsável pelo pelouro da Cultura na autarquia concorda com essa noção, sobretudo tendo em conta a vertente cultural da personalidade. Salienta também que a partir de agora estão também disponíveis visitas guiadas virtuais e sonoras no sítio da Internet da Casa Museu.

Também presente na inauguração, José Artur, presidente da Junta de Freguesia de Avanca, congratulou-se com a saída da "hibernação" do espaço e pela sua revitalização. Contudo, não deixou de frisar que a parte exterior ao edifício principal, com os jardins e o lago, precisa também de ser objecto de uma intervenção, para que à oferta cultural se junte toda uma componente de "lazer". "Tem de haver outro tipo de intervenções, como a recuperação da zona envolvente e a melhoria da sinalização", considera.

É no antigo edifício do Banco de Portugal, reconstruído

como antigo solar, mantendo-se a fachada original, que se instalou o Núcleo de Exposições Permanentes, onde se encontra a exposição da pintora Graça Morais Pintura e Desenho 1983-2005”. A atribuição do nome da pintora Graça Morais ao Centro de Arte Contemporânea resultou da decisão unânime tomada em Reunião de Câmara de 12 de Fevereiro de 2007. A 25 de Abril de 2007, é assinado, entre a Câmara Municipal de Bragança e a pintora Graça Morais, o Protocolo de Colaboração e o Contrato de Comodato.

A par da cerimónia de inauguração do Arquivo Municipal, ocorrerá a abertura da Exposição “Colecção de arte popular e artesanato”, constituída por cerca de 300 peças, em grande parte reunidas na década de 80 do século XX a partir de ofertas efectuadas por artesãos do concelho à Câmara Municipal.


integra

reproduções digitais de dezenas

de milhar de documentos

escritos e iconográficos tutelados

por diversas instituições do

país e estrangeiras, nomeadamente

do Arquivo Municipal de

Vila do Conde, Arquivo Distrital

do Porto, Arquivo Histórico

Municipal do Porto, Arquivo

Nacional – Torre do Tombo,

Arquivo Geral da Alfândega

de Lisboa, Biblioteca Nacional,

Biblioteca Pública de Évora,

Biblioteca da Sociedade de

Geografia de Lisboa, Arquivo

Geral de Simancas (Espanha),

Arquivo Geral das Índias (Espanha)

e Biblioteca Nacional do

Rio de Janeiro.

Trata-se de um importante

acervo digital que, conjuntamente

com a biblioteca especializada,

está disponível, gratuitamente,

para todos os que

queiram estudar a história dos

burgos marítimos portugueses,

destacando-se como primeiro

núcleo «Vila do Conde

Quinhentista».

Procurando reconstruir a

memória histórica sobre a construção

naval, as navegações

e o comércio ultramarino no

período quinhentista, o Centro

de Documentação está a tornar-

se num privilegiado ponto

de encontro de investigadores,

bem como para a comunidade

escolar e académica. A criação

de uma dinâmica cultural inovadora

(integrando o Museu,

a réplica da Nau do século XVI

e o Centro de Documentação),

ao mesmo tempo que dinamiza

a articulação entre a escola e

a história local, constitui um

importante pólo de atracção

turística, e coloca as tecnologias

da informação e comunicação

ao serviço da investigação

e do conhecimento.

Assim, ao completar quase

três anos de funcionamento,

foram inúmeras as actividades

levadas a cabo pelo CEDOPORMAR:

• A organização de um elevado

número de visitas

orientadas à comunidade

escolar dos níveis básico,

secundário e superior do

Concelho de Vila do Conde

e de outros concelhos, que

se caracterizam pelo seu

interessante valor pedagógico,

afirmando-se como

uma resposta adequada às

necessidades do sistema de

ensino português. Recorrendo

a fórmulas inovadoras



e pedagogicamente

A nova sede é na Praça D. Maria II, nº 113, em Viana do Castelo. O centro de documentação sobre cinema, a dvdteca (composta por 700 filmes) e a exposição de fotografia, encontram-se disponíveis ao público entre as 16h30 e as 19h30, de segunda-feira a sábado.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal